Matéria de aula Civil III

Download Matéria de aula Civil III

Post on 05-Dec-2014

19 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Formao e celebrao dos contratos 1 Etapa: Oferta Oferta, proposta ou policitao. Na medida que um formula a outro aquilo que pode a vir a ser um contrato, ele se obriga a este. Vincular o policitante se a proposta for precisa (se contiver os elementos essenciais, sem necessidade dos pormenores), se tiver o mnimo de preciso ela obrigar, e este mnimo para esta preciso estar no caso concreto dever ter os mnimos elementos essenciais. Toda proposta feita a grande pblico se obriga, mas tem que ter elementos essenciais. No se confunde com as negociaes preliminares (fase de pontuao), aquela fase em que as pessoas fazem entre si sondagens, tudo que antecede proposta. No h vnculo jurdico aqui, embora se admita que a frustrao resulte em responsabilidade (quebra de boa f Art. 422 do CC), no foi formulada uma proposta que possa gerar a quebra do vnculo. Extra contratual define de modo preciso aquele que tem de responsabilidade civil. Descumprimento ter o oblato (aquele que recebe a proposta do policitante) direito a perdas e danos. Pr-contratual aquilo que vem antes de um contrato. A proposta declarao unilateral receptcia de vontade: Art. 422 Os contratantes so obrigados a guardar, assim na concluso do contrato, como em sua execuo, os princpios de probidade e boa-f. Art. 427 A proposta de contrato obriga o proponente, se o contrrio no resultar nos termos dela, da natureza do negcio ou da circunstncia do caso. A proposta no obriga, conforme a segunda parte do caput do Art. 427 do CC/02: a) Se isso resultar da prpria proposta (o policitante se reserva), ex: clusula de no obrigatoriedade. Os prprios termos da proposta, se o contrrio no resultar em termos diversos dela. b) Se isso resultar da natureza do negcio, oferta para um indeterminado nmero de pessoas, limitando-se pelo estoque. Podemos dizer ser, tambm as condies, caractersticas do negcio jurdico, informar das caractersticas da contratao. So limitaes da prpria condio que colocado a pblico. c) Se isso resultar de circunstncias do caso Art. 427 e Art. 428 CC/02. A proposta obriga o proponente, salvo se o contrrio resultar, das circunstncias do caso, significa que diferentemente dos termos da proposta ou do contedo da mesma, completar-se- com os incisos do Art. 428 (que so as circunstncias do caso), ou seja: Art. 428 do CC deixa de ser obrigatria a proposta: I se feita sem prazo, a pessoa presente, no foi imediatamente aceita, considera-se tambm presente, a pessoa que contrata por telefone ou meio semelhante (critrio = imediatamente). A proposta feita sem prazo, pessoa presente, obriga o aceite imediato. O imediato vai variar de acordo com o caso. O requisito previsto na lei, a presena, no uma presena espacial e sim temporal, observe que a contratao por telefone, um contato presencial e imediato, e a obrigao se d pelo imediato.

