Manual de Implementacao Euro 5 Accelo Pt

Download Manual de Implementacao Euro 5 Accelo Pt

Post on 15-Apr-2016

70 views

Category:

Documents

29 download

DESCRIPTION

Manual explicativo sobre todos os procedimentos de implementao do equipamento.

TRANSCRIPT

  • DiretrizesEquipame

    Accelo

    10.05.2013 para Montagem de Carroarias e ntos

  • Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s ni

    Diretrizes para Montagem de Carroarias e Equipamentos

    As presentes diretrizes contm instrues para fabricao e montagem de estruturas adicionas, carroarias, equipamentos e acessrios por terceiros. Disponibilizando aos fabricantes de carroarias informaes tcnicas importantes que devem ser observadas para o planejamento e a fabricao de uma carroaria segura em termos de funcionamento e de circulao.

    A fim de manter a segurana de funcionamento e de preservar os direitos decorrentes da garantia, as indicaes aqui contidas devero ser estritamente observadas.

    A Mercedes-Benz nresponsabilidade se no fodiretrizes.

    As figuras e desenhos exemplos e servem para elas no podem represeveculos com exatido.

    Verses especiais so tadiretrizes. Como o modopode variar conforme oaparecer discrepncias na

    Para efetuar instalaes, ccarroarias, peas de equnossos veculos importadiretrizes, sendo que algurealizados por pessoal qusolda, de modo a alcanaas estruturas adicionas leses.

    Devido a grande diversidade carroarias e equipameMercedes-Benz prever o estabilidade, a distribuigravidade entre outromodificaes no chassi construo de implemeMercedes-Benz do Brasilpelos acidentes e danos rpodero interferir, negativoperacional dos seus responsabiliza-se apenas prestaes de construo

    O fabricante da carroariaseus implementos no seprovoquem falhas no vecunuma situao de perigo

    desta obrigao, atribui-se ao fabricante de carroarias a responsabilidade pelo produto.

    Referncias s leis, normas, diretrizes etc. so dadas apenas ttulo de informao. Para todas as leis, normas, diretrizes etc., mencionadas neste manual, sempre ser vlida a verso atualizada, salvo indicao contrrias a estas.

    reservado o direito de efetuar alteraes sem aviso prvio.

    No permitida cpia, traduo ou duplicao total ou por partes sem autorizao prvia.

    rig

    sira montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    o assumir qualquer rem observadas as presentes

    esquemticos so somente explicar os textos e tabelas, ntar todos os detalhes dos

    mbm contempladas nestas de fornecimento do veculo pcionais solicitados, podem s ilustraes.

    onstrues ou montagens de ipamentos ou acessrios em nte ter conhecimento destas ns trabalhos s podero ser alificado, como por exemplo r a qualidade necessria para e evitar riscos de danos e

    de de fabricantes e de tipos ntos, no ser possvel para a comportamento dinmico, a o de peso, o centro de s, em decorrncia das originadas pela instalao e ntos. Por esta razo, a

    Ltda. no ser responsvel esultantes de alteraes que amente, no comportamento

    veculos. A Mercedes-Benzno mbito das suas prprias , de produo e de instruo.

    obrigado a garantir que os encontram com defeito, no lo completo e nem o coloque . Em caso de transgresso

    Diretrizes na verso o

    BBD-BR000017AE2

    Edio: 10/05/2013

    Mercedes-Benz do Bra1 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    inal em Portugus.

    l Ltda.

  • Diretrizes pa

    Observar ai

    ndice

    1 Introduo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8

    1.1 Estrutura deste Manual. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81.2 Formas de apresentao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91.3 Segurana do veculo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101.4 Segurana operacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111.5 Preveno de acidentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12

    2 Generalidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13

    2.1 Designao do vec2.2 Consultas tcnicas2.3 Aprovao da mont2.3.1 Concesso de ap2.3.2 Documentos nec2.3.3 Direitos . . . . . . .2.4 Responsabilidade s2.4.1 Garantia de rastre2.5 Caractersticas rele2.6 Direitos da garantia2.7 Instrues relativas2.8 Estrelas e emblema2.9 Reaproveitamento 2.10 Sistema de qualida

    3 Planejamento de ca

    3.1 Escolha do chassi .3.2 Alteraes no vecu3.3 Dimenses e indica3.4 Rodas e pneus . . .3.5 Unies aparafusada3.5.1 Unies aparafusa3.5.2 Unies soldadas.3.6 Isolamento acstic3.7 Sistema de escape3.7.1 Introduo ao Sis3.7.2 Definies para o3.7.3 Procedimentos pa3.7.4 Prolongamento d3.7.5 Soldagem na tubu3.7.6 Prolongamento d3.7.7 Mdulo de contro3.7.8 Cuidados com o A3.7.9 Abastecimento d2ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

    ulo e do modelo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14agem de implementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15rovaes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15essrios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16obre o produto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17abilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17vantes para a segurana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 a manuteno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20s da Mercedes-Benz. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21

    de materiais - Reciclagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22de . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23

    rroarias e equipamentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

    . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24lo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25es de pesos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27s e soldadas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28das . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 e ps tratamento de gases (SRC) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32tema SCR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32 deslocamento do catalisador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33ra o deslocamento do catalisador. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34

    o tubo de escape . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35lao de escape . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37

    o chicote eltrico dos sensores do catalisador e reservatrio de ARLA 32 . . . . . . . . 38le do SCR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41RLA 32 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41

    o reservatrio de ARLA 32 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43

  • Diretrizes pa

    Observar ai

    3.7.10 Possibilidades de deslocamento do reservatrio e/ou bomba de ARLA 32 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 443.7.11 Prolongamento da tubulao de ARLA 32 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 453.7.12 Procedimento para deslocamento do reservatrio ARLA 32 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 473.8 Manuteno e reparao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 483.8.1 Instrues de manuteno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 493.9 Equipamentos opcionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 503.10 Consumidores pneumticos adicionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 513.11 Deslocamento da caixa de bateria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52

    4 Valores tcnicos limites durante o planejamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53

    4.1 Balano traseiro e d4.1.1 Tabelas de dimen4.2 Distribuio do pes4.2.1 Distribuio de ca4.2.2 Alturas do centro4.3 Dirigibilidade . . . . .4.4 Espao livre para o4.4.1 Espao livre com4.5 Defletores de ar . .

    5 Preveno contra d

    5.1 Instalao eltrica.5.1.1 Preveno de dan5.1.2 Remoo dos com5.2 Tubulaes do siste5.3 Sistemas de comun5.4 Compatibilidade/ in5.5 Trabalhos de solda5.6 Medidas de prote5.6.1 Trabalhos de sold5.6.2 Unies roscadas5.7 Trabalhos de pintur5.8 Motor . . . . . . . . . .5.8.1 Sistema de arrefe5.8.2 Sistema de admis5.8.3 Sistema de Comb5.9 Feixe de molas . . .5.10 Basculamento da c5.11 Arranque por reboq5.12 Perigo de incndio

    6 Alteraes no vecu

    6.1 Generalidades . . . .3ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

    istncias entre eixos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53ses e pesos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54o, altura do centro de gravidade e estabilizadores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56rga sobre as rodas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56

    de gravidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57s agregados e cabina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58 cabina de conduo basculante. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60

    anos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61

    . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61os ao alternador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63ponentes eletroeletrnicos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63ma de combustvel e dos freios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65icao mvel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66terferncia eletromagntica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67

    . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68o anticorrosiva. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69agem indicados como proteo anticorrosiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71a . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73cimento do motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73so do motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73ustvel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74abina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75ue e reboque do veculo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77

    lo bsico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78

    . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78

  • Diretrizes pa

    Observar ai

    6.2 Material do quadro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 796.3 Furaes no quadro do veculo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 806.4 Soldagem no quadro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 816.5 Reforos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 826.6 Sistema de freios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 836.6.1 Sistema pneumtico de freios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 836.6.2 Montagem de conexes em tubulaes plsticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 856.6.3 Testes para verificao de estanqueidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 866.7 Alterao da distncia entre eixos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 886.7.1 Aprovao da alterao da distncia entre eixos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 886.7.2 Alteraes da distncia entre eixos por deslocamento do bloco do eixo traseiro. . . . . . . . . . . . . . . . . 906.7.3 Alterao da dist6.7.3.1 Reposicioname6.7.3.2 Reposicioname6.7.4 rvores de transm6.8 Alteraes do quad6.8.1 Prolongamento d6.8.2 Encurtamento do6.8.3 Travessa de fecha6.9 Componentes e agr6.9.1 Fixao ao quadr6.9.2 Calos . . . . . . . .6.9.3 Para-lamas e caix6.9.4 Roda de reserva .6.9.5 Para-choque infer6.9.6 Protetor lateral p6.9.7 Montagem poster6.9.8 Iluminao Veicu6.10 Cabina de condu6.10.1 Prolongamento d6.10.2 Prolongamento d6.11 Sistema eltrico . .6.12 Instalao da chave6.12.1 Limpeza do sistem6.12.1.1 Veculo sem ch6.12.1.2 Veculos com c6.13 Sistema eltrico . .6.14 Tomada de aliment6.14.1 Cabos eltricos .6.15 Acelerador auxiliar 6.15.1 Complementao6.16 Esquemas eltrico.6.17 Tomadas de fora a6.18 Tomada de fora au6.19 Tomada acionada p4ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

    ncia entre eixos por secionamento das longarinas do chassi. . . . . . . . . . . . . . . . . . 90nto das travessas no quadro do chassi. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93nto de componentes no chassi. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93isso. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94

    ro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96o balano traseiro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97 balano traseiro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99mento do quadro do chassi. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100egados adicionais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101o do chassi . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101as de rodas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101ior traseiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103ara veculos de carga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105ior de sistema de iluminao. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106

    lar Traseira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107a cabina de conduo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107a cabina avanada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108 geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109a de tratamento de gases. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110

    ave geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110have geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111ao para consumidores adicionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112(remoto) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113 acelerador externo - rotao varivel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116uxiliares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117xiliar acoplada a caixa de mudanas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118elo motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119

  • Diretrizes pa

    Observar ai

    6.19.1 Tomada de fora traseira, acionada pelo volante do motor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1196.19.2 Montagem de bomba acoplada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1196.19.3 Acoplamento do equipamento auxiliar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1196.19.4 Bomba de basculamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1196.20 Montagem das rvores de transmisso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1206.21 Acoplamento ou engate para reboque . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1216.21.1 Utilizao do veculo com reboque de eixo central . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1236.21.2 Acoplamento de reboque deslocado para baixo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124

    7 Tipos de carroarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125

    7.1 Generalidades . . . .7.2 Quadros auxiliares7.2.1 Material do quad7.2.2 Configurao do 7.2.3 Dimenses dos p7.3 Fixao do quadro 7.3.1 Unio por adern7.3.2 Unio resistente 7.3.3 Fecho rpido para7.3.4 Unio por adern7.4 Carroarias autopo7.4.1 Generalidades . .7.4.2 Carroarias de ca7.5 Carroarias com pl7.6 Guindastes articula7.6.1 Guindastes articu7.6.2 Carroarias com 7.6.3 Guindaste ou guin7.7 Carroarias bascula7.7.1 Quadro auxiliar. .7.7.2 Apoios e mancais7.7.3 Dispositivos de s7.7.4 Sistema hidrulic7.7.5 Veculos com frei7.7.6 Carroarias bascu7.8 Carroarias bascula7.9 Carroarias tanque7.9.1 Carroarias tanqu7.9.2 Carroarias tanqu7.10 Carroarias para o 7.10.1 Disposies legai7.10.2 Veculos para o tr7.11 Betoneira de transp7.12 Carroarias traseira5ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

    . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126ro auxiliar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127quadro auxiliar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128erfis para o quadro auxiliar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130auxiliar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131cia - Fixao por console . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132ao empuxo - Fixao por placas parafusadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133 equipamentos intercambiveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134

    cia - Fixao por meio de grampos U . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135rtantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138ixa aberta e de caixa fechada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138

    ataforma de carga, caixa aberta e fechada. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139dos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140lados montados atrs da cabina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140guindastes ou guinchos na parte traseira. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142cho removvel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143ntes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144

    . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144 da bscula (caamba) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145

    egurana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145o de basculamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145os a disco no eixo traseiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145lantes especiais sobre chassis normais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145ntes Roll-on Roll-off. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146

    . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147es sem quadro auxiliar contnuo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149e removvel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149

    transporte de cargas perigosas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150s . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150ansporte de substncias corrosivas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150orte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151s coletoras e compactadoras de resduos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152

  • Diretrizes pa

    Observar ai

    7.13 Carroarias com plataforma elevatria traseira de carga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153

    8 Clculos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155

    8.1 Sistema de acoplamento (Sem carga vertical) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1558.1.1 Acoplamento ou engate para reboque. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1558.1.2 Acoplamento para reboque (com carga vertical) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1558.1.3 Acoplamento para semireboque . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1558.2 Clculo da carga sobre o eixo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1568.3 Distncia entre eixos tcnica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1578.3.1 Determinao da distncia entre eixos tcnica em veculos de 3 eixos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1578.3.2 Determinao da

    9 Dados Tcnicos . .

    9.1 Tabelas de pesos e9.2 Desenhos de oferta9.3 Disposio das rvo9.4 Dimenses do eixo9.4.1 Dimenses dos e9.5 Caractersticas tcn

    10 Instrues para ad

    10.1 Generalidades . . . .10.1.1 Campo de aplica10.1.2 Credencial do ada10.2 Caractersticas bs10.2.1 Pesos mximos in10.2.2 Dimenses e pes10.2.3 Quadro do chass10.2.4 Suspenso nos e10.2.5 Cubos de roda . .10.3 Terceiro eixo veicul10.4 Sistemas de freio .10.5 Recomendaes pa10.6 Garantia . . . . . . . .

    11 Esquema de mont

    11.1 Complementao a

    Tabelas de dimenses

    Disposio das travess

    Desenho da ponta de e6ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

    distncia entre eixos tcnica em veculos de 4 eixos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158

    . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159

    medidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160res de transmisso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161

    traseiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162lementos bsicos de freio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164icas das tomadas de fora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166

    aptao do 3 eixo veicular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167

    . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167ptador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167

    icas do veculo adaptado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168dicados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168

    os de referncia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168i . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169ixos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 170 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171ar auxiliar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173ra montagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 176 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177

    agem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178

    celerador externo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178

    e pesos - Accelo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179

    as . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182

    ixo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188

  • Diretrizes pa

    Observar ai

    Disposio das rvores de transmisso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189

    Desenhos de oferta Accelo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199

    Esquema eltrico Accelo Euro 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207

    Esquema eltrico Accelo Euro 5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2117ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

  • 1.1 Estrutura deste Manual

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s ni

    1 Introduo

    1.1 Estrutura deste Manual

    Para que se encontre rapidamente as informaes desejadas, as instrues para Montagem de Carroarias e Equipamentos esto dividas em captulos interligados:

    1 Introduo

    2 Generalidades

    3 Planejamento de carro

    4 Valores tcnicos limite

    5 Preveno contra dano

    6 Alteraes no veculo b

    7 Tipos de carroarias

    8 Clculos

    9 Dados tcnicos

    10 Instrues para adapta

    11 Esquemas de montage

    Em algumas partes do teestruturas adicionais, agregados e acessrios em uma nica palavra den

    As ilustraes e os dexemplos, e servem para tabelas.

    Indicaes referentes as petc., so indicados de formde informao.

    i NavegaoPara facilitar a navegao pelo manual ative a barra de navegao do Adobe Reader em Visualizar/Barra de ferramentas/Nara montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    arias e equipamentos

    s durante o planejamento

    s

    sico

    o do 3 eixo veicular

    m

    xto as palavras denominadas carroarias, equipamentos,

    todas podero ser resumidas ominada implementos.

    esenhos esquemticos so a compreenso dos textos e

    rescries, normas, diretrizes a abreviada e servem apenas

    vegao.8 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 1.2 Formas de apresentao

    1

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    1.2 Formas de apresentao

    Nestas Instrues para fabricao e montagem de carroarias e equipamentos encontra-se as seguintes formas de apresentao.

    As seguintes figuras servem para evidenciar a subdiviso de Veculo bsico e Carroaria:

    G Perigo de acidenteUm sinal de advertncia chamar sua ateno para possveis riscos de acidentes e leses.

    H Indicao relativaambiente

    Uma indicao relativa dar sugestes de como ambiente.

    Dano material

    Esta indicao chamar riscos de danos ao vecu

    Outras informae

    Esta indicao lhe dar ctipo de informao.

    > pgina este smbolopoder seinformaes link em formra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    proteo do meio

    proteo do meio ambiente preservar e proteger o meio

    sua ateno para possveis lo.

    s

    onselhos ou qualquer outro

    indicar a pgina onde r encontrada maiores sobre o tema, possui um ato PDF.

    Veculo bsico

    Carroaria9 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 1.3 Segurana do veculo

    1

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    1.3 Segurana do veculo

    Indicaes relativas a se

    Nos recomendamos:

    - Apenas utilizao de pebem como, equipexpressamente aprovadcada execuo de confiabilidade e adeqcomprovadas em testes

    No podemos responsegurana e adequao:

    - quando as peas gequipamentos e acesubstitudos por outrasforem efetuadas posteri

    - quando os implementmontados de acordo coneste manual, ou em csolicitada a aprovao dLtda.

    Os concessionrios e postos de servios autorizados Mercedes-Benz podero prestar maiores informaes.

    ve

    oos stees.

    G Risco de acidente e lesoAntes da realizao dos trabalhos para instalao de implementos, carroarias, equipamentos ou acessrios no veculo bsico ou nos agregados, faz-se necessrio ler o captulo do Manual de Operao do veculo relacionado com as instrues para a instalao dos mesmos, bem como, as instrues de operao e montagem dos fabricantes de equipamentos e acessrser impossvel prever posa terceiros.

    A aceitao pelos serviopblicos ou as autorizaoficiais, no excluem os r

    Observe sempre as normas e exigncias legais de cada regio ou pas, pois o tipo de veculo poder ser alterado em termos de homologao e licena de circulao dependendo da instalao, da montagem ou do equipamento, podendo a mesma ser cancelada.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    gurana do veculo

    as genunas Mercedes-Benz, amentos e acessrios os pela Mercedes-Benz para

    veculo. A segurana, uao dessas peas foram especiais.

    der pela confiabilidade,

    enunas ou as peas de ssrios autorizados forem peas, ou outras alteraes ormente no veculo;

    os no forem fabricados e m as diretrizes estabelecidas asos de divergncias, no for a Mercedes-Benz do Brasil

    A substituio ou alteradas quais:

    se alterar o tipo decirculao.

    colocarem em riscorodovias ou piorem como os gases do siem muitos pases licena de circulao

    ios. Caso contrrio, poder sveis riscos ao condutor ou

    s de inspeo e de controle es concedidas por rgos iscos de segurana.10 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    o de peas do veculo atravs

    culo aprovado na licena de

    s usurios das estradas ou nveis de emisso do veculo, ma de escapamento e rudos, to sujeitos a anulao da

  • 1.4 Segurana operacional

    1

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    1.4 Segurana operacional

    G Risco de acidente e lesoAntes da realizao dos trabalhos para instalao de implementos, carroarias, equipamentos ou acessrios no veculo bsico ou nos agregados, faz-se necessrio ler o captulo do Manual de Operao do veculo relacionado com as instrues para a instalao dos mesmos, bem como, as instrues de operao e montagem dos fabricantes de equipamentos e apoder ser impossvel condutor ou a terceiros.

    Qualquer interveno inaeletrnicos e em seupodero causar falhas dcomunicao entre os tambm podero surgir aestejam diretamente env

    As falhas de funcionampodero comprometesegurana operacional do

    imprescindvel queparticularmente em casotermos de segurana e seja efetuada por uma of

    Alguns sistemas de segumotor ligado. Por este mdurante a conduo.

    Antes de bascular a cabOperao do veculo.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    cessrios. Caso contrrio, prever possveis riscos ao

    dequada nos componentes s respectivos softwares e funcionamento. Devido a componentes eletrnicos,

    varias em sistemas que no olvidos.

    ento do sistema eletrnico r consideravelmente a veculo.

    qualquer manuteno, de trabalhos relevantes em em sistemas de segurana, icina qualificada.

    rana s funcionam com o otivo, no desligue o motor

    ina, consulte o Manual de 11 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 1.5 Preveno de acidentes

    1

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    1.5 Preveno de acidentes

    O fabricante de implementos se responsabilizar pelos danos:

    - causados pelo funcionamento incorreto ou pela falta de segurana operacional dos implementos fabricados e/ou instalados por ele;

    - causados pelas Instrues de Operao insuficientes ou incorretas para os implementos fabricados e/ou instalados por ele.

    Os equipamentos, agregados, carroarias e acessrios montados ou instalados deLegais vigentes, bem comlocal de trabalho ou normaregulamentos de seguracompanhias de seguros.

    Devero ser utilizadas todse evitar a falta de seguran

    Deve-se observar as leespecficas para cada pas

    O fabricante de implemobservar e cumprir as leis

    G Risco de acidenteAntes de bascular a cabOperao do veculo.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    vero atender as Exigncias o, as normas de proteo no s de preveno de acidentes, na e as disposies das

    as as tcnicas possveis para a operacional.

    is, prescries e diretrizes .

    entos ser responsvel por e regulamentos em vigor.

    e leso

    ina, consulte o Manual de 12 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 2.1 Designao do veculo e do modelo

    Diretrizes pa

    Observar a

    2 Generalidades

    2.1 Designao do veculo e do modelo

    Designao abreviada para o modelo e tipo de veculo:

    Exemplo: Accelo 815/37

    8 Peso Bruto Total admissvel em toneladas (veculo sem reboque)

    15 Potncia aproximada do motor em cavalo-vapor CV (~x10, no exemplo 150 CV)

    /37 Distncia entre eixos (3700 mm)

    Tab 1: Designao de vec

    Classificao Veculo ern

    Leve Accelo

    97

    97

    97

    97

    97

    97

    97

    97

    * Exclusivo para exporta13ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.ulo e modelo

    Modelo Trao Entre eixosx 100 (mm) Designao int

    915*

    4 x 2

    37

    44

    815

    31

    37

    44

    1016

    31

    37

    44

    o - Proconve P5/ Euro 3.a N de construo (Code)

    9.046 (MN5)

    9.048 (MN5)

    9.023 (MN6)

    9.026 (MW6)

    9.028 (MW6)

    9.073 (MW6)

    9.076 (MW6)

    9.078 (MW6)

  • 2.2 Consultas tcnicas

    2

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    2.2 Consultas tcnicas

    Os colaboradores do departamento TPV (Desenvolvimento de veculo completo) respondem pelas questes de carter tcnico, construtivo e de responsabilidade sobre o produto emitindo um parecer da montagem dos implementos.

    Os colaboradores responsveis podero ser contatados atravs da:

    Caixa Postal 202;

    Cep: 09701-970 - So Bernardo do Campo - SP - Brasil;

    Depto: TPV (Desenvolvime

    CIP (cdigo de correio inte

    Tel: (+11) 4173-6039/6716

    Fax: (+11) 4173-6898;ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    nto de veculo completo)

    rno): B 122 2C

    ;14 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 2.3 Aprovao da montagem de implementos

    2

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    2.3 Aprovao da montagem de implementos

    2.3.1 Concesso de aprovaes

    A Mercedes-Benz do Brasil Ltda. no concede aprovaes para carroarias de outros fabricantes. Ela apenas pe disposio dos fabricantes de carroarias informaes importantes e indicaes tcnicas sobre o manuseamento do produto nesta diretriz. Todos as alteraes do chassi e a montagem dos implementos devero ser executados de acordo com as diretrizes estabelecidas neste Manual de Instrues.

    A Mercedes-Benz do Brasil Ltda. no recomenda a montagem de implemento

    no forem fabricados diretrizes estabelecidInstrues;

    as cargas admissivexcedidas;

    o peso bruto total admis

    A base utilizada pela Mepara avaliao das alteraexclusivamente a documfabricante de implementoanalisadas se estiveredimenses de entre-eixoscom o chassi designadinterface, no caso de npreviamente, sem a realizou reclculos de resistncacarretaro em problemasou durabilidade. As aproveculo somente sero coproduo e a montagem foDiretrizes para MontaEquipamentos, desde quedeclaradas como estando

    Salientamos ainda qeventualmente processadpreviamente aprovadas pLtda. sero de responsimplementos, tanto quandurabilidade, no desoimplementos a realizaverificaes e testes cassegurar a segurana opconduo.

    O certificado de conformlegais no se refere completa, s suas fune

    conformidade com as disposies legais s vlida se a construo, a produo e a montagem forem efetuadas pelo fabricante da carroaria que efetua as alteraes segundo o nvel tcnico e observando a Diretrizes vlidas para as carroarias da Mercedes-Benz, desde que as divergncias no sejam declaradas como estando em conformidade. Por conseguinte, dever e responsabilidade do fabricante de carroarias assegurar a adequao de seus implementos, carroarias, componentes de equipamentos ou reequipamentos com o veculo bsico, assim como a segurana de funcionamento e circulao do veculo.

    lapara montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    s quando:

    ou montados conforme as as neste Manual de

    is sobre os eixos forem

    svel (PBT), for excedido.

    rcedes-Benz do Brasil Ltda.es no veculo nica e entao apresentada pelo

    s. Apenas sero verificadas e m em conformidade as autorizadas, se compatveis o para a aplicao e sua o ser possvel determinar, ao de testes experimentais ia, que tais modificaes no funcionais, de resistncia e/vaes de modificaes no ncedidas se a construo, a rem efetuadas observando a gem de Carroarias e as divergncias no sejam em conformidade.

    ue quaisquer alteraes as nos veculos, mesmo que ela Mercedes-Benz do Brasil abilidade do fabricante de to a seu funcionamento e brigando o fabricante de r os prprios clculos, om veculo completo para eracional de circulao e/ou

    idade com as disposies construo da carroaria s ou utilizao planejada. A

    Deve-se atender a legisvigentes do respectivo 15 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    o, as diretrizes e as normas s!

  • 2.3 Aprovao da montagem de implementos

    2

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    2.3.2 Documentos necessrios

    Para fins de aprovao dever ser apresentado a Mercedes-Benz do Brasil Ltda. a correspondente documentao em trs vias, contendo memorial descritivo e desenhos com todas as vistas.

    Os desenhos devero conter as seguintes indicaes:

    - Todos os desvios em relao as diretrizes acima mencionadas.

    - Todas as indicaes relativas as dimenses, os pesos sobre os eixos e ao centro de gravidade (veculo vazio e carregado).

    - Detalhes dos pontos deequipamento ao quadro

    - Dimenses do quadro a

    - Eventuais alteraes componentes. Por extanque de combustvel e

    - Condies em que o veutilizao em estr(esburacadas), com graestaleiros, operao emcom temperaturas extebaixas.

    - Certificaes (marca, etc.)

    A documentao composteriores e o processo d

    Se para atender a legislaou testes complexos no vdevem ficar a cargo do frespectivo rgo certificadde inspeo pela reacaminhes Mercedes-Beresponsvel, Consultas t

    2.3.3 Direitos

    - A princpio, no existe um direito a concesso de aprovao aos fabricantes de implementos.

    - Devido ao desenvolvimento tcnico e aos novos conhecimentos da resultantes, a Mercedes-Benz do Brasil Ltda. poder negar a aprovao dos implementos, mesmo que j tenha sido concedida uma aprovao anterior semelhante.

    - A aprovao dos implementos poder ser restringida a determinados veculos.

    sr da.

    me

    e

    esas,en

    rvirigia da so pra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    fixao da carroaria ou dos do chassi.

    uxiliar.

    no posicionamento dos emplo: reservatrio de ar, tc.

    culo ir operar. Por exemplo: adas sem conservao nde concentrao de poeira, grandes altitudes, operao rnas extremamente altas ou

    ensaio de trao no banco,

    pleta evitar consultas e aprovao ser acelerado.

    o forem necessrios clculos eculo, os custos implicados abricante da carroaria ou o or. Se houver a necessidade de desenvolvimento de

    nz, ser determinado um cnicas > pgina 14.

    - Para os veculos de concesso posteriorpoder ser recusada

    O fabricante de imple

    - pelo funcionamentoele fabricados;

    - por todas as alteraestejam especificaddocumentao apres

    - pela garantia dos sedas caractersticas oa aprovao tcnicLtda., devendo aindlegislao em vigor d16 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    ie ou j fornecidos prontos, a aprovao de implementos

    ntos responsvel:

    instalao dos produtos por

    e peas instaladas que no ou que forem ocultadas da tada para aprovao;

    os prestados nas alteraes nais do veculo, mesmo tendo a Mercedes-Benz do Brasil

    er responsvel por atender a as.

  • 2.4 Responsabilidade sobre o produto

    2

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    2.4 Responsabilidade sobre o produto

    Por responsabilidades sobre o produto (conforme direito civil), compreende-se a responsabilidade de um fabricante pelos danos ocasionados durante sua utilizao, a um condutor ou a terceiros, pelo simples fato do produto no apresentar a segurana de utilizao esperada.

    No mbito da responsabilidade pelo produto queremos chamar ateno para os seguintes pontos:

    - Cada fabricante se resposabilizar pelo seu produto.

    - A Mercedes-Benz do quaisquer responsabilidcomo conseqncia dede outros fabricantes m

    Assim, o fabricante dadicionais, carroarias, eqassumir total responsabil

    - segurana de funcionaimplementos;

    - segurana de funcionapeas que no edocumentao entregue

    - segurana de funcionveculo (o comportamendirecional no poder p

    - influncias dos posteriormente sobre o

    - danos conseqentes reda montagem ou da alte

    - danos conseqentes posterior de sistemas e

    - A manuteno da seguliberdade de movimentochassis (Por exemplo:transmisso, direo, mudana, retarder etc.diagonal em relao aos

    Os servios ou alteraeimplemento devem ser Manuteno.

    O fabricante de implementos desobriga a Mercedes-Benz do Brasil Ltda. da responsabilidade quando os danos estiverem relacionados com o fato:

    - das Diretrizes para montagem Implementos no terem sido observadas;

    - a construo, a fabricao ou montagem forem imperfeitas;

    - no terem sido cumpridos, de qualquer forma, os princpios apresentados.

    No mbito destas diretrizes para montagem de emda

    eab

    s ter aliens p

    neent

    r apango, de a io, dotenra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    Brasil Ltda. no assumir ades por danos que surjam

    erros ou falhas dos produtos ontados posteriormente.

    e implementos (estruturas uipamentos e/ou acessrios) idade pela:

    mento e de circulao dos

    mento e de circulao de stejam especificadas na para aprovao;

    amento e de conduo do to de marcha, de frenagem e

    iorar devido ao implemento);

    implementos montados chassi;

    sultantes dos implementos, rao;

    resultantes da montagem ltricos e eletrnicos;

    rana de funcionamento e de de todas as peas mveis do eixos, molas, rvores de mecanismos da caixa de

    ), mesmo no caso de toro implementos.

    s realizados no chassi e/ou registrados no Caderno de

    implementos, s podelementares acerca produto.

    2.4.1 Garantia de rastr

    Os perigos detectadoadicional s depois de a adoo de medidas(informaes para o cPara que estas medidamais eficaz possvel, seu produto depois da

    Para isso, e para podeequivalente no estrproprietrios em questregistre nas suas basesidentificao do seuligado ao nmero decaminho. Para o efeitguarde os endereos futuros compradores registrar.17 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    ser fornecidas indicaes responsabilidade sobre o

    ilidade

    no seu aparelho/estrutura sido entregue podero exigir posterioridade no mercado te, aviso, ao de recolha). ossam ser criadas da forma

    cessrio conseguir rastrear o rega.

    roveitar RENAVAM, ou o seu eiro, para encontrar os aconselhamos vivamente que dados os nmeros de srie/parelho/estrutura adicional

    dentificao do chassis do tambm recomendamos que s seus clientes para que os ham a possibilidade de se

  • 2.5 Caractersticas relevantes para a segurana

    2

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    2.5 Caractersticas relevantes para a segurana

    So relevantes para a segurana os componentes ou sistemas, cujos defeitos ou falhas podem colocar diretamente em perigo a vida e a integridade fsica dos usurios da estrada.

    No que diz respeito aos seguintes trabalhos, a Mercedes-Benz recomenda que seja avaliada a relevncia de segurana dos componentes ou funes:

    reequipamentos no chassis

    montagens no veculo

    a interface entre vecmecnico/eltrico/eletpneumtico, tomadas d

    Um componente ou uma furelevante para a seguraexperincia, puder ocorseguintes perigos para a s

    perda momentnea da v

    falha de dirigibilidade

    perda ou falha parcial d

    falha na conduo

    trao descontrolada

    falha sbita da fora mo

    vazamento de combust

    separao da carga/reb

    ferimentos durante o fuoperao do veculo

    proteo de ocupantes

    Ao avaliar a relevncia de seguintes influncias asso

    condies de utilizao

    utilizao imprpria por

    utilizao imprpria no

    desgaste

    condies envolventes n

    Documentao

    Se a relevncia de segurana for identificada de acordo com os dez aspectos de segurana, estes devero ser respectivamente assinalados como sendo relevantes para a segurana em textos e conjuntos de dados, documentando as funes e caractersticas correspondentes.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    ulo e carroaria (sistemas rnico/hidrulico/e fora)

    no dever ser considerado na, se, de acordo com a rer pelo menos um dos egurana:

    isibilidade sobre a estrada

    as funes de travagem

    triz

    vel/perigo de incndio

    oque/peas

    ncionamento ou outro tipo de

    em caso de acidentes

    segurana deve-se atender s ciadas aos clientes:

    extremas

    pessoas no instrudas

    caso de falhas de reao

    o veculo18 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 2.6 Direitos da garantia

    2

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    2.6 Direitos da garantia

    As reivindicaes de garantia s podero ser aplicadas no mbito do contrato de compra e venda entre as partes, posteriormente o respectivo vendedor do produto ser obrigado a prestar garantia perante o comprador.

    A Mercedes-Benz do Brasil Ltda. no assumir as obrigaes resultantes da garantia quando;

    - no forem observadas as diretrizes estabelecidas neste Manual de Instrues,

    - a execuo especficcorresponder ao respee/ou implemento,

    - os danos ao chassiimplementos ou pela fix

    - a parametrizao bsicimplementador.

    Nos implementos deve-sea distribuio assimtrica as cargas assimtricas nexemplo guindaste laadicionais etc.), ser neMercedes-Benz do Brasil L

    A Mercedes-Benz do Bradeclaraes sobre o comfrenagem e direcional dextremas da distncia enpara cargas com pontosgravidade (Por exemplo: calturas elevadas e cargaimplementos responsvaps a montagem dos mesra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    a do chassi utilizado no ctivo pas, rea de aplicao

    forem provocados pelos ao dos mesmos.

    a do veculo for alterada pelo

    evitar, tanto quanto possvel, das cargas sobre o chassi. Se o puderem ser evitadas (por teral, geradores, tanques cessria uma aprovao da tda..

    sil Ltda. no dar quaisquer portamento de marcha, de

    os veculos com alteraes tre eixos e das carroarias

    desfavorveis do centro de argas na parte traseira, com s laterais). O fabricante de el pela segurana do veculo mos.19 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 2.7 Instrues relativas a manuteno

    2

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    2.7 Instrues relativas a manuteno

    Aps a montagem dos implementos e antes do fornecimento do veculo ao cliente final, os fabricantes de implementos devero levar em considerao que:

    - Na data prevista para reviso, dever faz-la junto a rede de concessionrios ou postos de servios autorizados Mercedes-Benz.

    - Verificar a regulagem dos faris ou faz-la junto a rede de concessionrios ou postos de servios autorizados Mercedes-Benz.

    - Verificar regulagem do(vlvula ALB) junto a postos de servios auto

    - Verificar a potncia e o os trabalhos de manutedo fabricante.

    - Reapertar as porcas momento de aperto (To

    As Instrues de Operaaos servios de manmontados adicionalmentecliente final juntamente cora montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    freio em funo da carga rede de concessionrios ou rizados Mercedes-Benz.

    estado das baterias, e realizar no conforme as indicaes

    das rodas observando o rque).

    o e as prescries relativas uteno dos implementos , devero ser entregues ao m o veculo.20 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 2.8 Estrelas e emblemas da Mercedes-Benz

    2

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    2.8 Estrelas e emblemas da Mercedes-Benz

    As estrelas e os emblemas Mercedes-Benz so marcas mundiais de fbrica da Daimler AG.

    - No devero ser retiradas ou aplicadas em outro lugar sem autorizao;

    - As estrelas e os emblemas Mercedes-Benz, quando fornecidos separadamente, devero ser fixados nos locais indicados pela Daimler AG.

    Se o veculo implementado no corresponder a imagem e aos requisitos de qualidade estabelecidos pela Mercedes-Benz do Brasil L

    - as estrelas e os emblemser retirados;

    - pelas normas legais dproduto, o fabricantefabricante do veculo cresponsabilidade.

    Sobre os emblemas de ma

    - no devero ser aplicamarca Mercedes-Benz;

    - s podero ser aplicMercedes-Benz do Brasra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    tda.:

    as da Mercedes-Benz devem

    e responsabilidade sobre o do implemento ser o ompleto e assumir toda a

    rcas alheias:

    dos diretamente ao lado da

    adas com autorizao da il Ltda.21 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 2.9 Reaproveitamento de materiais - Reciclagem

    2

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    2.9 Reaproveitamento de materiais - Reciclagem

    Evitar materiais com potemeio-ambiente, tais como;pesados, amianto, CFC etc

    Utilizar, de prefernciareciclagem e trabalhem

    Selecionar materiais e modo que do processresduos reciclveis.

    Somente utilizar materoferecerem vantagens e

    No uso de materiais scompsitos, utilizar apentre si.

    Em peas reciclveis, possvel de tipos de mevitar a mistura de mate

    Verificar, sempre, a posser produzido totalmmaterial reciclado.

    Projetar os componentefacilmente desmontconvencionais e de fcil

    Garantir uma remoocorreta dos fluidos parafusos de drenagem

    Sempre que possvel dpeas sintticas pigmen

    Projetar e/ou construreas mais suscetveismateriais que tenham mque permitam recuperasubstituveis.

    Todas as peas fabricadas com material sinttico (plstico) devero ser marcadas de acordo com a diretiva VDA 260, por exemplo PP - GF30R.

    H Indicao relativa proteo do meio ambiente

    Ao planejar os implementos e/ou adequar o produto as necessidades do cliente, devero ser respeitados os princpios para preservao do meio ambiente e reciclagem descritos abaixo, visando um projeto e escolha de materiais ambientalmente corretos, levando tambm em considerao as exigncias legais vigentes (municipara montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    ncial de risco a sade e ao aditivos halogenados, metais .

    , materiais que permitam a dentro de circuitos fechados.

    processos de fabricao de o produtivo sejam gerados

    iais sintticos quando estes m custo, funo e peso.

    intticos, especialmente em enas materiais compatveis

    utilizar a menor quantidade ateriais sintticos, ou seja, riais.

    sibilidade de um componente ente ou parcialmente de

    s reciclveis para que sejam veis com ferramentas acesso.

    simples e ambientalmente de trabalho, atravs dos

    .

    ar preferncia a utilizao de tadas ao invs de pintadas.

    ir as peas localizadas em (sujeitas) a acidentes com aior tolerncia a deformao, o e que sejam facilmente

    l, estadual e federal).22 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 2.10 Sistema de qualidade

    2

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    2.10 Sistema de qualidade

    A concorrncia mundial, as maiores exigncias dos clientes quanto qualidade do produto completo, as leis nacionais e internacionais de responsabilidade sobre o produto, os novos mtodos de organizao e a crescente presso dos custos requerem sistemas eficazes de garantia da qualidade em todos os setores da indstria automobilstica.

    A Mercedes-Benz do Brasil Ltda., pelas razes j mencionadas, recomenda aos fabricantes de carroarias a implementao de um sistema de gesto da qualidade que atenda a

    A responsabilidade e asde gesto da qualidade

    Os processos/ cronogra

    Foi feita uma reviso do

    Os produtos foram tespredefinidas?

