manuseio e movimentação de cargas

Upload: marcosninja

Post on 06-Mar-2016

209 views

Category:

Documents


24 download

DESCRIPTION

MANUAL

TRANSCRIPT

MANUSEIO E MOVIMENTAO DE CARGASCronograma Ideal para uma Movimentao

1.Preparao:

Conhecer o peso e centro de gravidade de carga;

Determinar qual Linga e se necessrio preparar proteo para os cantos vivos;

Preparar o local de destino com caibros e cunhas se necessria.

2. Informar ao operador o peso da carga.3. Colocar o gancho do meio de elevao perpendicularmente sobre o centro de gravidade da carga.

4. Acoplar a Linga carga. Se no for utilizar uma das pernas da Linga, acopl-la ao elo de 5.sustentao para que no possa se prender a outros objetos ou cargas. Quando necessrio, pegar a Linga por fora e deixar esticar lentamente.

Sair da rea de risco.

6. Avisar a todos os envolvidos no processo de movimentao e a todos que estiverem nas reas de risco.

7 Sinalizar ao operador. A sinalizao deve ser feita por uma nica pessoa.

8. Ao iniciar a movimentao devemos verificar: se a carga no se ganchou ou prendeu;

se a carga est nivelada ou corretamente suspensa; se as pernas tm uma carga semelhante.

9. Se a carga pender mais para um lado, abaix-la para prend-la corretamente.

10. Movimentao da carga.

11. No transporte de cargas assimtricas ou onde haja influncia de ventos deve-se usar um cabo de conduo que seja longo o suficiente para que se fique fora da rea de risco.

12. Abaixar a carga conforme indicao do movimentador.

13. Certificar-se de que a carga no pode se espalhar ou tombar.

14. Desacoplar a Linga.

15. Prender os ganchos da Linga no elo de sustentao.

16. Ao levantar a Linga verificar se ela no pode se prender a nada.Equipamentos de Proteo Individual e Coletivo para uma boa movimentao de Segurana para uma Boa Movimentao.

1 - PROTEO DA CABEA

- Capacete: Protege de impacto de objeto que cai ou projetado de impacto contra objeto imvel e somente estar completo e em condies adequadas de uso se composto de:- Casco: o capacete propriamente dito;

- Carneira: armao plstica, semi-elstica, que separa o casco do couro cabeludo e tem a finalidade de absorver a energia de impacto; - Jugular: presta-se fixao do capacete cabea.

O capacete de celeron se presta, tambm, proteo contra radiao trmica2 - PROTEO DOS OLHOS

- culos de Segurana: Protegem os olhos de impacto de materiais projetados e de impacto contra objetos imveis. Os culos de segurana utilizados so, comprovadamente, muito eficazes quanto proteo contra impactos.

Para a proteo contra aerodispersides (poeira), a empresa fornece os culos ampla viso, que envolvem totalmente a regio ocular.

Onde se somam os riscos de impacto e intensa presena de aerodispersides (poeira), a efetiva proteo dos olhos se obtm com o uso dos dois EPI - culos de segurana e culos ampla viso, ao mesmo tempo.3- PROTEO AUDITIVA

- Protetor auricular: Diminui a intensidade da presso sonora exercida pelo rudo contra o aparelho auditivo. Existem em dois tipos bsicos:

Tipo Plug (de borracha macia ou espuma de poliuretano), que introduzido no canal auditivo.

Tipo Concha, que cobre todo o aparelho auditivo e protege tambm o sistema auxiliar de audio (sseo).

O protetor auricular no anula o som, mas reduz o rudo (que o som indesejvel) a nveis compatveis com a sade auditiva. Isso significa que, mesmo usando o protetor auricular, ouve-se o som mais o rudo, sem que este afete o usurio.4 - PROTEO DOS MEMBROS INFERIORES- Calado d e segurana: Protege os ps contra impactos de objetos que caem ou so projetados, impactos contra objetos imveis e contra perfuraes. Por norma, somente de segurana o calado que possui biqueira de ao para proteo dos dedos.-Legalmente, cabe ao empregador fornecer gratuitamente e garantir o uso adequado do EPI, cabendo ao seu empregado us-lo adequadamente e responsabilizar-se por sua guarda e conservao.

Mesmo sendo do conhecimento de todos os seus empregados que, ao longo do tempo, recebem instrues via reunies, palestras e treinamentos, fica reiterado que legalmente considerado falto grave o no uso adequado do EPI que a empresa fornece gratuitamente, Tal obrigatoriedade se faz em funo da valorizao do homem, organiza as aes de preveno de acidentes que buscam a compatibilizao sadia do homem com o seu ambiente de trabalho.

Independentemente do aspecto legal, a empresa considera que o seu empregado precisa ser valorizado como o ser humano que . Por isso, enfatiza como fundamentais na relao empresa-empregado os aspectos social e moral que a norteiam com relao preveno de acidentes, assumindo suas responsabilidades e proclamando a necessidade de que cada empregado assuma as suas, fator fundamental para a garantia de melhor qualidade de vida, uma de nossas necessidades humanas bsicas.

Valorizando-se , valorize a preveno de acidentes. Faa a sua parte, no s usando adequadamente o EPI que lhe fornecido com base em estudos de sua ocupao, mas tambm praticando, incentivando e promovendo as ferramentas de preveno de acidentes preconizadas pelo nosso Programa de Preveno de Acidentes do Trabalho, nascido de nossa prpria cultura. Esse comprometimento far com que tenhamos, de fato, instalado em nosso ambiente o esprito prevencionista de que tanto nos orgulhamos e que tanto tem contribudo para o nosso crescimento conjunto e irreversvel.

Tipos de Levantamento.: LEVANTAMENTO MANUAL LEVANTAMENTO MECANICOLEVANTAMENTO MANUAL DE CARGA.:Definio.:

- Deslocar, levantar e transportar cargas, define-se como sendo os movimentos e esforos desprendidos por uma ou mais pessoas, objetivando movimentar cargas dos mais diversos tipos, formas ou tamanhos, pelo processo manual.- Capacidade Individual

FAIXA ETRIA

HOMEMMULHER

Menores 16 anosPROBIDOPROBIDO

16 A 18 anos16 Kg8 Kg

Acima de 18 anos40 Kg20 Kg

- Mecnica do Corpo Humano e Tcnicas de Levantamento de PesoO Que Causa Problemas na Coluna:

Dor na coluna raramente resultado de um incidente ou leso. Quase todos problemas de colunas so resultados de: M postura; Mecnica do corpo defeituosa; Vida estressante e hbitos de trabalho; Perda de resistncia e flexibilidade; Declnio geral da boa forma fsica. - A Verdade Sobre a coluna 80% das dores nas costas podem ser causadas por falta de exerccio apropriado.

