microeconomia fgv

Download Microeconomia FGV

Post on 31-Oct-2015

250 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

economia

TRANSCRIPT

  • ROTEIRO DE CURSO2010.1

    MICROECONOMIAAUTOR: ANTNIO CARLOS PORTO GONALVES

  • SumrioGarantias de Cumprimento

    1. INTRODUO .................................................................................................................................................. 3

    2. PLANO DE AULA .............................................................................................................................................. 7Bloco I: A lei da oferta e da demanda ............................................................................................. 7Bloco 2: Economia do bem-estar ................................................................................................. 12Bloco 3: Comportamento da empresa e organizao da indstria ...............................................16Bloco 4: A economia do setor pblico .......................................................................................... 23

    3. BIBLIOGRAFIA .............................................................................................................................................. 26

  • MICROECONOMIA

    FGV DIREITO RIO 3

    1. INTRODUO

    1.1. VISO GERAL

    O panorama social de qualquer grupo de seres humanos composto por uma imensa quantidade de dados e informaes, os quais interagem de forma muito complexa e no evidente primeira anlise. As diversas cincias sociais procuram ordenar e estudar esta multiplicidade de dados e informaes. As-sim, a Histria usa, em geral, um critrio de organizao temporal e de perio-dizao para o entendimento dos fenmenos sociais, na expectativa de que as causas e os efeitos se ordenem de maneira temporal, ou que pelo menos isto ocorra na maioria das vezes.

    A Cincia Poltica tenta classi car, ordenar, entender os dados sociais a partir da perspectiva do poder isto , de seres humanos interagindo e ob-tendo resultados melhores para um grupo e piores para o outro, conforme o poder que cada grupamento consiga amealhar. A Sociologia busca achar con- guraes de interdependncia entre os grupos humanos, isto , a formao de coalizes chamadas classes, estados, naes, raas, sindicatos, familias etc, as quais interagem entre si, tudo isto com o objetivo de interpretar os fen-menos sociais a partir destas con guraes e de sua dinmica. A Antropolo-gia faz essencialmente o mesmo que a Sociologia, mas seu foco , em geral, no passado ou em sociedades do presente fora do main-stream geogr co. H tambm abordagens institucionais, ticas e jurdicas, que se concentram em considerar as instituies e as regras desenvolvidas pelos seres humanos para conseguir uma convivncia mutuamente ben ca ou que analisam o porqu de no conseguirem tal convivncia.

    A Economia, por sua vez, adota dois pontos de vista diferentes. Na Ma-croeconomia, se considera a evoluo dos chamados grandes agregados eco-nmicos PIB, in ao, desemprego, exportaes etc. e este ramo do conhecimento de natureza similar Sociologia, isto , busca con guraes de interdependncia, dividindo a sociedade em grupos amplos empre-srios, banqueiros, trabalhadores, governo e analisando a sua dinmica interativa. Mas isso ser visto com mais detalhes na parte referente ao curso de Macroeconomia.

    A Microeconomia, por sua vez, adota como princpio organizador dos dados sociais que observa o comportamento racional das pessoas, de nido de forma restrita como sendo a otimizao das escolhas, feita por cada indiv-duo, para alcanar seus objetivos, supostamente muito claros e indubitveis para cada um.

    Estes objetivos so considerados tambm relativamente imutveis. O homo economicus no tem dvidas e constante. A pessoa sabe o que

  • MICROECONOMIA

    FGV DIREITO RIO 4

    quer e no muda, mudando apenas as suas circunstncias. As modi caes nos dados sociais so ento explicadas como decorrentes de mudanas nas circunstncias das pessoas, dos indivduos, induzindo a mudanas nas suas escolhas, e ento na sociedade como um todo. Os modelos modernos ma-croeconmicos, buscando fundamentos microeconmicos e a uni cao da economia, construdos a partir da otimizao individual, em geral acrescen-tam ainda mais hipteses simpli cadoras, talvez simplrias, a esta construo por exemplo, todas as pessoas so iguais, e assim por diante.

    O ponto de vista metodolgico microeconmico reducionista, a reduo chegando ao nvel do indivduo. E a agregao, soma simples dos compor-tamentos dos indivduos, que explicaria os movimentos sociais como um todo. Apenas recentemente a teoria dos jogos tem construdo modelos envol-vendo coalizes supra-individuais. E, como dito acima, tambm um ponto de vista metodolgico racionalista estrito, ou seja, no o simples projeto grego de entender o mundo luz da razo. o racionalismo utilitrio, do comportamento individual maximizador.