    A forma de lidar comregulamentada?

    O resultados dos tearquivados?

    Os colaboradores pqualidade atual?

    Os meios de teste sistematicamente?

    Existe algum sistema padas peas?

    As medidas de garantiaprtica pelos fornecedora montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    s seguintes indagaes:

    competncias para o sistema esto definidas?

    ma esto descritos?

    contrato/da execuo?

    tados segundo as indicaes

    produtos com defeito est

    stes so documentados e

    ossuem comprovantes da

    existentes so monitorados

    ra identificao do material e

    da qualidade so postas em res?23 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 3.1 Escolha do chassi

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    3 Planejamento de carroarias e equipamentos

    3.1 Escolha do chassi

    Antes do inicio dos trabalhos de montagem das carroarias e equipamentos verificar:

    - se o chassi apropriado para a carroaria e/ou equipamento planejado;

    - se o tipo de chassi e o equipamento correspondem as condies de utilizao.

    Para a utilizao segura do veculo na rea de aplicao desejada necessria a escolha correta do chassi.

    Portanto, devem ser consideradas principalmente;

    distncia entre eixos,

    motor / caixa de mudan

    relao de transmisso,

    peso bruto total admiss

    centro de gravidade

    e indicaes legais inferior) no planejamencorrespondente aplica

    Para o planejamento de podero ser solicitadasdepartamento TPV (csuporte a clientes) Consra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    as,

    vel e tcnico,

    (por exemplo: para-choque to e se esto adequados

    o.

    carroarias e equipamentos informaes tcnicas ao onceito de caminhes e ultas tcnicas > pgina 14.24 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 3.2 Alteraes no veculo

    3

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    3.2 Alteraes no veculo

    Os veculos produzidos patendem a legislao em dos veculos destinados a

    Para outros pases observLegais vigentes.

    Mesmo aps as alteraatender a legislao nac

    No sero permitidas altersistema de freio e revestimde acordo com capitulo eixos > pgina 88.Inspeo de aprovao competentes:

    - Os fabricantes de carrdevem informar aos pinspeo, sobre as alter

    - Se for necessrio, aMercedes-Benz do BrasMontagem de Carroari

    G Risco de acidenteNo realize alteraes no sistema de direo e de frenagem, essas alteraes podero alterar o correto funcionamento e ocasionar falhas. Deste modo, o condutor poder perder o controle sobre o veculo e provocar um acidente.

    S sero permitidas alteraes no veculo bsico no mbito das extenses dpara Montagem de Carro

    No Brasil, de acordo com a resoluo do CONTRAN 201/06, o veculo que estiver com suas caractersticas bsicas ou estruturas originais modificadas, como a distncia entre-eixos (alongamento ou encurtamento), somente ser registrado, licenciado ou ter renovada a licena anual quando a alterao for previamente autorizada pela Autoridade de Trnsito e for comprovada a segurana veicular por intermdio do INSTITUTO

    plpaara montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    ela Mercedes-Benz do Brasil mbito nacional, com exceo exportao.

    ar as respectivas Exigncias

    es, os veculos devero ional.

    aes no sistema de direo, ento acstico, com exceo

    Alterao da distncia entre

    dos veculos pelos rgos

    oarias e/ou equipamentos, eritos ou encarregados da aes efetuadas no chassi.

    presentar a aprovao da il Ltda. ou as Instrues para as e Equipamentos vigentes.

    escritas nestas Instrues arias e Equipamentos. TCNICO OFICIAL.

    As informaes comLegais Brasileiras podero ser obtida endereo.

    www.inmetro.gov.br25 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    etas sobre as Exigncias ra veculos automotores

    travs da INTERNET no

  • 3.3 Dimenses e indicaes de pesos

    3

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    3.3 Dimenses e indicaes de pesos

    As dimenses e pesos donesse manual, podero see demais materiais inform

    Observar na fabricao asadmissveis segundo norm2002, que dever ser conclculos.

    As cargas admissveis sototal admissvel (PBT) indno devero ser excedidos

    As indicaes de pesos cinformativos referem-se asrie.

    Em caso de montagem deopcionais, o peso conseqentemente.

    Determinar o peso efetpesagem do mesmo.

    No captulo Tabelas dpgina 54 esto indicadoordem de marcha, pesocarroaria, pesos brutos posio do centro de grav+ carroaria, bem como, para as carroarias.

    importante observar qcomprimento alm do sobrecarga no eixo traserodas dianteiras. Consultadistncias entre eixos > pPor outro lado, uma comprimento abaixo d

    ocasionar sobrecarga no eixo dianteiro, tornando a direo pesada e dificultando as manobras, especialmente em operaes urbanas. Consultar captulo Distribuio de carga sobre as rodas >pgina 56.

    As distncias entre eixos disponveis para cada modelo de veculo, podero ser verificadas nas respectivas tabelas de dimenses e pesos. Os modelos mais longos so apropriados ao transporte de cargas volumosas, devendo ser observado, de qualquer forma, os pesos brutos especificados.

    G Risco de acidente e lesoA capacidade de carga dos pneus no dever ser excedida a uma sobrecarga superior ao peso bruto total especificado do veculo. Caso contrrio, os pneus podero superaquecer e deformar. Deste modo, pode-se perder o controle sobre o veculo e provocar acidente ou leso a s prprio ou terceiros.

    Na plaqueta de identificaindicaes referentes as eixos.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    s chassis, alm das contidas r obtidas atravs de folhetos

    ativos.

    tolerncias de peso de +5%, a NBR 6070 de dezembro de siderada para os respectivos

    bre os eixos e o peso bruto icados nos dados tcnicos, em hiptese alguma.

    ontidas em nossos materiais os veculos na execuo de

    equipamentos especiais ou do chassi se alterar

    ivo do veculo atravs da

    e dimenses e pesos >s os pesos dos chassis em s disponveis para carga + admissveis por eixo e total, idade para aplicao da carga as dimenses recomendadas

    ue uma carroaria com o recomendado poder gerar iro e falta de aderncia nas r captulo Balano traseiro e gina 53.

    carroaria curta com o o recomendado, poder

    o do veculo encontra-se cargas admissveis sobre os 26 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 3.4 Rodas e pneus

    3

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    3.4 Rodas e pneus

    A carroaria dever ser montada de modo a garantir espao suficiente para a livre movimentao das rodas sem interferncia.

    Se forem empregadas calotas, estas devero ter furos ou serem dimensionadas de forma a permitir ventilao dos cubos de roda.

    O fabricante de carroarias e/ou equipamentos dever assegurar que:

    - podero ser montados pneus com as dimenses mximas admissveis,

    - as distncias entre oscaixas das rodas so estiverem montadas cescorregadios ou emsuspenso (tambm no

    Observar as indicaes dde oferta.

    Observar a capacidadindicados pelo fabricanflancos.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    pneus e o para-lamas ou suficientes, mesmo quando

    orrentes para neve e pisos caso de flexo total da caso de toro).

    as distncias nos desenhos

    e de carga dos pneus, te na nomenclatura dos 27 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 3.5 Unies aparafusadas e soldadas

    3

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    3.5 Unies aparafusadas e soldadas

    3.5.1 Unies aparafusada

    Se os parafusos de srie por parafusos de maiorutilizados:

    - parafusos com o mesm

    - com a mesma resistnc

    - do mesmo tipo;

    - com o mesmo passo de

    Alm disso, deve observar

    Em todas as montagDiretriz VDI 2862.

    Por regra, no comprimento livre de bou utilizao de pararosca mais reduzida e li

    Se, na Mercedes-Benz, os parafusos forem apertados com binrio e ngulo de aperto, no possvel uma alterao construtiva.

    Deve-se observar o comportamento de assentamento das unies roscadas.

    Os componentes que adicionalmente tambm foram apertados, devem apresentar uma resistncia igual ou maior do que o aperto habitual.

    A utilizao de binrios de aperto Mercedes-Benzpressupe coeficientes de frico dos parafusos na faixa de tolerncia [= 0.080.14].

    iva-B

    flan

    nnta dapten

    rto

    s enciarca rviesite

    G Risco de acidenteTodas as unies aparafusadas de segurana relevante, como por exemplo, as funes do brao de suspenso da roda, as funes da direo e as funes de travagem, no devero ser modificadas.

    Ao soltar as unies aparafusadas deve-se assegurar de que na montagem aps a realizao dos trabalhos a unio esteja conforme

    Os trabalhos de solda noser realizados por pessoa

    As carroarias e equinstalados devero atenvigentes, bem como, apreveno de acidentesnormas de preveno desegurana e disposiseguros.

    Para maiores inforaparafusadas e soldadPreveno contra danos

    apenfoo

    (onsra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    s

    tiverem que ser substitudos comprimento, devero ser

    o dimetro;

    ia;

    rosca.

    o seguinte:

    ens deve ser respeitada a

    admissvel a reduo do ornes, reduo do dimetro

    fusos com percentagem de vre.

    Recomendamos exclusnormalizadas Mercedes

    Parafusos de cabea

    As unies roscadascomerciais, esto iseutilizao de parafusosno preciso voltar a dos intervalos de manu

    Causas para o desape

    O desapeto das uniealterao do comprimrelao entre a distn(apoio do parafuso e popeas fixado. Isto levassim, sob carga de sefora de aperto rcomprimento persisten

    o estado original.

    quadro do chassi s devem l especializado.

    ipamentos montados ou der as Exigncias Legais s normas de segurana e no local de trabalho e as acidentes, regulamentos de es das companhias de

    maes sobre unies as consultar o capitulo

    > pgina 61.

    Os momentos de aparafusadas e ifornecedores poderdepartamento TPVsuporte a clientes) C28 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    mente a utilizao de peas enz.

    geada

    os chassis dos veculos s de manuteno devido e cabea flangeada, ou seja, ertar os parafusos no quadro o.

    de unies roscadas

    roscadas ocorre atravs da to persistente, ou seja, a dos elementos de fixao

    a) e a espessura do pacote de a reduo da pr-tenso e, o, tambm a uma reduo da dual. Uma alterao de pode ser provocada por:

    rto (torques) das unies rmaes sobre nossos ser obtidas atravs do

    conceito de caminhes e ultas tcnicas > pgina 14.

  • 3.5 Unies aparafusadas e soldadas

    3

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    Deslocamentos:

    Devido as superfcies das peas sobrepostas (por exemplo: porcas, arruelas planas) serem tratadas com proteo superficial anticorrosiva, poder haver um deslocamento quando estas forem sujeitas a presso de aperto, ou seja, o aumento do aperto poder provocar alterao do comprimento permanente pelo deslocamento das mesmas.

    Deslizamentos:

    A tenso sobre a superfcie de apoio de parafuso e porca ultrapassa o limite de deslizamentos do material das peas fixadas e sob te

    Descrio dos parafusos

    A principal caractersticasflange comprimido que gcabea.

    Propriedades

    Os parafusos e as porcas de cabea flangeada segundo as normas da Mercedes-Benz (MBN) 10105 e 13023 reduzem o risco de perda de pr-tenso por deslocamentos nas superfcies de apoio. A presso na superfcie sob a cabea do parafuso resultante do aperto menor nesta geometria de cabea em comparao com as outras verses, dado que a fora distribuda por uma superfcie de apoio maior.

    Vantagens dos parafusos e porcas de cabea flangeada segundo as MBN 10105 e 13023

    e dco e

    mem as

    suo loco so

    tamo ntoha

    e po

    mose

    o

    omfus

    casse

    zad

    rcae a

    Parafuso cabea flangeada

    Parafuso cabea flangeada - dera montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    nso.

    de cabea flangeada

    deste tipo de parafuso um arante uma maior base da

    Reduo do risco dsuperfcie de apoio, presso na superfciecabea.

    Reduo do deslocade peas a ligar eroscadas com arruel

    Atravs do disco deelasticidade da ligamovimentos de desseriam de esperar sa reduo da pr-ten

    Para alm disso, elasticidade da unirelao de comprime(l = comprimento da

    Usando parafusos garante-se uma unimanuteno.

    Para componentes acoplamentos para diretrizes de manuten

    A manuteno do cprofundidade de aparade estar garantida.

    Uma vez que as pordispositivo de aperto podem voltar a ser utili

    Ao usar parafusos e pose aplicar os binrios d

    talhe A29 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    eslizamentos devido maior nsequentemente, uma menor m relao a outras verses de

    nto devido ao menor nmero comparao com as unies planas.

    porte cncavo comprimido, a aumenta de tal forma que os amento e deslizamento que compensados, evitando ainda .

    bm se pode aumentar a roscada selecionando uma de aperto maior l/d

    ste, d = dimetro da haste).

    orcas de cabea flangeada roscada segura e isenta de

    ntados, por exemplo em mirreboque. Observar as

    do fabricante do componente!

    primento de aperto e da amento em furos cegos tem

    esto equipadas com um gundo a MBN 13023, no as.

    s de cabea flangeada, deve-perto das tabelas seguintes.

  • 3.5 Unies aparafusadas e soldadas

    3

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    Resumo da MBN10130 parte 3 classe II

    Disperso do binrio do processo de aperto: 3% a 8%

    Chave rotativa com acoplamento de desligamento; chave dinamomtrica: 5%.

    Resumo da MBN10130 p

    Disperso do binrio do p20%

    Aparafusadora de impactoimpacto: 20%

    Aplicao das unies roscadas

    Todos os parafusos e porcas que ligam as peas de montagem ou de instalao ao chassis da Mercedes-Benz (por exemplo: depsito, sistema de escape, semireboque, suporte transversal das extremidades) tm sempre de ser escolhidos segundo os critrios descritos na seo Parafusos de cabea flangeada (segundo as MBN 10105 e 13023).

    Como exceo, deve-se considerar a fixao da carroaria propriamente dita. Aqui podem ser usados parafusos segundo as normas ISO 4162 e ISO 1665 (na

    ) e iste stom

    a-sola a

    esstit16o

    do

    do

    o

    s ( e d

    Tab 1: MBN10130 parte 3 classe II

    Rosca Binrio de aperto (Nm)Pr-tenso FVmin.

    (kN)

    M 8x1,25 29,5 2

    M 10x1,5 58 4,

    M 12x1,5 106

    M 14x1,5 172 1

    M 16x1,5 260 2

    M 18x1,5 380 3

    M 20x1,5 520 4

    Tab 2: MBN10130 parte 3

    Rosca Binrio de a(Nm)

    M 8x1,25 26 5

    M 10x1,5 51 1

    M 12x1,5 92 1

    M 14x1,5 150 3

    M 16x1,5 225 4

    M 18x1,5 330 6

    M 20x1,5 460 9

    fordadosra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    arte 3 classe III

    rocesso de aperto: 3% a

    ; boa chave de parafusos de

    verso de haste inteira7044 na classe de resproteo da superfciAlem da Indstria Aude acabamento.

    Em alguns veculos, usSpin nos apoios das mpode ser renovado comessas ferramentas noSpins podem ser subHuck-Spin pela rosca MM18). Nos apoios das mflangeada ou, na rea freio serrilhado.

    3.5.2 Unies soldadas

    No devero ser efetua

    - em agregados, com(cmbio), eixos etc;

    - no quadro do chassidistncia entre eixos

    ,3 16,3

    5 25,9

    8 39,7

    3 56,0

    0 74,4

    0 96,9

    0 120

    classe III

    perto Pr-tenso FVmin. (kN)

    12,9

    0 20,5

    8 31,0

    0 43,9

    5 57,9

    0 75,8

    0 95,6

    Para maiores inaparafusadas e solPreveno contra dan30 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    porcas segundo a norma ISO ncia 10.9, juntamente com a egundo a VDA (Associao vel) 235 102.40 ou pintura

    e elementos de fixao Huck-s ou no apoio central. Este s s respectivas ferramentas. Se tiverem disponveis, os Huck-udos por parafusos (14mm , 16mm Huck--Spin pela rosca las, usar parafusos de cabea apoio central, parafusos com

    s trabalhos de solda:

    motor, caixa de mudana

    com exceo da alterao da o comprimento do quadro).

    maes sobre unies as consultar o captulo

    > pgina 61.

  • 3.6 Isolamento acstico

    3

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    3.6 Isolamento acstico

    Em caso de alteraes nas peas geradoras de rudos, por exemplo:

    motor

    sistema de escape,

    sistema de admisso de ar,

    pneus etc.

    Deve-se efetuar medies de rudos.

    Para no influenciar o nvel de rudo do veculo atravs de alteraes, durante o deve-se prestar atenointerior.

    As peas montadas dacstico e reduo ddesmontadas e nem mo

    O rudo no interior do ve

    Os veculos produzidos patendem a legislao em dos veculos destinados a

    Informaes completas Brasileiras para veculoobtida atravs da INTER

    www.inmetro.gov.br/kits

    Em outros pases Exigncias Legais vigenra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    planejamento de carroarias reduo dos rudos no

    e srie para o isolamento e rudos no devero ser dificadas.

    culo no deve aumentar.

    ela Mercedes-Benz do Brasil mbito nacional, com exceo exportao.

    sobre as Exigncias Legais s automotores podero ser NET no endereo.

    /resolucaocontran2598.pdf

    observar as respectivas tes.31 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 3.7 Sistema de escape e ps tratamento de gases (SRC)

    3

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    3.7 Sistema de escape e ps tratamento de gases (SRC)

    3.7.1 Introduo ao Sistema SCR

    Para atender os requisitos da nova legislao fase 7 do PROCONVE (Programa de Controle da Poluio do Ar por Veculos Automotores), equivalente ao EURO 5, a Mercedes-Benz do Brasil optou pela tecnologia Bluetec 5, que utiliza o SCR juntamente com o aditivo reagente.

    O Sistema SCR (Reduo Cataltica Seletiva) utilizado na nova famlia de veculos comerciais com o objetivo de atender a legemisso, regulamentada Nacional do Meio Ambienemisso de gases poluente

    Com este sistema h emisses de xido de particulado (carbono e respectivamente.

    A denominao do aditivo reagente varia conforme o pas. Por exemplo, no Brasil leva o nome ARLA 32 (Agente Redutor Lquido de NOx Automotivo), nos pases europeus denominado AdBlue e nos Estados Unidos DEF.

    O ARLA 32 em contato com os gases do escapamento, em alta temperatura, sofre uma reao qumica (processo de hidrolse) e ento convertido em amnia (NH3). Dentro da unidade SCR ocorre a quebra das partculas dos xidos de nitrognio (NO e NO2), obtendo como produto final o Nitrognio (N2) e vapor de gua (H2O), produtos inofensivos ao meio ambiente.

    Componentes do sistem

    Principais componente do siste1 Reservatrio de ARLA 322 Bomba de ARLA 323 Unidade dosadorara montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    ma SCR 4 Motor5 Injetor de ARLA 326 Catalisador SCR7 Mdulo de controle do SCR32 data: 5/10/13

    a verso atualizada.islao dos novos limites de pelo CONAMA (Conselho

    te), na reduo do nvel de s na atmosfera.

    uma grande reduo nas nitrognio (NOx) e material

    cinzas) em 60% e 80%,

    A quantidade de aditivo reagente que deve ser adicionada controlada eletronicamente, garantindo que o aditivo seja sempre injetado na quantidade e instantes exatos.

    a SCR

  • 3.7 Sistema de escape e ps tratamento de gases (SRC)

    3

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    3.7.2 Definies para o deslocamento do catalisador

    Nos veculos com tecnologia Bluetec 5, so admissveis o deslocamento do conjunto catalisador limitando-se para cada modelo de veculo o deslocamento conforme a tabela, contendo o comprimento de projeto (original do veculo) e variao de comprimento mximo admissvel.

    ! A posio do catalisador tem ao direta nos nveis de emisses.

    O deslocamento do cdistncia do motor, poddos gases no mesmo, defuncionamento do SCR aumento dos nveis datender ao PROCONVacarretar numa perda de

    Tab 3: Comprimento mxim

    Modelo

    Accelo 815/ 1016

    Nota: O comprimento mxvariao mxima admissvra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    33

    data: 5/10/13

    a verso atualizada.atalisador est limitado endo alterar a temperatura sta forma afetando o correto . Consequentemente h um e emisses, deixando de E P-7. Podendo inclusive potncia no motor

    A - Comprimento de projeto do tubo (mm)

    o admissvel do tubo entre o motor e o catalisador

    Comprimento da tubulao (mm)A

    (mm)Original do veculo Variao mxima admissvel

    1150 600 1750

    imo da tubulao (medida A) formado pela soma do comprimento do tubo original com a el.

  • 3.7 Sistema de escape e ps tratamento de gases (SRC)

    3

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    3.7.3 Procedimentos para o deslocamento do catalisador

    Soltar todas as peas de ligao do catalisador e remover todo o sistema;

    Montar o catalisador na posio nova. Caso seja necessrio novas furaes na longarina, observar captulo Furaes no quadro do veculo >pgina 80;

    Para montar o catalisador na posio nova, deve-se utilizar os suportes e demais peas originais, permitido que o implementador desenvolva suportes adicionais;

    No permitido substsistema de outra marca

    O deslocamento do mda caixa de baterias, ede seu chicote eltrico,

    O catalisador pode serposio original de no longitudinal ao quadro.

    No efetuar a ligao doda longarina (efeito de m

    Se houver necessidachicotes eltricos dos sobedecer as instrueschicote eltrico dos reservatrio de ARLA 32

    Em caso de implementos que estejam muito prximos da zona do catalisador deve ser analisada a necessidade de se aplicar contra-medidas para proteo trmica dos componentes.

    Como mostra a figura a seguir, a temperatura na superfcie do catalisador pode atingir altas temperaturas (podendo atingir at 284) em condies de utilizao extremas, torque mximo e motor a plena carga com o veculo em baixas velocidades.

    !Os componentes so pdevidos cuidados dumontagem.

    Risco de acidente

    Em funcionamento, a supaltas temperaturas, quedesligamento do vecprecaues para evitamanuteno.

    atura montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    ituir um catalisador por um ;

    dulo SCR, localizado dentro st limitado ao comprimento que no dever ser alterado.

    deslocado em relao a sua mximo 600 mm no sentido

    s suportes no centro da alma embrana);

    de de prolongamento dos ensores do catalisador , deve conforme Prolongamento do sensores do catalisador e > pgina 38.

    esados, deve-se tomar os rante os trabalhos de

    e leso

    erfcie do catalisador atinge caem lentamente aps o ulo. Portanto, tome as r queimaduras durante a

    Catalisador do SCR1 Regio de alta temper34 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    ra

  • 3.7 Sistema de escape e ps tratamento de gases (SRC)

    3

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    3.7.4 Prolongamento do tubo de escape - Em caso de alteraes no sistema de escape, deve-se utilizar peas genunas Mercedes-Benz. Caso isto no seja possvel, as peas utilizadas devero ter as mesmas caractersticas das peas genunas Mercedes-Benz.

    - O comprimento e a localizao do tubo de metal flexvel, montado entre o coletor e o tubo de escape, no dever ser alterado.

    - A seo transversal livre do tubo de escape atrs do abafador de rudos no dever ser reduzida.

    - A distncia mnima para as tubulaes em material rico

    as

    es

    es

    o peria175trodeat

    tenteten

    r , ds p

    exndir o

    alisa

    hp

    !A toro mxima do tubonecessrio, usar cotovelo

    Curva da tubulao de escape

    Raio da tubulao de escaped - do tubora montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    sinttico, cabos eltter:

    200 mm com sistem

    80 mm com prote

    40 mm com protetrmico adicional.

    Se, estas distncias nas tubulaes em matTombak, segundo DIN com o mesmo dimetubulao do sistema utilizao de qualquer m

    Sero necessrias proagregados e componesejam de material resis

    O prolongamento deveindicado neste captulounidas com as seguinte

    Unio com o tubo flbraadeira original imesmo poder seSoldagem na tubula

    A unio com o catmontagem com abradeve ser soldada em

    deve ser de at 90. Caso s adicionais.35 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    s e rodas de reserva dever

    de escape sem proteo,

    em chapa,

    em chapa com isolamento

    uderem ser mantidas, trocar l sinttico por tubos em ao 5, material CuZn 20 guia 33, interno. Com exceo da ARLA32 que no admite a erial diferente do original.

    es adicionais na regio dos s do veculo, caso estes no te a alta temperatura.

    ser atravs de tubo conforme evendo ter suas extremidades eas e condies:

    vel, ser efetuado atravs de cado na figura ou tambm o soldado conforme capitulo de escape > pgina 37ador dever ser atravs de deira original, esta junta no otese alguma.

  • 3.7 Sistema de escape e ps tratamento de gases (SRC)

    3

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    Indicaes para o prolongamento do tubo de escape.

    Para o prolongamento dever ser utilizado tubos inoxidvel DIN EN 10296-2 - 1.4513 + WO ou o opcional DIN EN 10296-2 - 1.4301 + WO. Dimetro externo do tubo 88.9 mm e espessura 1.5 mm.

    Os tubos de ao inoxidvel devem ser soldados segundo o mtodo TIG ou MAG, de forma hermtica.

    A pea de tubo flexvel no poder apresentar curvaturas nem deslocamentos.

    O prolongamento do efetuado sempre aps alinhamento original.

    Adicionar a suportaotubo.

    No devero ser efetuacomo por exemplo solda

    A soma de todos os tubo no pode ser supe

    As unies e juntas devafim de garantir o tratam

    !A distncia mxima entre o catalisador e o motor (flange do freio motor) no deve exceder a 1750 mm, comprimento desenvolvido do tubo.

    As alteraes indevidas no tubo dos gases de

    Prolongamento do tubo de esA - Tubo primrioB - Tubo flexvelC - Solda por sobreposiora montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    capeD - SuporteE - ProlongamentoF - Abraadeira do veculo36 data: 5/10/13

    a verso atualizada.tubo de escape deve ser o tubo flexvel, mantendo o

    para o prolongamento do

    das alteraes no catalisador, s.

    ngulos do prolongamento do rior a 270.

    ero ter estanqueidade total, ento dos gases de escape.

    escape, antes do catalisador, podem levar emisso de gases de escape no tratados devido as fugas.

    Desenho de Referncia para construo do tubo de prolongamento > pgina 198

  • 3.7 Sistema de escape e ps tratamento de gases (SRC)

    3

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    3.7.5 Soldagem na tubulao de escape

    Os trabalhos de solda s devero ser realizados por pessoal especializados. Recomenda-se que estes trabalhos sejam realizados fora do veculo em condies adequadas afim de garantir estanqueidade na junta soldada.

    No ser admissvel a fuga dos gases na unio soldada.

    A solda no tubo primrio deve ser realizada por sobreposio.

    Mtodos para soldagem.

    Mtodo TIG:

    Dimetro, agulha de volfrmio: 2,4 mm

    Intensidade de corrente: 30 Amp.

    Materiais suplementares: 1,6 mm - W 18 8 Mn = 1.4370.

    Bico: 11 mm/ 11 litros/ min

    Gs de soldadura: rgon - 4,8

    Preparao da costura: Limpeza com escova rotativa

    (9

    e s

    Ni

    Consultar Instalao

    Trabalhos de solda > p

    Solda no tubo de escape1 rea da solda por sobrepo2 Prolongamento3 Tubo Flexvelra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    de ao inoxidvel

    Mtodo MAG

    Gs de proteo M12

    Material de adio d

    Bobina/ SG-X (15 Cr

    eltrica > pgina 61 e gina 68

    sio37 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    7,5 ar/ 2,5 Co2)

    oldadura 1 mm/ 15kg

    Mn 18 8)

  • 3.7 Sistema de escape e ps tratamento de gases (SRC)

    3

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    3.7.6 Prolongamento do chicote eltrico dos sensores do catalisador e reservatrio de ARLA 32

    Quando houver necessidade de efetuar o deslocamento do catalisador e/ou reservatrio de ARLA32, torna-se necessrio tambm o prolongamento dos circuitos eltricos dos sensores do mesmo.

    Para este prolongamento, imprescindvel utilizar um chicote de interface (chicote de prolongamento), onde a Mercedes-Benz disponibiliza, conforme tabela a seguir, uma lista de peas que dever ser usada para a sua construo.

    Os cabos eltricos para prolongamento devem caractersticas dos cabooriginais dos veculos.

    ! imprescindvel que a codo chicote eltrico doutilize as peas recomen

    Em hiptese alguma, prolongamento do chicotdos cabos eltricos (chmesmos.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    a construo do chicote de obedecer as mesmas

    s existentes nos chicotes

    nstruo de prolongamento s sensores do catalisador dados pela Mercedes-Benz.

    deve ser executada o e eltrico atravs de cortes icote original) e solda dos 38 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 3.7 Sistema de escape e ps tratamento de gases (SRC)

    3

    Diretrizes pa

    ! Observar a

    Lista de peas para a construo do chicote eltrico de prolongamento dos sensores do catalisador e do reservatrio de ARLA 32

    Tab 4: Componente do chicote de interface

    Lado do Chicote Lado dos sensores

    Componentes

    A113

    Cone

    Term

    Se

    B115

    Cone

    Term

    Se

    B116

    Cone

    Term

    Se

    *Cover 90

    180

    Tubo corrugado anti-chama 10 mm

    PA6 aberto-39ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

    Nmero da pea Quant. Componentes Nmero de pea Quant.

    Sensores do catalisador

    Sensor de Nox

    ctor A 029 545 95 28 1 Conector A 015 545 65 26 1

    inal A 035 545 47 28 4 Terminal A 006 545 52 26 4

    lo A 000 545 72 80 4 Selo A 000 545 72 80 4

    Sensor de temperatura antes do catalisador

    ctor A 033 545 54 28 1 Conector A 015 545 67 26 1

    inal A 035 545 47 28 2 Terminal A 006 545 52 26 2

    lo A 000 545 72 80 2 Selo A 000 545 72 80 2

    Sensor de temperatura depois do catalisador

    ctor A 033 545 54 28 1 Conector A 015 545 67 26 1

    inal A 035 545 47 28 2 Terminal A 006 545 52 26 2

    lo A 000 545 72 80 2 Selo A 000 545 72 80 2

    A 000 546 95 35

    *Todos os terminais devero ter um Cover, cujo a orientao poder ser de 90 ou 180, dependendo da necessidade

    A 001 546 01 35

    -

  • 3.7 Sistema de escape e ps tratamento de gases (SRC)

    3

    Diretrizes pa

    ! Observar a

    Tab 5: Componente do chicote de interface

    Lado do Chicote Lado dos sensores

    Componentes

    B117

    Cone

    Term

    Se

    *Cover 90

    180

    Tubo corrugado anti-chama 10 mm

    PA6 aberto-40ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

    Nmero da pea Quant. Componentes Nmero de pea Quant.

    Sensor do reservatrio de ARLA32

    Sensor de nvel e temperatura do ARLA32

    ctor A 029 545 95 28 1 Conector A 015 545 65 26 1

    inal A 035 545 47 28 4 Terminal A 006 545 52 26 4

    lo A 000 545 72 80 4 Selo A 000 545 72 80 4

    A 000 546 95 35

    *Todos os terminais devero ter um Cover, cujo a orientao poder ser de 90 ou 180, dependendo da necessidade

    A 001 546 01 35

    -

  • 3.7 Sistema de escape e ps tratamento de gases (SRC)

    3

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    3.7.7 Mdulo de controle do SCR

    O deslocamento do mdulo SCR, localizado no interior da caixa de baterias, est limitado ao comprimento de seu chicote eltrico, que no dever ser alterado. O mdulo poder ser acomodado nas proximidades de sua posio original e dever ficar completamente protegido contra eventuais contatos mecnicos ou exposio temperatura elevada, mantendo o respiro do mdulo protegido de infiltraes e acmulo de gua ou resduos.

    3.7.8 Cuidados com o ARLA 32

    ARLA 32 (Agente Redutor Lquido de NOx Automotivo) um produto lquido no inflamvel, no txico, incolor e inodoro e solvel em gua.

    !No admissvel a exeemenda no chicote elSCR.

    A96 - Mdulo SCRLocalizado na caixa de baterias

    !Utilize ARLA32 recomendado, produzido de acordo com a norma ISO 22241. No adicione quaisquer aditivos ao ARLA32.

    nte

    vatec

    . O e ep ds oe tco

    2ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    cuo de qualquer tipo de trico do mdulo eletrnico

    Risco de acide

    Se a tampa do resercom o ARLA32 aquvapores de amonacoum cheiro penetrantemucosas e os olhos. Ddo tempo de inalaopode ocorrer ardor nobem como excessos dos vapores de amona

    1 Reservatrio de ARLA 32 Tampa41 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    rio de ARLA32 for retirada ido, podem ser liberados s vapores de amonaco tm irritam sobretudo a pele, as endendo da concentrao e

    estes vapores de amonaco, lhos, no nariz e na garganta, osse e lgrimas. Evite inalar liberados.

  • 3.7 Sistema de escape e ps tratamento de gases (SRC)

    3

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    ARLA32 em temperatura

    O ARLA32 congela aproximadamente -11C.

    As baixas temperaturas pcristais de ARLA32 no tuamortecedor de rudos. Efalha de funcionamento ndos gases de escapamento

    Caso seja necessrio, os cremovidos com gua limpa

    dor fent

    so pad.

    !No misture nenhum aditivo ao ARLA32, nem dilua o ARLA32 com gua. Isso pode prejudicar o funcionamento do sistema de ps-tratamento dos gases de escapamento BlueTec5.

    Os danos decorrentes do uso de tais aditivos ou da mistura de gua resultam na perda dos direitos de garantia.

    O ARLA 32 biodegradvinadequado pode represeambiente.

    Evite que grandes quantina rede de esgotos, nalenis freticos ou no so

    Descarte o ARLA 32 respproteo do Meio Ambpas.

    !Armazenamento de ARLA32

    Reservatrios de alumnio, de cobre, de ligas de cobre, bem como de ao no ligados ou zincados, no so adequados para o armazenamento de ARLA32. No caso de ser armazenado nestes reservatrios, o ARLA32 pode dissolver os componentes destes metais e destruir o sistema de ps-tratamento dos gases de escapamento

    por ad

    -Be

    A igaormst

    AR lqes dara montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    externa baixa

    a uma temperatura de

    odem causar a formao de bo flexvel entre o motor e o ssa cristalizao no causa

    o sistema de ps-tratamento .

    ristais de ARLA32 podem ser .

    Pureza do ARLA 32

    O grau de pureza importante para evitasistema de ps-tratamBlueTec5.

    Se, por exemplo, no caprecisar ser bombeadono poder ser reutilizdeixou de ser garantido

    el. Todavia, o seu manuseio ntar um perigo para o meio

    dades de ARLA32 penetrem s guas de superfcie, nos lo.

    eitando as leis e normas de iente, especficas de cada

    BlueTec5.

    Os danos causados ARLA32 devido aoreservatrios inadequgarantia da Mercedes

    Para armazenar ARLreservatrios de alta lNi de acordo com a nreservatrios de plpolietileno.

    !A contaminao do lubrificantes e outrosp) pode causar valorde funcionamento emotor. 42 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    ARLA32 extremamente alhas de funcionamento do o de gases de escapamento

    de uma reparao, o ARLA32 ara fora do reservatrio, este o, pois o seu grau de pureza

    materiais dissolvidos pelo seu armazenamento em os no so cobertos pela nz.

    32, utilize exclusivamente em ao Cr-Ni ou ao Mo-Cr-

    a DIN EN 10088-1/2/3 ou ico em polipropileno ou

    LA32 (por exemplo, com uidos, produtos de limpeza, de emisso elevados, falhas nos no catalisador ou no

  • 3.7 Sistema de escape e ps tratamento de gases (SRC)

    3

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    3.7.9 Abastecimento do reservatrio de ARLA 32

    O abastecimento com ARLA32 processa-se atravs de um reservatrio especfico e identificado no veculo. O ARLA32 conduzido atravs de tubulaes at a unidade dosadora.

    O reservatrio de ARLA32 situa-se direita atrs do para-lama, no sentido de marcha. O tamanho do reservatrio depende do veculo e do equipamento, por exemplo, do tamanho do tanque de combustvel.

    O reservatrio de ARLA32 tem um bocal especial com dimetro reduzido e indicao de advertncia para impedir o abastecimento i

    !Se, durante o abastecimcontato com superfciesalumnio, lave imediatamcom muita gua.

    !Ateno! O abastecimediferente do ARLA32irreversveis ao catalisadra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    ncorreto.

    ento, o ARLA32 entrar em pintadas ou superfcies de ente as superfcies afetadas

    nto com qualquer fluido acarretar em danos or.43 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 3.7 Sistema de escape e ps tratamento de gases (SRC)

    3

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    3.7.10Possibilidades de deslocamento do reservatrio e/ou bomba de ARLA 32

    O deslocamento do reservatrio e/ ou bomba de ARLA 32 permitido desde que sejam respeitadas as instrues seguintes.

    Devem ser utilizados os suportes originais para fixao dos componentes.

    permitida a substituio de um reservatrio de ARLA32 por uma variante de srie dos outros produtos Mercedes-Benz.

    Caso necessrio poder ser alterado o posicionamento de altura do reservatrio e/ ou bomba respeitando os limites de altura indicado na figura.

    Caso a bomba de ARLA32 seja reposicionada, est dever manter sua posio de trabalho original, ou seja, jamais rotacionar tombando a bomba no sentido horizontal. A no observao desta nota poder acarretar em falhas no funcionamento, danos

    1 Reservatrio de ARLA 322 Bomba de ARLA 323 Unidade dosadorara montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    44

    data: 5/10/13

    a verso atualizada.na bomba de ARLA32 e sistema SCR, assim como perda de garantia.

    A - Limite Superior do lquidoB - Limite Inferior lquido

  • 3.7 Sistema de escape e ps tratamento de gases (SRC)

    3

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    3.7.11Prolongamento da tubulao de ARLA 32

    No ser admissvel qualquer tipo emenda nas tubulaes de suco, recalque e retorno do reservatrio de ARLA 32.

    Os tubos de ARLA32 devem ser dispostos at o reservatrio ou at o ponto de unio pelo trajeto mais curto.

    Os tubos no podem ficar de modo algum dobrados ou esmagados, para isto deve-se tomar cuidado durante a fixao do trecho enrolado com cintas plsticas.

    Planejar o layout da tuefeito sifo.

    O comprimento mximo do tubo de ARLA32 entre o reservatrio e a unidade dosadora no pode exceder os 5m.

    No caso de necessidade de deslocamento as tubulaes devero ser trocadas por tubos originais de fbrica disponveis na rede autorizada Mercedes-Benz conforme tabela.

    No caso de no haver uma opo com o comprimento exato para a aplicao direta, o implementador dever optar por uma tubulao maior do que a necessria e efetuar um enrolamento do comprimento excedente,

    Esquema Ilustrativo da t

    Os comprimentos originAccelo de srie so: Tubulao de Suco: 88Tubulao de Retorno: 62Tubulao de Presso: 20

    Tubulao ARLA 321 Bomba de ARLA 322 Unidade dosadora3 reservatrio de ARLA 32A - Rosca SAE 3/8ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    B - Rosca SAE 5/16C - PressoD - SucoE - Retorno45 data: 5/10/13

    a verso atualizada.bulao de modo a evitar o tomando os devidos cuidados para no esmagar a tubulao.