80% de leso na coluna durante trabalho ocorre durante as primeiras duas horas de um turno. Evidncias afirmar que exerccios regulares a melhor coisa para ter uma coluna sadia. Lombalgias e leses na coluna so danos freqentes entre trabalhadores, gerando srios problemas para a Segurana do Trabalho.

Geralmente, as leses na coluna so extremamente dolorosas e, muitas vezes, ocasionam o afastamento do trabalhador por longos perodos. A recuperao lenta e, em conseqncia, acarreta prejuzos para empresas e trabalhadores.

Em se adotando alguns procedimentos e cuidados, pode-se reduzir sensivelmente os problemas dessa ordem.PARTES DA COLUNA.

Tenso de postura

Sentar ou ficar de p numa posio curvada.

Resultado de muitos anos de m postura e/ou maus hbitos. Troca de posio frequente ajudar a corrigir a postura.

Erros Mais Comuns: Pegar peso com as costas dobradas para a frente e as pernas retas (tenso na parte inferior das costas)

Fazer movimentos bruscos.

Dobrar e torcer ao mesmo tempo.

Mau planejamento.(falha ao dimensionar a carga, verificar o percurso a fazer ou desobstruir a rea para o objeto.)

Movimentar a carga muito afastada. (no trazer a carga mais perto aumenta a tenso de 7 a 10 vezes quando a carga est nos braos.)

Falta de comunicao. (Quando duas pessoas esto levantando junto o movimento deve ser coordenado)

Falta de fora. (leses podem ocorrer quando equipamentos no esto sendo usados.)Regras para uma boa mecnica de corpo

Mantenha cabea e ombros para cima ao iniciar o levantamento de peso.

Comprima os msculos do estmago ao iniciar o levantamento de peso.

Levante com as pernas e levante-se devagar e suavemente.

Mova os ps (piv) caso seja necessrio mudar de direo.

O supervisor deve definir e reforar as prticas de um levantamento seguro.

O uso de boas tcnicas de mecnica de corpo devem ser revisadas diariamente pelo supervisor.

Comunicar se dois ou mais indivduos estiverem envolvidos no movimento.

Seguindo estas regras simples, a tenso no disco, juntas, msculos e ligamentos so reduzidos.

O fator acumulativo que se acumula com o tempo para causar problemas de coluna minimizado.

Boa Mecnica de Corpo

Em muitos trabalhos sero necessrios se dobrar, levantar e outras posies e atividades que tencionam e no podem ser eliminadas. Portanto, se algum troca ou interrompe essas posies e atividades freqentemente, isto no causar leso na coluna.- TIPOS DE LEVANTAMENTOS MANUAIS

- Levantamento Diagonal

Base ampla

Objeto preso

Um p na frente

Agarre firme

Prximo ao corpo

Cabea acima

Manter o arco

Levantar com as pernas

Levantamento Potente

Base slida e larga

Um p adiante

Meio agachado

Cintura reta

Cabea acima

Levantar com as pernas

Aproximar a carga assim que comea a mover.

Levantamento Tripoide

Um p adiante

Baixar um joelho

Agarrar os lados firmemente

Cabea acima

Rolar objeto firmemente

Levantar

Abraar objeto

Agachamento profundo

Ps na largura dos ombros

Agachar de frente

Cabea acima

Levantar com braos & agarrar objeto

Tensionar as pernas para o levantamento seguro.

Levantamento parcial com apoio

Ps na largura dos ombros

Um p adiante

Uma mo no joelho ou no objeto fixo

Cabea acima

Dobrar joelhos

Objeto prximo

Levantar com as pernas

Levantamento tipo Golfe

Uma mo no apoio

Costas arqueadas

Dobrar as ancas

Levantar uma perna atrs

Cabea acima

Empurre com uma mo

Baixar a perna levantada

Levantamento com perna reta

Aproxime-se

Dobre os joelhos levemente

Dobre as ancas levemente

Agarre o objeto e puxe para perto

Costas em arco, cabea acima

Gire as ancas para trs at ficar ereta

Levantamento sobre a cabea

Muito cuidado

Objeto perto

Um p adiante

Posio aberta,ombros largos

Levantar com braos e ombros

Empurre para a posio

Levantamento Tipo Golfe

Uma mo no apoio Costas arqueadas Dobrar as ancas Levantar uma perna atrs Cabea acima Empurre com uma mo Baixar a perna levantada MOVIMENTAO MECANICA DE CARGA.

Definio.:

A movimentao mecnica de cargas pode ser definida como o conjunto de aes, de materiais e de meios que permitem, de um modo planejado e seguro, movimentar cargas de um determinado local para outro.Esta operao compreende as seguintes fases: elevao (ou carga); manobra livre (ou movimentao); assentamento (ou descarga).

TIPOS DE EQUIPAMENTOS

Acessrios e Equipamentos

Inspeo de Equipamento O lingador tem a obrigao de se certificar, de que todo o equipamento est em bom estado, a fim de poder suportar o peso da carga. Para tal, existem trs tipos de inspeo: INSPEO VISUAL FEITA PELO LINGADOR: Todo o equipamento tem de ser visualmente inspecionado por um Lingador, antes de ser utilizado e sempre que possa ter sido danificado num iamento. INSPEO MINUCIOSA: Feita por empresa contratada com tcnicos devidamente qualificados. Se o equipamento for aprovado, identificado pintando-se apenas uma parte com uma cor caracterstica, o cdigo de cor, o qual varia de ano para ano, sendo tambem marcado o respectivo SWL e registado num formulrio prprio. Em todas as instalaes offshore, deve ser feita num perodo no superior a 6 meses. INSPEO ANUAL: Feita uma vez por ano, nos locais em terra, tambm por empresa contratada com tcnicos devidamente qualificados, com a mesma exigncia da inspeo minuciosa em offshore. CORRENTES PARA LINGAS-Correntes so fabricadas em diversas formas e qualidades. Primeiramente os elos so dobrados e depois soldados.-Posteriormente feito o tratamento trmico (correntes de grau) e ensaio de trao. Diversos teste so feitos durante e aps a fabricao para que as correntes sejam certificadas. Durante a produo, alguns elos so dobrados em diversos sentidos para verificar a solda e aps a produo e tratamento trmico, so realizados testes de trao e ruptura.-O passo de um elo o seu comprimento interno. Somente correntes que tenham elos com passo igual a 3 vezes o seu dimetro podem ser utilizadas para movimentao e amarrao de cargas. Esta regra se explica pelo fato de que correntes assim construdas, quando aplicadas em ngulos retos, os elos se apiam nos elos vizinhos, evitando assim que a corrente se dobre. TIPOS DE CORRENTES:

