Maçonaria - Do Pó dos Arquivos

Download Maçonaria - Do Pó dos Arquivos

Post on 01-Dec-2014

8.191 views

Category:

Business

35 download

DESCRIPTION

 

TRANSCRIPT

  • 1. Do P dos Arquivos Jos Castellani
  • 2. CopyMarket.com Ttulo: Do P dos Arquivos Todos os direitos reservados. Autor: Jos Castellani Nenhuma parte desta publicao poder ser Editora: CopyMarket.com, 2000 reproduzida sem a autorizao da Editora. O Alvar de 30 de Maro de 1818 Jos Castellani O Alvar Real, de 1818, um documento importante na Histria da Maonaria brasileira, porque a sua meta principal era, exatamente, a de proibir o funcionamento das ainda incipientes Lojas do territrio nacional, na poca em que o Brasil era Reino Unido ao de Portugal e Algarve 1. E ele foi motivado pela agitao do meio manico, empenhado em obter a independncia do Brasil, atravs de movimentos regionais nacionalistas, de carter geralmente republicano, os quais no podiam, evidentemente, agradar Coroa. Toma-se o Alvar de 1818, como uma conseqncia direta da fracassada Revoluo Pernambucana de 1817 2. O seu texto mostra, na realidade, o empenho do rei D. Joo em proibir, com o uso da fora, qualquer nova tentativa de rebelio, com participao das hostes manicas. Embora muito citado na literatura histrica da Maonaria brasileira, o seu texto no transcrito e, por isso, ainda permanece bastante desconhecido. Tratando-se, porm, de uma pea histrica relevante para o levantamento da Histria de nossa Independncia, a vai ele, com o seu texto integral, na ortografia da poca: "Eu El-Rei fao saber aos que este Alvar com fora de Lei virem: Que tendo-se verificado pelos acontecimentos, que so bem notorios, o excesso de abuso a que tem chegado as Sociedades Secretas, que com diversos nomes de Ordens ou Associaes, se tem convertido em Conventiculos e Conspiraes contra o Estado; no sendo bastantes os meios correccionaes com que se tem at agora procedido segundo as Leis do Reino, que prohibem qualquer Sociedade, Congregao ou Associao de Pessoas com alguns Estatutos, sem que ellas sejam primeiramente por Mim Autorisadas e os seus Estatutos Approvados. E exigindo por isso a tranquillidade dos Povos e a segurana que lhes Devo procurar e manter, que se evite a occasio e a causa de se precipitarem muitos Vassallos, que antes podiam ser uteis a si e ao Estado, si forem separados delles, e castigados os perversos, como as suas culpas merecem. E Tendo sobre esta materia Ouvido o parecer de muitas Pessoas doutas e zelosas do bem do Estado e da felicidade de seus Concidados; e de outras do Meu Conselho, e constituidas em grandes Empregos, tanto Civis como Militares, com as quaes Me Conformei; Sou Servidor Declarar por Criminosas e Prohibidas todas e quaesquer Sociedades Secretas, de qualquer Denominao que ellas sejam; ou com os nomes e formas j conhecidas, ou debaixo de qualquer nome ou forma, que de novo se disponha ou imagine: pois que todas e quaesquer devero ser consideradas, de agora em diante, como feitas para Conselho e Confederao contra o Rei e contra o Estado. 1 O ttulo de Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarve foi adotado pela Lei de 16 de dezembro de 1815. Embora contendo trs nomes, o reino abrangia, na verdade, uma monarquia dual, j que o reino de Algarve no passava de simples expresso histrica. Algarve a regio mais meridional de Portugal continental e constitui o ltimo territrio conquistado pelos portugueses, aos muulmanos, na Europa. a regio de mais baixa densidade demogrfica de Portugal. 2 A Revoluo Pernambucana de 1817 foi um movimento revolucionrio, com forte carter nacionalista, realizado no sentido de implantar a Repblica em Pernambuco. Ela contou com grande participao manica, a comear pela de seu lder, Domingos Jos Martins, nascido em Itapemirim (ES), em 1871, e estabelecido no Recife, com uma firma importadora e exportadora, que o obrigava a fazer freqentes viagens Inglaterra. Foi a que ele acabou entrando em contato com agrupamentos manicos, sendo encaminhado iniciao, em 1812, por Hiplito da Costa, o "Patriarca da Imprensa Brasileira", e Francisco Miranda, o grande comandante da emancipao da Amrica Espanhola. A reao ao movimento revolucionrio foi articulada pelo conde dos Arcos, ento governador da Bahia, e terminou com a derrota dos revolucionrios, seguida da execuo de todos os principais ativistas, num total de 43, entre civis e militares, alm de trs eclesisticos. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 1
  • 3. Pelo que Ordeno que todos aquelles, que forem comprehendidos em ir assistir em Lojas, Clubs, Comits ou qualquer outro ajuntamento de Sociedade Secreta; aquelles que para as ditas Lojas, ou Clubs, ou Ajuntamentos convocarem a outros; e aquelles que assistirem entrada ou recepo de algum Socio, ou ella seja com juramento ou sem elle; fiquem incursos nas penas da Ordenao livro V, tit.VI e 5 e 9, as quaes penas lhes sero impostas pelos Juizes, e pelas formas e processos estabelecidos nas Leis para punir os Ros de Lesa- Magestade. Nas mesmas penas incorrero os que forem Chefes ou Membros das mesmas Sociedades, qualquer que seja a denominao que tiverem, em se provando que fizeram qualquer acto, pesuaso ou convite de palavra ou por escrito, para estabelecer de novo, ou para renovar, ou para fazer permanecer qualquer das ditas Sociedades, Lojas, Clubs ou Comits dentro dos Meus Reinos e seus Dominios; ou para a correspondencia com outros fra delles: ainda que sejo factos practicados individualmente, e no em Associao de Lojas, Clubs ou Comits. Nos outros casos sero as penas moderadas a arbitrio dos Juizes na forma adiante declarada. As Casas, em que se congregarem, sero confiscadas, salvo provando os seus proprietarios que no soubero, nem podiam saber que a esse fim se destinavo. As medalhas, sellos, symbolos, estampas, livros, cathecismos ou instruces, impressos ou manuscriptos, no podero mais publicar-se, nem fazer delles uso algum, despacharem-se nas Alfandegas, venderem-se, darem-se, emprestarem-se, ou de qualquer maneira passarem de uma a outra pessoa, no sendo para immediata entrega ao Magistrado, debaixo da pena de Degredo para hum Presidio, de quatro at dez annos de tempo, conforme a gravidade da culpa e circumstancias della. Ordeno outrossim que neste crime, como excepto, no se admitta privilegio, iseno ou concesso alguma, ou seja de Foro, ou de Pessoa, ainda que sejo dos privilegios incorporados em Direito, os os Ros sejo Nacionaes ou Estrangeiros, Habitantes do Reino e Dominios, e que assim abusarem da hospitalidade que recebem; nem possa haver Seguro, Fiana, Homenagem, ou Fieis Carcereiros sem minha Especial Authoridade. E os Ouvidores, Corregedores, e Justias Ordinarias todos os annos devassaro deste Crime na Devassa geral. E constando-lhes que se fez Loja, se convido ou congrego taes Sociedades, procedero logo Devassa especial e apprehenso e confisco, remettendo os que forem Ros e a culpa Relao do Districto, ou ao Tribunal competente; e a copia dos Autos ser tambem remettida minha Real Presena. E este se cumprir to inteiramente como nelle se contm, sem embargo de quaesquer Leis ou Ordens em contrario, que para este effeito Hei por derrogadas, como se dellas se fizesse expressa meno. E Mando Mesa do Desembargo do Pao, Presidente do Meu Real Erario, Regedor das Justias, Conselho da Fazenda, Tribunaes, Governadores, Justias, e mais pessoas, a quem o conhecimento deste pertencer, o cumpro e guardem como nelle se contm, e fao muito inteiramente cumprir e guardar, sem duvida ou embargo algum. E aos Doutores Manoel Nicolu Esteves Negro, Chanceller Mr do Reino de Portugal e Algarves, e Pedro Machado de Miranda Malheiros, Chanceller Mr do Reino do Brazil, Mando que o fao publicar e passar pela Chancellaria, e enviem os exemplares debaixo do Meu Sello, e seu signal, todas as Estaes, aonde se costumo remetter similhantes Alvars; registrando-se na frma do estilo, e mandando-se o Original para o meu Real Archivo da Torre do Tombo. Dado no Palacio da Real Fazenda de Santa Cruz, em 30 de maro de 1818. --- Com a assignatura de Sua Magestade e do Ministro". Com o fracasso da Revoluo de 1817 e a expedio do Alvar de 1818, as Lojas resolveram cessar os os seus trabalhos, at que pudessem ser reabertas sem perigo. Os maons, todavia, continuaram a trabalhar, secretamente, no Clube da Resistncia, fundado por Jos Joaquim da Rocha, em sua prpria casa, na rua da Ajuda. Houve, posteriormente, um afrouxamento dessa lei. E, em 1821, alguns acontecimentos fariam com que os maons brasileiros voltassem atividade: o primeiro desses acontecimentos foi a sedio das tropas que impunham, ao rei D. Joo VI, o juramento Constituio Portuguesa, a 26 de fevereiro, o que provocou o incio de intensa conspirao dos brasileiros, com muitos maons entre eles, com vistas independncia do Brasil ; os acontecimentos seguintes foram os de 20 e 21 de abril, quando houve a sedio dos eleitores, exigindo a permanncia do rei no pas, o que provocou a pronta reao das tropas portuguesas, que garantiram o embarque da famlia real. Tais fatos atraram a ateno policial contra os maons, o que no impediu, porm, que a Loja Comrcio e Artes, fundada em 1815, voltasse a trabalhar, reerguendo suas colunas a 24 de junho de 1821, instalando-se na casa do comandante Domingos de Ataide Moncorvo, na rua de S. Joaquim, esquina da rua do Fogo, no Rio de Janeiro. Pela tripartio dessa Loja que iria ser fundado, a 17 de junho de 1822, o Grande Oriente Brasiliano, depois Grande Oriente do Brasil. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 2
  • 4. CopyMarket.com Ttulo: Do P dos Arquivos Todos os direitos reservados. Autor: Jos Castellani Nenhuma parte desta publicao poder ser Editora: CopyMarket.com, 2000 reproduzida sem a autorizao da Editora. 1822: A Sesso do Grande Oriente a 9 de Setembro Proclamao da Independncia Jos Castellani 20 do 6o. ms 9 de Setembro --- Aberto o Gr.: Or.: em Assembla geral de todo o povo Maon.: o Ill.: Ir.: 1o. Vig .: 1 dirigiu Aug.: Assembla um energico, nervoso e fundado discurso, ornado daquella eloquencia e vehemencia oratoria, que so peculiares a seu estilo sublime, inimitavel e nunca assaz louvado, e havendo nelle com as mais solidas rases demonstrado que as actuaes politicas circumstancias de nossa patria, o rico, fertil e poderoso Brazil, demandavo e exigio imperiosamente que a sua cathegoria fosse inabalavelmente firmada com a proclamao de nossa Independencia e da Realeza Constitucional na Pessoa do Augusto Principe Perpetuo Defensor Constitucional do Reino do Brazil, foi a moo approvada por unanime e simultanea acclamao, expressada com o ardor do mais puro e cordial enthusiasmo patriotico. Socegado, mas no extincto o ardor da primeira alegria dos animos, por verem prestes a realisar-se os votos da vontade geral pela Independencia e engrandecimento da Patria, propoz o mesmo Ir.: 1o. Vig.: que a sua moo deveria ser discutida, para que aquelles, que ainda podessem ter receio de que fosse precepitada a medida de segurana e engrandecimento da Patria, que se propunha o perdessem pelos debates, de que a proclamao da Independencia do Brazil e da Realeza Constitucional na Augusta Pessoa do Principe Perpetuo Defensor do Brazil, era a ancora da salvao da Patria. Em consequencia do que sendo dada a palavra a quem quizesse especificar seus sentimentos, fallro os IIr.: --- Apollonio Mollon, Camaro, Picano, Esdras, Democrito e Caramur 2 e --- posto que todos approvaro a moo reconhecendo a necessidade imperiosa de se fazer reconhecida a Independencia do Brazil e ser acclamado Rei delle o Principe D. Pedro de Alcantara, seu Defensor Perpetuo e Constitucional, comtudo, como alguns dos mesmos opinantes mostrassem desejar que fossem convidadas as outras provincias colligadas para adherirem aos nosso votos, e effectuar-se em todas simultaneamente a desejada Acclamao, ficou reservada a discusso para outra assembla geral, sendo todos os IIr.: encarregados de dissiminar e propagar a persuaso de to necessaria medida politica. Sendo proposto por um dos IIr.: que a doutrina politica proclamada no periodico intitulado O Regulador ra subversiva dos principios constitucionaes e jurados nesta Aug.: Ord.: emquanto pretendia fazer persuadir aos povos do Brazil principios aristocraticos, que no se compadecem com a liberdade constitucional, que os Brazileiros anhelo e que s pode fazer a sua felicidade politica, e muito mais, quando tal doutrina diametralmente opposta ao systema constitucional abraado, proclamado, jurado e seguido pelo Aug.: e Perpetuo Defensor do Reino do Brazil, e por tanto, s propria para ofender a seus interesses provando as asseres insidiosas do congresso de Lisba de que os aulicos do Rio de Janeiro pretendem restabelecer o despotismo, o que falso, e que por isso deveria ser chamado ante o Gr.: Or.:, em assembla geral, o redactor daquelle periodico, para ser reprehendido, por procurar propagar taes principios desorganisadores, em contaveno aos juramentos que prestra nesta Aug.: Ord.: quando foi empossado no lugar que occupa no Quadro No. 1 , foi approvada a proposio, debaixo da comminao de penas MMa.: no caso de desobediencia ao chamamento, ficando logo resolvido que deveria effectuar-se o comparecimento em Assembla, que ento se destinou para o dia 23 deste mesmo mez, e que aquelles dos nossos IIr.: que fossem assignantes do Regulador, enviassem immediatamente ao 1 O 1o. Vigilante referido era Joaquim Gonalves Ledo, que empunhava o primeiro malhete na ausncia do Gro-Mestre Jos Bonifcio de Andrada e Silva. 2 Esses eram nomes simblicos (ou histricos), segundo costume vigente na poca: Apolonio Molon era Joo Jos Vahia, Camaro era Jos Clemente Pereira, Picano era Antnio Corra Picano, Esdras era Jos Joaquim de Gouvia, Demcrito era Pedro Jos da Costa Barros e Caramuru era Cypriano Lerico. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 1
  • 5. redactor os numeros do mesmo periodico, que tivessem, com carta em que lhe significassem que o dispensavo da continuao da remessa dos numeros ulteriores, bem como da restituio da assignatura recebida por se contentarem conhecer um homem com to pouca despeza 3. Fazendo-se por fim, do solio acostumado annuncio para as proposies a bem da Ordem, concluio o Ir.: que tomra o Gr.: Malhete, propondo a collocao de uma caixa de beneficencia na sala dos passos perdidos, onde em todas as sesses os Iir.: que a ellas concorressem, ficassem obrigados a lanar algumas moedas em signal de sua caridade, e que fazendo-se receita em separado do producto dessa caixa, elle fosse applicado ao socorro de viuvas necessitadas e a educao de orphos, carecedores de meios de frequentar as escolas de primeiras letras. Esta proposio que bem d a conhecer a sensibilidade e humanidade do proponente foi geralmente approvada com um enthusiasmo, cujos effeitos a Assembla far sem duvida proveitosos aos objectos da mais bem empregada caridade. Essa ata da 14a. sesso --- Assemblia Geral --- do Grande Oriente Braslico, fundado a 17 de junho de 1822, fechado a 25 de outubro do mesmo ano, pelo seu Gro-Mestre, D. Pedro I, e reinstalado como Grande Oriente do Brasil, em 1831, foi publicada, junto com outras, no Boletim Oficial do Grande Oriente do Brasil, No. 10, de outubro de 1874, no Ano III da publicao (criada em 1872). Mostra, ela, a assemblia em que se decidiu que era imperiosa a proclamao da independncia e da realeza constitucional, na pessoa de D. Pedro. Mostra, tambm, que o dia da sesso, 20o. dia do 6o. ms manico do Ano da Verdadeira Luz de 5822, era o dia 9 de setembro. Isso porque o Grande Oriente utilizava, na poca, um calendrio equinocial, muito prximo do calendrio hebraico, situando o incio do ano manico no dia 21 de maro (equincio de outono, no hemisfrio Sul) e acrescentando 4000 aos anos da Era Vulgar. Desta maneira, o 6o. ms manico tinha incio a 21 de agosto e o seu 20o. dia era, portanto, 9 de setembro, como situa o Boletim de 1874. Nessa poca, ainda no havia sido inventada a balela do 20 de agosto, baseada na errada suposio de que o Grande Oriente utilizava o calendrio francs, que inicia o ano manico no dia 1o. de maro. Se isso fosse correto, claro que o 6o. ms teria incio no dia 1o. de agosto e o seu 20o. dia seria o dia 20 do mesmo ms. Esse erro serviu para que autores mais ufanos do que realistas sassem apregoando que o Grande Oriente proclamou a independncia antes do grito do Ypiranga, de 7 de setembro, e que este foi uma simples ratificao do que j havia sido decidido . E o lamentvel que o erro, embora j largamente comprovado, continua frutificando at hoje, tendo gerado at um Dia do Maom (brasileiro), sem a base histrica que lhe atribuda. claro que o fato existiu e que digno de ser lembrado e comemorado por todos os maons, mesmo porque no era possvel, no dia 9, os obreiros terem conhecimento dos fatos do dia 7, dados os escassos recursos de comunicao da poca. Mas no ao ponto de falsear a verdade histrica, por ufanismo, ou por ignorncia. Apesar disso, foi submetido a um grande constrangimento, nesse episdio que marcou mais um ato da luta poltica intestina entre os grupos de Ledo e de Jos Bonifcio. Isso porque o Regulador, como rgo oficioso do governo, defendia as idias de Jos Bonifcio, que pretendia uma monarquia constitucional dentro de uma comunidade braslico-lusa, em oposio s idias do Revrbero Constitucional Fluminense, jornal lanado a 11 de setembro de 1821, redigido por Ledo e pelo cnego Janurio da Cunha Barbosa e que defendia o rompimento total com a metrpole. Convocado, frei Sampaio compareceu sesso do 23o. dia do 6o. ms (13 de setembro), para declarar, com docilidade, segundo a ata, que o que fora publicado no refletia sua opinio pessoal e era fruto de extratos de correspondncia, transmitida por pessoa a quem ele devia respeito e considerao ; e terminou, declarando que nos prximos nmeros emitiria a sua opinio pessoal, suspendendo a publicao da matria objeto da inquirio. Apesar da docilidade, foi duramente invectivado pelo 1o. Vigilante Ledo, que no aceitou sua justificativa, mas, depois de critic-lo com veemncia, afirmava que a assembla geral ficava persuadida da sinceridade dos protestos delle accusado, pela docilidade e reverencia com que se comportava, e elle Pres.: convidava a todos os IIr.: para que, esquecendo-se do escandalo que lhes havia causado o Ir.: Fr. Sampaio, se congraassem perfeitamente com este, dando-lhe o abrao e o sculo fraternal. O episdio mostra, apenas, que, alm da luta pela independncia, havia a luta pelo poder. 3 A referncia ao Regulador Braslico-Luso (depois Regulador Brasileiro), lanado a 29 de julho de 1822 e cujo redator era o frei Francisco de Santa Tereza de Jesus Sampaio, um dos maiores intelectuais do Grande Oriente e figura maiscula da Maonaria da poca: Orador da Loja Comrcio e Artes, foi o redator da representao dos fluminenses a D. Pedro, no episdio do Fico, de 9 de janeiro de 1822, e em sua cela, no convento de Santo Antnio, reuniam-se os lderes do movimento emancipador. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 2
  • 6. CopyMarket.com Ttulo: Do P dos Arquivos Todos os direitos reservados. Autor: Jos Castellani Nenhuma parte desta publicao poder ser Editora: CopyMarket.com, 2000 reproduzida sem a autorizao da Editora. 1831: A Reinstalao do Grande Oriente do Brasil Jos Castellani "Aos tres dias do 9o. mez do Anno da V.L. 5831 1, reunidos os Grs. Dignitarios e Officiaes do Grande Oriente do Brazil, debaixo da presidencia do Sapmo. Delegado Gr. M., substituidos o logar de Gr. Orador, que no compareceu por molestia, e os logares vagos por Irs. dos antigos quadros, e das LL. AMOR DA ORDEM e SEGREDO, se abriro os trabalhos no gro de Aprendiz Maom. Assistiro aos mesmos os operarios destas LL. e de outros Orientes Estrangeiros, como vizitantes, os quaes foro applaudidos e agradeceram os applausos. Reinstallado assim o Gr. Or. e restaurados os trabalhos interrompidos desde 5 do 8o. mez do A. 1822 da V.L., o Sapmo. Gr. M. invocou a proteo e a graa do S. Arch. do Univ., por meio de ua sublime pea de architectura, que se mandou imprimir e foi applaudida, transcrevendo-a na acta: Gr. Arch. do Univ.! Penetrados de profundo respeito e gratido para comtigo, hoje que inesperadamente para mim, se acha reinstallado o Gr. Or. Brazileiro e adormecidas, como de esperar, as paixes violentas e desaccordadas, que tantos males trouxero Maonaria e ao Estado, Ente Supremo, cumpre-nos principiar nossos trabalhos, encaminhando-te fervorosamente nossos coraoens, nossos votos e homenagens. Ah! possamos ns alcanar ao menos hum pequeno signal daquella complacencia, que sempre reservastes aos homens de bem que Te procuro. Sim, ns esperamos merecer de Ti o teu amor paternal de que tanto preciso os M.: Brazileiros em nossas tristes circunstancias. Na tua Augusta presena, Gr.: Arch.: do Univ.:, ns sentimos o nosso nada e reconhecemos humildemente o quanto ainda nos aviltam o orgulho ou a vaidade, confessamos que ainda estamos muito apartados da moral universal, da virtude e da concordia, de que tanto precisamos para sermos homens bons e cidados honrados. Hoje, porem, reunidos emfim, o unico fim e honra a que aspiramos h ser uteis a nossos semelhantes, praticando a moral e contemplando religiosamente as obras primas de tua mo criadora e Onipotente, que a todo instante nos offerece novos objectos a nossa admirao e ao nosso amor! Digna-te, pois, Gr.: Arch.: do Univ.:, lanar sobre ns uma vista dolhos de bondade e misericordia! Dai-nos a fora e os meios necessarios para assegurarmos Justia e Verdade um triumpho glorioso e duradoiro. Debaixo da tua egide tutelar, neste templo sagrado, onde nos ajuntamos para celebrar teus beneficios e praticar a virtude, ajuda-nos a combater as trevas com a tua radiosa Luz, a trabalhar com novo afinco na 1 De acordo com o calendrio equinocial, utilizado pelo Grande Oriente do Brasil, na poca, o ano manico tinha incio no dia 21 de maro, que era, portanto, o primeiro dia do primeiro ms. O Ano da Verdadeira Luz --- A.: V.: L.: --- era achado somando-se o nmero 4.000 ao nmero de anos do calendrio gregoriano, que, para os maons, representa a Era Vulgar. Assim, o 9o. ms manico tinha incio no dia 21 de novembro, o que faz com que o 3o. dia do 9o. ms do Ano da Verdadeira Luz de 5831, seja o dia 23 de novembro de 1831, da Era Vulgar. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 1