    As tubulaes de presso possuem conexes com dimetros diferentes das demais tubulaes.

    ubulao de ARLA 32

    ais da tubulao do veculo

    0 mm 5 mm 00 mm

  • 3.7 Sistema de escape e ps tratamento de gases (SRC)

    3

    Diretrizes pa

    ! Observar a

    Tabela dos comprimentos disponveis

    Tab 6: Tubulaes de suco ou Retorno

    Cdigo MB Comprimento (mm) Projetado para veculos

    Tubulaes de Suco ou Retorno

    A 695 476 17 01 KZ 2400 Atego 4x4

    A 695 476 07 01 KZ 2300 Axor

    A 695 476 27 01 KZ 2140 Atego 4x4

    A 695 476 0

    A 695 476 1

    A 695 476 2

    A 695 476 2

    A 695 476 1

    A 695 476 1

    A 695 476 2

    A 695 476 2

    A 695 476 2

    Tab 7: Tubulaes de Press

    Cdigo

    A 695 476 1

    A 695 476 0

    A 695 476 1

    A 695 476 1

    A 695 476 0

    A 695 476 1

    A 695 476 2

    A 695 476 2

    A 695 476 046ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

    8 01 KZ 2020 Atego

    6 01 KZ 2000 Accelo

    3 01 KZ 1840 Atron - 1635

    5 01 KZ 1730 Axor - OM457LA9 01 KZ 2200 Atron8 01 KZ 2040 Axor

    4 01 KZ 1280 Atron

    2 01 KZ 1210 Atron - 1635

    1 01 KZ 1090 Atron - 1635

    9 01 KZ 1080 Atego

    3 01 KZ 970 Atron

    4 01 KZ 880 Accelo

    0 01 KZ 800 Atego

    5 01 KZ 625 Accelo

    o

    MB Comprimento (mm) Projetado para veculos

    Tubulaes de Presso

    6 01 KZ 3320 Atego 4X4

    6 01 KZ 3200 Axor - OM926LA

    5 01 KZ 2880 Atron

    2 01 KZ 2700 Atron

  • 3.7 Sistema de escape e ps tratamento de gases (SRC)

    3

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    3.7.12Procedimento para deslocamento do reservatrio ARLA 32

    Soltar todas as tubulaes e remover todo o sistema.

    Montar o reservatrio na nova posio.

    Para montar o reservatrio na posio nova deve-se utilizar os suporte e demais peas originais, permitido que o implementador desenvolva suportes adicionais.

    O comprimento mximo do tubo de ARLA32 entre o reservatrio e a unidade dosadora no pode exceder os 5m.

    No efetuar a ligao doda longarina (efeito de m

    Se houver necessidachicotes eltricos dos ARLA 32, deve obedecapitulo Prolongamensensores do catalisador pgina 38.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    s suportes no centro da alma embrana).

    de de prolongamento dos sensores do reservatrio de cer as instrues conforme to do chicote eltrico dos e reservatrio de ARLA 32 >47 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 3.8 Manuteno e reparao

    3

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    3.8 Manuteno e reparao

    A carroaria dever prever livre acesso a execuo dos servios de manuteno e reparao (Lubrificao, reparos, regulagens etc.), bem como, possibilitar a remoo e instalao de quaisquer componentes do veculo (caixa de mudanas, feixes de mola etc.).

    A manuteno e os trabalhos de reparao no veculo no devero ser dificultados de forma desnecessria pela carroaria ou equipamento.

    Os pontos de manuteno e os agregados devero ter fcil acesso.

    Sempre que necessrio, dportinholas que possibildiversos servios de mexemplo, troca da bia do

    O compartimento de bdever ter ventilao sufic

    Para acesso ao motor, ccom cabina avanaBasculamento da cabinade Operao.

    Os trabalhos adicionais, requipamentos, que foremdos servios de garantia, veculo, sero faturados concessionrios e postoMercedes-Benz.

    A manuteno e a reparadificultadas pela carroari

    Os pontos de manutenpermanecer facilmente ac

    Mande efetuar os trabalhos de manuteno sempre numa oficina qualificada, pois esta possui os conhecimentos tcnicos e as ferramentas para a realizao dos trabalhos necessrios.

    Para o efeito, a Mercedes-Benz recomenda um Servio de Assistncia Mercedes-Benz.

    imprescindvel mandar efetuar os trabalhos d

    fici

    decu de e nos ssadoos.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    ispor tampas removveis e/ou item a fcil execuo dos anuteno e reparos, por tanque de combustvel.

    aterias quando modificado iente.

    om segurana, nos veculos da, consultar captulo > pgina 75 e/ou Manual

    esultantes das carroarias e necessrios para realizao manuteno ou reparao no adicionalmente pela rede de s de servios autorizados

    o do veculo no devem ser a.

    o e os grupos devem essveis.

    relevantes em termosde segurana numa o

    Antes da realizao manuteno, leia a doexemplo as instruesda oficina. Mandemanuteno semprepodero ocorrer danoem sistemas que posegurana. Deste moferindo a si e a terceir48 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    e segurana e em sistemas na qualificada.

    medidas de trabalhos de mentao tcnica, como por utilizao e as informaes fetuar os trabalhos de s prazos, caso contrrio,

    de funcionamento ou falhas m ser importantes para a

    , pode causar um acidente,

  • 3.8 Manuteno e reparao

    3

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    3.8.1 Instrues de manuteno

    Antes da entrega do veculo, o fabricante de carroarias deve tomar em considerao o seguinte:

    Data prevista para a inspeo

    Ajuste da vlvula ALB dependente da carga do eixo quando esta sofreu alterao (por exemplo, troca da suspenso).

    Verificar a potncia e o estado das baterias e realizar os trabalhos de manuteno de acordo com as indicaes do fabricante.

    Verificar a regulagem dojunto de uma oficina qu

    Apertar as porcas das ro binrio de aperto.

    As instrues de umanuteno para os gruadicionais, carroarias,reequipamentos devemda carroaria no idiojuntamente com o vecu

    A Mercedes-Benz recombitos da manutenoveculo com os sistemaMercedes-Benz. Isto extenso como tambmsubjacentes e prestaquais devem ser efetuadra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    s faris ou mandar verific-la alificada.

    odas, tendo em considerao

    tilizao e as regras de pos montados em estruturas peas de equipamento ou ser entregues pelo fabricante ma do pas de utilizao lo.

    menda que se adaptem os da carroaria ao respectivo

    s de manuteno em vigor da vlido tanto para o tipo e para os intervalos de tempo es do veculo em funo das as manutenes.49 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 3.9 Equipamentos opcionais

    3

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    3.9 Equipamentos opcionais

    Para adequar corretamenMercedes-Benz recomopcionais/especiais dispo

    Os equipamentos opcioobtidos atravs dos cdigoconcessionrios e postoMercedes-Benz.

    Os equipamentos opcionaposteriormente (por exreforos do quadro, tanquetc) aumentam o peso do

    Quando o chassi for equipdimenses diferentes, a alterada consideravelmencarga.

    Antes de fazer a monequipamentos, verificar o ppesagem.

    Nem todos equipamentopodero ser montados veculos. Isto aplica-se primontagem posterior.

    Risco de acidente e leso

    A utilizao de peas, agregados, equipamentos e acessrios no aprovados podero afetar a segurana do veculo.

    Antes de realizar os trabalhos nas carroarias, montagem de implementos no veculo bsico ou agregados, estritamente necessrio ler os captulos do Manual de Operacom a montagem deinstrues de utilizao ede implementos.

    Caso contrrio, pode ndeterminados riscos, coterceiros.

    Indicaes sobre os pesos dos equipamentos opcionais/especiais e os cdigos de venda podero ser obtidas atravs do departamento TPV (conceito de caminhes e suporte a clientes) Consultas tcnicas > pgina 14ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    te o veculo a carroaria, a enda os equipamentos nveis com cdigos de venda.

    nais/especiais podem ser s de venda (code) na rede de s de servios autorizados

    is e/ou especiais aplicados emplo: molas reforadas, es auxiliares, estabilizadores veculo.

    ado com molas ou pneus de altura do quadro poder ser te, conforme situao de

    tagem das carroarias ou eso real do chassi atravs da

    s opcionais e/ou especiais sem problemas em todos ncipalmente no caso de uma

    o do veculo relacionado sses implementos e as montagem dos fabricantes

    o ser possvel reconhecer locando em perigo a s ou 50 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 3.10 Consumidores pneumticos adicionais

    3

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    3.10 Consumidores pneumticos adicionais

    No caso da montagem deve-se observar que:

    - Os equipamentos auxielevado ou contnuo, demaior capacidade de vprever na encomenda d

    - Os equipamentos auxilar, dever ser instaladoligado a vlvula de proprtico 24 que devevlvula de reteno (prebar).

    Os circuitos de ar comprimpor 4 vlvulas de descadentro da vlvula APU.

    Os equipamentos auxillimitados a presso mxim

    Se for necessrio, montabloco distribuidor na tubuprtico de acessrios (24)

    Prticos - vlvula mini APU21 - Circuito dos freios I (Trase22 - Circuito dos freios II (Diant23 - Circuito de estacionament24 - Acionamento da embreage

    equipamentos auxiliares e sra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    de equipamentos auxiliares,

    liares, com consumo de ar vero ter um compressor de

    azo (caso esteja disponvel, o veculo).

    iares com baixo consumo de um tanque de ar adicional

    teo de 4 vias mini APU, r estar protegido por uma sso de abertura de 7,3 a 7,5

    ido esto protegidos entre si rga, com o refluxo limitado

    iares consumidores esto a de 8,5 bar.

    r uma conexo em T ou um lao de ar comprimido, do

    .

    iro).eiro).o.m, caixa de mudana, uspensor do eixo de arrasto.51 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 3.11 Deslocamento da caixa de bateria

    3

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    3.11 Deslocamento da caixa de bateria

    Quando houver necessidade de efetuar o deslocamento da caixa de baterias deve-se substituir os seus cabos por novos, devidamente dimensionados para a aplicao.

    !A passagem de cabos deve ser de modo a evitar o contato com arestas cortantes e fontes de calor, alm de ser necessrioexclusivas para cada camant-lo isolado.

    Caso haja necessidade dde baterias, o mduloreposicionado, ou seja,permanecer prximo a alterar o chicote eltricoSCR > pgina 41.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    a utilizao de fixaes bo no quadro, de modo a

    e reposicionamento da caixa SCR no dever ser o mdulo SCR dever sua posio original sem

    . Ver Mdulo de controle do

    Caixa da bateria52 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 4.1 Balano traseiro e distncias entre eixos

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    4 Valores tcnicos limites durante o planejamento

    4.1 Balano traseiro e distncias entre eixos

    A determinao do balser feita, por norma, lcargas admissveis sobsobre o eixo dianteiro.

    Observe a carga mnDistribuio de carga s

    Ao fazer o clculo equipamentos opcionais

    Comprimento mximo (BT):

    Veculos de dois eixos, extremos (C) limitado legislao vigente do pa

    Risco de acidente

    Durante a concepo das carroarias evitar possveis carregamentos na parte traseira.

    Devem ser observados os pontos a seguir, caso contrrio no ser possvel a transferncia das foras de direo e frenagem necessrias para uma conduo segura.

    C - Entre-eixosBT - Balano do eixo traseirora montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    ano do eixo traseiro dever evando em considerao as re os eixos e a carga mnima

    ima sobre o eixo dianteiro obre as rodas > pgina 56.

    considerar o peso dos .

    do balano do eixo traseiro

    60% da distncia entre-eixos em 3500 mm, observar a

    s.53 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 4.1 Balano traseiro e distncias entre eixos

    4

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    4.1.1 Tabelas de dimenses e pesos

    Antes de consultar as tabelas veja as notas a seguir.

    As tolerncias, entre parnteses, para o comprimento externo recomendado as carroarias I, representam a diferena para atingir o limite mximo regulamentar do balano traseiro, que corresponde a 60% da distncia entre os eixos extremos, limitado a 3500 mm. Portanto, o balano traseiro devidamente, assim cas prescries legaischoque traseiro.

    As tolerncias no sode lquidos, cargas unindivisveis ou materia

    A montagem de carrequipamentos dever gravidade indicado na

    Os pesos brutos mxeixos dianteiro e trasede carregamento, nosendo que para garaobservar a carga mncomo descrito no capsobre as rodas > pg

    Os pesos indicados srie.

    A complementao dprescries tcnicas dLtda.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    dever ser prolongado omo dever ser observadas para instalao do para-

    aplicveis para o transporte iformemente distribudas e

    l a granel.

    oarias especiais e outros ser em funo do centro de figura a seguir (cota H).

    imos especificados para os iro, em quaisquer condies devero ser ultrapassados, ntir adequada dirigibilidade ima sobre o eixo dianteiro itulo Distribuio de carga ina 56.

    referem-se a execuo de

    o chassi dever atender as a Mercedes-Benz do Brasil 54 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 4.1 Balano traseiro e distncias entre eixos

    4

    Diretrizes pa

    ! Observar a

    Na tabela abaixo clique no link do modelo desejado para ter acesso aos valores tcnicos limites durante o planejamento.

    No Brasil, para a utiliza2300 mm de largura, ser espelhos retrovisores emCONTRAN 636/84 (verifica rede de concessionriospases observar as respvigentes.

    O comprimento de (comprimento total excomprimento legal pararegulamentar do balano 60% da distncia entre-eix

    Tab 1: Valores tcnicos limites Accelo

    Veculo

    Accelo

    arroo piroixo 55ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

    o de carroarias acima de necessria a substituio dos atendimento resoluo

    ar a largura de espelhos junto Mercedes-Benz). Para outros ectivas Exigncias Legais

    carroaria recomendado terno) coincide com o atingir o limite mximo traseiro, que corresponde a

    os.

    1016 D

    1016 com 3 eixo adaptado 6x2 D

    (*) Exclusivo para exportao - Proconve P5/ Euro 3Modelo Trao

    *915C

    4x2815

    Valores tcnicosC Distncia entre eixos (mm).H Centro de gravidade para carga e cI Comprimento mximo recomendadK Distncia entre o 1 e 2 eixo traseM Distncia mnima entre centro do eLink

    D

    D

    aria (mm).ara carroaria (mm)..dianteiro e a carroaria.

  • 4.2 Distribuio do peso, altura do centro de gravidade e estabilizadores

    4

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    4.2 Distribuio do peso, altura do centro de gravidade e estabilizadores

    4.2.1 Distribuio de carg

    Ao projetar as carroariasdistribuio unilateral do pA carga sobre a roda (1/eixo) admite uma tolernc

    Observar a capacidade de

    Exemplo;

    - carga admissvel sobre

    - carga sobre cada roda ideal para cada roda);

    - tolerncia 3.000 X 4excedida na roda);

    - distribuio admissvel3.120Kg e 2.880kg.

    A carga esttica no eixcondies de carregame25% do respectivo pesproporcionar boa dirigibilid

    Para veculos com 3 eixosde 20%. Consultar captulo

    4.2.2 Alturas do centro de gravidade

    A Mercedes-Benz no prestar informaes sobre o comportamento do veculo em marcha, frenagem e

    rrove so

    Risco de acidente

    Durante a concepo das carroarias evitar possveis carregamentos na parte traseira.

    Devem ser observados os pontos a seguir, caso contrrio no ser possvel a transferncia das foras de direo e frenagem necessrias para uma conduo segura.

    Para informaes sobre os valores limites do centro de gravidade A consultar a Mercedes-Benz atravs do departamento TPV, Consultas tcnicas >pgina 14.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    a sobre as rodas

    e equipamentos, evitar uma eso. 2 da carga admissvel sobre ia mxima de 4%.

    carga dos pneus.

    o eixo 6.000kg;

    6.000 / 2 = 3.000kg (carga

    % = 120kg (mxima carga

    de carga sobre as rodas

    o dianteiro, sob quaisquer nto, dever ser, no mnimo, o bruto total (PBT) para ade ao veculo.

    , admite-se um valor mnimo Dirigibilidade > pgina 57.

    dirigibilidade para as cade gravidade desfavorser responsvel pelaveculos com estas carr

    A - Centro de gravidade56 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    arias e cargas com o centro l. O fabricante da carroaria egurana de conduo dos arias.

  • 4.3 Dirigibilidade

    4

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    4.3 Dirigibilidade

    Para garantir uma boa dirigibilidade do veculo, a carga mnima sobre o eixo dianteiro dever ser mantida em qualquer situao de carga.

    Durante a concepo das carroarias evitar possveis carregamentos na parte traseira. Devem ser observados os pontos a seguir, caso contrrio no ser possvel a transferfrenagem necessrias pa

    A carga admissvel sobre o eixo dianteiro no deve ser excedida. A carga na parte traseira do veculo tem uma influncia negativa sobre o comportamento em marcha, sendo necessria uma maior ateno na conduo.

    Tab 2: Carga mnima sobre

    Veculo

    Accelora montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    57

    data: 5/10/13

    a verso atualizada.ncia das foras de direo e ra uma conduo segura.

    o eixo dianteiro

    Carga mnima sobre os eixos dianteiros

    Verso 4x2 25% do peso total do veculo

    Verso 6x2 20% do peso total do veculo

    com plataforma traseira de carga, com guincho na parte traseira ou

    funcionamento com reboque de eixo nico (reboque de eixo central/ reboque

    com lana rgida)

    30% do peso total do veculo

    Funcionamento com reboque de eixo central/ reboque com lana rgida.

    Proporo semi-reboque/ trator > 1:135% do peso total do veculo

  • 4.4 Espao livre para os agregados e cabina

    4

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    4.4 Espao livre para os agregados e cabina

    Para garantir o funcionamento e segurana operacional dos agregados (motor, eixos, caixa de mudana, retarder etc), devero ser mantidos determinados espaos livres.

    Observar atentamente as medidas indicadas nos desenhos de oferta dos veculos e indicaes contidas neste manual.

    Mecanismo da caixa de m

    - Distncia suficiente para cabina de conduo b

    Cilindro combinado de fr

    - Em veculos com freio livre, e fcil acesso parafreio, liberando o parafcilindro combinado.

    Motor, caixa de mudana

    - Distncia mnima para dever ser, 30 mm.

    Cabina de conduo

    A distncia entre a cabinaou a tubulao de escape mnimo, 50 mm.

    Espao livreBasculamento da cabina dTrambulao da caixa de mra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    udanas (trambulao).

    a o implemento, mesmo com asculada.

    eio do eixo traseiro.

    a tambor, observar o espao desbloqueio emergencial do

    uso da mola acumuladora do

    e retarder.

    carroarias e equipamentos

    de conduo e o implemento dirigida ao alto dever ser, no

    e conduoudana.58 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 4.4 Espao livre para os agregados e cabina

    4

    Diretrizes pa

    Observar a

    4.4.1 Espao livre com cabina de conduo basculante

    Tab 3: Espao livre com cabina de conduo basculante

    Veculo Accelo Modelo Balano dianteiro A (mm)Distncia mnima do centro do

    eixo a carroaria, B (mm)

    *915C

    (*) Exclusivo para exporta

    Balano dianteiro 59ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

    1300 420815

    1016

    o - Proconve P5/ Euro 3.

  • 4.5 Defletores de ar

    4

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    4.5 Defletores de ar

    Para montagem de equipamentos e/ou estruturas no teto da cabina, por exemplo, defletores de ar, ar condicionado ou leito para dormir, ser necessrio a aprovao da Mercedes-Benz do Brasil Ltda. como descrito no captulo Aprovao da montagem de implementos > pgina 15.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    60

    data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 5.1 Instalao eltrica

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    5 Preveno contra danos

    5.1 Instalao eltrica

    O chicote do motor (coprotegido contra curto-cirocorra, o mdulo eletrdanificado. Existe o perigotrabalhos com cabos eltrabalhos no sistema elbateria.

    Jamais realizar um trabaa sensores, atuadores, m

    Retirar os mdulos do submetido a estufa e

    80 C.

    No remover nem instalar os conectores dos mdulos eletrnicos com a ignio ligada.

    No utilize ferramentas para remoo dos conectores, esta operao dever ser realizada manualmente.

    Manter os conectores protegidos de agentes contaminadores e de impactos mecnicos. No expor a temperaturas acima de 60 C.

    No fazer quaisquer medies nos terminais dos conectores de encaixe rpido por meios inadequados (lmpadas de teste, pontas de testes, pontas de

    ultcurs, elh

    dude to quosct

    ua e s

    a lo m

    nd

    pros

    moua

    ivos d

    Risco de acidente

    Se forem efetuados trabalhos de forma inadequada no sistema eltrico, seu funcionamento poder ser afetado originando falha dos componentes ou peas relevantes segurana.

    Ao efetuar trabalhos no veculo, devero ser respeitadas as normas de preveno de acidentes.

    Devero ser respeitadas especificas ao respectivo

    Para evitar o perigo detrabalhos com os cabos ecabos da bateria antes sistema eltrico.

    Ao desligar as bateriasbornes negativos e depoi

    Ao ligar as baterias, cbornes positivos e depois

    No coloque objetos metas baterias.

    Ao efetuar trabalhos de sa massa do aparelhodiretamente ligado aPreviamente, deve-se dbateria e todos os mdprocedimento descrito componentes eletroeletr

    erio se

    B. (onsra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    nector de 55 vias) no cuitos ao positivo, caso isto nico do motor poder ser de curto-circuito durante os tricos. Antes do incio dos trico, desligar o cabo da

    lho de solda eltrica prximo dulos e chicotes eltricos.

    veculo quando o mesmo for m temperaturas acima de

    arame, etc.). Isto reseltrica provocando eltricos e eletrnicoUtilizar cabos e aparadequados.

    Na remoo do minterromper o circuito A placa de resfriamenatravs da soltura de torque para reaperto dcontaminao dos coneevitada.

    No aplicar jato dgmotor, especialmente suas conexes.

    Jamais realizar umpartida para acionar

    Jamais realizar emeaos mdulos.

    Os cabos instaladosdevero ser revestidfogo.

    Instalar os cabos defrico, sobretudo, qcortantes (cantos vdutos para passagem

    todas as diretrizes e as leis pas.

    curto-circuito durante os ltricos, deve-se desligar os do incio dos trabalhos no

    , retirar primeiramente os s os positivos.

    onectar primeiramente os os negativos.

    licos ou ferramentas sobre

    olda na estrutura do veculo de solda dever estar pea a ser soldada. esconectar os cabos da ulos eletrnicos. Consultar no captulo Remoo dos nicos > pgina 63.

    * EURO 5

    Para instalao postveculo no possua,Mercedes-Benz do departamento TPVsuporte a clientes) C61 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    ar em aumento de corrente to-circuitos nos componentes causando danos aos mesmos. os de testes ou de medies

    lo MR no necessrio combustvel de resfriamento. poder ser removida do MR atro parafusos de fixao. O mesmos 8,0 1,2Nm. A ores pelo leo diesel deve ser

    pressurizado para lavagem do obre o mdulo MR, sensores

    igao direta no motor de otor diesel.

    as nos chicotes conectados

    ximos ao sistema de escape com material resistente ao

    do a que no haja pontos de ndo em contato com arestas ). Se for necessrio, utilizar

    os cabos ou guias tubulares.

    r da chave geral, caso o r necessrio consultar a rasil Ltda. atravs do conceito de caminhes e ultas tcnicas > pgina 14.

  • 5.1 Instalao eltrica

    5

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    A central de distribuio eltrica est localizada embaixo do porta objetos como mostra a figura a seguir.

    Baterias

    Ao desligar as baterias, retnegativos e depois os poconectar primeiramente osnegativos

    No coloque objeto metli

    O compartimento convenientemente vemanuteno da bateria

    Evitar chamas expostaspois dela emanam gacausar exploses.

    Nunca dar partida no estejam devidamente apertados nos plos).

    Uma ligao invertida dplos, poder causar comando.

    Nunca soltar ou retirar motor em funcionament

    Se as baterias estivpossvel dar partida abaterias auxiliares (cabde um outro veculo

    Operao. Para partida assistida, no utilizar nenhum tipo de carregador rpido.

    Efetuar partida do veculo por rebocamento com os cabos das baterias ligados, somente em casos de extrema necessidade.

    Carregar as baterias utilizando um carregador rpido somente quando estas estiverem desligadas do sistema eltrico do veculo. Os cabos negativos e positivos devero ser removidos. Consultar Manual de Operao.

    Central de distribuio eltricaPorta objetosPresilhas de fixaoCentral eltrica

    e apiciora montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    irar primeiramente os bornes sitivos. Ao ligar as baterias, bornes positivos e depois os

    cos sobre as baterias.

    de bateria dever ser ntilado e acessvel para e cabos.

    e fascas prximo a bateria, ses inflamveis que podem

    motor sem que as baterias ligadas (cabos das baterias

    os cabos de alimentao nos destruio das unidades de

    os cabos das baterias com o o

    erem descarregadas, ser o motor utilizando cabos e os de chupeta) ou baterias . Consultar o Manual de

    Para instalao dadicionais, consulte cpara consumidores ad62 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    consumidores eltricos tulo Tomada de alimentao nais > pgina 112.

  • 5.1 Instalao eltrica

    5

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    5.1.1 Preveno de danos ao alternador

    No movimentar o veculo para funcionar o motor com a bateria desligada.

    No desligar os cabos da bateria ou outros cabos do sistema de carga com o motor funcionando.

    No carregar a bateria com os cabos conectados.

    No soldar nenhuma parte do veculo com solda eltrica sem primeiro desconectar os cabos da bateria, do alternador e todos os passos do captulo Remoo dos componentes eletroeletrnicos >pgina 63.

    No tentar polarizar otestes, utilizar voltmetr

    No testar a bateria fcurto-circuito.

    5.1.2 Remoo dos componentes eletroeletrnicos

    1 Remover os cabos negativo (1) e positivo (2) da bateria e isol-los.

    torgui

    Em caso de montagemutilizar somente alterncaractersticas e ligado original do veculo, com diodo zener a fim deprejudiciais aos mdulos

    araara rot

    ira, rotra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    alternador. Para eventuais o ou lmpada de provas.

    echando seus terminais em

    2 Remover os coneccomo descrito a se

    de alternador adicional, adores com as mesmas em paralelo ao alternador

    reguladores retificados com evitar rudos de tenso eletrnicos.

    BateriaCabo negativoCabo positivo

    Puxe a trava amarela pO conector deslizar pRemova o conector e p

    recolocao.Levante a trava dianteRemova o conector e p

    recolocao.63 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    es do mdulo do motor MR r.

    cimaforaeja os terminais at a sua

    o conector deslizar para fora.eja os terminais at a sua

  • 5.1 Instalao eltrica

    5

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    3 Remover todos os conectores dos mdulos eletrnicos localizados embaixo do painel. Para ter acesso aos conectores, remova o porta objetos.

    4 Desligar o mdulo detratamento dos gases

    Nos veculos Accelo o mentre a caixa de batericonforme a figura abaixo.

    4.1 Puxe a trava amarela para baixo at que o conector deslize para fora. Retire o conector e proteja seus terminais at a sua recolocao.

    Central eltricaMdulos eletrnicos

    A96 - Mdulo SCRLocalizado na caixa de baterias

    o dnt

    qu

    SC badra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    controle do sistema de ps (SCR).

    dulo eletrnico encontra-se a e a longarina do chassi,

    Em caso de remodeve ser protegido coh sensores salientes

    Mdulo de controle do SCRMdulo de controle doAlojamento da caixa deTrava do conector do m

    Catalisador do SCR64 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    o escapamento, o mesmo ra impactos mecnicos pois e podem ser danificados.

    Rteriaulo de controle do SCR

  • 5.2 Tubulaes do sistema de combustvel e dos freios

    5

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    5.2 Tubulaes do sistema de combustvel e dos freios

    Antes de realizar trabalhoou corte com discos abtubulaes de material sido sistema de freios e chicotes eltricos a fimnecessrio desmontar as m

    Aps desmontagem e montagem das tubulaes, verificar a instalao quanto a perda de presso (estanqueidade).

    No devem ser fixados outros tubos nas tubulaes do sistema de freios.

    Na instalao de outras tubulaes prximas as tubulaes do sistema de freio devem ser utilizadas peas distanciadoras para evitar o atrito entre as tubulaes.

    Risco de acidente

    Se forem efetuados trabalhos de forma inadequada nas tubulaes do sistema de freio, de combustvel e cabos eltricos, o seu funcionamento poder ser afetado originando falha dos componentes ou peas relevantes segurana.

    As conexes e tubuladevem ser alteradas ou provocar vazamentos fortrabalhar por mais tempodo componente.

    O compressor de ar esuma vazo de ar contveculo e qualquer avaria

    Tubulaes plsticasra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    s de solda, furao, desbaste rasivos, deve-se proteger as nttico (tubulaes plsticas combustvel), bem como os de no danific-los. Se for esmas.

    es de ar comprimido no modificadas, pois isso pode ando o compressor de ar a , reduzindo assim a vida til

    t projetado para fornecer rolada para o sistema do pode reduzir sua vida til.65 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 5.3 Sistemas de comunicao mvel

    5

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    5.3 Sistemas de comunicao mvel

    No caso de montagem posterior de sistemas de comunicao mvel (por exemplo telefone, rdio comunicador etc.), devero ser cumpridas as seguintes exigncias, de modo que, evite-se mais tarde, avarias no funcionamento do veculo.

    1 Equipamento

    O equipamento deve ter uma licena oficial e atender as normas ISO 7637, ISO 11451 e CISPR25. Uma outra forma de atender as normas mencionadas verificar a existncia dfabricante, que indicaaprovado de acordo 04.104.EG, que tem questo.

    O aparelho deve estar b

    A utilizao de equipadentro da cabina depermitida atravs de uinstalada na parte exter

    Montar o componentsistema eletrnico do ve

    Proteger o aparelho ctemperatura de funcioncontra fortes trepidae

    2 Antena para rdio-co

    Observar as indicaesdo fabricante.

    A antena dever ter lice

    3 Ligao e instalao

    Ligao direta ao bornadicional.

    Tomadas de corrente paVolts), nos veculoalimentao 24V, somde tenso.

    Antes de dar partida nauxiliares (chupeta), instalao eltrica.

    Utilizar os cabos menortorc-los.

    Providenciar um boa localizado na carcaa d

    da cabina (antena e equipamento). Utilizar uma cabo de bitola adequado para antena e equipamento

    Instalar o cabo da antena, o cabo de ligao entre os componentes transmissores, receptores e de comunicao principal do veculo afastados do chicote eltrico do veculo.

    No emendar, dobrar nem esmagar o cabo da antena.

    s sn

    br

    binara montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    a marca CE na etiqueta do que o equipamento foi com a diretriz europia

    como base as normas em

    em fixado.

    mentos portteis ou mveis, conduo, somente ser ma ligao com antena fixa, na da cabina.

    e transmissor afastado do culo.

    ontra umidade, observar a amento admissvel, proteger s mecnicas.

    municadores

    e prescries de montagem

    na oficial.

    dos cabos

    e 30 atravs de um fusvel

    ra aparelhos 12V (Tenso em s em que a tenso de ente atravs de um conversor

    o veculo utilizando baterias desligar os aparelhos da

    es possveis, sem laos e sem

    ligao ao ponto de massa a embreagem ou no interior

    Observe as indicaee operacional Segura

    Ponto de massaLocalizado na carcaa da em

    Ponto de massaLocalizado no interior da ca66 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    obre a segurana do veculo a do veculo > pgina 10

    eagem

    , embaixo do painel

  • 5.4 Compatibilidade/ interferncia eletromagntica

    5

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    5.4 Compatibilidade/ interferncia eletromagntica

    Os diferentes consumidores eltricos provocam interferncias nos sistecomponentes de bordo. Ltda. verifica nos veeletromagntica dos eletrnicos montados de f

    No caso de montagem poou eletrnicos, tambm scompatibilidade eletromag

    A fim de se evitar peletromagnticas no sistenovos veculos com injetero o sistema de recentralizados e ligados ao

    Desta forma, qualquer equa ser instalado nessesinalizadores de alerta enecessitem de um ponto plo negativo conectado dda bateria, atravs do pcarcaa da embreagem (ve

    Caso o implemento ou eqcarcaa, ser recomendentre o mesmo e o ponto d

    As normas ISO 11451, ISOoferecem informaes interferncias eletromgne

    Observe as indicaes sobre a segurana do veculo e segurana operacional, Segurana do veculo >pgina 10 e Segurana operacional > pgina 11.

    da

    da cra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    mas de comunicao dos A Mercedes-Benz do Brasil culos a compatibilidade

    componentes eltricos e brica.

    sterior de sistemas eltricos er necessrio verificar sua ntica.

    roblemas de interferncias ma de massa do veculo, os o eletrnica de combustvel torno de massa (negativo) plo negativo da bateria.

    ipamento eltrico/ eletrnico s veculos (Por exemplo, acessrios em geral) que de massa, dever ter o seu iretamente ao plo negativo

    onto de massa existente na ja figura a seguir).

    uipamento tenha o massa na vel a conexo de um cabo e massa do veculo.

    11452, CISPR25 e CISPR12 sobre as questes de

    ticas.

    Ponto de massa na carcaa

    Ponto de massa no interior 67 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    embreagem

    abina, embaixo do painel

  • 5.5 Trabalhos de solda

    5

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    5.5 Trabalhos de solda

    Os trabalhos de solda no quadro do chassi s devero ser realizados por pessoal especializado.

    Para garantir que as peas eletrnicas fiquem protegidas contra sobretenso durante os trabalhos eltricos de solda, ser necessrio observar as seguintes medidas de segurana:

    Deve-se retirar os cabos, positivos e negativos das baterias e isol-los.

    Quando for efetuar trabalhos de solda na estrutura do veculo, desligar preveltricos do painel de eletrnicos a fim de evit

    Prender o terminal (garraparelho de solda, dsoldada. A corrente eatravs dos component

    Os eletrodos de solda, eletrodo e do cabo masdevero encostar nos cexemplo, as unidades deltricos.

    Antes de realizar os tmolas de modo a protsolda. No encostar o e

    No caso de soldas nasou tanques de combusremovidos.

    A solda em entalhe verticais da longarina do

    A fim evitar trincas pelaesmerilhar as costurasperfis angulares 90 d

    Deve-se evitar costuras

    A distncia entre asextremidades externas mm.

    Para obter maiores infoInstalao eltrica > componentes eletroeletr

    O terminal do cabo massa do aparelho de solda, no dever ser preso aos agregados (motor, caixa de mudanas, eixos etc). Em trabalhos de soldagem do veculo, o terminal do cabo massa do aparelho de solda, no dever estar preso a caixa de mudanas. Caso isso ocorra, a induo de corrente eltrica nos pontos de apoio ou contato dentro do agregado, podero gerar arcos voltaicos (fascas), ocorrendo

    ne

    pro

    o

    i (cs e

    .

    co1ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    iamente todos os conectores instrumentos e dos mdulos ar danos aos componentes.

    a jacar) do cabo massa do iretamente na pea a ser ltrica nunca dever passar es eletrnicos.

    o terminal (garra jacar) do sa do aparelho de solda, no omponentes eletrnicos (Por e comando) e nem nos cabos

    rabalhos de solda, cobrir as eg-las contra os pingos de letrodo ou garra nas molas.

    proximidades de tubulaes tvel, os mesmos devero ser

    s permitida nas almas chassi.

    penetrao da solda, deve-se de solda e refor-las com e chapa dobrada.

    de solda em raios de toro.

    costuras de solda e as dever ser, pelo menos, 15

    rmaes consultar captulo pgina 61 e Remoo dos

    nicos > pgina 63

    mudanas estruturaisendurecimento das mconduzem as falhasmudanas. No devesolda:

    em agregados comeixos, etc.

    no quadro do chassdistncia entre eixo

    nas abas do quadro

    Maiores informaesno quadro > pgina 868 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    essas superfcies causando smas. Estes danos prvios rematuras das caixas de ser efetuados trabalhos de

    motor, caixa de mudanas,

    om exceo da alterao da do quadro).

    nsultar captulo Soldagem

  • 5.6 Medidas de proteo anticorrosiva

    5

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    5.6 Medidas de proteo anticorrosiva

    Generalidades

    Para conseguir a durabilidade e a impresso de qualidade do veculo, necessrio tomar medidas para a proteo anticorrosiva em caso de alteraes no veculo, bem como durante a montagem de carroarias e peas de montagem.

    A seguir, encontram-se indicaes em relao construo, realizao de trabalhos e aos requisitos dos materiais e componentes a usar tendo em vista a proteo anticorrosiva.

    Para conseguir uma boareas de construo (1), tm de formar uma combi

    Desmontagem de compo

    Antes da montagem do ctodos os componentes ind(ETL). A seguir montagacabamento do chassis. Ea base para uma excelenchassis.

    Se o fabricante da construtivas no chassis, anticorrosiva nos respeccorresponder ao padro Benz. Os locais tm, ainddevida pintura. Para informpintura de reparao aprconsultar o departamentcnicas > pgina 14.Danos de componentes

    Se, durante a desmontadanificados (riscos, rasdevidamente reparados. Isorifcios e rupturas. Para a

    indicado o primrio epxido 2K. Os materiais de pintura indicados encontram-se nas pginas da Internet dos fornecedores de pintura de reparao aprovados pela Mercedes-Benz.

    Corte de componentes

    Antes de trabalhos de corte e retificao, deve-se proteger os componentes pintados adjacentes contra a projeo de fagulhas e de limalhas. O p e as limalhas devem ser cuidadosamente removidos, uma vez que podem disseminar a corroso. As arestas e os orifcios tm de ser bem rebarbados para garantir uma excelente

    a

    deimara osda.

    os denas

    eja

    osioniai

    Excelente proteo anticorrosiv

    sisra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    proteo anticorrosiva, as produo (2) e materiais (3) nao perfeita.

    nentes

    hassis, preciso aplicar em ividuais primrio com E-coat em, efetua-se a pintura de

    stes passos de produo so te proteo anticorrosiva do

    carroaria fizer alteraes tem de se repor a proteo tivos locais, por forma a de produo da Mercedes-a, de ser revestidos com a aes sobre fornecedores de ovados pela Mercedes-Benz, to responsvel Consultas

    gem ficarem componentes pes), estes devem ser to aplica-se especialmente a reparao, especialmente

    proteo anticorrosiva.

    Proteo anticorrosivmontagem

    As peas de reforo e generosa camada de prantes da montagem. Prevestimentos de ETL eespessura de camaespecialmente eficazes

    Aps efetuar os trabalhdeve-se realizar aesproteo anticorrosiva

    Aes durante o plan

    A proteo anticorrplanejamento e da cadequada dos matercomponentes.

    a

    Carroaria, pintura do chas69 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    em peas de reforo e de

    montagem tem de levar uma rio de proteo anticorrosiva alm das galvanizaes, os

    primrios ricos em zinco com suficiente provaram ser

    de implementao no veculo proteo da superfcie e de regies afetadas.

    mento.

    va deve fazer parte do struo atravs da seleo s e da configurao dos

  • 5.6 Medidas de proteo anticorrosiva

    5

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    Preveno da corrosoisolamentos eltricos

    Atravs da utilizao darruelas planas, buchas ocorroso por contato. Cono devem ficar muito tem

    Preveno atravs da configurao dos componentes

    Pode-se evitar a corroso atravs de medidas construtivas, classificando durante a disposio de unies entre materiais iguais ou diferentes.

    Os cantos, as arestas assim como as canaletas e bordas de perfis dobradas podem conter sedimentos de sujeira e umidade.

    A proteo anticorrosiva construtiva dever ser feita atravs da utilizao de superfcies inclinadas e escoamentos e evitando folgas nas unies dos

    ag

    ru

    as ntre

    iner

    Se houver a unio de dois materiais metlicos diferentes atravs de um eletrlito (como por exemplo a gua), d-se uma unio galvnica. Surge uma corroso eletroqumica que danifica o metal menos nobre. A corroso eletroqumica e tanto maior, quanto mais separados estiverem os metais afetados na linha de tenso.

    Por esta razo, atravs do tratamento correspondente dos codeve-se evitar a corrosoreduzida atravs da sele

    Deve-se evitar a seguintematerial:

    Cromo/nquel-ao com

    Cromo/nquel-ao com

    Isolantes eltricosArruela plana isolanteBucha de isolamentora montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    por contato atravs de

    e isolantes eltricos como u casquilhos pode-se evitar a ntudo, os pontos de ligao po expostos umidade.

    componentes

    5.6.1 Trabalhos de soldanticorrosiva

    Folgas devido a constforma de evit-las

    A figura abaixo mostra seja, evitando a folga edesfavorveis.