Correntes Soldadas;

Comuns,

Galvanizadas,

Calibradas (Especiais para Talhas)A carga mxima de trabalho de uma corrente no deve exceder 1/5 (um quinto) de sua carga de ruptura efetiva.

Os ganchos que suportam as correntes devem possuir trava de segurana. Corrente de Ao Forjado e Amarras at 3Correntes ForjadasTabela de Medidas e Pesos Aproximados

As Correntes calibradas tm medidas exatas, so testadas em mquinas de provas de acordo com A tabela acima e com o coeficiente 2, ou seja, 100% de carga admissvel (carga de segurana)LINGAS DE CORRENTES

Lingas Simples em ao forjado usadas em fundies, pontes rolantes, Empreiteros de construo e para todos os trabalhos onde se tornam necessrios guindastes para remoo de material, com cargas e descargas de navios e caminhes.

-

TABELA DE CARGA DE TRABALHO

Lingas Duplas; Triplas, Quadruplas etc.. em correntes de Ao Forjado testadas

IDENTIFICAO DA CAPACIDADE MXIMA DE UTILIZAO -Todo o equipamento de lingadas tem de ter permanentemente gravado, o mximo peso que pode suportar, em toneladas. A capacidade de cada manilha, estropo ou gancho, tem de ser igual ou superior ao peso total da carga. Esta identificao deve estar sempre precedida pelas iniciais CMU, SWLou WLL, que significam: Exemplo da marcao da capacidade em manilhas: CMU Capacidade Mxima de Utilizao SWL - Safe Working Load - Capacidade Mxima de UtilizaoWLL - Working Load Limit - Capacidade Mxima de Utilizao Exemplo da marcao da capacidade em estropos: Equipamento para lingadas de extrema importncia que todos os acessrios sejam adequados ao esforo a que sero sujeitos. Apenas acessrios em ao forjado e com a carga mxima de trabalho gravada, esto autorizados para iamentos de cargas. Este equipamento no pode nunca ser soldado ou sujeito ao calor dum maarico, porque perde a resistncia. A capacidade inicialmente marcada fica sem efeito, podendo partir sem aviso prvio. Fator de Segurana Devido ao esforo, cargas dinmicas e condies extremas que este equipamento tem de suportar, construido com uma margem adicional de segurana. Essa margem de segurana calculada, dividindo a carga mnima de ruptura por um fator de segurana especificado de acordo com a legislao. Fatores mnimos de segurana sendo aplicado ao seguinte equipamento: Estropos de ao para uso normal: 5:1 Estropos de fibra: 7:1

Manilhas de ferradura ou ancoragem ou D: 6:1 Estropos de corrente: 4:1

Equipamento de iamento de pessoal: 10:1 Cabo Multipernas: 7,5:1

A fim de assegurar a qualidade de fabricao de qualquer pea do equipamento de lingadas, muitas peas deste equipamento so testadas de acordo com a exigncia das normas regulamentares. extritamente proibido o uso do equipamento para alm da sua capacidade mxima de carga. CARACTERSTICAS, INSPEO E MODO DE UTILIZAO DO EQUIPAMENTO CABO DE AO: O cabo de ao um elemento flexvel que permite a transmisso dos esforos resultantes do peso da carga, sendo usado tanto nos guinchos e nas lanas dos guindastes, como na fabricao de estropos.

prprias, enrolados em volta de um arame central para formar as pernas. As pernas por sua vz so enroladas helicoidalmente volta de uma perna central, qual se d o Nome de alma.

A alma funciona basicamente como a fundao para as pernas, fixando-as numa posio pr- determinada, de modo que todas as pernas possam mover-se em conjunto. So geralmente usados dois tipos de alma:

- Alma de fibra natural (sisal) ou fibra artificial (nylon), permitindo uma maior flexibilidade aos cabos de ao. Encontram-se geralmente nos estropos para utilizaes comuns. Tambm permitem maior elasticidade dos cabos, reduzindo o efeito do choque de carga. Alma constituida por uma perna de ao, pode ser semelhante s outras pernas, ou diferente (independente). Como vantagem, o cabo pode ser enrolado em volta dos tambores dos guinchos que no se esmaga, e retm mais lubrificante.

Tipos de Cabo

Cabo Normal: Nestes cabos, os arames e as pernas esto dispostos em direes opostas. Em posio normal DIREITA, os arames enrolam-se para a esquerda e as pernas para a direita; Em posio normal ESQUERDA, os arames enrolam-se para a direita e as pernas para a esquerda; Estes cabos so manipulados facilmente, e podem ser usados com uma ponta livre para girar, mas desgastam-se rapidamente porque somente poucas coroas de arames esto em contato com a superfcie de contato de uma s vez. Cabo Lang: Neste cabos, os arames e as pernas esto dispostas para o mesmo sentido. Os cabos Lang de 6 e 8 pernas s podem ser usados com as pontas fixas, para no se desenrolar. Inspeo aos Cabos de Ao Os cabos que apresentem alguma das deformaes abaixo indicadas, devem ser retirados de servio:

-Um cabo colocado fora de uso no dever ser enviado para a rea de fragmentos de metal, sem primeiro ter sido retirado de servio, dado baixa no inventrio e em seguida destruir, a fim de se evitar qualquer utilizao acidental.

Nota:

Critrios para Rejeio de Cabos de Ao.

Considerar quais os Regulamentos que so aplicveis ao seu local de trabalho e aplic-los.