  • 7. felicidade dos Maons e dos homens em geral, e a pregar como convm, o amor, respeito e confiana que devem os Governos, se desejam conservar-se e prosperar Gr.: Or.: do Brazil, 3o. dia do 9o. mez do Anno da V.: L.: 5831 PYTHAGORAS C.R. 2 O Ir.: Esdras 3, que occupava a cadeira de Gr.: Orador, propoz 1o. que se procedesse eleio dos Officiaes que faltam na Gr.: Loj.: e 2o. que se consultasse quaes providencias se deveriam tomar acerca de um Grande Oriente que constava ter-se erigido no Brazil nestes ultimos tempos, quando o verdadeiro no trabalhava, por poderosas circunstancias que havio occorrido, e depois de breve discusso, pedio o mesmo Ir.: retirar por agora as suas propostas, o que lhe foi concedido. Por moo do Gr.: 2o. Vigilante, unanimemente approvada, ser memorado como de jubilo e gloria, para a Maonaria Brazileira, o dia 3 do 9o. mez do Anno Maonico. Determinou o Sapmo.: Gr.: M.: a convocao das antigas LL.: COMMERCIO E ARTES DA IDADE DOIRO --- UNIO E TRANQUILIDADE --- ESPERANA DE NYCHTEROY, para se reunirem em o dia 5 do 9o. mez. Assim terminaram os trabalhos e fechada a Gr.: L.: na forma da Liturgia, nos retiramos em paz. Se a ata de 17 de junho de 1822 pode ser considerada a certido de nascimento do Grande Oriente do Brasil, esta pode ser considerada a certido de renascimento, a partir da qual nunca mais as atividades da Obedincia foram interrompidas. Discutiu-se muito, porm, entre os pesquisadores, se seria esse Grande Oriente do Brasil, ou o Grande Oriente Nacional Brasileiro , instalado a 24 de junho de 1831, o verdadeiro sucessor do Grande Oriente Braslico de 1822, que fora fechado pelo seu Gro-Mestre, D. Pedro I, a 25 de outubro do mesmo ano. O Grande Oriente Brasileiro --- conhecido como do Passeio, por ter se instalado na rua do Passeio, depois de permanecer pouco tempo na rua de Santo Antnio --- foi, na realidade, fundado por maons remanescentes do antigo Grande Oriente de 1822, considerando que este estava extinto. Quando o grupo de antigos lderes do Grande Oriente Braslico resolveu reinstalar o Grande Oriente do Brasil, considerando-o como continuao do primeiro, muitos maons e Lojas --- como o caso da importante Loja 6 de Maro de 1817 --- deixaram o Grande Oriente Brasileiro, passando a fazer parte daquele. O manifesto de Jos Bonifcio, de 1832, anunciando a reinstalao do Grande Oriente do Brasil, contem um convite aos membros do Grande Oriente do Passeio, para que se reunissem sob uma s bandeira: a do Grande Oriente do Brasil. Por diversos motivos --- inclusive porque muitos maons do Passeio eram contrrios a Jos Bonifcio --- o convite foi recusado. Tal atitude, se for julgada com imparcialidade, no pode ser muito criticada, j que aquele crculo detinha a primazia da restaurao do sistema obediencial no Brasil e no reconhecia o Grande Oriente do Brasil como legal, por que Jos Bonifcio, que deixara de ser Gro-Mestre a 4 de outubro de 1822, no poderia reaparecer no cargo, se tivesse havido uma simples suspenso de trabalhos, seguida de um recomeo. Da mesma maneira, o tom conciliatrio do manifesto do Grande Oriente do Brasil no pode ser criticado, j que, independentemente das controvrsias em torno de Jos Bonifcio, os seus dignitrios tambm tinham a inteno de implantar uma slida Maonaria brasileira, sem dissenes e sem divises. A histria de ambas as Obedincias, todavia, durante algum tempo, se confunde e se entrelaa, pois sempre houve movimentao de obreiros e de Lojas, de uma para outra, criando laos de unio, atravs do intercmbio de idias, at 1861, quando o Grande Oriente Brasileiro, esfacelado e praticamente extinto, foi tendo suas Lojas absorvidas pelo Grande Oriente do Brasil. E, embora surgissem, posteriormente, tentativas para reergu-lo, todas elas foram frustradas. 2 Pitgoras era o nome herico --- ou simblico --- de Jos Bonifcio de Andrada e Silva. A abreviatura C.R. + refere-se ao grau de Cavaleiro Rosa-Cruz, que, nesse caso, o do Rito Moderno, ou Francs, oficial do Grande Oriente do Brasil. 3 Esdras era o nome herico de Jos Joaquim de Gouveia. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 2
  • 8. CopyMarket.com Ttulo: Do P dos Arquivos Todos os direitos reservados. Autor: Jos Castellani Nenhuma parte desta publicao poder ser Editora: CopyMarket.com, 2000 reproduzida sem a autorizao da Editora. 1832 : O Manifesto do Grande Oriente do Brasil, em seu Reerguimento Jos Castellani A Gl.: do G.: Arch.: do Univ.: --- O Grande Oriente do Brazil a todos os GGr.: OOr.:, GGr.: LL.:, LL.: RR.: e MM.: de todo o mundo: Os Raios da Grande Luz, que desde as mais remotas epocas illuminaram a Asia e o Egypto e fulgiram hoje na Europa, no podio deixar de penetrar um dia na terra abenoada de Santa Cruz. Em balde o feudalismo colonial fechava a communicao dessa preciosa poro do globo ao resto do mundo; em balde a supersticiosa metropole, a quem o acaso, no o merecimento, dera a sua descoberta, procurava agrilhoar-lhe o pensamento, como lhe agrilhoava a liberdade. O Genio Brazileiro venceu as barreiras que lhe oppunham a tyrania e o fanatismo, e conseguiu, no fim de quasi tres seculos , que se erigisse a primeira lapide de sua perfeio social, e fulgisse um raio daquella flammigera Estrella, que tanto nos homens como nas naes, accende o desejo de sua felicidade, e infunde o sentimento da sua fora e da sua dignidade, installando-se no anno da Verdadeira Luz 5801 a primeira Loj.: symbolica regular debaixo do titulo de Reunio e filiada ao Or.: da Ilha de Frana, e nomeando para seu Representante alli o Cavalleiro Laurent, que a fortuna fizera aportar s formosas praias da Bahia de Nyctheroy, e que presidira sua sua installao; ella apresentou em breve espao o sublime espectaculo de um crescimento milagroso, e o outro no menos grato ao corao dos amigos da virtude, o de uma amizade verdadeiramente fraternal entre os seus Membros. No durou por muito tempo este estado de tranquillidade e de harmonia, que apresentou o bero da Ma.: Braziliense. Marchando pela estrada da perseguio, ora calcada pelo ferreo p do despotismo, ora attenuada pela perfidia e pela ingratido, ella offerece aos olhos do philosopho a luta formidavel da luz contra as trevas, e dos principios contra a tyrannia. Foi com a suspicaz metropole que ella teve de sustentar o primeiro combate. Chegando-lhe a noticia da installao e florescencia da Loj.: Reunio, desde logo ou presaga, ou zelosa, determinou conhecer a sua marcha e os seus fins. Talvez mesmo suppoz, conhecendo a carie que corroia os ferros coloniaes, que os laos fraternaes, melhor do que elles, poderiam conter esta majestosa poro da velha monarchia; ou antes imaginou que cumpria apagar esta scentelha electrica antes que ella lavrasse e prorompesse em labaredas de patriotismo. Com a doura de fingida amizade os seus delegados abordaro o vestibulo do Templo Fluminense, e a docil ingenuidade de seus Obreiros os recebeu no corao, no cuidoso de que nos asylos da igualdade pudesse entrar o espirito de dominio. Mas elle no tardou a desenvolver-se, j pela censura acre de todos os actos anteriores, e j por imposies de violenta sujeio ao Gr.: Or.: de Lisba. Desde logo tambem a harmonia fraternal cedeu o passo intriga, que soprando rivalidades e inventando suggestes, conseguiu semear a disseno nos pacificos Quadros Braz.:, resultando desta infeliz discordia continuar a Loj.: Reunio os eus trabalhos debaixo dos auspicios da Ilha de Frana, e as Lojas Constancia e Philantropia comearem os seus debaixo dos auspicios do Or.: Lusitano. O tempo que esfria as paixes e faz apparecer a verdade e a razo, fez conhecer a esses homens generosos, cujo principal sentimento era o amor da patria e o progresso dos principios santos da moral universal, que estes dois bens no podiam vir dos apostolos da desunio, arma que a tyrannia empregava para firmar-se em seus arbitrios; que, opposta s bases essenciaes da Ma.: uma tal desunio era funesta propagao das luzes que podiam aperfeioar a Sociedade Brasileira e influir em seus futuros destinos. A um aceno, procuraro-se, abraaro-se, fundiro-se em um todo e sortearo-se depois com igualdade pelas tres LL.: , abafando deste modo toda ida de rivalidade e de ciume. Contivero-se algum tempo mas no desanimaro os Delegados da metropole, que contando mais sculos de existencia, cumpre saber, no levava muitas decadas de avano sobre o Brazil no conhecimento da Ma.: . Este acto de energia e de virtude praticado pelos MMa.: FF.: servia-lhes de CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 1
  • 9. lio para melhor combinar novo ataque para o qual se preparavam. Presentido o espirito de independencia que animava a todos os brazileiros, determinaro por esse meio cavar a ruina do edificio Ma.: . Offerecero s LLoj.: o estabelecimento de um centro de governo brasilico-maonico, que sobre as bases da reciprocidade assentasse as relaes que deviam ligal-o com o Or.: Metropolitano; esperando, ou na partilha das dignidades, ou na precedencia de direitos, accender outra vez o tio da discordia. Este fementido presente de novos Danaos1 (que em tempos posteriores quizero adoptar a politica) alvoroou o corao de alguns MMa.: FF.: que o encararo como o feliz presagio de um desejado futuro. A judiciosa desconfiana dos outros foi pintada com negras cres, appareceu o receio, cessou a franqueza e a cordialidade, e a intriga multiforme, ajudada pelo terror que ao mesmo tempo inspirava um novo agente do Poder Politico, que recem-chegara e ameaava perseguir inexoravelmente os Filhos da Viuva, deu a ultima mo sua empresa, e fez desapparecer do Or.: do Rio de Janeiro a Estrella Flammigera, perdendo as tres LLoj.: existencia e nome. Passado este primeiro golpe da perfidia e do despotismo, os dispersados Ma.: se reuniro de novo e installaro a Loj.: Beneficencia e outras. J ento amestrados na escola da experincia, reconhecero a necessidade de nacionalizar o regimen Ma.:, creando um Gr.: Or.: do Brazil, que offerecesse um ponto de apoio e de unio a todos os seus filhos, vedasse novas tentativas lusitanas e dsse aos MMa.: BBr.: aquella fora que s pode resistir aos tufes da tyrannia. Animados deste espirito, convocaro as LLoj.: existentes ento na primogenita do Brasil e na patria de Camaro; e com a sua zelosa acquiescencia dero impulso grande empresa, inaugurando o primeiro Gr.: Or.: do Brazil, que foi logo reconhecido e saudado pelos OOr.: estrangeiros, e proclamado Gr.: Mestr.: interino o cidado Antonio Carlos Ribeiro de Andrada Machado 2. Mas um drago, que alguns annos depois cobriu de sangue e horrores a malfadada Lisba, que apressou a morte do infeliz esposo e ensinou um filho a revoltar-se contra o pae, trahir o irmo e arrancar o throno sobrinha, cavou medonho abysmo em que correram risco de ser tomados todos os MMa.: BBraz.: . S poucos dos que formavo a Loj.: Beneficencia se conservaro unidos e arrostaro a tempestade, celebrando em reconditos ermos os mysterios da Ordem. Desta pequena fagulha tornou a rebentar a Luz no anno de 5815; mas tornou a ser apagada pelo empestado sopro do despotismo. A Loja Beneficencia, que havia recobrado o seu resplendor, e a S. Joo de Bragana, que principiara os seus augustos trabalhos, j tinho dado os seus primeiros passos para o restabelecimento do Gr.: Or.:; j as Lloj.: das provincias procedero nomeao de seus Representantes, quando a revoluo de uma dellas 3 eriou de suspeitas o corao do Chefe da Nao, e poz em movimento as cem garras do despotismo. Pensou elle que da cabea lhe fugia a cora, e que dos ps lhe escapava o throno; e a exemplo de seus eguaes attribuiu a inexperta tentativa Ma.: e votou execrao e odio ao nome Ma.: . Desgraada pertinacia dos profanos! No podem crer que a Ma.: s tem por fim o culto do Gr.: Arch.: do Univ.:, o conhecimento das maravilhas da Natureza, e a felicidade dos homens pela pratica constante das virtudes. Jazeu, portanto, a Luz debaixo do odio, e bem que de vez em quando soltasse rapidos clares, elles apenas servio para attestar a sua existencia e animar a esperana de seus filhos; mas no para romper e dissipar as trevas da perseguio, aconselhando a razo que se poupassem sacrificios que podiam ser uteis em occasio opportuna. Os successos de Portugal a offerecero em 1821 da era vulgar. A antiga metropole, com a volta do velho Rei aos seus antigos lares, sentia renascer a perdida esperana de recobrar o primeiro esplendor. Persuadindo-se de que os seculos desandavam , ou no conhecendo a marcha progressiva do espirito humano e que a retrogradao h horrorosa, tanto aos homens como s naes, e com especialidade quellas que esto no verdor da idade e no vigor da fora, quiz sacrificar o Brazil a esta sua favorita chimera. O Brazil, que at ento repousra nos braos da boa-f, ameaado agora de recair nos ferros coloniaes, ergueu-se indignado, chamou seus filhos, soltando o electrico grito de --- INDEPENDENCIA OU MORTE --- annunciou ao mundo que queria entrar na familia das naes livres e independentes. Ao convite da patria poderiam as MMa.: , tantas vezes victimas a Tyrannia e do Fanatismo daquelle 1 Personagem da mitologia grega, DANAOS, rei do Egito e, depois, de Argos, era pai das Danaides, cinqenta jovens , que, na noite de npcias, mataram todos os esposos, com exceo de uma delas, Hypermnestra. Elas foram condenadas, no Trtaro (o fundo dos Infernos), a encher de gua um tonel sem fundo. 2 A referncia a uma pretendida Grande Loja, que teria sido criada na Bahia,em 1813, por Antnio Carlos, e que era formada pelas Lojas UNIO, VIRTUDE E RAZO RESTAURADA, HUMANIDADE, todas da Bahia, e mais a BENEFICNCIA, do Rio de Janeiro.Muitos fantasistas viram, a, um Grande Oriente Brasileiro, o qual no pode ser considerado, pois, alm de no ter existncia legal, no era um verdadeiro ncleo central e no exercia qualquer influncia sobre as demais Lojas ento existentes. Foi a primeira tentativa de organizar uma entidade manica em moldes federativos; mas foi, mesmo, uma simples tentativa, efmera e no reconhecida. 3 A referncia Revoluo Pernambucana de 1817. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 2
  • 10. canto da Europa, conservar-se em criminosa apathia? No: elles reconhecero a importancia do momento; procuraro-se com ardor, reuniro-se com transporte, installaro as LLoj.: Unio e Tranquillidade, Esperana de Nychteroy e Commercio e Artes; e porfia, desvelados na independencia da nao, e no progresso das luzes e na pratica do mais ardente civismo, chegaro-se ao Delegado do Poder, iniciaro-no em seus mysterios, e emquanto se lhe erguia o throno material em que a nao o assentou, levantaro-lhe hum de mr valia em seus coraes e nas suas Officinas, dando assim ao mundo hum novo documento de que os verdadeiros MMa.: no so inimigos dos bons Principes, e que a virtude no pune nos filhos os crimes dos paes. Lembraro-se tambem que era chegada a epoca de cimentar a Independencia Maonica, para que em harmonia com a da nao, se prestassem mutuamente soccorro e fora. Neste sentido, quando as ricas provincias do Brazil eram convidadas a convergir para o novo centro politico, simultaneamente o eram as suas patrioticas LLoj.: , para se ligarem ao centro Ma.: , e quando convencidas dessa necessidade, dero o seu ascenso, levaro a effeito a reinstallao do Gr.: Or.: do Brazil, que fixou os direitos geraes e particulares dos MMa.: BBraz.: , e legitimou e regularisou a sua organisao 4. Este acto teve logar no anno da Luz de 5822. Na presena de todos os MMa.: reunidos, e dos Ven.: das Officinas existentes, foi inaugurado o Gr.: Or.: Brazileiro, e nomeado Gr.: Mestr.: o cidado Jos Bonifacio de Andrada, substituido depois pelo Principe D. Pedro 5, conservando aquelle o logar de Gr.: Mestr.: Delegado reconhecido e saudado pelos GGr.: OOr.: de Inglaterra, de Frana e dos Estados Unidos. Crescia, vista dolhos, a nova vergontea dessa arvore maravilhosa, cujos ramos de hum verdor eterno cobrem com sua doce sombra todas as naes, e cujas raizes carregadas com o peso dos seculos, alcanam o seio mysterioso da Natureza. Mas nos planos do immortal JEOVAH no estava ainda assignalada esta poca como aquella que devia marcar a estabilidade da Ma.: no Brazil. Talvez no lhe foi agradavel que em seus Templos, onde s devia respirar a fragrancia da moral e a suavidade da virtude, ressoassem dictames de politica! ... Instrumento de sua vingana o novo Mestre... Corra-se espesso vo sobre esses tempos luctuosos, em que a ingratido abusando da autoridade, mandou fechar as Officinas dos MMa.: , onde se havio reunido os mais puros votos de amor quelle, que, trocando em ferrea clava o Malhete doiro que se lhe confira para manter a Ordem, dirigir os trabalhos e defender os Obreiros, os feriu e dispersou!!! Remoinhando no plago das paixes, cahia elle mesmo com medonho estrondo, no achando a seu lado um amigo, que o consolasse! A virtude no consente que se aggrave a desgraa 6. As grandes revolues soltam quasi sempre o freio das paixes e afrouxam os laos da moral. Nesses tempos de calamidades no h raro tomar-se por enthusiasmo a irritao, por vigilancia patriotica a vingana e a delao, por virtude civica o fanatismo do civismo, e por liberdade a licena. Este quadro pintado sobre os modelos da historia, era tambem o que apresentava a capital do Brazil depois do feliz desapparecimento do oppressor da Ma.: . Pareceu ento a alguns MMa.: generosos, que lamentavo as desgraas da patria e suspiravo a volta daquella amenidade de costumes que caracterisa os Brazileiros, que s a Ma.: que marcha a passo egual com a Religio e com a Philosophia, era capaz de restabelecer o equilibrio da moral, entornando o balsamo da paz, da concordia e da conciliao em os coraoens affectados de sentimentos violentos; que se ella, que tem por objectos essenciaes a virtude, a patria, a perfeio e a tolerancia, ensinando as vantagens da unio, as douras da beneficencia, os encantos da fraternidade, e as delicias do mutuo perdo, era capaz de fazer convergir todos os espiritos para o verdadeiro centro da publica prosperidade. Neste conceito comearo a reunir-se; e, havendo creado as LLoj.: Amor da Ordem e Segredo, dirigiro seus votos ao Gr.: Arch.: do Univ.: para os ajudar no glorioso fim a que se propunho. Logo depois requereram aos Gro-Mestre Delegado, para que dsse vigor e aco ao adormecido Gr.: Or.: , e fosse abrir as Officinas que pela Prancha de 27 de Outubro 7 de 1822 (era vulgar) se havio mandado fechar at segunda ordem, e reconhecesse em seu gremio os novos filhos que o suspiravam. Com effeito, no dia 3 do 9o. mez do anno da Verdadeira Luz de 5831, reunidos os Membros que existiam do Gr.; Or.:, os Reprezentantes das 4 Ao afirmar que essa pretendida reinstalao legitimou e regularizou sua organizao, o autor do manifesto admite que no era legtima e nem regular a situao dessa Grande Loja de 1813. 5 A afirmao falsa, pois quando Jos Bonifcio foi destituido do Gro-Mestrado, entre 28 desetembro e 4 de outubro, para dar lugar a D. Pedro --- num verdadeiro golpe de Estado no Grande Oriente, pois no houve eleio regular, em sesso especfica --- ele no foi rebaixado ao cargo imediatamente inferior, de Delegado Gro-Mestre (ou Gro-Mestre Delegado, conforme o texto), pois quem ocupava esse cargo, ao ser fechado o Grande Oriente, a 25 de outubro de 1822, por D. Pedro, era o brigadeiro Luiz Pereira da Nbrega Coutinho, que fora nomeado por Jos Bonifcio, a 17 de agosto de 1822, e que, portanto, no fora destituido quando da troca do titular. Esse dado falso entra no manifesto, para justificar a reconduo de Bonifcio ao cargo de Gro-Mestre. 6 A referncia --- pesada e ressentida, para os padres da tica manica --- a D. Pedro I. 7 A data incorreta, pois a prancha do Gro-Mestre, D. Pedro, era de 21 de outubro, enquanto que o termo de encerramento das atividades, registrado no Livro de Ouro, do 5o. dia do 8o. ms, ou seja, 25 de outubro. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 3