    Para evitar a corrososoldas, estes devem sexemplos seguintes.

    mponentes ou isolamento, eletroqumica ou mant-la o adequada dos materiais.

    combinao ao escolher o

    alumnio

    ao galvanizado

    Unies por soldaA - Favorvel (soldado)B - Desfavorvel (folga)70 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    em indicados como proteo

    o em unies soldadas e a

    unies por solda favorvel, ou os componentes e as unies

    tergranular nos cordes de realizados de acordo com os

  • 5.6 Medidas de proteo anticorrosiva

    5

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    Preparativos

    A rea a soldar no pode ter corroso, massa consistente, sujeiras ou outras impurezas do gnero. No caso de trabalhos de soldas em reas pintadas, preciso retirar primeiro a camada de pintura por polimento ou decapagem. A perda por fuso das camadas de pintura que possa ficar, pode prejudicar a resistncia corroso.

    Preveno atravs de revestimento

    Atravs da aplicao de revestimentos (como por exemplo galvanizao, pintura ou zincagem) protege-se o veculo contra corroso.

    Aps cada trabalho no v

    retirar as limalhas de fu

    rebarbar os cantos,

    remover as tintas qsuperfcies para pintura

    aplicar fundo de base pintadas,

    proteger as cavidades ede conservao,

    realizar medidas de proinferior do veculo e no

    5.6.2 Unies roscadas

    Componentes com pintura de acabamento

    Se for preciso aparafusar componentes com pintura de acabamento, as camadas de tinta usadas no podem entrar nas folgas de assentamento das unies roscadas. Nestes casos, deve-se usar tintas duras, por exemplo, revestimentos de ETL ou tintas em p. Assim, as espessuras das camadas devem ser mantidas o mais baixo possvel (ETL aprox. 20 m, tintas em p aprox. 100 m).

    Se forem usados parafusos com denteado sob a

    ven

    paorx

    o q

    ase ue cla, eos eme Dss

    derias.

    a so

    Evitar soldas de furos e dsuperfcies horizontais,corroso. Se tal for insoldas tem de ser conserdisso, devem ser evitadaa acumulao de umidadde furos de escoaminterrupes no cordo dra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    eculo deve-se:

    raes, lixamentos etc,

    ueimadas e preparar as ,

    e pintar todas as peas no

    os cantos estreitos com cera

    teo anticorrosiva na parte quadro.

    cabea, precisoacabamento para, ena pintura.

    Evite a utilizao deou parafusos com Tem determinadas umidade na cabea,

    Elementos de fixao

    Por princpio, nas resujeitas a corroso devh teste de spray dindependentemente daCumprem esta normarevestimentos galvnice revestimentos de laselagem (por exemplorecomendao VDA (AAutomvel) 235-104.

    O seu fornecedor informaes necessrevestimentos indicado

    Para dvidas sobre oUnies aparafusadas e

    e fendas, especialmente em devido ao perigo de evitvel, esses cordes de vados adicionalmente. Alm s construes que permitam e. Estas tm de ser providas ento adicionais ou de e solda.71 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    aplicar outra pintura de tualmente, atenuar os danos

    rafusos de cabea sextavada interior na horizontal, pois,

    circunstncias, acumula-se ue pode levar corroso.

    de parafusos, porcas, etc. sar-se um anticorrosivo (480 sal segundo a ISO 9227) sse de resistncia requerida. ntre outros, parafusos com selagem de pelcula espessa

    las de zinco adicionais com akromet ou Deltaseal), ver ociao Alem da Indstria

    parafusos presta-lhe as s para identificar os

    parafusamento, ver captulo ldadas > pgina 28.

  • 5.7 Trabalhos de pintura

    5

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    5.7 Trabalhos de pintura

    O chassi e as peas do veverniz de resina sintticapeas utilizar material c(pintura de fundo) e superficial), verificar se asevitar diferenas de corpossvel solicitar a Merinformaes sobre as tintaAntes de efetuar os trabatampar as seguintes regie

    Superfcies de contato tambores do freio

    Superfcies de contato d

    Flanges de acoplamenrvore de transmissauxiliares.

    Hastes dos mbolos(sistema hidrulico de condutor etc.).

    Todas as vlvulas pneumtico (ar comprim

    Respiros da caixa de mu

    Freios a disco.

    Para secagem da pinttemperatura de 80 C.

    Indicao relativa a proteo do meio ambiente

    Em caso de manuseio inadequado, as tintas e os vernizes so prejudiciais ao meio ambiente e a sade.

    Remova as tintas e os vernizes observando as disposies de proteo ao meio ambiente.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    culo esto revestidos com um . Em caso de repintura de onforme DIN DBL 7390.50 DBL 7391.60 (acabamento tintas so compatveis. Para ao pintar o veculo, ser cedes-Benz do Brasil Ltda.s de base e de acabamento. lhos de pintura, proteger ou s:

    entre os cubos de roda e os

    as porcas das rodas.

    to dos eixos de trao, da o e dos acionamentos

    dos cilindros hidrulicos basculamento da cabina do

    de comando do sistema ido).

    danas, eixos etc.

    ura, no deve-se exceder a 72 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 5.8 Motor

    5

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    5.8 Motor

    Ao alcance da audio do condutor existe um alarme de advertncia. Este alarme sonoro servir de advertncia ou aviso quando;

    for excedida a temperatura mxima admissvel do lquido de arrefecimento;

    o nvel do lquido de arrefecimento estiver muito baixo;

    a presso de leo do motor estiver muito baixa.;

    o nvel de leo do motor estiver muito baixo;

    forem excedidas as rota

    o filtro de ar do motor e

    Para equipamentos utilicondutor (Por exemplo:elevatria, guincho paracombate a incndio)adicionalmente, na regioequipamento, um dispositde advertncia). Este dispser controlado por um sistadicional ao sistema j exi

    5.8.1 Sistema de arrefecim

    O sistema de arrefecimenresfriador (radiador ar/ar)ar, canais de entrada darrefecimento etc.) no pgarantida uma passagearrefecimento.

    Manter sempre livre a radiador e ps-resfriado

    No fixar painis de adoutras peas decorativaresfriador impedindo a p

    5.8.2 Sistema de admisso do motor

    o or,

    ionrosams d

    xo deo

    r, o do

    s, te

    s etro (im

    desqu

    a d pria

    e res

    e ahuv quer

    Para maiores informaBenz do Brasil Ltda. atra(conceito de caminheConsultas tcnicas > pObservar as indicaes as instrues adicionais

    Se houver a necessidade de um circuito auxiliar de arrefecimento, alterao ou utilizao do circuito de arrefecimento do motor, a Mercedes-Benz do Brasil Ltda. dever ser consultada atravs do departamento TPV, (conceito de caminhes e suporte a clientes) Consultas tcnicas > pgina 14.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    es mximas do motor;

    stiver saturado.

    zados fora da cabina de veculos com plataforma automveis e veculos de dever ser instalado do painel de comando do

    ivo de advertncia visual (luz ositivo de advertncia dever ema de diagnstico de motor stente.

    ento do motor

    to do motor (radiador, ps-, grade frontal de entrada de e ar, circuito do lquido de ode ser alterado. Deve ficar m suficiente de ar de

    abertura de entrada de ar do r (grade frontal do veculo).

    vertncia, placas, guincho ou s na regio do radiador e ps-assagem do ar.

    Caso seja necessriadmisso de ar do mot

    Para garantir o funcde srie como filttubulaes, coxins (devero ser montadade srie.

    A velocidade do flucoletor e no coletor ser aumentadas. Nlivre.

    Aps o filtro de acoletores e a ligafiltro de ar no dever

    As unies, tubulaeo filtro de ar, devero100%.

    As unies, tubulaeexterno antes do filmodo que estanquegua.

    Na regio da tomadaso admissveis quai

    No montar a tomadredemoinho causadoconduo ou carroa

    Instalar a tomada ddistantes da poeira,

    Proteger a tomada dadequadas contra ccomo contra a guafor necessrio, prevdesvio dgua.

    es consultar a Mercedes-vs do departamento TPV, s e suporte a clientes) gina 14.

    do Manual de Operao e de utilizao.73 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    alteraes no sistema de deve-se observar que:

    amento, as peas fornecidas de ar, defletores dgua, ortecedor de vibraes) etc, o mesmo modo que a verso

    de ar na entrada, antes do ar de admisso, no devero reduzir a seo transversal

    as tubulaes, mangueiras, o indicador de saturao do ser alterados.

    mangueiras e coletores aps r estanqueidade (vedao) de

    mangueiras da tomada de ar , devero ser executados de pea) a entrada de poeira e

    ar (admisso do motor), no er alteraes.

    e ar da admisso na regio do elo fluxo de ar na cabina de .

    ar da admisso em regies pingos ou vapores dgua.

    r da admisso com medidas a e respingos dgua, assim e cai da calha da cabina. Se

    medidas para separao e

  • 5.9 Feixe de molas

    5

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    5.8.3 Sistema de Combustvel

    5.9 Feixe de molas

    Molas de parablicas

    As molas parablicassubstitudas.

    As lminas das molas substitudas individualm

    Utilizar somente molas sero permitidos refmontadas adicionalmen

    Durante os trabalhos dsuperfcie e a proteo molas.

    Antes dos trabalhos decontra pingos de solda.o terminal (garra jacar

    Utilizar somente Diesel S50.

    O abastecimento com qualquer outro tipo de combustvel, ou diesel com uma concentrao de enxofre maior que 50 mg/kg ir acarretar em danos ao motor e ao sistema de ps-tratamento.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    danificadas devero ser

    parablicas no devero ser ente.

    originais Mercedes-Benz. No oros atravs de lminas te.

    e montagem, no danificar a anticorrosiva das lminas das

    soldagem, cobrir as molas No encostar os eletrodos e ) para eletrodos nas molas.74 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 5.10 Basculamento da cabina

    5

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    5.10 Basculamento da cabina A cabina avanada tem como caracterstica o avano em relao ao eixo dianteiro e o sistema de basculamento. Portanto, para prevenir eventuais acidentes ou danos ao bascular a cabina para a frente, importante observar as seguintes orientaes:

    estacionar o veculo em local plano e acionar o freio de estacionamento;

    posicionar a alavanca da caixa de mudanas em neutro (ponto-morto)

    parar o motor;

    n

    aojet tot

    ple

    Risco de acidente e leso

    Antes de bascular a cabina de conduo, consultar o Manual de Operao do veculo.

    Caso contrrio, pode no ser possvel reconhecer determinados riscos, causando leses a s ou a terceiros.

    Evitar que pessoas fiqquando for basculada.

    Basculamento da cabinara montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    certificar-se de queinterior da cabina;

    observar que o esplivre de pessoas e obpermitir a inclinao

    fechar ou abrir comcabina.

    uem na frente da cabina 75 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    o haja objetos soltos no

    em frente ao veculo esteja os, e, que seja suficiente para al da cabina para frente;

    tamente a tampa frontal da

  • 5.11 Arranque por reboque e reboque do veculo

    5

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    5.11 Arranque por reboque e reboque do veculo

    Risco de acidente e leso

    Antes de realizar o reboque do veculo, consultar o Manual de Operao.

    Caso contrrio, pode no ser possvel reconhecer determinados riscos, causar um acidente e provocar leses a si prprio ou terceiros.

    Se no forem observadade Operao podero mudanas.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    s as informaes do Manual ocorrer danos a caixa de 76 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 5.12 Perigo de incndio

    5

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    5.12 Perigo de incndio

    Risco de incndio e exploso

    Se forem realizados trabalhos em cabos eltricos com alimentao existir perigo de curto-circuito.

    Antes de iniciar os trabalhos no sistema eltrico, separar a rede de bordo da fonte de alimentao, por exemplo a bateria.

    Em todas as implementaes deve-se assegurar que os objetos ou produtosoutras coisas, o vazameno alcancem agregadocaixa de mudanasturbocompressor ou sem

    Para se evitar um possvas respectivas cobrevestimentos evitando oinflamveis e as fontes dera montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    lquidos inflamveis (entre nto no sistema hidrulico) s aquecidos como motor,

    , sistema de escape, elhantes.

    el incndio deve-se instalar erturas, vedaes ou contato entre os produtos calor.77 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 6.1 Generalidades

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    6 Alteraes no veculo bsico

    6.1 Generalidades

    Antes de realizar trabalhos de solda, furao, desbaste ou corte com discos abrasivos, deve-se proteger as tubulaes de material sinttico (tubulaes plsticas do sistema de freios e combustvel), bem como os chicotes eltricos a fim de no danific-los. Se for necessrio desmontar as mesmas.

    Eventual aprovao de mchassi somente podero sBenz do Brasil Ltda. quapreviamente sem a realizaou reclculos de resistncacarretaro problemas funnem de durabilidade.

    Salientamos, ainda, qeventualmente processadmesmo que previamenteBenz do Brasil Ltda., sefabricante de carroafuncionamento e como a d

    Por questes de seguadmitidas alteraes no sde freios e fixao dos ped

    No permitido fazer nende processos de solda nnossa prvia autorizao,provenientes do prolongadescrito no captulo traseiro > pgina 97, ou eixos > pgina 88.Tambm no sero permitdo veculo, tais como moetc.

    As caractersticas da salteradas sem nossa autor

    No Brasil, de acordo com201/ 06, o veculo que esbsicas ou estruturas or

    distncia entre eixos (alongamento ou encurtamento) somente ser registrado, licenciado ou ter renovada sua licena anual quando a alterao for prviamente autorizada pela Autoridade de Trnsito e comprovada a segurana veicular por intermdio do INSTITUTO TCNICO OFICIAL.

    Em outros pases observar eventuais regulamentaes.

    Em casos especiais, sero permitidas furaes no quadro do chassi, conforme descrito no captulo Furaes no quadro do veculo > pgina 80

    boicao d

    utode der

    Para obter maiores infoInstalao eltrica >componentes eletroeleTubulaes do sistema d> pgina 65 e Trabalhosra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    odificaes no quadro do er concebidas pela Mercedes-ndo for possvel determinar, o de testes experimentais ia, que tais modificaes no cionais, nem de resistncia e

    ue quaisquer alteraes as no quadro do chassi, aprovadas pela Mercedes-ro de responsabilidade do rias, tanto quanto ao urabilidade.

    rana veicular no sero istema de direo, sistemas ais.

    hum tipo de fixao atravs as longarinas do chassi sem com exceo das emendas mento do balano traseiro Prolongamento do balano Alterao da distncia entre

    idas soldas nos componentes tor, caixa de mudana, eixos

    uspenso no podero ser izao.

    a resoluo do CONTRAN tiver com suas caractersticas iginais modificadas, como a

    Se for prolongado o turaios inferiores ao indescape e ps tratament

    As tubulaes ou conde roda sobressalente 200 mm do sistemapossvel, dever secomponentes ao calor.

    rmaes consultar captulo pgina 61, Remoo dos

    trnicos > pgina 63, e combustvel e dos freios de solda > pgina 68.78 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    de escapamento, no prever do no captulo Sistema de e gases (SRC) > pgina 32.s de plstico, cabos eltricos vero distanciar, no mnimo, escapamento. No sendo prevista proteo destes

  • 6.2 Material do quadro

    6

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    6.2 Material do quadro

    No caso de alterao da distncia entre os eixos, consultar capitulo Alterao da distncia entre eixos >pgina 88 e Prolongamento do balano traseiro >pgina 97, o material da pea de prolongamento e o reforo devero corresponder a qualidade e a dimenso do quadro do chassi de srie. As dimenses e o material das longarinas do quadro podero ser verificadas no captulo Aprovao da alterao da distncia entre eixos > pgina 88.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    79

    data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 6.3 Furaes no quadro do veculo

    6

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    6.3 Furaes no quadro do veculo

    No sero permitidas furaes:

    - Nas abas superiores e inferiores das longarinas do quadro do chassi, exceto furaes na extremidade traseira da longarina. No entanto, no devero ser feitas furaes nas regies que tenham a funo de sustentar peas fixadas a longarina.

    - Nas regies onde tenha variaes do perfil (Por exemplo, curvaturas, estreitamento ou retrao das longarinas do quadro).

    - Nos pontos de incidnjunto aos suportes das

    As furaes de fbrica, exinferiores das longarinas,Estas furaes no deverde agregados. Em casopodero ser feitas furaeque, seja observada as seg

    - Distncia a: no mnextremidades da longar

    - Distncia entre os furocentro a centro.

    - Dimetro mximo dos fu

    o dnor

    a, e

    raos.

    Furaes no permitidas

    atrahe

    p

    rinara montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    cia da carga (Por exemplo, molas).

    istentes nas abas superior e no devero ser alargados. o ser utilizados para fixao

    s estritamente necessrios, s na alma da longarina, desde uintes prescries.

    imo 45 mm a partir das ina.

    s b: no mnimo 50 mm de

    ros d: 18 mm.

    No prever a aplicalongarina (alma). Se necessrio providenciaambos os lados da alm

    Aps efetuada as fumandrilhar todos os fur

    Para maiores informBenz do Brasil Ltda. a(conceito de caminConsultas tcnicas >

    Furaes na alma da longa80 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    e fora na regio central da for possvel evit-la, ser

    apoio total da superfcie de vitando o efeito membrana.

    es, retirar as rebarbas e

    es consultar a Mercedes-vs do departamento TPV s e suporte a clientes) gina 14.

  • 6.4 Soldagem no quadro

    6

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    6.4 Soldagem no quadro

    Os trabalhos de solda no quadro do chassis s devero ser realizados por pessoal especializado. As abas inferiores e superiores das longarinas no devero ser soldadas (Exceto no caso de alterao da distncia entre eixos e do prolongamento do quadro).

    - Utilizar somente eletrodos secos (isentos de umidade), com revestimento a base de calcrio. Dimetro dos eletrodos: 2,5 mm.

    - A intensidade da corrente eltrica dever ser no mximo 40A (Ampre) por milmetro de dimetro do eletrodo, exemplo: paradimetro a corrente dev

    - Os eletrodos s devercontnua atravs do psoldagem vertical quaexecutada na ascendecima.

    - O terminal massa do apreso diretamente na pTrabalhos de solda >

    - A soldagem com gs ine

    - O material de deposimesmas propriedadeelasticidade e resistnc

    A fim evitar trincas poprofundidade, deve-se esmde solda e refor-las comcosturas de solda no convexas para se evitar podistncia entre as costuraexternas devero ser, pelo

    - No devero ser pr-aqcom limites mnimos deem qualidade TM e as epara o quadro.

    Eletrodo recomendado com revestimento bsico:

    - Para E 380 TM: Eletrodo de barra DIN 1913 - EY 5154 B 10.

    - Para E 500 TM: Eletrodo de barra DIN 8529 - EY 4664 MoB.

    Para os veculos cujo o material da longarina LN50, a soldagem dever ser efetuada de acordo com as prescries a seguir:

    Soldagem com eletrodos revestidos:

    - Eletrodos: E 6013 3m CC. ou CA. ou, E 7018 em CC.

    do

    de

    ico

    , d

    mi

    m gas

    est

    to , ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    um eletrodo de 2,5 mm de er ser 100 A.

    o ser soldados com corrente lo positivo. Por princpio, a

    ndo necessria, dever ser nte, ou seja, de baixo para

    parelho de solda dever ser ea a ser soldada. Consultar pgina 68.

    rte ser permitida.

    o na soldagem, dever ter as s mecnicas (limite de ia a trao) das longarinas.

    r penetrao da solda em erilhar as costuras (cordes) perfis angulares 90. As devero ser cncavas ou

    ntos de acumulo de tenso. A s de solda e as extremidades menos, de 15 mm.

    uecidos os aos de gro fino, elasticidade > 380 N/mm2

    spessuras de chapa utilizadas

    Parmetros:

    - conforme especifica

    - espessura do cordo

    Soldagem a arco eltr- MAG:

    - Eletrodos: ER 70S-6AWS A5.18.

    - Gs: CO2 100% ou CO2 18%.

    - Parmetros:

    - devero atender a uincandescente) que sem causar danoperfuraes.

    O bico da tocha deve

    Tanto o bico de contaisentos de respingosconstante limpeza.81 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    pelo fabricante dos eletrodos;

    10 a 15 mm.

    com gs de proteo ativo

    imetro 1,2 mm, vide norma

    stura gasosa Argnio 82% +

    caldeamento (unio metlica ranta a resistncia da solda as peas, por exemplo,

    ar no centro do bocal.

    como o bocal devero estar sendo portanto necessria

  • 6.5 Reforos

    6

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    6.5 Reforos

    Em caso de modificaes no quadro devem ser montados ngulos de reforo na parte interna ou externa.

    Aparafusar ou rebitar o ngulo de reforo e fech-lo com as superfcies frontais das abas internas e externas. Tanto quanto possvel, utilizar os furos j existentes na longarina do quadro do chassi.

    Na alma do quadro deve existir uma distncia suficiente entre o ngulo de reforo inferior e o superior.

    Conforme a posio de reforo aos elementos/rena longarina do quadro e s

    Posteriormente, aparafusquadro do chassi e nos caentre eixos ao prolongame

    Diminuio da distncia entre ea > 55mm

    rmia eiro.

    eix

    adrra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    corte, adaptar o ngulo de foros interiores j existentes oldar.

    ar o ngulo de reforo ao sos de aumento da distncia nto.

    ixos

    Para maiores infoAlteraes da distncdo bloco do eixo trase

    Aumento da distncia entrea > 55mm

    Reforo no quadroElemento interior do qungulo de reforo82 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    aes consultar captulo ntre eixos por deslocamento

    > pgina 90.

    os

    o

  • 6.6 Sistema de freios

    6

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    6.6 Sistema de freios

    Ao efetuar trabalhos no vetodas as normas de preven

    Devem ser respeitadas asdo respectivo pas.

    Freios a disco

    6.6.1 Sistema pneumtico de freios

    coo sintcom

    mdaadeci

    nu

    asoriapr

    cus es

    nto de

    Risco de acidente

    Se forem efetuados trabalhos de forma inadequada no sistema de freios, o seu funcionamento poder ser afetado. Isto poder originar falha dos componentes ou peas relevantes segurana. Deste modo, pode-se perder o controle do veculo provocando acidente e leses a si prprio ou terceiros

    Depois de efetuadas alteo mesmo dever ser tecentro de inspeo tcni

    A instalao de spoilers ncalotas nas rodas ou coboutros, no devero prefrigerao.

    Nota:

    No dever, em hiptese alguma, ser encurtado a tubulao metlica entre o compressor de ar e o secador do ar comprimido (junto com a vlvula APU), assim como a alterao de sua posio (tubulao e serpentina) para um local com restrio de

    a

    ub

    do

    at

    tara montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    culo, devem ser respeitadas o de acidentes.

    diretrizes e leis especficas A Mercedes-Benz retubulaes completa dsomente por material se aprovado (de acordo

    Nas alteraes do sistecasos de alterao prolongamento do qumerecem cuidados esp

    - Devero ser maqualificados;

    - Devero ser utilizadsomente conexes mesmas dimenses

    - Para os casos de endevero ser cortadoem seguida ligadooriginal;

    - Nos casos de aumetubulaes plsticasextremidade, isto

    raes no sistema de freio, stado e aprovado por um

    ca.

    o para-choque, assim como erturas nos discos de freio e rejudicar a ventilao e

    ventilao ou prximoambiente (exemplo:escapamento).

    Tab 1: Dimenses das t

    Tubulaes

    Tubulaes de coman(piloto das vlvulas)

    Tubulaes dos reserv

    Tubulaes de alimenvlvulas83 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    menda que substitua as istema pneumtico de freios tico (tubos plsticos) testado a norma DIN 74324).

    a de freios, por exemplo, nos distncia entre eixos ou ro, as tubulaes de freio ais:

    seadas por profissionais

    nas unies das tubulaes, ginais e tubulaes com as ovadas pela Mercedes-Benz;

    rtamento, os tubos plsticos m uma das extremidades, e novamente a sua posio

    da distncia entre eixos, as vem ser prolongadas em sua , junto ao componente

    regies de alta temperatura prximo ao sistema e

    ulaes de freio

    x esp. (mm)

    8x1

    rios 12x1,5

    o das 12x1,5

  • 6.6 Sistema de freios

    6

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    correspondente (reservatrios de ar, cilindros de freio, acionamento da reduo e bloqueio do eixo traseiro) realizando a unio. As unies das tubulaes pneumticas (Tecalon) devero ser executadas conforme figura a seguir;

    - Limpar, cuidadosamente, as tubulaes antes da montagem.

    Instalao das tubulae

    - Manter uma distncia secalor, peas com arestapeas mveis;

    - Para a fixao, utilizar (plstico). Distncia mxima entre

    - No permitida a utilizacompressor do ar e o setemperatura ambiente sistemas hidrulicos.

    Respeitar as seguintes condies base:

    No permitido emendas na regio de curvatura.

    O tubo em questo no pode estar numa rea visvel pelo lado de fora.

    Por princpio, os tubos que ficarem danificados ou dobrados na sequncia da desmontagem em veculos novos tm de ser substitudos.

    Se forem prolongados vrios tubos numa cablagem, tem de ser mudada a disposio dos pontos de separao.

    m uo tubeja

    madliga

    rasso,pro

    u

    or m

    ra a

    dr

    mpo s

    a

    eri, PA0.1

    s: gui09

    Unies de tubulaes pneumtConexo roscada de unioInsertoAnilha (junta)Flange (porca)Tubulao plsticara montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    s:

    gura em relao as fontes de s cortantes (cantos vivos) e

    cintas em material sinttico

    as cintas, 500 mm.

    o de tubos plstico entre o cador do ar comprimido se a

    for superior a 80C, nem em

    No caso de tubos co(medido da ligaprolongamento do peas de unio, ou sintermdio.

    No caso de tubos co10 m, s pode ser usa partir da parte de numa pea.

    Alteraes ou reparaa utilizao de outpermitidas. Neste caa partir do ponto do

    No ser permitida amaterial sinttico:

    - entre o compresscomprimido (junto co

    - quando a temperatu

    - Nem em sistemas hi

    Compressor de ar:

    - As tubulaes do code freios no dever

    - No ser permitidadicionais.

    Materiais:

    - Tubulaes em matpoliamida PA11PHLYDIN 74324, DBL 627

    - Tubulaes metlicamaterial CuZn 20 verde azeitona DIN 5

    icas84 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    m comprimento total1 < 10 m a ligao, incluindo o

    o), podem ser usadas duas , permitido aplicar um tubo

    um comprimento total de1 > a uma pea de unio, ou seja, o, tm de ser prolongados

    es posteriores que impliquem peas de ligao no so o tubo tem de ser substitudo longamento.

    tilizao de tubulaes em

    de ar e secador do ar a vlvula APU);

    mbiente for superior a 80o C;

    ulicos.

    ressor do ar para o sistema er encurtadas;

    a instalao de tubulaes

    al sinttico: utilizar somente 6.10 ou PA12PHLY segundo

    2;

    Tombak segundo DIN 1755, a 33 ou St35NBK cromado 61, DBL 4044.00.

  • 6.6 Sistema de freios

    6

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    Aps trmino dos trabalhos, verificar se o sistema de freios funciona perfeitamente.

    Os raios de curvatura nindicados.

    6.6.2 Montagem de conexes em tubulaes plsticas

    A figura abaixo mostra a utilizao do dispositivo de bater para montagem de conexes do tipo L em conjunto com o alicate de presso n 387 589 37 00.

    3xos

    pa 70em37

    pa 71em37

    A colocao de tubos adicionais ao longo da tubulao do sistema de freios s permitida com autorizao do departamento responsvel Consultas tcnicas > pgina 14

    Tab 2: Raios de curvatura (Tecalon)

    Tubo (mm) Espespared

    8

    10

    12

    15

    16

    18ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    o devero ser inferiores aos

    Alicate de presso (nmontagem de cone(Tecalon). Prende tub08, 10, 11, e 12 mm.

    Dispositivo de bater tipo L (n 350 470(Tecalon). Utilizado presso n 387 589

    Dispositivo de bater tipo L (n 308 476(Tecalon). Utilizado presso n 387 589

    para tubulaes plsticas

    sura da e (mm)

    Raios de curvatura (mm)

    1,0 40

    1,0 60

    1,5 60

    1,5 90

    2,0 100

    2,0 11085 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    87 589 37 00), utilizado para es nas tubulaes plsticas com dimetro externo de 06,

    ra montagem de conexes do 62) nas tubulaes plsticas conjunto com o alicate de 00.

    ra montagem de conexes do 24) nas tubulaes plsticas conjunto com o alicate de 00.

  • 6.6 Sistema de freios

    6

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    Mandril guia para montagem de conexes do tipo Terminal (n 350 470 7079 e n 403 990 01 67) nas tubulaes plsticas (Tecalon). Utilizado em conjunto com o alicate de presso n 387 589 37 00.

    A figura abaixo mostra a umontagem de conexestubulaes plsticas (Tecalicate de presso n 387

    6.6.3 Testes para verificao de estanqueidade

    Aps completada a emenda das tubulaes de ar, dever ser executado um dos testes descritos abaixo, para verificao de vazamentos:

    A Assegurar a mxima confiabilidade aos resultados a serem obtidos, torna-se imprescindvel a utilizao de uma maleta de teste, desenvolvida para testes do sistema de freio pneumtico.

    uee estrestere 3dev duem

    ex

    senesteaccula e

    cc

    mapre

    e c

    e e

    etrre .

    etou

    da am

    Ferramentas especiaisAlicate de presso n 387Dispositivo n 350 470 70Dispositivo n 308 476 71Mandril guia n 350 470 7

    s a seenzm pra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    tilizao do mandril guia para do tipo Terminal nas alon), em conjunto com o 589 37 00

    Para verificar a estanqservio traseiro deve-smaleta a tomada de tpneumtico estiver ppedal de freio at obpresso de frenagem dposio do pedal no medida no manmetrocomprovada a correta estanqueidade nas con

    Teste semelhante devede estacionamento comaleta a tomada de tedo freio de mo despressurizado) e veseqncia para avaliar

    Seqncia de teste (A

    1 Pressurizar o sistevlvula reguladora (

    2 Desligar o motor veculo.

    3 Desaplicar o freio d

    4 Verificar no manmdo circuito est enttrabalho de 8,5 bar

    5 Observar o manmminuto, e se no htambm comprovado freio de estacion

    589 37 00 62 240 79 e n 403 990 01 67

    Informaes referentedesta maleta poderoservios Mercedes-BTPV (conceito de caConsultas tcnicas >86 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    idade do circuito de freio de conectar um manmetro da e A. Assim que o sistema surizado deve-se acionar o no manmetro da maleta, 00 KPa (3 bar). Sem alterar a er haver queda de presso, rante 1 minuto para que seja enda entre as tubulaes e es do circuito de freio.

    r efetuado no circuito de freio ctando outro manmetro da B (figura a seguir). A partir ionado (sistema de freio o freado, efetuar a seguinte stanqueidade:

    elo 815, 915, 1016)

    de freio at descarga da sso de trabalho).

    alar as rodas traseiras do

    stacionamento.

    o da tomada B se a presso 8,1 e 8,5 bar para presso de

    ro da tomada B durante 1 ver queda de presso estar a estanqueidade de sistema ento.

    os fabricantes homologados r obtidas atravs da rede de atravs do departamento inhes e suporte a clientes) gina 14.

  • 6.6 Sistema de freios

    6

    Diretrizes pa

    Observar a

    Esquema pneumtico dos circuitos de freio

    Esquema pneumtico dos circuitos de freio1 - Compressor de ar;2 - APU Vlvula reguladora de presso e protetora 4 vias;3 - Vlvula do pedal de freio;4 - Vlvula manual do freio de estacionamento;5 - Reservatrios pneumticos;5.1 - Regenerativo (5 Litros)5.2 - Servio eixo dianteiro (20 Litros)5.3 - Servio eixo traseiro (20 Litros)6 - Vlvula rel;7 - Cilindro de membrana do freio dianteiro;

    Esquema pneumtico de freio 87ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

    8 - Cilindro combinado do freio traseiro (Tristop);9 - ALB Vlvula reguladora do freio conforme a carga;10 - Solenide de acionamento do freio motor;11 - Cilindro do freio motor.

    Pontos de medio:Tomada de teste A - Freio de servio traseiro (conexo 11);Tomada de teste B - Freio de estacionamento (conexo 12);Tomada de teste C - Freio de servio dianteiro;Tomada de teste D e E - Reservatrios e vlvula APU.

    B - Pode-se utilizar o manmetro original do painel do veculo para certificar-se que a presso de tra-balho de 850 Kpa (8,5 bar) do sitema pneumtico permanece inalterada.

    Pode-se tambm utilizar nas emendas da tubulao e conexo de freios, os mtodos tradicionais de verificao de vazamentos em sistemas pneumticos, porm, sempre em conjunto com o sistema descrito no item B.

    (4x2)

  • 6.7 Alterao da distncia entre eixos

    6

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    6.7 Alterao da distncia entre eixos

    Em caso de alterao da distncia entre eixos utilizar, preferencialmente, um chassi onde a distncia entre eixos de srie seja superior a distncia necessria ou a mais prxima possvel.

    Observar os valores alterados para o peso do chassi e o crculo de viragem. A Mercedes-Benz do Brasil Ltda. no far qualquer declarao sobre o comportamento em marcha, frenagem e direcional em veculos com alteraes extremas da distncia entre os eixos.

    Em veculos ACCELO, a alterao da distncia entre eixos dever ser executaddo deslocamento do eixotravessas. Caso no seja patravs do secionamentoconforme captulo Alterapor secionamento das pgina 90.

    Para qualquer caso de aeixos, os pesos brutos resdevero ultrapassar os vaem nossa literatura tcnic

    Campo de Aplicao

    As diretrizes presentes sdistncia de entre-eixos oroutra distncia padro dutilizao de rvores dintermedirios originais.

    6.7.1 Aprovao da alterao da distncia entre eixos

    Alteraes das distncias entre-eixos, somente sero passveis de uma eventual aprovao, mediante a

    esporm

    iind e

    nthasnde

    teroca mae

    andan s

    iteneno

    Ressaltamos que no Resoluo do CONTRANmodificada suas caraestrutura original, comsomente ser registradolicena atual quando aautorizada pela autoricomprovada a seguranaInstituto Tcnico credenc

    Consultas a respeito devero ser encaminhadas a Mercedes-Benz do Brasil Ltda. atravs do departamento TPV (conceito de caminhes e suporte a clientes) Consultas tcnicas > pgina 14.

    osdroaptstr

    a 1ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    a preferencialmente atravs traseiro e suas respectivas ossvel, proceder a alterao das longarinas do chassi, o da distncia entre eixos longarinas do chassi. >

    lterao da distncia entre-ultantes nos eixos e total, no lores mximos estabelecidos a.

    o vlidas para alterao da iginais dos veculos para uma os veculos Accelo, com a e transmisso e suportes

    apresentao dos corrdevero conter de frequisitos:

    - Esquema da distribucarregado, e, com centros de gravidade

    - Diagrama dos momedas longarinas do cresistentes correspo

    - Desenhos com as alque indiquem, a lespecificaes dasespecificaes dos nos reforos, dimens

    - Desenhos apresentrvores de trintermedirio(s) comtrabalho.

    Aps atendimento dos alterao da distncia tambm a apresentapara anlise.

    Brasil, de acordo com a 201/06, o veculo que tiver ctersticas bsicas ou a o a distncia entre-eixos, , licenciado ou renovada a alterao for previamente dade de Trnsito, e for veicular por intermdio de iado pelo INMETRO.

    Todavia, esses reforelasticidade do quaprescries para adauxiliar no captulo Ineixo veicular > pgin88 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    ondentes projetos, os quais, a detalhada os seguintes

    o de pesos, veculo vazio e icao dos correspondentes dimenses da carroaria.

    os fletores em toda extenso si, bem como, os momentos ntes.

    aes previstas para o chassi lizao das emendas com

    soldas, tipo de eletrodo, teriais que sero utilizados

    s dos reforos etc.

    o disposio de todas as smisso, e, suporte(s) eus respectivos ngulos de

    s acima, a aprovao final da tre-eixos, ficar condicionada de uma unidade modificada

    no podero prejudicar a do chassi. Vide demais ao de 3 eixo veicular ues para adaptao do 3

    67

  • 6.7 Alterao da distncia entre eixos

    6

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    A aprovao dessas alteraes, assim como, no caso da montagem de carroarias, s poder ser concedida eventualmente e apenas com relao a esttica e configurao do veculo, e, quando for possvel determinar previamente, sem realizao de testes experimentais ou reclculos de resistncia, e, que tais modificaes no acarretaro em problemas funcionais de resistncia e/ou durabilidade.

    No ser necessrio solicitar aprovao para as seguintes alteraes da distncia entre eixos:

    - diminuio da distncia entre eixos captulo Alterao da distnciaatravs de encurtamendesde que, seja respeiteixos para os veculos d

    - aumento da distncia eda distncia entre eixodiviso da longarina mxima entre eixos selongarina. No entanto,

    as presentes diretrizes para montagem das carroarias e equipamentos.

    Ser necessria solicitar aprovao se:

    - as alteraes da distncia entre eixos forem, respectivamente, superiores ou inferiores a maior ou menor distncia de entre eixos dos veculos de srie;

    - o prolongamento executado no corresponder aos entre eixos da tabela a seguir:

    Tab 3: Dimenses e mater

    Veculo Tra

    Accelo 915

    4xAccelo 815

    Accelo 1016ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    89

    data: 5/10/13

    a verso atualizada. entre eixos > pgina 88, to da longarina do quadro,

    ada a distncia mnima entre e srie.

    ntre eixos captulo Alterao s > pgina 88, atravs da do quadro at a distncia m alterar as dimenses da a execuo ter que atender

    As aprovaes sero concedidas pela Mercedes-Benz do Brasil Ltda. atravs do departamento TPV (conceito de caminhes e suporte a clientes) Consultas tcnicas > pgina 14, deve-se apresentar a proposta juntamente com 2 desenhos para a modificao e montagem. Aprovao da montagem de implementos > pgina 15

    ial das longarinas

    o Entre eixos (mm) Longarina

    Dimenses (mm) Material

    2

    3700 185x65x5LNE 50 (ABNT NBR 6656)

    4400 185x65x7

    3100 185x65x5

    LNE 50 (ABNT NBR 6656)3700 185x65x5

    4400 185x65x7

    3100 185x65x5

    LNE 50 (ABNT NBR 6656)3700 185x65x5

    4400 185x65x7

  • 6.7 Alterao da distncia entre eixos

    6

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    6.7.2 Alteraes da distncia entre eixos por deslocamento do bloco do eixo traseiro.

    Nos veculos Accelo possvel alterar a distncia entre eixos atravs do deslocamento do bloco do eixo traseiro na longarina do quadro.

    Para esta execuo, dever ser acrescentado um complemento de longarina na regio do balano traseiro com a medida desejada de alongamento. Informaes sobre as distancias entre-eixos esto descritas no capitulo Alterao da distncia entre eixos > pgina 88 .As sees a serem acrescbalano traseiro devem s1912.

    O prolongamento do chmaterial igual ao utlizado chassi (LNE50). Para desoldagem do perfil adicionpgina 81.

    6.7.3 Alterao da distncsecionamento das lo

    Nos veculos Accelo poseixos atravs do secionam

    O veculo dever ser estacchassi dever ser apoiadambos os lados e na remodificao (secionament

    Prever as linhas de cortefuros existentes na longari

    cor

    nc

    ns

    so

    a

    plo

    plora montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    entadas no prolongamento do er chanfradas conforme DIN

    assi dever ser feito com na construo do quadro do

    talhes sobre o processo de al. Soldagem no quadro >

    ia entre eixos por ngarinas do chassi.

    svel alterar a distncia entre ento das longarinas.

    ionado em superfcie plana. O o nas suas extremidades de gio onde ser efetuada a o), conforme mostra a figura.

    de modo que nenhum dos na do quadro seja cortado.

    No ser admissvel regies:

    - Nas regies de incid

    - Na regio da suspemolas

    - Na regio da suspen

    - Na regio de alterretrao do quadro)

    Pontos de separao (exem

    Pontos de separao (exem90 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    tar o quadro nas seguintes

    ia de carga;

    o prximo aos suportes das

    da caixa de mudanas

    o dos perfis (curva e/ou

    )

    )

  • 6.7 Alterao da distncia entre eixos

    6

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    Aps o corte, as longarinas do quadro do chassi, bem como as sees a serem acrescentadas nos casos de prolongamento da distncias entre eixos, devero ser chanfradas conforme DIN 1912 (Vide figura abaixo).