Pgina 1 de 10

II se feita sem prazo, a pessoa ausente, tiver decorrido tempo suficiente para chegar a resposta ao conhecimento do proponente. razovel um tempo que leva a proposta chegar ao oblato e ele responder, com tempo razovel da proposta chegar ao proponente, variando conforme o caso. Se h a razoabilidade, aconteceu dentro da razoabilidade, a proposta obriga sim. As variaes temporais esto ligadas ao meio a que foi utilizado. Esta razoabilidade, a doutrina chama de prazo moral, varivel conforme o caso. III se feita a pessoa ausente, no tiver sido expedida a resposta dentro do prazo dado. A proposta foi feita entre ausentes e foi dado um prazo, a resposta deve ser expedida dentro do prazo, pois a mesma foi aceita, deu a conhecer, que contivesse o prazo na proposta. IV se antes dela ou simultaneamente chegar ao conhecimento da outra parte a retratao do proponente. No vai obrigar se antes da proposta, ou simultaneamente, chegar ao oblato, a retratao. A proposta no obriga se dela o proponente se retratar a tempo (simultaneamente ou antes de que a proposta chegue), deve ser antes da aceitao do oblato. Art. 429 A oferta ao pblico equivale a proposta quando encerra aos requisitos essenciais ao contrato (proposta precisa, oferta precisa) salvo se o contrrio resultar das circunstncias ou dos usos. A oferta pblica (que o termo correto de proposta, ao pblico) obriga ao proponente de igual forma. Porm, especificamente na oferta pblica,no Art. 30 do CDC, o que foi proposto, proposta pblica, exemplo, um panfleto, indiferente se constar ao contrato, proposta, se soma ao contrato que foi feito. Esta oferta precisa, pode ser considerada como qualquer meio que se chegue ao pblico, desde que se possa provar, esta oferta obriga o fornecedor que a fizer veicular ou se dela utilizar, integra ao contrato que vier a ser celebrado. O Art. 35 do CDC estabelece que o fornecedor de produtos ou servios recusar cumprimento da oferta, se nega a prestar aquilo que foi ofertado, o consumidor poder, a sua escolha, escolher entre: rescindir o contrato com direito a restituio de quantia j paga, atualizada e ainda direitos a perdas e danos; ou aceitar outro produto ou prestao de servio equivalente (tpica regra de defesa do consumidor); ou ainda, exigir o cumprimento forado da obrigao nos termos da oferta, veiculao ou publicidade ou executar o contrato, obrigao de fazer, no fazer ou entregar coisa. 2 Etapa: Aceitao Aps o proponente fazer a proposta, deve-se aguardar a manifestao do oblato. Estamos na fase da aceitao. Em uma linha temporal, temos: negociaes preliminares >> proposta que obriga salvo Art. 427 e Art. 428 do CC >> aceitao. Dever ser opportuno tempore, ou seja, tempestiva e incondicional, pois se a proposta aceita com restries aos dados da proposta, h a perca das caractersticas de proponente e oblato, e iremos passar a ter uma nova proposta, ou seja, a primeira proposta deixa de obrigar. Podemos considerar como uma nova proposta, invertendo-se os papis (Art. 431), o proponente passa a ser oblato e vice versa. Ento, h uma nova proposta, e esta obriga o antigo oblato, agora proponente ( o que comumente chamamos de contra proposta). O ato de aceitao condicional passa-se a ser chamado de proposta e o antigo oblato, agora proponente, se obriga.

Pgina 2 de 10

Art. 431 A aceitao fora do prazo, com adies, restries, ou modificaes, importar em nova proposta. Contrato celebrado do momento de expedio da aceitao (Art. 434), o nascimento do contrato, se entre presente e no foi dado prazo, o contrato surge no ato da aceitao. Em casos que no h a simplicidade de responder a proposta, o CC redigiu o Art. 434 o contrato entre ausentes (ausncia temporal e no espacial lembrar da conversa de telefone, que considera presente) tornam-se perfeitos (sem vcio, particpio passado do verbo perfazer perfazido) desde que a aceitao expedida (a exceo dos 03 incisos). Este artigo encerra com a palavra exceto, a saber: Art. 433 Considera-se inexistente a aceitao, se antes dela ou com ela chegar ao proponente a retratao do aceitante. Art. 434 Os contratos entre ausentes tornam-se perfeitos desde que a aceitao expedita, exceto: I no caso do artigo antecedente: ou seja, o Art. 433 considera-se inexistente a aceitao se antes dela ou com ela chegar ao proponente a retratao do aceitante; ou seja,o oblante fez uma retratao ao proponente, antes da aceitao chegar ao proponente. Imaginar que o contrato tem incio no momento da aceitao. Inexistncia o pior dos vcios que um ato pode ter, pois a inexistncia quer dizer que no existiu aquele ato, e o que inexistente no pode operar efeitos. Na situao da retratao e aceitao, adota-se a teoria da recepo, pois se a retratao for recepcionada antes da aceitao, significar que a aceitao nunca existir. A aceitao estar condicionada a no existncia de uma retratao, ou seja, se a aceitao chegar na mo do proponente, antes de uma retratao, o contrato estar vigente. Isto uma exceo. II se o proponente se houver comprometido a esperar resposta: se o proponente comprometeu a esperar uma resposta, ou se ela no chegar em um prazo convencionado (veja inciso III abaixo), nestas situaes a aceitao vai gerar uma exceo ao Artigo 434. III se ela no chegar no prazo convencionado: se no chegar no prazo combinado.