  • 11. velhas e novas LLoj.: Fluminenses, os Deputados da Loj.: Razo, ao Or.: de Matto Grosso, e grande numero de Mma.: BBras.: e extrangeiros, de diversos Ritos e Gros, presidida a Assembla pelo Gr.: Mestr.: Delegado, depois de invocar-se em humildade e respeito o auxilio do Deus da Natureza e dos MMa.: , foi reinstaurado em suas funces o adormecido Grande Oriente do Brazil; e de novo nomeado Gr.: Mestr.: o cidado Jos Bonifacio de Andrada e Silva, e preenchidas provisoriamente as dignidades vagas, entrou no exercicio de seus augustos trabalhos, assignalando o seu comeo pelo convite fraternal e conciliatorio que fez a algumas outras LLoj.: existentes. Est, pois, em vigor o Gr.: Or.: do Brazil. Resta communicar esta grande obra a todos os MMa.: BBraz.: e do mundo inteiro, convidando a uns para se reunirem a elle, e eviarem assim a reappario das crises que tem perseguido a Ma.: neste immenso territorio, e aos outros para com elles travar mutuos laos de amisade e beneficencia. Porm, cumpre declarar primeiramente com franquesa e candura da verdade quaes so os principios do Or.: Brazileiro. Nem hum assumpto que no tenha connexo com os Gros symbolicos da Ma.: ser tratado no Or.: Braz.: e nas LLoj.: de seu circulo; nem hum outro fim tero os seus trabalhos que no seja o augmento da felicidade humana, ensinando e inspirando o amor das virtudes domesticas e sociaes, o respeito Religio, submisso s leis do Estado, a tolerancia de todos os cultos e a de todos os Ritos Ma.:, reconhecidos e professados actualmente pelos GGr.: OOr.: de todo o mundo, fazendo unicamente excepo dos principios dos illuminados e dos que forem contrarios s leis geraes da Natureza e s positivas do Brazil. A voz da politica nunca mais soar no recinto dos nossos Templos, nem o bafo impuro dos partidos e das faces manchar a pureza de nossas columnas. Maons do Brazil: se esses principios, que so os principios da Ma.: vos agradam, vinde unir-vos ao Or.: do Brazil. Recebereis ahi o osculo da paz, os abraos da fraternidade e a saudao da amisade. Para vs estaro sempre promptos nossos peitos, nossas vidas e nossos auxilios. Irmos nascidos no mesmo solo, no ditoso solo brazileiro, lancemos mais um lo a esta cadeia natural, juntemos mais uma vara ao feixe mysterioso, emblema da verdadeira fora. Longe de ns a discordia, longe de ns a intolerancia: trabalhemos unidos sacrificando no altar da patria prejuisos que nem devem reinar entre profanos, na perfeio de nossa especie, no melhoramento de nosso estado, na prosperidade da nossa nao. Sejamos ns o primeiro povo que apresente o quadro pratico dessa paz divinal, dessa concordia celeste que deve um dia ligar a todo o mundo e fazer de todos os homens uma s familia. Eis o grande fito da Ma.: . Maons de todo o mundo, GGr.: OOr.: e GGr.: LLoj.: estabelecidas nas quatro partes do globo, recolhei no vosso seio, registrae nos vossos livros doiro a profisso de nossos principios, e a exposio de nossa conducta, e o restabelecimento de nossa existencia. O Gr.: Or.: do Brazil vos assegura a sua leal cooperao na carreira da virtude, digo, da grande obra da felicidade humana. Reconhecendo-vos como mestre na escola da virtude e da Phylosophia, elle vos pede a communicao de vossasa luzes e a partilha de vossos conhecimentos. Prestae aos filhos de nossos quadros o auxilio em suas desgraas, o soccorro em seus negocios, que fielmente prestaremos aos vossos, que vierem abordar em nossa patria. Ns no reconhecemos differenas, nem distinces na familia humana: como Brazileiros sero tratados por ns o China, e o Luzo, o Egypcio e o Haitiano, o adorador do sol e o de Mafoma 8; uma s excepo faremos, ser nossa unicamente a presidencia dos nossos Quadros e Officinas. Franqueae-nos, pois, a vossa correspondencia, relevando com indulgencia fraternal os erros que a inexperiencia nos tiver feito commetter, e prestando-nos a vossa cooperao para seguros caminharmos na estrada da virtude e obtermos os grandes fins da Ma.: . ---- J.B. DE ANDRADA, Gr.: Mestr.: . Este manifesto, dirigido a todas as demais Obedincias do mundo, foi lanado no incio de 1832 --- mas sem que constasse, nele, qualquer data --- depois do reerguimento do Grande Oriente do Brasil, ocorrido a 23 de novembro de 1831 (trs dias do 9o. ms do Ano da Verdadeira Luz 5831). Ele conta, praticamente, a histria dos primeiros tempos da Maonaria no Brasil, embora com uma viso um pouco tendenciosa, em relao a alguns fatos e pessoas, como, por exemplo, D. Pedro I, que no foi poupado, por ter fechado o Grande Oriente Braslico --- fundado a 17 de junho de 1822 --- embora, naquele momento, houvesse, talvez, uma necessidade poltica de acabar com um foco de turbulncia entre dois grupos antagnicos, liderados, um, por Jos Bonifcio, e outro, por Joaquim Gonalves Ledo. 8 Mafoma a verso verncula do nome de Maom (Mohamed), o fundador do islamismo. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 4
  • 12. CopyMarket.com Ttulo: Do P dos Arquivos Todos os direitos reservados. Autor: Jos Castellani Nenhuma parte desta publicao poder ser Editora: CopyMarket.com, 2000 reproduzida sem a autorizao da Editora. 1872: A Profisso de F do Padre Eutichio Depoimento de um Padre Maom Perseguido pelo Alto Clero Jos Castellani Belem do Par, 1 de dezembro de 1872 A data desta declarao mostra que estou no pleno goso das minhas faculdades. Mas como possivel ter uma morte, to desgraada (segundo o papel do bispo, a Boa Nova) (*), como a do meu dedicado amigo, o conego Ismael, mas, no meu entender, menos desgraada do que a do virtuoso bispo de Pernambuco, o D. Emmanuel de Medeiros, quero prevenir difficuldades e tomar uma posio definida, como exige o D. Macedo Costa, si que a meu respeito elle pde ainda nutrir duvidas, ou esperanas da hora extrema, em que descido to baixo o thermometro da intelligencia tem desapparecido o homem:... E nessa hora elles fazem dizer a um cadaver o que elles querem, para cantarem mentidos triumphos! Pertenci, na melhor f, Igreja catholica apostolica romana. No concebia at a possibilidade de se deixar de ser catholico apostolico romano. Comeou a minha desconfiana com a louca preteno de provarem com o Regnum meum non est hoc mundo a Divina Instituio, ou conformidade do poder temporal dos papas com a mente de Jesus Christo! Foi o primeiro golpe na boa f, em que se suppunha esses homens, que fallo em nome de Deus. Irritou-me a malicia com que traduziro o cap. 1o. da sesso 14a. da Reformata, para armarem os bispos de um poder absoluto e que tanto se presta a abusos. Para privar um padre do exercicio das ordens, no pde haver a mesma facilidade com que se recusa a aspirantes a entrada para o sacerdocio. E para a reforma dos costumes no era mister tanto arbitrio; a mente dos padres de Trento foi corrobora a disciplina prohibindo que fossem reintegrados por qualquer outro os padres, que os bispos tivessem suspendido pela maneira ento em pratica --- o processo. Estas e outras questes, que vi tratadas pelos representantes de Deus, inspiraro-me como disse, as primeiras suspeitas. O Syllabus, o D. Antonio de Macedo Costa, e o concilio do Vaticano, empurraro-me da Igreja romana. A que Igreja perteno hoje? Igreja catholica romana de antes do Syllabus, de antes dos bispos Macedos Costas, de antes do conciliabulo jesuitico do Vaticano. Que diro desta igreja a que perteno os degenerados catholicos, os servos humilissimos do jesuita, os bispos- capachos de Loyola, os papas-cadaveres? Digo o que quizerem. Eu creio (e talvez elles rio da minha crena), creio na imortalidade da alma, na justia de Deus e em Jesus-Christo, e nesta f c os espero para o ajuste de contas. O Syllabus est julgado; no preciso que me demore em mostrar que isso no faz catholicos, mas anti- romanos. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 1
  • 13. O bispo D. Antonio de Macedo Costa est desmascarado; todos no Par reconhecem-lhe o pharisaismo, a vaidade, o orgulho, a doblez, a avareza, a mentira com que se apregoa reformador do clero, quando quaesquer 50$000 basto para fazel-o divinisar os devassos de pouco antes; e a sua moral tem equivocos... O conciliabulo do Vaticano foi apenas vergonhosa chancellaria das imposies jesuiticas. Esses bons bispos viro no Evangelho o que ha 19 seculos no viro tantos santos padres e papas! Quantos papas foro accusados de erros?! Entretanto procurou-se defendel-os com explicaes, mais ou menos felizes, dos seus actos e decises, quando era facillimo emudecer as acusaes com a infallibilidade. Era, mesmo, uma necessidade indeclinavel definir esse dogma (si em verdade elle o era) atacado por estas accusaes e pelas formaes reticencias s deciss dos papas nas questes da Rebaptisao e da celebrao da Paschoa. Mas a Igreja nunca se resolveu a definir esse dogma apesar da necessidade, tantas vezes manifestada, dessa definio; e S. Paulo chegou a reprehender ao proprio Pedro, e dizer-lhe: Errastes! S. Paulo no comprehendia o Evangelho; a Igreja primitiva no o entendia! A Pio IX e aos seus bispos estava reservada a gloria do Eureka! desnecessidade, inopportunidade, quebra da unidade catholica. Que sou maon no preciso dizel-o; ninguem o ignora porque, se no fazia alarde desta honra, no me escondia nem disfarava para entrar na officina. Iniciei-me, sem que para isso fizesse esforos nem pedisse. Amigos apresentaro-me, e eu accedi aos seus desejos; queria, tambem, julgar por mim, da verdade das accusaes feitas a esta instituio, e do fundamento das excommunhes papaes. Disposto a renunciar a maonaria, si ella atacasse as minhas crenas catholicas, vi destruida esta disposio; e hoje que a maonaria no pde ter mysterios para mim, vejo que essas excommunhes nada valem por falta de fundamento e base, e so mais uma prova da infallibilidade dos papas, e da justia e razo com que elles ou os seus exigem que um padre no seja maon, porque contra o que lhe attestam os seus olhos e a sua intelligencia, um papa lhe diz que no seja ou no continue a ser maon (**). Ora, sendo sem base as excommunhes aos maons, ficam como as excommunhes injustas, que, embora separem do corpo da Igreja o excommungado, no o separam do espirito da Igreja nem ligo perante Deus. Pde, portanto, segundo a theologia, estar no co entre os bemaventurados tal individuo, cujo corpo seja ahi atirado aos ces, e cuja memoria continue diariamente atassalhada pela gente da Boa Nova. O que levo dito, mais que sufficiente para que o zelo dos phariseos de hoje me recuse a sepultura, que elles chamo ecclesiastica, mas para a qual nada contribuiro. A provincia completou a iniciativa particular, para que os que aqui morressem, sem sepultura propria, como os protestantes e os hebreus, tivessem um cemiterio; exigia-o a civilisao e a hygiene. Porm a beno do clerigo poz uma condio na obra da civilisao e da hygiene! Era mais um meio de proselytismo. Todavia, no quero lucta por isso. A sepultura de Jesus Christo no era ecclesiastica, no teve beno, como no a tivero as dos Apostolos e dos martyres e dos primeiros christos. E por outro lado, a lucta elles a estimo embora se mostrem arrufados, porque lutar por uma cousa dar-lhe apreo, morrer de amores por ella. Os meus irmos da Harmonia, ainda na sesso de quinta feira, 28 do passado Novembro, me ouviro a este respeito: executem o que lhes pedi nessa noite. Fao-me o enterro com os meios que deixo disposio da officina, sem dispendio da gente que foi minha familia, com a maior simplicidade, mas no me deixem ir solitario. Bato porta do cemiterio protestante, a ver se querem receber morto o que vivo militou em arraiaes contrarios. Recorro depois aos hebreus. E si a intolerancia romana os tiver tambem eivado ... resta um largo qualquer, uma capoeira, o Guajar. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 2
  • 14. Para justificar completamente o Sr. D. Antonio e livral-o de algum desmentido que possam dar-lhe meus escriptos, quero que sejo queimados tres livros, para onde passei todos os artigos, que sobre materias religiosas publiquei na Trombeta do Sanctuario, no Gro-Par, Communicador e Jornal do Amazonas, sobre o Holden. Fiquem somente, para no perturbar-se o somno em que dorme a consciencia do Sr. Macedo Costa, os meus artigos hereticos em communicados no Jornal do Amazonas, e da collaborao do Liberal do Par. Quero ser enterrado com as vestes que tomei e com que me apresentei em publico, smente depois que o Sr. D. Antonio entendeu que a sua ex-informata me inhabilitava, at, para ser guarda do convento do Carmo, obrigando ao governo e ao nuncio a exigirem do provincial a minha exonerao. Este capricho foi precedido de outro no menos pueril. Como no quiz estar por um recado, e exigi por escripto a ordem que elle mandava-me para fazer consumir o Santissimo Sacramento no Carmo, vio o bispo um horrivel casus belli, um Catilina s portas de Roma, e poz em movimento o presidente De Lamare e o chefe de policia Dr. Rodrigues! E apezar de ser assegurado, por estes, de nenhuma opposio da minha parte, fez-se acompanhar ao Carmo pelo delegado de policia o Dr. .Lobato! Ha de morrer criana a mais brilhante tocha do episcopado brasileiro. Cahiu-lhe nas garras a Igreja do Carmo, o Asylo ... mas escapou-lhe o objecto principal dos seus anhelos: as alfaias, as fazendas e os escravos. provavel que, ao saber que estou morrendo, o Sr. D. Antonio me faa a visita funebre (unica, que elle faz aos padres) ou mande algum dos seus a converter-me, para gloria, no de Deus que no entra nos seus calculos, mas do seu partido. Si ento eu estiver senhor de mim e capaz de polemicar,, deixem-me desfructal-o; no caso contrario no o deixem a ss commigo; o homem sahir proclamando a minha mortal apathia por acquiescencia s suas insinuaes. No tenho retractaes a fazer, nem converses, pois que nunca tive que renegar o symbolo dos Apostolos nem o de Nica. (a) Padre Eutychio Pereira da Rocha O padre Eutychio da Rocha, alem de muito considerado entre os catlicos do Par, era um maom destacado e um semeador de Lojas; a Loja Harmonia, de Belem --- citada no texto --- onde o senador, general e Gro-Mestre Lauro Sodr foi iniciado (a 01/8/1888), teve Eutichio como um de seus principais fundadores, em 1856. Essa carta, que o Boletim Oficial do Grande Oriente do Brasil publicou, em setembro de 1880, no 9o. ano de sua circulao, foi escrita na poca da Questo Religiosa, que, embora tenha sido uma questo entre o alto clero e o governo imperial, em torno do padroado e da submisso da Igreja ao Estado, acabou envolvendo a Maonaria brasileira --- ento bipartida entre o Grande Oriente do vale do Lavradio e o do vale dos Beneditinos --- a partir do discurso em que o padre (maom) Almeida Martins proferira, a 2 de maro de 1872, em homenagem ao Gro-Mestre do G.O. do Brasil, o visconde do Rio Branco, pela aprovao da lei de 28 de setembro de 1871 (Lei Visconde do Rio Branco, chulamente chamada de Lei do Ventre Livre) (***). Embora a carta seja datada de 1872, o jornal O Liberal do Par, que a publicou, afirmava que, na realidade ela fora escrita em 1876. Todavia, pela sua leitura, no que concerne s referncias ao bispo D. Macedo Costa, um dos lderes da Questo Religiosa, parece, mesmo, que ela de 1872. Ela foi entregue pelo padre Eutichio, poucos dias antes de seu falecimento, ao seu amigo D. Vicente Ruiz, acompanhada da permisso escrita para que ela fosse publicada, caso essa publicao fosse julgada conveniente. Eutichio, alem de respeitadssimo, como padre e maom, era amado pelo povo do Par, em funo das obras sociais que desenvolveu. Quando de seu falecimento, o seu corpo, vestido de casaca, luvas brancas e gravata, alem das insgnias do 33o. grau e de Delegado do Gro-Mestre do Grande Oriente do Brasil, foi velado na Loja Firmeza e Humanidade, para, depois, ser conduzido ao cemitrio de Santa Isabel. Neste trajeto, foi acompanhado pelos alunos da Escola de Infncia Desvalida --- criada graas aos seus esforos --- por comisses de todas as lojas manicas, representantes da imprensa paraense e do clero e por mais de mil pessoas. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 3
  • 15. Notas (*) O Boa Nova era um jornal eclesistico do Par --- da diocese --- e, obviamente, cerrou fileiras em torno do bispo do Par, D. Antonio de Macedo Costa, em sua questo contra o governo imperial e nos seus ataques aos maons. O Boletim do Grande Oriente do Brasil, do Ano III, novembro de 1874, publica, a respeito dele, a seguinte nota: No Globo, de 13 de novembro corrente, lmos o seguinte telegramma: Par, 12 de novembro, s 9 horas e 50 minutos da manh. A Boa Nova publica as actas das reunies que effectuou o clero nos dias 2, 3 e 4 do corrente. Por estes documentos se v que nellas foi decidido que se organisasse um partido composto dos membros daquella corporao, o qual procurar influir directamente na politica do Estado. Para tomar as medidas necessrias e de accordo com tal resoluo, foi nomeada uma commisso composta dos conegos Castilho Mouro, Barroso Couto e padre Simplicio. Entretanto dizem os sectarios de Roma que a Maon.: que intervem nos negocios do Estado e da Religio, e elles, que devio ser os ministros da paz e da concordia, como representantes da cruz e da misericordia, querem intrometter-se na politica, para que, galgando o poder, posso realizar os seus dourados sonhos de predominio e o immediato massacre dos homens de consciencia e de dignidade patriotica e desinteressada. Esse era o esprito da poca, quando as paixes e a animosidade vinham tona. (**) Esse trecho, um candente depoimento de um padre catlico, sobre a Maonaria, que ele conhecia to bem e onde chegara ao mais alto grau do rito mais praticado --- o Escocs Antigo e Aceito --- mostra como era falsa a propaganda clerical que se fazia em torno das prticas manicas, considerando-as anti-religiosas, na esteira da ojeriza de Pio IX Maonaria, por conta da participao manica e carbonria na unificao da Itlia, a qual trouxera, como resultado, a perda de grande parte do poder temporal do papa. (***) Nesse dia 2 de maro de 1872, o padre Jos Luis de Almeida Martins, Grande Orador Interino do Grande Oriente, enaltecia a Maonaria, em seu discurso de homenagem a Rio Branco. O discurso, publicado, no dia seguinte, pelos jornais, causou a reao do bispo do Rio de Janeiro, D. Pedro Maria de Lacerda, que, advertindo o padre, exigiu que ele se retratasse e deixasse o meio manico. Diante da recusa de Almeida Martins, o bispo o suspendeu, baseado na fala de Pio IX, por ocasio do Consistrio de 1865. Isso acabaria desencadeando uma querela, a par da questo do clero com o governo imperial, na qual a Maonaria entrou como Pilatos no Credo e serviu de pretexto, em muitas ocasies. Em defesa do padre, uniram-se os dois Grandes Orientes, do Lavradio e dos Beneditinos, resultando um violento e ofensivo manifesto, redigido por Saldanha Marinho --- baluarte do anticlericalismo --- o qual s serviu para ajudar a azedar, ainda mais, as relaes entre ambas as instituies e para aumentar a munio do clero, que, diante da violncia do ataque, acabou posando de vtima. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 4
  • 16. CopyMarket.com Ttulo: Do P dos Arquivos Todos os direitos reservados. Autor: Jos Castellani Nenhuma parte desta publicao poder ser Editora: CopyMarket.com, 2000 reproduzida sem a autorizao da Editora. 1883: A Reunificao da Maonaria Brasileira Fuso do Grande Oriente do Brasil com o Grande Oriente Unido Jos Castellani A ultima hora No dia 18 de janeiro de 1883 realizou-se no edificio do Gr.: Or.: do Brazil, sito rua do Lavradio No. 83, em assembla geral do povo ma.: a imponente cerimonia da Unio dos dois Circulos existentes no Brazil, isto , o Gr.: Or.: do Brazil, ao Val.: do Lavradio e o Gr.: Or.: Unido, ao Val.: dos Benedictinos, denominando-se dora avante o Gr.: Corpo resultante de to almejada unio Grande Oriente do Brazil e continuando a ser sua sede a citada rua do Lavradio. A to solene festividade esteve prezente avultadissimo numero de MMa.: presurosos de reatar os laos da fraternidade que a cizo tinha rompido. O magestoso edificio do Lavradio achava-se tanto exterior como interiormente illuminado a giorno e todos os seus vastos sales sumptuosamente ornados. Na Sala denominada dos Passos Perdidos destacavam-se os retratos em grandes telas dos proeminentes Gro Mestres Visconde do Rio Branco e Pod.: Ir.: Conselheiro Dr. Joaquim Saldanha Marinho. Na sala contigua viam-se o busto do Gro Mestre Pedro I, os retratos dos Gro Mestres Visconde de Inhauma e Marqus do Herval, e as telas da batalha de Riachuelo e Passagem de Humayt 1. s 7 horas da noite, no Salo do Templo Azul foi aberta a sesso do Gr.: Or.: em assembla geral do Povo Ma.:, no gr.: de Ap.:, pelo Pod.: Ir.: Gr.: M.: Conselheiro Dr. Francisco Jos Cardoso Junior, nomeando em seguida uma Comm.: composta de GGr.: IInsp.: GGer.: 33, afim de acompanhar ao Templo o Pod.: Gr.: M.: Honn .: Conselheiro Dr. Joaquim Saldanha Marinho. Sendo franquiado ingresso a to distincto Ma .: com todas as formalidades do ritual, recebeu entre CCol.: o aureo malhete da sabedoria que lhe foi offertado pelo Sob.: Gr.: M.:, o qual ao annunciar-se a chegada de to Pod.: Ir.: ao Templo descera do solio para dar-lhe o osculo e o amplexo fraternal. O Conselheiro Dr. Saldanha Marinho, nobre como si ser em todos os actos, quer na vida profana quer na manica, elevou-se altura de quem respeitador da f dos tratados, pelo que aceitou o malhete por mera cortezia e em seguida o entregou proferindo estas memoraveis palavras: Sob.: Gr.: M.:, a verdadeira unio da familia maon.: do Brazil deve comear pela disciplina. Mac.: deste Circ.: reconheo e respeito a autoridade do meu Gr.: M.: e entrego-vos, pois, o malhete do Gro mestrado da Ordem. 1 H, a, um engano, talvez de boa-f, talvez por apoteose mental do redator. O visconde de Inhauma era o almirante Jos Joaquim Incio (1808-1869), heri da Guerra do Paraguai e ministro da Marinha no Gabinete presidido por Caxias. O marqus do Herval era o general Osrio, Manuel Luiz Osrio (1808-1879), heri da Guerra do Paraguai, ministro da Guerra e patrono da Arma de Cavalaria do Exrcito Brasileiro. Nenhum dos dois foi Gro-Mestre do Grande Oriente do Brasil. Incio foi 1o. Grande Vigilante durante o primeiro mandato (1850-1853) do Gro-Mestre, visconde --- depois, marqus --- de Abrantes, Miguel Calmon du Pin e Almeida, que tinha, como 1o. Gro-Mestre Adjunto, o conselheiro Antnio Jos da Veiga, e, como 2o. Gro-Mestre Adjunto, o comendador Joo Pereira Faro. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 1