    Aps verificao do alinhados cortes/emendas devegarantir a resistncia, semquadro.

    Os reforos originais do considerados na nova dist

    Os reforos devero selongarinas atravs de parauto-travantes, utilizando longarinas do chassi. Nofixao nas abas das longa

    Os reforos devero ser de material idntico aos das longarinas do quadro, em perfil L de chapa de ao dobrada (no devero ser empregados perfis laminados de uso comercial).

    A fim de que os reforos possam ser fixados adequadamente, o excesso de solda das emendas nas superfcies internas das longarinas deve ser esmerilhado.

    Para orientao na confeco destes reforos, verificar as dimenses indicadas na figura a seguir. A utilizao de reforos com dimenses e formatos diferentes dos

    ap

    cia

    ga co

    Novos furos na alma danecessrios, devero indicado no capitulo Fur> pgina 80.

    Norma DIN 912E = Espessura da longarinaF = Face externa

    tre ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    mento do chassi, as regies ro ser reforadas de forma a prejudicar a elasticidade do

    quadro do chassi devem ser ncia entre eixos.

    r fixados nas almas das afusos com flange e porcas as furaes j existentes nas so admissveis pontos de rinas.

    indicados fica sujeito aBenz do Brasil Ltda.

    Diminuio da distn

    Aps o corte, as londevero ser chanfradas

    longarina, se estritamente ser realizados conforme aes no quadro do veculo

    Diminuio da distncia ena > 55mm91 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    rovao prvia da Mercedes-

    entre eixos

    rinas do quadro do chassi nforme DIN 1912.

    eixos

  • 6.7 Alterao da distncia entre eixos

    6

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    Reforo para diminuio da distncia entre eixos

    Para os trabalhos de solda eltrica consultar os captulos Instalao eltrica > pgina 61, Trabalhos de solda > pgina 68 e Soldagem no quadro > pgina 81.

    Os trabalhos de solda devero ser realizados po

    Risco de incndio

    Nos casos de trabalhos cdo tanque de combustremovido e protegido.

    10fac cra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    no quadro do chassis s r pessoal especializado.

    e exploso

    om solda nas proximidades vel, o mesmo dever ser

    Utilizar parafusos MBN*Distncia entre a quadro at a linha deexistentes.

    Detalhe do reforo92 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    105 ou DIN EN1665. e interna da longarina do entro das furaes originais

  • 6.7 Alterao da distncia entre eixos

    6

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    Aumento da distncia entre eixos

    Conforme a posio de corte, adaptar o ngulo de reforo aos elementos/reforos interiores j existentes na longarina do quadro e soldar. Posteriormente, aparafusar o ngulo de reforo ao quadro do chassi e ao prolongamento.

    Aps efetuadas alteraereforar o chassi com um

    6.7.3.1Reposicionamento das travessas no quadro do chassi.

    6.7.3.2Reposicionamento de componentes no chassi

    Com a modificao da distncia entre eixos, poder haver a necessidade de reposicionar componentes, tais

    be do

    es

    o easse

    loc eopr

    pat

    ui es

    os

    Utilizar parafusos MBN10*Distncia entre a facquadro at a linha de ceexistentes.

    Reforo para aumento da dist

    Elemento interior do quadrngulo de reforo

    No disponvel, para informaes consultar capitulo Consultas tcnicas > pgina 14.

    dao Furra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    s da distncia entre eixos, quadro auxiliar contnuo.

    como tanque de comreservatrio de ar. Estminimizado e, quanobservadas as orienta

    Para reposicionamentdever ser observadomanuteno, troca e abcombustveis devero vazamentos.

    Quando ocorrer o desdeve ser previsto ummanuteno/substituiposicionadas o mais partida.

    Igualmente deve-se manuteno dos reserv

    O reclculo da distribveculo pode serreposicionamento dest

    Os suportes originais ddevero ser mantidos.

    105 ou DIN EN1665. e interna da longarina do ntro das furaes originais

    ncia entre eixos

    o

    Novos furos na almanecessrios, deverindicado no captulo > pgina 80.93 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    ustvel, caixa de bateria e reposicionamento dever ser realizado, devero ser contidas nestas diretrizes.

    do tanque de combustvel spao livre suficiente para tecimento. Todas as linhas de r protegidas e isentas de

    amento da caixa de bateria spao livre adequado para , devendo as mesmas serem ximo possvel do motor de

    rever espao livre para rios de ar.

    o de cargas nos eixos do necessrio devido ao

    componentes.

    componentes reposicionados

    longarina, se estritamente ser realizados conforme aes no quadro do veculo

  • 6.7 Alterao da distncia entre eixos

    6

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    6.7.4 rvores de transmisso.

    A configurao correta dtransmisso evitar rudoSe possvel, utilizar peas

    - Nos casos de alterarespeitar a disposio ede transmisso, similar modelo e mesma distexecuo original.

    - O dimetro e a espessura da parede do tubo da rvore de transmisso devero corresponder as rvores de transmisso dos veculos de srie.

    - Se necessrio, utilizar mais do que uma rvore de transmisso com apoios intermdios.

    - Os ngulos de flexo devero ser iguais em ambas as articulaes (1 = 2). No devero ser maiores do que 6 nem inferiores a 1. ngulos de flexo maiores do que 6, assim como, erros no ngulo da flange (1 < > 2) resultaro em oscilaes da

    o. greco

    o

    es de

    osas.

    e-sm

    s oPara mais informaDisposio das rvopgina 161

    rvore de transmissoA - Comprimento da instalaoB - Comprimento admissvel do

    rvore de transmissoA - Comprimento da instalaora montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    o alinhamento da rvore de s e oscilaes ou vibraes. originais Mercedes-Benz.

    o da distncia entre eixos, o comprimento das rvores

    a um veculo de srie (mesmo ncia entre eixos), ou seja,

    rvore de transmissdurabilidade dos aeixos etc.), podendo

    - Na montagem deverdiretrizes.

    - Balancear as rvormontagem. Os pesosser removidos.

    - As superfcies dcompletamente plan

    - Na montagem, devconcordncia das transmisso

    - Eliminar as vibraede transmisso.

    es consultar captulo res de transmisso >

    eixo

    ngulos de flexo94 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    Estes ngulos influenciam na gados (caixa de mudanas, nduzir a avarias.

    ser observadas as presentes

    de transmisso antes da balanceamento no devero

    flanges devero estar

    e observar para que haja arcaes das rvores de

    timizando o ngulo da rvore

  • 6.7 Alterao da distncia entre eixos

    6

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    - Fixar os flanges das rvores de transmisso de maneira que as cruzetas das mesmas formem, entre si, ngulos de fase. Vide figura a seguir.

    Veculos com trao integral

    - Nos casos de alterao da distncia do entre eixos, s podero ser alteradas as linhas das rvores de transmisso depois da caixa de transferncia.

    - S poder ser encurtada a distncia do entre-eixos, at a distncia mnima do entre-eixos dos veculos de srie (execuo original).

    ngulo de acoplamento dos flanges nas rvores de transmisso

    O ngulo de acoplamento dos flanges devem obedecer a configurao conforme a figura abaixo, as cruzetas devem estar defasadas a 90

    , pes-Vonsdo o re

    flara montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    Em casos especiaisaprovao da Merceddo departamento TPsuporte a clientes) Cos desenhos contenrvore de transmiss(comprimento da rvo

    ngulo de acoplamento dosCM - Caixa de mudanasM - Mancal intermedirioET - Eixo traseiro95 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    odero ser enviados para Benz do Brasil Ltda. atravs , (conceito de caminhes e ultas tcnicas > pgina 14, as alteraes prevista na com as dimenses exatas e ngulos de flexo).

    nges

  • 6.8 Alteraes do quadro

    6

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    6.8 Alteraes do quadro

    No Brasil o balano trase60% da distncia entre eexceder a 3500 mm.

    - No sero permitidaschassi de srie do csemirreboque.

    - As cargas admissveis sexcedidas, e, a carga mdever ser atingida.

    - A fixao do para-choqnos veculos de srie.

    - Prolongar os quadros auquadro do chassi.

    - Dever ser verificado odo reboque.

    Prolongamento do quadro

    Para garantir uma resistncia suficiente a toro do balano do quadro traseiro, a distncia entre as travessas no devero ultrapassar os 1200 mm, verificar Prolongamento do balano traseiro >pgina 97.

    As alteraes no balano traseiro sero permitidas desde que sejam observadas as prescries do peso bruto total, carga admissvel por eixo e dos limites legais vigentes e/ou construtivos para o balano traseiro e tambm, dever ser observado que o ngulo de sada seja mantido dentro dos limites satisfatrios.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    iro no dever ultrapassar a ixos extremos, no podendo

    alteraes no balano do avalo mecnico, trao do

    obre os eixos no devero ser nima sobre o eixo dianteiro

    ue traseiro dever ser como

    xiliares at a extremidade do

    funcionamento das ligaes

    Prolongamento do quadro1 - Mximo 1200mm96 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 6.8 Alteraes do quadro

    6

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    Encurtamento do quadro

    Ao encurtar a extremidade do quadro, a travessa de fechamento dever ser deslocada para extremidade restante.

    6.8.1 Prolongamento do balano traseiro

    - Nos casos de prolongmontar travessas adiciofor superior a 1000 fechamento, existente no for deslocado para travessa adicional para caso, o peso rebocvel iveculo fica inalterado.

    - Se o balano mximo dpeso rebocvel indicadodever ser reduzido. Codo quadro dever reforado.

    O diagrama no dever sfor utilizado com reboques

    aham

    ar eira qu

    Para mais informaes consultar captulo Encurtamento do balano traseiro. > pgina 99

    DiagramaA - Peso rebocvel mximo (%)BT - ProlongamentoEE - Entre eixos

    Caso o comprimento do balano traseiro ultrapasse o valor mximo, ser necessrio a aprovao da Mercedes-Benz do Brasil Ltda. atravs do departamento TPV. (conceito de caminhes e suporte a clientes) Consultas tcnicas > pgina 14.

    pap.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    amento do quadro, deve-se nais, se a distncia entre elas mm. Caso a travessa de

    de srie (execuo original), traseira, deve-se montar uma fechamento do quadro. Neste ndicado na documentao do

    o quadro for ultrapassado, o na documentao do veculo nsultar o diagrama. O balano

    ser correspondentemente

    er aplicado quando o veculo de eixo central.

    - Reforar com chapaquadro auxiliar e fec

    - Unir o quadro auxiliapoio das molas trasMontar diagonais no

    Para a definio dotraseiro consultar ctraseiro > pgina 10397 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    travessa de fechamento do ento do quadro do chassi.

    ao quadro do chassi, entre o s e a extremidade do quadro.

    adro auxiliar.

    rolongamento do balano tulo Para-choque inferior

  • 6.8 Alteraes do quadro

    6

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    Para veculos que possuem outra travessa alm da travessa do feixe de molas, para fechamento do quadro, esta tambm poder ser reposicionada.

    Em ambos os casos, o prolongamento do quadro do chassi dever ser efetuado de acordo com as prescries tcnicas a seguir:

    1 A distncia entre a travessa traseira do feixe de molas e a travessa final de fechamento do quadro no dever ser superior a 1500 mm. Para alongamentos em que esta medida precisar ser ultrapassada, dever ser instalada uma travessa adicional eqidistante e a de fechamento do a seguir)

    2 O material utilizado pae para confeco defixao e reforos, qualidade equivalenteschassi.

    3 A soldagem dever indicaes do captulpgina 81.

    4 Aps a soldagem dachassi, aplicar reforoos lados do quadro. Pade solda e conservar arebitar ou aparafusar ras abas das longarina

    chanfradas nas extremidades. Na alma da longarina dever ser mantida uma distncia suficiente entre as cantoneiras de reforo superior e inferior.

    Aps a concluso dos trabalhos de prolongamento do quadro do chassi, verificar a necessidade de reposicionar as lanternas traseiras do veculo, a fim de garantir a adequada visualizao destes indicadores luminosos quando o veculo estiver em operao.

    Montagem da travessa adicion

    10

    fac c

    longra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    a travessa do feixe de molas quadro do chassi. (Vide figura

    ra prolongamento do quadro novas travessas, talas de deve ser de espessura e as do material do quadro do

    ser efetuada conforme as o Soldagem no quadro >

    s longarinas do quadro do s simetricamente em ambos ra evitar trincas nas costuras elasticidade das longarinas, eforos abrangendo a alma e s, em forma de cantoneiras

    al

    Utilizar parafusos MBN

    *Distncia entre a quadro at a linha deexistentes.

    Soluo para emendas de 98 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    105 ou DIN EN1665.

    e interna da longarina do entro das furaes originais

    arinas

  • 6.8 Alteraes do quadro

    6

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    6.8.2 Encurtamento do balano traseiro.

    Para os casos em que for necessrio encurtar o balano traseiro, a ltima travessa (de fechamento do quadro) no dever ser dispensada e sim deslocada para a extremidade restante do quadro, montando-se com os pontos de fixao conforme execuo original.

    Para veculos em que a ltima travessa (de fechamento do quadro) for a travessa do feixe de molas esta no dever ser avanada (vide Figura).

    Recomendamos que a extrcarroaria ou equipamentoextremidade traseira dafixao da travessa reposparafusos conforme DIN 9das travessas as longarina

    1 - Travessa de fechamento 2 - Travessa do feixe de molas3 - Longarina do quadro de cha4 - Talas de fixao5 - Parafusos de fixaora montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    emidade final da estrutura da no ultrapasse a 450 mm da

    s longarinas do chassi. A icionada dever ser feita por 60, classe 10.9. A soldagem s no ser admissvel.

    ssi99 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 6.8 Alteraes do quadro

    6

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    6.8.3 Travessa de fechamento do quadro do chassi

    Verso aparafusada:

    A fixao da travessadever ser feita com(execuo original).

    Manter a quantidade, resistncia dos parafuso

    Verso rebitada:

    A fixao da travessa de fechamento do quadro dever ser feita como nos veculos de srie (execuo original).

    Os rebites podero ser substitudos por parafusos e porcas com cabea tipo flange auto-travantes (DIN 960, classe de resistncia 10.9)

    Consultar captulo Prolongamento do balano traseiro > pgina 97 e Encurtamento do balano traseiro. > pgina 99.

    Consultar captulo pgina 28.

    Verso aparafusada.1 - Longarina do chassi2 - ngulos de reforo3 - Prolongamento do quadro4 - Parafuso de fixao5 - Travessa de fechamento dora montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    de fechamento do quadro o nos veculos de srie

    o dimetro e a classe de s.

    Unies aparafusadas >

    quadro100 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 6.9 Componentes e agregados adicionais.

    6

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    6.9 Componentes e agregados adicionais.

    6.9.1 Fixao ao quadro d

    Recomendamos a utilizde flange conforme a N13023, qualidade de mporcas auto-travantes.

    Utilizar as furaes exis

    Adaptar o nmero de pa

    Fixao lateral:

    Montar o suporte, a peproximidades de uma montadas travessas adireforo na regio da alma,

    No prever a aplicao dlongarina (alma). Se nonecessrio providenciar aambos os lados da alma, e

    6.9.2 Calos

    Fixao

    Num suporte adequado

    Com proteo para no se perder

    Facilmente acessvel

    6.9.3 Para-lamas e caixas de rodas

    A distncia do pneu ao para-lama ou a caixa de roda dever ser suficiente, mesmo quando estiverem montadas correntes para neve ou antiderrapantes, e,

    tota

    esina

    doro

    es

    vim

    pa

    de

    A utilizao de peas, agregados, equipamentos e acessrios no aprovados podero afetar a segurana do veculo

    Antes de realizar trabalhos nas estruturas adicionais, carroarias, montagem de equipamentos e acessrios no veculo bsico ou agregados, estritamente necessrio de Operao do vemontagem desses impleutilizao e montageimplementos.

    Caso contrrio, pode ndeterminados riscos, colou terceiros.

    A aceitao pelos serviopblicos ou as autorizaoficiais, no excluem os r

    Observe as leis especfdiretrizes e as regulamenra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    o chassi

    ao de parafusos e porcas orma Mercedes-Benz 10105 e aterial 10.9, passo 1,5 mm,

    tentes nas longarinas.

    rafusos a carga.

    a ou o componente nas travessa. No devero ser cionais. Montar chapa de lado interno do quadro.

    e fora na regio central da for possvel evit-la, ser poio total da superfcie de vitando o efeito membrana.

    em caso de flexo caso de toro).

    Observar as dimensoferta Accelo > pg

    6.9.4 Roda de reserva

    Fixao

    Segundo o desenholateralmente no quad

    Observar as prescri

    De fcil acesso e mo

    Com dupla proteo

    Observar as normas

    ler os captulos do Manual culo relacionados com a mentos e as instrues de m dos fabricantes de

    o ser possvel reconhecer ocando em perigo s prprio

    s de inspeo e de controle es concedidas por rgos iscos de segurana.

    icas do respectivo pas, as taes de licenciamento!101 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    l da suspenso (tambm no

    indicadas nos Desenhos de 199.

    chassi; embaixo do quadro, ou fixo na carroaria.

    legais.

    entao

    ra evitar a perda.

    Preveno de acidentes.

  • 6.9 Componentes e agregados adicionais.

    6

    Diretrizes pa

    Observar a s n

    Instalao de roda reserva para veculos VUC

    Para veculos que sero submetidos a adequao legislao VUC (Veculo Urbano de Carga), onde o comprimento total do veculo no deve exceder 5,5m, o balano traseiro dever ser encurtado atravs do corte das longarinas aps o suporte dos jumelos das molas traseiras.

    Com o corte das longarinas, o suporte de roda reserva perder sua posio de fixao, portanto, sugerimos

    verificar uma nova posio de montagem atravs da introduo do suporte de roda reserva proveniente do veculo Mercedes-Benz 710 (LN 710).

    Para realizar esta fixao da roda reserva, devero ser utilizadas as peas conforme figura e tabela a seguir para o posicionamento sob o balano traseiro do veculo:

    Tab 4: Peas de Fixao da

    Item Nmero

    01 A688 400 70

    02 A688 403 71

    03 A308 403 70

    04 A688 400 70

    05 A688 403 70

    06 A688 403 70

    07 A000 850 00

    Suporte da roda reserva.1 - Conjunto ala de fixaoi2 - Chapa de proteo3 - Pino roscado4 - Conjunto fechora montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    102

    data: 5/10/13

    a verso atualizada.nz,

    roda reserva

    Denominao Quantidade

    41 Conjuto de fixao 01

    44 Chapa de proteo 02

    75 Pino roscado 02

    68 Conjunto fecho 01

    19 Calo 01

    08 Reforo 01

    95 Conjunto corrente de segurana 01

    5 - Calo6 - Reforo7 - Conjunto corrente de segurana

  • 6.9 Componentes e agregados adicionais.

    6

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    6.9.5 Para-choque inferior traseiro

    No Brasil, a instalao de para-choques traseiros dever atender a legislao vigente, conforme resoluo do CONTRAN n 152/2003 e seu anexo. O posicionamento do para-choque traseiro e suas dimenses esto indicadas na figura.

    Dimenses de montagem

    Distncia entre a faixa (veculo descarregado):

    Largura mxima: = iguaequipamento, ou a distdos aros das rodas, o qu

    Largura mnima: = meno

    O referncia ser o eixo

    Altura do perfil do supomnimo.

    As extremidades latedevero possuir arestas

    O para-choque deve esextremidade traseira dfigura a seguir.

    pos e ab

    cupo dopoece

    O para-choque dever se

    Para-choque traseiro

    quera montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    :

    de rodagem e o para-choque 400 mm, no mximo.

    l a largura da carroaria ou do ncia entre as bordas externas e for maior;

    s (-)100 mm de cada lado.

    traseiro.

    rte transversal: 100 mm, no

    rais do para-choque no cortantes.

    tar localizado a constituir a o veculo, como mostra a

    O para-choque dever (45) nas cores branca50 mm conforme figura

    A sobreposio derodovirios em relaconjugadas dos vediminuio do seu camobservada a resoluoregulamenta o seu visualizao mnimos n

    r o limite traseiro do veculo.

    Para-choque caminho tan

    Faixas oblquas103 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    suir faixas refletivas oblquas vermelho, espessura da faixa aixo.

    carroarias/ implementos o as lanternas traseiras los, no devero causar de visualizao, devendo ser CONTRAN n 227/07, que

    sicionamento e campo de ssrios.

  • 6.9 Componentes e agregados adicionais.

    6

    Diretrizes pa

    Observar a

    Verificao da fixao e resistncia do para-choque.

    A resistncia do para-choque e de sua fixao, dever ser verificada atravs da aplicao de cargas horizontais aos pontos P1, P2, e P3, cujo localizao est indicada na figura a seguir.

    Aplicar aos pontos P1, P2 e P3 uma fora horizontal conforme descrito na tabela a seguir, porm, no

    aplicar uma fora superior a 100 KN nos pontos P1 e P3 e 150 KN no ponto P2.

    A deformao permanente mxima nos pontos P1, P2 e P3 aps o ensaio, no poder ser superior a 125 mm em relao a posio original. Consultar resoluo acima referida, para obteno dos demais detalhes.

    Tab 5: Pontos para aplicao de carga

    Veculo de carga e rebototal (kg)

    Acima de 4.600 at 6.500

    Acima de 6.500 at 10.00

    Acima de 10.000 at 23.5

    Acima 23.500104ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

    cado peso Foras (KN)

    em P1 em P2 em P3 Ordem de aplicao

    50 75 50

    P1, P3 e P20 60 90 60

    00 80 120 80

    100 150 100

  • 6.9 Componentes e agregados adicionais.

    6

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    6.9.6 Protetor lateral para veculos de carga

    No Brasil, a instalao de protetor lateral para veculos de carga com peso bruto total superior a 3.500Kg dever atender a legislao vigente, conforme Resoluo do CONTRAN n 323/2009 e seu anexo. O objetivo da Resoluo evitar ou minimizar colises, impedindo que motos, bicicletas ou veculos de pequeno porte penetrem na parte interior e sejam esmagados pelas rodas do caminho ou do rebocado

    No esto sujeitos ao cumprimento desta resoluo os seguintes veculos:

    I - Caminhes tratores;

    II - Carroarias ou platafoat 550 mm de altura

    III - Veculos concebidos especficos e onde, ppossvel prever no protetores laterais;

    IV - Veculos inacabados o

    V - Veculos e implemento

    VI - Viaturas militares;

    VII -Aqueles que possuam na carroaria o protetor lateral incorporado ao projeto original do fabricante.

    O rgo mximo executivo de trnsito da Unio analisar e decidir quais veculos se enquadram no inciso III.

    As tubulaes do sistema de freio, pneumticas e hidrulicas no devem ser fixadas ao dispositivo de proteo lateral.

    Na fabricao do protetor lateral dever ser prevista acesso aos componentes de abastecimento, reparo e manuteno preventiva tais como:

    Proteo latera montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    ral105 data: 5/10/13

    a verso atualizada.rmas de carga que estejam em relao ao solo;

    e construdos para fins or razes tcnicas, no for projeto a instalao dos

    u incompletos;

    s destinados a exportao;

    Roda de Reserva;

    Tanques de combustvel e ARLA 32;

    Filtro de ar;

    Bomba de combustvel;

    Chave geral;

    Remoo da tampa e baterias;

    Bomba de basculamento da Cabina, quando houver;

    Outros componentes conforme necessidade.

  • 6.9 Componentes e agregados adicionais.

    6

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    6.9.7 Montagem posterior de sistema de iluminao

    Embora os veculos Mercedes-Benz sejam equipados, de srie, com lanternas de sinalizao que atendem as normas vigentes no pais, tm-se constatado casos de veculos que recebem a aplicao de um nmero excessivo de lanternas adicionais, sobrecarregando diversos componentes do sistema eltrico e implicando, consequentemente, na possvel falha prematura dos mesmos.

    Visando evitar a sobrecarga de tais componentes, principalmente do interruptor das luzes, recomendamos que na eventual aplicao de lanternas/ lmpadas adicionais, na cabina, carroaria ou semireboque, seja introduzido um circuito de proteo (composto por rel auxiliar + fusveis).

    6.9.8 Iluminao Veicular Traseira

    A iluminao traseira dos veculos implementados devem obedecer as seguintes consideraes conforme Resoluo CONTRAN N 692/88.

    Iluminao VA - LanternaB - Lanterna C - Lanterna D - Lanterna ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    106

    data: 5/10/13

    a verso atualizada.eicular Traseira indicadora de direode freiode posio e Retrorefletoresde marcha--R

  • 6.10 Cabina de conduo

    6

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    6.10 Cabina de conduo

    O funcionamento, acesso e estabilidade dos agregados, equipamentos e dispositivos de acionamento, assim como, a estabilidade das peas portantes, no devero ser prejudicados por alteraes na cabina de conduo.

    Se a cabina de conduo basculante for ligada de modo fixo a carroaria ser necessrio a aprovao da Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

    Para montagem de outros equipamentos e/ou estruturas no teto da cabina, por exemplo, ar condicionado ou leito para dormir, ser necessrio a aprovao da Mercedes-Be

    6.10.1Prolongamento da cabina de conduo

    6.10.2Prolongamento da cabina avanada

    A cabina avanada basculvel no est dimensionada amo

    emor e to, veto raapina

    Para aprovao consultaLtda. atravs do departacaminhes e suporte a c> pgina 14. Para maicaptulo Aprovao da > pgina 15.

    No se aplica, para informaes consultar Consultas tcnicas > pgina 14.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    nz do Brasil Ltda.para eventuais prolongarticulao e sustentacondies originais.

    Portanto, nos casos cabinas avanadas fveculos de combateltricos, cabinas-leiequipamentos responsdesenvolver um projeMercedes-Benz do Bconforme disposto no cde implementos > pg

    r a Mercedes-Benz do Brasil mento TPV, (conceito de

    lientes) Consultas tcnicas s informaes consultar o montagem de implementos 107 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    entos, e, o seu sistema de adequado somente para as

    que o prolongamento das necessrio, por exemplo;

    a incndio, equipamentos etc., o fabricante de

    l por tal modificao dever especfico e encaminhar a

    sil Ltda. para aprovao, tulo Aprovao da montagem 15.

  • 6.11 Sistema eltrico

    6

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    6.11 Sistema eltrico

    Nos veculos da srie Accelo utilizado um novo conceito de distribuio de massa (retorno do negativo).

    O retorno de massa dos consumidores eltricos no ser feito atravs do quadro do veculo, mas sim atravs de um ponto de massa na carcaa da embreagem ligado ao plo negativo da bateria. Consultar captulo Compatibilidade/ interferncia eletromagntica >pgina 67.

    Se o retorno do massa foveculo, podero surgir dmotor e da caixa de mud

    Caso o quadro auxiliar como retorno de maseletricamente o quadro localizado na carcaa devitar danos.

    Qualquer interveno inaeletrnicos e respectivfalhas de funcionamentodos sistemas eletrnicossistemas que no tenham

    As falhas de funcionampodem comprometer conde funcionamento do seura montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    r feito atravs do quadro do anos aos componentes do

    anas.

    da carroaria seja utilizado sa, ser necessrio ligar auxiliar ao ponto de massa a embreagem, de modo a

    dequada nos componentes o software podem causar , isto devido interligao , podendo surgir avarias nos sido alterados.

    ento do sistema eletrnico sideravelmente a segurana veculo.108 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 6.12 Instalao da chave geral

    6

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    6.12 Instalao da chave geral

    Nos veculos Accelo est disponvel opcionalmente o acessrio chave geral.

    Caso o seu veculo no esteja equipado e seja necessrio a instalao deste acessrio, o veculo dever ser encaminhado rede de servios autorizada Mercedes-Benz para que a montagem seja feita de maneira adequada.

    Adicionalmente a monsubstituio dos caboinstalado tambm o cosistema responsvel pelaARLA 32, isto tambmparmetros no modlo edo motor e ps tratamen

    As peas necessriasrelacionadas nas Insdisponveis na rede de cservios autorizados Mer

    Nos veculos Accelo BLUP7) no ser admissvel atravs da interrupo cumprimento desta regrasistema de injeo de ARra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    tagem da chave geral e s de baterias, deve ser njunto de componentes do limpeza das tubulaes de envolver mudanas de letrnico de gerenciamento to.

    para instalao esto trues de servio e oncessionrias e postos de cedes-Benz.

    ETEC 5 (Resoluo Conama a instalao da chave geral do cabo da bateria. O no ir acarretar em danos no LA 32.

    Chave geral109 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 6.12 Instalao da chave geral

    6

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    6.12.1Limpeza do sistema de tratamento de gases.

    Nos veculos Mercedes-Benz com tecnologia Bluetec 5, o sistema de injeo de ARLA32 possui um dispositivo que ativa automaticamente, momentos aps o desligamento do motor, a limpeza das tubulaes, vlvulas, bomba dosadora e injetor. O sistema de limpeza atua de diferentes formas, conforme descrito a seguir:

    6.12.1.1Veculo sem chave geral

    6.12.1.2Veculos com chave geral

    Funcionamento do sist

    Quando o motor funcionpara injeo do ARLA32procedimento de limpeza

    Quando o motor funcionainjeo do ARLA32, desligamento do motodescarga de ar com dura15s.

    Conjunto vlvula pneumtica paSuporteVlvula pneumtica SCR

    ist

    ionA3or oxio o

    ion, otour

    pos qe a

    ione a umdo

    a p

    ta)ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    ema de limpeza

    a e no atinge as condies o sistema no executa o .

    e atinge as condies para alguns segundos aps o r ocorrem 5 pulsos de o de 30s e intervalos de

    ra SCR (sem chave geral)

    Funcionamento do s

    Quando o motor funcpara injeo do ARLdesligamento do motcontnua durante aprseja descarregado tod

    Quando o motor funcinjeo do ARLA32desligamento do mdescarga de ar com d15s. Aps o intervalo um pulso contnuo atarmazenado no tanqu

    Quando o motor funcinjeo do ARLA32 desligada antes dadesligamento ocorre at que o ar, destinatanque auxiliar acabe.

    Conjunto vlvula pneumticSuporteVlvula de retenoVlvula limitadora de

    pressoVlvula solenide (aber110 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    ema de limpeza

    a e no atinge as condies 2, alguns segundos aps o ocorre uma descarga de ar madamente 4 min. at que ar do tanque auxiliar.

    a e atinge as condies para alguns segundos aps o r ocorrem 5 pulsos de

    ao de 30s e intervalos de terior ao 5 pulso, acontece

    ue o ar destinado limpeza, uxiliar acabe.

    a, atinge as condies para chave geral da bateria limpeza, logo aps seu a descarga de ar contnua limpeza, armazenado no

    ara SCR (com chave geral)Vlvula solenide Conjunto reservatrio de ar

    (5,4 litros)Conjunto suporte

    8 Reservatrio de ar

  • 6.13 Sistema eltrico

    6

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    6.13 Sistema eltrico

    Nos veculos da srie Accelo utilizado um novo conceito de distribuio de massa (retorno do negativo).

    O retorno de massa dos consumidores eltricos no ser feito atravs do quadro do veculo, mas sim atravs de um ponto de massa na carcaa da embreagem ligado ao plo negativo da bateria. Consultar captulo Compatibilidade/ interferncia eletromagntica >pgina 67.

    !Se o retorno do massa foveculo, podero surgir dmotor e da caixa de mud

    Caso o quadro auxiliar como retorno de maseletricamente o quadro localizado na carcaa devitar danos.

    Qualquer interveno inaeletrnicos e respectivfalhas de funcionamentodos sistemas eletrnicossistemas que no tenham

    As falhas de funcionampodem comprometer conde funcionamento do seura montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    r feito atravs do quadro do anos aos componentes do

    anas.

    da carroaria seja utilizado sa, ser necessrio ligar auxiliar ao ponto de massa a embreagem, de modo a

    dequada nos componentes o software podem causar , isto devido interligao , podendo surgir avarias nos sido alterados.

    ento do sistema eletrnico sideravelmente a segurana veculo.111 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 6.14 Tomada de alimentao para consumidores adicionais

    6

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    6.14 Tomada de alimentao para consumidores adicionais

    No caso de montagem posterior de consumidores eltricos, deve-se observar o seguinte:

    - Atravs de um pedido especial, ser possvel fornecer de fbrica uma tomada 12V para alimentao do reboque (adaptador), baterias e geradores mais potentes.

    - Antes de iniciar qualquer trabalho na instalao eltrica, deve-se desligar todos os consumidores, chave geral e os bornesa ligar os bornes dasligaes soltas estiverem

    - No ligar consumidoreocupados. Para instalautilizados os fusveis necessrio, prever a insfusveis no espao dispo

    - Se for necessrio instamontagem dos mesmospara esta finalidade.

    - No ligar cabos adicionexemplo, ligao com c

    - Proteger suficientemende fusveis adicionais.

    - A tomada para alimenequipamentos 12V, taisequipamento de som sde um conversor de tetomada de corrente de

    No caso da montagem adicionais em veculos exemplo, vlvulas magntcirculao da corrente elcriteriosamente, de modooutros circuitos eltricos gerados pelos equipament

    Por este motivo, somevlvulas magnticas comdos circuitos positivo e especificaes j apresent

    6.14.1Cabos eltricos

    No caso de prolongamento de cabos eltricos, dever observar-se o seguinte:

    - S devero ser utilizados cabos FLR, de seo

    transversal (mm2), cor e caractersticas iguais as dos cabos de srie (execuo original).

    - Devero ser utilizados terminais eltricos originais Mercedes-Benz.

    - As ligaes de cabos eltricos s podero ser feitas atravs das caixas de derivao.

    regui

    s os ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    das baterias. Somente voltar baterias quando todas as novamente ligadas.

    s adicionais em fusveis j es adicionais podero ser disponveis (reserva) e, se talao de mais uma base de nvel na central eltrica.

    lar rels adicionais, prever a nos espaos vazios previstos

    ais aos cabos existentes (por orte do cabo e emenda).

    te os consumidores atravs

    tao (corrente eltrica) de como rdio comunicador e poder ser efetuada atravs nso. No ser permitida a

    uma nica bateria.

    posterior de equipamentos tratores e reboques (Por

    icas), a conexo dos fios e a trica devero ser executadas a evitar interferncias aos devido aos picos de tenso os deste tipo.

    nte devero ser utilizadas diodo integrado. A conexo massa devero obedecer as adas neste manual.

    - Os cabos devem serconforme figura a se

    - Os cabos para ABS os conjuntos de cabveculo.

    1 Tubo ondulado112 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    vestidos com tubos isolantes r.

    podem ser prolongados com aprovados para o modelo do

  • 6.15 Acelerador auxiliar (remoto)

    6

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    6.15 Acelerador auxiliar (remoto)

    Existem recursos do mdulo de comando eletrnico FR/CPC que podem ser utilizados, quando da necessidade de controle de rotao do motor, fixa ou varivel, para o acionamento de equipamentos tais como guindautos, guincho socorro, poliguindaste, cesto areo, tanques com bomba etc.

    Atravs do mdulo FR/CPC possvel o controle de rotao fixa do motor, que j vem programado de fbrica.

    Para o controle de rotao varivel est disponvel opcionalmente nos vecuvendas MT5, que preveltrico do veculo. Caso este opcional e sendo necvarivel, o mesmo deverservios autorizada Mercdeste opcional atravs de

    Normalmente, o controequipamento est assoctomada de fora na caixa d

    Mdulo FR/CPC

    O mdulo eletrnico FR/ CPC disponvel de fbrica possui duas programaes que permitem o controle de rotao, conforme indicado na tabela a seguir.

    1 - Interruptor da tomada de fo

    Tab 6: Controle de rotao

    Veculo Verso do FR Controle de RotaoRotao

    (rpm)

    FR/CPC - MPS Fixa700 para

    PS5 l)

    adquin-Bera montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    los, atravs do cdigo de a preparao do sistema o veculo no tenha montado essrio o controle de rotao ser encaminhado a rede de edes-Benz para a montagem Instruo de Servio.

    le de rotao para um iado a um dispositivo de e mudanas.

    ra

    Accelo FR/CPC - MCode MT(opciona

    (*) Rotaes programalterada atravs de ea rede de concessioautorizados Mercedes113 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    1200 (*)

    + Varivel

    700 at 1800 (*)

    as de fabrica podendo ser pamentos apropriados junto rios e postos de servios nz.

  • 6.15 Acelerador auxiliar (remoto)

    6

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    Identificao do mdulo FR/CPC e code MT5 no veculo

    Mdulo FR/CPC

    Pressionar a tecla de seleo (2) em Exibir menus de informao at aparecer no mostrador (1) o smbolo FR/CPC e a indicao do nmero do mdulo, conforme indicado na figura.

    De posse do nmero conposto de servio autoatravs do EPC (Catalogoinformar a verso do mveculo. Na figura exempCPC Light.

    Code MT5

    Atravs da central eltrica localizada embaixo do painel do lado do acompanhante, existem encaixes disponveis na lateral da rgua de rels, onde so anexados os soquetes dos minis rels, fornecidos no chicote adicional A 979 540 42 05.

    Painel de instrumentos1 Mostrador2 Boto de controle

    Mostrador com Indicao FR/C1 N do mdulo FR/CPC (0

    9 5.c

    a, Kra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    sultar um concessionrio ou rizado Mercedes-Benz, que Eletrnico de Peas) poder dulo FR/CPC instalado no lo a verso do mdulo FR/

    PC.02 446 18 02).

    Central eltrica Accelo (A97Rels K121.a, K121.b e K121

    Central eltrica Accelo1 Disposio rels K121.114 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    89 30 21)

    121.b e K121.c

  • 6.15 Acelerador auxiliar (remoto)

    6

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    A partir do conector X1.1 cabe ao implementador efetuar a instalao das teclas no chassi (na regio que melhor atender s necessidades do usurio).

    6.15.1Complementao acelerador externo - rotao varivel

    Estando o veculo preparado com o opcional (code MT5) ser necessrio uma complementao para o controle externo de acelerao.

    As peas necessriasrelacionadas nas Insdisponveis na rede de cservios autorizados Mer

    Interruptor de acionamrotao fixa ou variv> pgina 178.

    Central eltrica AcceloDisposio conector X1.1

    As peas necessrias para esta complementao esto disponveis em nossa rede de concessionrios e postos de servios autorizados Mercedes-Benz.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    para instalao esto trues de servio e oncessionrios e postos de cedes-Benz.

    ento da tomada de fora - el Esquema de montagem

    Complementao pgina 178.115 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    acelerador externo >

  • 6.16 Esquemas eltrico

    6

    Diretrizes pa

    ! Observar a s n

    6.16 Esquemas eltrico

    Tab 7: Esquema eltrico Accelo 915

    Denominao Arquivos Link

    Esquema eltrico geral A979 540 04 00

    Tab 8: Esquema eltrico Accelo 815/ 1016

    Denominao Aquivos Link

    Esquema els indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    116

    a verso atualizada.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    trico geral A979 540 05 00

  • 6.17 Tomadas de fora auxiliares

    6

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    6.17 Tomadas de fora auxiliares

    Tomada de fora no disponvel de fbrica, para informaes consultar capitulo Caractersticas tcnicas das tomadas de fora > pgina 166 ou a Mercedes-Benz atravs de Consultas tcnicas >pgina 14.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    117

    data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 6.18 Tomada de fora auxiliar acoplada a caixa de mudanas

    6

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    6.18 Tomada de fora auxiliar acoplada a caixa de mudanas

    Tomada de fora no disponvel de fbrica, para informaes consultar capitulo Caractersticas tcnicas das tomadas de fora > pgina 166 ou a Mercedes-Benz atravs de Consultas tcnicas >pgina 14.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    118

    data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 6.19 Tomada acionada pelo motor

    6

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    6.19 Tomada acionada pelo motor

    6.19.1Tomada de fora traseira, acionada pelo volante do motor

    6.19.2Montagem de bomb

    6.19.3Acoplamento do eq

    6.19.4Bomba de basculam

    No se aplica, para informaes consultar capitulo Consultas tcnicas > pgina 14

    No se aplica, para infoConsultas tcnicas > p

    No se aplica, para infoConsultas tcnicas > p

    No se aplica, para infoConsultas tcnicas > p

    No se aplica, para infoConsultas tcnicas > pra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    a acoplada

    uipamento auxiliar.

    ento

    rmaes consultar capitulo gina 14

    rmaes consultar capitulo gina 14

    rmaes consultar capitulo gina 14

    rmaes consultar capitulo gina 14119 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 6.20 Montagem das rvores de transmisso

    6

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    6.20Montagem das rvores de transmisso

    Na montagem das rvorobservar:

    - As diretrizes do fabricanrvores de transmisso

    - Se necessrio, utilizar vcom apoios intermdios

    - As superfcies doscompletamente planas.

