manual etica

Download Manual etica

Post on 14-Apr-2017

245 views

Category:

Business

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Fazer parte do Servio Pblico significaatuar com tica e responsabilidade,trabalhando com profissionalismo ededicao em todos os aspectos.

    A partir de agora, voc um profissionalespecial. Acaba de ser investido no papel deagente dos direitos constitucionais docidado.

    A Constituio Federal garante ao

    03

    A Constituio Federal garante aocidado o direito ao ensino, sade, segurana entre outros servios.

    O servidor pblico o brao paraefetivar esses direitos, e voc far partedessa equipe.

    02

  • Promover o bem comum;

    Representar a comunidade perante outrascomunidades;

    Mediar as relaes entre os cidados e ogoverno;

    tica o estudo dos princpios e valoresmorais. Desta forma, caracteriza-se por serracional, atemporal e transversal (no-local).

    Moral a prtica de costumes e valoreslocais e temporais. Est ligada a hbitos sociaismicro (pessoais, familiares e religiosos) e macro(culturais, regionais e sociais).

    TICA NO SERVIO PBLICO

    tica e Moral: o que isso?

    Mediar as relaes entre os prprioscidados.

    Ento, que tal a gente saber um pouco mais sobre TICA e CIDADANIA?

    04Moral

    No servio pblico, os servidores SERVEMa POPULAO, e, por isso, no podem basearsuas decises em aspectos morais subjetivos.

    Por exemplo, o enfermeiro de um centro desade no pode se recusar a atender umpaciente por que este pertence a uma religiodiferente da sua.

    dever do servidor pautar todas as suasaes e decises na TICA.

    05

    tica

  • Qual a ligao entre a tica e os cargos pblicos?

    Cargo pblico o conjunto deatribuies e responsabilidades, previstas emuma estrutura organizacional, as quais soassumidas pelos servidores pblicos. Aocupao de um cargo pblico implica grausdistintos de poder de mando e deciso.

    (Miranda, 2004)

    TICA NO SERVIO PBLICO Ser tico considerar, antes de tudo, aintencionalidade, a igualdade, e a legitimidadeda aes, realizando um exame deconscincia que vai alm dos desejos e dasvontades particulares. utilizar a razocomo caminho para ser ntegro e noapenas o mais esperto.

    Em resumo, a responsabilidade do(Miranda, 2004)

    Todo servidor deve estar atento squestes ticas ligadas sua profisso e aocargo pblico que ocupa.

    importante lembrar que a tica nosincentiva a ir alm da convenes sociais, nosajuda a quebrar paradigmas e a nivelarrelaes desiguais, transformando asociedade.

    06 07

    Em resumo, a responsabilidade dodetentor de um cargo pblico corresponde atrs aspectos da conscincia poltico-moral:

    O servidor pblico zela por algo que nolhe pertence;

    O servidor pblico tem poder eautonomia proporcionais sua misso;

    O servidor pblico realiza aesimportantes, no em seu prprio nome,mas em nome de uma coletividade.

  • TICA NO SERVIO PBLICO

    Cdigos de Conduta (*)

    Existem dois tipos de Cdigos de Conduta: os imperativos e os constitutivos.

    Os Cdigos de Conduta Imperativos soaqueles que no permitem deciso por parte doservidor; devem ser cumpridos fielmente eobrigatoriamente, como por exemplo, alegislao.

    Os Cdigos de Conduta Constitutivos soaqueles que permitem algum grau de deciso eescolha por parte do servidor e variam sua forma

    TICA NO SERVIO PBLICO

    A questo da ESCOLHA

    Quando falamos de subjetividade do agente,estamos lidando com o campo da deliberao e daescolha. Mas, afinal, do que exatamente, se trataisso?

    "Tratando-se, ento, de uma situao em quenos vemos diante de mais de um caminho a seguir,a escolha exigir uma introspeco prvia, umareflexo , que vai no s definir a inteno do agir,mas desencadear um processo de amadurecimentoquanto deciso a ser tomada. Essa etapa chamada de deliberao .

    A B

    nas instituies, nos departamentos etc.Quando falamos em Cdigos de Conduta

    Constitutivos devemos nos lembrar que hcertos aspectos do servio pblico que no semedem pelo simples cumprimento exterior dasnormas, mas pela qualidade com que asregras so observadas . A conduta, portanto,leva em conta a subjetividade do agente.

    (*) O Cdigo de Conduta da Alta Administrao Municipal, foi publicado no Dirio Oficial em 26/09/2011, que voc pode verificar

    no link: www.campinas.sp.gov.br/uploads/pdf/1788308247.pdf

    08

    chamada de deliberao . (ENAP, 2004)

    A escolha o momento final - e o mais visvel- de uma reflexo que a precede.

    A rigor, a escolha s existe quando estamosdiante de alternativas, pois com apenas um caminhoa seguir no haveria escolha. O processo avaliativoda tica depende de que se faam certas coisas queno so tomadas como inevitveis. (ENAP, 2004)

    O caminho da tica vai alm da sua obrigaolegal para agir de determinada forma; ou seja, necessrio que haja escolhas a serem feitas.