  • 17. Abraaram-se os dois GGr.: MMestr.: e esse abrao mais do que cousa alguma consolidou a Unio e ao som de estrepitosos applausos e sonoros vivas tomaram assento no solio o Sob.: Gr.: M.: no throno 2, ao seu lado direito o Conselheiro Dr. Joaquim Saldanha Marinho e ao esquerdo o Pod.: Ir.: Jos Antnio de Oliveira Moraes, Repres.: Part.: do Gr.: M.: e Gr.: Repres.: do Supr.: Cons.: de Inglaterra. Concedida a palavra aos OOrad.: inscriptos, usaram dela o Gr.: Orad.: Adj.: Antnio Jos de Souza congratulando-se com todos os MMa.: pelo acto de Unio; em seguida, obtida a devida venia, subiu ao solio e em nome da nossa Subl.: Ord.: offertou a cada um dos GGr.: MM.: um primoroso ramo de jubilo 3. Oraram o Sob.: Gr.: Mest.: Conselheiro Cardoso Junior tornando saliente o quanto o coadjuvara o Pod.: Ir.: Conselheiro Dr. Joaquim Saldanha Marinho, em quem sempre encontrou a maior boa vontade e ardentes desejos para a unificao da Familia Maonica. Tomando a palavra o Pod.: Ir.: Conselheiro Dr. Saldanha Marinho eloquentemente aconselhou --- constancia na Unio. Oraram ainda os RResp.: e Ill.: IIr.: Coronel Francisco Manoel da Cunha Junior, Gr.: Orad.: do Gr.: Or.: , Octaviano Hudson, em nome das AAug.: LLoj.: Liberdade e Sete de Setembro; Dr. Figueiredo de Magalhes, Toms Alves, Luiz Alves Macedo, Antnio Jos de Souza, Guedes Guimares e Domingos dos Santos, em nome da Aug.: Loj.: Amparo da Virtude. O Resp.: e Ill.: Ir.: Dr. Feital recitou uma poesia. Applaudida entusiasticamente a Unio e os oradores, terminou a solemnidade s 10 horas da noite, ao som do hymno maonico cantado pelo Resp.: Ir.: 33 Hermenegildo Nunes Cardoso e acompanhado por todos os MMa.: prezentes. Esse relato da histrica sesso em que houve a unio entre o Grande Oriente do Brasil do Lavradio e a Obedincia dissidente criada por Saldanha Marinho, foi publicado no Boletim Oficial do Grande Oriente do Brasil, ano 11, nmero correspondente a dezembro de 1882 e publicado em janeiro de 1883, o que possibilitou a insero da reportagem. A dissidncia surgira depois de uma eleio realizada no Grande Oriente do Brasil, a 7 de julho de 1863, porque o grupo de Joaquim Saldanha Marinho queria fazer vlidos os votos dos membros honorrios. As muitas irregularidades fizeram com que a eleio fosse anulada, sendo realizada outra, a 14 de agosto. A oposio, inconformada, tentou, por todos os meios, anular o pleito, o que fez com que o Gro-Mestre, marqus de Abrantes (Miguel Calmon du Pin e Almeida), renunciasse ao cargo, a 25 de agosto, sendo substituido pelo Gro-Mestre Adjunto, Bento da Silva Lisboa, o baro de Cayru. A 25 de novembro do mesmo ano, em sesso tumultuada pelos elementos da oposio, Cayru era aclamado --- diante das circunstncias --- Gro-Mestre do Grande Oriente. Saldanha, diante disto, reuniu as Lojas Comrcio, Caridade, Estrela do Rio, Silncio, 18 de Julho, Imparcialidade e Filantropia e Ordem, com as quais consumou a ciso, criando uma 2 Mais um pequeno lapso: slio e trono so sinnimos, podendo, eventualmente, haver uma pequena diferena, quando se toma o slio como o assento ou trono pontifcio e o trono como o assento real, o que no o caso presente. Aparentemente, o redator designou como slio o conjunto de lugares junto ao Altar, tendo, o Gro-Mestre, tomado lugar no trono, que como chamada a cadeira do presidente da sesso, no Rito Escocs Antigo e Aceito. Isso, por sinal, configura outra falha, j que, em qualquer sesso oficial da Obedincia, o rito o Moderno, o primeiro utilizado pelo Grande Oriente do Brasil, quando de sua criao. 3 Ramo de jbilo no quer dizer que exista uma flor, ou uma planta chamada jbilo. Significa, apenas, que foi ofertado um ramo de flores para expressar o jbilo, o grande contentamento, pela ocasio. A expresso, inclusive, era corriqueira na poca, embora possa, hoje, parecer estranha. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 2
  • 18. Obedincia, que, como se julgava o legtimo Grande Oriente, tomou o mesmo nome: Grande Oriente do Brasil, acrescentando, porm, a expresso do Vale dos Beneditinos, em aluso ao local em que se instalou, no Rio de Janeiro. Em 1869, eram iniciadas gestes no sentido de reunificar as duas Obedincias, por interferncia da Maonaria portuguesa, que, em outubro daquele ano, realizara a fuso do Grande Oriente Lusitano com o Grande Oriente Portugus, da resultando o Grande Oriente Lusitano Unido. Como o G.O. Lusitano tinha tratado de amizade e mutuo reconhecimento com o G.O. dos Beneditinos, enquanto que o G.O. Portugus tinha o mesmo tratado com o G.O. do Lavradio, a unificao deles criou uma situao de mal-estar, fazendo com que os maons portugueses pressionassem os brasileiros, para que estes imitassem as Obedincias portuguesas. Formadas as comisses para tratar do assunto, em 1870, os trabalhos delas se estenderam at 1871. A 20 de maio de 1872, eram realizadas sesses extraordinrias de ambas as Obedincias, para tratar mais ativamente da fuso. A 29 de maio, eram aprovados os termo do acordo e, a 4 de junho, resolveu-se tratar da organizao de um Grande Oriente Unido, sendo eleita uma administrao provisria, para a transio. O Gro-Mestre do Grande Oriente do Lavradio, empossado em maro de 1871, era o visconde do Rio Branco, enquanto que no dos Beneditinos, Saldanha continuava o primeiro e nico. A 7 de agosto eram realizada a eleio para o Gro-Mestrado da Obedincia unificada, com o seguinte resultado: Saldanha Marinho, com 182 votos; Rio Branco, com 181; e Caxias, com 3. Como a Constituio Provisria exigia maioria absoluta de votos, houve novo pleito, a 17 de agosto, quando Rio Branco recebeu 165 votos, contra apenas 14 contrrios, entre votos para Saldanha, brancos e nulos. Com o protesto dos partidrios de Saldanha, inconformados com o resultado, a eleio foi anulada e marcada outra para 4 de setembro. Esta, realizada em ambiente de tumulto generalizado e flagrantemente fraudulenta, computou 220 votos para Saldanha, contra 190 para Rio Branco. O baixo nvel da eleio comprometia, profundamente, a fuso ; isso acabou fazendo com que Rio Branco reassumisse o Gro-Mestrado do Lavradio e declarasse nula a fuso, a 14 de setembro de 1872. Depois disso, Saldanha tambm reassumia a Obedincia por ele criada, agora com o ttulo de Grande Oriente Unido do Brasil --- que seria o ttulo depois da fuso --- apesar da unio no se ter concretizado. E a situao perduraria at 18 de janeiro de 1883. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 3
  • 19. CopyMarket.com Ttulo: Do P dos Arquivos Todos os direitos reservados. Autor: Jos Castellani Nenhuma parte desta publicao poder ser Editora: CopyMarket.com, 2000 reproduzida sem a autorizao da Editora. 1907: O Testamento de Quintino Bocaiuva Jos Castellani Podendo suceder que eu falea repentinamente, ou em condies de no poder exprimir as minhas ltimas vontades, deixo escritas estas instrues, cuja execuo recomendo s pessoas de minha famlia e cujo cumprimento rogo s pessoas estranhas, entre as quais, por acaso, eu venha a falecer. Desejo ser sepultado no cemitrio mais prximo do lugar onde eu falea, sem honras civis ou religiosas de nenhuma espcie. Se eu falecer na cidade do Rio de Janeiro e na minha residncia habitual, desejo ser enterrado no cemitrio de Jacarepagu. Se eu falecer em Pindamonhangaba, deve o meu corpo ser sepultado no cemitrio dessa cidade. A conduo do meu corpo, neste caso, deve ser feita por camaradas da fazenda de Santa Helena (seis ou oito), a cada um dos quais se abonar a gratificao de dez mil ris. Desejo ser sepultado em cova rasa, sobre a qual no se far lpide ou qualquer outro smbolo material, que recorde a minha existncia. Em nenhuma hiptese, falea eu onde falecer, o meu corpo ser embalsamado ou conservado por qualquer outro processo. Minha famlia no far anncio ou convites para o meu enterro, nem tampouco mandar dizer missas por minha alma, conforme o estilo comum. Na minha qualidade de maom e livre pensador, no tenho direito aos sufrgios da igreja catlica romana. Penso ter sido intimamente cristo e suponho que o cristianismo, na sua pureza de origem, ainda um ideal afastado da humanidade nos tempos que correm. O meu enterro deve ser decente, mas singelo --- no quero armao de ea na minha casa, nem encomendao de nenhum padre, ainda que algum se oferea para isso. Findo o prazo legal, os meus despojos devem ir para o ossurio comum. Mais ou menos, este o resumo das minhas disposies testamentrias. Rio de Janeiro, julho de 1907 Q. Bocaiuva (em ortografia moderna) CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 1
  • 20. Quntino Bocaiva, nascido a 4 de dezembro de 1836, em Itaguai (RJ), foi jornalista, poltico e um dos maiores nomes do movimento republicano brasileiro. Seu nome de batismo era Quintino de Sousa Ferreira; todavia, na poca em que estudava Direito em S. Paulo, ele adotou um nome nativista --- prtica em voga, na poca --- passando a Quintino de Sousa Bocaiva e, depois, simplesmente a Quintino Bocaiva (bocaiva uma espcie de coqueiro brasileiro, tambm chamado de macauba e coco-de-catarro). Matriculado na Faculdade de Direito de So Paulo, no curso de Humanidades, em 1851, iniciou sua carreira jornalstica como tipgrafo, redator e revisor do O Ipiranga, jornal do Partido Liberal. Na mesma poca em que ingressou na Faculdade, foi iniciado maom, atravs da Loja Piratininga, de So Paulo, apesar de no ter a idade regulamentar (fato comum na poca e acontecido, tambm, por exemplo, com Ruy Barbosa e Joaquim Nabuco). Radicado, posteriormente, no Rio de Janeiro, teve brilhante trajetria na imprensa, primeiro no Dirio do Rio e, depois, no Correio Mercantil. Em abril de 1864, ele aparece como um dos instaladores da Loja Segredo, pertencente ao Grande Oriente do Vale dos Beneditinos, liderado por Joaquim Saldanha Marinho. Em junho do mesmo ano, era admitido como membro do quadro da Loja Comrcio, do mesmo crculo. Essa dissidncia criada por Saldanha Marinho iria chegar ao fim em janeiro de 1883, quando suas Lojas foram integradas, ou reintegradas ao Grande Oriente do Brasil. Em 1870, Quintino foi o redator do famoso manifesto republicano, publicado no primeiro nmero do jornal A Repblica, que viria a ser empastelado em 1873. Em 1874, fundou o O Globo e, em 1884, o O Pas, tendo, este ltimo, exercido grande influncia na campanha republicana. Por sua atuao na imprensa, ele foi cognominado, por seus contemporneos, o Prncipe dos Jornalistas Brasileiros 1. To grande era o seu prestgio, como lder republicano, em todos os meios, inclusive no militar, que, na madrugada de 15 de novembro de 1889, Quintino cavalgou ao lado de Deodoro da Fonseca, como nico civil a participar, ativamente, do captulo final do movimento republicano, com a queda do Segundo Imprio. Implantada a Repblica, ele ocupou o Ministrio do Exterior, durante o Governo Provisrio. No Grande Oriente do Brasil, Quintino foi eleito Gro-Mestre Adjunto, em 1897. Eleito presidente do Estado do Rio, tomou posse a 31 de dezembro de 1900 e estava no cargo quando foi eleito Gro-Mestre do Grande Oriente do Brasil, em fevereiro de 1901, tendo sido empossado em junho e tendo, como Adjunto, Henrique Valadares. Foi durante o seu mandato que comearam a ser implantados os Grandes Orientes Estaduais federados, de acordo com a Constituio sancionada pelo Decreto No. 179, de 31 de dezembro de 1900, a qual facultava essa implantao. O primeiro foi o de So Paulo, autorizado a funcionar, atravs do Decreto No. 195, de 1o. de outubro de 1901, e regularmente instalado a 24 de junho de 1902.. A 21 de junho de 1904, Quintino entregava o malhete de supremo mandatrio da Maonaria brasileira ao senador e general Lauro Sodr. Em 1909, foi eleito senador da Repblica, vindo a falecer a 11 de julho de 1912, no Rio de Janeiro, no atual subrbio que tem o seu nome. Morreu em um ambiente de pobreza, no qual sempre viveu, pois jamais se locupletou com os cargos que exerceu. O seu testamento de uma absoluta coerncia com o seu modo de ser, durante toda a sua vida: homem simples, rejeitou qualquer pompa em seus funerais; espiritualista, rejeitou qualquer smbolo material, que, sobre sua cova, recordasse sua existncia; filho de uma poca de intolerncia religiosa, entendia que a pureza da doutrina crist ainda estava longe de ser alcanada pela humanidade, exatamente em decorrncia do radicalismo do clero da poca; com a dignidade e a coragem de se declarar, sem subterfgios, maom e livre pensador, rejeitou os sufrgios da Igreja, numa poca em que muitos ocultavam sua qualidade manica e procuravam as benesses do clero, como passaporte seguro para o reino dos cus 2. 1 Apesar da queda da monarquia, os brasileiros continuaram com fumaas de nobreza --- prncipe dos jornalistas, prncipe dos poetas --- hbito existente at hoje, com os reis e rainhas de esportes, da msica, da agricultura, da pecuria, etc. , num anacronismo piegas de um povo e de uma mdia procura de mitos, para exercer a sua idolatria. 2 Vale, a bem da verdade, esclarecer que, no Brasil, durante todo o sculo XIX, centenas de membros do clero catlico foram maons. As relaes entre Igreja e Maonaria, apesar das condenaes papais --- por motivos polticos --- que vinham desde o sculo XVIII, s comearam a azedar, realmente, a partir do pontificado de Pio IX , principalmente com a bula Multiplices Inter Machinationes, pronunciada durante o Consistrio de 25 de setembro de 1865, e com a reao do papa unificao da Itlia, de 1870, a qual reduziu o seu poder poltico e material; no caso especfico do Brasil, o caldo entornou com a Questo Religiosa de 1872, querela de carter poltico entre a Igreja e o Estado, na qual a Maonaria, inadvertidamente, foi envolvida. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 2
  • 21. CopyMarket.com Ttulo: Do P dos Arquivos Todos os direitos reservados. Autor: Jos Castellani Nenhuma parte desta publicao poder ser Editora: CopyMarket.com, 2000 reproduzida sem a autorizao da Editora. A Criao do Grande Captulo do Rito York O Tratado de 1912 com a Grande Loja da Inglaterra Jos Castellani DECRETO No. 478 Lauro Sodr, Gro Mestre da Ordem Maonica no Brasil; Faz saber a todos os maons e officinas da Federao que a Sob.: Assembla Geral adoptou, na sess.: realisada a 21 de novembro findo, a seguinte RESOLUO Art. 1o. - Fica creado, no Or.: do Pod.: Centr.:, o Gr.: Cap.: do Rito de York, ao qual se subordinaro, liturgicamente, todas as lloj.: desse rito actualmente existentes no Brasil e as que de futuro frem fundadas. Art. 2o. - O Gr.: Cap.: do Rito de York ter as mesmas attribuies que a Const.: e o Reg.: Ger.: da Ord.: conferem s GGr.: OOff.: chefes de Rito, alm das que lhe d o accrdo celebrado entre o Gr.: Or.: do Brasil e a Gr.: Loj.: Unida da Inglaterra. Art. 3o. - De conformidade com o art. 58 e seu parag. 1o. da Const.:, esse Gr.: Cap.: se compor de 33 membros effectivos, inclusive as altas DDig.: da Ord.: , dos quaes 7 sero nomeados pelo Sob.: Gr.: Mestr.: . Constituido assim provisoriamente o Cap.:, este eleger ento os outros 21 membros effectivos, procedendo-se depois installao dos seus trabalhos. O Pod.: Ir.: Gr.: Secr.: Ger.: da Ord.: Int.: encarregar-se- da notificao e publicao deste decreto. Dado e traado na Gr.: Secretaria Ger.: da Ord.:, na cidade do Rio de Janeiro, no 1o. dia do 10o. mez do anno de 5913, V.: L.: --- 1o. de Dezembro de 1913, E.: V.: . (ass.) Lauro Sodr 33 - Gr.: Mestr.: da Ord.: Raymundo Floresta de Miranda 33 - Gr.: Secr.: Ger.: da Ord.: Int.: A.O. de Lima Rodrigues - Gr.: Chanc.: ad hoc Esse Decreto era o corolrio do Tratado assinado entre o Grande Oriente do Brasil e a Grande Loja Unida da Inglaterra, no Rio de Janeiro, a 21 de dezembro de 1912. J havia, nessa poca, um certo descontentamento entre os maons de origem inglesa residentes no Brasil, os quais pretendiam ter Lojas do Rito, que trabalhassem segundo a orientao litrgica da Grande Loja Unida da Inglaterra. Diante das splicas desses obreiros, o Gro-Mestre da Grande Loja, o duque de Connaught, enviou uma misso ao Brasil, cujo objetivo era, se possvel, obter o consentimento do Grande Oriente, para o estabelecimento de uma Grande Loja Distrital, no Brasil, colocada sob a Constituio inglesa; e, caso isso no fosse possvel, que, pelo menos, fosse achada uma maneira de satisfazer aos anseios dos referidos obreiros ingleses. Diante do xito parcial da misso - j que a Grande Loja Distrital s se concretizaria em 1935 - foi assinado o tratado, que, redigido em portugus e ingls, estabelecia: "O Grande Oriente do Brasil, representado pelo seu Gro Mestre Senador Lauro Sodr e Grande Secretario Geral Capito Pedro Muniz, e a Grande Loja Unida da Inglaterra, representada pelos RResp.: IIr.: Lord Athlumney, F.H. Chevallier Boutell, H. Passmore Edwards, P. Tindal Robertson e J.J. Keevil, accordaram o seguinte: CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 1
  • 22. Em vista das representaes que Grande Loja Unida da Inglaterra foram feitas a respeito da situao dos maons no Brasil, que falam inglez, e querendo o mesmo Grande Oriente conservar inabalavel a velha e fraternal amizade, que sempre o uniu quella Grande Loja, resolveu permittir, de accrdo com o artigo 63 da Constituio, que seja creado um Grande Capitulo do Rito de York, com patente e sob a obediencia do Grande Oriente do Brasil. Desde logo ficaro subordinadas a esse Grande Capitulo as seguintes sete Lojas do Rito de York: Eduardo VII, ao oriente do Par, Saint George, ao oriente do Recife, Duke of Clarence, ao oriente da Bahia, Eureka No. 3, ao oriente do Poder Central, Wanderers, ao oriente de So Paulo, Unity, ao oriente de So Paulo, Morro Velho, ao oriente de Minas Gerais Esse Grande Capitulo ser autoridade suprema, em materia liturgica, para todas as Lojas do Rito de York, actualmente existentes no Brasil e para aquellas que de futuro forem creadas. Dora em deante todas as Lojas do Rito de York, que se fundarem no Brasil, s podero funccionar com autorisao do Grande Capitulo e as suas patentes sero por elle expedidas e assignadas pela administrao do Grande Oriente do Brasil, nos termos da Constituio e leis deste Grande Oriente. O Grande Capitulo se compor de 33 membros effectivos, dos quaes 28 sero eleitos dentre os maons pertencentes s Officinas do Rito e 5 sero o Gro Mestre do Grande Oriente do Brasil, o Gro Mestre adjunto, o Grande Secretario Geral da Ordem, o Grande Thesoureiro e o Grande Chanceller, que tero voto em todas as deliberaes tomadas pelo Capitulo. O Grande Capitulo ter direito de confeccionar o seu regulamento particular que s entrar em vigor depois de approvado pelo Conselho Geral da Ordem, devendo toda e qualquer alterao nelle introduzida ser submettida approvao do referido Conselho. O referido regulamento ser obrigatorio para todas as Lojas do Rito de York existentes no Brasil e no poder contrariar disposio alguma da Constituio e Regulamento Geral do Grande Oriente do Brasil, modelando-se, no entretanto, pelos principios liturgicos que regem a Grande Loja Unida da Inglaterra. Annualmente o Capitulo apresentar ao Gro Mestre uma lista triplice de irmos do seu quadro, dos quaes este escolher um para seu delegado com o fim especial de fiscalisar as Lojas do Rito. As actas do Capitulo sero escriptas em portuguez e inglez e toda a correspondencia, que s ser;a recebida e expedida pelo Grande Secretario Geral da Ordem, ser traduzida para o portuguez. Em troca desta concesso a Grande Loja Unida da Inglaterra compromette-se a conceder ao Grande Oriente do Brasil, quando este o solicitar, egual favor em relao aos maons que falam a lingua portugueza e se acham sob a jurisdico da mesma Grande Loja. Grande Oriente do Brasil, na cidade do Rio de Janeiro, 21 de Dezembro de 1912, E.: V.: . A Commisso Ingleza (assignados) Lord Athlumney Lauro Sodr, P.G.W. England Gro Mestre - F.H. Chevallier Boutell D.G.M.A. Pedro Muniz, Gr.: Secr.: Ger.: da Ord.: H. Passmore Edwards P.G.D. England - P. Tindal Robertson P.B. G.S. England CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 2