    - Os ngulos de flexo dearticulaes (1 = 2).que 6, nem inferiormaiores do que 6, assflange (1 < > 2) rervores de transmissona durabilidade dos agavarias.

    - Balancear as rvores montagem. Os pesos deser removidos.

    - Na montagem, deve-sconcordncia das mtransmisso

    - Eliminar as vibraes ode transmisso.

    Tipos de flexo.

    (fle

    s (

    dimde

    r o

    ngulo de flexora montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    es de transmisso, deve-se

    tes relativa a montagem das .

    arias rvores de transmisso .

    flanges devero estar

    vero ser iguais em ambas as No devero ser maiores do es a 1.ngulos de flexo im como, erros no ngulo da sultaro em oscilaes das . Estes ngulos influenciam

    regados, podendo conduzir a

    de transmisso antes da balanceamento no devero

    e observar para que haja arcaes das rvores de

    timizando o ngulo da rvore

    Flexo em um plano

    Flexo em W ou Z.

    Flexo em dois plano

    Nos casos de flexo trisecundrio cruzam-se combinada W e Z).

    A fim de compensainteriores da articuladesalinhada.

    Tipos de flexo120 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    xo bidimensional).

    flexo tridimensional).

    ensional, o veio primrio e o slocados no espao (flexo

    irregularidades, as cruzetas devero dispor-se de forma

  • 6.21 Acoplamento ou engate para reboque

    6

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    6.21Acoplamento ou engate para reboque

    - A montagem do acoplamento (engate) traseiro para reboque dever atender a legislao vigente e as normas de segurana dos respectivos pases.

    - Considerar as medidas do espao livre de acordo com a norma DIN 74058

    - Somente dever ser utilizado acoplamentos aprovados pela Mercedes-Benz do Brasil Ltda., assim como, as travessas terminais (travessas de fechamento do quadro) originais Mercedes-Benz.

    - Para a instalao do acodever ser reforada detrao do engate traseirde ligao conforme as

    e avea taes

    Ena don

    ravn

    d ex

    Medidas de espao livre

    ava dme

    s> pra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    plamento a travessa terminal acordo com a capacidade de o e dispor de tirantes ou talas seguintes situaes:

    Para os veculos qufechamento alm da trinstalada uma travessprevisto elemento de ligo devido reforo a capacidade do engate.dever ser mantida umpara possibilitar a macoplamento na tProlongamento do bala

    - Para determinar asobservar as furaes

    Para montagem denecessria uma aproBrasil Ltda., conformeda montagem de imple

    Para calcular as dimeno captulo Clculos

    Medidas de espao livre121 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    possuem uma travessa de ssa das molas, ou quando for raseira adicional, dever ser o, tirante, a fim de assegurar trutura de acordo com a tre as duas ultimas travessas istncia mnima de 350 mm, tagem e desmontagem do essa. Consultar captulo o traseiro > pgina 97.imenses do acoplamento, istentes na travessa terminal.

    coplamentos curtos, ser o da Mercedes-Benz do isposto captulo Aprovao ntos > pgina 15es do acoplamento consulte gina 155

  • 6.21 Acoplamento ou engate para reboque

    6

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    - Em casos excepcionais (por exemplo, carroarias basculantes), utilizar um acoplamento para reboque com articulao com mobilidade vertical da boca de reteno.

    - Distncia entre o centro do eixo de acoplamento at a extremidade da carroaria dever ser, no mximo 420 mm. Deve-se manter os espaos livres.

    - Em casos excepcionais, esta distncia poder exceder de 420 mm:

    - Para carroarias basculantes ou com equipamentos montados atrs, a distncia mxima poder ser de 650 mm;

    - A distncia mxima poder ser de 1320 mm, quando a altura entre a faixa de rodagem e canto inferior da carroaria for de, pelo menos, 1150 mm;

    - A operao fcil e segura do acoplamento no dever ser prejudicada.

    Caso no seja possvel atender as prescries com relao a facilidade e segurana de acionamento, dever ser utilizado um acoplamento com controle a

    a

    ito

    ionilid

    r el.

    pro h

    ngado eo.

    Mximo 420 mm

    Mximo 420 mm

    era

    o aas a

    ntora montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    distncia. O controle seguintes requisitos:

    - Funcionamento perfe

    - O dispositivo de acveculo, sem a possib

    - O acionamento deveseguro e inconfundv

    - No dever haver acoplamento, mesmpelo menos, + 10.

    - Com o reboque everificar sem dificuldou de indicao), se se engatado e travad

    As Instrues de Opas particularidadesacoplamento, deverdevero ser efetuadexemplo; flexo, soldmanual) no acoplame122 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    distncia dever atender os

    .

    amento dever estar fixo ao ade de remoo.

    ser de fcil acesso, simples,

    oblemas para abertura do avendo uma toro axial de,

    atado, dever ser possvel es (atravs do controlo visual ixo do acoplamento encontra-

    o, onde esto indicadas de funcionamento do

    companhar o veculo. No quaisquer alteraes (por

    ou separao do manpulo do reboque.

  • 6.21 Acoplamento ou engate para reboque

    6

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    6.21.1Utilizao do veculo com reboque de eixo central

    Reboque de eixo central um reboque com um eixo ou grupo de eixos, onde:

    - a ligao ao veculo tracionador feita atravs lana de reboque que est ligada de forma rgida ao chassi do reboque,

    - de acordo com sua construo, nenhuma parte importante do seu peso bruto suportada pelo veculo tracionador.

    De acordo com os projetos normativos para acoplamentos de pino a74051 e 74052, s srespectivas dimenses Dreboque de eixo central os

    Para uma boa dirigibilidadas cargas mnimas sobreconfigurao, levar em codo reboque.

    Observar valores de cargveculo tracionador e do re

    Tab 9: Peso rebocvel adm

    Dimenses deacoplamentos

    Peso rreboq

    G 135ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    utomtico 40 e 50 na DIN ero admissveis para as IN dos acoplamentos com seguintes pesos rebocveis:

    e, ser necessrio observar o eixo dianteiro. Durante a nsiderao a carga na esfera

    a sobre o eixo dianteiro do boque.

    issvel

    ebocvel admissvel comue de eixo central, em kg

    6500123 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 6.21 Acoplamento ou engate para reboque

    6

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    6.21.2Acoplamento de reboque deslocado para baixo

    No se aplica.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    124

    data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 7.1 Generalidades

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    7 Tipos de carroarias

    7.1 Generalidades As carroarias e os equipamentos devero ser construidos de tal forma que, na montagem, assentem isentos de quaisquer tores e tenses sobre as longarinas do quadro do chassi. Ao montar a carroaria ou equipamentos, o chassi dever estar sobre uma superfcie plana e horizontal.

    A fixao correta importante para o comportamento de conduo do veculo, bem como para a durabilidade do quadro do chassi e da carroaria.

    A fixao da carroaria e dos equipamentos do quadro do chassi dever ser feita atravs de quadros auxiliares

    tnde

    Risco de acidente e leso

    Todas as unies aparafusadas de segurana relevante, como por exemplo do sistema de direo e de frenagem no devero ser modificadas.

    Ao soltar as unies aparafusadas deve-se assegurar de que na montagem aps a realizao dos trabalhos a unio esteja conforme o estado original.

    Os trabalhos de solda noser realizados por pessoa

    As carroarias e equinstalados devero atenvigentes, bem como, apreveno de acidentesnormas de preveno desegurana e disposiseguros.

    Risco de incndio

    Em todas as implementaos objetos ou produtosoutras coisas o vazamentalcancem agregados aqde mudanas, sistema dou semelhantes.

    Para se evitar um possvas respectivas cobrevestimentos evitando oinflamveis e as fontes de

    Para obter maiores infoPlanejamento de carro

    pgina 24 e Preveno c

    geia nte

    , coosra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    com longarinas condistribuio uniforme chassi.

    quadro do chassi s devem l especializado.

    ipamentos montados ou der as Exigncias Legais s normas de segurana e no local de trabalho e as acidentes, regulamentos de es das companhias de

    e exploso

    es deve-se assegurar que lquidos inflamveis (entre o no sistema hidrulico) no uecidos como motor, caixa e escape, turbocompressor

    el incndio deve-se instalar erturas, vedaes ou contato entre os produtos calor.

    rmaes consultar captulo arias e equipamentos >ontra danos > pgina 61

    Ao proceder a montamantida uma distncparte mais proeminecom o tipo de veculoEspao livre para pgina 58.125 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    uas para assegurar uma carga sobre o quadro do

    m da carroaria, dever ser mnima entre a cabina e a da carroaria, de acordo nforme indicado no captulo agregados e cabina >

  • 7.2 Quadros auxiliares

    7

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    7.2 Quadros auxiliares

    - Para uma unio perfeita entre o chassi e a carroaria, ser necessrio para todas as carroarias um quadro auxiliar ou, um corpo inferior que assuma a funo de um quadro auxiliar.

    - As longarinas do quadro auxiliar devero ser contnuas, planas e assentar integralmente sobre as abas superiores das longarinas do chassi, acompanhando a sua forma.

    - O quadro auxiliar e o qumesma espessura e aba

    - Colocar as travessas dotravessas do quadro do

    - Para as longarinas do qem U chapa dobrada,de uso comercial.

    - As dimenses da longaresistncia (Wx), necessda carroaria e cDimenses dos perfispgina 130.

    - Os mdulos de resistnindicadas referem-se carregadas igualmente

    - Se forem montados mquadro (Exemplo: carrocarga.), dever ser coclculo do quadro auxilide resistncia indicados

    !Ripas de madeira entre quadro auxiliar no serora montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    adro do chassi devero ter a s de mesma largura.

    quadro auxiliar em cima das chassi.

    uadro auxiliar, utilizar perfis no utilizar perfis laminados

    rina resultam do mdulo de rio para o dimensionamento hassi. Consultar captulo para o quadro auxiliar >

    cia e as dimenses dos perfis as longarinas do quadro

    de ambos os lados.

    ais de um equipamento no aria furgo e plataforma de nsiderado como base para ar o maior valor dos mdulos .

    as longarinas do chassi e o admissveis.126 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 7.2 Quadros auxiliares

    7

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    7.2.1 Material do quadro auxiliar

    Quadros auxiliares de ao, prescritos pela Mercedes-Benz do Brasil Ltda., no podero ter qualidade inferior ao material das longarinas, consultar captulo Material do quadro > pgina 79. Nestes casos utilizar perfis U dobrados; no empregar perfis laminados de uso comercial.

    Quadros auxiliares de alumnio no devero ser de qualidade inferior ao Almg SIL F 31 - DIN 1747, recomenda-se aplicar proteo entre este e o quadro do chassi, para reduzir a corroso eletroltica (tinta a base de cromato de zinco).

    Em carroarias de madeiraas longarinas auxiliaresqualidade, as quais, no enadequadamente, com tirafim de garantir a necessr

    Qualidades do material em ao:

    - Para quadros auxiliares(unio por aderncia), aser = St 52 ou LNE38.

    - Quadros auxiliares coempuxo (unio posiparafusadas, qualidacorresponder a do quMaterial do quadro >

    - As estruturas de montresistentes (por exemppelo menos a resismontagem em ao. A fia unio por aderncia.

    ddrom.

    s d

    dasar

    a uutubit pe

    daliTab 1: Propriedades mec

    MaterialResistn

    tra(N/mm

    E 380 TM > 450

    E 500 TM > 560

    es ca 28ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    de lei, podero ser utilizadas de madeira de mesma tanto, devero ser reforadas ntes longitudinais de ao, a ia resistncia estrutural.

    para os quadros auxiliares

    com fixaes por consoles qualidade do material dever

    m fixaes resistentes ao tiva), atravs de placas de do material dever adro do chassis = LNE50

    pgina 79.

    agem a partir de aos muito lo N-A-XTRA) devem possuir tncia das estruturas de xao deve ocorrer mediante

    O quadro auxiliar movimentao do quasolicitaes que surgire

    Carroaria de caixaAlumnio:

    Ateno as indicae

    Longarinas, fundos travessa tem de form

    A adequao e, logo, resistentes para a estrdeterminada no mconformidade passadoConsultas tcnicas >recomenda a utilizaomateriais de elevada qunicas do material

    cia a o2)

    Limite de elasticidade

    (N/mm2)

    380

    500

    !Para mais informaroscadas, consultar oe soldadas > pginasolda > pgina 68.

    Quadro auxiliar1 - Quadro auxiliar127 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    ever acompanhar toda do chassi, absorvendo as

    de carga em verso de

    o fabricante de alumnio.

    pranchas, placas do piso e uma unidade autoportante.

    tilizao de materiais pouco ra de montagem s pode ser o de um certificado de lo departamento responsvel pgina 14. A Mercedes-Benzos materiais descritos ou de dade.

    sobre unies soldadas e ptulo Unies aparafusadas e o captulo Trabalhos de

  • 7.2 Quadros auxiliares

    7

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    7.2.2 Configurao do quadro auxiliar

    Todos os modelos

    A passagem de perfil nas extremidades dianteiras das longarinas dever ser progressiva. As arestas tm de ser rebarbadas.

    Sero necessrios quadros auxiliares contnuos em;

    - carroarias com centro de gravidade muito alto,

    - casos de carga concentrada em um nico ponto,

    - casos de carga concentrada apenas de um lado,

    - casos de montagem de a cabina de conduo.

    Por exemplo, para carroade vidro, servios de rearticulados, plataformas do quadro auxiliar apenas(perfil em U).

    Deslocar, tanto quanto pfrente, pelo menos, at udianteiro na parte de trs.

    Caso sejam necessrias lfor necessrio obter alturaperfil U em unies por a

    ser fechado como uma cai

    ser encaixado um dentro d

    ser encaixado um sobre o

    Deste modo, aumentamos o mdulo de resistncia, mas tambm aumentamos a resistncia a toro. Observar a existncia de uma boa transio da longarina fechada para o perfil em U aberto.

    Perfil U caixara montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    carroarias/ estruturas sobre

    rias basculantes, transportes boque, guinchos, guindastes e carga etc. Unir, por norma, nas longarinas do quadro

    ossvel, as longarinas para a ltrapassar o suporte de mola

    ongarinas muito altas, ou se s de construo reduzidas, o

    derncia poder:

    xa;

    o outro ou;

    outro.

    Perfil U transio128 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 7.2 Quadros auxiliares

    7

    Diretrizes pa

    ! Observar a

    Quadro de auxiliar como

    No ser necessrio um qcontnuas se o grupo iassumir a funo de quadr

    Construes do quadro auxiA - perfil U aberto (Wx cB - perfil U fechado (Wx C - perfil U encaixado um D - perfil U encaixado um

    Quadro auxiliar como grupo in129ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

    ferior grupo inferior

    uadro auxiliar com longarinas nferior da carroaria puder o auxiliar.

    liaronsultar o diagrama das dimenses dos perfis).consultar o diagrama das dimenses dos perfis 1,25).dentro do outro (Wx consultar o diagrama das dimenses dos perfis 1,75).sobre o outro (Wx consultar o diagrama das dimenses dos perfis 1,9).

  • 7.2 Quadros auxiliares

    7

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    7.2.3 Dimenses dos perfis para o quadro auxiliar

    Com auxlio do diagrama podero ser obtidas as dimenses dos perfis das longarinas auxiliares, com perfil U em funo dos mdulos secionais (Wx).

    O quadro auxiliar e o quadro do chassi devero ter a mesma espessura de material e ambas de mesma largura.

    Os mdulos secionais de resistncia e as dimenses dos perfis indicados no diagrama, referem-se as

    longarinas auxiliares projetadas para distribuio de carga uniforme na carroaria.

    Para o caso de cargas no distribudas uniformemente ou equipamentos especiais onde ocorram esforos localizados (Exemplo: basculantes, guindastes, plataformas de elevao, bombas de concreto etc.), as longarinas do quadro auxiliar devero ser dimensionadas em funo das cargas atuantes, assim como, dever ser adotado um chassi com a distncia entre eixos adequado a finalidade.

    Mdulo de resistente (Wx)Perfil aberto, a = altura do perra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    130

    data: 5/10/13

    a verso atualizada.fil em mm.

  • 7.3 Fixao do quadro auxiliar

    7

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    7.3 Fixao do quadro auxiliar

    Determinar a fixao em funo do tipo do veculo e carroaria ou estrutura prevista, bem como, em funo da finalidade de utilizao do veculo.

    As fixaes das carroarias nas longarinas do quadro do chassi no podero ser executadas por processo de soldagem, devendo serem feitas atravs de consoles, placas parafusadas ou ainda por meio de grampos U. No so admissveis quaisquer tipo de fixao nas travessas do quadro de chassi sem autorizao da Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

    Para as fixaes aparafuconsoles, devero ser utDIN960, no mnimo de cla

    A fixao da carroaria ao quadro de chassi dever garantir que no haja deslocamentos laterais e longitudinais, devendo-se considerar:

    1 Para evitar deslocamentos laterais devero ser previstas placas de guia laterais, entre os dois primeiros pontos de fixao (grampos ou consoles).

    - Prever placas de guia de dimenses suficientes.

    - Entre as placas de guia e o quadro auxiliar no dever existir folga.

    2 Para evitar deslocamentos longitudinais devero ser ap

    sei ca

    dea

    de

    emlo;

    adr

    , vtes

    Utilizar na fixao do quexistentes nas longarinaquando estritamente realizados conforme direFuraes no quadro do v

    Fixao por placasra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    sadas no chassi, placas e ilizados parafusos conforme sse classe 10.9.

    previstos placas (regio do eixo traquadro auxiliar dalado.

    Determinar a quantidafique garantida a aceitlaterais.

    A fixao correta ser

    - o comportamento operacional do vecu

    - a durabilidade do qu

    Para ambos os casoscaptulos correspondenequipamento.

    adro auxiliar as furaes j s do chassi. Novos furos,

    necessrios, devero ser trizes indicadas no captulo eculo > pgina 80.131 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    arafusadas nas longarinas ro) e soldas ou parafusos no rroaria conforme figura ao

    de fixaes, de modo que, o das foras de frenagem e

    cisiva para:

    marcha e a segurana

    o do chassi e da carroaria.

    ide figuras orientativas nos a cada tipo de carroaria ou

  • 7.3 Fixao do quadro auxiliar

    7

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    7.3.1 Unio por aderncia - Fixao por console

    - Sob certas circunstncias, ser possvel um movimento da longarina do quadro auxiliar em relao a longarina do quadro do chassi.

    - Efetuar os clculos de resistncia separadamente para cada longarina.

    - Separar os momentos fletores de acordo com os momentos de inrcia.

    - Prever elasticidade para os primeiros pontos de fixao (molas prato ou apoios de borracha). Veculos

    omo

    erradarov

    e mape

    pchr odos

    lss.

    A ABNT - Associao Brasileira de Normas Tcnicas, atravs da Comisso de Estudos CE 5:10.1 Reboques e semireboques, tem elaborado normas tcnicas relativas a sistemas de fixao e proteo contra deslocamento de cargas em veculos rodovirios de carga, as quais, por questo de segurana, recomendamos que sejam observadas:

    - NBR 7468: Proteo contra deslocamento ou quedas de carga em ve

    - NBR 7469: Sistema veculos rodovirios de

    - NBR7470: Bloqueio eveculos rodovirios de

    - NBR 7475: Container em equipamento Determinao de resis

    - NBR 7476: Containerequipamentos de Determinao da resis

    - NBR 8688: Instaladeslocamento da cargcarga

    - NBR 9500: Requisitoveculos rodovirios po

    Em outros pases, por mecumprir as normas Adevero tambm atendcada pas.

    o (Ara montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    complementados crgidas a toro, comvenham operar em tsuas carroarias fixmeio de consoles patrs da cabina.

    - Na regio dos eixos quadro do chassi longitudinal.

    - Utilizar uma arruelaconsole original do mola (3), para tapaaplicar se for utiliza

    - Prever uma fixao e(por exemplo, atravapoios em borracha)

    culos rodovirios de carga

    de fixao de cargas em carga

    escoramento de cargas em carga

    - Sistema de apoio e fixao de transporte terrestre. tncia Mtodos de ensaio

    - Dispositivo de fixao em transporte terrestre -

    tncia - Mtodos de ensaio

    o de anteparos para evitar a em veculos rodovirios de

    s mnimos de projetos para rta-container.

    dida de segurana, alm de BNT acima mencionadas, er a legislao vigente de

    Fixao por placas1 - Arruela2 - Console no veculo Ateg3 - Mola132 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    carroarias de estruturas por exemplo tanques, e, que enos irregulares, devero ter s ao quadro do chassi por idos de elementos elsticos

    olas traseiras, prever para o nas placas para a fixao

    lana retangular (1) entre o assi atrs da cabina (2) e a furo oblongo. O mesmo se parafusos em T.

    tica na regio atrs da cabina da utilizao de molas ou

    970 317 01 01)

  • 7.3 Fixao do quadro auxiliar

    7

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    Nos outros consoles, comcolocando arruelas. Se istoalinhamento lateral suficiede placas de guia.

    7.3.2 Unio resistente ao empuxo - Fixao por placas parafusadas

    m la

    adrin

    resmo

    n sc

    as or e

    tenevuxinte

    qdema

    pl.

    maas

    !Utilizar somente os furosAps apertar os parafusdistncia (A) de, pelocarroaria e os consolesat ao apoio dianteiro da

    !No torcer o quadro auxi

    Console com elemento elstico1 Longarina do chassi2 Console3 Longarina do quadro auxili4 Mola helicoidalra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    pensar distncias diferentes no for possvel, garantir um

    nte do quadro auxiliar atravs

    - No ser possvel uquadro auxiliar em re

    - A longarina do qumovimentos da longae toro).

    - Para os clculos de so consideradas co

    - Para as carroariaslocalizados, comobasculantes com detraseira, plataformsemelhantes, a fixado chassi dever separafusadas.

    - As carroarias resisba, tanques etc) delstico no quadro apermitido um apoio i

    - Fixar as placas nomenos, 2 parafusos outro, conforme Nore 13023.

    - A distncia entre asno mximo, 700 mm

    - A espessura do corresponder as for

    j existentes. os, dever ser mantida uma menos, 5 mm entre a do chassi atrs da cabina, s molas traseiras.

    liar apertando os parafusos.

    ar

    Fixao por placas133 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    movimento da longarina do o a longarina do chassi.

    ro auxiliar segue todos os a do quadro do chassi (flexo

    istncia, ambas as longarinas uma nica pea.

    as quais ocorrem esforos por exemplo betoneiras, arga traseira, guindastes na

    elevatrias e carroarias do quadro auxiliar ao quadro xecutada por meio de placas

    tes a toro (por exemplo, ero ser apoiadas de modo liar atrs da cabina. No ser iramente elstico.

    uadro do chassi com, pelo cabea flange um ao lado do Mercedes-Benz 10105, 10112

    acas parafusadas dever ser,

    terial das placas devero e aos pesos da carroaria.

  • 7.3 Fixao do quadro auxiliar

    7

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    Dever ter, pelo menos, a mesma espessura do quadro do chassi.

    - Se possvel, executar a fixao por console na regio dianteira do quadro. Se isto no for possvel (Exemplo: munck atrs da cabina) a possibilidade de toro do veculo ficar muito limitada, este ponto dever ser observado durante a utilizao do veculo.

    7.3.3 Fecho rpido para equipamentos intercambiveis

    - Determinar a quantidade dos fechos rpidos de forma a garantir a aceitao das foras de frenagem e das foras laterais.

    - Os fechos rpidos devero ser configurados e fixados de forma a garantirem um funcionamento confivel.

    - A fixao do quadro auxiliar no dever ter folgas.

    Fixao por placasra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    1 Quadro do chassi2 Quadro auxiliar3 Placa de fixao4 Fecho rpido5 Alojamento134 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 7.3 Fixao do quadro auxiliar

    7

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    7.3.4 Unio por aderncia - Fixao por meio de grampos U

    Efetuar a fixao das carroarias por intermdio das longarinas auxiliares, atravs de grampos U e calos entre os grampos e as abas inferiores das longarinas.

    Para proteo das abas quadro do chassi, deveralumnio ou ferro fundPodero ser utilizados talei, exceto nas proximidad

    ixaarr

    atri, pote

    ve, ni.

    !A queda dos calos compoder causar acidentes

    Fixao por grampos U1 Longarina do chassi.2 Longarina do quadro auxilia3 Grampo de fixao U.4 Calo de madeira.5 Calo de proteo da aba i

    .aba

    adra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    inferiores das longarinas do o ser instalados calos de ido malevel (vide figura). mbm calos de madeira de es do escapamento.

    Este sistema de fpreferencialmente em c

    No dever haver componentes do chassar e combustvel, chicmolas, etc.

    Os grampos U no dedo sistema de freiocomponentes do chass

    o veculo em movimento, .

    r.

    nferior da longarina.

    1 Longarina do chassi.2 Grampo de fixao U3 Calo de proteo da 4 Longarina auxiliar de m135 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    o dever ser utilizado oarias de madeira.

    ito entre os grampos e or exemplo tubos plsticos de de cabos eltrico, feixes de

    ro interferir com a tubulao em com quaisquer outros

    inferioreira de lei.

  • 7.3 Fixao do quadro auxiliar

    7

    Diretrizes pa

    ! Observar a

    Quantidade de elementos de fixao

    Accelo 915/37

    Tab 2: Quantidade de elementos de fixao

    Veculo Entre eixos (mm)Quantidade de fixaes

    Grampos U Placa Longitudinal

    Accelo 9153700 8 2

    4400 10 2

    Accelo 815

    3100 8 2

    3700 10 2

    Accelo 1016

    Fixao longitudinal

    Por questes de seguracarroaria dever ser fixa

    Aproveitar as furaextremidades das longacapitulo Unio resistentplacas parafusadas > p

    Fixao por grampos Fixao longitudinal136ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

    Fixao por grampos Fixao longitudinalAccelo 915/44

    Accelo 815-1016/31

    4400 10

    3100 8

    3700 10

    4400 10

    na, o quadro auxiliar da do no sentido longitudinal.

    es j existentes nas rinas do chassi. Consultar e ao empuxo - Fixao por gina 133

    Fixao por grampos Fixao longitudinal2

    2

    2

    2

  • 7.3 Fixao do quadro auxiliar

    7

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    Accelo 815-1016/37

    Accelo 815-1016/44

    Fixao por grampos Fixao longitudinal

    Fixao por grampos Fixao longitudinalra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    137

    data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 7.4 Carroarias autoportantes

    7

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    7.4 Carroarias autoportantes

    7.4.1 Generalidades

    7.4.2 Carroarias de caixa aberta e de caixa fechada

    Em carroarias de caixa aberta ou caixa fechada, no ser necessrio um quadro auxiliar com longarinas contnuas, se estiverem montados suportes transversais com uma distncia mxima de 600 mm.

    Na regio do eixo traseiro, a distncia mxima de 600 mm poder ser ultrapassada.

    Todas as unies aparafusadas de segurana relevante, como por exemplo do sistema de direo e de frenagem no devero ser modificadas.

    Ao soltar as unies aparafusadas deve-se assegurar de que na montagem aps a realizao dos trabalhos a unio esteja conforme o estado original.

    Os trabalhos de solda noser realizados por pessoa

    As carroarias e equinstalados devero atenvigentes, bem como, apreveno de acidentesnormas de preveno desegurana e disposiseguros.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    quadro do chassi s devem l especializado.

    ipamentos montados ou der as Exigncias Legais s normas de segurana e no local de trabalho e as acidentes, regulamentos de es das companhias de

    Suportes transversais138 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 7.5 Carroarias com plataforma de carga, caixa aberta e fechada

    7

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    7.5 Carroarias com plataforma de carga, caixa aberta e fechada

    - Para que o quadro do chassi seja carregado uniformemente, a fixao da carroaria dever ser feita atravs de um quadro auxiliar (longarinas perfil em U).

    - A carroaria dever ser montada sobre as longarinas do quadro do chassi, de forma a estar isenta de toro.

    - Para montagem da carroaria, colocar o veculo em superfcie horizontal e p

    - Para as cargas concentsemelhantes (por exemcom cabos, bobinas etco cho da carroaria de

    - Antes de iniciar a monchassi e determinar o co

    - Em veculos com cabinaencurtar o balano trasa carga admissvel sobexcedida e a carga mnialcanada.

    - Montar as luzes de sinacarroaria de acordo co

    - Montar uma chapa deflecondutor, de modo queseja conduzido contra ara montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    lana.

    radas em um nico ponto ou plo, transporte de carretis ), reforar o quadro auxiliar e acordo com a carga.

    tagem da carroaria, pesar o mprimento da carroaria.

    leito, se necessrio, deve-se eiro do quadro, de modo que, re o eixo traseiro no seja

    ma sobre o eixo dianteiro seja

    lizao e faixas refletivas na m as exigncias legais.

    tora de ar atrs da cabina do , o ar quente do motor no carroaria.139 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 7.6 Guindastes articulados

    7

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    7.6 Guindastes articulados

    A dimenso do guindasteacordo com as dimensindicados para o modelo d

    Dever ficar garantida aveculo.

    Limitar correspondentemedo guindaste.

    Os guindastes montados as normas de preveno d

    7.6.1 Guindastes articulad

    Os guindastes devero setenham seu centro de transporte coincidindo cochassi, caso contrrio, carregamento unilateral suspenso do veculo. Code carga sobre as rodas >O guindaste e os disposafetar o funcionamento dveculo. Fixar o guindaste O material do quadro auxdo quadro do chassi.

    Quadro auxiliar

    - Na regio do guindaste, executar as longarinas do quadro auxiliar na forma de caixa. A transio entre o perfil na forma de caixa e o perfil em U dever ser feita gradualmente conforme indicado na figura a seguir e corresponder as solicitaes.

    gfica d

    x

    e gemcol, serasda m

    s demginia turde

    e.

    Carroarias basculantesra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    dever ser determinada de es do chassi e os pesos e veculo.

    estabilidade de apoio do

    nte a rea de movimentao

    nos veculos devero atender e acidentes.

    os montados atrs da cabina

    r projetados de forma a que gravidade na posio de m o centro do quadro do poder acarretar em um excessivo prejudicando a

    nsultar captulo Distribuio pgina 56.

    itivos de apoio no devero os outros componentes do a um quadro auxiliar de ao. iliar dever corresponder ao

    - No caso de apoio donecessrio um certidisposies legais do

    - Momento de carga m

    - Os valores aplicam-sestrutura de montados dois lados. Se a deslocada do centroMercedes-Benz do Bcaptulo Aprovao pgina 15.

    - Dimenses dos perfiestrutura de montagquadro auxiliar > pde carga da carroarlongarinas da estruretiradas da tabela carroaria basculant

    Perfil U transio140 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    uindaste em quatro pontos, do de conformidade com as

    epartamento responsvel.

    imo do guindaste (kN x I).

    s longarinas do chassis e da carregadas uniformemente

    una do guindaste for montada r necessrio a aprovao da il Ltda., conforme disposto no

    ontagem de implementos >

    as longarinas do chassis e da Dimenses dos perfis para o a 130. Na rea da plataforma

    basculante, as dimenses das a de montagem podem ser carroaria de caixa ou da

  • 7.6 Guindastes articulados

    7

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    - O material do quadro auxiliar dever corresponder ao do quadro do chassi.

    - A fixao da estrutura de montagem pode ser feita seguindo o capitulo Fixao do quadro auxiliar >pgina 131. Se isto no for possvel, estabelecer uma unio com resistncia amontagem e o quadro dde carga de um apoio e

    - A fixao em trs ponrequer um certificadodisposies legais doConsultas tcnicas >

    - Deve-se prever dispositivos de apoio para cada guindaste de carga. A Mercedes-Benz recomenda dispositivos de apoio hidrulicos.

    - Os dispositivos de apoio que sobressaiam dos contornos do veculo parado devem ser assinalados atravs de pintura saliente, refletores e iluminao de advertncia.

    - Se os momentos mximos de carga do guindaste forem excedidos, ser necessrio a autorizao do departamento responsvel Consultas tcnicas >pgina 14. A fixao do guindaste de carga deve ser

    O captulo Material do quadro auxiliar > pgina 127contm indicaes sobre o material do quadro auxiliar.

    Quadro auxiliar - montagem d1 Quadro do chassi2 Quadro auxiliar3 Travessa4 Reforora montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    e guindastes141 data: 5/10/13

    a verso atualizada.o corte entre a estrutura de o chassis e unir o guindaste

    lstico.

    tos do console do guindaste de conformidade com as departamento responsvel pgina 14.

    reforada. O veculo s deve ser utilizado em estradas planas e pavimentadas.

    Para dimensionamento dos perfis da longarina do quadro auxiliar, consulte captulo Quadros auxiliares > pgina 126 e Dimenses dos perfis para o quadro auxiliar > pgina 130.

  • 7.6 Guindastes articulados

    7

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    Para fixao do guindaste no quadro do chassi seguir as orientaes;

    - A fixao do quadro auxiliar poder ser feita como descrito no captulo Fixao do quadro auxiliar >pgina 131. Se isto no for possvel, unir o quadro auxiliar ao quadro do chassi com resistncia ao empuxo.

    - Prever dispositivos de apoio para o guindaste os quais devero ser apoiados ao solo durante a operao. Recomendamos dispositivos de apoio hidrulicos articulados.

    - No elevar o veculo utilpara no causar danos a

    - Os dispositivos de acontornos do veculo, dde pintura ou faixa refle

    - Determinar o comprimcarga em funo da posobservando as cargas a

    - De acordo com a distrpoder ser necessrio u

    Ultrapassados os momense necessria a aplicaintegradas a estrutura infedevero suportar e abdecorrentes da operao disento dos mesmos.

    O comprimento da caixa dde gravidade da carrodeterminados de acordo guindaste, observando as c

    7.6.2 Carroarias com guindastes ou guinchos na parte traseira

    sua

    eix

    o indravregrdro

    au

    pada

    na ersil m

    rialdico ara montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    izando o dispositivo de apoio, o quadro.

    poio que sobressaiam dos evero ser sinalizados atravs tiva ou luzes de advertncia.

    ento do compartimento de io e do peso do guindaste,

    dmissveis sobre os eixos.

    ibuio da carga resultante, m prolongamento do quadro.

    tos-de-carga mximos, torna-o de 4 sapatas de apoio rior do equipamento, as quais sorver todos os esforos o guindaste, ficando o chassi

    e carga, bem como o centro aria e carga, devem ser com a posio e peso do

    argas admissveis por eixo.

    - No ser permitida eixo central.

    - Em caso de alvio dodever ser regulada.

    - Devido a concentraa montagem do guquadro do chassi atao. Momentos de (Wx), consulte o diados perfis para o qua

    - O material do quadrodo quadro do chassi.

    Os valores so vlidosquadro auxiliar carregaos lados. Se a coludeslocada do centro, sMercedes-Benz do Bracaptulo Aprovao dapgina 15.

    No captulo Matepgina 127 contm inmaterial para o quadr

    Carroarias basculantes142 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    utilizao com reboques de

    o dianteiro, a altura dos faris

    da carga em um nico ponto, aste requer um reforo do s de um quadro auxiliar em sistncia do quadro auxiliar ama no captulo Dimenses auxiliar > pgina 130.xiliar dever corresponder ao

    ra longarinas do chassi e do s uniformemente em ambos do guindaste for montada

    necessrio a aprovao da Ltda., conforme disposto no ontagem de implementos >

    do quadro auxiliar >aes sobre a qualidade do uxiliar.

  • 7.6 Guindastes articulados

    7

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    - Se for possvel, confeccionar o quadro auxiliar da extremidade traseira at ao apoio dianteiro das molas traseiras na forma de caixa.

    - A transio do perfil de tipo caixa fechada para o perfil em U dever ser gradual.

    - Unir o quadro auxiliar ao quadro do chassi de modo resistente ao empuxo (por exemplo, atravs de placas parafusadas).

    - Na parte traseira do quadro auxiliar, prever reforos diagonais.

    - O comprimento dos reno mnimo, 1,5 da largaumentar a resistnctoro.

    - Se no for possvel moexemplo, na regio dcilindros combinados escoramentos oblquotubulares.

    - Se for necessrio, eqtraseiras reforadas traseiro. Por norma, devde fechamento do quad

    - A carga admissvel sobser excedida. Observardianteiro. A estabilidagarantida atravs de dis

    - No elevar o veculo utilpara no causar danos n

    - Os dispositivos de acontornos do veculo, dde pintura ou faixa refle

    7.6.3 Guindaste ou guincho removvel

    - A montagem da carroaria poder ser efetuada de acordo com o captulo Carroarias com guindastes ou guinchos na parte traseira > pgina 142.

    - Dar especial ateno ao sistema de iluminao.

    - A utilizao com reboque de eixo central no ser permitida.

    - Observar a boa acessibilidade para ligaes do reboque, dos freios e do sistema de iluminao, se necessrio, prever um adaptador para o segundo ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    foros diagonais devero ter, ura do quadro. Deste modo, ia do quadro do chassi a

    ntar um reforo diagonal, por os amortecedores ou dos de freio, pode-se montar

    s ou suportes transversais

    uipar o chassi com molas e estabilizadoras no eixo er estar montada a travessa ro.

    re o eixo traseiro no dever a carga mnima sobre o eixo de do veculo dever ser positivos de apoio.

    izando o dispositivo de apoio, o quadro.

    poio que sobressaiam dos evero ser sinalizados atravs tiva ou luzes de advertncia.

    acoplamento.

    Guincho removvel143 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 7.7 Carroarias basculantes

    7

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    7.7 Carroarias basculantes

    Devido as solicitaes basculantes para os ladmontadas sobre os chfinalidade. Se for necesspossam ser fornecidasreforadas e estabilizadorebasculante sobre o chasmeio de um quadro auxdescrito no captulo Quad

    7.7.1 Quadro auxiliar

    - O quadro auxiliar dever ser confeccionado em sua totalidade por travessas de ao, deve-se prever travessas para fixao do suporte do cilindro hidrulico.

    - Fechar a parte traseira na forma de caixa e refor-la atravs de diagonais.

    - O quadro auxiliar dever ser fixado diretamente sobre as longarinas do chassi por meio de placas parafusadas com os dois primeiros pontos (atrs da cabina) fixados por consoles ou grampos U.

    ralda

    s e

    efeo cdis

    Risco de acidente

    Preste ateno estabili

    Caso contrrio, existe oObserve as normas de soperao do fabricante Observe as leis especfdiretrizes e as normas!

    Carroarias basculantes

    o dnsuuxira montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    especficas, as carroarias os e atrs s devero ser assis previstos para essa rio, e na medida em que , montar molas traseiras s. A montagem da carroaria si, dever ser efetuada por iliar contnuo de ao, como ros auxiliares > pgina 126.

    - Para a fixao lateplacas de guia soldaquadro auxiliar.

    Dimenses dos perfido quadro auxiliar.

