merenda vegetariana - atividades

Download Merenda Vegetariana - Atividades

Post on 21-Mar-2016

221 views

Category:

Documents

4 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Explicações do que é ser vegetariano e suas vantagens.

TRANSCRIPT

  • ... 72 ... ... 73 ...

    Como subsdio para a implantao efetiva da Campanha Segunda Sem Carne, alm de receitas prticas e saborosas, este livro oferece instrumentos para a escola pensar e discutir questes relacionadas ao vegetarianismo. As prximas pginas so permeadas de sugestes de atividades transdisciplinares para ajudar no entendimento do que ser vegetariano e as implicaes desta escolha.

    Por que falar de vegetarianismo na escola? Porque ali que se forma e informa o cida-do de amanh. A escola atual deve semear, em cada aluno, um olhar amoroso pela nossa Grande Casa. Para isso precisa estar aberta s questes ecolgicas, problematizando te-mas ligados ao consumo consciente, escassez de gua, extino de espcies e mudanas climticas, para citar alguns exemplos. Falar de ve getarianismo vai muito alm de dis-cutir uma opo alimentar: o vegetarianismo hoje uma questo de postura e conscincia. A escola que aborda e aprofunda esse tema prepara-se para acolher o ingresso cada vez maior de alunos vegetarianos (ou filhos de pais vegetarianos) e ajuda a afastar o preconceito que existe em torno dessa opo.

    Colocar o vegetarianismo na pauta escolar tambm uma forma de ampliar o leque de assuntos que podem ser discuti dos de forma transdisciplinar, pois o tema propicia dilogo entre diferentes reas, tais como:

    Como falar de vegetarianismo na escola? As sugestes de atividades deste livro do em-basamento terico e proporcionam temas para reflexo. Dependendo do interesse e da sensi-bilidade do aluno, o professor pode destacar o direito animal, enfatizar a alimentao saud-vel ou realar as questes ambientais. Afinal, crianas e adolescentes enxergam o mundo de formas distintas. Enquanto o jovem est mais

    propcio a mudar o mundo, a criana tende a abra-lo. Um bom exemplo a relao dos menores com os animais, que tende a ser a do Eu-Voc e no Eu-Isto. Para crian as pequenas, os animais conhecidos, assim como os animais imaginados, so seres nicos, e no coisas genricas, como bem assinalou o filso-fo Tom Regan, no livro Jaulas Vazias.

    hora de falar de vegetarianismo na escola?Ao colocar o assunto em foco, proporcio-nando acesso a filmes, debates, reflexes e vivncias, a escola s tem a se beneficiar, pois amplia o horizonte dos alunos. Abordar o vegetarianismo significa aceitar, de uma s vez, diversos desafios: estimula a tomada de po sies, mexe com o habitual medo dos as-suntos pol micos e enfrenta a resistncia dos mais conservadores. Tudo isso exercita um dos papis mais fundamentais da escola, que a disposio para o debate.

    Vegetarianismo na Escola: Educao Alimentar e Consumo Consciente

    Sade Nutrio Agricultura Consumo consciente Sustentabilidade Mudanas climticas

    tica Ecologia social Tolerncia Diversidade cultural Direitos animais Violncia no campo

  • ... 74 ... ... 75 ...

    Do ponto de vista da opo alimentar, ser ve-getariano significa no ingerir nenhum tipo de carne (nem vaca, nem frango, peixe, carneiro, avestruz, escargot, frutos do mar, entre ou-tros), nem produtos feitos com carne ou a par-tir de algum ingrediente que contenha qual-quer tipo de carne (presunto, salsicha, nugget, salame, atum enlatado, croquete de camaro, sopa com caldo de galinha, etc). Se, por exemplo, o rtulo do molho ingls diz que um dos 15 ingredientes extrato de car-ne, ento aquele no um produto apropria-do para vegetarianos.Da mesma forma, quem consome qualquer tipo de carne, com qualquer frequncia, mes-mo que seja apenas um filezinho de peixe por semana, no vegetariano. Para designar esse consumidor ocasional de carne existem os termos semivegetariano e flexitariano.

    As Diferentes Formas de VegetarianismoA incluso ou excluso de produtos de origem animal no cardpio o que determina o tipo de vegetarianismo adotado:Vegetariano Estrito no consome ne-nhum tipo de carne, ovos, mel, laticnios e pro-dutos que incluam derivados de origem animal, como gelatina, albumina e protenas do leite, bem como alguns corantes e espessantes.Lactovegetariano no consome nenhum tipo de carne nem ovos, mas utiliza laticnios.Ovovegetariano no consome nenhum tipo de carne nem laticnios, mas utiliza ovos.Ovolactovegetariano no consome ne-nhum tipo de carne, mas utiliza ovos e laticnios.

    Afinal, o que ser vegetariano? Sugestes de Atividades pedaggicas

    As atividades deste livro podem, e devem, ser adaptadas de acordo com faixa etria, realidade social e o interesse da turma. Antes de comear a aula, sempre que possvel estimule os alunos com a apresentao de um dos documentrios indicados no final deste captulo. Vale tambm fazer uma enquete prvia sobre quem vegetariano, simpatiza com o tema e/ou se tem vegetariano em seu crculo de relacionamentos.