  • 23. CopyMarket.com Ttulo: Do P dos Arquivos Todos os direitos reservados. Autor: Jos Castellani Nenhuma parte desta publicao poder ser Editora: CopyMarket.com, 2000 reproduzida sem a autorizao da Editora. 1917: Everardo Dias, Maom e Lder Operrio Jos Castellani Nascido na Espanha, Everardo Dias veio cedo para o Brasil, pois seu pai, prof. Antnio Dias, maom, envolvido num fracassado levante armado, para a implantao da repblica em seu pas, conseguiu, auxiliado pelos maons, embarcar e chegar a S. Paulo com uma carta de apresentao dirigida ao Irmo Martinico Prado, um dos lderes republicanos brasileiros. As primeiras letras, ele aprendeu com os pais e, ao atingir a idade regulamentar exigida, em 1888, foi matriculado em escola primria. Ao chegar aos 13 anos de idade, aprendeu o ofcio que seu pai exercia --- alm do magistrio primrio --- o de tipgrafo, ingressando, depois, como meio oficial, no jornal O Estado de So Paulo, onde permaneceu at completar os seus estudos na Escola Normal da Praa da Repblica. Diplomado, conseguiu cadeira num longnquo lugarejo do Estado de S. Paulo --- Aparecida de Monte Alto --- que ficava a trs lguas da cidade de Monte Alto. L residia um velho maom de origem italiana, Vicente Picarelli, que fora iniciado e militara na Maonaria argentina e que, ao vir para o Brasil, no descansou enquanto no criou uma Loja em Aparecida do Monte Alto. Nessa Loja, criada sob o ttulo de Filhos do Universo, do Grande Oriente Estadual de S. Paulo, que Everardo foi iniciado, em junho de 1904, logo depois da fundao da Oficina. Depois de um ano em Aparecida, regressou a S. Paulo e, como no conseguiu sua transferncia para a Capital, abandonou o magistrio e regressou ao jornalismo. Matriculou-se, depois, na Faculdade de Direito de S. Paulo, onde s fez o primeiro ano, pois dificuldades financeiras o impediram de continuar os estudos; anos depois, iria conseguir o seu certificado pela Faculdade Livre de Direito do Rio de Janeiro. Em S. Paulo, filiou-se, inicialmente, Loja Unio Espanhola, onde possuia muitos amigos; l, recebeu o grau de Cavaleiro Rosa-Cruz em maro de 1906. E, a 3 de maio de 1908, ingressava na Ordem e Progresso, onde, em 1910, ocuparia o seu primeiro cargo administrativo: o de 2o. Vigilante. Esses eram anos de grande efervescncia poltica mundial, qual a Ordem manica no ficara indiferente. No plano internacional, saira-se da reviso do rumoroso e apaixonante processo Dreyfus, em que ficara provada a inocncia desse oficial do exrcito francs, vtima dos fascistas da poca, que dominavam o Estado-Maior e eram aliados aos grupos reacionrios existentes em todas as naes da Europa, principalmente nas monarquias, os quais conspiravam contra o regime republicano francs. Nomes como Waldeck-Rousseau, Combes e Clemenceau pontificavam na defesa da Repblica Francesa, fazendo com que os liberais do mundo inteiro apoiassem a sua luta e o desassombro com que expulsaram do pas os grupos polticos e congregaes religiosas, acusados de conspirar contra o Estado. O governo brasileiro, com Rodrigues Alves, conservador e clericalista, abriu as portas a esses elementos indesejveis, o que provocou o protesto dos verdadeiros e intransigentes republicanos, veementes debates no Congresso Nacional e o repdio do Grande Oriente a essa onda imigratria. Tambm a crise poltica brasileira atingia grau de presso intolervel, resultando no levante da Praia Vermelha, liderado pelo senador Lauro Sodr --- Gro-Mestre do Grande Oriente --- e pelo general de diviso Silvestre Travassos, comandante da 1a. Regio Militar. Sufocado o levante, Travassos morreu e Sodr foi preso a bordo de um navio de guerra, apesar de suas imunidades parlamentares. Dizia-se que ele seria submetido ao conselho de guerra e que, como militar, poderia ser fuzilado. Isso mobilizou deputados e senadores maons e causou protestos das Lojas, encaminhados ao Congresso, at que fosse apresentado, por Ruy Barbosa, no Senado, e por A. Moreira da Silva, na Cmara, o projeto de anistia aos envolvidos no levante, o qual foi aprovado, apesar da presso do governo. Enquanto isso, um projeto-de-lei do deputado Medeiros e Albuquerque procurava cercear a entrada, no pas, dos elementos indesejveis, expulsos da Europa. As Lojas, apoiando as medidas saneadoras, transformavam-se em ctedras de civismo, de CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 1
  • 24. liberdade de conscincia e de defesa da lei. No Grande Oriente Estadual de S. Paulo, com a asceno, ao Gro-Mestrado, do lider republicano Pedro de Toledo, essa orientao tomou fora, sendo organizado um programa de conferncias no Estado. Everardo Dias, por sua evidncia, foi incumbido de diversas palestras, onde, como professor de Histria Geral em colgios, partia para a interpretao dos fatos histricos, tirando as lies necessrias quilo que queria expor. Encarando a Histria sob os pontos de vista filosfico, poltico, econmico e social, abordava a messe dos esticos da Antigidade, de Znon a Sneca, de Epiteto a Marco Aurlio; dos humanistas da Renascena, de Erasmo a Damio de Ges, de Montagne a Descartes, de Dante a Molire, de Cervantes a Swift; dos reformadores, de Joo Huss a Giordano Bruno; dos utopistas, como Thomas Morus e Campanella; dos pensadores, economistas e filsofos do sculo XVIII, os enciclopedistas, como Diderot, Voltaire, Rousseau, DAlembert, Necker, Turgot e outros, maons, em sua maioria. Foi nessa poca que ele adquiriu fama de anticlerical, porque responsabilizava a Igreja de Roma pelo estancamento anterior, que levara ao dio razo e exaltara a ignorncia como sinal de perfeio espiritual e a certeza de ganhar o reino dos cus. Em sua pregao, Everardo no se limitou capital --- sob a gide das Lojas Amizade, Ordem e Progresso, Unio Espanhola, Fidelidade e Firmeza, e outras --- e ao interior do Estado, indo, tambm, aos Estados do Rio de Janeiro, Paran e Minas Gerais. Nem sempre as palestras pblicas terminavam em calma, pois elementos provocadores eram enviados aos locais do acontecimento, pelos grupos atingidos, ou, ento, estes pressionavam os proprietrios de sales, para que eles no os cedessem, ou alugassem aos maons. Everardo, todavia, nessa poca, assumia, como lema de sua luta, o pensamento de Vitor Hugo: Abrir escolas fechar cadeias, dar instruo ao povo abolir os crimes. Defendendo, tambm, em suas palestras, a emancipao feminina, ele traduziu o livro de Vitor Marguerite, La Garone, que havia produzido grande escndalo na Frana. Com sua atividade cultural, ele dava a sua contribuio ao progresso moral, intelectual e social do pas. Alm de sua atividade cultural, foi membro da Assemblia Estadual Legislativa do Grande Oriente de 1912 a 1919, como representante das Lojas Perseverana III, de Sorocaba, Unio Espanhola, da capital, e Deus, Justia e Caridade, de Pederneiras. De 1916 a 1918, fez parte do Tribunal de Justia Estadual. Em 1918, foi eleito Grande Secretrio Adjunto do Grande Oriente Estadual, tendo Leonel Monteiro como titular. Fez parte, tambm, do Conselho Estadual, onde exerceu diversos cargos, de 1956 a 1961. Foi fundador, em 1921, da Respeitvel Loja de Perfeio Segredo, do Rio de Janeiro --- o Poder Central --- instalada com a finalidade exclusiva de difundir, em todas as Lojas da Federao, os conhecimentos indispensveis aos maons --- usos e costumes, jurisprudncia, simbologia, liturgia, etc. --- atravs de uma doutrinao contnua e persistente. Com os acontecimentos do Poder Central, em 1921, redundando numa dissidncia paulista, que criou o Grande Oriente de So Paulo, essa iniciativa cultural iria abortar. Nesse nterim, que Everardo, atuando, politicamente, ao lado dos trabalhadores de S. Paulo, fora preso, acusado de subverso da ordem pblica e expulso do pas. Seu crime? Foi, simplesmente, seguir o postulado da doutrina, sempre seguida, no pas, desde Lauro Sodr: O direito de rebelio contra atos do poder arbitrrio, um direito dos povos. Ele tomou a defesa de trabalhadores, que pediam melhoria em seus salrios, um direito legtimo, que representa a defesa da famlia e, portanto, o futuro da Ptria, ao qual a Maonaria no pode ficar alheia. Como poltico que era, fez parte de uma faco discrepante da poltica oficial, dirigida pelo Partido Republicano Paulista (PRP), ao lado de Pedro de Toledo. Seus artigos, polmicos, lhe traziam inimizades e rancores; por diversas vezes ele escapou de agresses e ciladas. Batalhou contra a reforma da Constituio de 1891, que considerava perfeita e inatacvel; quando, aproveitando uma disseno no PRP, seus companheiros aderiram ao governo, passando a ocupar altos postos na administrao estadual, ele, apesar de instado, recusou, com altivez, mantendo coerncia com seus princpios morais e ticos. Tornou-se, a, mais radical, passando a fazer parte de um Partido Operrio, que pretendia fazer um governo ao lado do proletariado. Foi um dos propagadores da greve de 1917, que paralisou o Estado; seus artigos e comcios iam fazendo com que seu pronturio policial ficasse volumoso. Em 1919, durante outra greve reivindicatria de funcionrios da Light, da construo civil, de txteis, de metalrgicos e de ferrovirios, Everardo foi responsabilizado pelo movimento, preso, esbordoado, martirizado com violncia, metido num navio com outros lderes operrios e expulso do pas. Esse fato colocou mostra o carater bestial com que a polcia agia nos casos de greve, fazendo com que, no Congresso Nacional, a voz eloqente e desassombrada do maom e deputado Maurcio de Lacerda (pai de Carlos Lacerda), unida de outros deputados independentes, tomassem a defesa de Everardo e das demais vtimas. No mbito manico, a Loja Amrica destacou-se em sua defesa. E, no Grande Oriente Estadual, o deputado e Gro-Mestre recm-empossado, Jos Adriano Marrey Jnior, acompanhado do senador e maom Luis de Toledo Piza, da Loja Amrica, foi ao palcio entender-se com o CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 2
  • 25. governo estadual, conseguindo a desaprovao da atitude policial e a revogao da expulso. Ao retornar, Everardo foi saudado em todos os portos, pelos maons e pelos membros das organizaes proletrias; ao chegar ao Rio de Janeiro, o Grande Oriente do Brasil, em sesso magna, prestou-lhe homenagens. Quando do levante de 1922, ele foi visado, porque montara um comit pr Nilo Peanha, que era candidato presidncia da Repblica, contra Arthur Bernardes. Foi preso, levado ao crcere da ilha das Cobras e, da, fortaleza de Santa Cruz, enquanto o senador e ex-Gro-Mestre do GOB, Nilo Peanha, era preso, sob palavra, em sua residncia. Ao estourar a revolta de 1924, com o levante de foras do Exrcito e da Fora Pblica, em S. Paulo, e de guarnies do norte, Everardo, que fora libertado e estava no Rio de Janeiro, era novamente preso e enviado para os campos de concentrao existentes nas ilhas distantes da costa brasileira, onde ficou encarcerado vrios anos, principalmente na ilha das Flores. Em 1927, posto em liberdade, voltou ao seio da famlia, com a saude abalada e as finanas destroadas, pois, sendo, em 1924, dono de uma livraria e editor de obras de crtica, de Histria e de Filosofia, teve todo o seu patrimnio removido para os pores do edifcio da polcia. E de nada adiantou apelar Justia, pois o confisco fora feito durante o estado de stio, implantado por Arthur Bernardes, quando os direitos dos cidados eram postergados. Por isso, voltou ao jornalismo, como membro do corpo redatorial do Dirio Nacional, jornal recentemente fundado, como orgo do Partido Democrtico, o qual tinha, como diretor, Marrey Jnior; e ali permaneceu at ao fim da publicao, aps a Revoluo de 1932. Mesmo se dedicando ao jornalismo, Everardo era constantemente vigiado pela polcia, que o detinha por qualquer motivo e invadia, constantemente, a sua casa. Era duro, no final da dcada dos vinte, ser oposio no Brasil! Por isso, quando do golpe de 1930, ele apoiou os insurgentes. Antes disso, ele tivera que fugir de So Paulo, para no ser novamente preso; e foi uma fuga difcil, porque todas as estradas, rodovirias e ferrovirias, eram vigiadas pela polcia poltica. Aps a vitria do movimento de 1930 e apesar dele t-lo apoiado, sua situao no mudou, pois continuava vigiado pela polcia. A Revoluo de 1932 colheu-o testa da redao do Dirio Nacional, cuja ao foi importantssima na preparao desse movimento cvico, esmagado pela fora e pela corrupo. Em 1935, ocorria o levante comunista, promovido pela Aliana Libertadora Nacional. E, embora no houvesse nenhuma prova de seu envolvimento no levante e nem houvesse, em S. Paulo, qualquer tentativa de perturbao da ordem pblica, ele foi preso e penou quase dois anos nas prises do Estado, at ser absolvido pelo Tribunal de Segurana Nacional, depois de ter sido defendido, no Congresso Nacional, pelo deputado Caf Filho. Voltou, ento, so seu trabalho, com as finanas arrasadas, documentos desaparecidos e sua casa destruida, tendo que reconstruir tudo. Foi depois desse agitado perodo e j com sua vida regularizada, que Everardo voltou atividade manica, batendo porta da Loja Ordem e Progresso, que o acolheu com carinho fraternal. Nela, nessa fase calma de sua vida, ele foi, em diversas ocasies, Venervel Mestre, Vigilante e Orador. Foi autor das obras manicas Semeando, Sombra da Accia e, em colaborao com Octaviano Bastos e Optato Carujuru, do Livro Manico do Centenrio; escreveu, tambm, livros sobre a sua luta poltico-social. Foi redator e diretor do Boletim Oficial do Grande Oriente de S. Paulo e dos jornais Folha de Accia e Mensageiro Romano. Faleceu em 1966. E, a 4 de abril desse mesmo ano, perpetuou-se na memria manica, atravs da fundao da Loja Everardo Dias, hoje com 30 anos de existncia. O lema de sua vida pode ser resumido numa frase, pinada de uma de suas obras: Lutar? Por que, para que? Sempre tem porque e para que lutar os que fazem da vida uma afirmao e colocam o porvir do homem na Terra. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 3
  • 26. CopyMarket.com Ttulo: Do P dos Arquivos Todos os direitos reservados. Autor: Jos Castellani Nenhuma parte desta publicao poder ser Editora: CopyMarket.com, 2000 reproduzida sem a autorizao da Editora. 1922: Um Documento do Centenrio do Grande Oriente do Brasil (ainda a questo do calendrio) Jos Castellani 1o. - O FICO, pronunciado pelo Principe D. Pedro de Alcantara, Regente do Reino do Brasil, a 9 de Janeiro de 1822 da E.: V.:, 20 do XI mez do anno de 5821, da V.: L.:1 ; 2o. - A aceitao do titulo de Defensor Perpetuo e Constitucional do Brasil, pelo Principe Regente, a 13 de Maio de 1822, da E.: V.: , 23 do II mez do anno de 5822, da V.: L.:; 3o. - A convocao da Constituinte Brasileira, pelo Principe Regente, por solicitao dos procuradores das Provincias e accordo dos Ministros da Regencia, a 2 de junho de 1822, da E.: V.:, 13 do III mez do anno de 5822, da V.: L.: ; 4o. - Fundao do Grande Oriente do Brasil, com a diviso da Loja Commercio e Artes em tres outras Officinas, eleio e posse da administrao daquelle e posse dos VVen.: destas, a 17 de Junho de 1822, da E.: V.:, 28 do III mez do anno de 5822, da V.: L.:; 5o. - Iniciao do Principe Regente como maom, na Loja Commercio e Artes a 2 de Agosto de 1822, da E.: V.:, 13 do V mez do anno de 5822, da V.: L.:, donde resultou sua mais intima ligao com a independencia, como se verifica do seu manifesto de 6 do mesmo mez. 6o. - O grito de Independencia ou Morte, dado pelo Principe Regente nas margens do Ypiranga, 7 de Setembro de 1822, da E.: V.:, 18 do VI mez do anno de 5822, da V.: L.:, e a procclamao da independencia votada nas sesses do Grande Oriente do Brasil a 9 e 12 do mesmo mez e por editaes do Senado e da Camara do Rio de Janeiro, de 21 do dicto mez e anno 2; 1 E.: V.: a abreviatura manica de Era Vulgar; e V.: L.: a abreviatura manica de Verdadeira Luz. Era Vulgar expresso referente data do calendrio civil (ou profano), enquanto que Verdadeira Luz seria a referncia ao ano manico, muito decalcado nos mitos bblicos, referentes criao do mundo. O Ano da Verdadeira Luz obtido atravs da soma do nmero 4.000 ao nmero de anos da Era Vulgar; assim, 1822 o ano da V.:L.: 5822. 2 Embora no houvesse ainda surgido, na poca, a balela do 20 de agosto, como o dia em que a Maonaria resolveu proclamar a Independncia, criada por mistificadores da Histria e aceita --- sem maiores pesquisas --- por confederao de Grandes Lojas brasileiras, em 1957, para justificar um Dia do Maom, de mbito estritamente nacional, esse ato acaba, mesmo que sem muito destaque, abordando a data. E clarssimo, como se pode ver: a proclamao da independncia, votada nas sesses do Grande Oriente, a 9 e 12 do mesmo ms (de setembro). E, isso, porque o 6o. ms manico tinha incio no dia 21 de agosto, o que faz com que o seu 20o. dia, citado na ata do Grande Oriente, seja 9 de setembro; 20 de agosto seria a data correta, se o incio do 6o. ms fosse a 1o. de agosto. Mas no era, segundo este e muitos outros documentos. Por coincidncia, quando esse ato foi exarado, o Gro-Mestre do Grande Oriente do Brasil era Mrio Behring, o mesmo que, em 1927, a partir de uma dissidncia do Supremo Conselho do Brasil para o REAA, criou as Grandes Lojas estaduais brasileiras, que, 30 anos depois, em uma reunio confederativa, iriam inventar essa do 20 de agosto. E durma-se com um barulho destes! CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 1
  • 27. 7o. - Finalmente, a posse do Principe Regente como Gro Mestre da Maonaria no Brasil, a procclamao do Imperio e acclamao do Principe a Imperador Constitucional do Brasil e seu Defensor Perpetuo, a 4 de Outubro de 1822, da E.: V.:, 14 do VII mez do anno de 5822, da V.: L.:, e designao do dia 12 do mesmo mez (22-VII-5822) para se tornar publico e official esse acto. Esse texto, constou de um Ato, exarado por ocasio das comemoraes do centenrio da independncia do Brasil. E ele foi emitido, exatamente, para acabar com as dvidas em torno do calendrio usado pelo Grande Oriente do Brasil, em 1822, ano de sua fundao. Trata-se, portanto, de mais um documento que mostra qual ele era, na realidade. Por a, se pode ver que esse calendrio era o equinocial e muito prximo do calendrio religioso hebraico --- que regula as festas religiosas --- o qual inicia o ano no ms Nissan, na Lua nova que se segue ao equincio de maro3; o calendrio civil hebraico inicia o ano no ms Tishrei, com o Rosh Hashan (em hebraico, literalmente, cabea do ano), na Lua nova que se segue ao equincio de setembro. Assim, o 1o. ms do Ano da Verdadeira Luz comeava no dia 21 de maro; o 2o. ms, a 21 de abril; o 3o., a 21 de maio; e assim por diante. Fugia, portanto, do calendrio mais usado, dito francs, o qual principiava o ano a 1o. de maro. Desta maneira, algumas datas podem ser bem estabelecidas, sem ensejar qualquer tipo de contestao. Como, por exemplo: a fundao do Grande Oriente do Brasil a 17 de junho e no a 28 de maio, j que 3o. ms manico tinha incio no dia 21 de maio e no no dia 1o. ; a iniciao do Prncipe Regente, D. Pedro, a 2 de agosto e no a 13 de julho, j que o 5o. ms manico tinha incio no dia 21 de julho e no no dia 1o. ; a posse de D. Pedro como Gro Mestre, a 4 de outubro e no a 14 de setembro, pois o 7o. ms manico tinha incio no dia 21 de setembro e no no dia 1o. . 3 Equincio o momento em que os raios solares, incidindo verticalmente sobre o equador, fazem com que o dia e e a noite tenham igual durao, em qualquer lugar da Terra. Os equincios ocorrem a 21 de maro e a 23 de setembro. O primeiro o equincio de primavera, no hemisfrio Norte, e o de outono, no hemisfrio Sul; o segundo o de outono, no hemisfrio norte, e o de primavera, no hemisfrio Sul. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 2
  • 28. CopyMarket.com Ttulo: Do P dos Arquivos Todos os direitos reservados. Autor: Jos Castellani Nenhuma parte desta publicao poder ser Editora: CopyMarket.com, 2000 reproduzida sem a autorizao da Editora. O Movimento de 1964 Jos Castellani 1. A Renncia de Jnio Quadros Jnio Quadros foi maom, iniciado na Loja Libertas, de So Paulo, em 1946, da qual saiu, ainda como Companheiro, porque, segundo me disse, certa vez, como vereador, na capital paulista, no agentava mais a fila de Irmos pedindo favores. S voltaria atividade manica em 1985 --- quando eleito, mais uma vez, prefeito de So Paulo --- atravs da Loja Nova Era Paulista, da Grande Loja do Estado de So Paulo, sendo regularizado a 10 de outubro daquele ano. A 6 de junho de 1986, atravs do placet 13.724, foi, finalmente, exaltado ao grau de Mestre Maom e, a 24 de dezembro de 1989, desligou-se da Loja, fundando a Luz do Oriente, tambm da G.L. do Estado de S. Paulo. Nascido em Campo Grande (MS), em 1917, e falecido em So Paulo, em 1991, radicou-se na capital paulista a partir de 1930, onde se bacharelou, pela Faculdade de Direito, em 1939, e iniciou, em 1947, vertiginosa carreira poltica, na qual foi, sucessivamente, vereador, deputado estadual, prefeito, governador do Estado e presidente da Repblica. Eleito presidente, para o perodo 61-66, inaugurou uma nova forma de administrao, reformulou a poltica financeira e implantou uma nova e independente poltica internacional, cujas maiores conseqncias foram o reatamento de relaes diplomticas com a Unio Sovitica e a manifestao de solidariedade autodeterminao do povo cubano, contrariando a orientao norte-americana. Esses fatos, que provocaram reao das alas direitistas e que no passaram em branco nos rgos de informao dos Estados Unidos, talvez tenham precipitado a sua queda, efetivada com a renncia de 25 de agosto de 1961, por motivos no explicados, na poca, mas abordados, bem posteriormente, pelo menos perante um pequeno grupo de pessoas mais chegadas, os quais, vistos distncia, so pertinentes : como ele se irritava com a oposio do Congresso, que o impedia, praticamente de governar, a renncia fora um golpe estratgico que no deu certo, em decorrncia de um mau assessoramento, ou de um erro de clculo do ministro Pedroso Horta, do crculo ntimo de Jnio, o qual previra uma demora da discusso da renncia, no Congresso --- e a aprovao foi imediata, graas ao presidente da casa, Auro de Moura Andrade, que passava por governista, mas puxou o tapete de Jnio --- o que faria com que o presidente pudesse voltar ao cargo, por presso das instituies e do povo, executando as reformas poltico-sociais, que o Congresso insistia em bloquear (como acontece at hoje, por sinal). A idia, que no deu certo, era voltar fortalecido, pelo aval popular, e governar sem o Congresso. 2. O Parlamentarismo Desencadeada a crise poltica, o governo foi entregue a Pascoal Ranieri Mazzilli, j que o vice-presidente Joo Goulart estava em viagem pela sia. Mas os ministros militares, considerando perigosa a entrega do governo a Goulart, pediam, ao Congresso, a declarao de seu impedimento. Seguiram-se alguns dias de apreenses, com vrios segmentos da sociedade defendendo a intangibilidade do mandato do vice-presidente. O Gro-Mestre do Grande Oriente do Brasil, Cyro Werneck de Souza e Silva (paulista de Ja), manifestou-se, publicamente, pelo respeito Constituio, com a conseqente posse de Goulart. Finalmente, depois de 10 dias, encontrou-se a soluo poltica, com a aprovao, pelo Congresso, do Ato Adicional Constituio, o qual institua o regime parlamentarista, tirando os poderes do presidente. O primeiro chefe de Gabinete ministerial foi Tancredo Neves, obscuro, como administrador, mas hbil em costurar acordos polticos ; com a queda deste, foi indicado o culto e sagaz poltico Santiago Dantas, que seria recusado, talvez por sua participao na Conferncia de Punta del Este, cuja principal resoluo fora a excluso de Cuba do programa de ajuda, com o bloqueio econmico da ilha, CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 1
