magistratura sp 2009

Download Magistratura SP 2009

Post on 16-Jul-2015

249 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

CONCURSOS JURDICOS - Provas realizadas - www.concursosjuridicos.com.br/provas

Magistratura So Paulo2009

182. Concurso de provas e Ttulos para Ingresso na Magistratura

DIREITO CIVIL01. O denominado efeito repristinatrio da lei (A) segundo entendimento majoritrio, foi adotado como regra geral no direito brasileiro e implica restaurao da lei revogada, se extinta a causa determinante da revogao. (B) segundo entendimento majoritrio, no foi adotado como regra geral no direito brasileiro e implica restaurao da lei revogada, se extinta a causa determinante da revogao. (C) foi adotado como regra geral no direito brasileiro, no comporta exceo e implica restaurao da lei revogada, se extinta a causa determinante da revogao. (D) foi adotado no direito brasileiro como regra geral e implica incidncia imediata da lei revogadora. 02. Comorincia (A) presuno de morte simultnea de duas ou mais pessoas, na mesma ocasio, em razo do mesmo evento, sendo elas reciprocamente herdeiras. (B) morte de duas ou mais pessoas, na mesma ocasio, em razo do mesmo evento, sendo elas reciprocamente herdeiras. (C) morte simultnea de duas ou mais pessoas, na mesma ocasio, em razo do mesmo evento, independentemente da existncia de vnculo sucessrio entre elas. (D) morte simultnea de duas ou mais pessoas, na mesma ocasio.

1

03. Prescrio e decadncia (A) extinguem o direito de ao. (B) extinguem, respectivamente, o direito potestativo e a pretenso. (C) extinguem, respectivamente, a pretenso e o direito potestativo. (D) extinguem a pretenso. 04. Considerados em si mesmos, os bens podem ser (A) pblicos e particulares. (B) principais e acessrios. (C) imveis pela prpria natureza, benfeitorias e pertenas. (D) mveis e imveis. 05. Erro substancial e dolo essencial viciam o ato jurdico porque (A) revelam m f do contratante. (B) a vontade no livremente manifestada. (C) impedem que o declarante tenha conhecimento da realidade. (D) tornam ilcito o objeto. 06. A obrigao, se indivisvel e solidria, (A) implica responsabilidade de todos os devedores pelo total e sub-rogao em favor de quem pagar. (B) implica responsabilidade de todos os devedores pelo total, mas a subrogao limita-se solidariedade. (C) no perde essas caractersticas se convertida em perdas e danos. (D) perde essas caractersticas se convertida em perdas e danos. 07. A novao (A) deve ser expressa e implica criao de nova obrigao, podendo o credor optar pela primitiva. (B) pressupe nimo de novar, que pode ser tcito, desde que inequvoco. (C) se subjetiva passiva, depende da concordncia do devedor. (D) no extingue as garantias da obrigao anterior, salvo a fiana. 08. Assinale a alternativa correta. (A) A existncia de outro acesso no impede a passagem forada. (B) Passagem forada e servido de trnsito destinam-se a tornar mais fcil o acesso a via pblica. (C) Servido de passagem est relacionada a prdio encravado e presumida. (D) Passagem forada e servido de trnsito implicam restrio ao direito de propriedade e decorrem, a primeira, da lei, a segunda, de manifestao de vontade. 09. Constituto possessrio (A) forma derivada de aquisio da propriedade mvel. (B) modo de transferncia da posse direta ao adquirente do bem. (C) expressamente previsto no Cdigo Civil para os bens mveis e imveis. (D) modo de transferncia da posse indireta ao adquirente do bem.

2

10. O parentesco por afinidade (A) est limitado, na linha colateral, ao terceiro grau. (B) est limitado, na linha reta, ao quarto grau. (C) no tem limite na linha reta. (D) extingue-se com a dissoluo do vnculo. 11. Com relao aos efeitos patrimoniais do casamento, (A) o regime de bens pode ser alterado a qualquer momento, bastando o acordo entre os cnjuges e a autorizao judicial. (B) no regime da comunho parcial, o aval, como a fiana, depende da concordncia do cnjuge, sob pena de anulabilidade do ato, podendo o juiz supri-la se injustificvel a recusa. (C) independentemente do regime de bens, a alienao de imveis no pode ser realizada por um dos cnjuges sem autorizao do outro. (D) se um dos cnjuges for incapaz, a alienao dos bens comuns pode ser feita pelo outro, independentemente de autorizao judicial. 12. Assinale a alternativa correta. (A) A declarao de nulidade do casamento tem eficcia ex tunc, exceto com relao a alguns direitos de terceiros, perdendo o cnjuge a capacidade adquirida com a realizao do ato. (B) A dissoluo da sociedade conjugal anterior elimina a bigamia e convalida o segundo casamento. (C) A invalidade do casamento por infringncia a impedimento pode ser reconhecida ex officio e incidenter tantum. (D) O casamento contrado por incapaz nulo. 13. O direito de representao (A) verifica-se na linha reta descendente e ascendente. (B) inexiste na linha colateral. (C) implica diviso por estirpe. (D) implica diviso por cabea. 14. Quanto ao direito sucessrio brasileiro, a famlia matrimonial e a famlia fundada na unio estvel diferem (A) apenas em relao participao do sobrevivente na legtima e influncia do momento de aquisio do bem herdado pelo sobrevivente. (B) apenas em relao situao do sobrevivente na ordem de vocao hereditria, influncia do momento de aquisio do bem herdado pelo sobrevivente e concorrncia com os demais herdeiros. (C) apenas em relao influncia do momento de aquisio do bem herdado pelo sobrevivente e concorrncia com os demais herdeiros. (D) em relao participao do sobrevivente na legtima, influncia do momento de aquisio do bem herdado pelo sobrevivente, situao do sobrevivente na ordem de vocao e concorrncia com os demais herdeiros.

