marco aurélio greco junho 2018 - fesdt.org.br .fe-em-planejamento- em 21.07.2013

Download Marco Aurélio Greco Junho 2018 - fesdt.org.br .fe-em-planejamento-  em 21.07.2013

Post on 08-Nov-2018

215 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Marco Aurlio GrecoJunho 2018

  • A) enquadramento das operaes especialmente de planejamento - conhecimento da realidade que cerca o caso

    (aspectos econmicos, empresariais, familiares, do setor especfico, perante o consumidor etc.)

    B) consequncias no dia seguinte (planejamento ou benefcios no aceitos) (temas apontados por decises judiciais)

    C) graus e tipos de participao de cada um

  • Insero do tema no contexto atual

    Do dever responsabilidade

    Da liberdade seriedade/motivao

    Do poder funo

    Reflexos para os terceiros instrumentais (da ao do contribuinte e da ao do Fisco) (assessores, consultores, agentes financeiros etc.) (que atuem no mbito das operaes)

    Vivemos uma poca de cobrana

    Obs.1- no sei quem tem razo nos processos indicados referncia feita para indicar um tema a aprofundar

    Obs. 2 Notcias de jornal e internet

    Obs. 3- Grifos so todos meus

    3

  • .... to pay $456 Million for Criminal Violations (www.irs.gov) (2005)

    Banco mais antigo da Sua fecha as portas aps escndalo de evaso fiscal (O Estado de S. Paulo, 05.01.2013, pg. B10) .... ........, um dos donos do banco, reconheceu em

    um comunicado que, entre 2002 e 2010, sua instituio ajudou americanos a escapar dos impostos. (idem)

    4

  • ............ vai processar ex-diretores e auditoria do ................ (O Globo, 14.11.2010)

    IPOs responsabilidade dos intermedirios (O Estado, 22.05.2013- texto de Fernando de Azevedo Peraoli e Eduardo Salomo Neto)

    ... ter de reparar ex-controladores do Banco ........ (www.conjur.com.br de 28.08.2013)

    Banqueiros suos evitam sair do Pas (O Estado, 29.10.2013, B8)

    5

  • ... condenada a pagar R$ 3,5 milhes no caso BVA. (O Estado de So Paulo, 04.03.2015, B12)

    .......... admite crime e paga multa de US$ 2,6bi. (O Estado de So Paulo,20.05.2014, B9)

    Presidente do STF autoriza uso de documentos apreendidos com advogados (Notcias STF 28.07.2015)

    OAB atua e ao penal contra advogada que emitiu parecer trancada (www.oab.org.br, notcia de 12 de agosto de 2015)

    6

    http://www.oab.org.br/

  • O fisco ento passou a enquadrar essas operaes como "planejamento tributrio abusivo". "Elas romperam o limiar do possvel", ......

    A Receita se prepara para pedir ao Ministrio Pblico Federal que represente essas empresas criminalmente. Os escritrios de advocacia que participaram dessas operaes tambm sero processados, ..........http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2013/07/1314295-fisco-ve-ma-fe-em-planejamento-tributario.shtml em 21.07.2013

    7

  • Planejamento tributrio sugerido por algum

    Implantado pelo cliente

    Questionado pelo Fisco

    Pagamento do tributo pelo contribuinte

    Cliente aciona civilmente quem sugeriu

    Dois processos perante o Judicirio

    9

  • Assessoramento tributrio onde as mltiplas obrigaes desempenhadas pelas partes no podem ser atribudas a qualquer delas destacadamente. Negcio de risco onde os vcios que inquinam a validade da avena no se encontram presentes. Partes que tinham plena conscincia e agiram com prvia concordncia em face das transaes realizadas. Ao e reconveno improcedentes. (TJSP-Ap. cvel 1195388-0/7) (julg. 20.08.2009)

    10

  • STJ Resp. 1.283.845 4 T. Dje11.12.2015

    Confirma deciso do TJSP aplica Smulas 5 e 7/STJ

    11

  • Proc. 0188622-16.2007.8.26.0100 Comarca de So Paulo Sentena (parcialmente reformada)

    Deste modo, a atuao da requerida, ao se tornar parceira da autora, a torna responsvel pelos prejuzos que a requerente teve com o negcio, uma vez que o insucesso da operao decorreu da inidoneidade dos parceiros, com os quais a autora fez negcio somente porque eles lhe foram apresentados pela requerida, para realizao de operaes tambm apresentadas por esta ltima autora.

    12

  • Acrdo TJ-SP reformou parcialmente a sentena do slide anterior (Acrdo n. Registro: 2013.0000693523) (Remetido STJ 25/9/2014)

    Relator = houve ... Parceria para consecuo dos fins colimados no planejamento

    tributrio autora ... No tomou as cautelas ordinrias devidas para constatar a

    lisura dos procedimentos ... ... assumiu riscos da advindos autora ... No agiu com boa f para com o motivo do que pretendia

    efetuar houve uma relao de prestao de servios no satisfatria por parte

    da r

    Revisor = autora ... nunca poderia alegar desconhecimento das operaes

    fraudulentas

    Deciso = reduziu a condenao ao valor dos honorrios recebidos

    13

  • Superior Tribunal de Justia (caso slide anterior)

    RESp. 1.477.373 Dje 24/09/2015 3 T.

    3. ... A inverso de tais concluses demandaria o reexame de matria ftico-probatria, o que invivel em sede de recurso especial, nos termos da Smula n 7STJ.