  • 29. onde fora implantado o regime comunista de Fidel Castro. Foram, ento, guindados chefia, em rpida sucesso, Brochado da Rocha e Hermes Lima, mas, diante do emperramento do mecanismo de administrao federal, a Cmara Federal aprovava, a 15 de setembro de 1962, projeto de lei que estabelecia o dia 6 de janeiro de 1963, para a realizao do plebiscito, que escolheria o sistema de governo. Neste, por grande maioria, venceu o parlamentarismo e Goulart assumiu com todos os poderes assegurados pela Constituio de 1946. 3. O Golpe de 1964 Fortalecido pelo plebiscito, Goulart propunha, ao Congresso, vrias reformas de base --- agrria, fiscal, poltica e universitria), que, embora reconhecidas como necessrias, pela maioria oposicionista no Congresso, suscitavam discordncias, pela maneira como seriam feitas, principalmente a agrria, pois o governo queria pagar as desapropriaes com ttulos da dvida pblica e nfimo ndice de correo monetria. O estopim da crise iria ser aceso a 13 de maro de 1964. Nesse dia, sob estmulo do presidente, era realizada uma concentrao de trabalhadores, na praa Cristiano Otoni, em frente estao da Central do Brasil, no Rio de Janeiro, onde se proclamava, em clima de pr-rebelio, a legitimidade das presses sobre o Congresso Nacional, o qual j vinha sendo abertamente pressionado por rgos polticos e sindicais, manobrados por foras radicais de esquerda, com o total apoio do governo. E o pice da crise seria atingido, quando, abandonando a ttica conciliatria, o presidente partiu para o desafio, consubstanciado na no punio dos lderes de uma revolta de marinheiros e no discurso dirigido aos membros da Associao de Sub-Tenentes e Sargentos da Polcia do extinto Estado da Guanabara. Esses atos feriam o princpio da hierarquia e da disciplina militar, causando o incio de um processo de desagregao das Foras Armadas. Na madrugada de 31 de maro, irrompia o movimento poltico-militar, que iria depor Goulart, ocasionando sua fuga para o Exterior. Em seguida, com a tomada do poder, foi emitido o primeiro Ato Institucional, que suspendia as garantias constitucionais. A 15 de abril, eleito pelo Congresso, o marechal Castelo Branco assumia a presidncia da Repblica. 4. Posio da Maonaria Nesses agitados dias, embora houvesse uma diviso de opinies, na Maonaria, a maioria dos maons apoiou, inicialmente, o movimento, diante da situao catica, para a qual caminhava o pas (e caminhava, mesmo, para uma guerra civil). Em nenhum momento, posteriormente, a instituio manica foi molestada, embora a represso que se seguiu queda de Goulart tenha atingido os templos, no atravs do governo, mas por meio de muitos que apoiaram o movimento e que, para se livrar de adversrios, iniciavam uma verdadeira caa s bruxas, incrementada a partir de 1968, quando foi fechado o Congresso e editado o Ato Institucional n 5. Felizmente, essa era uma minoria, que se aproveitava, maquiavelicamente, da situao. Com a edio do AI-5, muitos maons foram cassados --- Mrio Covas, Esmeraldo Tarqunio (que havia sido eleito prefeito de Santos), Marcos Kertzmann e outros --- de pouco adiantando os protestos apresentados pelas Obedincias manicas. Mas a mais violenta e destemida crtica ao regime, foi feita pelo ento Gro-Mestre do Grande Oriente de So Paulo, Jos Menezes Jnior, em 1968, ano do AI-5, na posse do Gro-Mestre Geral, Moacyr Arbex Dinamarco, no Rio de Janeiro, o qual dizia, em certo trecho de seu discurso, que, aos anseios da juventude, a resposta era "o pipocar de tiros, as patas de cavalos e as bravatas de homens armados". (o discurso, ser publicado, aqui, integralmente, em outra ocasio). A partir dessa poca, a maioria dos maons passava a trabalhar pela volta s franquias democrticas, participando, ativamente, das campanhas pela anistia dos presos polticos e pela volta das eleies diretas. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 2
  • 30. CopyMarket.com Ttulo: Do P dos Arquivos Todos os direitos reservados. Autor: Jos Castellani Nenhuma parte desta publicao poder ser Editora: CopyMarket.com, 2000 reproduzida sem a autorizao da Editora. 1998 : Bicentenrio de Nascimento de D. Pedro I Jos Castellani O Perfil de D. Pedro Nascido a 12 de outubro de 1798, no Pao da Real Quinta de Queluz, em Portugal, quarto filho --- o segundo varo --- do futuro D. Joo VI e de D. Carlota Joaquina, D. Pedro de Alcntara Francisco Antnio Joo Carlos Xavier de Paula Miguel Rafael Joaquim Jos Gonzaga Paschoal Cipriano Serafim de Bragana e Bourbon, foi o proclamador da independncia do Brasil e seu primeiro imperador. Ao nascer foi infante e gro-prior do Crato e, em 1801, com a morte de seu irmo mais velho, D. Antnio, tornou-se prncipe da Beira. Veio para o Brasil quando a famlia real portuguesa abandonou Portugal, em 1807, diante do cerco das tropas napolenicas, conduzidas por Junot, chegando ao Rio de Janeiro em 1808. Em Portugal, foi discpulo do jesuta Jos Monteiro da Rocha e, no Brasil, do frei Antnio da Arrbida. Entregue sempre s mos de preceptores e governantas, mostrou-se, desde menino, hbil cavaleiro, preferindo mais os esportes e a vida livre do que a intelectualidade e a austeridade da Corte. No era, todavia, o ignorante que muitos pintam, pois, alm de ter sido um grande autodidata, ainda os seus preceptores sempre foram de alto nvel, como D. Maria Genoveva do Rego e Mattos e o frei Antnio de Nossa Senhora da Salete, alm do frei Arrbida. Com esses preceptores, aprendeu as primeiras letras e o latim, que dominava facilmente ; com o reverendo Guilherme Tilbury, aprendeu o ingls ; com a primeira imperatriz, dona Leopoldina, teve acesso ao alemo. Alm disso, dedicava-se leitura, durante duas horas por dia, e tinha boa educao musical : com Jos Maurcio e Marcos Portugal, aprendeu os rudimentos da Msica, enquanto que as teorias de Haydn, sobre composio, harmonia e contraponto foram-lhe ministradas por Segismundo Neukonn ; tocava, com percia, violino, flauta, trombone e fagote, tendo composto sinfonias, missas e hinos, dos quais os principais so o Hino da Independncia e o Hino Manico. Sua leitura predileta era a "Eneida", de Virglio, a que ele j se dedicava durante a longa viagem martima de 1807. Era, ainda, apaixonado pela Matemtica e manejava bem o idioma francs, que havia aprendido com Joo Rademaker e, depois, com o padre Renato Boiret. J aos 17 anos, versejava, com bastante naturalidade, dedicando-se, tambm, pintura e escultura. Um homem com essa formao no poderia ser um ignorante! Ignorantes so os que o atacam, sem terem, por exemplo, a sua capacidade para ler os clssicos latinos no original. evidente que, a par disso, dedicava-se, em grande escala, aos trabalhos manuais e aos exerccios corporais, sendo hbil marceneiro e um cavaleiro conhecedor de todos os segredos da equitao. Seu grande prazer era descer s cavalarias, misturando-se aos picadeiros e lacaios, para confundir-se com eles, na lida com os corcis da famlia real. Amou a muitas mulheres e teve muitas aventuras amorosas. Bem apessoado, moo e herdeiro de um trono, no faltaram mulheres dispostas a compartilhar seu leito com ele. Por isso tem sido muito atacado por alguns historigrafos, mostrando que moralismo hipcrita no tem poca ; sero, eles, to grandes modelos de pureza, que os habilite a atirar a primeira pedra? D. Pedro era um homem autntico : tinha suas virtudes e no dissimulava seus defeitos, o que o aproximava, bastante, do povo brasileiro. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 1
  • 31. D. Pedro e a independncia do Brasil Em sua "Histria de Portugal", Oliveira Martins situa, com certa propriedade, que "quem separou o Brasil foi D. Joo VI". Na realidade, ao elevar o Brasil condio de Reino Unido ao de Portugal e Algarves, a 16 de dezembro de 1815, D. Joo abria o caminho da independncia. Embora alguns autores o tenham pintado como um bonacho, que s se preocupava com as futricas da Corte e em comer meia dzia de franguinhos por dia --- o que j se comprovou ser um falso retrato --- ele tinha um tino poltico extraordinrio, que o habilitara a prever a marcha dos acontecimentos a partir do estabelecimento da Corte no Rio de Janeiro e da revolta das colnias espanholas. Sabendo que o Brasil marcharia para a independncia, planejou garantir, para a Casa de Bragana, ambos os tronos. E tanto amava ele o Brasil, que, ao deixar de ser regente, tornando-se rei de Portugal, depois da morte de sua me, D. Maria I, chegou a assinar um decreto nomeando D. Pedro regente de Portugal, permanecendo ele mesmo no Brasil. Os acontecimentos em Portugal, porm, exigiram sua presena, forando a uma alterao dos planos ; ele retornaria a Lisboa, deixando D. Pedro no Brasil, com instrues praticamente explcitas para se colocar frente do movimento emancipador, como comprovam suas palavra aso prncipe, dois dias antes de sua partida : "Pedro. se o Brasil se separar, antes seja para ti, que me hs de respeitar, do que para alguns desses aventureiros". Toda a vasta correspondncia trocada entre D. Pedro e D. Joo, nos dias que precederam a declarao de independncia, mostra o entendimento que havia entre ambos, pois nenhum dos fatos ocorridos no Brasil, nessa poca, deixou de ser do conhecimento de D. Joo. Este, em carta de 12 de maio de 1822, repete, ao seu filho, os conselhos dados antes de partir. E D. Pedro, a 11 de junho, em resposta ao seu pai, lembra as recomendaes paternas, acrescentando: "Foi chegado o momento da quase separao e, estribado eu nas eloqentes e singelas palavras expressas por Vossa Majestade, tenho marchado adiante do Brasil, que tanto me tem honrado". J a 9 de janeiro de 1822, por ocasio do "Fico", em carta a D. Joo, ele descrevia toda a solenidade, remetendo, inclusive, o auto feito pela Cmara, com todos os pormenores da cerimnia. Tratando-se, o "Fico", de uma desobedincia aos decretos 124 e 125, da Corte de Lisboa, os quais exigiam a volta do prncipe a Portugal e a reverso do Brasil condio anterior de Reino Unido, claro que D. Pedro omitiria o fato ao rei, ao invs de faz-lo em pomposa comunicao, se D. Joo no o apoiasse. Sua lealdade e amor ao Brasil eram indiscutveis. Em carta a D. Joo, a 19 de junho de 1822, ele diz que Portugal era um Estado de Quarta ordem e necessitado, enquanto que o Brasil era de primeira, e que, se unio houvesse, deveria ser a de Portugal, necessitado e dependente, com o Brasil independente e no o contrrio. Em outra carta, em que ataca as Cortes, dizendo que elas eram facciosas, horrorosas, maquiavlicas, desorganizadoras, hediondas e pestferas, ele lana um desafio, com estas palavras: "Se estas declaraes to francas irritarem os nimos desses luso-espanhis, que mandem tropa aguerrida e ensaiada na guerra civil, que lhe faremos ver qual o valor do brasileiro". D. Pedro e a Maonaria O papel fundamental exercido pela nascente Maonaria brasileira --- atravs do Grande Oriente do Brasil --- no movimento emancipador brasileiro, no pode ser deslustrado. Todavia, no pode, tambm, prevalecer na mente dos maons influenciados por mistificadores da Histria, a idia de que quem fez a independncia foi a Maonaria e que D. Pedro limitou-se, simplesmente, a referend-la, pois, como j foi esclarecido, o prncipe, seguindo a diretriz traada por seu pai, marcharia, de qualquer maneira, ao encontro desse objetivo. claro que a ao manica contribuiu para acelerar a marcha dos acontecimentos e que a iniciao de D. Pedro serviu aos interesses de ambas as partes, pois os maons, com o regente entre eles puderam influenci-lo a antecipar a ruptura com Portugal, enquanto que o prncipe, podia afastar o Grande Oriente de sua geral tendncia liberal, inclinando-o para a monarquia. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 2
  • 32. Da ata da nona sesso do Grande Oriente do Brasil --- Assemblia Geral --- realizada no 13. dia do 5. ms manico do Ano da Verdadeira Luz 5822 (2 de agosto de 1822), consta ter o Gro-Mestre da Ordem, conselheiro Jos Bonifcio de Andrada e Silva, proposto a iniciao de Sua Alteza D. Pedro de Alcntara. E que, "aceita a proposta com unnime aplauso, e aprovada por aclamao geral, foi imediata e convenientemente comunicada ao mesmo proposto, que se dignando aceit-la, compareceu logo na mesma sesso e sendo tambm logo iniciado no primeiro grau na forma regular e prescrita na liturgia, prestou o juramento da Ordem e adotou o nome herico de Guatimozin". Na dcima sesso, realizada a 5 de agosto, Guatimozin recebeu o grau de Mestre Maom. Da ata 17. Sesso do Grande Oriente, do 14. dia do 7. ms manico (4 de outubro), presidida pelo 1 Grande Vigilante, Joaquim Gonalves Ledo, consta que ele expusera "ter a convocao da presente assemblia por fim a prestao do juramento do nosso muito amado membro Guatimozin, na qualidade de Gro-Mestre eleito da Maonaria brasileira, em plena reunio do Povo Manico; e sendo logo o novo Gro-Mestre conduzido ao slio por uma deputao, prestou o juramento da Ordem e imediatamente tomou a presidncia". A afirmao de que D. Pedro foi eleito Gro-Mestre, em plena reunio do povo manico, uma deslavada mentira, pois a 16. Sesso, de 28 de setembro, foi dirigida pelo Gro-Mestre Jos Bonifcio, enquanto que, na sesso seguinte, sem qualquer intermediria, j aparece D. Pedro como Gro-Mestre "eleito". O que houve, na realidade, nesse caso, foi um golpe de Estado no Grande Oriente, perpetrado pelo grupo de Ledo contra Jos Bonifcio. Era a conseqncia da luta intestina pelo poder junto ao j aclamado imperador --- que proclamara a independncia a 7 de setembro --- e da divergncia de idias entre os dois grupos, pois, enquanto Jos Bonifcio pregava a independncia dentro de uma comunidade braslico-lusa, Ledo defendia o rompimento total com Portugal. A animosidade iria levar a graves conseqncias para a nascente Maonaria brasileira. O interessante que alguns autores maons, inadvertidamente, costumam afirmar que Jos Bonifcio, despeitado com a influncia do grupo liberal de Ledo no Grande Oriente, teria fundado outra entidade, o "Apostolado", para ela levando todo o seu grupo, alm de D. Pedro. A afirmativa totalmente incorreta, pois o Apostolado da Nobre Ordem dos Cavaleiros da Santa Cruz --- baseada na Carbonria europia --- foi instalada no dia 2 de junho de 1822, quinze dias antes da fundao do Grande Oriente e dela fazia parte o prprio Ledo, assim como vrios de seus seguidores. Se, at "eleio" de D. Pedro para o Gro-Mestrado, as duas faces mantinham uma aparente cordialidade, aps esse fato declarou-se, abertamente, a hostilidade entre elas. O discurso de recepo ao novo Gro-Mestre, a 4 de outubro, proferido por Domingos Alves Branco, mostrava um veemente ataque a Jos Bonifcio. Este, na sua posio de ministro influente junto ao imperador, esperava a oportunidade para a desforra. E esta surgiria, quando ele soube que Ledo, Clemente Pereira e Nbrega haviam exigido, do imperador, trs assinaturas em branco e o prvio juramento Constituio que a Assemblia Constituinte aprovasse. Como as exigncias eram, realmente descabidas, Jos Bonifcio convenceu D. Pedro a rejeit-las e a retroceder em suas intenes. Como no podia, a incipiente nao independente, ainda num momento de ampla fragilidade institucional, submeter-se s lutas de grupos interessados no poder e nem a tumultos polticos, D. Pedro, em carta dirigida a Ledo, com data de 21 de outubro, ordenava a suspenso dos trabalhos do Grande Oriente. A 25 de outubro, essa suspenso era efetivada, com "Termo de Encerramento", lavrado no Livro de Ouro do Grande Oriente. No mesmo dia 25, D. Pedro enviava outra carta a Ledo, ordenando que os trabalhos recobrassem o seu antigo vigor e fossem reabertos em Assemblia Geral. Os acontecimentos polticos, todavia, iriam se precipitar, com o processo e a priso dos membros do grupo de Ledo, o que acabou impedindo a reinstalao do Grande Oriente. E ele s seria reerguido em 1831. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 3
  • 33. Ascenso, queda e fim O Apostolado, todavia, pouco sobreviveu ao Grande Oriente, pois, a 15 de julho de 1823, D. Pedro fechava a instituio, baseado em denncia de conspirao contra o trono. Depois, o imperador dissolveria a Assemblia Constituinte, mandaria os Andradas para o exlio, outorgando, ento, a Constituio de 1824, em que se basearia a ordem legal a partir de 1826, com a instalao da Cmara e do Senado. O equilbrio poltico, todavia, no era conseguido, em decorrncia de dificuldades financeiras e de divergncias entre os nativistas e os "marinheiros", ou "marotos" (apelidos dados aos portugueses natos). O emprstimo externo, realizado para tentar resolver a situao, de pouco adiantou e ela se tornou at pior, depois da Guerra Cisplatina. Em funo das derrotas militares e da situao financeira, o prestgio do imperador comeava a declinar, principalmente aps a morte de D. Joo VI, quando ele aceitou a posio dupla de rei de Portugal e de imperador do Brasil. As circunstncias polticas, todavia, obrigaram-no a abdicar, em Portugal, em favor de sua filha, Maria da Glria, nomeando, como regente, regente, em 1826, seu irmo, D. Miguel, que assumiu a regncia a 26 de fevereiro de 1828, jurando lealdade a D. Pedro IV e a Dna. Maria da Glria. Logo depois, todavia, traindo esse compromisso, D. Miguel apossava-se do trono, sendo um ttere nas mos de sua me e dos jesutas. Enquanto isso, no Brasil, a situao poltica agravara-se e levaria abdicao de D. Pedro, em favor de seu filho, a 7 de abril de 1831, indo ele, ento, depois de nomear Jos Bonifcio --- que retornara ao Brasil, em 1829 --- tutor do menino, para Portugal, a fim de lutar para restituir o trono portugus sua filha. Como duque de Bragana, ele se empenhou frente do exrcito constitucionalista, em dura guerra civil, de 1832 a 1834, da qual saiu vitorioso, aps enfrentar prolongado cerco no Porto. Logo depois, viria a falecer, vtima da tuberculose, contrada no campo de batalha, a 24 de setembro de 1834, dias antes de completar 36 anos de idade. Por sua vontade, seu corao foi doado cidade do Porto, onde conservado, como relquia, na capela-mor da igreja da Lapa ; seu corpo foi sepultado em So Vicente de Fora, sendo transladado, em 1972, para o Brasil e sepultado em So Paulo, na colina do Ipiranga, bero da independncia. O jornalista, orador, poltico e maom Evaristo Ferreira da Veiga, um dos mais encarniados adversrios polticos de D. Pedro, assim se referiu a ele, com sinceridade e reconhecimento: "O ex-imperador do Brasil no foi um prncipe de ordinria medida (...). Se existimos como corpo de nao livre, se nossa terra no foi retalhada em pequenas repblicas inimigas, onde s dominassem a anarquia e o esprito militar, devemo-lo muito resoluo que tomou de ficar entre ns". CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 4
  • 34. CopyMarket.com Ttulo: Do P dos Arquivos Todos os direitos reservados. Autor: Jos Castellani Nenhuma parte desta publicao poder ser Editora: CopyMarket.com, 2000 reproduzida sem a autorizao da Editora. As Lojas Brasileiras e o Palcio do Lavradio, Patrimnio do Grande Oriente do Brasil Jos Castellani O Palcio do Lavradio, no Rio de Janeiro, patrimnio do Grande Oriente do Brasil e no de um Grande Oriente Estadual, como costumam dizer alguns pseudo pesquisadores, procurando diminuir a participao das Lojas de outros Estados na formao e na conservao daquele edifcio, tombado pelo Patrimnio Histrico. Embora o imvel do Lavradio s tenha sido ocupado, pelo Grande Oriente do Brasil, em 1842, a idia de ocup-lo no era nova, pois, j em sesso de 24 de outubro de 1832, Joo Milito Henriques apresentava uma proposta de compra do prdio, destinado, originalmente, a abrigar um teatro 1, pois, segundo a carta encaminhada pelo obreiro, parecia que a construo estava semi-paralisada, caminhando morosamente. Na realidade, em 1838, a obra, praticamente abandonada, ia a leilo pblico. Em 1840, Joaquim Jos Pereira Faro, ento Grande Conservador do Grande Oriente do Brasil, e Lus Queiroz Monteiro Regadas, com seu dinheiro, compraram o imvel, criando, posteriormente, a SOCIEDADE GLRIA DO LAVRADIO, que lanou 1.600 (um mil e seiscentas) aes, no valor de Rs. 50$000 (cinqenta mil ris) cada, com juros de 7% ao ano, perfazendo um capital de Rs 80:000$000 (oitenta contos de ris), para cobrir a quantia gasta com a compra do prdio, a concluso das obras e a adaptao, pois o Grande Oriente no possua fundos para isso. Segundo a escritura, lavrada a 18 de agosto de 1840, o terreno, com doze braas 2 de frente, foi vendido a Joaquim Jos Pereira Faro, em nome da Companhia denominada Glria do Lavradio, por Rs 11:000$000 (onze contos de ris) tendo sido cobrada sisa de Rs. 1:100$000 (um conto e cem mil ris), num total de doze contos e cem mil ris. As aes da Sociedade Glria do Lavradio, que no tinha fins lucrativos, deveriam ser compradas pelo Grande Oriente do Brasil e pelas Lojas, sendo, o prdio do Lavradio, alugado ao Grande Oriente, o qual, por sua vez, ratearia o aluguel entre as Lojas jurisdicionadas --- da ento Capital do Imprio, evidentemente --- que ocupassem o imvel. Na metade do ano de 1842, ento, passava o Grande Oriente a ocupar o prdio, embora as obras no estivessem totalmente terminadas. A venda de aes, todavia, foi morosa e enfrentou m vontade de muitas Lojas, enquanto que os aluguis, devidos pelas Oficinas, no eram pagos, o que fazia com que as obras prosseguissem em ritmo irregular e de acordo com a disponibilidade de fundos. Isso acabou fazendo com que, em dezembro de 1843, o Gro-Mestre Antnio Francisco de Paula Hollanda Cavalcanti de Albuquerque (futuro visconde de Albuquerque) emitisse um decreto, instituindo a obrigatoriedade do pagamento do aluguel, sob pena de sanes, no caso de insubmisso, fixando uma quantia mensal de Rs. 18$500 (dezoito 1 Brasil Gerson, in Histria das Ruas do Rio (4 edio, coleo Vieira Fazenda, da Livraria Brasiliana Editora), referindo-se rua Marqus de Lavradio --- primitivo nome da rua --- e ao Grande Oriente, diz o seguinte: (...) O casaro que nela ocupa o Grande Oriente do Brasil, de aspecto apalacetado, tem uma histria que remonta h quase sculo e meio e est bem de perto ligada do nosso primeiro teatro (o Real de So Joo, depois de So Pedro e Joo Caetano) e dos artistas portugueses da companhia Mariana Torres, que em 1813 o inaugurou. Um deles, Victor Porfrio Borja, pretendeu convert-la em rival do Rocio, dando-lhe tambm seu teatro prprio, majestoso, para dramas e comdias. E altas j estavam as suas paredes, quando a falta de recursos o obrigou a desistir do projeto (...). Projetado, portanto, para teatro, com um amplo salo central, o edifcio, alm de Ter que ser concludo --- j que a construo estava paralisada --- teve que ser amplamente remodelado e adaptado para uso manico, o que acabou encarecendo bastante a obra. 2 Braa uma antiga medida de comprimento, equivalente a dois metros. O terreno tinha, portanto, 24 metros de frente. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 1