- Reconhecer os critrios para remoo dos cabos. Considerar 9 itens:

1) Nmero, natureza, tipo e posio de arames quebrados visveis num comprimento igual a 10 vezes o dimetro do cabo, com um mximo de 5% do total de arames no cabo.

2) Conjunto de arames visivelmente partidos. Mximo de 3 em cada conjunto de arames adjacentes.

3) Deteriorao prxima do terminal ou terminal danificado: qualquer arame partido na distncia de 6 mm do terminal.

4) Deteriorao da alma = reduo significativa no dimetro do cabo.

5) Desgaste mxima reduo permitida do dimetro: - 10 % do dimetro nominal (cabo de 6 a 8 pernas);

- 3 % do dimetro nominal (cabo multi-pernas, geralmente anti-rotativo); - 6% para estropos / eslingas, pendente (extenso).

6) Corroso interna = rejeitar o cabo quando a corroso interna for confirmada

7) Corroso externa = a corroso provoca grande reduo de resistncia na carga de ruptura do cabo.

8) Deformaes mecnicas (vincos, esmagamento, pernas abertas).

9) Danos por temperaturas elevadas.

Lubrificao:

- A lubrificao que os cabos recebem quando so fabricados adequada para a armazenagem e para os primeiros tempos de servio. Deve, no entanto, ser feita uma lubrificao suplementar regularmente,

de acordo com as condies e locais de trabalho dos cabos.

- Lubrificar um cabo to importante como lubrificar qualquer outra pea de uma mquina. Embora o ideal seja usar o mesmo tipo de lubrificante utilizado pelo fabricante, na prtica, um leo mineral fino garante a lubrificao interna.

- O leo usado dos motores (leo queimado), no deve ser utilizado como lubrificante ou protetor de cabos de ao. O leo usado contm partculas metlicas que iro provocar o desgaste do cabo de ao, e a acidez absorvida pela produo da queima dos combustveis nos motores, torna-o corrosivo.

O cabo deve estar limpo e seco antes de se aplicar o lubrificante, porque a lubrificao s eficaz quando o lubrificante contata directamente com o metal limpo. A limpeza dos cabos deve ser feita com

escova de ao e farrapos. Os diluentes no devem ser usados, porque retiram o resto do lubrificante.

Se no se limpar o cabo, o lubrificante no adere e permite que a humidade entre no cabo provocando corroso.

Ganchos -Os ganchos so largamente utilizados em operaes de iamento de cargas nos guindastes, diferenciais e em alguns estropos, para proporcionarem um mtodo rpido e eficaz de prender e liberar cargas nos equipamentos de elevao. Os ganchos para iamentos esto disponveis em muitos tamanhos e tipos, alguns concebidos para uso geral e outros para usos especficos. Na maioria das operaes de iamento de cargas, os ganchos transferem o peso da carga para o equipamento de elevao. Por esta razo, a seleo, o uso correto e a inspeo dos ganchos to importante para uma operao segura.

Os ganchos do moito de elevao principal e do moito de elevao auxiliar devem rodar livremente para facilitar a operao de prender e liberar as cargas e para permitir que a carga possa girar, sem torcer os cabos do moito. Os moites devem ser pintados com tinta laranja fosforecente. Os ganchos no devem nunca ser pintados, porque a tinta interfere com as inspees. A utilizao de ganchos nos estropos, foi substituida em favor da utilizao de manilhas, que do maior segurana nos iamentos dinmicos no mar. Travas de segurana Os ganchos usados nas operaes de iamento de cargas tm que estar equipados com travas de segurana. As travas de segurana tm vrias formas e modos de operao, mas todas tm que operar livre e facilmente e tm que fechar totalmente e com segurana em todos os iamentos. CAPACIDADE DE CARGA A capacidade de carga de trabalho em segurana dos ganchos depende do tamanho, material, tipo e utilizao. Os ganchos e moites de elevao devem ter o seu peso e capacidade permanentemente marcados.

O bloco principal e auxiliar deve estar marcado com a sua capacidade e peso Utilizao: A capacidade mxima de carga nos ganchos s se aplica se as cargas forem corretamente suspensas. A ligao da carga deve, sempre, estar centrada no gancho para melhor equilbrio e resistncia. Efeito de uma carga descentrada no gancho.

Se o tamanho do gancho no for compatvel com a ligao, deve-se usar manilhas com capacidade para a carga e intercal-las entre a ligao e o gancho.

- Se o gancho muito grande usar uma manilha

- Quando h mais que um olhal de lingas para suspender no gancho, deve-se utilizar uma manilha de ferradura e esta ser centrada no gancho pelo pino.

INSPEO-Todos os ganchos dos equipamentos de elevao devem ser inspecionados cuidadosamente, verificando se h desgastes ou defeitos, diariamente antes de serem utilizados. Os ganchos dos estropos devem tambm ser inspecionados visualmente antes de serem utilizados. Verificar o desgaste no seio do gancho no superior a 10%. Verificar em todo o gancho se h trincas. Certificar-se que no h sinais de o gancho ter sido "aberto" ou torcido por um excesso de carga. Um gancho forado e enfraquecido apresentar uma garganta mais aberta ou outro tipo de deformao. Verificar se h sinais de danos por altas temperaturas ou alteraes feitas no gancho. A trava de segurana deve abrir livremente e fechar com segurana. Os ganchos dos blocos de elevao devem rodar livremente. Os ganchos que apresentem trincas, a garganta aberta mais que 15% da abertura original ou tores superiores a 10 do plano original, sero retirados do servio e eliminados. Os ganchos que apresentarem alteraes ou sinais de descolorao do metal provocados por altas temperaturas sero igualmente retirados de servio, e tambm quando atingir 10% do seu dimetro nominal.

