medicina veterinária da conservação

Download Medicina Veterinária da Conservação

Post on 20-Jul-2015

21 views

Category:

Health & Medicine

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE

    Medicina Veterinria 2015-1

    Aula 1

    Prof. Biol. Leandro A. Machado de Moura lammoura@uol.com.br

  • A ECOLOGIA E O MDICO VETERINRIO (...) a Natureza fez tudo ao nosso favor, ns, porm, pouco ou nada temos feito a favor da Natureza. [...] nossas preciosas matas vo desaparecendo, v>mas do fogo e do machado destruidor da ignorncia e do egosmo. Nossos montes e encostas vo-se escalvando diariamente, e, com o andar do tempo faltaro as chuvas fecundantes que favoream a vegetao e alimentam nossas fontes e rios, sem o que o nosso belo Brasil, em menos de dois sculos car reduzido aos pramos e desertos da Lbia. Vir ento este dia (dia terrvel e fatal), em que a ultrajada natureza se ache vingada de tantos erros e crimes come>dos. Jos Bonifcio, 1823. (em Representao Assembleia LegislaSva do Imprio do Brasil sobre a Escravatura)

    (Amorim e Carneiro, s.d. apud PDUA, 2000, p.27)

  • A ECOLOGIA E O MDICO VETERINRIO LEI No 5.517, DE 23 DE OUTUBRO DE 1968. Dispe sobre o exerccio da prosso de mdico veterinrio e cria os Conselhos Federal e Regionais de Medicina Veterinria. Art 5: da competncia privaKva do mdico veterinrio o exerccio das seguintes aKvidades e funes a cargo da Unio, dos Estados, dos Municpios, dos Territrios Federais, enKdades autrquicas, paraestatais e de economia mista e parKculares:

    a) a prKca da clnica em toodas as suas modalidades;

    b) a direo dos hospitais para animais; c) a assistncia tcnica e sanitria aos animais sob qualquer forma; d) o planejamento e a execuo da defesa sanitria animal; e) a direo tcnica sanitria dos estabelecimentos industriais e, sempre que possvel, dos comerciais ou de nalidades recreaKvas, desporKvas ou de proteo onde estejam, permanentemente, em exposio, em servio ou para qualquer outro m animais ou produtos de sua origem;

  • A ECOLOGIA E O MDICO VETERINRIO LEI No 5.517, DE 23 DE OUTUBRO DE 1968.

    f) a inspeo e a scalizao sob o ponto-de-vista sanitrio, higinico e tecnolgico dos matadouros, frigorcos, fbricas de conservas de carne e de pescado, fbricas de banha e gorduras em que se empregam produtos de origem animal, usinas e fbricas de lacKcnios, entrepostos de carne, leite peixe, ovos, mel, cera e demais derivados da indstria pecuria e, de um modo geral, quando possvel, de todos os produtos de origem animal nos locais de produo, manipulao, armazenagem e comercializao; g) a peritagem sobre animais, idenKcao, defeitos, vcios, doenas, acidentes, e exames tcnicos em questes judiciais; h) as percias, os exames e as pesquisas reveladores de fraudes ou operao dolosa nos animais inscritos nas compeKes desporKvas ou nas exposies pecurias; i) o ensino, a direo, o contrle e a orientao dos servios de inseminao

    arKcial;

  • A ECOLOGIA E O MDICO VETERINRIO LEI No 5.517, DE 23 DE OUTUBRO DE 1968.

    j) a regncia de cadeiras ou disciplinas especicamente mdico-veterinrias, bem como a direo das respecKvas sees e laboratrios;

    l) a direo e a scalizao do ensino da medicina-veterinria, bem, como do ensino agrcola-mdio, nos estabelecimentos em que a natureza dos trabalhos tenha por objeKvo exclusivo a indstria animal; m) a organizao dos congressos, comisses, seminrios e outros Kpos de reunies desKnados ao estudo da Medicina Veterinria, bem como a assessoria tcnica do Ministrio das Relaes Exteriores, no pas e no estrangeiro, no que diz com os problemas relaKvos produo e indstria animal.

  • A ECOLOGIA E O MDICO VETERINRIO LEI No 5.517, DE 23 DE OUTUBRO DE 1968.

    Art 6: ConsKtui, ainda, competncia do mdico-veterinrio o exerccio de aKvidades ou funes pblicas e parKculares, relacionadas com:

    a) as pesquisas, o planejamento, a direo tcnica, o fomento, a orientao e a

    execuo dos trabalhos de qualquer natureza relaKvos produo animal e s indstrias derivadas, inclusive as de caa e pesca;

    b) o estudo e a aplicao de medidas de sade pblica no tocante s doenas de animais transmissveis ao homem; c) a avaliao e peritagem relaKvas aos animais para ns administraKvos de crdito e de seguro; d) a padronizao e a classicao dos produtos de origem animal; e) a responsabilidade pelas frmulas e preparao de raes para animais e a sua scalizao;

  • A ECOLOGIA E O MDICO VETERINRIO LEI No 5.517, DE 23 DE OUTUBRO DE 1968.

    f) a parKcipao nos exames dos animais para efeito de inscrio nas Sociedades de Registros Genealgicos; g) os exames periciais tecnolgicos e sanitrios dos subprodutos da indstria animal; h) as pesquisas e trabalhos ligados biologia geral, zoologia, zootecnia bem como bromatologia animal em especial; i) a defesa da fauna, especialmente o contrle da explorao das espcies

    animais silvestres, bem como dos seus produtos;

    j) os estudos e a organizao de trabalhos soobre economia e esta^sKca ligados prosso; l) a organizao da educao rural relaKva pecuria.