  • 35. mil e quinhentos ris), para a locao, e estabelecendo que o pagamento deveria ser feito ao Grande Oriente do Brasil, de trs em trs meses, cabendo a este transferir os fundos auferidos, semestralmente, Sociedade Glria do Lavradio 3. A contribuio das Lojas do Poder Central era, dessa maneira, composta dos aluguis pela ocupao dos templos do Lavradio --- aluguis que, muitas vezes. nem eram pagos corretamente --- enquanto que a venda de aes era estendida a todas as Lojas interessadas, em toda a vasta jurisdio do Grande Oriente do Brasil, no se limitando capital do Imprio. Atravs dos anos, a manuteno do prdio do Lavradio foi sendo feita com os metais do Grande Oriente do Brasil, resultantes das contribuies de todas as Lojas da federao. At que, em 1924, o patrimnio do Grande Oriente era comprometido, com a hipoteca do prdio do Lavradio, para garantir um emprstimo de 300 contos de ris, feito pelo ento Gro-Mestre, Mrio Marinho de Carvalho Behring. Com esses 300 contos de ris, Mrio Behring pretendia construir um orfanato manico em terreno no Mier, no Rio de Janeiro, pertencente Associao Mantenedora do Asilo Henrique Valladares, constituda a 9 de janeiro de 1904, sob os auspcios do Grande Oriente, e aprovada pela Assemblia Geral, a 22 de setembro de 1904. Embora o Grande Oriente no fosse dono do terreno, o Gro-Mestre lanou a pedra fundamental do orfanato, a 16 de maro de 1924. Mas, por desentendimentos com o construtor, com a obra quase pronta, em junho de 1925, o projeto inicial acabou sendo abandonado e o edifcio teve diversos usos, principalmente no manicos, convertendo-se numa dor de cabea constante --- decido irregularidade inicial --- a qual duraria muitos anos, at sua desapropriao, cerca de cinqenta anos depois de construdo. Inicialmente, porm, o imvel abrigou as Oficinas Grficas da Escola Profissional Manica Jos Bonifcio, que, alm de ensinar a arte grfica aos meninos interessados em aprend-la, executava qualquer trabalho tipogrfico, com preos mdicos para os maons e Lojas. O que interessa considerar, no caso, todavia, a situao em 1926. A 18 de fevereiro, com o falecimento do Gro-Mestre Geral, Vicente Saraiva de Carvalho Neiva, que fora empossado a 23 de dezembro de 1925, assumia, interinamente, o Adjunto, Joo Severiano da Fonseca Hermes, que, na eleio complementar, realizada entre 4 e 15 de maio, viria a ser eleito Gro-Mestre. Ainda em abril, o Venervel Mestre da Loja Piratininga, da capital de So Paulo, Alfredo Pacheco, comunicava, Oficina, que, estando em uma audincia com o ento Gro-Mestre interino, este lhe havia exposto as dificuldades em que se encontrava o Grande Oriente do Brasil, para solver o compromisso da dvida, j vencida, com o Banco dos Funcionrios Pblicos, divida, essa, no valor de 300 contos de ris (o emprstimo feito por Behring), cuja multa, pela falta de pagamento, era de 25%, alm dos juros. E Pacheco dizia isso, porque, em sesso de 22 de abril de 1926, era lido o Ato n 776, do Gro- Mestre interino, resolvendo lanar, entre todas as Lojas e maons da jurisdio, 150.000 ttulos, no valor unitrio de vinte mil ris, para cobrir o emprstimo, com juros de 8% ao ano, resgatveis no prazo de dez anos, com sorteios anuais de 1/10 dos ttulos emitidos. A dvida havia vencido por falta de pagamento dos juros, pelo que, de acordo com a escritura da hipoteca, os juros vencidos teriam que ser pagos em dobro, alm da multa. E a Piratininga, em sesso de 5 de maio de 1926, resolvia contribuir com dez contos de ris em ttulos, o que ocorreu, mesmo que tenha sido com quantias menores, com muitas Lojas brasileiras, que, naquele instante, ajudaram a pagar os juros da dvida, proporcionando, no ano seguinte, quando Octvio Kelly era o Gro-Mestre, a novao da hipoteca, ou seja, a prorrogao do prazo por mais dez anos. O patrimnio , portanto, do Grande Oriente do Brasil e no de um Grande Oriente Estadual, como pretendem alguns, sob a esdrxula alegao de que foram as Lojas da regio que o compraram, mantiveram e salvaram. 3 A Sociedade Glria do Lavradio no tinha qualquer fim lucrativo. Muito pelo contrrio, os seus criadores, os Irmos Faro e Regadas chegaram a ter prejuzos financeiros pessoais. O aluguel de Rs. 18$500 (dezoito mil e quinhentos ris) mensais, que cada Loja ocupante do prdio do Lavradio pagava --- quando pagava --- era irrisrio, sendo utilizado, integralmente, para pagar os juros das aes, de 7% ao ano, sendo, o capital proveniente da venda de aes, aplicado nas obras e mostrando-se at insuficiente, muitas vezes. Apesar disso, no faltaram os detratores da poca e historigrafos posteriores, que acusavam a Sociedade de extorquir os obreiros e locupletar-se com os metais, o que uma calnia enorme contra os homens que colocaram o seu capital disposio do Grande Oriente do Brasil, quando este no dispunha dele, no havendo nada mais justo do que a sua inteno de recuper-lo, embora as perdas pessoais ainda fossem inevitveis. Essa postura, de quem nada faz, mas ataca a quem quer fazer, iria se repetir muitas vezes, atravs dos anos. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 2
  • 36. CopyMarket.com Ttulo: Do P dos Arquivos Todos os direitos reservados. Autor: Jos Castellani Nenhuma parte desta publicao poder ser Editora: CopyMarket.com, 2000 reproduzida sem a autorizao da Editora. Dilogo Igreja-Maonaria : Uma Opinio Respeitvel Jos Castellani No final de 1974, estando, o prof. Ariovaldo Vulcano --- mdico e professor de Histologia --- ento Soberano Grande Comendador do Supremo Conselho do Brasil para o Rito Escocs Antigo e Aceito, em Recife, concedeu uma entrevista, ao "Dirio de Pernambuco", focalizando o dilogo com a Igreja, que fora o assunto tratado em um pronunciamento feito pelo Secretrio Geral da CNBB, Dom Ivo Lorscheider. Trata-se de uma viso imparcial e objetiva do assunto, alm de um certa dose de premonio, mostrando o descortino de um dos mais importantes e cultos maons brasileiros, desta metade do sculo XX. E mostrando, tambm, que a melhoria do dilogo com a Igreja j ocupa a mente dos maons h algum tempo. Eis o texto integral, publicado no n 328, de 6 de dezembro de 1974, do "Dirio de Pernambuco" para avaliao: Lder Manico Gosta do Dilogo com a Igreja "Foi com grande satisfao que, ao chegar em Pernambuco --- terra onde a chamada Questo Religiosa foi radicalizada 1 - tomei conhecimento do pronunciamento feito imprensa do Sul pelo secretrio-geral da Conferncia Nacional dos Bispos do Brasil - CNBB, dom Ivo Lorscheider, acerca da reaproximao entre a Igreja Catlica e a Maonaria" Esta afirmao foi feita ontem pelo Grande Comendador do Rito Escocs para o Brasil (Maonaria Filosfica), professor Ariovaldo Vulcano, que veio ao Recife participar da Banca Examinadora do Concurso para catedrtico da faculdade de Odontologia de Pernambuco. Iniciativa Vlida O fato de ter sido o reatamento de relaes amistosas entre as duas instituies, objeto de acurados estudos pela recente Assemblia Geral dos Bispos muito nos alegra --- prosseguiu o professor Ariovaldo Vulcano --- porque foi a Igreja Catlica que tomou a iniciativa de romper os laos fraternais existentes entre ambas 2 desde a instituio da Maonaria no Brasil at o advento da Bula do Papa Pio IX, mas que agora atravs da sua hierarquia, toma outra vez a iniciativa do reatamento. Vale ressaltar --- continuou --- que a Maonaria nunca hostilizou a Igreja Catlica, como tambm nunca vetou a seus filiados professarem a f crist. bom lembrar que o aodamento da Questo Religiosa em Pernambuco foi provocado pelo fato de muitos eclesisticos e membros de Irmandades pertencerem aos quadros das nossas oficinas, na poca. Igual comportamento mantido pela Sublime Ordem em relao aos demais credos religiosos e, para os que no sabem: a crena em Deus questo "sine qua non" para ingresso na Maonaria. 1 A Questo Religiosa foi uma querela entre o Alto Clero e o Governo Imperial, no qual a Maonaria entrou como Pilatos no Credo, j que a questo no lhe dizia respeito. O "x" da questo foi a prtica do padroado --- herdada de Portugal, a qual fazia, dos padres, funcionrios do Estado, sujeitos s imposies deste e no das autoridades eclesisticas. 2 Na realidade, um violento manifesto anticlerical de Saldanha Marinho --- prcer manico destacado --- em 1872, muito contribuiu para azedar as relaes com a Igreja. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 1
  • 37. Altos Corpos No tocante citao feita por dom Ivo Lorscheider do tpico da Resoluo da Assemblia Geral dos Bispos, segundo o qual "A Igreja est disposta a rever a sua posio em relao Maonaria, no pode faz-lo no momento, porque no conseguiu obter suficientes dados e informaes oficiais (da prpria Maonaria) que lhe dem segurana para rever as normas disciplinares vigentes para os catlicos. Espera receber tais informaes para prosseguir nos estudos em andamento"3, o dignitrio manico assim se expressou: --- Apesar de me externar em carter estritamente pessoal, acredito todavia que, se na realidade a CNBB estiver imbuda em restabelecer um melhor relacionamento entre as duas instituies, dever iniciar gestes junto Suprema Administrao da Maonaria no Brasil, para obter as informaes e dados que deseja, no que tenho certeza que ser atendida de maneira prazeirosa e cordial, pois at ento desconheo tenha o Poder Central da Ordem recebido oficialmente algum pedido de informaes da CNBB. Esse fato --- prosseguiu --- no invalida caso isolados j registrados no Pas por parte de alguns Prncipes da Igreja, que se manifestaram, por palavras e aes, por uma aproximao com a Maonaria, dentre os quais deve ressaltar a atitude do arcebispo de Aracaju, dom Luciano Duarte, que j estabeleceu o mais estreito relacionamento com a Maonaria e vem recebendo desta a mais franca colaborao. Antiga Aspirao Na realidade --- afirma o professor Ariovaldo Vulcano --- uma antiga aspirao das comunidades catlicas e manicas que essa reaproximao se processe no mais curto espao de tempo a fim de que venham a ter fim certos constrangimentos ainda remanescentes 4. Fixei-me --- continuou --- num estudo demorado da afirmao do secretrio-geral da CNBB quando diz: "O problema agora no mais a posio da Igreja em face da Maonaria, mas da Maonaria em face da Igreja" e "que a Resoluo aprovada pelos bispos na sua recente Assemblia Geral para um melhor relacionamento entre as duas Instituies resultou em "um dos textos mais burilados". Afinal ---. alerta o dignitrio manico --- cheguei concluso de que est havendo um consenso geral por parte da hierarquia da Igreja para essa reaproximao com a Maonaria. O que falta o dilogo. Que esse dilogo seja de logo iniciado junto aos Altos Corpos da Maonaria atravs do prprio secretrio-geral da CNBB, porque diante dessa afirmao pblica feita por dom Ivo no se pode ter dvidas quanto sinceridade de propsitos da Igreja. Tanto assim --- continuou --- que acredito se houve alguma consulta Ordem Manica por parte da CNBB no que respeita a informaes e dados sobre a Instituio, ela tenha sido respondida pelos Altos Corpos que no poderiam deixar de assim procederem diante de fato to relevante. Partindo dessa premissa admito que a demora na apreciao de algum documento emitido pela Maonaria seja conseqncia do ingente trabalho que desenvolve o secretrio-geral da CNBB e no pela falta de atendimento de possveis solicitaes por parte da Maonaria. Mas, se agora o problema " da Maonaria em face da Igreja", no tenho dvidas de que a Suprema Administrao da Ordem j esteja encaminhando providncias para sua soluo --- afirmou o professor Ariovaldo Vulcano. Finalmente devo afirmar que, a exemplo do que vem ocorrendo com a Igreja Catlica desde o pontificado de Leo XIII e enfatizado por Joo XXIII durante o II Conclio Ecumnico --- a Maonaria tambm vem reformulando seus cdigos e doutrinas, procurado se adaptar s condies da realidade presente, ou seja atendendo aos reclamos dos tempos modernos --- concluiu o dignitrio manico. 3 Essa alegao foi feita muitas vezes, quando, na realidade, nenhum dignitrio manico fora procurado. 4 Essa aproximao j existe, pois o Grande Oriente do Brasil colabora com a CNBB, em obras sociais ecumnicas. E, a convite dos jesutas de Braslia, o autor destas notas, como representante do G.O, do Brasil, falou, em abril de 1999, sobre a Histria da Maonaria, no Centro Cultural de Braslia, dos jesutas, coisa impensvel algumas dcadas atrs. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 2
  • 38. CopyMarket.com Ttulo: Do P dos Arquivos Todos os direitos reservados. Autor: Jos Castellani Nenhuma parte desta publicao poder ser Editora: CopyMarket.com, 2000 reproduzida sem a autorizao da Editora. Independncia : Uma Batalha Diria Jos Castellani A 17 de junho de 1822, trs Lojas, resultantes da diviso da Loja Comrcio e Artes --- a prpria Comrcio e Artes, a Unio e Tranqilidade e a Esperana de Niteri --- fundavam o Grande Oriente Brasiliano (depois, Grande Oriente do Brasil), com a finalidade de "sustentar a causa do Brasil". E essa causa, na poca, era a independncia poltica do pas. A luta pela independncia, nos meios manicos, todavia, comeara bem antes, chegando a um ponto praticamente decisivo, quando se conseguiu, a 9 de janeiro de 1822, no clebre episdio do "Fico", que o prncipe-regente D. Pedro permanecesse no pas, ignorando os decretos 124 e 125, das Cortes Gerais portuguesas, e a lei de 24 de abril de 1821, instrumentos, que, praticamente, revertiam o Brasil sua condio colonial e que exigiam a imediata volta do prncipe a Portugal. Feito sob a liderana dos maons Jos Joaquim da Rocha e Jos Clemente Pereira, o movimento do "Fico" foi alimentado por representaes ao prncipe, emanadas de diversas provncias brasileiras : a representao dos paulistas, redigida por Jos Bonifcio de Andrada e Silva, que viria a ser o primeiro Gro-Mestre do Grande Oriente ; a representao dos fluminenses, redigida pelo frei Francisco de Santa Tereza de Jesus Sampaio, orador da Loja Comrcio e Artes ; e a representao dos mineiros, de Pedro Dias Paes Leme. As primeiras sesses do Grande Oriente foram administrativas, para organizar as trs Lojas fundadoras e a Obedincia. Mas j na quarta sesso, resolvia, a administrao, que haveria um Livro, chamado dos Juramentos, no qual assinariam "todos os atuais operrios e todos os filiandos e iniciados", fazendo-se expressa meno da Defesa do Brasil e da sua Independncia. Na 14. sesso do Grande Oriente, em Assemblia Geral, realizada a 9 de setembro (20. dia do 6. ms manico) o 1. Grande Vigilante, Joaquim Gonalves Ledo, que, na falta do Gro-Mestre, dirigia a assemblia, fez, "do slio, enrgico e fundado discurso, demonstrando, com as mais slidas razes, que as atuais polticas circunstanciais de nossa ptria, o rico, frtil e poderoso Brasil, demandam e exigem, imperiosamente, que a sua categoria seja inabalavelmente formada, com proclamao da nossa independncia e da Realeza Constitucional, na pessoa do augusto prncipe, perptuo defensor do Reino do Brasil". A moo de Ledo foi aprovada, unanimemente, pois no se sabia, nesse dia, que o brado de independncia, que desataria os laos com Portugal, j fora dado dois dias antes, a 7 de setembro. Essa foi a primeira oportunidade que tiveram, os maons do Grande Oriente do Brasil, de lutar por uma causa social brasileira ; e foi a nica vez em que o Grande Oriente, como instituio, envolveu-se na luta. Muitas outras conquistas viriam depois e sempre com uma evidente participao manica, a ponto de no se poder separar a Histria do Brasil independente da Histria do Grande Oriente do Brasil. E o trabalho social continua, incessante, porque o mundo evolui, as fronteiras nacionais vo ficando esmaecidas, os conflitos religiosos alastram-se, as refregas atvicas entre povos em perene litgio continuam, os laos familiares tornam-se mais tnues, os valores morais e ticos so postergados, a conscincia dos povos embota-se e o sentimento de amor ao cho natal vai sendo substitudo pelo cosmopolitismo global. Por isso, luta-se pela independncia at hoje! No para que ela seja feita, mas para que seja mantida, para que perdure e para que esteja sempre na mente do povo. Porque, parafraseando Colbert, a grandeza de um pas no se mede pela extenso de seu territrio, mas pelo carter de seu povo. CopyMarket.com 1
  • 39. CopyMarket.com Ttulo: Do P dos Arquivos Todos os direitos reservados. Autor: Jos Castellani Nenhuma parte desta publicao poder ser Editora: CopyMarket.com, 2000 reproduzida sem a autorizao da Editora. KADOSH, ou KADOSCH Jos Castellani Venho, h alguns anos, combatendo a incorreta grafia Kadosch, que comumente usada, em lugar da correta KADOSCH, para designar a Oficina dos graus 19 a 30 do Rito Escocs Antigo e Aceito e o ttulo do maom colado no 30 grau. Muito j escrevi sobre isso, incluindo, h cerca de trs anos, uma resposta a um prezado confrade, que procurava defender a grafia incorreta, usada em uma de suas obras, inclusive como ttulo. E, naquela ocasio, dizia, ao caro Irmo, que as nicas fontes autorizadas, para esclarecer a questo, seriam os textos em hebraico e aramaico, j que, como a maior parte das palavras usadas no ritualismo manico, essa tambm hebraica; e que a presena da forma errada nos rituais um dos argumentos do autor no justifica absolutamente nada, j que o erro vem sendo perpetuado e, simplesmente, copiado, sem maiores pesquisas, pelos revisores, que deturpam a ritualstica, preservando, todavia, o erro de denominao. Os dicionaristas, inclusive, em sua maior parte, costumam, sem qualquer estudo mais profundo, registrar a forma mais usual, mesmo incorreta, embora alguns deles, como o caso de Gervsio de Figueiredo, divulguem ambas as formas; Aslan, por exemplo, registra apenas a forma incorreta. Sugeri, no apenas ao ilustre confrade, mas, tambm, a todos os que usam e querem justificar a forma errada, a ler, por exemplo, os textos hebraicos da Mishn e do Tlmud, o livro Mishn, a Essncia do Judaismo Talmdico, j com traduo do hebraico para o portugus (Editora Documentrio Rio de Janeiro 1972), alem de textos de consagrados pesquisadores do judasmo, como Henri Srouya em La Kaballe- Paris, 1957 e Andr Chouraqui em Histoire du Judaisme- Paris, 1955 pois se pode acompanhar, nesses textos, a grafia correta, no s de KADOSH, como de outras palavras derivadas da mesma raiz, KODESH. Assim, teramos, em ordem alfabtica: KADISH Em aramaico santo, uma das mais antigas preces da liturgia hebraica, identificada com a orao pelos mortos. KADOSH Em hebraico santo, ou sagrado. KEDUSH Em hebraico literalmente, santidade; refere-se, tambm, a uma especfica orao nos servios litrgicos da manh e da tarde. KIDUSH Em hebraico, literalmente, santificao, sagrao. Designa diversas benos, principalmente as que se referem ao vinho e ao po das refeies cerimoniais que precedem datas religiosas; o repasto final da sesso de colao no grau de Cavaleiros Rosa-Cruz tem origem no Kudush; assim como a chamada Santa Ceia foi um Kudush, realizado antes da Pssach (Pscoa, Passagem). KIDUSHIN Cerimnia de casamento ritual. KODESH Em hebraico, literalmente, santo. Por extenso, designa qualquer objeto ou animal dedicado ao templo de Jerusalem. Neste templo, as divises principais com marcante influncia sobre a orientao e diviso das igrejas e, graas a estas, dos templos manicos eram o KODESH (Santo, ou Hikal) e o KODESH H KODASHIM (Santo dos Santos, ou Debhir). CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 1