Manilhas Uma manilha um aro cilndrico em forma de "U" ou de "D" com olhais (orelhas) nas extremidades voltados um para o outro. Um pino cilndrico metido nos olhais tomando a forma de um "D" ou de um arco. As manilhas so largamente utilizadas como peas de ligao nas operaes de iamento de cargas devido sua comodidade, versatilidade, segurana e durao. Os dois tipos bsicos de manilhas so as manilhas em forma de "D", originalmente desenvolvidas para o uso de correntes, e as manilhas em forma de arco ou de ancoragem, utilizadas para usos gerais e amarraes com estropos mltiplos. H trs tipos de pinos para ambos os tipos de manilhas. O pino roscado o mais comodo e fcil de usar. Nestas manilhas, uma das orelhas lisa e a outra roscada. O pino atravessa a orelha lisa e enrosca na outra at que a flange do pino assenta na face da orelha lisa. A manilha de pino liso redondo evita roscas, tem duas orelhas lisas e um pino que seguro por um freio. As "manilhas de segurana" utilizam um pino roscado que seguro por uma porca e um freio. O pino pode girar que nunca sai da manilha. O tamanho das manilhas determinado pelo dimetro do ao do aro e no pelo tamanho do pino. S devem ser usadas manilhas de ao forjado. Nas cargas pr- lingadas obrigatrio usar "manilhas de segurana". Todas as manilhas devem ter a sua capacidade claramente gravada. Tipos de Manilhas Utilizao Nunca substituir um pino de uma manilha por um parafuso. Os parafusos no so concebidos para suportar o esforo lateral que o pino suporta. Se o pino se perder, jogar fora a manilha. Nunca substituir um perno por um parafuso.

- O esforo numa manilha deve ser aplicado perpendicularmente ao pino. Aplicar o esforo em qualquer outro sentido reduz a capacidade da manilha. Usar arruelas de enchimento no pino para centrar a carga, sempre que necessrio. Quando ligar o estropo a um olhal por intermdio de uma manilha, colocar o olhal do estropo no aro da manilha e o pino no olhal da carga. Quando usar uma manilha para juntar vrios olhais e criar um ponto nico de suspenso, colocar os olhais no aro da manilha e o pino desta no gancho.

No usar manilhas para fazer levantamentos em configurao de "lao" ou em qualquer outra configurao em que o pino possa rodar sob a ao da carga. Os pinos das manilhas devem estar direitos e perfeitamente assentes nas orelhas. No usar substitutos para os freios. Inspeo As manilhas usadas em iamentos de cargas devem ser inspecionadas visualmente antes de se fazer o levantamento. Verificar que o pino est direito e assenta perfeitamente. Verificar se existem trincas, deformaes, sinais de danos por altas temperaturas ou alteraes. Verificar a distncia entre as orelhas e se h sinais da manilha ter sido "aberta". Verificar se as orelhas no esto ovalizadas ou torcidas. As manilhas que apresentem as deficincias descritas ou um desgaste no aro ou no pino superior a 10% do dimetro original sero retiradas de servio e eliminadas, tal como as que no apresentem claramente gravada a capacidade de carga.

Parafusos de olhal Parafusos de olhal so acessrios que podem estar ligados temporria ou permanentemente a motores de combusto, peas de motores de combusto, motores elctricos, geradores e outras mquinas onde foram determinados pontos prprios para os elevar, de forma que o iamento seja devidamente equilibrado, ou onde a solda de olhais permanentes ou iamentos em "lao" no sejam viveis.

H trs tipos de parafusos de olhal: Parafusos de olhal sem ombros (Fig.1), s podem ser usados na vertical, Parafusos de olhal com ombros Fig 2 e 3, podem ser usados na vertical e quando instalados aos pares, num ngulo at 90 graus. Utilizao Para evitar o empeno, as cargas devem ser aplicadas segundo o plano do olhal. Qualquer outra direo reduz a capacidade do parafuso de olhal. Os parafusos de olhal no devem ser utilizados diretamente em levantamentos dinmicos. Apenas com talhas. Os motores eltricos e peas de motores fixas a parafusos de olhais, devem ser transportados em cestos de carga, a fim de poderem ser levantados com guindastes. Nunca coloque a ponta de um gancho no olhal do parafuso. Utilize sempre uma manilha. No passar um estropo por dois parafusos de olhal. Isto reduz o ngulo de aplicao da fora e aumenta o esforo nos olhais. Utilizar um estropo de duas pernas e duas manilhas para iar a carga. Alinhamento de parafusos com olhais Calo

Orientao de parafusos com olhais

Inspeo Os parafusos de olhal devem ser cuidadosamente inspecionados antes de cada levantamento. Verifica- se se h desgaste, trincas, empenos, alongamentos ou outras deformaes e se as roscas esto em boas condies (verificar tambm os furos roscados onde os parafusos sero fixados). Verificar se no h alteraes como cortes, limadelas ou outras. Parafusos que apresentem deficincias devem ser retirados de servio e eliminados. Estropos / Lingas A integridade dos estropos fundamental para um iamento ser feito com segurana. Os estropos requerem uma ateno especial, porque podem facilmente ser danificados quando sujeitos a um rduo desgaste, choques de carga, esmagamento, vincos e excesso de carga. Os estropos tm de ser adequados ao iamento a efetuar, tm de estar em bom estado e serem usados de forma correcta. Em operaes de manobras de carga entre navios e sondas, os estropos de corrente devem ser evitados, em virtude das correntes no suportarem esforos dinmicos. As correntes esto sujeitas a partir, mesmo com cargas inferiores ao seu limite de trabalho. Capacidade Mxima de Carga A capacidade mxima de carga de um estropo a carga mxima que pode suportar, desde que esteja em boas condies e seja corretamente utilizado. As capacidades baseiam-se na carga de ruptura do material, mtodo de ligaes, ngulo de suspenso e raios das curvaturas. Os estropos tm que ter a carga mxima de trabalho, em toneladas, permanentemente marcada. O estropo testado pelo fabricante antes de ser entregue ao cliente. Mtodos de Ligao O ponto no qual os estropos so ligados carga chamado "ponto de suspenso". Alguns estropos podem suspender outros estropos em vez de suspenderem diretamente a carga. A maioria dos estropos so ligados utilizando uma ou mais das quatro formas bsicas de suspenso ou levantamento. Iamento Simples na Vertical Este iamento utiliza um estropo nico ligado na vertical a uma carga ou a outros estropos. O peso total da carga suportado pelo estropo. Este iamento s deve ser usado com cargas equilibradas e com um nico ponto de suspenso. No usar esta configurao para o iamento de material solto, excessivamente comprido ou difcil de equilibrar. O gancho do "Pendente" pode ser ligado directamente a um olhal da carga quando utilizar o iamento simples na vertical. Exemplo de Estropos para Iamento Simples na Vertical:

Exemplo de Iamento Simples na Vertical:

Iamento em Cesta Este iamento feito com um estropo simples sem ganchos, passado volta da carga uma ou duas vezes, com ambos os olhais das extremidades do estropo ligados com uma manilha e esta suspensa no gancho de elevao. Com este mtodo o peso distribudo igualmente pelas duas pernas resultantes. A vantagem do iamento em cesta reduzir a tenso no estropo uma vez que a carga suportada por duas partes de cabo. Iamentos em cesta no devem ser feitos com cargas desequilibradas porque uma carga ao inclinar-se pode escapar-se da cesta. Dar duas voltas aumenta a segurana do iamento. Pode fazer-se um iamento em duplo cesto para equilibrar uma carga. Consiste em duas cestas afastadas e ligadas no mesmo gancho de iamento. A utilizao de uma rede de carga um tipo de iamento em cesta. A capacidade de um iamento em cesta afetada pelo ngulo dos estropos e pelo dimetro da curvatura volta da carga.

