memÓria descritiva - cm- ?· memÓria descritiva 1 memÓria descritiva 1. generalidades o...

Download MEMÓRIA DESCRITIVA - cm- ?· MEMÓRIA DESCRITIVA 1 MEMÓRIA DESCRITIVA 1. GENERALIDADES O presente…

Post on 14-Jan-2019

216 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

REDE DE DRENAGEM DE GUAS RESIDUAIS E PLUVIAIS DAS AGRAS

MEMRIA DESCRITIVA

1

MEMRIA DESCRITIVA

1. GENERALIDADES

O presente Projecto de Execuo refere-se a uma parte individualizada

do designado PAR-014 relativamente s intervenes previstas para o

Concelho de lhavo - guas Residuais no mbito do Lote 2, em particular na

Zona das Agras em S. Salvador.

Trata-se da construo em simultneo das redes de drenagem de guas

residuais e pluviais tanto na Rua das Agras como na Travessa das Agras.

Caber AdRA a construo das redes de drenagem de guas residuais

e Cmara Municipal de Ilhavo as redes de drenagem de guas pluviais, nos

referidos arruamentos.

Ser aproveitada a oportunidade par se proceder correo geral dos

traados dos arruamentos, tendo em considerao as condicionantes locais.

As solues apresentadas neste projecto correspondem soluo base

do Estudo Prvio, que prev a ligao das redes propostas a redes separativas

j existentes.

REDE DE DRENAGEM DE GUAS RESIDUAIS E PLUVIAIS DAS AGRAS

MEMRIA DESCRITIVA

2

2. GUAS RESIDUAIS

2.1. DESCRIO GERAL DO SISTEMA DE DRENAGEM

As redes de drenagem de guas residuais das Agras, na sua conceo

geral, trata-se de uma extenso de coletores gravticos das redes de Ilhavo,

nos arruamentos em causa.

Estes troos correspondem a troos de cabeceira de redes sem qualquer

contribuio de montante.

2.2. DIMENSIONAMENTO

2.2.1. POPULAO

Os dados de base apresentados neste projecto correspondem aos

aprovados na sequncia da entrega do Estudo prvio, que foram calculados

com base nos consumos registados em cada sistema de abastecimento

existente no concelho, entre 2006 a 2009.

Sintetiza-se no Quadro 2.1 as populaes abrangidas pelo sistema de

abastecimento de gua que ser abrangido pelas referidas rede de drenagem,

e no Quadro 2.2 apresenta-se a populao a servir por cada uma das

intervenes doR14.

QUADRO 2.1

Dados de base - Populao residente e flutuante

SISTEMA POPULAO RESIDENTE (hab.) POPULAO FLUTUANTE EM 4 MESES

(hab.)

Lagoa/lhavo 11 557 3 438

REDE DE DRENAGEM DE GUAS RESIDUAIS E PLUVIAIS DAS AGRAS

MEMRIA DESCRITIVA

3

QUADRO 2.2

Populao a servir por interveno

DESIGNAO DA INTERVENO

POPULAO RESIDENTE (hab.)

POPULAO FLUTUANTE EM 4 MESES (hab.)

Bairro dos Pescadores 199 60

Rua Joo Carlos Gomes 67 20

Rua do Alqueido 563 169

Rua da Agras 99 30

2.2.2. CAPITAO

A capitao utilizada foi calculada no mbito da Nota Tcnica/Estudo

Prvio, tendo-se adoptado para a rea abrangida por estas redes a capitao

apresentada no Quadro 2.2.

QUADRO 2.3

Capitaes propostas para a populao residente e flutuante (l/hab./dia)

CAPITAO NO CONSUMIDOR (l/hab/dia) SISTEMA

gua Esgotos (*)

Lagoa / lhavo 145,6 116,5

(*) Considerando um coeficiente de reduo de 0,8

Considerou-se que a capitao da populao flutuante residencial

idntica capitao da populao residente.

REDE DE DRENAGEM DE GUAS RESIDUAIS E PLUVIAIS DAS AGRAS

MEMRIA DESCRITIVA

4

2.2.3. CAUDAIS DOMSTICOS

- Caudais

O caudal mdio anual produzido resulta do produto da capitao de

guas residuais pela populao:

Qmd = (Pop. Residente Cap. Pop. Residente + Fact. Simultan. Pop.

Flutuante Cap. Pop. Flutuante) 0,8

tendo-se adoptado para as zonas de interveno:

- Nmero de dias em que a Populao Flutuante est presente: 120 dias;

- Factor de simultaneidade de permanncia da Populao Flutuante: 1.

- Caudal de infiltrao

No presente projecto considerou-se a existncia de caudais de

infiltrao. Os caudais de infiltrao so funo da relao entre as

profundidades do nvel fretico e da extenso e cota de implantao dos

colectores, dos valores da precipitao, da permeabilidade do terreno, do tipo

de juntas utilizadas e do estado geral das canalizaes. So o primeiro e os

ltimos destes factores, aqueles que podero influenciar mais decisivamente os

valores de caudais a adoptar nas diferentes situaes de projecto.

O caudal de infiltrao a considerar teve como base o estipulado no n 4

b) do Art 126 do Decreto Regulamentar n. 23/95, e, tendo em conta os

elevados nveis freticos que se verificam em todo concelho, adoptou-se o

valor de 2 m3/dia/km de colector e por centmetro de dimetro do mesmo.

