mel de abelhas sem ferrão: contribuição para a caracterização físico

Download Mel de abelhas sem ferrão: contribuição para a caracterização físico

Post on 10-Jan-2017

218 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • oSRIE MELIPONICULTURA - N 04

    oSRIE MELIPONICULTURA - N 04

    Mel de abelhas sem ferro:contribuio para a caracterizao

    fsico-qumica

    Mel de abelhas sem ferro:contribuio para a caracterizao

    fsico-qumica

    Carlos Alfredo Lopes de CarvalhoBruno de Almeida Souza

    Geni da Silva SodrLuis Carlos Marchini

    Rogrio Marcos de Oliveira Alves

    Carlos Alfredo Lopes de CarvalhoBruno de Almeida Souza

    Geni da Silva SodrLuis Carlos Marchini

    Rogrio Marcos de Oliveira Alves

  • oSRIE MELIPONICULTURA - N 04

    Mel de abelhas sem ferro:contribuio para a caracterizao

    fsico-qumica

    Carlos Alfredo Lopes de CarvalhoBruno de Almeida Souza

    Geni da Silva SodrLus Carlos Marchini

    Rogrio Marcos de Oliveira Alves

    PROMOO:

    Insecta - Ncleo de Estudo dos Insetos Grupo de Pesquisa Insecta

    Centro de Cincias Agrrias e Ambientais / UFBA

    APOIO:Escola Agrotcnica Federal de Catu

    Programa de Ps-Graduao em Cincias Agrrias - UFBAGoverno do Estado da Bahia

    Secretaria de Agricultura, Irrigao e Reforma AgrriaDiretoria de Desenvolvimento da Pecuria

    Coordenao de Modernizao da Pecuria

    a1 edio

    Cruz das Almas - Bahia2005

  • CAPA: Detalhe do pote de mel da abelha tubiba (Scaptotrigona sp.) (frente) e uruu (Melipona scutellaris) (verso)Foto: C. A. L. de Carvalho

    Copyright 2005 by Carlos Alfredo L. de Carvalho, Bruno de A. Souza, Geni da S. Sodr, Lus Carlos Marchini e Rogrio Marcos de Oliveira Alves

    a1 edio 2005

    Ficha Catalogrfica

    C331

    Carvalho, Carlos Alfredo L. de

    Mel de abelhas sem ferro: contribuio para a caracterizao fsico-qumica / Carlos Alfredo L. de Carvalho, Bruno de A. Souza, Geni da S. Sodr, Lus Carlos Marchini, Rogrio M. de Oliveira Alves. - Cruz das Almas: Universidade Federal da Bahia/SEAGRI-BA: Carlos Alfredo L. de Carvalho, 2005.

    32 p. : il. (Srie Meliponicultura; 4)

    Bibliografia

    1. Meliponicultura - manejo. 2. Meliponicultura - mel. 3. Meliponicultura - Brasil. I Souza, Bruno de A. II. Sodr, Geni da Silva III. Marchini, Lus Carlos IV. Alves, Rogrio M. de O.

    Impresso no Brasil - Printed in Brazil

    2005

    CDD 20 ed.63814

  • Autores

    CARLOS ALFREDO LOPES DE CARVALHO

    Centro de Cincias Agrrias e Ambientais - UFBA, Cruz das Almas-BA, 44380-000

    Fone/Fax: (75) 3621 2002; E-mail: calfredo@ufba.br

    BRUNO DE ALMEIDA SOUZA

    Programa de Ps-Graduao em Entomologia, Escola Superior de Agricul-tura Luiz de Queiroz - USP, C. Postal: 09, Piracicaba-SP,

    Fone: (19) 3429 4166, Ramal 220; E-mail: bsouza@esalq.usp.br

    GENI DA SILVA SODR

    Grupo de Pesquisa Insecta - Centro de Cincias Agrrias e Ambientais - UFBA, Cruz das Almas-BA, 44380-000

    Fone/Fax: (75) 3621 2002; E-mail: gssodre@esalq.usp.br

    LUS CARLOS MARCHINI

    Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz - USP, C. Postal: 09, Piraci-caba-SP,

    Fone: (19) 3429 4166, Ramal 220; E-mail: lcmarchi@esalq.usp.br

    ROGRIO MARCOS DE OLIVEIRA ALVES

    Escola Agrotcnica Federal de Catu, Rua Baro de Camaari, n. 118, Cen-tro, Catu-BA

    Fone: (71) 3641 1043; E-mail: profrogerio@hotmail.com

    Distribuio:

    INSECTA - Ncleo de Estudo dos InsetosLaboratrio de Entomologia,

    Centro de Cincias Agrrias e Ambientais-UFBA, CEP: 44380-000, Cruz das Almas-BA.

    Tele/Fax: (75) 3621-2002www.insecta.ufba.br

  • CONTEDO

    Prefcio

    1. O consumo de mel das abelhas sem ferro ...........................................01

    2. Parmetros fsico-qumicos utilizados nas anlises de mel ...................02

    3. Padres fsico-qumicos da Legislao Brasileira que

    regulamenta o controle de qualidade do produto mel.............................14

    4. Mtodos de coleta de mel......................................................................15

    5. Resultados das anlises fsico-qumicas de amostras de mel

    de espcies de abelhas sem ferro .......................................................16

    6. Discusso.............................................................................................22

    7. Consideraes finais ............................................................................23

    8. Referncias bibliogrficas ....................................................................25

  • PREFCIO

    O mel um produto alimentcio produzido pelas abelhas, de compo-sio varivel a depender de diversos fatores, como composio do nctar, condies climticas, manejo do apicultor e, principalmente, a espcie de abelha que o produz.