Iamento em Lao Esta configurao do estropo um lao que se faz passando um olhal do estropo volta da carga e engatando-o num gancho, que desliza ao longo do prprio estropo. O lao ento ajustado carga e a outra extremidade do estropo ligada ao gancho de elevao. O gancho deslizante est concebido para proteger o cabo no ponto em que este dobra.

CINTAS DE POLIESTER:10 itens para um levantamento seguro

1 - No exceder s especificaes tcnicas e recomendaes do fabricante, nas limitaes de peso e estabilidade.

2 - Nunca use cintas avariadas ou danificadas.

3 - Nunca aplique uma sobrecarga no sistema ou equipamento de elevao.

4 - Posicionar a cinta corretamente na carga, para propiciar uma fcil remoo aps o uso.

5 - Uma operao suave e balanceada rende muito mais, alm de evitar desgaste do equipamento e acidentes.

6 -No deixe a carga em contato direto com o piso. Coloque calos ao descarreg-la para melhor poder elev-la.

7 - No posicione a cinta em cantos agudos ou cortantes.

8 - Utilize ganchos com um raio de apoio nunca inferior a 1, de seo lisa e redonda.

9 - Evite a colocao de mais de um par de cintas, no mesmo gancho.

10-Quando elevar uma carga pesada com mais de uma cinta, verifique se o total do peso est bem distribudo na tenso dos vrtices da cinta. - A inspeo preventiva de fundamental importancia para a manuteno dos niveis de segurana e economia. As cintas devem ser examinadas em intervalos no superiores a duas semanas, quando usadas em levantamentos gerais de diferentes de tipos de cargas.

1 - Coloque a cinta em uma superfcie plana com rea apropriada.

2 - Examine com ateno ambos os lados da cinta.

3 - As cintas tipo "anel" devem ser examinadas em todo o seu comprimento e permetro.

4 - As alas dos olhais devem ser examinadas

particular e cuidadosamente.

5 - Todo equipamento deve ser examinado somente

por uma pessoa, designada para esta inspeo. COMPONENTES DE UMA CINTA

EMPREGO DAS CINTAS

INSPEO DE CINTAS- CORTE NO SENTIDO LONGITUDINAL:

-Ocorre geralmente quando utilizada em contato no plano da carga, cuja rea inferior a largura da cinta, permitindo que uma parte da cinta fique supertensionada e a outra frouxa. Ocasiona uma hemia na cinta, perfeitamente visvel na ocasio do levantamento. Caso isto ocorra, a cinta dever ser imediatamente retirada de uso. Indica que a cinta sofreu uma tenso desequilibrada, possibilitando um estrangulamento lateral que propicia o corte transversal.

Os cantos agudos ou abrasivos ocasionam tambm um corte transversal abrupto que rompe a cinta repentinamente. Deve-se condenar e retirar de uso as cintas que apresentem um corte transversal superior a 10% da largura da mesma.

A inspeo preventiva de fundamental importncia para a manuteno dos nveis de segurana e economia. As cintas devem ser examinadas em intervalos no superiores a duas semanas, quando usadas em levantamentos gerais de diferentes tipos de cargas.

- Mesmo que os fios externos no cheguem a se romper, podem atingir um ponto de desgaste que diminui o coeficiente de segurana da cinta, tomando seu uso precrio segurana. Em regra, deve-se observar durante a inspeo, que o desgaste originrio da abraso no exceda 10% no ponto mais atingido.

TIPOS DE AMARRAES

TABELA DE CARGA DE CINTA DE POLIESTER:

CARACTERSTICAS DE AMARRAO- estrangulamento A capacidade de um iamento em lao, afetada pelo raio da curvatura, ngulo do estropo e pelo ngulo de aplicao da fora no ponto do estrangulamento. Por estes factos s devem ser feitos iamentos com "estrangulamento" com estropos especificamente concebidos para este tipo de iamento.

- Pode fazer-se um iamento com "estrangulamento" usando uma cinta de fibra (nylon), desde que na sua etiqueta esteja indicada a capacidade para iamentos deste tipo.

Nos iamentos com duplo lao a capacidade tambm afectada pelo ngulo entre as pernas dos estropos. Por esta razo neste tipo de iamentos s se devem usar estropos concebidos para esforos angulares.

diametro

- Quando se suspende uma carga lingada para ser iada com "estrangulamento" o peso da carga aperta o lao para segurar e comprimir a carga. Os iamentos com "estrangulamento" no so recomendados para cargas compridas em que o equilbrio pode constituir um problema.

Nestes casos deve fazer-se um iamento em duplo "estrangulamento". Para manter feixes ou molhos firmemente juntos, o estropo deve dar duas voltas carga antes de engatar no gancho.

S uma volta no segura um feixe solto Duas voltas aumentam a segurana Chama-se isto um iamento de "estrangulamento" com duas voltas. Iamentos com Estropos Mltiplos Este iamento feito com estropos de duas, trs ou quatro pernas iguais ligadas com manilhas aos olhais existentes na carga e ligadas entre si num nico ponto para suspenso. Este tipo de iamento permite a distribuio da carga pelas vrias pernas e proporciona boa estabilidade. Estes iamentos podem fazer-se com estropos mltiplos de cabo de ao ou ligando os olhais de vrias cintas de fibra (nylon).

A carga ou tenso nas vrias pernas dos estropos depende do ngulo dos estropos.

