[medicina veterinaria] curso de odontologia veterinária

Download [Medicina veterinaria] curso de odontologia veterinária

Post on 29-Jun-2015

758 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 1. 1 Odontovet Mini Curso Bsico de Odontologia Medicina Veterinria em Evidncia

2. 2 Dr. Oscar Rodrguez Serrano Odontologia Veterinria Recife, 2002 3. 3 Odontologia Veterinria HISTRIA A histria da odontologia tanto humana como a veterinria muito parecida. Tiveram um comeo muito intenso e importante, sendo depois quase que esquecidas e s voltando a ter um interesse maior no ltimo sculo. Hoje sabemos em documentos achados (papiros de Ebers), que os egpcios no ano de 1550 a.C., tratavam dos dentes contra abscessos e gengivites, usando cominho e mel. Outros achados foram prteses dentrias. Na antiga Grcia j aparece o primeiro instrumental odontolgico, uma pina de metal utilizada para extraes chamada de odontagra. Archigene 100 a.C. utilizou o trepano para perfurar os dentes chegando at a polpa e obturando a perfurao com uma massa base de excremento de rato e fgado de lagarto. No ano 30 a.C., Celso descreve a utilizao de chumbo nas obturaes. Na Idade Mdia a odontologia sofre uma parada no seu desenvolvimento, devido ao fato de que todo descobrimento da cincia deveria ser aprovado pela igreja (Inquisio). No sculo XIII e XIV, os monges iniciaram a cirurgia dentria porm no vo longe e deixam isto para pessoas despreparadas como os barbeiros, que alm de cortar o cabelo, tomavam conta das extraes, pois esse era o nico tratamento realizado nessa poca. Os barbeiros mais importantes eram aqueles que moravam nos castelos, pois cuidavam das famlias reais. No sculo XIV, Guy de Charliac, utiliza pela primeira vez a anestesia, exatamente num procedimento odontolgico. No inicio do sculo XVIII, Pierre de Fouchard, escreve O Cirurgio Dentista e seu Tratado de Dentes, criticando os charlates e dedicando especial ateno endodontia. Os eqinos foram os primeiros animais a serem tratados na medicina veterinria. Um motivo muito importante foi que estes animais ajudaram muito no desenvolvimento do homem, seja trabalhando como lutando para conquistar novas terras e povos. Na veterinria o primeiro documento achado foi o Zuo Zhuan (Livro dos Animais), livro chins que expressa como diferenciar um cavalo pela boca. Os chineses tambm acreditavam que os dentes tinham relao com os rgos internos como rins, fgado e rgos da reproduo. 4. 4 Pgina do Livro doa Animais (Zuo Zhuan) Hipcrates, descreve na antiga Grcia, como realizar uma extrao dentria. No livro Indicus explica como efetuar a extrao dentria e amputao da lngua para melhorar a ocluso nos eqinos. Pelagonius no ano 350 a.C., descreve varias doenas dentais, assim como o tratamento em dentes dos cavalos no captulo De Dentibus. Aristteles (384322 a.C.) fala sobre a periodontite no seu livro Animaliu, como um sintoma e no como sndrome, destacando que se a doena no desaparecesse espontaneamente, esta seria incurvel. Durante o Imprio Romanos, por este ter um grande exrcito, foram realizados grandes avanos na medicina veterinria. Estes descreveram a anatomia e morfologia dos dentes. Acredita-se como forma de evitar a falsificao e troca de animais. Novamente a odontologia mergulha numa fase obscura onde no se conhece avano significante. Unicamente no sculo XIII voltamos a escutar por meio de Jordanus Ruffus, o tratamento de eqinos, porm sem nenhum embasamento cientfico, provocando um aparecimento de charlates que tomam conta dos tratamentos odontolgicos veterinrios, geralmente sendo realizado pelos ferreiros. Estes provocavam tratamentos desumanos cheios de crueldade. A doma dos cavalos era realizada de forma irracional, sendo assim retirados dentes e colocados vidros quebrados para tornar a boca dos animais mais sensvel. A primeira faculdade de Veterinria foi fundada em Lyon na Frana no ano de 1762 por Claude Bourgelat, porm ainda neste tempo a odontologia no despertava interesse na classe mdica. Com o inicio dos zoolgicos, acontece um caso que chamou a ateno das pessoas. Na Inglaterra um elefante foi sacrificado em 1826 pela sua agressividade e s aps a morte foi descoberto que isto era provocado por um colmilho fraturado e infeccionado. No ano de 1862, cem anos depois do inicio da primeira faculdade, Edward Mayhew publica O Ilustrado Doutor de Cavalos, onde descreve a necessidade do trato das doenas odontolgicas. Porm unicamente no sculo XX que Freddie Milne (1867-1942), comea a dedicar-se odontologia eqina em 1924 nos hipdromos da Europa. Em 1930 j aparecem varias publicaes de odontologia veterinria, e em 1945 cria-se o Instituto Dental Veterinrio em Viena, destacando o prof. Karl Zetner. 5. 