metodologia científica - princípios básicos do sus

Download Metodologia Científica - Princípios Básicos do SUS

Post on 01-Jul-2015

1.057 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Aspectos Histricos e Sociais da Sade Coletiva no Brasil

Sade: Estado de no doena; As nicas formas de assistncia sade, limitavam-se aos prprios recursos da terra (ervas e plantas), e, queles que por conhecimentos empricos (paj e boticrios) desenvolviam suas habilidades na arte de curar; Atenes voltadas somente para a cura de agravos sade; Principal justificativa das doenas: Miasmas; Principais doenas da poca: varola, malria, febre amarela e peste bubnica; Em 1789, no Rio de Janeiro, haviam somente 4 mdicos; Criao das duas primeiras escolas de medicina no pas: Colgio Mdico - Cirrgico (BA) e Escola de Cirurgia do Rio de Janeiro.

A morte Clera

A morte

PassadoSade: ausncia de doena (aspecto fsico) nfase somente, s aes curativas e necessrias para a reabilitao Gesto centralizada (Ministrio da Sade) Gesto centralizada (Ministrio da Sade) Gesto centralizada (Ministrio da Sade)

PresenteSade: completo bem estar fsico, mental e psicossocial nfase nos trs nveis de ateno sade: promoo, preveno/proteo e reabilitao Descentralizao para as demais esferas de governo (federal, estadual e municipal) Gesto centralizada (Ministrio da Sade) Gesto centralizada (Ministrio da Sade)

pocaSculo XVI

No mundoSade: ausncia de doena (aspecto fsico)

No BrasilSade: completo bem estar fsico, mental e psicossocial nfase nos trs nveis de ateno sade: promoo, preveno/proteo e reabilitao Descentralizao para as demais esferas de governo (federal, estadual e municipal)

Gesto centralizada (Ministrio da Sade)

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/sus_principios .pdf http://www.sofi.com.br/conteudo/diretizes-e-princpios-dosus

O que ?o O Sistema nico de Sade formado pelo conjunto de

aes e servios de sade prestados por rgos ou instituies federais, estaduais ou municipais;

100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Fundo-a-fundo Rem. De servios

Princpioso UNIVERSALIDADE o INTEGRALIDADE o EQUIDADE

Diretrizeso DESCENTRALIZAO o HIERARQUIZAO o PARTICIPAO COMUNITRIA

UNIVERSALIDADE - o acesso s aes e servios deve ser garantido a todas as pessoas, independentemente de sexo, raa, renda, ocupao, ou outras caractersticas sociais ou pessoais, sendo dever do Poder Pblico a proviso de servios e de aes que garantam tal princpio; INTEGRALIDADE - significa considerar a pessoa como um todo, devendo as aes de sade procurar atender todas as suas necessidades; EQUIDADE - um princpio de justia social que garante a igualdade da assistncia sade, sem preconceitos ou privilgios de qualquer espcie . A rede de servios deve estar atenta s necessidades reais da populao a ser atendida.

DESCENTRALIZAO - compreendida como a redistribuio de responsabilidades em toda a rede de servios, em todas as esferas de governo (municipal, estadual e federal), buscando um maior compromisso dos mesmos na soluo dos problemas de sade da populao de sua responsabilidade; HIERARQUIZAO um conjunto articulado e contnuo das aes e servios preventivos e curativos, individuais e coletivos, exigidos para cada caso em todos os nveis de complexidade do sistema; INTEGRALIDADE - significa considerar a pessoa como um todo, devendo as aes de sade procurar atender todas as suas necessidades.

1. 2.

3. 4. 5. 6.

ALBUQUERQUE, Manoel Maurcio. Pequena histria da formao social brasileira. Rio de Janeiro: Graal, 1981, 728 p. ed.. BRASIL. Instruo normativa nmero 01/97, de 15 de maio de 1997. Regulamenta os contedos, instrumentos e fluxos do processo de habilitao de municpios, de estados e do distrito federal as condies de gesto criadas pela NOB SUS 01/96. Braslia, Dirio oficial da unio de 15/05/97. CAMPOS, Francisco E.; OLIVEIRA, Mozart; TONON, Lidia M. Planejamento e gesto em sade. Belo Horizonte: Coopmed, 1998. 102 p. (Cadernos de sade, 2) CAMPOS, Francisco E.; OLIVEIRA, Mozart; TONON, Lidia M. Legislao Bsica do SUS. Belo Horizonte: Coopmed, 1998. 161 p. (Cadernos de sade, 3) COSTA, Nilson Rosrio. Polticas pblicas: justia distributiva e inovao. So Paulo: Hucitec, 1998. 178 p. DONNANGELO, Maria C. F. Medicina e sociedade: o mdico e seu mercado de trabalho. Pioneira: So Paulo, 1975, 174 p.

7. 8. 9. 10.

11.

12.

GUIMARES, Reinaldo. Sade e Medicina no Brasil: contribuies para um debate. Rio de Janeiro: Graal, 1979, 225 p. LEITE, Celso C. A crise da Previdncia social. Rio de Janeiro: Zahar, 1981, 72 p. LUZ, Madel F. As instituies mdicas no Brasil: instituio e estratgia de hegemonia. Rio de Janeiro, Graal, 1979, 295 p. MENEZES, Maria J. Planejamento Governamental; um instrumento a servio do poder. Cadernos do curso de ps-graduao em administrao, UFSC, Florianpolis, 1974. NICZ, Luiz F. Previdncia social no Brasil. In: GONALVES, Ernesto L. Administrao de sade no Brasil. So Paulo: Pioneira, 1988, cap. 3, p. 163197. POSSAS, Cristina A. Sade e trabalho a crise da previdncia social. Rio de Janeiro, Graal, 1981, 324 p.

13.

OLIVEIRA, Jaime A. de Arajo & TEIXEIRA, Snia M. F. Teixeira. (Im)previdncia social: 60 anos de histria da Previdncia no Brasil. Petroplis: Vozes, 1985. 360 p.