Art. 430 - Se a aceitao, por circunstncia imprevista, chegar tarde ao conhecimento do proponente, este comunic-lo- imediatamente ao aceitante, sob pena de responder por perdas e danos. Neste caso, o proponente dever avisar imediatamente o oblato, ao receber exporaneamente, a proposta, que no existe contrato, por intempestividade. Se no houver o aviso, o proponente responder pelas perdas e danos. Existe uma situao que o proponente no recebeu a proposta e o oblato no sabe que a proposta no foi recebida (por erros de terceiro), ento cria-se um problema. O lugar da proposta valer o local onde a proposta foi feita, conforme o Art. 435 ou seja, valer o local da proposta do proponente. Pgina 3 de 10

Art. 435 Reputar-se- celebrado o contrato no lugar em que foi proposto. CLASSIFICAO DOS CONTRATOS Dar critrios de classificao, mas no so critrios necessariamente legais, e sim doutrinrias, para auxiliar na aplicao prtica aos casos concretos. Classificao quanto nmero de plos: como se desenha uma relao. a) Bilaterais (dois plos): b) Plurilaterais no pelo nmero de pessoas, mas de plos plurilaterais (mas cada um com seu objetivo), situaes especficas; Classificao quanto aos efeitos (reciprocidade de prestaes): a) Sinalagmticos (contratual): a lgica ter prestaes recprocas, onde os plos tem prestaes especficas. Contratos em que existe a assuno de prestaes especficas, existem a correspondncia de prestaes. Os contratos sinalagmticos so bilaterais conforme a quantidade de plos. Algumas doutrinas chamam os contratos sinalagmticos de bilateral, mas analisando outro tipo de bilateridade, onde os dois plos tem obrigaes a cumprirem. Ainda, um contrato bilateral (pelo nmero de plos) pode ser bilateral (pelo nmero de prestaes). Art. 476 do CC/02, nos contratos bilaterais (no critrio de classificao quanto aos efeitos sinalagmtico), nenhum dos contratantes antes de cumprir da sua obrigao pode exigir da outra parte o cumprimento da obrigao dela (exceptio non adimpleti contractus). Conforme o Art.491, a regra pagar primeiro e depois entregar a coisa, EXCETO a venda crdito, que entrega-se a coisa, e paga-se depois, em tese, a ordem das prestaes pagar primeiro e entregar a coisa depois. b) Unilaterais aqui, no h as prestaes recprocas entre os plos; exemplo, uma doao, onde somente um plo tem a prestao, a obrigao. Os contratos unilaterais so bilaterais conforme a classificao do nmero de plos. Aqui impossvel a aplicao do Art. 476 do CC/02, pois no h reciprocidade de prestaes. Art. 476 Nos contratos bilaterais, nenhum dos contratantes, antes de cumprida a sua obrigao, pode exigir o implemento da do outro. Classificao dos contratos quanto a vantagem perseguida: leva em conta a vantagem para ambas as partes ou apenas uma. a) Onerosos: ambas as partes tm vantagem. Tem que existir nus e vantagens para ambas as partes. Aqui, todos os sinalagmticos se encaixam. b) Gratuitos: no h vantagem ou utilidade para uma das partes. Aqui somente uma das partes tem vantagem. Uma doao, alm de ser unilateral, de acordo com a classificao 2, nem sempre gratuito. Embora, pouco usual, existe uma doao com encargo (doar um terreno, mas vinculado a construo de uma capela), e ao impor um encargo (encargo no prestao e sim nus), h a pluralidade de nus, um, de um lado, em doar e outro, do outro lado, de fazer uma capela, ento um contrato Pgina 4 de 10