Por esta razo neste tipo de iamentos s devem usar-se estropos concebidos para esforos angulares. Exemplo de Iamentos com Estropos Mltiplos

Nota: Com cargas rgidas deve-se considerar quantos pontos de iamento agentaro a carga a cada momento, j que na prtica a maioria da carga ser tomada por dois pontos apenas.

Em tais casos, a Capacidade Mxima de Carga de cada ponto de esforo e seu equipamento associado no dever ser menor que metade da carga total.

CENTRO DE GRAVIDADE BARICENTRO.:

Estabilidade e Centro de Gravidade da Carga -Considera-se que uma carga estvel quando o seu centro de gravidade est debaixo do gancho de elevao e abaixo do ponto de ligao dos estropos. O "centro de gravidade" o ponto sobre o qual a carga se equilibra. Um objecto suspenso livremente tende a balanar ou a inclinar-se at que o seu centro de gravidade fique debaixo do ponto de suspenso. Quando uma carga se inclina ao ser levantada, porque no est estvel. Nesse caso, deve-se arriar a carga e corrigir a amarrao. A carga pode ser redistribuda, lingada de outra forma ou utilizarem-se estropos com dimenso adequada.

- Quando se movimentam objetos em, redes ou contentores de carga a inclinao tambm aumenta a possibilidade de uma sbita mudana de posio da carga. Redes e contentores de carga devem ser carregados distribuindo a carga o melhor possvel para minimizar a inclinao.

Sempre que os estropos so ligados carga abaixo do seu centro de gravidade h tendncia para a carga tombar. - O centro de gravidade tende a colocar-se abaixo e debaixo do ponto de suspenso. Esta tendncia aumenta se a carga tambm estiver sendo inclinada. A tendncia para tombar deve ser levada em considerao sempre que se iam unidades com base de suporte, quaisquer objetos ligados pela base (Como por exemplo: Paletes, neste caso o mesmo s deve ser movimentado dentro de cestos).

- Visto que, para manter uma carga segura sobre paletes, seria a orientao acima citada no usando barras nem extensores, para movimentao de paletes. (Para se conseguir maior estabilidade quando se movimentam estes tipos de cargas, usar estropos os mais compridos possveis, ou usar uma barra de extenso). Para iamentos com redes de carga, certificar-se que os cantos da rede ficam acima do centro de gravidade da carga.

Unidade com Base de Suporte Desiquilibrada

REDES DE CARGA No colocar objetos que possam passar atravs das malhas da rede.

Evitar guardar a rede exposta luz direta do sol.

No encher completamente as redes de carga. Os cantos devem ficar acima do centro de gravidade da carga. Para cargas pesadas os estropos devem estar na vertical ou muito prximo dela.

Iamentos de Pessoal:- Como os guindastes no so mquinas especficas para o iamento de pessoal, e devido aos riscos que esta manobra involve, s deve ser executada desde que no haja nenhum outro processo mais seguro ou prtico. O iamento de pessoal tem de ser autorizado pelo Gerente da Instalao Offshore, e deve ser feita uma Anlise de Risco.

Ao fazer a inspeo ao cesto, verificar que os seguintes itens estejam em bom estado:

Antes de dar o sinal para iar, certificar-se de que todo o pessoal tem coletes salvavidas devidamente colocados e esto com um p sobre o aro e o outro no deck, em frente das aberturas da rede, do lado de fora e voltados para o interior do cesto. Os braos passam pela rede e devem estar cruzados, com as mos fechadas sobre a rede oposta.

Na base da cesta s permitida a bagagem pessoal ou objetos leves, tais como um saco de ferramentas ou um igloo para refeies.

Trava de segurana do gancho do guindaste. Coletes salva-vidas.

Redes da Cesta. Estropos da Cesta.

Cabo-guia.

Cabo de Segurana.

A cesta de pessoal tem de ser sempre usada com o moito auxiliar do guindaste, e nunca deve ser usada com o Pendente.

Iamentos com a cesta de pessoal de um lugar onde o operador no tenha visibilidade (Iamentos Cegos), esto proibidos. O operador tem de estar sempre vendo a cesta.

Quando a cesta estiver quase tocando o deck do navio ou da sonda, o pessoal na cesta dve dobrar ligeiramente as pernas, de modo a reduzir qualquer possvel impacto diretamente sobre a coluna vertebral.

Nunca saltar antes da cesta alcanar em segurana, o lugar desejado.

O fator mnimo de segurana aplicado cesta de pessoal, tal como o Billy Pugh de 10:1.

Sinalizar Nas operaes de guindastes, so precisas duas pessoas para apoiar o operador: O Amarrador da carga e o Sinaleiro.

O sinaleiro serve para orientar o operador, atravs dos sinais manuais, os quais tm de estar afixados na base dos guindastes.

Nos locais em que o operador est vendo diretamente a carga, s um sinaleiro deve fazer os sinais: o sinaleiro designado, que deve usar uma jaqueta de cor visvel.

O sinal de parada de emergncia o nico sinal que qualquer pessoa pode dar ao operador do guindaste, tendo este a obrigao de o respeitar.

Em qualquer local em que o operador no consiga ver a carga, podem ser usados mais do que um sinaleiro.

Condies a respeitar antes de fazer os sinais:

Verificar se a carga est segura e devidamente equilibrada antes de executar os sinais.

Verificar se o percurso da carga est livre de pessoas e obstculos.

Ao orientar o operador do guindaste, o sinaleiro deve estar num ponto estratgico dentro da rea de viso do operador e que permita um vista geral da operao de iamento.

Antes de dar o sinal de levantar, verificar se a carga est solta para ser iada e livre de obstculos.

No dar sinal de levantar (iar) se os cabos estiverem enrolados um no outro.

Orientar o operador de modo ao gancho ficar centrado sobre a carga, na vertical, antes de mandar levantar.

No orientar o movimento da carga de modo a que a grua, cabo ou a carga possam tocar em algum obstculo.

Nunca dirigir o movimento da carga sobre pessoas.

Consideraes gerais

Certificar-se, sempre, de que o equipamento para lingadas tem uma capacidade superior do peso da carga.

Verificar que as cargas esto soltas e livres de obstculos, antes de proceder ao iamento.

Nunca tente consertar qualquer pea de equipamento e carga j que todo o reparo deve ser feito por pessoal treinado adequadamente, que tem os procedimentos aprovados de reparo e as informaes tcnicas do fabricante. Se voc encontrar equipamento defeituoso, informe seu supervisor que tomar as aes necessrias.