    4. Se, por um lado, no se pode imputar empresa de consultoria responsabilidade pelos prejuzos sofridos com as autuaes fiscais da qual no escapa a autora, tambm no se pode negar que o produto oferecido (planejamento tributrio) ficou longe de alcanar os resultados esperados pela contratante, revelando deficincia na prestao do servio, que impe a devoluo dos valores por esta expendidos como contraprestao.

    14

  • Questes: No cabe responsabilidade pelos prejuzos

    sofridos ? Planejamento tributrio produto ? Cabe avaliar o planejamento pelo resultado

    obtido ? Planejamento tributrio que no prevalece

    deficincia na prestao de servio ? Critrios so os do Cdigo do Consumidor ? Vamos na direo dos EUA (patentear

    planejamentos)?

    15

  • Ambas as Turmas do STJ = envolve reexame de provas; mantiveram decises do TJSP nenhuma indenizao ou

    Apenas devoluo dos honorrios recebidos pela prestao de servio)

    Se a matria de fato, fatos novos podem levar a novas decises (diferentes)?

    Relevncia do entendimento adotado pelos Tribunais de Justia

    16

  • STF: parecer opinativo = no responde (MS-24.073)

    EMENTA: CONSTITUCIONAL. ADMINISTRATIVO. TRIBUNAL DE CONTAS.

    TOMADA DE CONTAS: ADVOGADO. PROCURADOR: PARECER. C.F., art. 70,

    parg. nico, art. 71, II, art. 133. Lei n 8.906, de 1994, art. 2, 3,art. 7,

    art. 32, art. 34, IX. I. - Advogado de empresa estatal que, chamado a opinar,

    oferece parecer sugerindo contratao direta, sem licitao, mediante

    interpretao da lei das licitaes. Pretenso do Tribunal de Contas da Unio

    em responsabilizar o advogado solidariamente com o administrador que

    decidiu pela contratao direta: impossibilidade, dado que o parecer no

    ato administrativo, sendo, quando muito, ato de administrao consultiva,

    que visa a informar, elucidar, sugerir providncias administrativas a serem

    estabelecidas nos atos de administrao ativa. Celso Antnio Bandeira de

    Mello, "Curso de Direito Administrativo", Malheiros Ed., 13 ed., p. 377. II. -

    O advogado somente ser civilmente responsvel pelos danos causados a

    seus clientes ou a terceiros, se decorrentes de erro grave, inescusvel, ou de

    ato ou omisso praticado com culpa, em sentido largo: Cd. Civil, art. 159;

    Lei 8.906/94, art. 32. III. - Mandado de Segurana deferido.

    17

  • ADVOGADO PBLICO - RESPONSABILIDADE -ARTIGO 38 DA LEI N 8.666/93 - TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIO - ESCLARECIMENTOS. Prevendo o artigo 38 da Lei n 8.666/93 que a manifestaoda assessoria jurdica quanto a editais de licitao, contratos, acordos, convnios e ajustes no se limita a simples opinio, alcanando a aprovao, ou no, descabe a recusa convocao do Tribunal de Contas da Unio para serem prestados esclarecimentos. (STF MS-24.584)

    18

  • Artigo 38, nico da Lei n 8.666:

    Pargrafo nico As minutas de editais delicitao, bem como as dos contratos,acordos, convnios ou ajustes devem serpreviamente examinadas e aprovadas porassessoria jurdica da Administrao.

    Aprovao formal ou substancial?

    Aprovao x homologao

    19

  • Min. Marco Aurlio

    A partir do momento em que ocorre, pelosintegrantes deste [setor competente], no aemisso de um parecer, mas a aposio de visto,a implicar a aprovao do teor do convnio ou doaditivo ou a ratificao realizada, constata-se,nos limites tcnicos, a assuno deresponsabilidade.

    O momento de mudana cultural; o momento de cobrana e, por via de consequncia, dealerta queles que lidam com a coisa pblica.

    ... devero, em prol da mudana dos tempos eda segurana jurdica, defender-se. (grifei)

    20

  • Min. Carlos Ayres Britto (sobre o art. 38, nico):

    Isso implicou, parece-me, uma valorizao dacarreira jurdica, que tem uma contrapartida: amaior responsabilidade por parte dos titularesdesses rgos eminentemente jurdicos.

    Min. Cezar Peluso:

    ... por integrar a fundamentao jurdica e amotivao da deciso adotada, o parecer jurdicose submete tambm ao juzo de legalidade eLEGITIMIDADE dos atos relacionados com agesto de recursos pblicos ...

    21

  • Lembrar Miguel Reale

    Tridimensionalidade tal como analisada porOst e Kerchove

    Deciso e seu produto (norma ou ato) devemse submeter a trs crivos de conformidade:

    Legalidade = com uma regra

    Eficcia = com a realidade

    Legitimidade = com VALORES

    ? Teria sido este o sentido adotado no voto ?

    22

  • Que fazer?

    Tentar construir critrios que definam parmetros de conduta.

    Atravs deles distinguir situaes.

    s quais se aplicaro distintos regimes/consequncias jurdicas.

    23

  • Aes por dano moral movidas contra o Distrito Federal por irregular inscrio na dvida ativa:

    Acrdo N 338.321- 20060110501700APC APELAO CVEL RECURSO ADESIVO INSCRIO

    INDEVIDA EM CE