3

15. A responsabilidade civil extracontratual no direito brasileiro (A) afastada em caso de estado de necessidade, pois o autor do dano no responde pelos prejuzos causados. (B) no afastada em caso de estado de necessidade, pois o autor do dano responde pelos prejuzos causados. (C) no afastada em caso de estado de necessidade, mas apenas o causador do perigo responde pelos danos causados. (D) afastada, respondendo apenas aquele em defesa de quem se causou o dano.

DIREITO PROCESSUAL CIVIL16. Acolhida exceo de incompetncia e remetidos os autos ao foro indicado pelo excipiente, o juiz deve, ao receb-los, (A) dar andamento ao processo, mesmo que no se considere competente. (B) suscitar conflito negativo, caso se considere incompetente. (C) devolv-los origem, caso se considere incompetente. (D) acolher nova exceo, caso se considere incompetente. 17. A regra da correlao ou da congruncia (A) refere-se somente causa de pedir. (B) no foi adotada pelo legislador brasileiro. (C) foi adotada pelo legislador brasileiro e no comporta excees. (D) est diretamente relacionada com o princpio do contraditrio. 18. O princpio da oralidade (A) observado em segundo grau. (B) compreende as regras sobre imediatidade, irrecorribilidade interlocutrias, concentrao, identidade fsica do juiz e preveno. (C) compreende as regras sobre imediatidade, irrecorribilidade interlocutrias, concentrao e identidade fsica do juiz. (D) foi adotado no Cdigo de Processo Civil brasileiro, sem restries. 19. O princpio da instrumentalidade das formas (A) torna irrelevante o vcio, desde que o ato tenha atingido sua finalidade. (B) s pode ser aplicado s hipteses expressamente previstas em lei. (C) afasta a nulidade, desde que praticado novamente o ato. (D) no incide em nenhuma hiptese de nulidade absoluta. 20. A antecipao de efeitos da tutela jurisdicional (A) admissvel somente em demanda condenatria. (B) inadmissvel em demanda constitutiva. (C) provisria, revogvel, e eventual recurso contra a respectiva deciso, em princpio, no tem efeito suspensivo. (D) depende de cauo e no pode ser deferida antes da

das das

4

citao ou da sentena. 21. Investidura e competncia so, respectivamente: (A) requisito de validade do processo e requisito de admissibilidade do julgamento de mrito. (B) pressuposto de existncia e requisito de validade do processo. (C) pressuposto processual e condio da ao. (D) pressuposto processual objetivo e pressuposto processual subjetivo. 22. As condies da ao (A) se presentes, levam procedncia do pedido. (B) so requisitos necessrios validade do processo. (C) constituem matria preliminar, a ser deduzida em contestao, sob pena de precluso. (D) no se confundem com o mrito, segundo o legislador, mas so aferidas a partir da relao de direito material. 23. O litisconsrcio (A) necessrio sempre unitrio, pois a presena de todos os litisconsortes s imprescindvel nas hipteses em que o contedo da sentena deva ser idntico para todos. (B) pode ser, ao mesmo tempo, unitrio e facultativo, bem como simples e necessrio, embora a incindibilidade da relao de direito material determine, em regra, a unitariedade e a necessariedade. (C) unitrio sempre necessrio, pois nas hipteses em que o contedo da sentena deva ser idntico para os litisconsortes, todos devem participar do processo. (D) unitrio se os direitos ou as obrigaes derivarem do mesmo fundamento ftico. 24. Na formao do conjunto probatrio, a iniciativa do juiz (A) limitada a determinados meios de prova e ao 1. grau. (B) vedada, por fora do princpio dispositivo. (C) admitida por expressa disposio legal e implica limitao ao princpio dispositivo. (D) encontra bice na regra de distribuio do nus da prova. 25. Segundo a regra da estabilizao da demanda, tal como adotada pelo legislador brasileiro, os elementos (A) da ao podem ser alterados aps o saneamento, com a concordncia do ru. (B) objetivos da ao podem ser alterados aps o saneamento, com a concordncia do ru. (C) da ao no podem ser alterados aps a citao. (D) objetivos da ao no podem ser alterados aps o saneamento do processo.

5

26. Segundo a regra da correlao ou adstrio, (A) o juiz, ao proferir a sentena, deve ater-se aos limites objetivos e subjetivos da demanda. (B) o juiz, ao proferir a sentena, deve ater-se exclusivamente aos limites subjetivos da demanda. (C) compete exclusivamente ao autor fixar os limites da demanda. (D) o r