    09

  • TICA NO SERVIO PBLICO

    Deliberar com mrito

    Deliberar no uma tarefa fcil, mas oadministrador pblico sempre poder contarcom algumas ferramentas para balizar asaes administrativas. So elas:

    A legislao vigente; Cdigos de tica e cdigos de conduta; Planejamento estratgico;

    PRINCPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAO PBLICA

    A palavra princpio significa incio,origem, etc. Os Princpios Constitucionais soaqueles que servem como critrio s leis enormas.

    VIOLAO DOS PRINCPIOS Planejamento estratgico; Plano de aes; Atualizao permanente; Reunies intra e intersetoriais; Participao popular por meio deassociaes, audincia pblica, comits,assembleias etc.

    A B

    C

    10 11

    CONSTITUCIONAIS

    A violao dos princpios implica nulidadedo ato administrativo e podem incidir na LEI8.429/92 Lei de Improbidade Administrativa.

    importante ressaltar que qualquer aoou omisso dos servidores pblicos que violeos princpios constitucionais pode serconsiderada improbidade administrativa.

  • Segundo o artigo 37 da Constituio Federal :

    A administrao pblica direta e indiretade qualquer dos Poderes da Unio, dosEstados, do Distrito Federal e dos Municpiosobedecer aos princpios de legalidade,impessoalidade, moralidade, publicidade eeficincia (...)

    LEGALIDADE

    IMPESSOALIDADEMORALIDADE

    PUBLICIDADE

    EFICINCIA

    2. PRINCPIO DA IMPESSOALIDADE

    Este primado nada mais do que umaespecificao, Administrao Pblica, doprincpio da igualdade, inscrito no caput do art.5 da Constituio Federal. A Carta Magnarepetiu-o no caput do art. 37, quando versou,especificamente, sobre os princpios aplicveisao regime administrativo.

    Se todos so iguais perante a lei, semdistino de qualquer natureza , deve-se

    Vamos entender um pouco mais o que diz cada um destes princpios?

    1. PRINCPIO DA LEGALIDADE

    importante diferenciar que, para ocidado comum, tudo o que no proibido permitido.

    J para o servidor pblico , s permitido aquilo que est legalizado . Suasaes administrativas s podem ser feitasbaseadas em leis.

    12 13

    distino de qualquer natureza , deve-seimpedir que, no desempenho das funespblicas, realizem-se discriminaes odiosas(...).

    Assim, no desempenho das funespblicas requer-se o tratamento indistinto atodos os administrados sem discriminaes,benficas ou detrimentosas.

    (Miranda, 2004)

  • 3. PRINCPIO DA MORALIDADE

    O servidor pblico no poder jamaisdesprezar o elemento tico de sua conduta.

    Assim, no ter que decidir somenteentre o legal e o ilegal, o justo e o injusto, oconveniente e o inconveniente, o oportuno e oinoportuno, mas principalmente, entre ohonesto e o desonesto, fazendo o que formelhor ao interesse pblico.

    4. PRINCPIO DA PUBLICIDADE

    5. PRINCPIO DA EFICINCIA

    A emenda Constitucional 19/98pressupe que a atividade administrativadeve orientar-se para alcanar resultado deinteresse pblico. Manter, de forma integrada,sistema de controle interno com a finalidadede comprovar a legalidade e avaliar resultados,quanto eficincia e eficcia da gesto.

    (Miranda, 2004)4. PRINCPIO DA PUBLICIDADE

    Esse princpio aplicvel a todos ospoderes, em todos os nveis de governo. Comoregra geral, os atos praticados pelos agentesadministrativos no devem ser sigilosos.

    Portanto, salvo as excees legalmenteestabelecidas e as decorrentes de razes deordem lgica, os atos decorrentes de qualquero processo administrativo deve ser pblico,acessvel ao pblico em geral, no apenas spartes envolvidas.

    (Miranda, 2004) .

    14 15

    (Miranda, 2004)

  • 5. CARACTERSTICAS DO PRINCPIO DA EFICINCIA

    Eficincia: significa que as aes foramrealizadas da melhor forma possvel,visando economia de recursos, destinaocorreta de materiais e servios etc.

    Eficcia: significa que determinada aoatingiu os objetivos propostos.

    Depois de tantas informaes, vamosconhecer agora, alguns pontos relevantes doCdigo de tica Profissional do ServidorPblico Civil do Poder Executivo Federal(Decreto Federal N 1.171, de 22 de junho de1994) que, tambm, so de suma importnciapara voc, Servidor Pblico Municipal.

    CAPTULO ISeo I - Das Regras Deontolgicas

    I - A dignidade, o decoro, o zelo, a eficcia e aconscincia dos princpios morais so

    Alm disso, devemos pensar tambm naefetividade dos servios oferecidos, afinal,alm de destinar recursos paradeterminados objetivos, precisamosacompanhar a continuidade das aes.

    Efetividade: significa que s aes eservios esto em pleno funcionamento eque os recursos destinados esto de fato servio do que foi proposto.

    16

    conscincia dos princpios morais soprimados maiores que devem nortear oservidor pblico, seja no exerccio do cargo oufuno, ou fora dele, j que refletir o exerccioda vocao do prprio poder estatal. Seusatos, comportamentos e atitudes serodirecionados para a preservao da honra e datradio dos servios pblicos.

    II - O servidor pblico no poder jamaisdesprezar o elemento tico de sua conduta.(...)

    17

  • VII - Salvo os casos de segurana nacional,investi