unilateral, conforme a classificao 2, mas no gratuito, pelos dois nus (sendo um de cada lado). Todos os sinalagmticos so onerosos, mas nem todos os unilaterais so gratuitos . Classificao dos contratos quanto ao prazo: em relao ao prazo do contrato. a) Prazo determinado: contratos que tem prazo estabelecido para seu fim. Ele se encerra com o advento do prazo. b) Prazo indeterminado: contratos que no tem prazo determinado, ele fica em aberto. Classificao em relao a prestao: a) Cumutativos (pr-estimados): as prestaes de ambos contratantes so determinveis, em tese no h desequilbrio patrimonial. possvel a aplicao de clusula rebus sic stantibus. b) Aleatrios: Art. 458 CC/02 cria uma dependncia de evento futuro, caracteriza-se pela incerteza quanto aos resultados patrimoniais, no pelo desequilbrio das prestaes, e essa a diferena destes contratos pelos contratos cumutativos, o que caracteriza este tipo de contrato a incerteza quanto ao resultado patrimonial e no o desequilbrio deste resultado. Nestes contratos podem ter desequilbrio patrimonial, mas no d direito a indenizao, imagina que uma pessoa paga durante 10 anos o seguro total de um carro sem nunca usar, ou no primeiro ms de pagamento do contrato de seguro, o veculo ter sido indenizado. Alea jacta est (a sorte est lanada) rea de incerteza, inaplicabilidade da clusula rebus sic stantibus, ou seja, em contratos de execuo futura mantm as condies de contratao, e extraordinariamente permitem a reviso do contrato. Art. 458 Se o contrato for aleatrio, por dizer respeito a coisas ou fatos futuros, cujo risco de no virem a existir um dos contratantes assuma, ter o outro direito de receber integralmente o que lhe foi prometido, desde que de sua parte nop tenha havido dolo ou culpa, ainda que nada do avenado venha a existir, Classificao em relao execuo (cumprimento) dos contratos: a) Execuo imediata: tm suas prestaes executadas imediatamente. Pode haver hiato entre a oferta e a aceitao, mas no entre a aceitao e a execuo do contrato. b) Execuo diferida: prestao se prolonga no tempo, at cumprimento, o contrato celebrado em um momento e cumprido posteriormente. Exemplo compra e venda prazo. c) Execuo continuada: as prestaes so constantes (o pagamento no extingue o contrato). Exemplo: contrato de locao. A diferena entre contrato diferido e continuado, que nos contratos diferidos, mesmo que em vrios pagamentos, a exemplo 12 meses, na 6 parcela, se houver a resciso contratual, devolve a coisa e rever o valor pago, h o cumprimento parcelado do contrato, j no contrato de execuo continuada, exemplo de uma locao em 12 meses, se no 6 ms houver a resciso contratual, a parte pagadora no ter os valores pagos reavidos.

Pgina 5 de 10

Aplicao da teoria da impreviso (Art. 478/480 do CC/02) somente se aplica nos contratos de execuo diferida e de execuo continuada. Nos contratos de execuo continuada ou diferida, se a prestao de uma das partes se tornar extremamente onerosa, por motivo de eventos futuros e extraordinrios, para uma das partes, poder o devedor pedir a resciso do contrato. Art. 478 Nos contratos de execuo continuada ou diferida, se a prestao de uma das partes se tornar excessivamente onerosa, com extrema vantagem para a outra, em virtude de acontecimentos extraordinrios e imprevisveis, poder o devedor pedir a resoluo do contrato. Os efeitos da sentena a decretar retroagiro a data da citao. Art. 480 Se no contrato as obrigaes couberem a apenas uma das partes, poder ela pleitear que a sua prestao s...