    Apesar de suas restries, este ponto de vista da Microeconomia bem in-teressante, at para servir como balizador, quando se trata de explicar o com-portamento de pequenas unidades econmicas, como os consumidores ou as empresas, sujeitas a mudanas freqentes nas suas circunstncias. Para tanto, desenvolve conceitos, como a escassez re etida nos vrios tipos de custos, a regularidade das preferncias e da tcnica re etida na classi cao geral dos bens e dos fatores de produo (em substitutos e complementares), as leis da demanda e da oferta, descritivas de uma ampla gama de fenmenos de troca, o comportamento dos mercados competitivos, o poder de mercado monop-lico e oligoplico, os custos e os benefcios externos, isto , as externalidades, e assim por diante. Todos esses conceitos so muito usados, inclusive na le-gislao econmica referente a controles, regulao, determinao de preos, proteo do meio ambiente, e outros campos similares. O entendimento de tais conceitos , portanto, importante para os pro ssionais da rea jurdica.

    Em sntese, cada uma das cincias sociais no tem um grupo de fenme-nos espec cos aos quais se dedica como se fosse seu territrio. Na verdade, elas adotam estratgias prprias para obter o conhecimento, atravs do uso de princpios diferentes de organizao dos dados e das informaes, como se fossem diversos pontos de vista, mutuamente no exclusivos, ordenando o mesmo conjunto de observaes, movimentos e reaes sociais.

    No entanto, evidente que por usarem princpios diversos para a organi-zao do conhecimento, cada uma das cincias sociais se presta mais anlise de certos fenmenos nos quais a e cincia explicativa ou interpretativa do princpio que a caracteriza maior. Da a aparente especializao territorial de cada uma das cincias sociais, quando na verdade qualquer fenmeno so-cial pode ser olhado a partir de vrios pontos de vista.

  • MICROECONOMIA

    FGV DIREITO RIO 5

    No caso da Microeconomia, este aparente territrio existe e o seu cam-po de estudo clssico, que se compe de conceitos ligados produo das empresas custos, formao de preos em vrias con guraes de mercado e tambm o comportamento do consumidor e outros assuntos correlatos. No obstante, o princpio de comportamento racional estrito, claro e imut-vel para cada pessoa, ordenador dos dados sociais pela Microeconomia, pode ser aplicado em outras reas menos convencionais. Foi aplicado ao casamen-to, ao divrcio, diviso de tarefas dentro da famlia, dentro das cidades, e assim por diante. E, em particular, na anlise econmica das leis e do direito, ou seja, as normas jurdicas vistas sob a tica de sistemas de incentivos e de e cincia econmica. Idem para a tica, interpretvel como uma soluo de um jogo interativo entre os seres humanos, suas coalizes etc.

    Assim, o curso de Microeconomia ora proposto objetiva a apresentao do material clssico e do menos convencional. A idia explorar os principais conceitos microeconmicos, provendo os futuros pro ssionais com as ferra-mentas necessrias para que entendam e possam prever o comportamento dos consumidores, das empresas, dos governos e dos mercados. Tambm ser dada nfase aos conceitos mais modernos (menos convencionais) de Micro-economia, sobretudo os ligados Teoria dos Jogos, mostrando sua impor-tncia na de nio das estratgias dos consumidores e das organizaes em geral. Aulas e leituras na rea de anlise econmica das leis tambm devero ser apresentadas.

    1.2. OBJETIVOS GERAIS DA DISCIPLINA

    O objetivo do curso de Microeconomia ser explorar os principais concei-tos microeconmicos, tornando possvel explicar e talvez prever o comporta-mento das empresas, dos consumidores e dos mercados. Dentre os conceitos clssicos focados no curso esto os ligados produo e empresas, custos, formao de preos em vrios tipos de mercado e comportamento do consu-midor. Tambm ser dada nfase aos conceitos mais modernos, sobretudo os ligados Teoria dos Jogos, mostrando sua importncia na de nio das estra-tgias dos consumidores e das organizaes em geral. O objetivo ser mostrar ao futuro pro ssional que o conhecimento da Microeconomia fundamental para entender e prever comportamentos, decises e estratgias.

    1.3. METODOLOGIA

    O curso ser conduzido atravs de aulas expositivas, de aulas para debates e de aulas para a resoluo de exerccios. Teremos ento:

  • MICROECONOMIA

    FGV DIREITO RIO 6

    18 Aulas expositivas; ao nal de cada aula expositiva sero sugeridos exerccios sobre os temas discutidos.

    5 Aulas exclusivas para o debate de Questes para Discusso, os quais sero analisados a partir dos conceitos microeconmicos.

    5 Aulas exclusivas para a resoluo de exerccios e esclarecimento de dvidas.

    2 Aulas para a realizao das provas.

    1.4. MTODO DE AVALIAO

    A mdia nal dos alunos consistir na mdia simples entre duas provas e mais uma nota de participao, que envolve exerccios em sala, trabalhos para casa, freqncia, participao em aula etc.

    Cada prova ter como matria os Blocos descritos no Plano de Aula.Matria da 1 prova Blocos I e IIMatria da 2 prova Bloco III e IV

    Caso no alc