  • A ECOLOGIA E O MDICO VETERINRIO INTERFACE SADE-AMBIENTE A Organizao Mundial de Sade dene sade como um estado completo de bem-estar `sico, mental e social, e no apenas ausncia de doena. Nesta perspecKva, passam a ser considerados os vrios fatores que afetam e, muitas vezes, determinam o estado de sade individual ou coleKvo. Entre esses determinantes idenKcam-se as condies de vida e de trabalho, e, dentre elas, as condies ambientais em que se encontram ou so submeKdos os seres humanos (OMS, 2003). H uma co-responsabilidade do setor sade com o meio ambiente para a promoo da sade humana, criando uma estrutura do Ministrio da Sade: rea de Vigilncia Ambiental em Sade

    (Amorim e Carneiro, s.d)

  • A ECOLOGIA E O MDICO VETERINRIO INTERFACE SADE-AMBIENTE rea de Vigilncia Ambiental em Sade Por denio, a vigilncia ambiental em sade se congura como um conjunto de aes que proporcionam o conhecimento e a deteco de qualquer mudana nos fatores determinantes e condicionantes do ambiente que interferem na sade humana, com a nalidade de idenKcar as medidas de preveno e controle dos fatores de riscos e das doenas ou outros agravos sade, relacionados ao ambiente e s aKvidades produKvas (FUNDAO NACIONAL DE SADE, 2002, p.71). Epidemiologia e Controle de Zoonoses Inspeo de alimentos de origem animal

    (Amorim e Carneiro, s.d)

  • A ECOLOGIA E O MDICO VETERINRIO AGROPECURIA SUSTENTVEL Pode-se exemplicar a importncia do mdico veterinrio no desenvolvimento de uma explorao pecuria sustentvel, baseada: no manejo racional dos recursos naturais, no uso responsvel dos parasiKcidas, anKbiKcos, probiKcos e hormnios, na desKnao dos dejetos e resduos, entre outras consideraes.

    Projeto CaaSnga: desenvolvido por pesquisadores da Embrapa Semi-rido, objeKva a xao do homem no campo atravs da criao de empregos e gerao de renda no campo, garanKndo o manejo da caaKnga em bases sustentveis e revertendo o seu processo de degradao (GUIMARES FILHO, 2000).

    (Amorim e Carneiro, s.d)

  • A ECOLOGIA E O MDICO VETERINRIO O processo de desenvolvimento social e econmico tem repercusses nas relaes que ocorrem nos ecossistemas impactando, consequentemente, a sade dos seres humanos.

    No Brasil, a urbanizao acelerada associada forte concentrao de renda est relacionada com o crescimento das reas de pobreza. Projetos de desenvolvimento no-sustentvel, a ampliao do desmatamento principalmente na Amaznia e no Cerrado alm da qualidade da gua para o consumo e o saneamento precrio so fatores que esto associados ao aumento de doenas infecto-contagiosas como a malria e a diarria, entre outras. Por sua vez, a contaminao ambiental por poluentes qumicos e `sicos, um emergente fator na gerao de agravos sade (FRANCO NETTO; CARNEIRO, 2002). Conservao Ambiental = Medicina Veterinria da Conservao. Projeto TAMAR, Peixe-Boi, Mico-Leo-Dourado, Arara-Azul...

    (Amorim e Carneiro, s.d)

  • MEDICINA VETERINRIA DA CONSERVAO Esta rea assume cada vez maior importncia socioeconmica, principalmente pela maior sensibilizao da sociedade sobre a importncia da conservao ambiental. H cerca de 30 anos, a especialidade restringia-se aos cuidados, cura e ao manejo de animais de zoolgico, que Knham por objeKvo prioritrio a exposio ao pblico. Atualmente, com a abertura de criadouros e a preocupao com o futuro das espcies ameaadas ou no de exKno, a rea de atuao do clnico de animais silvestres cresce constantemente. A especialidade Animais Silvestres inclui as clnicas mdica e cirrgica de animais em caKveiro ou vida livre, porm, diversas subespecialidades esto sendo criadas:

    Anestesia, Planejamento e a responsabilidade tcnica em criadouros, zoolgicos e centros

    de triagem; Reproduo, para ns comerciais ou de conservao, especialmente das

    espcies ameaadas de exKno; Etologia de animais silvestres. Perito Criminal federal: em parceria com o bilogo na idenKcao taxonmica

    de espcies, sendo reservada ao mdico veterinrio a competncia exclusiva na determinao da causa mor>s dos animais, com intuito de idenKcar atos criminosos (OLIVEIRA, 2003).

  • MEDICINA VETERINRIA DA CONSERVAO ObjeKvos: Trata-se de uma cincia que se preocupa com a sade ambiental. Envolve

    transdisciplinaridade, tanto na pesquisa, nas aes de manejo e na proposio de polKcas pblicas voltadas manuteno da sade de todas as comunidades biolgicas e seus ecossistemas.

    Atuar em Medicina

Recommended

View more >