    Infelizmente quando se fala em abelhas produtoras de mel a espcie mais conhecida a extica Apis mellifera, apesar do Brasil possuir uma diversificada fauna de abelhas eussociais, conhecidas por meliponneos ou abelhas indgenas sem ferro (ASF).

    Essas abelhas so produtoras de mel cujo relato de consumo data desde perodos pr-colombianos no continente Americano, ao qual so atri-budas propriedades medicinais. Atualmente, o interesse sobre estas esp-cies foi intensificado aps a regulamentao de sua criao pela Resoluo 346 do CONAMA e de movimentos de conservao de polinizadores, como a Iniciativa Brasileira de Polinizadores.

    Apesar desta importncia, apenas recentemente os estudos visando a caracterizao do mel das ASFs tem sido incrementado, de forma a deter-minar sua identidade e controlar possveis fraudes. Esses estudos so importantes para a elaborao de uma legislao com vista ao controle de qualidade do mel de meliponneos.

    No Brasil a legislao que trata sobre o produto mel baseada em padres norte-americanos para classificao do mel de A. mellifera (Brasil, 2000), que atendem parcialmente s caractersticas do produto das abe-lhas sem ferro.

    Com o objetivo de divulgar os conhecimentos relacionados com a cri-ao das abelhas sem ferro, o Grupo de Pesquisa Insecta do Centro de Cincias Agrrias e Ambientais/UFBA, em parceria com outras Instituies de Ensino e Pesquisa, est lanando o quarto nmero da Srie Meliponi-cultura - Mel de abelhas sem ferro: contribuio para a caracteriza-o fsico-qumica, fornecendo subsdios para a discusso e elaborao de um futuro e necessrio padro de qualidade do mel dos meliponneos.

  • 1. O CONSUMO DE MEL DAS ABELHAS SEM FERRO

    O mel considerado um fludo viscoso, aromtico e doce, elaborado pelas abelhas a partir do nctar das flores e/ou exsudaes sacarnicas de partes vivas das plantas, podendo ainda ser proveniente das excrees de insetos sugadores que se alimentam de partes vivas das plantas. Estes produtos, depois de coletados, transformados e combinados com substncias especficas prprias, so armazenados e amadurecidos nos favos para a alimentao das abelhas (Mendes & Coelho, 1983; Brasil, 2000). Devido sua domesticao antiga e por ser originria dos principais pases consumidores, a abelha Apis mellifera L. considerada como a principal espcie produtora do mel utilizado para consumo humano, apesar de existir uma grande diversidade de abelhas que produzem mel de boa qualidade, como as abelhas sem ferro das tribos Meliponini e Trigonini, e algumas espcies de vespas sociais (e.g.: Brachygaster spp.).

    Na histria da humanidade o mel foi uma das primeiras fontes de acar para o homem (Buarque de Holanda, 1957). Isso demonstrado pelo uso do mel e plen das abelhas nativas sem ferro - os meliponneos - nos perodos pr-hispnicos e o papel que desempenharam na dieta das comunidades indgenas americanas (Medina & Gonzalez, 1995).

    As abelhas sem ferro so habitantes dos trpicos, sendo que na Amrica Latina, existem aproximadamente 300 espcies, a maioria delas produtoras de mis de grande aceitao principalmente nas regies produtoras.

    O maior conhecimento sobre as abelhas sem ferro diz respeito aos Mayas e Nahoa no Mxico, que mantm o costume dos antecessores de misturar o mel da abelha Melipona beecheii com bebidas oferecidas a seus Deuses durante as cerimnias religiosas, alm de sua utilizao em misturas como remdio (Biesmeijer, 1997).

    No Brasil, at o sculo XIX, o mel utilizado na alimentao pelos ndios e brancos, assim como a cera utilizada na confeco de velas pelos jesutas, eram provenientes das abelhas sem ferro (Buarque de Holanda, 1957; Cortopassi-Laurino, 2002). Camargo & Posey (1990) relatam que os ndios Kaiap detinham o conhecimento sobre as flores fornecedoras de nctar de qualidade, que era coletado pelas abelhas sem ferro, responsveis pela produo do mel de boa consistncia e sabor.

    Embora produzam mel em menor quantidade, os meliponneos so importantes por fornecer um produto que se diferencia do mel de A. mellifera, principalmente na doura inigualvel, sabor diferenciado, seguramente mais aromtico e que possui consumidor-alvo distinto, com o

    Mel de abelhas sem ferro: contribuio para a caracterizao...

  • diferencial de alcanar altos preos no mercado (Ihering, 1932; Kerr, 1996; Levy Junior, 1997; Nogueira-Neto, 1997; Marchini et al., 1998).

    O interesse crescente pelo mel dos meliponneos tem gerado um esforo no sentido de determinar as caractersticas fsico-qumicas dos diferentes mis produzidos pelas espcies que ocorrem no Brasil (Pamplona, 1989; Marchini et al., 1998; Azeredo et al., 2000; Denadai et al., 2002; Evangelista-Rodrigues et al., 2003).

    2. PARMETROS FSICO-QUMICOS UTILIZADOS NAS ANLISES DE MEL

    A composio do mel depende, principalmente, das fontes vegetais das quais ele derivado, mas tambm do tempo, solo, espcie da abelha, estado fisiolgico da colnia, estado de maturao do mel, condies meteorolgicas na poca da colheita, dentre outros fatores (Crane, 1983; Pamplona, 1994).

    Os trabalhos de anlises fsico-qumicas de mis so realizados com o objetivo de comparar os resultados obtidos com padres ditados por rgos oficiais internacionais ou com os estabelecidos pelo prp

Recommended

View more >