metodologia do trabalho academico-6 - vers£o final

Download Metodologia Do Trabalho Academico-6 - Vers£o Final

Post on 15-Oct-2015

97 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Ani Carla Marchesan Atilio Butturi Junior

    Campo Grande, MS - 2011

    METODOLOGIA DO TRABALHO ACADMICO

  • PRESIDENTE DA REPBLICA Dilma Rousseff

    MINISTRO DA EDUCAO Fernando Haddad

    SECRETRIO DE EDUCAO A DISTNCIA Carlos Eduardo Bielschowsky

    UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL

    REITORA Clia Maria Silva Correa Oliveira

    VICE-REITOR Joo Ricardo Filgueiras Tognini

    COORDENADORA DE EDUCAO ABERTA E A DISTNCIA - UFMSCOORDENADORA DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UFMS

    Angela Maria Zanon

    COORDENADOR ADJUNTO DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UFMS Rodrigo Juliano Oliveira

    COORDENADORA DO CURSO DE LETRAS: PORTUGUS E ESPANHOL (MODALIDADE A DISTNCIA)Patrcia Graciela da Rocha

    CMARA EDITORIAL

    SRIE

    Angela Maria ZanonDario de Oliveira Lima Filho

    Carina Elisabeth MacielPatrcia Graciela da Rocha

    Sonia Maria Monteiro da Silva BurigatoVera de Mattos Machado

    Obra aprovada pelo Conselho Editorial da UFMS - Resoluo n 12/2011

    CONSELHO EDITORIAL UFMS

    Dercir Pedro de Oliveira (Presidente)Celina Aparecida Garcia de Souza Nascimento

    Claudete Cameschi de SouzaEdgar Aparecido da Costa.

    Edgar Czar NolascoElcia Esnarriaga de Arruda

    Gilberto MaiaJos Francisco FerrariMaria Rita Marques

    Maria Tereza Ferreira Duenhas MonrealRosana Cristina Zanelatto Santos

    Sonia Regina JuradoYnes da Silva Felix

    Dados Internacionais de Catalogao na Publicao (CIP)(Coordenadoria de Biblioteca Central UFMS, Campo Grande, MS, Brasil)

  • APRESENTAO

    Caro(a) Aluno(a),Iniciar um curso de graduao no apenas dar os pas-

    sos iniciais na carreira profissional, mas enfrentar os desafios inerentes vida acadmica. Na Universidade, o sujeito se de-para com um universo de conhecimento especializado e com novos gneros textuais, tpicos dos ambientes ligados Cin-cia, Filosofia e s Artes. Isso demanda algumas adaptaes e um entendimento dos caminhos do Ensino Superior.

    Quando pensamos em caminhos, a importncia da Metodologia vem tona. Primeiramente, porque j na eti-mologia (a filiao histrica de cada palavra) a palavra me-todologia traz significados derivados do latim como percur-so, caminho. A implicao direta dessa filiao imaginar que o conhecimento cientfico e filosfico da Universidade exige que se percorram caminhos determinados, j traados pela tradio de pesquisa e que permitam um entendimento universal dos temas abordados.

    Imagine um quadro simples: diferentes Universida-des do mundo fazem pesquisa sobre uma espcie ainda sem nome, sem etiqueta. Algumas dessas Universidades optam por abordar esse novo ser pela biologia evolutiva do sculo XIX, enquanto outras Universidades baseiam seus estudos na Gentica contempornea. Alm disso, cada uma das Univer-

  • sidades apresenta seus resultados de forma diferente: algu-mas optam por utilizar grficos, outras desenvolvem teses de doutoramento, e ainda h aquelas que produzem narrativas (histrias) para dizer aquilo que observam a nossa es-pcie nova.

    O leitor h de convir que alguma confuso provavelmen-te seria instituda nessa discusso:

    Como os pesquisadores poderiam se entender com cdigos to diferentes?

    Como os resultados poderiam ser comparados a partir de teorias to diferentes?

    Como os saberes sobre a nova espcie poderiam re-dundar em conhecimento, visto a disparidade (prov-vel) na divulgao dos resultados?

    Uma confuso parecida com essa narrada j na Bblia, no mito da Torre de Babel: os homens construram a torre para chegar aos cus e quando essa caiu todos passaram a falar lnguas diferentes e nunca mais se entenderam. Diferen-temente da Bblia, o papel da Metodologia justamente con-sertar o mito: construir torres cada vez mais altas e permitir o entendimento cada vez mais geral entre os sujeitos.

    Certamente, os mtodos cientficos nem sempre alcan-am sucesso em sua tentativa de dizer tudo e faz-lo de ma-neira objetiva. Atualmente, inclusive, h um grande debate sobre os limites da objetividade e sobre essa capacidade de entendimento. Muitos cientistas e epistemlogos (os filsofos preocupados com questes cientficas) tm se perguntado so-bre as funes dos mtodos e negado a capacidade de qual-quer metodologia para criar um entendimento geral. Mais do que isso, hoje se pensa na cincia e na vida acadmica como experincias ligadas ao poltico, social, cultural e afins.

    Este livro, a partir da necessidade de mostrar os percur-sos e da importncia de considerar os limites desses percur-sos, oferece uma introduo metodologia do trabalho aca-dmico. Ser uma espcie de manual, passando brevemente sobre os conceitos mais clebres de cincia e mtodo e partin-do para as prticas de textualizao exigidas na graduao, a fim de que o leitor possa dispor das ferramentas necessrias para refletir sobre o fazer cientfico na Universidade e para produzir seus estudos e textualiz-los da forma mais adequa-da s esferas ligadas formao no Ensino Superior.