    Os valores indicados rde utilizao. Em cassevera, ser necessrioBrasil Ltda., conforme tcnicas > pgina 14.

    dade do veculo!

    perigo do veculo tombar. egurana e as instrues de de carroarias basculantes. icas do respectivo pas, as

    Para dimensionamentquadros auxiliares, coperfis para o quadro a144 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    do quadro auxiliar, aplicar s na regio das travessas do

    momentos de resistncia

    rem-se a condies normais de condies de utilizao onsultar a Mercedes-Benz do posto no captulo Consultas

    os perfis das longarinas dos lte captulo Dimenses dos

    liar > pgina 130.

  • 7.7 Carroarias basculantes

    7

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    7.7.2 Apoios e mancais da bscula (caamba)

    - Instalar os mancais articulao da caamba o mais prximo possvel do eixo traseiro.

    - A extremidade da caamba rebatida no dever bater contra a extremidade do quadro, instalaes de iluminao ou no acoplamento para reboque.

    - Prever um suporte de guia para os apoios dianteiros da caamba, para que, ao baix-la conduzam ao alojamento.

    7.7.3 Dispositivos de segurana

    - Na posio final, os pender ligeiramente.

    - Instalar uma trava (rebda caamba.

    - Proteger os dispositivacionamento involuntr

    - Instalar uma luz de advesteja completamente b

    7.7.4 Sistema hidrulico d

    - Se for possvel, instaauxiliar e do quadro do outras.

    - Recomendamos que o hidrulico de basculamecentro de gravidade da

    Sistemas hidrulicos derecomendadas:

    Execuo A: Ao direta

    volumtrica de 4 a 5m3

    Execuo B: Ao

    capacidade volumtrica

    Execuo C: Ao dirtelescpico frontal, a

    volumtrica acima de 7m

    7.7.5 Veculos com freios a disco no eixo traseiro

    - Nos chassis com freios a disco no eixo traseiro, s ser possvel montar carroarias basculantes de descarga por sistema de rolos, deposio e basculantes para trs.

    - A montagem das carroarias basculantes para os trs lados no ser permitida para estes veculos.

    - Devido a maior sensibilidade dos freios a disco a impurezas (terra, areia etc.), a utilizao destes veculos em todo-terreno ser limitada.

    ula

    culb

    ps,

    tiliebo

    cu str

    go ba

    ste fac

    ria r e do

    arr

    fil o

    rm

    a ao

    a

    rtaontter

    s tricara montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    cabos de reteno devero

    atvel) que impea a descida

    os de comando contra o io.

    ertncia caso a caamba no aixada (posio de marcha).

    e basculamento

    lar as travessas do quadro chassi alinhadas uma com as

    ponto de ataque do sistema nto deve situar-se a frente do

    carroaria + carga til.

    acionamento - Execues

    , baixa presso e capacidade

    indireta, baixa presso e

    de 6 a 7m3

    eta com cilindro hidrulico lta presso e capacidade

    3.

    7.7.6 Carroarias bascnormais.

    Para carroarias basexemplo, carroarias carroarias basculantepodero ser utilizadachassis normais.

    No devero ser utracionadores de semir

    - Utilizao do vepavimentadas, noaplicaes fora de e

    - Para reduzir o perilimitar o ngulo de

    35o para trs. Por ecargas que deslizem

    - Equipar a carroabasculamento e fixatraseiro ou do centro

    - O comprimento da c5.500 mm.

    - Confeccionar o perextremidade at basculamento em fode diagonais.

    - A unio do quadrodever ser resistente

    - Instalar o mancal dedo eixo traseiro.

    - No caso do encutraseiro), sempre mdo quadro (Travessa

    - Equipar os veculoestabilizador no eixofornecimento de fbr145 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    ntes especiais sobre chassis

    antes especiais, como por asculantes para concreto, ara os lados e para trs, sob certas circunstncias,

    zados chassi de veculos que (cavalo mecnico)

    lo apenas em estradas dever ser utilizado em ada.

    de tombamento do veculo, sculamento da caamba em

    motivo, transportar somente ilmente.

    com um estabilizador de xatamente por cima do eixo eixo duplo.

    oaria no dever exceder os

    do quadro auxiliar da sua sistema hidrulico de a de caixa e reforar atravs

    uxiliar ao quadro do chassi empuxo.

    rticulao da caamba perto

    mento do chassi (Balano ar a travessa de fechamento minal).

    com molas reforadas e aseiro (se possvel solicitar o ).

  • 7.8 Carroarias basculantes Roll-on Roll-off.

    7

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    - Devero ser instaladas, posteriormente, uma cobertura do sistema de escape e da caixa de baterias caso essas no venham instaladas de fbrica.

    7.8 Carroarias basculantes Roll-on Roll-off.

    Estas diretrizes se aplicam as carroarias basculantes de descarga por sistema de rolos ou deposio.

    - Ao colocar e retirar a carroaria coletora, o eixo dianteiro no dever levantar, para se evitar danos ao quadro.

    - Se for necessrio, instatraseira do veculo.

    - A estabilidade do vedurante a carga e desca

    - Observar as alturas gravidade.

    - Veculos com freios a di

    - Devido a maior sensibimpurezas (terra, areiaveculos em todo-terrenra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    lar apoios nas extremidades

    culo dever ser garantida rga.

    admissveis do centro de

    sco no eixo traseiro:

    ilidade dos freios a disco a etc.), a utilizao destes

    o ser limitada.146 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 7.9 Carroarias tanque

    7

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    7.9 Carroarias tanque

    - Observar as alturas gravidade.

    - O fabricante de carrsegurana de conduo

    - A montagem da carroasobre o chassi, dever quadro auxiliar contnuLNE 38.

    - A unio entre a carroaria e o quadro auxiliar ou entre o quadro do chassi e o quadro auxiliar dever ser escolhida de forma a no afetar a capacidade de toro do quadro do chassi.

    - Colocar os apoios do tanque o mais prximo possvel dos apoios das molas.

    - Para obter um bom comportamento em marcha, colocar os alojamentos rgidos na parte de trs.

    - A distncia entre o centro do eixo traseiro at ao apoio da carroaria posterior ao mesmo, no dever ser excedida. Colocar os apoios dianteiros da

    r

    seos qui

    Estrutura dianteira de apoio do1 - Quadro do chassi2 - Quadro auxiliar3 - Suspenso ou apoio elsticora montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    admissveis do centro de

    oarias responsvel pela do veculo.

    ria de container ou tanque ser efetuada por meio de um o em ao. Qualidade mnima

    carroaria o mais pconduo.

    - Os tanques deveroa fim de atenuar movimentao dos l

    tanque147 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    ximo possvel da cabina de

    r providos de quebra-ondas problemas provenientes da

    dos transportados.

  • 7.9 Carroarias tanque

    7

    Diretrizes pa

    ! Observar a

    Transporte de cargas pesos especficos:

    Aplicar marcaes de enchtanque, de modo que aadmissvel fique visvel.montado no eixo traseiro

    Suspenso rgida na fixao t1 - Quadro do chassi2 - Quadro auxiliar3 - Console4 - Bloco intermedirio

    Para dimensionamento dquadros auxiliares, consuperfis para o quadro auxil148ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

    (lquidos) com diferentes

    imento no compartimento ou quantidade de enchimento Alm disso, poder ser um indicador de carga, com

    dispositivo de advertncia sonora ou visual na cabina de conduo.

    Carroarias de tanque com sub-divises em compartimentos:

    Os planos de abastecimento e descarga devero estar fixados no veculo de forma bem visvel. Em qualquer situao de carregamento, dever ficar garantida que as cargas admissveis sobre os eixos no sejam excedidas, e, que seja alcanada a carga mnima exigida sobre o eixo dianteiro.

    raseira

    os perfis das longarinas dos lte captulo Dimenses dos iar > pgina 130.

  • 7.9 Carroarias tanque

    7

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    7.9.1 Carroarias tanques sem quadro auxiliar contnuo

    - Equipar o veculo com molas reforadas e estabilizadores.

    - Observar as alturas admissveis do centro de gravidade.

    - Em veculos com 2 eixo traseiro, parte do quadro auxiliar dever ultrapassar os apoios das molas traseiras a frente e atrs, para se obter uma suficiente aplicao de fora.

    - Prever uma base de, pelo menos, 1000 mm para parte dianteira do quad

    - Ambas as partes dever(dimenses mnimas gradual.

    - No ser permitida a inspartes do quadro auxilia

    - A fixao do tanque devna frente.

    - Se, aps a realizao dveculo oscilar (ficar inquadro auxiliar contnuo

    7.9.2 Carroarias tanque removvel

    - Montar ou desmontar o tanque somente quando estiver vazio.

    - Para veculos destinados ao transporte de cargas perigosos (lquidos e gases), deve-se atender as normas de segurana e exigncias legais de cada pas.

    - Se um tanque removvel for montado num veculo com compartimento de carga ou basculante, o tanque dever ser fixo ao quadro do chassi por aderncia (consoles). Deve-se prever dois pontos de

    do osito s

    No caso de alteraes dnecessrio consultar aLtda., conforme dispostcnicas > pgina 14 e implementos > pgina 1ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    ro auxiliar.

    o ser feitas de perfil fechado 100x70x6mm) e transio

    talao direta do tanque sem r.

    er ser rgida atrs e elstica

    a montagem da carroaria, o stvel), ser necessrio um para fixao.

    fixao na regio basculantes, o dispser protegido evitand

    a distncia entre eixos, ser Mercedes-Benz do Brasil to no captulo Consultas Aprovao da montagem de

    5149 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    eixo traseiro. Em veculos ivo de basculamento dever eu acionamento.

  • 7.10 Carroarias para o transporte de cargas perigosas

    7

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    7.10 Carroarias para o transporte de cargas perigosas

    Quando o veculo for destiperigosas (lquidos inflamdeve-se observar-se as legislao em vigor em cad

    Para toda modificao nautorizao prvia da Meconforme disposto captulimplementos > pgina 15acompanhado de trs edesenhos com todas as in

    Dever ser instalada umada cabina do condutor, mudanas conforme figuraremoo para a execuoe reparao do veculo.

    7.10.1Disposies legais

    7.10.2Veculos para o transporte de substncias corrosivas

    ar d a

    cabcia

    As normas de segurana em vigor e as diretrizes especficas para o respectivo pas devem ser observadas no manuseio de cargas perigosas. Caso contrrio, poder causar leses s prprio ou a terceiro

    Cobertura de proteo

    Observao

    Pressupe-se que os fabricantes das carroarias conhecem as Normas de Segurana e a Legislao vigente de cada pas.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    nado ao transporte de cargas veis e substncias qumicas), normas de segurana e a a pas.

    o chassi, ser necessria a rcedes-Benz do Brasil Ltda., o Aprovao da montagem de . O requerimento dever ser xemplares dos respectivos

    dicaes de pesos e medidas.

    cobertura de proteo atrs sobre a regio da caixa de . A mesma dever ser de fcil dos servios de manuteno

    Em veculos utilizados pcorrosivas, o fabricantetodas as tubulaes defreios, bem como, os (corroso) das substn150 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    a o transporte de substncias e carroarias dever proteger r comprimido, do sistema de os eltricos contra o ataque

    s qumicas.

  • 7.11 Betoneira de transporte

    7

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    7.11 Betoneira de transporte

    No disponvel, para maiores informaes podero ser obtidas atravs do departamento TPV, Consultas tcnicas > pgina 14.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    151

    data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 7.12 Carroarias traseiras coletoras e compactadoras de resduos

    7

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    7.12 Carroarias traseiras coletoras e compactadoras de resduos

    No disponvel, para maiores informaes podero ser obtidas atravs do departamento TPV, Consultas tcnicas > pgina 14.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    152

    data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 7.13 Carroarias com plataforma elevatria traseira de carga

    7

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    7.13 Carroarias com plataforma elevatria traseira de carga

    Ao instalar uma platafoseguinte:

    - Calcular a distribuiconsiderao todos os e

    - Se necessrio, encurtare o balano traseiro do

    - A carga admissvel sobser excedida.

    - Observar a carga mnim

    - Veculos com balansomente sero adequplataforma de carga elea observao dos ponto

    - Em veculos com molautilizar molas traseiras ro fornecimento.

    - No Brasil, as plataformas normas de preveno

    - Verificar a estabilidade

    - Fixar o quadro auxiliaresistncia ao empuxoquadro at o suporte di

    - Recomendamos a hidrulicos de apoio socapacidade acima de 1utilizando os dispositivodanos ao quadro.

    - Na montagem das plataformas de carga eletro-hidrulicas, prever alternador e baterias de maior potncia.

    Risco de acidente e leso

    A abertura ou fecho da plataforma de carga elevatria e basculante/plataforma de elevao pode provocar ferimentos nas pessoas ou danificar objetos que se encontrem na rea de movimento. Assegure-se de que no se encontram pessoas ou objetos na rea de movimento da plataforma de carga elevatria e basculante/plataforma

    Observe as indicaes dde utilizao do fabricanelevatria e basculante/p

    Devem respeitar-se as lede autorizao do respec

    !No elevar o veculo com o dispositivo de apoio. (danos no chassi).

    im so

    bre

    e.

    r

    rra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    rma de carga, observar o

    o da carga, levando em quipamentos opcionais.

    o comprimento da carroaria chassi.

    re o eixo traseiro no dever

    a sobre o eixo dianteiro.

    o do quadro prolongado ados para a montagem de vatria e basculante. Garantir s acima mencionados.

    s em ao, ser aconselhvel eforadas, caso seja possvel

    as de carga devero atender de acidentes.

    do veculo.

    r ao quadro do chassi com , desde a extremidade do

    anteiro da mola traseira.

    utilizao de dispositivos mente nas plataformas com

    500 Kg. No elevar o veculo s de apoio para no causar

    de elevao.

    e segurana e as instrues te da plataforma de carga lataforma de elevao.

    is, as diretrizes e as normas tivo pas!

    Ateno carga mnDistribuio de carga

    A carga admissvel soexcedida.

    Verificar a estabilidad

    Fixao com quadro auxilia

    Fixao sem quadro auxilia153 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    a sobre os eixos dianteiros bre as rodas > pgina 56. o eixo traseiro no deve ser

  • 7.13 Carroarias com plataforma elevatria traseira de carga

    7

    Diretrizes pa

    ! Observar a s n

    Se de acordo com a tabela, no for necessrio um quadro auxiliar, a fixao poder ser feita na longarina do chassi.

    Como base de clculo para o quadro auxiliar foi considerado o material E 380 TM. Se for utilizado um material com menor resistncia, por exemplo, E 380 TM, sero necessrios momentos de resistncia respectivamente maiores. Ser necessrio uma autorizao da Mercedes-Benz do Brasil Ltda. conforme

    disposto captulo Aprovao da montagem de implementos > pgina 15.Se as dimenses dos quadros auxiliares de acordo com as tabelas que se seguem forem suficientes, ser possvel montar uma plataforma de carga sem reforos adicionais. A fixao do quadro auxiliar dever ser alterada de unio por aderncia (consoles) para unio positiva com resistncia ao empuxo (placas parafusadas).

    Tab 3: Tabela para plataforma traseira de carga

    Veculos Entre (m

    lia

    re(

    8 at 10 toneladas

    31 140

    37 140

    44 140

    + recomendadora montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    154

    data: 5/10/13

    a verso atualizada.nz,eixos m)

    Potncia de elevao at (KN)

    Quadro auxi

    Momento de resistncia

    mnimo (cm)

    Perfil

    00 15 55

    00 15 55

    00 15 55r

    Apoiocomendado mm)

    x60x5 +

    x60x5 +

    x60x5 +

  • 8.1 Sistema de acoplamento (Sem carga vertical)

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    8 Clculos

    8.1 Sistema de acoplamento (Sem carga vertical)

    O tamanho necessrio do acoplamento para reboque e semireboque determinado pelo valor D.

    O valor D definido como fora de comparao terica para a fora entre o veculo trator e o reboque/semireboque.

    8.1.1 Acoplamento ou engate para reboque

    As dimenses do acoplamento para reboque sero estabelecidas segundo D.

    8.1.2 Acoplamento para r

    Para os dispositivos de unreboque de eixo central/dvalores Dc e V. O valor Vvertical no ponto de engateixo traseiro do veculo tra

    a s

    ni ap

    D g TT---=

    Onde:D = Valor [kN].g = Acelerao devido a gravidT = Peso total admissvel do veR = Peso total admissvel do re

    Dc gTT--=

    Onde:Dc = Valor D [kN].g = Acelerao devido gravidT = Peso total admissvel do ve

    em [t].C = Peso total admissvel do re

    vertical em [t].

    V a x2 CI2

    ------------ kN[ ] =

    Onde:V = Valor V [kN].a = 1,8 m/s (para veculos tratores com suspenso pneumtica ou

    suspenso comparvel)a = 2,4 m/s (para veculos tratores com outras suspenses, p. ex.,

    suspenso mola de lmina)rfci

    a lan do que

    < 1

    6,------

    vido traque se

    oqura montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    eboque (com carga vertical)

    io mecnicos indicados para e timo rgido, aplicam-se os

    define o fator de acelerao e em funo da suspenso do tor e de um fator constante.

    8.1.3 Acoplamento par

    Para dispositivos de usemireboque/reboque,

    RR+

    --------- kN[ ]

    ade 9,81 m / s2culo tracionador em [t] boque em [t]

    CC+

    ----------- kN[ ]

    ade 9,81 m/s2.culo trator incluindo carga vertical

    boque de eixo central sem carga

    X*= Comprimento da supetral em [m]

    I*= Comprimento terico dgrupo do eixo ao centro

    C= Peso admissvel do reboem [t]

    * No caso de valores X/ lse 1,0.

    D g 0T--

    Onde:D = Valor D [kN]g = Acelerao devido graT = Peso total admissvel d

    carga sobre o semireboT = Peso total admissvel do

    o semireboque em [t]U = Carga sobre o semireb155 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    emireboque

    o mecnicos indicados para lica-se a frmula do valor D:

    e de carga do reboque de eixo cen-

    a de trao, medido do centro do olhal de reboque em (m) de eixo central sem carga vertical

    apurados por clculo, deve aplicar-

    T R R U--------------- kN[ ]

    ade 9,81 m/s2tor com semireboque incluindo a

    em [t]mireboque incluindo a carga sobre

    e em [t]

  • 8.2 Clculo da carga sobre o eixo

    8

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    8.2 Clculo da carga sobre o eixo

    Para um excelente veculo completo (veculo e carroaria), necessrio um clculo da carga sobre o eixo. A afinao da carroaria com o camio s possvel se antes de qualquer trabalho na carroaria, o veculo for pesado. Os pesos apurados na pesagem so a base do clculo da carga sobre o eixo.

    O princpio de momento angular serve para distribuir os pesos de montagem pelos eixos dianteiro e traseiro. Todas as distncias so em relao ao centro do eixo dianteiro (centro terico). Assinale o peso com os sinais matemticos corretos e tabela. O resultado ir posicionar a carroaria da

    Provou-se fazer sentido eclculo da carga sobre o e

    Peso

    + (mais) significa tudo o qu

    - (menos) significa tudo o(pesos)

    Distncia entre-eixos

    + (mais) significa tudo o eixo dianteiro

    - (menos) significa tudo o qeixo dianteiro

    Clculo da distribuio dotraseiro com a frmula:

    G VA Gcomp

    GVA = Alterao do peso eix

    GComponente = Peso do compon

    GHA = Alterao do peso eix

    G HAGcomponente a

    R------------------------------------------------- kg[ ]

    GHA = Alterao do peso eixo traseiro em [kg]

    G Componente = Peso do componente em [kg]

    pa

    s tera montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    registre-os sob a forma de contribuir para que possa

    forma ideal.

    specificar o seguinte para o ixo:

    e carrega o veculo

    que retira carga ao veculo

    que est atrs do centro do

    ue est frente do centro do

    peso nos eixos dianteiro e

    onente GHA kg[ ]

    o dianteiro em [kg]

    ente em [kg]

    o traseiro em [kg]

    a = Distncia entre os eixosem [mm]

    R = Distncia entre as roda156 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    ra centro do eixo dianteiro terico

    rica [mm]

  • 8.3 Distncia entre eixos tcnica

    8

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    8.3 Distncia entre eixos tcnica

    8.3.1 Determinao da distncia entre eixos tcnica em veculos de 3 eixos

    Para o clculo da distncia entre eixos tcnica (Ri), aplica-se a frmula:

    Se G2 for igual a G3, a frm

    Ri R HA G3( )G2 G3( )-------------------------

    Para calcular a distncia entre seguintes valores:

    R = Distncia entre eixos do vecentro do eixo 2

    HA = Distncia dos eixos traseiG2 = Carga admissvel sobre o G3 = Carga admissvel sobre o

    Ri R

    Para calcular a distncia entre seguintes valores:

    R = Distncia entre eixos do vecentro do eixo 2

    HA = Distncia dos eixos traseiG2 = Carga admissvel sobre o G3 = Carga admissvel sobre o

    Veculo de 3 eixosra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    ula simplificada:

    eixos tcnica (Ri), precisa dos

    culo medida do centro do eixo 1 ao

    ros2. eixo segundo o cdigo de peso3. eixo segundo o cdigo de peso

    HA( )2( )------------

    eixos tcnica (Ri), precisa dos

    culo medida do centro do eixo 1 ao

    ros2. eixo segundo o cdigo de peso3. eixo segundo o cdigo de peso157 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 8.3 Distncia entre eixos tcnica

    8

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    8.3.2 Determinao da distncia entre eixos tcnica em veculos de 4 eixos

    Para o clculo da distncia entre eixos tcnica (Ri), aplica-se a frmula:

    Se G1 for igual a G2, a frm

    Se tambm G3 for iguafrmula:

    Ri R VA G2( )G1 G2( )-------------------------

    HA G4( )G3 G4( )-------------------------

    Para calcular a distncia entre eixos tcnica (Ri), precisa dos seguintes valores:

    R = Distncia entre eixos do vecentro do eixo 3

    VA = Distncia do eixo dianteiroHA = Distncia dos eixos traseiG1 = Carga admissvel sobre o G2 = Carga admissvel sobre o G3 = Carga admissvel sobre o G4 = Carga admissvel sobre o

    Ri R VA2-----

    Ri R

    Veculo de 4 eixosra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    ula simplificada:

    l a G4, resulta a seguinte

    culo medida do centro do eixo 1 ao

    ros1. eixo segundo o cdigo de peso2. eixo segundo o cdigo de peso3. eixo segundo o cdigo de peso4. eixo segundo o cdigo de peso

    -- HA G4( )G3 G4( )-------------------------

    VA HA2

    ----------------------158 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 9.1 Tabelas de pesos e medidas

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    9 Dados Tcnicos

    9.1 Tabelas de pesos e medidas

    e p

    Antes de consultar as tabelas veja as notas a seguir.

    As tolerncias, entre parnteses, para o comprimento externo recomendado as carroarias I, representam a diferena para atingir o limite mximo regulamentar do balano traseiro, que corresponde a 60% da distncia entre os eixos extremos, limitado abalano traseiro devidamente, assim cas prescries legaischoque traseiro.

    As tolerncias no sode lquidos, cargas unindivisveis ou materia

    A montagem de carrequipamentos dever gravidade indicado na

    Os pesos brutos mxeixos dianteiro e trasede carregamento, nosendo que para garantpeso sobre o eixo diana 25% do peso bruto teixos 20% do peso bru

    Os pesos indicados srie.

    A complementao dprescries tcnicas dLtda. ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    Tabelas de dimenses

    3500 mm. Portanto, o dever ser prolongado omo dever ser observadas para instalao do para-

    aplicveis para o transporte iformemente distribudas e

    l a granel.

    oarias especiais e outros ser em funo do centro de coluna H.

    imos especificados para os iro, em quaisquer condies devero ser ultrapassados, ir adequada dirigibilidade, o teiro no dever ser inferior otal e para os veculos de 3 to total.

    referem-se a execuo de

    o chassi dever atender as a Mercedes-Benz do Brasil

    Centro de carga159 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    esos - Accelo > pgina 179

  • 9.2 Desenhos de oferta

    9

    Diretrizes pa

    Observar a

    9.2 Desenhos de oferta

    Tab 1: Desenhos de Oferta

    Veculo Modelo Trao Entre eixos N Construo N Desenho Link

    Accelo

    915 (*)

    4x2

    37 979.046 979 002 02 97 D

    44 979.048 979 002 03 97 D

    815

    31 979.023 979 002 04 97 D

    37 979.026 979 002 05 97 D

    44 979.028 979 002 06 97 D

    1016

    * Exclusivo para exporta

    OBS: Link direto - Desen160ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

    31 979.073 979 002 07 97 D

    37 979.076 979 002 08 97 D

    44 979.078 979 002 09 97 D

    o - Proconve P5/ Euro 3

    hos de oferta Accelo > pgina 199

  • 9.3 Disposio das rvores de transmisso

    9

    Diretrizes pa

    Observar a

    9.3 Disposio das rvores de transmisso

    Tab 2: Lay-out Eixo Cardan

    Lay-

    out

    Mola Normal

    Eixo HL2

    Cmbio ZF 5S 580 TO G56-6

    Vec

    ulo

    815

    31 A979 000 12 41 D

    dan

    Yoke SPL 70 - -

    -

    -

    37 A979 000 13 41 D Yoke SPL 70 - - -

    44 A

    1016

    31 A

    37 A

    44 A

    Link direto

    Disposio das rvopgina 189.

    Transporte de Bebidas pgina 198.161ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

    Car

    979 000 14 41 D Yoke SPL 70 - - -

    979 000 15 41 DC

    arda

    nYoke SPL 90 A979 000 09 41 D

    Car

    dan

    Yoke SPL 90

    979 000 16 41 D Yoke SPL 100 A979 000 10 41 D Yoke SPL 100

    979 000 17 41 D Yoke SPL 100 A979 000 11 41 D Yoke SPL 100

    res de transmisso >

    - Accelo 1016 /2850 >

  • 9.4 Dimenses do eixo traseiro

    9

    Diretrizes pa

    Observar a

    9.4 Dimenses do eixo traseiro

    Tab 3: Dimenses do eixo com freio a tambor

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G162ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

    Dimenses Accelo

    Distncia roda roda 1677 mm

    Distncia tambor tambor 1686 mm

    Altura da sela em relao ao centro da viga 92,5 mm

    ngulo da sela em relao ao pinho 6

    Distncia entre os cilindros de freio 713 mm

    Distncia entre as selas da mola 1022 mm

    Distncia entre as faces externas dos pneus 2176 mm

  • 9.4 Dimenses do eixo traseiro

    9

    Diretrizes pa

    Observar a

    Tab 4: Dimenses do eixo com freio a disco

    Modelo

    A

    B

    C Altura

    D n

    E D

    F Distn163ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.Dimenses Eixo com freio a disco

    Distncia roda roda 1708 mm

    Distncia flange flange 1686 mm

    da sela em relao ao centro da viga 92,5 mm

    gulo da sela em relao ao pinho 6

    istncia entre as selas da mola 1022 mm

    cia entre as faces externas dos pneus 2184 mm

  • 9.4 Dimenses do eixo traseiro

    9

    Diretrizes pa

    Observar a

    9.4.1 Dimenses dos elementos bsicos de freio

    Tab 5: Dimenses dos elementos bsicos de freio (Freio tambor)

    Veculo Accelo 815

    Eixo traseiro MBB HL2/ 511D - 6,2

    Presso de trabalho (bar) 8,5 bar

    Vlvula ALB Srie

    Cilindro de freio dianteirorea (Polegadas) 20

    Cilindro combinado do f

    Comprimento

    Dimet

    Dimetro do tambor

    Espessu

    Largur

    rea de frenagem

    Re164ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

    Curso do mbolo 57 mm

    reio traseirorea (Polegadas) 16/ 24

    Curso do mbolo 57 mm

    da alavanca de acionamento 127 mm

    ro efetivo do S came 23,28 mm

    de freioDianteiro 325 mm

    Traseiro 325 mm

    ra do material de atrito 17,3 mm

    a do material de atrito 120 mm

    (cm)Dianteiro 1423 (cm)

    Traseiro 1423 (cm)

    Servio Pneumtico com 2 circuitos

    servatrios de ar2 reservatrios de 20 litros e 1 de 5 litros da

    central modular APU

  • 9.4 Dimenses do eixo traseiro

    9

    Diretrizes pa

    Observar a

    Tab 6: Dimenses dos elementos bsicos de freio (Freio disco)

    Veculo Accelo 1016

    Eixo traseiro MBB HL2/ 50DC - 6,4

    Presso de trabalho (bar) 8,5 bar

    Vlvula ALB Srie

    rea do cilindro de freio dianteiro (Polegadas) 20

    rea do cilindro combinado de freio traseiro (Polegadas) 16/24

    Espessu

    Dimetro do disco d

    rea de frenag

    Re165ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

    ra do material de atrito 19 mm

    e freio Dianteiro 335 mm

    Traseiro 335 mm

    em Dianteiro 452 (cm)

    Traseiro 452 (cm)

    Servio Pneumtico com 2 circuitos

    servatrios de ar2 reservatrios de 20 litros e 1 de 5 litros da

    central modular APU

  • 9.5 Caractersticas tcnicas das tomadas de fora

    9

    Diretrizes pa

    Observar a

    9.5 Caractersticas tcnicas das tomadas de fora

    Tab 7: Tomada de Fora na caixa de mudanas

    Modelo Caixa de mudanMd

    915C** FSO4405A

    815 ZF S5-580 TO

    1016 MB G56-6

    - G33-5

    - FSO4405A

    3)

    Os valores de Momento

    1 Disposio da tomada de166ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

    de fora mxima para operao contnua equivalem a 70% dos valores de pico mencionados na tabela.as(*) Tomada

    de fora

    Relao de

    transmisso

    Potncia(kw / rpm)

    Eaton 3001307/308*

    0,995 53 / 2100

    NS 42/2* 1,0214,0 / 500

    28,0 / 1000

    Chelsea 442* 1,00 28,3 / 1000

    (*) Chelsea442

    0,82 83/ 3600

    (*) Eaton 3001307/ 308 0,995 53/ 2100

    (**) 915 C destinado somente para exportao (Proconve P5/ Euro

    (*) Tomadas de fora no disponveis de fbrica

    foraomentoe fora(Nm)

    Sentidode

    rotao

    244 Contrrio ao motor

    265 Contrrio ao motor

    271 Contrrio ao motor

    271 Contrrio ao motor

    244 Contrrio ao motor

  • 10.1 Generalidades

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    10 Instrues para adaptao do 3 eixo veicular

    10.1 Generalidades

    10.1.1Campo de aplicao

    Estas instrues aplica-seveculos:

    1016* com cmbio G5i=4,3.

    10.1.2Credencial do adap

    O objetivo destas instrues fixar as condies exigidas e recomendadas para adaptao do 3 eixo veicular em caminhes, visando atender aos princpios da boa tcnica, manuteno, segurana de trfego, da adequada durabilidade e do bom desempenho do chassi e de seus componentes.

    No Brasil a adaptao ddeve ser executada somecredenciada junto ao INde Metrologia, Normalizanos termos da ResoluoConselho Nacional de Trnormas ABNT elaboradas

    Em outro pas observe aas diretrizes e as normasra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    aos seguintes modelos de

    6 e relao de eixo traseiro

    tador

    o 3 eixo auxiliar veicular nte por firma especializada, METRO - Instituto Nacional o e Qualidade Industrial, n 776/93 do CONTRAN -

    nsito, e de acordo com as para esta finalidade.

    s leis especficas em vigor, !167 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 10.2 Caractersticas bsicas do veculo adaptado

    10

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    10.2Caractersticas bsicas do veculo adaptado

    10.2.1Pesos mximos indicados

    O peso bruto total indicado e o peso mximo indicado por eixo veicular, devem obedecer aos valores das tabelas indicadas no captulo Tabelas de dimenses e pesos > pgina 54.As cargas admissveis sobre os eixos e o peso bruto total admissvel (PBT) indicados nos dados tcnicos, no devero ser excedidos em hiptese alguma.

    10.2.2Dimenses e pesos

    Normalmente, o comprimcarga deve ser calculadosimtrico coincida com o para a carga e carrodistribuio correta da car

    O balano traseiro devedistncia entre rodas dosexceder a 3,50 m.

    As dimenses de referCarroarias ou outros determinadas sempre egravidade previsto para cacarga), medida H indicae pesos de referncia.

    Estes valores de pesos ede identificao do vecuda porta esquerda do veresoluo n 290/08 CO

    No Brasil este comprimDecreto n 88.686, de 0a no restrio do ngulo

    As dimenses recomendadas para carroarias e pesos de referncia referentes aos veculos com 3 eixo auxiliar adaptado esto indicados nos captulos Balano traseiro e distncias entre eixos >pgina 53 e Tabelas de dimenses e pesos >pgina 54ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    de referncia

    ento do compartimento de de forma que o seu centro centro de gravidade previsto

    aria (G), para assegurar a ga sobre os eixos.

    ter, no mximo, 60% da eixos extremos e no pode

    ncia para montagem de equipamentos devem ser m funo do centro de rga til mxima (carroaria + da nas tabelas de dimenses

    sto indicados na plaqueta lo, fixada na coluna traseira culo, conforme determina a NTRAN.

    ento regulamentado pelo 6.09.83; esta limitao visa de sada ().

    Dimenses de referncia168 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 10.2 Caractersticas bsicas do veculo adaptado

    10

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    10.2.3Quadro do chassi

    Para adaptao do 3 eixo, o quadro do chassi original deve ser reforado observando-se as especificaes prescritas a seguir:

    1 O prolongamento do quadro do chassi dever ser feito de tal maneira que a distribuio da carga sobre os trs eixos, fique dentro dos valores que constam no captulo Distribuio de carga sobre as rodas > pgina 56.

    2 Ao modificar o quadro do chassi original, cuidar para que a sua capacidade de tprincipalmente na zondianteiro e os suportepropulsor.

    3 Para atender as solicprovocadas pelo aumadmissvel indicado nlongarinas necessitammdulo de resistnciaprojetados de acordo cfletores resultantes pconforme NBR 6749. Os reforos no devemperfis, terminando grque evitem a formaocontrrio as longarinasEstes reforos poderconfiguraes, confoseguir. Todavia devemlongarinas do chassparafusos auto-travantravadas com punfixao destes reforadmissvel a utilizao

    s solorm

    ro

    preda

    osa--tr p

    on sua

    uaa ia

    o xcind> ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    elasticidade, resistncia e oro sejam mantidas, a compreendida entre o eixo s dos feixes de molas do eixo

    itaes de esforos que so ento do peso bruto total

    a adaptao do 3 eixo, as de reforos (aumento do

    ou secional), que devem ser om o diagrama de momentos ara veculo de trs eixos,

    sofrer variaes bruscas de adualmente, de tal maneira de picos de tenso, pois do podem romper-se.

    o ter perfis em diferentes rme indicado na figura a ser fixados nas almas das is por meio de rebites, tes, parafusos com porcas o ou sistema similar. Para os nas longarinas no de soldas.

    4 No so admissveida emenda do prexecutados confoSoldagem no quad

    5 A figura a seguir recondies de emen

    6 Quando os reforsoldados, recomendou parafusos autoporcas travadas com

    7 O material do prolnovas travessas ereforos, deve ser ddas longarinas do qperfis da longarinalterao da distnc

    As furaes, quanddevem ser feitas elongarinas, conforme no quadro do veculo

    Reforos169 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    oldas nas longarinas, salvo as ngamento, que devero ser e indicado no captulo

    > pgina 81.senta soluo que atende as

    das longarinas.

    das emendas no forem se fix-los por meio de rebites avantes ou parafusos com uno ou sistema similar.

    gamento das longarinas, das as talas de fixao, e dos

    mesma qualidade do material dro do chassi. Vide tabela dos no captulo Aprovao da

    entre eixos > pgina 88.

    estritamente necessrias, lusivamente na alma das icado no captulo Furaes pgina 80.

  • 10.2 Caractersticas bsicas do veculo adaptado

    10

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    10.2.4Suspenso nos eixos

    A suspenso ser projetada pela empresa adaptadora, de modo a atender as distribuies de carga conforme especificado no captulo Distribuio de carga sobre as rodas > pgina 56.O ngulo formado pelo eixo geomtrico do pinho do eixo veicular propulsor e a aba superior da longarina deve ser igual ao ngulo original, a fim de manter o paralelismo entre os flanges da rvore de transmisso. Consultar captulo Disposio das rvores de transmisso > pgina 161 e Dimenses do eixo traseiro > pgina 162.A curva descrita pela movface a atuao de cargaperfeito deslocamento transmisso, mesmo nmovimento do eixo. Catransmisso pode ser seriamente a segurana do

    Ao projetar a suspenso, aa geometria de trabalho dseja modificado o curso rvore de transmisso, cocarregado na condio de

    No projeto de suspenso alturas originais do chassioferta dos veculos.

    Particularidades para aplicaes com entre-eixos 2850 a 3100 mm.

    As adaptaes do 3 eixo em veculos Accelo que utilizem entre-eixos 2850 mm ou 3100 mm devero respeitar rigorasamente os ngulos do eixo propulsor e pinho especificadas nos desenhos Disposio das rvores de transmisso > pgina 189.

    Os veculos implementados com o 3 eixo nos entre-eixos citados acima devero ter a velocidade mxima limitada eletrnicamente, a 100 km/h, atravs da parametrizao do mdulo de comando (Servio

    co

    3r snodo su

    uin

    daja

    dev ca

    ar

    r cora montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    imentao do eixo propulsor , no deve comprometer o longitudinal da rvore de os pontos extremos do so contrrio, a rvore de

    afetada, comprometendo veculo.

    s barras tensoras devero ter efinida, de tal modo que no original no sentido axial da nsiderando o veculo vazio e

    batente metlico.

    devero ser consideradas as , disponveis nos desenhos de

    realizado na rede de

    Para os entre-eixosrecomendado utilizaeixo auxiliar. Caso recomendao deviinstalao de um condicionado as seg

    - o suspensor somenteobstculos onde htraseiro;

    - o uso do suspensor sonoro no interior da

    - o suspensor deve atu

    - o veculo no deveacionado mesmo na 170 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    ncessionrios).

    100 mm ou inferior no uspensor pneumatico para o seja possivel seguir esta a aplicao do veculo, a

    spensor pneumatico estar tes premissas;

    eve ser utilizado para transpor perda de trao do eixo

    e estar associado a um aviso bina;

    somente em meio levante;

    transitar com o suspensor ndio vazio.

  • 10.2 Caractersticas bsicas do veculo adaptado

    10

    Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s n

    10.2.5Cubos de roda

    A fim de possibilitar a utilizao de rodas e pneus iguais, os cubos a serem montados no 3 eixo veicular auxiliar devero ser idnticos aos do veculo original, de modo a permitir a centragem dos aros atravs dos mesmos.

    Para isto devem ser utilizados:

    Cubos de rodas com guias de centralizao;

    Rodas sem escariados nos furos;

    Porca chata com arruela integrada;

    Parafusos de qualidade

    Torque de aperto das poNm.ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    10.9;

    rcas de roda deve ser de 600 171 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 10.3 Terceiro eixo veicular auxiliar

    10

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    10.3Terceiro eixo veicular auxiliar

    Usinagem da ponta do eixo:

    Recomendamos, por questes de padronizao de componentes, que a ponta do 3 eixo veicular seja usinada de acordo com a ponta do eixo propulsor do veculo, conforme desenhos indicados na tabela.

    No Brasil, o adaptador credenciado pelo INMETRO obrigado a usar na adaptao do eixo veicular auxiliar com Marca Nacional de Conformidade, que atende as exigncias estabelecidas pelos mtodos de ensaios:

    NBR 6744: VERIFICAO DE FADIGA POR FLEXO VERTICAL

    NBR 6745: VERIFICELEMENTOS DE FIXA

    NBR 10.311: PONTA D- DETERMINAO DA R

    Em outros pases, por medevero ser observadas e

    Tab 1: Desenho da ponta d

    Veculo

    Accelo 1016ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    172

    data: 5/10/13

    a verso atualizada.AO DE FADIGA DOS O DO FREIO

    O EIXO VEICULAR AUXILIAR ESISTNCIA A FADIGA

    dida de segurana tambm stas normas.

    e eixo

    Eixo traseiro Desenho de ponta de eixo

    HL2/50 - 6A D

  • 10.4 Sistemas de freio

    10

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    10.4Sistemas de freio

    As caractersticas bsicas do sistema de freio de servio de srie, devem permanecer inalteradas no que se refere a elementos de segurana e desempenho, mesmo aps a adaptao do 3 eixo auxiliar.