    Tema principal: Sade 1) Muita gente acredita que precisa comer carne pois sem ela ficaria doente. A cultura do arroz, feijo e bife parece que deixa a gente sem opo quando se tira o bife do cardpio. Mas uma questo de hbito, que pode ser mudado sem voc ter de quebrar muito a cabea. Ce-noura, espinafre, chuchu, abobrinha, mandioquinha, be-rinjela e outros nutritivos vegetais so saborosos quan-do bem preparados. Quem no gosta muito de vegetais encontra timas fontes proteicas nos cereais integrais, como arroz, aveia, milho e centeio. O maior trunfo vege-tariano, porm, so as chamadas leguminosas: os diversos tipos de feijes, ervilhas, lentilhas, gro de bico, etc. Por exemplo, sete colheres de sopa de qualquer feijo cozido substituem, com vantagem, as protenas de 100 gramas de qualquer carne. Outros ingredientes adequados para uma dieta vegetariana equilibrada so o tofu, as algas marinhas, sementes (de girassol, gergelim, linhaa, ab-bora, etc.), diversos tipos de cogumelos frescos (cham-

  • ... 76 ... ... 77 ...

    pignon, shiitake, shimeji, entre outros) e as oleaginosas, como castanhas, pinho, nozes e amndoas.

    2) Com o suporte do guia Alimentao Vegetariana (ver site SVB) e de pesquisas que atestam as vantagens da dieta vegetariana para a sade, discuta o mito da prote-na e trabalhe o tema vegetarianismo e sade. Pergunte o que os alunos costumam comer, o que sabem sobre a necessidade de protenas e vitaminas. Descubra se tm ideia de como so produzidos os nuggets, hambrgueres, salsichas etc.; explique os processos de produo. Discuta o aumento do consumo global de carne e o crescente aumento de doenas do corao e da obesidade.

    Tema principal: Meio Ambiente Estima-se que, no mundo, a cada segundo, uma rea de floresta tropical do tamanho de um campo de futebol seja desmatada para produzir carne de boi equivalente a 257 hambrgueres. Ou seja, a produo de carne devasta flo-restas. A criao de animais uma forma ineficiente de produzir alimentos: para cada kg de protena animal so ne-cessrios de 3 a 10 kg de protena vegetal (milho, soja etc).

    1) A partir da anlise deste texto da campanha Segunda Sem Carne e do infogrfico (pgina ao lado), trabalhe as informaes, compare com a produo de outros alimentos e questione o fato de a mdia sempre recomendar eco-nomizar gua, deixar o carro em casa e apagar a luz, mas nunca aconselhar a reduo do consumo de carne.

    2) Muito mais do que uma opo alimentar, a dieta vegeta-riana uma resposta crise ambiental. Com apoio da car-tilha Impactos sobre o Meio Ambiente do Uso de Animais para Alimentao e do texto Voc j comeu a Amaznia hoje? (ver site SVB), do ambientalista Joo Meirelles Filho, pode ser feita a relao entre consumo de carne e: Devastao da floresta amaznica. Desperdcio de recursos hdricos. Aquecimento global. Degradao do solo. Poluio atmosfrica. Destruio de biomas. Reduo da biodiversidade. Colapso das espcies marinhas. Baixa eficincia energtica.

  • ... 78 ... ... 79 ...

    Tema principal: tica 1) O vegetarianismo abre portas para importantes ques-tes ticas. Com apoio de textos de Tom Regan, filsofo, autor de Jaulas Vazias; Peter Singer, autor de Libertao Animal; e Paula Brgger, autora de Amigo Animal, relacione: Consumo de carne e sofrimento animal. Direitos dos homens e direitos dos animais. tica e cultura alimentar.2) A carne quase sempre vem de um animal que passou uma vida de sofrimento, confinado em situaes cruis e estressantes, sendo injetado com produtos qumicos, cons-trangido e controlado do nascimento morte. E todo esse sofrimento se d numa escala industrial: hoje se mata em menos de um ms o mesmo nmero de animais mortos em um ano na dcada de 1950! Sabemos que dor, medo e tristeza so manifestaes de criaturas que possuem conscincia emocional. Pois bem, o animal criado para abate sente dor. Assim como sofre aquele que abandonado ou passa por maus tratos. Por no ser capaz de raciocinar exatamente como os humanos, o animal no merece respeito? Aqui temos o gancho para falar sobre sencincia (capacidade de sentir) e direitos dos animais.

    3) A paz pela qual a humanidade tanto clama no ser realmente possvel enquanto o homem continuar a sujar suas mos com atos sangrentos, seja na criao industrial para abate, seja nas experincias que realiza nos pores protegidos dos laboratrios, seja no abandono e maus tratos a que submete dia e noite milhares e milhares de animais indefesos. Aps a leitura desse texto de Marly Winckler, presidente da Sociedade Vegetariana Brasileira, pode-se questionar a postura histrica do homem como ser superior aos outros animais e analisar como isso interfere na nossa relao com a natureza. 4) A atual alimentao baseada na carne estimula gran-des empresas latifundirias (granjas industriais, grandes produtoras de soja, etc), em que o proprietrio no mais tem ligao com a terra (mora em centros urbanos) e ainda expulsa o agricultor familiar, acarretando grandes mazelas sociais. (texto de Marly Winckler)Relacione a produo e o consumo de carne com: Violncia no campo. Fome e segurana alimentar. xodo rural.

    Tema principal: Consumo Consciente Peas publicitrias de alimentos podem ser exibidas em sala de aula e debatidas, criando um distanci