REDE DE DRENAGEM DE GUAS RESIDUAIS E PLUVIAIS DAS AGRAS

MEMRIA DESCRITIVA

5

- Caudal de ponta

O caudal de ponta, de acordo com a legislao vigente, determinado

com recurso seguinte expresso:

Qp = Fp (Presidente Cap Esg. + Pflutuante Cap Esg. Fsimult + Qinfilt.)

em que:

Qp-Caudal de ponta

Fpmensal-Factor de ponta que dado por:

Fp = 1,5 + p

60

sendo p a populao servida (Pop. Residente + Fact. Simultan.

Pop. Flutuante) e Fsimult - Factor de simultaneidade

Considerar-se- para efeitos de clculos de dimensionamento dos

colectores que o caudal de ponta mnimo igual a 1 l/s.

- Populao 130 hab

- Capitao.... 150 l/hab.dia

- Coeficiente de afluncia 0,80

- Fator de ponta instntaneo..... 6,76

- Caudal ponta. 1,22 l/s

- Dimetro da tubagem D 200 mm

- Inclinao mnima no troo mais desfavorvel.. 0,4 %

- Mxima capacidade de vazo para a inclinao mnima.. 12,00 l/s

REDE DE DRENAGEM DE GUAS RESIDUAIS E PLUVIAIS DAS AGRAS

MEMRIA DESCRITIVA

6

3. GUAS PLUVIAIS

3.1. DESCRIO GERAL DO SISTEMA DE DRENAGEM

A drenagem de guas pluviais tem em considerao a topografia dos

arruamentos e a orografia das zonas envolventes.

Para tal a drenagem superficial ter por base a definio das bacias

drenantes.

Assim, face s condies de descarga de jusante apenas se definiu

uma bacia drenante para a rede da R. Cimo de Vila, tendo em considerao as

condies hidrulicas de receo da mesma.

3.2. CAUDAIS PLUVIAIS

O clculo dos caudais pluviais a drenar pressupe a determinao da

intensidade de precipitao, que depende do perodo de retorno e do tempo de

concentrao.

Para efeitos de dimensionamento e de acordo com o Decreto Regulamentar

23/95 adoptou-se um perodo de retorno de 5 anos e um tempo de

concentrao mnimo de 10 minutos (tempo de durao da chuvada).

Considerando as curvas intensidade/durao/frequncia (I/D/F)

representativas da regio pluviomtrica A do Anexo III do Decreto

Regulamentar 23/95, onde se insere o Concelho de lhavo; vem:

i = 259,26t- 0,562 mm/hora

onde:

i - intensidade de precipitao (mm/hora);

t - tempo de durao da chuvada (minutos),

REDE DE DRENAGEM DE GUAS RESIDUAIS E PLUVIAIS DAS AGRAS

MEMRIA DESCRITIVA

7

tem-se, ento, para t = 10 minutos, i = 71,08 mm/hora.

O caudal de dimensionamento para a precipitao calculada

anteriormente obtm-se a partir da seguinte expresso:

Q = c i A (mtodo racional)

onde:

c - coeficiente de escoamento;

A - rea drenada (m2).

O coeficiente de escoamento varivel em funo da ocupao do solo,

tendo-se considerado 0,6 nas zonas urbanizadas com edifcios (1/2 pisos) e de

0,3 nas zonas urbanizadas com edificaes unifamiliares com zonas

ajardinadas anexas.

- rea contribuinte.. 6,00 ha

- Coeficiente mdio 0,3

- Caudal 275 l/s

- 2 x D 315 mm280 l/s

REDE DE DRENAGEM DE GUAS RESIDUAIS E PLUVIAIS DAS AGRAS

MEMRIA DESCRITIVA

8

4. CRITRIOS DE CONCEO E DIMENSIONAMENTO

Neste captulo procede-se definio dos critrios gerais que serviram de

base de dimensionamento do conjunto de obras constituintes dos sistemas de

drenagem a projectar.

4.1 - COLETORES GRAVITICOS

- Condies gerais

O traado dos colectores em planta foi seleccionado tendo em conta a

minimizao de interferncias com as vrias infra-estruturas presentes no

subsolo.

A identificao das vrias infra-estruturas foi efectuada atravs de um

levantamento topogrfico, e do cadastro das concessionrias com infra-

estruturas mais condicionantes (abastecimento de gua -

- AdRA e gs - Lusitaniagas). Pelo facto dos Cadastros de Electricidade e

Telecomunicaes no identificarem a sua localizao exacta e pela sua

versatilidade na execuo de desvios temporrios, considerou-se que estas

infra-estruturas no seriam condicionantes das obras a executar.

Note-se que se verificaram algumas incompatibilidades no confronto da

topografia com os cadastros fornecidos pela AdRA e Lusitaniags, sobretudo

por diferenas de localizao de caixas.

REDE DE DRENAGEM DE GUAS RESIDUAIS E PLUVIAIS DAS AGRAS

MEMRIA DESCRITIVA

9

Colectores de guas residuais domsticas

- O traado dos colectores proposto ser implantado de modo geral

prximo do eixo das vias, sempre que as infra-estruturas existentes o

permitirem. Ficaro situados no plano inferior ao das condutas de distribuio

de gua, de modo a evitar possveis contaminaes, e sempre que for possvel

num plano inferior ao dos colecto

Recommended

View more >