No se coloque nunca entre um obstculo e uma carga em movimento ou que vai ser iada. Estar sempre preparado para movimentos inesperados da carga, especialmente em barcos.

Colocar-se de modo a ter sempre uma "sada".

Inspecionar visualmente os estropos e contentores de carga antes de cada iamento. Informar qualquer anomalia encontrada.

Nunca permitir que pessoal no envolvido nas manobras, esteja ou circule pela rea dos iamentos. Apenas lingadores qualificados esto autorizados a permanecer na rea.

Utilizar um "Pendente" para afastar qualquer moito do guindaste do lingador, quando a trabalhar no deck de um navio.

Retirar sempre os estropos do gancho do "Pendente" ou dos moites do guindaste, antes de amarrar ou desamarrar a carga, no deck de um navio.

Estropos com ganchos no podem ser usados como estropos mltiplos em iamentos no mar. Usar estropos mltiplos ligados s cargas com manilhas.

Todos os ganchos tm de ter travas de segurana. A trava deve fechar quando o gancho estiver sendo usado.

Sempre que possvel colocar os objectos menores em cestas de carga, e retirar ou amarra retirar ou amarrar quaisquer objectos que possam cair durante o iamento.

As pernas de um estropo mltiplo no devem-se torcer quando se iar a carga.

No empurrar ou puxar uma carga para posicion-la no local desejado. Mantenha-se afastado (mos e corpo) das cargas suspensas. Utilizar cabos guia apenas para controlar a carga e orientar o operador da grua a posicionar a carga.

No se colocar debaixo de uma carga suspensa qualquer que seja o seu tamanho ou peso e nunca permitir que outras pessoas permaneam ou passem debaixo de uma carga.

uma boa prtica usar estropos compridos, para reduzir o ngulo dos estropos.

Os estropos no devem roar na carga. Utilizar estropos mais compridos, ou barras de separao para evitar que rocem na carga.

Manter os dedos e as mos longe das zonas em que podem ser emprensados quando proceder ligao das manilhas ou dos ganchos. Colocar "estrangulamento" para no danificar os estropos.

No permitir que os estropos sejam puxados de baixo da carga.

No encurtar um estropo ou alter-lo com ns, serra-cabos ou de qualquer outra forma.

As paletes devem ser lingadas usando cintas de "nylon" na configurao de duplo lao ou com um dispositivo rgido prprio para iar paletes (prefervel).

Os tambores podem ser movimentados dentro de redes ou cestos de carga, de e para os navios.

Nas cargas com mais de 3 metros de comprimento usar o duplo lao, com duas voltas em cada lado.

Se uma cesta de carga tem dois ou mais olhais, deve ser usado um aparelho de carga com o mesmo nmero de pernas e todas as pernas dos estropos, amarrados ao cesto querem esteja cheio ou vazio.

Se tiver alguma dvida sobre qualquer procedimento no mencionado neste manual, pergunte ao seu supervisor e use o bom senso. Evite qualquer tipo de situao que possa dar origem a um acidente. SINALIZAO MANUAL: l. Iar - com antebrao vertical, indicador apontando para cima, mova a mo em pequenos crculos horizontais.

Fig. 12. Abaixar- com o brao estendido para baixo, dedo indicador apontando para baixo, mova a mo em pequenos crculos horizontais.

Fig. 23. Erguer lana- brao direito esticado na horizontal, dedos fechados, apontar o polegar para cima.

4. Baixar lana - brao direito esticado na horizontal, dedos fechados, apontar o polegar para baixo.

Fig. 45. Parar - brao esquerdo esticado na horizontal, manter a palma da mo para baixo.

Fig. 5Fig. 66. Parada de emergncia - brao esquerdo esticado na horizontal, palma da mo para baixo, mover a mo rapidamente, para a direita e para a esquerda.

7. Deslocamento - brao direito esticado para a frente e na horizontal, mo aberta e erguida, executar movimentos de empurrar na direo em que a mquina deve ser movida.

Fig. 78. Travar tudo - antebraos esticados na horizontal, juntar as duas mos em frente ao corpo.

Fig. 8Fig. 99. Movimento lento - brao esquerdo esticado para frente e na horizontal, enquanto a mo direita, fechada e com o dedo indicador apontando para cima, executa a movimentao desejada, sob a palma esquerda imobilizada (o Desenho abaixo indica iar lentamente).10. Levantar lana/baixar carga - brao direito esticado na horizontal, polegar apontando para cima, flexionar os outros quatro dedos, abrindo-os e fechando-os, at que a operao se complete.

Fig. 1011. Baixar lana/levantar carga - brao direito esticado na vertical, polegar apontando para o cho, flexionar os outros quatro dedos, abrindo-os e fechando-os, at que a operao se complete.

Fig. 11Fig. 1212. Girar lana-brao direito esticado na horizontal, apontar, com o dedo indicado, o sentido do giro desejado. 13. Acionar uma esteira - antebrao direito esticado para cima na horizontal e o punho fechado indicam a esteira que deve ser travada, enquanto o antebrao esquerdo, esticado na horizontal, com seu punho fechado e executando pequenos crculos verticais, indica a esteira que deve ser movimentada.

Fig. 13e los14. Acionar duas esteiras - antebraos esticados na horizontal, executar com punhos fechados em frente ao corpo movimentos circulares (a direo desejada, para frente ou para trs, dada pel prprios movimentos dos punhos).

Fig. 14Fig. 1515. Estender lana - antebraos esticados para frente e na horizontal, punhos fechados, apontar os dedos polegares para fora.

16. Recolher lana - antebraos esticados na horizontal e na frente do corpo, punhos fechados, apontar os dedos polegares um para o outro.

17. Usar guincho principal - punho direito fechado sobre o capacete, executar com o outro brao o sinal desejado.

Fig. 1818. Usar guincho auxiliar - palma da mo esquerda suportando o cotovelo do brao direito, executar o sinal desejado.

19. Estender guincho - antebrao direito esticado na horizontal e em frente ao corpo, punho fechado com o dedo polegar apontando para o peito.

Fig. 19Fig. 2020. Recolher guincho - antebrao direito esticado na horizontal e em frente ao corpo, punho fechado com o dedo polegar apontando para fora.

Alma de Fibra

Alma de Cabo de Ao Independente