    Em qualquer caso ou circunstncia a eficincia de frenagem do 3 eixo veicular auxiliar (para freio de servio e de estacionamento) dever ser comprovadamente a mesma do eixo propulsor. Para isso os freios a serem instalados no 3 eixo devem ser do mesmo tipo e modelo (mesmas caractersticas tcnicas, funcionais e dimeixos de srie do veculo.

    O freio de estacionamentoeixo auxiliar e que estfuncionamento e de eficiestacionamento do eixo pr

    Uma vlvula de descargacircuito de estacionamenidntica feita para o circilindros de freio do eixopara garantir menor temcmaras de estacionamen

    Os veculos com 3 eixoatender aos requisitos esensaios dos sistemas emergncia e de estacion777.

    Os veculos ACCELO vreservatrios de ar de 20Lpara o circuito traseiro e 2

    Na adaptao do 3 eixo outro reservatrio de 2interligado ao reservatrioprotetora de 4 circuitos, ddo 3 eixo possua o mcmara de freio (cilindro propulsor; caso contrrio ar dever ser redimension

    As curvaturas dos tubos ddobras, rugas ou quaisprovocar futuras quebras,passagem do ar no sistem

    Para o sistema de freio ddevem ser utilizados compque o sistema de freios dodo CONTRAN 777, e que seguro.

    Para 3eixo auxiliar com sistema de suspensor pneumtico deve-se instalar um reservatrio de ar adicional de no mnimo 10L na linha de acessrios (sada 24 da vlvula de 4 circuitos) caso o veculo j no esteja equipado com este item. A linha de acessrios

    da a. Nde do

    s coist

    odi no

    l, o Empel

    does

    o

    o p funm e .

    rim,5 os triio,s) dfo

    er

    Para obter mais informaes consulte o captulo Dimenses dos elementos bsicos de freio >pgina 164ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    ensionais) que equipam os

    dever atuar tambm no 3 e tenha caractersticas de ncia, iguais as do freio de opulsor.

    rpida deve ser ligada ao to do 3 eixo (montagem

    cuito de estacionamento dos traseiro original do veculo) po de exausto do ar das to dos cilindros tristop.

    veicular adaptado devero tabelecidos nos mtodos de de freios de servios, de amento conforme CONTRAN

    erso 4x2 possuem dois para o sistema de freio (20L 0L para o circuito dianteiro).

    veicular dever ser instalado 0L para o freio traseiro, original, sada 21 da vlvula esde que o sistema de freio esmo dimensionamento da de freio combinado) do eixo o volume do reservatrio de

    ado.

    evero ser suaves, isentas de quer defeitos que venham vazamentos ou restries a a.

    o 3 eixo auxiliar adaptado onentes capazes de garantir veculo atenda os requisitos garantam que o veculo seja

    a nica linha recomenpneumticos auxiliarescom o sistema de freiotambm a instalao acionamento dos freiossuspenso.

    A capacidade de ar doaps 8 acionamentospresso suficiente no sde emergncia.

    No so permitidas moriginal do veculo, sejado eixo propulsor.

    Encontra-se disponveautomtica dos freios.dever ser instalado sistema para o 3 eixo.

    A presso de trabalhodos veculos Mercedinalterada aps adapta

    O dimetro da tubulaeixo determinado emque no haja defasageacionamento do pedalem cada uma das rodas

    O tubo plstico de supmm, espessura de 1Quando forem utilizadconexes originais (mcom as vlvulas de freconexes com dimenplstico de sinal (pilotoespessura de 1mm, con

    As tubulaes para ligaadaptado, devero s173 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    da a aplicao de sistemas dicionais por no ter vnculo

    esse caso deve ser previsto uma vlvula que impea o 3 eixo quando este estiver

    reservatrios dever garantir mpletos do pedal do freio,

    ema para efetuar uma parada

    ficaes no sistema de freio freio do eixo dianteiro ou no

    pcionalmente, a regulagem veculos com este opcional

    o implementador, o mesmo

    sistema pneumtico original -Benz, dever permanecer do 3 eixo.

    ara o freio pneumtico do 3 o do fluxo necessrio para

    de tempo na frenagem, entre acionamento efetivo do freio

    ento deve ter dimetro de 12 mm, conforme DIN 74324. tubos plsticos de 1/2, as cas) de ligao destes tubos devero ser substitudas por es em polegadas. O tubo eve ter dimetro de 8 mm e

    rme DIN 74324.

    o do sistema de freio do eixo fixadas nas longarinas e

  • 10.4 Sistemas de freio

    10

    Diretrizes pa enz

    Observar os n

    travessas, atravs de suportes similares aos do veculo original.

    As mangueiras para ligao dos cilindros de freio combinados devero ter um dimetro interno de 11mm, resistncia a ruptura mnima de 70 bar, dureza SHORE A de 60 a 80, resistir a ao corrosiva de agentes qumicos e da intemprie e ter comprimento suficiente de modo a garantir que as mesmas no sejam tensionadas em razo das oscilaes da suspenso. inadmissvel o atrito dessas mangueiras com outras partes metlicas do chassi.

    O acionamento do freio deum s ponto, para os doisa atuao ocorra simultan

    Vlvula regulagem do freio em funo da carga ALB

    Os veculos Accelo so equipados com vlvula ALB (D) de srie, aps a adaptao do 3 eixo dever ser substituda por uma vlvula rel (H).

    As tubulaes plsticascombustvel, bem como ser convenientementedesmontados, a fim dquando da execuoesmerilhamentos e codurante a adaptao do 3

    9 71or ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-B

    as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos complet

    estacionamento deve ser em eixos traseiros, de modo que eamente em ambos.

    do sistema de freio e de o chicote eltrico, devero protegidos ou at e no serem danificados de soldas, furaes,

    rtes em geral, realizados eixo veicular auxiliar.

    H - Vlvula rel n A695 42D - Vlvula ALB (Substituir p174, data: 5/10/13

    a verso atualizada.

    44rel)

  • 10.4 Sistemas de freio

    10

    Diretrizes pa

    Observar a

    Para adaptao do 3 eixo veicular com freio pneumtico obedecer o esquema a seguir.

    Observao! Os reservatrios A1 e A(APU) devero ser inter

    1 - Compressor de ar;2 - APU Vlvula reguladora de presso e protetora de 4 vias;3 - Vlvula pedal de freio;4 - Vlvula manual do freio de estacionamento;5 - Reservatrios pneumticos;5.1 - Regenerativo (5 litros)5.2 - Servio de eixo dianteiro (20 litros)5.3 - Servio eixo traseiro (20 litros)5.4 - Adicional 3 eixo (20 litros)5.5 - Acessorios/ Suspensor (10 litros)175ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

    2 do sistema de freio do eixo traseiro ligados a sada 21 da vlvula protetora 4 circuitos ligados.

    6 - Vlvula rel;7 - Cilindro de membrana do freio dianteiro; 8 - Cilindro combinado do freio traseiro (tristop);10 - Solenide de acionamento do freio motor;11 - Cilindro do freio motor;12 - Acionamento do suspensor do 3 eixo;13 - Vlvula descarga rpida;16 - Vlvula bloqueio do 3 eixo;17 - Suspensor do 3 eixo.

  • 10.5 Recomendaes para montagem

    10

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    10.5Recomendaes para montagem

    Momento de fora de aperto

    Parafuso de fixao do suporte do freio:

    rosca M 16 x 1,5 276 Nm (28,0 mkgf);

    Porca da roda 600 Nm (61,2 mkgf).

    Parafuso de fixao dos reforos do quadro do chassi:

    rosca M 10 46 Nm (4,7 mkgf);

    rosca M 12 77 Nm (7,8 mkgf).

    Os componentes originprocesso de alterao do com os momentos de aptabela abaixo.

    Ajuste dos rolamentos dos cubos do sistema de rodagem

    Apertar a porca de ajuste com momento de fora de 98 Nm (10 mkgf), girando o cubo sucessivamente para a frente e para trs. A seguir afrouxar a porca 1/8 de volta, colocar o anel e apertar a contra-porca com momento de fora de 344 a 392 Nm (35 a 40 mkgf).

    Controlar, mais uma vez, a folga axial que deve ser de 0,02 mm a 0,4 mm.

    Lubrificao dos rolamentos dos cubos

    Tab 2:

    Modelo rvore de transmisso

    1016 61-81 Nmra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    176

    data: 5/10/13

    a verso atualizada.ais removidos durante o chassi devem ser remontados erto especificados, conforme

    Encher os cubos das rodas com 400 g de graxa para rolamentos, tipo mobil grease n5.

    Suporte do Tanque de combustvel

    Cinta do tanque de ar

    Suporte das baterias e reservatrios de ar na longarina

    Suporte do silencioso

    110 Nm 30 Nm 150 Nm 50Nm

  • 10.6 Garantia

    10

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    10.6Garantia

    Conforme estabelecido na resoluo CONTRAN 776/93, a empresa implementadora garante a execuo da adaptao e os materiais nela empregados, emitindo o correspondente Certificado de Garantia.

    Para territrio brasileiro a garantia da Mercedes-Benz do Brasil Ltda. regida pelo seu TERMO DE GARANTIA.

    Para veculos destinadocondies estabelecidas ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    s a exportao, valem as em contrato.177 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • 11.1 Complementao acelerador externo

    Diretrizes pa nz,

    Observar a s n

    11 Esquema de montagem

    11.1 Complementao acelerador externo

    Funo MT5

    Para acesso a conexo de espera remova o porta-luvas do veculo. Figura abaixo.

    Caso o veculo no possuatomada de fora (Code ser feita atravs de uma postos de servios autor

    X1 - Conector cinza "de esperaLocalizao do conector X1

    Esquema de ligaoConector cinza de espera

    2 Interruptores de emergncS1 Desligamento de emergnciaS2 Acelera manualmente o motS2 Desacelera manualmente o mra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    a preparao eltrica para a MT5), sua instalao poder rede de concessionrios ou

    izados Mercedes-Benz.

    "

    ia

    orotor178 data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • i

    Tabelas de dimenses e pesos - Accelo

    Tab 1: Veculo Accelo 915C (4x2)/ Exclusivo para exportao - Proconve P5

    Legenda:

    C - Distncia entre eixos (mm)

    ED - Eixo dianteiro

    ET - Eixo traseiro

    T - Peso Total

    CMT/PBT - Capacidade Mxima de Trao/ Peso Bruto Total

    L - Largura

    M - Distncia mnima entre o centro do eixo dianteiro e a carroaria

    (*) No Brasil para utilizao de carroarias acima de 2400 mm de largura, ser necessria a substituio dos espelhos retrovisores em atendimento a resoluo CONTRAN 636/84. Para outros pases observbar as respectivas exigncias Legais vigentes.

    Veculo Trao C(mm)o din

    I(mm)

    M(mm)

    L (m) *

    915C 4x23700

    da5500 420 2200-2300

    4400 6500 420 2200-2300TipCab

    StanDiretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    ! Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

    Combinado

    H - Centro de gravidade para carga e carroaria (mm)

    I - Comprimento externo mximo recomendado para carroaria (mm).

    (**) Sob consulta

    Peso (kg)

    ea

    Chassi c/ cabina Carga+carroaria Peso Bruto Total CMT/PBTC (kg)

    **

    H(mm)ED ET T ED ET T ED ET T

    rd2100 1020 3120 1100 5180 5880 3200 6200 9000 13000 565 50

    2170 1100 3270 1030 5100 5730 3200 6200 9000 13000 635 50

  • i 180

    Tab 2: Veculo Accelo 815/ 1016 (4x2)

    Legenda:

    C - Distncia entre eixos (mm)

    ED - Eixo dianteiro

    ET - Eixo traseiro

    T - Peso Total

    H - Centro de gravidade para carga e carroaria (mm)

    I - Comprimento externo mximo recomendado para carroaria (mm).

    L - Largura

    M - Distncia mnima entre o centro do eixo dianteiro e a carroaria

    (*) No Brasil para utilizao de carroarias acima de 2400 mm de largura, ser retrovisores em atendimento a s pases observbar as respectivas

    Veculo Trao C(mm)Tipo dCabin

    I(m) L

    M(mm)

    815

    4x2

    3100

    Standa

    0 (+0,10) 2200-2300 420

    3700 0 (+0,10) 2200-2300 420

    4400 6,60 2200-2300 420

    1016

    3100 0 (+0,10) 2300-2400 420

    3700 0 (+0,10) 2300-2400 420

    4400 6,60 2300-2400 420Diretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

    CMT/PBT - Capacidade Mxima de Trao/ Peso Bruto Total Combinado

    necessria a substituio dos espelhos resoluo CONTRAN 636/84. Para outroexigncias Legais vigentes.

    Peso (kg)

    ea

    Chassi c/ cabina Chassi+carroaria Peso Bruto Total CMTPBTC (kg)

    H(mm)ED ET T ED ET T ED ET T

    rd

    2200 1090 3290 800 4210 5010 3000 5300 8300 11 495 4,4

    2220 1110 3330 780 4190 4970 3000 5300 8300 11 580 5,4

    2320 1200 3520 680 4100 4780 3000 5300 8300 11 625

    2210 1090 3300 990 5310 6300 3200 6400 9600 11 487 4,4

    2230 1130 3360 970 5270 6240 3200 6400 9600 11 575 5,4

    2340 1200 3540 860 5200 6060 3200 6400 9600 11 624

  • i 181

    Tab 3: Veculo Accelo E5 1016 (6x2) com 3 eixo adaptado

    Legenda:

    C - Distncia entre eixos (mm)

    ED - Eixo dianteiro

    ET - Eixo traseiro

    T - Peso Total

    CMT/PBT - Capacidade Mxima de Trao/ Peso Bruto Total Combinado

    L - Largura

    M - Distncia mnima entre o centro do eixo dianteiro e a carroaria

    Para utilizao de 3 eixo com as capacidades CMT/ PBTC 13 Ton. obrigatrio a utilizao do cmbio G56 com relao ET 4,3

    (*) No Brasil, para a utilizao de carroarias acima de 2400 mm de largura, ser necessria a substituio dos espelhos retrovisores em atendimento resoluo CONTRAN 636/ 84. Para outros pases observar as respctivas

    Veculo Trao C+K(mm)Tipo deCabina

    I(m)

    L(*)

    M(mm)

    1016 6x2

    3100+

    1000

    Standard

    2 ,80 (+0,30) 2300-2400 420

    3700+

    10002 ,90 (+0,20) 2300-2400 420

    4400+

    10002 8,2 2300-2400 420Diretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

    H - Centro de gravidade para carga e carroaria (mm)

    I - Comprimento externo mximo recomendado para carroaria

    K - Distncia mnima entre o centro do eixo dianteiro e a carroaria

    Exigncias Legais vigentes.

    Peso (kg)

    Chassi c/ cabina Carga+carroaria Peso Bruto Total CMTPBTC (kg)

    H(mm)ED ET1 ET2 T ED ET1 ET2 T ED ET1 ET2 T

    268 1188 770 4226 732 3812 4230 8774 3000 5000 5000 13000 13000 300 5

    288 1228 818 4334 712 3772 4182 8666 3000 5000 5000 13000 13000 345 6

    380 1280 850 4510 620 3720 4150 8490 3000 5000 5000 13000 13000 357

  • i 182

    Disposio das travessas

    Accelo Entre eixos 31 c/ Cmbio G-56 (4x2)Diretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

  • i 183

    Accelo Entre eixos 37 c/ Cmbio G-56 (4x2)Diretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

  • i 184

    Accelo Entre eixos 44 c/ Cmbio G-56 (4x2)Diretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

  • i 185

    Accelo Entre eixos 31 c/ Cmbio ZF (4x2)Diretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

  • i 186

    Accelo Entre eixos 37 c/ Cmbio ZF (4x2)Diretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

  • i 187

    Accelo Entre eixos 44 c/ Cmbio ZF (4x2)Diretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

  • i 188

    HL2/ 50 - 6A (1016)

    Desenho da ponta de eixoDiretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/13

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atualizada.

  • 13

    alizada.

    189

    os

    00

    i

    Disp

    A979 0Diretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atu

    io das rvores de transmisso

    12 41

  • 13

    alizada.i 190

    A979 000Diretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atu

    13 41

  • 13

    alizada.i 191

    A 979 00Diretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atu

    0 14 41

  • 13

    alizada.i 192

    A 979 00Diretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atu

    0 15 41

  • 13

    alizada.i 193

    A 979 00Diretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atu

    0 16 41

  • 13

    alizada.i 194

    A 979 00Diretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atu

    0 17 41

  • 13

    alizada.i 195

    A 979 00Diretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atu

    0 09 41

  • 13

    alizada.i 196

    A 979 00Diretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atu

    0 10 41

  • 13

    alizada.i 197

    A 979 00Diretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atu

    0 11 41

  • 13

    alizada.i 198

    TransporDiretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atu

    te de Bebidas - Accelo 1016 /2850

  • 13

    alizada.

    199

    n

    00

    i

    Dese

    A 979 Diretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atu

    hos de oferta Accelo

    2 02 97

  • 13

    alizada.i 200

    A 979 00Diretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atu

    2 03 97

  • 13

    alizada.i 201

    A 979 00Diretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atu

    2 04 97

  • 13

    alizada.i 202

    A 979 00Diretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atu

    2 05 97

  • 13

    alizada.i 203

    A 979 00Diretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atu

    2 06 97

  • 13

    alizada.i 204

    A 979 00Diretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atu

    2 07 97

  • 13

    alizada.i 205

    A 979 00Diretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atu

    2 08 97

  • 13

    alizada.i 206

    A 979 00Diretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atu

    2 09 97

  • 13

    alizada.

    207

    e

    E

    i

    Esqu

    AcceloDiretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atu

    ma eltrico Accelo Euro 3

    uro 3 parte 1

  • 13

    alizada.i 208

    Accelo EDiretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atu

    uro 3 parte 2

  • 13

    alizada.i 209

    Accelo EDiretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atu

    uro 3 parte 3

  • 13

    alizada.i 210

    Accelo EDiretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atu

    uro 3 parte 4

  • 13

    alizada.

    211

    e

    E

    i

    Esqu

    AcceloDiretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atu

    ma eltrico Accelo Euro 5

    uro 5 parte 1

  • 13

    alizada.i 212

    Accelo EDiretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atu

    uro 5 parte 2

  • 13

    alizada.i 213

    Accelo EDiretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atu

    uro 5 parte 3

  • 13

    alizada.i 214

    Accelo EDiretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atu

    uro 5 parte 4

  • 13

    alizada.i 215

    Accelo EDiretrizes para montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Benz, data: 5/10/

    Observar as indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completos na verso atu

    uro 5 parte 5

  • Diretrizes pa nz,

    ! Observar a s ni

    Contato

    Mercedes-Benz do Brasil Ltda., por meio dos Postos Autorizados Mercedes-Benz.

    Internet

    www.mercedes-benz.com

    www.daimler.com

    Redao

    Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

    VPS - Literatura Tcnica de Servio

    10.05.2013ra montagem de carroarias e equipamentos em caminhes Mercedes-Be

    s indicaes relativas s alteraes ! Sempre imprimir captulos completo

    216

    data: 5/10/13

    a verso atualizada.

  • Mercedes-Benz Diretrizes para Montagem de Carroarias e Equipamentos Accelo E2 PT 10.05.2013

    Diretrizes para Montagem de Carroarias e EquipamentosDiretrizes para Montagem de Carroarias e Equipamentos1 Introduo 81.1 Estrutura deste Manual 81.2 Formas de apresentao 91.3 Segurana do veculo 101.4 Segurana operacional 111.5 Preveno de acidentes 12

    2 Generalidades 132.1 Designao do veculo e do modelo 132.2 Consultas tcnicas 142.3 Aprovao da montagem de implementos 152.3.1 Concesso de aprovaes 152.3.2 Documentos necessrios 162.3.3 Direitos 16

    2.4 Responsabilidade sobre o produto 172.4.1 Garantia de rastreabilidade 17

    2.5 Caractersticas relevantes para a segurana 182.6 Direitos da garantia 192.7 Instrues relativas a manuteno 202.8 Estrelas e emblemas da Mercedes-Benz 212.9 Reaproveitamento de materiais - Reciclagem 222.10 Sistema de qualidade 23

    3 Planejamento de carroarias e equipamentos 243.1 Escolha do chassi 243.2 Alteraes no veculo 253.3 Dimenses e indicaes de pesos 263.4 Rodas e pneus 273.5 Unies aparafusadas e soldadas 283.5.1 Unies aparafusadas 283.5.2 Unies soldadas 30

    3.6 Isolamento acstico 313.7 Sistema de escape e ps tratamento de gases (SRC) 323.7.1 Introduo ao Sistema SCR 323.7.2 Definies para o deslocamento do catalisador 333.7.3 Procedimentos para o deslocamento do catalisador 343.7.4 Prolongamento do tubo de escape 353.7.5 Soldagem na tubulao de escape 373.7.6 Prolongamento do chicote eltrico dos sensores do catalisador e reservatrio de ARLA 32 383.7.7 Mdulo de controle do SCR 413.7.8 Cuidados com o ARLA 32 413.7.9 Abastecimento do reservatrio de ARLA 32 433.7.10 Possibilidades de deslocamento do reservatrio e/ou bomba de ARLA 32 443.7.11 Prolongamento da tubulao de ARLA 32 453.7.12 Procedimento para deslocamento do reservatrio ARLA 32 47

    3.8 Manuteno e reparao 483.8.1 Instrues de manuteno 49

    3.9 Equipamentos opcionais 503.10 Consumidores pneumticos adicionais 513.11 Deslocamento da caixa de bateria 52

    4 Valores tcnicos limites durante o planejamento 534.1 Balano traseiro e distncias entre eixos 534.1.1 Tabelas de dimenses e pesos 54

    4.2 Distribuio do peso, altura do centro de gravidade e estabilizadores 564.2.1 Distribuio de carga sobre as rodas 564.2.2 Alturas do centro de gravidade 56

    4.3 Dirigibilidade 574.4 Espao livre para os agregados e cabina 584.4.1 Espao livre com cabina de conduo basculante 59

    4.5 Defletores de ar 60

    5 Preveno contra danos 615.1 Instalao eltrica 615.1.1 Preveno de danos ao alternador 635.1.2 Remoo dos componentes eletroeletrnicos 63

    5.2 Tubulaes do sistema de combustvel e dos freios 655.3 Sistemas de comunicao mvel 665.4 Compatibilidade/ interferncia eletromagntica 675.5 Trabalhos de solda 685.6 Medidas de proteo anticorrosiva 695.6.1 Trabalhos de soldagem indicados como proteo anticorrosiva 705.6.2 Unies roscadas 71

    5.7 Trabalhos de pintura 725.8 Motor 735.8.1 Sistema de arrefecimento do motor 735.8.2 Sistema de admisso do motor 735.8.3 Sistema de Combustvel 74

    5.9 Feixe de molas 745.10 Basculamento da cabina 755.11 Arranque por reboque e reboque do veculo 765.12 Perigo de incndio 77

    6 Alteraes no veculo bsico 786.1 Generalidades 786.2 Material do quadro 796.3 Furaes no quadro do veculo 806.4 Soldagem no quadro 816.5 Reforos 826.6 Sistema de freios 836.6.1 Sistema pneumtico de freios 836.6.2 Montagem de conexes em tubulaes plsticas 856.6.3 Testes para verificao de estanqueidade 86

    6.7 Alterao da distncia entre eixos 886.7.1 Aprovao da alterao da distncia entre eixos 886.7.2 Alteraes da distncia entre eixos por deslocamento do bloco do eixo traseiro. 906.7.3 Alterao da distncia entre eixos por secionamento das longarinas do chassi. 906.7.3.1 Reposicionamento das travessas no quadro do chassi. 936.7.3.2 Reposicionamento de componentes no chassi 93

    6.7.4 rvores de transmisso. 94

    6.8 Alteraes do quadro 966.8.1 Prolongamento do balano traseiro 976.8.2 Encurtamento do balano traseiro. 996.8.3 Travessa de fechamento do quadro do chassi 100

    6.9 Componentes e agregados adicionais. 1016.9.1 Fixao ao quadro do chassi 1016.9.2 Calos 1016.9.3 Para-lamas e caixas de rodas 1016.9.4 Roda de reserva 1016.9.5 Para-choque inferior traseiro 1036.9.6 Protetor lateral para veculos de carga 1056.9.7 Montagem posterior de sistema de iluminao 1066.9.8 Iluminao Veicular Traseira 106

    6.10 Cabina de conduo 1076.10.1 Prolongamento da cabina de conduo 1076.10.2 Prolongamento da cabina avanada 107

    6.11 Sistema eltrico 1086.12 Instalao da chave geral 1096.12.1 Limpeza do sistema de tratamento de gases. 1106.12.1.1 Veculo sem chave geral 1106.12.1.2 Veculos com chave geral 110

    6.13 Sistema eltrico 1116.14 Tomada de alimentao para consumidores adicionais 1126.14.1 Cabos eltricos 112

    6.15 Acelerador auxiliar (remoto) 1136.15.1 Complementao acelerador externo - rotao varivel 115

    6.16 Esquemas eltrico 1166.17 Tomadas de fora auxiliares 1176.18 Tomada de fora auxiliar acoplada a caixa de mudanas 1186.19 Tomada acionada pelo motor 1196.19.1 Tomada de fora traseira, acionada pelo volante do motor 1196.19.2 Montagem de bomba acoplada 1196.19.3 Acoplamento do equipamento auxiliar. 1196.19.4 Bomba de basculamento 119

    6.20 Montagem das rvores de transmisso 1206.21 Acoplamento ou engate para reboque 1216.21.1 Utilizao do veculo com reboque de eixo central 1236.21.2 Acoplamento de reboque deslocado para baixo 124

    7 Tipos de carroarias 1257.1 Generalidades 1257.2 Quadros auxiliares 1267.2.1 Material do quadro auxiliar 1277.2.2 Configurao do quadro auxiliar 1287.2.3 Dimenses dos perfis para o quadro auxiliar 130

    7.3 Fixao do quadro auxiliar 1317.3.1 Unio por aderncia - Fixao por console 1327.3.2 Unio resistente ao empuxo - Fixao por placas parafusadas 1337.3.3 Fecho rpido para equipamentos intercambiveis 1347.3.4 Unio por aderncia - Fixao por meio de grampos U 135

    7.4 Carroarias autoportantes 1387.4.1 Generalidades 1387.4.2 Carroarias de caixa aberta e de caixa fechada 138

    7.5 Carroarias com plataforma de carga, caixa aberta e fechada 1397.6 Guindastes articulados 1407.6.1 Guindastes articulados montados atrs da cabina 1407.6.2 Carroarias com guindastes ou guinchos na parte traseira 1427.6.3 Guindaste ou guincho removvel 143

    7.7 Carroarias basculantes 1447.7.1 Quadro auxiliar 1447.7.2 Apoios e mancais da bscula (caamba) 1457.7.3 Dispositivos de segurana 1457.7.4 Sistema hidrulico de basculamento 1457.7.5 Veculos com freios a disco no eixo traseiro 1457.7.6 Carroarias basculantes especiais sobre chassis normais. 145

    7.8 Carroarias basculantes Roll-on Roll-off. 1467.9 Carroarias tanque 1477.9.1 Carroarias tanques sem quadro auxiliar contnuo 1497.9.2 Carroarias tanque removvel 149

    7.10 Carroarias para o transporte de cargas perigosas 1507.10.1 Disposies legais 1507.10.2 Veculos para o transporte de substncias corrosivas 150

    7.11 Betoneira de transporte 1517.12 Carroarias traseiras coletoras e compactadoras de resduos 1527.13 Carroarias com plataforma elevatria traseira de carga 153

    8 Clculos 1558.1 Sistema de acoplamento (Sem carga vertical) 1558.1.1 Acoplamento ou engate para reboque 1558.1.2 Acoplamento para reboque (com carga vertical) 1558.1.3 Acoplamento para semireboque 155

    8.2 Clculo da carga sobre o eixo 1568.3 Distncia entre eixos tcnica 1578.3.1 Determinao da distncia entre eixos tcnica em veculos de 3 eixos 1578.3.2 Determinao da distncia entre eixos tcnica em veculos de 4 eixos 158

    9 Dados Tcnicos 1599.1 Tabelas de pesos e medidas 1599.2 Desenhos de oferta 1609.3 Disposio das rvores de transmisso 1619.4 Dimenses do eixo traseiro 1629.4.1 Dimenses dos elementos bsicos de freio 164

    9.5 Caractersticas tcnicas das tomadas de fora 166

    10 Instrues para adaptao do 3 eixo veicular 16710.1 Generalidades 16710.1.1 Campo de aplicao 16710.1.2 Credencial do adaptador 167

    10.2 Caractersticas bsicas do veculo adaptado 16810.2.1 Pesos mximos indicados 16810.2.2 Dimenses e pesos de referncia 16810.2.3 Quadro do chassi 16910.2.4 Suspenso nos eixos 17010.2.5 Cubos de roda 171

    10.3 Terceiro eixo veicular auxiliar 17210.4 Sistemas de freio 17310.5 Recomendaes para montagem 17610.6 Garantia 177

    11 Esquema de montagem 17811.1 Complementao acelerador externo 178

    1 Introduo1.1 Estrutura deste Manual1.2 Formas de apresentao1.3 Segurana do veculo1.4 Segurana operacional1.5 Preveno de acidentes

    2 Generalidades2.1 Designao do veculo e do modelo2.2 Consultas tcnicas2.3 Aprovao da montagem de implementos2.3.1 Concesso de aprovaes2.3.2 Documentos necessrios2.3.3 Direitos

    2.4 Responsabilidade sobre o produto2.4.1 Garantia de rastreabilidade

    2.5 Caractersticas relevantes para a segurana2.6 Direitos da garantia2.7 Instrues relativas a manuteno2.8 Estrelas e emblemas da Mercedes-Benz2.9 Reaproveitamento de materiais - Reciclagem2.10 Sistema de qualidade

    3 Planejamento de carroarias e equipamentos3.1 Escolha do chassi3.2 Alteraes no veculo3.3 Dimenses e indicaes de pesos3.4 Rodas e pneus3.5 Unies aparafusadas e soldadas3.5.1 Unies aparafusadas3.5.2 Unies soldadas

    3.6 Isolamento acstico3.7 Sistema de escape e ps tratamento de gases (SRC)3.7.1 Introduo ao Sistema SCR3.7.2 Definies para o deslocamento do catalisador3.7.3 Procedimentos para o deslocamento do catalisador3.7.4 Prolongamento do tubo de escape3.7.5 Soldagem na tubulao de escape3.7.6 Prolongamento do chicote eltrico dos sensores do catalisador e reservatrio de ARLA 323.7.7 Mdulo de controle do SCR3.7.8 Cuidados com o ARLA 323.7.9 Abastecimento do reservatrio de ARLA 323.7.10 Possibilidades de deslocamento do reservatrio e/ou bomba de ARLA 323.7.11 Prolongamento da tubulao de ARLA 323.7.12 Procedimento para deslocamento do reservatrio ARLA 32

    3.8 Manuteno e reparao3.8.1 Instrues de manuteno

    3.9 Equipamentos opcionais3.10 Consumidores pneumticos adicionais3.11 Deslocamento da caixa de bateria

    4 Valores tcnicos limites durante o planejamento4.1 Balano traseiro e distncias entre eixos4.1.1 Tabelas de dimenses e pesos

    4.2 Distribuio do peso, altura do centro de gravidade e estabilizadores4.2.1 Distribuio de carga sobre as rodas4.2.2 Alturas do centro de gravidade

    4.3 Dirigibilidade4.4 Espao livre para os agregados e cabina4.4.1 Espao livre com cabina de conduo basculante

    4.5 Defletores de ar

    5 Preveno contra danos5.1 Instalao eltrica5.1.1 Preveno de danos ao alternador5.1.2 Remoo dos componentes eletroeletrnicos

    5.2 Tubulaes do sistema de combustvel e dos freios5.3 Sistemas de comunicao mvel5.4 Compatibilidade/ interferncia eletromagntica5.5 Trabalhos de solda5.6 Medidas de proteo anticorrosiva5.6.1 Trabalhos de soldagem indicados como proteo anticorrosiva5.6.2 Unies roscadas

    5.7 Trabalhos de pintura5.8 Motor5.8.1 Sistema de arrefecimento do motor5.8.2 Sistema de admisso do motor5.8.3 Sistema de Combustvel

    5.9 Feixe de molas5.10 Basculamento da cabina5.11 Arranque por reboque e reboque do veculo5.12 Perigo de incndio

    6 Alteraes no veculo bsico6.1 Generalidades6.2 Material do quadro6.3 Furaes no quadro do veculo6.4 Soldagem no quadro6.5 Reforos6.6 Sistema de freios6.6.1 Sistema pneumtico de freios6.6.2 Montagem de conexes em tubulaes plsticas6.6.3 Testes para verificao de estanqueidade

    6.7 Alterao da distncia entre eixos6.7.1 Aprovao da alterao da distncia entre eixos6.7.2 Alteraes da distncia entre eixos por deslocamento do bloco do eixo traseiro.6.7.3 Alterao da distncia entre eixos por secionamento das longarinas do chassi.6.7.4 rvores de transmisso.

    6.8 Alteraes do quadro6.8.1 Prolongamento do balano traseiro6.8.2 Encurtamento do balano traseiro.6.8.3 Travessa de fechamento do quadro do chassi

    6.9 Componentes e agregados adicionais.6.9.1 Fixao ao quadro do chassi6.9.2 Calos6.9.3 Para-lamas e caixas de rodas6.9.4 Roda de reserva6.9.5 Para-choque inferior traseiro6.9.6 Protetor lateral para veculos de carga6.9.7 Montagem posterior de sistema de iluminao6.9.8 Iluminao Veicular Traseira

    6.10 Cabina de conduo6.10.1 Prolongamento da cabina de conduo6.10.2 Prolongamento da cabina avanada

    6.11 Sistema eltrico6.12 Instalao da chave geral6.12.1 Limpeza do sistema de tratamento de gases.

    6.13 Sistema eltrico6.14 Tomada de alimentao para consumidores adicionais6.14.1 Cabos eltricos

    6.15 Acelerador auxiliar (remoto)6.15.1 Complementao acelerador externo - rotao varivel

    6.16 Esquemas eltrico6.17 Tomadas de fora auxiliares6.18 Tomada de fora auxiliar acoplada a caixa de mudanas6.19 Tomada acionada pelo motor6.19.1 Tomada de fora traseira, acionada pelo volante do motor6.19.2 Montagem de bomba acoplada6.19.3 Acoplamento do equipamento auxiliar.6.19.4 Bomba de basculamento

    6.20 Montagem das rvores de transmisso6.21 Acoplamento ou engate para reboque6.21.1 Utilizao do veculo com reboque de eixo central6.21.2 Acoplamento de reboque deslocado para baixo

    7 Tipos de carroarias7.1 Generalidades7.2 Quadros auxiliares7.2.1 Material do quadro auxiliar7.2.2 Configurao do quadro auxiliar7.2.3 Dimenses dos perfis para o quadro auxiliar

    7.3 Fixao do quadro auxiliar7.3.1 Unio por aderncia - Fixao por console7.3.2 Unio resistente ao empuxo - Fixao por placas parafusadas7.3.3 Fecho rpido para equipamentos intercambiveis7.3.4 Unio por aderncia - Fixao por meio de grampos U

    7.4 Carroarias autoportantes7.4.1 Generalidades7.4.2 Carroarias de caixa aberta e de caixa fechada

    7.5 Carroarias com plataforma de carga, caixa aberta e fechada7.6 Guindastes articulados7.6.1 Guindastes articulados montados atrs da cabina7.6.2 Carroarias com guindastes ou guinchos na parte traseira7.6.3 Guindaste ou guincho removvel

    7.7 Carroarias basculantes7.7.1 Quadro auxiliar7.7.2 Apoios e mancais da bscula (caamba)7.7.3 Dispositivos de segurana7.7.4 Sistema hidrulico de basculamento7.7.5 Veculos com freios a disco no eixo traseiro7.7.6 Carroarias basculantes especiais sobre chassis normais.

    7.8 Carroarias basculantes Roll-on Roll-off.7.9 Carroarias tanque7.9.1 Carroarias tanques sem quadro auxiliar contnuo7.9.2 Carroarias tanque removvel

    7.10 Carroarias para o transporte de cargas perigosas7.10.1 Disposies legais7.10.2 Veculos para o transporte de substncias corrosivas

    7.11 Betoneira de transporte7.12 Carroarias traseiras coletoras e compactadoras de resduos7.13 Carroarias com plataforma elevatria traseira de carga

    8 Clculos8.1 Sistema de acoplamento (Sem carga vertical)8.1.1 Acoplamento ou engate para reboque8.1.2 Acoplamento para reboque (com carga vertical)8.1.3 Acoplamento para semireboque

    8.2 Clculo da carga sobre o eixo8.3 Distncia entre eixos tcnica8.3.1 Determinao da distncia entre eixos tcnica em veculos de 3 eixos8.3.2 Determinao da distncia entre eixos tcnica em veculos de 4 eixos

    9 Dados Tcnicos9.1 Tabelas de pesos e medidas9.2 Desenhos de oferta9.3 Disposio das rvores de transmisso9.4 Dimenses do eixo traseiro9.4.1 Dimenses dos elementos bsicos de freio

    9.5 Caractersticas tcnicas das tomadas de fora

    10 Instrues para adaptao do 3 eixo veicular10.1 Generalidades10.1.1 Campo de aplicao10.1.2 Credencial do adaptador

    10.2 Caractersticas bsicas do veculo adaptado10.2.1 Pesos mximos indicados10.2.2 Dimenses e pesos de referncia10.2.3 Quadro do chassi10.2.4 Suspenso nos eixos10.2.5 Cubos de roda

    10.3 Terceiro eixo veicular auxiliar10.4 Sistemas de freio10.5 Recomendaes para montagem10.6 Garantia

    11 Esquema de montagem11.1 Complementao acelerador externo

    Tabelas de dimenses e pesos - AcceloDisposio das travessasDesenho da ponta de eixoDisposio das rvores de transmissoDesenhos de oferta AcceloEsquema eltrico Accelo Euro 3Esquema eltrico Accelo Euro 5Contato

    /ColorImageDict > /JPEG2000ColorACSImageDict > /JPEG2000ColorImageDict > /AntiAliasGrayImages false /DownsampleGrayImages true /GrayImageDownsampleType /Bicubic /GrayImageResolution 300 /GrayImageDepth -1 /GrayImageDownsampleThreshold 1.50000 /EncodeGrayImages true /GrayImageFilter /DCTEncode /AutoFilterGrayImages true /GrayImageAutoFilterStrategy /JPEG /GrayACSImageDict > /GrayImageDict > /JPEG2000GrayACSImageDict > /JPEG2000GrayImageDict > /AntiAliasMonoImages false /DownsampleMonoImages true /MonoImageDownsampleType /Bicubic /MonoImageResolution 1200 /MonoImageDepth -1 /MonoImageDownsampleThreshold 1.50000 /EncodeMonoImages true /MonoImageFilter /CCITTFaxEncode /MonoImageDict > /AllowPSXObjects false /PDFX1aCheck false /PDFX3Check false /PDFXCompliantPDFOnly false /PDFXNoTrimBoxError true /PDFXTrimBoxToMediaBoxOffset [ 0.00000 0.00000 0.00000 0.00000 ] /PDFXSetBleedBoxToMediaBox true /PDFXBleedBoxToTrimBoxOffset [ 0.00000 0.00000 0.00000 0.00000 ] /PDFXOutputIntentProfile () /PDFXOutputCondition () /PDFXRegistryName (http://www.color.org) /PDFXTrapped /Unknown

    /Description >>> setdistillerparams> setpagedevice