5 Porm foi nos Estados Unidos que a odontologia veterinria chegou no seu auge, sendo criado o primeiro dentifrcio para animais em 1975 e em 1977 a American Veterinary Dental Society, e logo depois, o American Veterinary Dental College. Na Europa foi formado a European Veterinary Dental Society em 1992 e em 1996 a European Veterinarian Dental College. No Brasil, um dos pioneiros na odontologia veterinria, tem sido o Dr. Marco A. Gioso, atualmente professor da USP e diplomado pelo American Veterinary Dental College. Este tem incentivado muito a odontologia veterinria em especial dos pequenos animais. Hoje contamos com varias clnicas especializadas em odontologia especialmente no estado de So Paulo. Entre estas destacam-se a Odontovet entre outras. MORFOLOGIA DENTRIA Tipos de Dentes Os dentes variam em nmero, volume e tamanho, dependendo das espcies e sua funo. A dentadura dos animais pode ser classificada de varias maneiras. Podemos classificar os dentes de acordo a sua anatomia e funo como: Dentes deciduais ou de leite, dentes permanentes, dentes incisivos, dentes caninos, dentes pr-molares e dentes molares. Diviso dos dentes nos caninos Os dentes incisivos so 12 (doze) e se dividem em trs tipos diferentes: central (pinas ou 1), intermedirio (central ou 2) e lateral (cantos ou 3). Estes dentes servem para roer e ajudam na limpeza do corpo. Os caninos so 04 (quatro), estes retm a pressa e servem para rasgar os alimentos. Os pr-molares e molares so cortantes e trituradores do alimento. Os ltimos molares assemelham-se aos dos humanos. 6. 6 CES Incisivos Caninos Pr-molares Molares Maxila 3 1 4 2 Mandbula 3 1 4 3 Frmula dentria nos ces FELINOS Incisivos Caninos Pr-molares Molares Maxila 3 1 3 1 Mandbula 3 1 2 1 Frmula dentria nos felinos Podemos classific-los de acordo com as mudanas que estes sofrem, por exemplo: Dentadura Heterodonte: dentadura dos mamferos. H diversos tipos de dentes como incisivos, caninos, pr-molares e molares. Dentadura Homodonte: achado em peixes, rpteis. Todos os dentes so iguais. Dente Monofiodonte: so os dentes que nunca sofrem muda, por exemplo os dentes permanentes (molares, colmilhos dos elefantes). Dente Diofiodonte: so os dentes que sofrem uma muda no curso da vida. Por exemplo, nos mamferos, os dentes de leite so substitudos por dentes permanentes (incisivos, caninos, pr- molares). Dentes Polifiodonte: so aqueles que tm uma reproduo continua, como os dentes dos peixes, anfbios, rpteis. Dentes Secodontes: so aqueles que tm as bordas cortantes. Geralmente comprimidos lateralmente com aspecto de faca. Por exemplo os pr-molares dos carnvoros. Dente Bunodonte: Estes possuem cspides de esmalte justapostas que formam uma superfcie trituradora. Por exemplo os molares do ser humano. ANATOMIA Os dentes podem ser divididos em 03 (trs) estruturas diferentes: Coroa, Colo Dentrio e Raiz.A Coroa a parte do dente que podemos visualizar normalmente. Ela est coberta pelo esmalte. Este o tecido mais duro do corpo, formado de 98% de substncia inorgnica. A Raiz clinicamente a parte invisvel do dente. Por sua vez est coberta pelo cemento, que um tecido conectivo calcificado. A diviso da Coroa e da Raiz chama-se Colo Dentrio e a linha visvel desta diviso chamada de linha cervical. Na parte interna achamos um tecido conectivo calcificado chamado de dentina. um material poroso igual ao osso, que se encontra em constante renovao. No meio desta dentina encontramos a Cavidade Pulpar. Esta parte do dente onde se encontra a polpa, tecido ricamente inervado e vascularizado, que forma e nutre a dentina. Pelo canal pulpar passam os 7. 7 vasos sangneos e nervos que nutrem e do a sensibilidade ao dente. Este canal pulpar diferente nos animais que nos humanos. Canal Pulpar de um co Os dentes podem ter uma, duas ou trs razes, de acordo com seu posicionamento. Na tabela seguinte podemos mostrar como esto formados: Dente N de razes. Incisivos, Caninos e 1 Pr-molar superiores 1 Pr-molar 2 e 3 superiores 2 Pr-molar 4, molares 1 e 2 superiores 3 Incisivos, Caninos e 1 Pr-molar e molar 3 inferior 1 Pr-molares 2 , 3 e 4 Molares 1 e 2 inferior 2 As outras estruturas que circundam os dentes so as seguintes: Gengiva, Ligamento Periodontal (Fibras de Sharpey) e Osso Alveolar. Estas estruturas junto com o cemento formam o Periodonto. A gengiva parte da mucosa oral que cobre o osso alveolar formando uma prega chamada de borda gengival. Anatomicamente dividida em 03 (trs) formas: marginal, aderida e interdental. A primeira a parte livre da gengiva formando a margem e o sulco gengival; a segunda a mais importante pois a primeira linha de defesa contra a periodontite, protegendo o osso e os tecidos de suporte do dente, estando aderida ao peristeo do osso alveolar. A terceira est sempre em continua renovao e forma um colar ao redor do colo do dente, unindo-se ao esmalte. O ligamento periodontal formado por tecido conectivo que penetra no cemento de um lado e no osso alveolar do outro. formado por fibras de colgeno tendo elasticidade para suportar o mecanismo da mordida. Esta estrutura segura o dente na arcada dentria. 8. 8 O osso alveolar (placa cribiforme) uma placa fina que cobre o dente formando um alvolo. Os dentes dos herbvoros apresentam diferenas em relao aos dos caninos e felinos. Por exemplo: a coroa dos dentes dos herbvoros apresenta vrias dobras do esmalte paralelas ao eixo do dente, formando um cilindro oco aberto (cavidade adamantina). Em alguns molares do cavalo e do b