    Para isso, nosso livro est assim organizado: no primeiro captulo, Mas afinal, o que metodologia?, oferecemos um pa-norama geral dos conceitos de Cincia e Mtodo; no segundo

  • captulo, A vida universitria, descrevemos os principais me-canismos institucionais de pesquisa e refletimos sobre o co-tidiano do Ensino na Graduao; no terceiro captulo, Leitura e documentao, fazemos uma breve discusso sobre a impor-tncia da leitura, bem como indicamos a importncia das fon-tes legitimadas de pesquisa e descrevemos os mtodos mais utilizados de documentao, a saber, o Resumo e o Fichamen-to; no quarto captulo, Trabalho Acadmico, apresentamos os principais gneros que circulam na Universidade, a Resenha e o Artigo Cientfico, sua funo sociocomunicativa e sua confi-gurao textual.

    A tarefa , sobretudo, permanente: dominar as metodo-logias acadmicas requer uma prtica constante, que envolve um processo que nunca acaba entre pesquisa e produo de textos, de acordo com parmetros bastante rgidos de acei-tao que circulam nas mais diferentes reas. Caber ao aca-dmico, fundamentalmente, alcanar a proficincia a partir dos contedos sugeridos nesse livro.

    Os autores.

  • Sobre os autores

    ATILIO BUTTURI JUNIORGraduado em Lngua Portuguesa e respectivas Literaturas pela Universidade Estadual

    de Ponta Grossa UEPG (2004); mestre em Lingustica Terica pela Universidade Federal de Santa Catarina UFSC (2008). Atualmente doutorando em Lingustica tambm pela Universidade Federal de Santa Catarina e professor assistente da Universidade Federal da

    Fronteira Sul UFFS, Campus Erechim - RS. E-mail para contato: atilio@uffs.edu.br

    Currculo lattes:

    ANI CARLA MARCHESANGraduada em Lngua Portuguesa e Inglesa com respectivas Literaturas pela Universidade Federal

    de Santa Maria UFSM (2005); mestre em Lingustica Terica pela Universidade Federal de Santa Catarina UFSC (2008). Atualmente doutoranda em Lingustica tambm pela

    Universidade Federal de Santa Catarina e professora da Universidade Federal da Fronteira Sul UFFS, Campus Erechim - RS.

    E-mail para contato: animarchesan@uffs.edu.brCurrculo lattes:

    LUIZ LEANDRO GOMES DE LIMA professor colaborador de Lingustica e Lngua Portuguesa no curso de Letras da EaD-UFMS.

    Possui graduao em Letras - Portugus e Ingls pela UFMS. Suas reas de interesse so Lingustica Geral e Portuguesa e Ensino de Lngua Portuguesa

    E-mail para contato: luizleandrog@gmail.com Currculo Lattes:

    PEDRO PAULO VEZON FILHOCriador da imagem da capa deste livro. Graduado em Design de Produto pelo

    Instituto Federal Tecnolgica de Santa Catarina IFSC (2010). Atualmente responsvel pelo Estdio Longe.E-mail para contato: longe@estudiolonge.com

    Currculo lattes: < http://lattes.cnpq.br/6721966783989780>

  • SUMRIO

    UNIDADE I

    Mas afinal, o que Metodologia?

    1.1 As hipteses e teorias 151.2 O objeto 171.3 O mtodo 18

    UNIDADE II

    A vida universitria

    2.1 Universo acadmico e a construo de conhecimentos 252.2 O Ensino da Universidade:

    encontros presenciais e estudo individual 302.3 Interao distncia e ambientes virtuais 34

    UNIDADE III

    Leitura e documentao

    3.1 Fontes de pesquisa: a biblioteca e a Internet 393.1.1. As bibliotecas 413.1.2. A internet 433.2 A leitura e a documentao na vida acadmica 503.2.1 Os resumos 523.2.2 O Resumo Informativo 543.2.3 O fichamento 66

    UNIDADE IV

    Trabalho acadmico

    4.1 Normas gerais da redao tcnico cientfica 754.2 Partes que compem um trabalho acadmico 774.2.1 Elementos pr-textuais 794.2.2 Elementos textuais 874.2.3 Elementos ps-textuais 884.3 Referncias 894.4 Regras gerais de apresentao 934.5 Gneros acadmicos 994.5.1 Resenha acadmica 994.5.2 Artigo cientfico 1124.5.3 Resumo indicativo 146

    Concluso 149

  • LISTA DE FIGURAS

    Figura 1: Processos de Abstrao 17Figura 2: Mtodo Cientfico 20Figura 3: Site da Capes 28Figura 4: Site Lattes 29Figura 5: Site Lattes 30Figura 6: Estudo em Casa 33Figura 7: Site do MEC 34Figura 8: Site da Biblioteca da UFSC 42Figura 9: Site Google Books 43Figura 10: Lista de sites que oferecem livros digitais gratuitos 45Figura 11: Site Peridicos Capes 46Figura 12: Site Scielo 47Figura 13: Site da Biblioteca brasileira de Teses e Dissertaes 48Figura 14: Reportagem sobre um caso de plgio na USP 60Figura 15: Estrutura de trabalhos acadmicos 78Figura 16: Elementos que compem os Trabalhos Acadmicos 79Figura 17: Modelo de Capa 80Figura 18: Modelo de Lombada 81Figura 19: Modelo de Folha de Rosto 81Figura 20: Modelo de Ficha Catalogrfica 82Figura 21: Modelo de Errata 83Figura 22: Modelo de folha de Aprovao 84Figura 23: Modelo de Dedicatria 84Figura 24: Modelo de Agradecimento 84Figura 25: Modelo de Epgrafe 84Figura 26: Modelo de Resumo 85Figura 27: Modelo de Resumo 85Figura 28: Modelo de Lista de Ilustraes 86Figu