  • 40. Todavia, como santo de casa no faz milagres e, lamentavelmente, como maom brasileiro, geralmente, costuma crer, apenas e cegamente, em autores estrangeiros talvez numa autocrtica e em louvor sua prpria sub-cultura nunca tive o prazer de ver a grafia certa, pois, teimosamente, ainda continua a ser usada, em todos os Corpos e em todas as publicaes, a forma errada. Agora, posso, todavia para que no venham insinuar que me fao de dono da verdade trazer o testemunho e o apoio de um escritor manico judeu, conhecedor do hebraico e homem extremamente culto, que membro destacado da Grande Loja do Estado de Israel, Soberano Grande Comendador do Supremo Conselho do Rito Escocs daquele pas e meu companheiro do Crculo de Membros Correspondentes da Quatuor Coronati Lodge, de Londres: o meu querido Irmo e distinto Amigo Len Zeldis. De uma carta, a mim dirigida, transcrevo o seguinte trecho, com sua autorizao, como convm a quem respeita a tica e no se comporta como um huno destruidor, ou um teuto ensandecido: ...usted est completamente en lo cierto, que la grafia correcta es kadosh. El origen de este error (Kadosh) se encuentra en el hecho que los primeros estudios cientificos europeos de la gramatica del idioma hebreo fueron realizados por gramticos alemanes. Especialmente la gramatica de Gesenius (1813) constituy por muchos aos el texto fundamental para quienes querian aprender hebreo. Como es sabido, el sonido sh ingls se escribe en alemn sch, como por exemplo en Shiller, Schopenhauer o Shcuman. Es por este motivo que se introdujo la grafia sch en muchas palavras hebreas para representar la shin. Com el predominio actual del ingls, sin embargo, no tiene ninguna lgica seguir usando una trasliteracin germnica de los vocablos hebreos, y es asi que la shin se representa siempre por sh, como en Asher, Shabat, Shibolet, Beersheva o Kadosh. Embora, no Brasil, estejamos familiarizados com o castelhano, no custa traduzir, grifando o essencial: ...voc est completamente certo em que a grafia correta kadosh. A origem deste erro (kadosch em vez de kadosh) encontra-se no fato de que os primeiros estudos cientficos europeus foram realizados por gramticos alemes. Especialmente a gramtica de Gesenius (1813) constituiu, por muitos anos, o texto fundamental para quem queria aprender hebraico. Como se sabe, o som sh ingls se escreve, em alemo, sch, como, por exemplo, em Schiller, Schopenhauer, ou Schuman. E foi por esse motivo que se introduziu a grafia sch em muitas palavras hebraicas, para representar a shin (Nota do tradutor: a 21 letra do alfabeto hebraico). Com o predomnio atual do ingls, entretanto, no tem nenhuma lgica seguir usando uma transliterao germnica dos vocbulos hebraicos e, por isso, a letra shin representada sempre por sh, como em Asher, Shabat, Shibolet, Beersheva, ou KADOSH. Esse sempre bom insistir o testemunho de um escritor maom, culto, judeu, residente em Israel, membro de uma Grande Loja que, hoje, mantm Tratado de Amizade e de Mutuo Reconhecimento com o Grande Oriente do Brasil, e de um Supremo Conselho escocs mundialmente reconhecido. O que podero alegar, diante disso, os que, sem nenhuma base, defendem a grafia incorreta ? Agora, no apenas um msero autor tupiniquim como dizem os literatos de W.C. que aponta o erro. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 2
  • 41. CopyMarket.com Ttulo: Do P dos Arquivos Todos os direitos reservados. Autor: Jos Castellani Nenhuma parte desta publicao poder ser Editora: CopyMarket.com, 2000 reproduzida sem a autorizao da Editora. Liberdade, Igualdade, Fraternidade Jos Castellani Origem do Lema As trs palavras --- Liberdade, Igualdade e Fraternidade ---que se tornaram, praticamente, um lema da Maonaria contempornea, no tm origem manica. Alguns autores, mais ufanos do que realistas e mais fantasistas do que cientficos, afirmam que o lema manico e foi utilizado como divisa da Revoluo Francesa de 1889. A verdade histrica, todavia, bem outra: Em primeiro lugar, o lema da Revoluo Francesa era Libert, galit, ou la Mort (Liberdade, Igualdade, ou a Morte). S com a 2a. Repblica, em 1848, que ele iria se transformar em Libert, galit, Fraternit (Liberdade, Igualdade, Fraternidade). (Ver nota) Em segundo lugar, foi a Maonaria francesa que, na segunda metade do sculo XIX, adotou o lema da 2a. Repblica, o qual acabaria se vulgarizando entre os maons que trabalhavam sob influncia da cultura francesa, em todo o mundo, a ponto de chegar a ser considerado como uma divisa exclusivamente manica, o que no . Em terceiro lugar, a idia de Liberdade, Igualdade e Fraternidade bem mais antiga. Podem ser encontrados vestgios dela, quando da criao da primeira seita comunista, dita Comunismo Cristo, fundada em 1694, por Johann Kelpers. Para os membros dessa seita, o Messias aguard ado no se apresenta como o pescador de almas, mas, sim, atravs de uma trilogia, onde ele o distribuidor de justia(igualdade), o grande irmo (fraternidade) e o libertador (liberdade). Anlise e significado A anlise da divisa, ou da trilogia, pode ser feita atravs do prisma poltico-social, ou sob o ponto de vista exclusivamente inicitico. No primeiro caso, teramos: A igualdade constitui um ideal da organizao social, pela qual lutou a humanidade, medida que ia avanando no caminho de sua evoluo. Essa luta dura at hoje, porque a diviso das naes, em sistemas polticos, das comunidades, em classes sociais, e dos indivduos, em posies econmicas, morais e intelectuais, prejudicam os esforos em benefcio da igualdade irrestrita. A fraternidade considerada como a conduta que norteia a vida de um indivduo. Ela desejada, reclamada e fixada como objetivo de todas as religies, instituies sociais, partidos polticos, etc. , estabelecendo o altrusmo contra o egosmo, a benevolncia contra a malevolncia, a tolerncia contra a intolerncia, o amor contra o dio. A liberdade nasce com o indivduo, atinge o consciente coletivo dos povos e produz fatos extraordinrios. O sentimento de liberdade o bem mais caro ao corao de um homem; e no h nada que o deprima tanto quanto a opresso da escravido, o encarceramento da conscincia e a privao da liberdade. Do ponto de vista inicitico, todavia, o conceito um pouco diferente: A igualdade repousa sobre a conscincia da identidade bsica de todos os seres e de todas as manifestaes do esprito humano, acima de todas as distines externas de posio social e de grau de conhecimento e de desenvolvimento CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 1
  • 42. intelectual. Essa igualdade, representada pelo Nvel, que proporciona, a todos, uma justa e reta maneira de conduta com todos os semelhantes. A fraternidade considerada o complemento da liberdade individual e da igualdade espiritual, das quais representa a adoo prtica. Em sntese, a tolerncia, em relao liberdade, e a compreenso, em relao igualdade. A liberdade definida como uma aquisio individual, ntima, fundamentalmente independente da liberdade externa, que pode ser outorgada pelas leis e pelas circunstncias da vida. Em resumo, a liberdade que se adquire buscando a Verdade e realizando esforos para trilhar o caminho da virtude, dominando os vcios, os hbitos negativos e as paixes destrutivas. A Interpretao Astrolgica A Igualdade o smbolo de Libra, ou Balana. Este signo o smbolo universal do equilbrio, da legalidade e da justia, concretizados pelo senso da diplomacia e da cortesia, que o caracterizam, assim como a averso agressividade e violncia de ries, que est diante dele. Libra significa, em ltima anlise, um carter afvel, um sentido de justia, harmonia e sociabilidade, que so, todos, atributos da igualdade. A Fraternidade perfeitamente ilustrada pelo signo de Gmeos, em sua dualidade, representado por dois gmeos, que so os mticos Castor e Plux, cada um desempenhando seu papel, sem nenhuma proeminncia sobre o outro. O signo de Gmeos dual, porque simboliza o momento em que a fora criativa de ries e Touro divide-se em duas correntes: uma tem sentido ascensional, espiritual, e a outra descendente, no sentido da multiplicidade das formas e do mundo fenomnico. Considere-se, tambm, que, face a Gmeos, est Sagitrio, governado por Jpiter, Zeus, Deus, do qual todos os homens emanam, o que os faz irmos uns dos outros, com cada um procurando-o, sua maneira. A Liberdade apangio de Aqurio, simbolizado por Ganimedes, pelo anjo derramando, sobre a humanidade, o cntaro do saber ; saber, que, se for bem utilizado, pode ser um meio de acesso liberdade, co m a condio de que aceite a superioridade do iniciado. S o iniciado, o sbio, poder reconhecer os limites alm dos quais no poder ir, pois esta a maneira dele chegar ao conhecimento dos mistrios divinos. Essa ligao com o divino, da qual Moiss um smbolo, o respeito s leis divinas, fundamental para uma existncia pacfica e harmoniosa, sero, tambm, assinalados pelo signo frontal a Aqurio: Leo, cujo smbolo o Sol; o Sol, smbolo do UM, smbolo de Deus. Esses trs signos, Libra, Gmeos e Aqurio, so os signos do ar do zodaco. E os signos do ar so smbolos do esprito, so smbolos do cosmos, que o iniciado deve procurar conhecer e compreender. Nota - Alec Mellor, respeitadssimo pesquisador francs, afirma que inteiramente falso que essa divisa republicana seja de origem manica. Louis Blanc e outros autores pretendem que seu inventor tenha sido Louis-Claude de Saint-Martin, mas o historiador mais abalizado da vida e do pensamento deste, Robert Amadou, demonstrou que isso no verdadeiro. A pesquisadora B.F. Hyslop examinou uma grande quantidade de diplomas manicos publicados entre 1771 e 1799, na Biblioteca Nacional de Paris, e no encontrou mais que dois, somente, onde as trs palavras esto reunidas. Quase todos registram Sade - Fora - Unio, ou falam do templo onde reina o Silncio, a Unio e a Paz. O resultado desse estudo est publicado in Annales Historiques de la Rvolution Franaise - janeiro, 1951, pag. 7. A 1a. Repblica conheceu bem a divisa Liberdade, Igualdade, ou a Morte, mas tal programa ideolgico no foi jamais o da Maonaria. Foi somente sob a 2a. Repblica que a trplice divisa surgiu. Mas no foi a Repblica que tomou emprestada a divisa Maonaria, mas, sim, a Maonaria que a tomou emprestada Repblica (in Dictionnaire de la Franc-Maonnerie et des Francs- Maons - Belfond - Paris - 1971) . CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 2
  • 43. CopyMarket.com Ttulo: Do P dos Arquivos Todos os direitos reservados. Autor: Jos Castellani Nenhuma parte desta publicao poder ser Editora: CopyMarket.com, 2000 reproduzida sem a autorizao da Editora. O Patriarca da Imprensa Brasileira e Os Primrdios da Maonaria Portuguesa Jos Castellani Embora a Maonaria, em Portugal tenha se iniciado, provavelmente, em 1735, quando algumas Lojas teriam sido instaladas pela Grande Loja de Londres --- fundada a 24 de junho de 1717 --- ela s teve, realmente, a sua concretizao nos ltimos anos do sculo XVIII e nos primeiros do sculo XIX, quando foi criada a primeira Obedincia nacional. Para essa relativa estagnao, durante tanto tempo, muito concorreu o trabalho da inquisio portuguesa , que conseguiu persuadir o rei D. Joo V de que os maons eram, alem de hereges, inimigos do Estado. Graas a isso, o movimento manico foi, praticamente exterminado, s renascendo a partir de 1762, durante o reinado de Jos I, que tinha, como ministro, o marqus de Pombal. Novo golpe, todavia, seria dado sobre ele, no ltimo quartel do sculo XVIII, com a ascenso, ao trono portugus, de D. Maria I, que, manobrada pelos frades da inquisio, permitiu uma verdadeira caa s bruxas , que redundou na priso e no degredo de muitos maons, entre os quais Felix Jos dAvellar Brotero --- que veio para o Brasil --- cujo filho, Frederico DAbney de Avellar Brotero (o Conselheiro Brotero) foi maom da Loja Amizade - -- fundada a 13 de maio de 1832, em S. Paulo --- iniciado nos primeiros anos de atividade da Loja. Toda esta perseguio aos maons, contava com a decisiva participao do intendente geral da polcia, Diogo Ignacio de Pina Manique, tristemente clebre. Em 1797, numa reunio manica realizada na fragata Phenix , da qual participaram maons portugueses e ingleses, nasceu a importante Loja Regenerao, que, posteriormente daria origem a outras cinco Lojas, das quais a mais proeminente foi a Fortaleza, que chegou a ter um quadro com 140 membros, entre os quais se contavam figuras ilustres da sociedade portuguesa. Seria, exatamente, a partir da que a Maonaria portuguesa, realmente, iria tomar fora e vigor, apesar dos esforos contrrios de Pina Manique, junto a D. Maria I e, depois, junto ao prncipe D. Joo, que se tornara regente, em 1801, devido enfermidade mental de sua me, D. Maria I (que, por isso, passou a ser chamada de D. Maria, a Louca). Pina Manique, inclusive, cunhou frases que iriam , quando disseminadas entre o povo, dar uma falsa imagem dos maons, inclusive no Brasil; como, por exemplo, num trecho de carta a D. Joo, onde dizia que os maons eram inimigos declarados de toda e qualquer religio, mas principalmente da crist, qual votavam dio irreconcilivel; e que, em todos os ajuntamentos manicos, era escarnecida, maltratada, cuspida e arrastada uma imagem de Jesus Cristo crucificado (Sic). Apesar de absurda tal imputao, em pleno sculo XX ela ainda povoa a mente de pessoas menos esclarecidas. To grande era o dio de Pina Manique aos maons, que ele chegou a dizer: ardo em sede e esta sede s pode ser mitigada em rios de sangue dos pedreiros livres. Apesar disso tudo, porem, as Lojas continuavam com os seus trabalhos, embora em muito segredo e com muita cautela e sempre em locais diferentes, para despistar a polcia. Foi nessa poca e nessa situao que se iniciou a atividade de HIPLITO Jos DA COSTA Pereira Furtado de Mendona na Maonaria portuguesa. HIPLITO DA COSTA (1774-1823) foi o mais autntico dos intelectuais brasileiros da chamada poca das luzes, alem de grande vulto da campanha da independncia do Brasil. Diplomado em Coimbra, com apenas 24 anos de idade, em 1798, foi, nesse mesmo ano, encarregado de importante misso nos Estados Unidos da Amrica, para estudar questes econmicas relacionadas ao desenvolvimento material do Brasil. Durante essa misso, foi iniciado maom, atravs da Loja Washington No. 59, na Filadlfia, Estado da Pensilvania, a 2 de maro de 1799. Em 1801, foi nomeado para a Imprensa CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 1
  • 44. Real e vamos encontr-lo em Lisboa, como prior dos Anjos, a casa De D. Rodrigo de Sousa Coutinho, que, ento, era ministro da Fazenda e presidente do errio. A Hiplito procurado pelo Irmo padre Jos Joaquim Monteiro de Carvalho e Oliveira, Venervel Mestre da Loja Concrdia, o qual procurava a sua ajuda e a de D. Rodrigo, contra os desmandos de Pina Manique. Dos contatos com os principais prceres da Maonaria portuguesa e sendo um homem acatado, pela sua posio e sua cultura, que Hiplito partiu para Londres, em abril de 1802, com a finalidade de negociar, com a Grande Loja inglesa, o reconhecimento de uma Grande Loja em Portugal, colocando em prtica a idia de regularizar a situao anmala das Lojas portuguesas, surgida em uma dieta (assemblia) geral, em 1801. Sabe-se que os contatos de Hiplito lograram xito, sendo, o fato, confirmado por William Preston, que foi contemporneo dos acontecimentos, em sua obra, editada em 1812, Illustrations of Masonry , E tais contatos foram feitos, certamente com a autodenominada Grande Loja dos Antigos, criada em 1753, para combater as inovaes introduzidas pela Primeira Grande Loja --- The Premier Grand Lodge --- fundada em 1717, que os Antigos chamavam de Grande Loja dos Modernos (s em 1813 haveria a fuso das duas Grandes Lojas, da qual emergiria a Grande Loja Unida da Inglaterra). Regularizada a situao das Lojas, foi possvel instalar, no final de 1804 --- e no no vero, como afirmam Graa e J.S. da Silva Dias, em Os Primrdios da Maonaria em Portugal - Lisboa, 1986 --- a primeira Grande Loja regular em Portugal, da qual foi Gro-Mestre Sebastio Jos de Sampaio e Grande Orador Jos Liberato Freire de Carvalho, que foi quem transmitiu os fatos ento ocorridos, inclusive a poca da instalao. Tambm faziam parte da Grande Loja, entre outros, o general Gomes Freire de Andrade e Rodrigo Pinto Guedes, ento ajudante de ordens do marqus de Niza e que, como almirante, iria morrer no Brasil. Hiplito da Costa, todavia, estava preso, pois fora detido no final de junho de 1802, ao regressar a Lisboa, pelo corregedor de crime da Corte, Jos Anastcio Lopes Cardoso, o qual tinha instrues de Pina Manique, no sentido de procurar insgnias, ou papis, que comprometessem o brasileiro. Colocado, em segredo, na cadeia do Limoeiro, nela permaneceu seis meses, sendo, depois, transferido para os crceres da inquisio , de onde seria arrancado , depois de trs anos, pela Maonaria, com a compra de guardas e a interveno dos Irmos Jos Liberato e Ferro. Ao sair da priso, Hiplito refugiou-se na casa do Irmo Barradas e no convento de S, Vicente de Fora, sendo, depois, entregue aos cuidados dos Irmos Rodrigo Pinto Guedes e Jos Aleixo Falco. Somente depois de um ano, em 1805, que conseguiria escapar para o Alemtejo, como criado do Irmo desembargador Fillipe Ferreira; da alcanou a Espanha, dirigindo-se, depois, Inglaterra, onde se radicou, passando a viver como professor e tradutor. Em maro de 1808, em Londres, ingressou na Loja Antiquity e seria um dos fundadores da Loja Royal Invernes, em 1814. Tambem foi Secretrio de Assuntos do Exterior do Freemasons Hall --- a Grande Loja Inglesa --- e Gro-Mestre da provncia de Ruthland, tendo estreitado relaes com o general Francisco Miranda --- lider da emancipao da Amrica espanhola --- e com o conde de Sussex, filho de George III, o mais importante dos maons, seu padrinho de casamento e cuja amizade lhe foi muito til, quando o governo do Rio de Janeiro pretendeu expuls-lo da Inglaterra. Atravs de Hiplito, em 1812, seria iniciado na Maonaria o brasileiro Domingos Jos Martins, que viria a ser o chefe da Revoluo Pernambucana de 1817. Sua mais importante obra, todavia, foi a criao, em 1808, do CORREIO BRASILIENSE, ou ARMAZEM LITERRIO, cuja publicao s seria interrompida em 1823. Este jornal no foi, apenas, o primeiro rgo da imprensa brasileira, ainda que publicado no Exterior, mas, principalmente, o mais completo veculo de informao e anlise da situao poltica e social de Portugal e do Brasil, naquela poca, com a preconizao de uma verdadeira reforma de base para o nosso pas. Bateu-se pela necessidade da construo de uma rede de estradas, pela utilizao de matrias primas na fabricao de manufaturas --- proporcionando formao e expanso do mercado interno --- pela abolio da escravatura, pela transferncia da Capital do pas para o interior e pela adoo de uma poltica imigratria, que aproveitasse, de preferncia, artesos e tcnicos, ao invs da mo-de-obra no qualificada. Graas a isso, passou Histria como O PATRIARCA DA IMPRENSA BRASILEIRA e habita a memria nacional como um de suas mais luzentes figuras. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 2
  • 45. CopyMarket.com Ttulo: Do P dos Arquivos Todos os direitos reservados. Autor: Jos Castellani Nenhuma parte desta publicao poder ser Editora: CopyMarket.com, 2000 reproduzida sem a autorizao da Editora. O Tratado da Trplice Aliana e a Guerra do Paraguai Jos Castellani O Tratado Tratando-se de documento pouco conhecido, segue-se o texto integral do Tratado da Trplice Aliana, j que a histria real da guerra, a no oficial, a no tendenciosa, ainda est sendo escrita. Tratado da Trplice Aliana O governo de Sua Majestade o Imperador do Brasil, o governo da Repblica Argentina e o governo da Repblica Oriental do Uruguai; Os dois primeiros em guerra com o governo da Repblica do Paraguai por lha ter esta declarado de fato, e o terceiro em estado de hostilidade e vendo ameaada a sua segurana interna pelo dito governo, o qual violou a f pblica, tratado, ordens e os usos internacionais das naes civilizadas e cometeu atos injustificveis depois de haver perturbado as relaes com os seus vizinhos pelos maiores abusos e atentados; Persuadidos que a paz, segurana e prosperidade de suas respectivas naes tornam-se impossveis enquanto existir o atual governo do Paraguai e que uma necessidade imperiosa, reclamada pelos mais elevados interesses, fazer desaparecer aquele governo, respeitando-se a soberania, independncia e integridade territorial da Repblica do Paraguai; Resolveram, com esta inteno, celebrar um Tratado de Aliana ofensiva e defensiva e para esse fim nomearam seus plenipotencirios, a saber: Sua Majestade o Imperador do Brasil ao Excelentssimo Sr. Dr. Francisco Otaviano de Almeida Rosa, do Seu Conselho, Deputado Assemblia Geral Legislativa e Oficial da imperial Ordem da Rosa; Sua Excelncia o Presidente da Repblica da Argentina ao Excelentssimo Sr. Dr. Dom Rufino de Eliralde, seu Ministro e Secretrio de Estado dos Negcios Estrangeiros; Sua Excelncia o Governador Provisrio da Repblica Oriental do Uruguai ao Excelentssimo Sr. Dr. Dom Carlos de Castro, seu Ministro e Secretrio de Estado dos Negcios Estrangeiros; Os quais, depois de terem trocado seus respectivos poderes, que foram achados em boa e devida forma, concordaram no seguinte: Art. 1o - Sua Majestade o Imperador do Brasil, a Repblica Argentina e a CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 1
  • 46. Repblica Oriental do Uruguai se unem em aliana ofensiva e defensiva na guerra promovida pelo governo paraguaio. Art. 2o - Os aliados concorrero com todos os meios de guerra de que possam dispor, em terra ou nos rios, como julgarem necessrio. Art. 3o - Devendo comear as operaes da guerra no territrio da Repblica Argentina ou na parte do territrio paraguaio que limtrofe com aquele, o comando em chefe e direo dos exrcitos aliados ficam confiados ao Presidente da mesma Repblica General em Chefe do Exrcito Argentino Brigadeiro General D. Bartolomeu Mitre. Embora as altas Partes contratantes estejam convencidas de que no mudar o terreno das operaes de guerra, todavia para salvar os direitos soberanos das trs naes firmam desde j o princpio de reciprocidade para o comando em chefe, caso as ditas operaes se houverem de transpassar para o territrio brasileiro ou oriental. As foras martimas dos aliados ficaro sob o imediato comando do Vice- Almirante Visconde de Tamandar, Comandante em Chefe da Esquadra de Sua Majestade o Imperador do Brasil. As foras terrestres de Sua Majestade o Imperador do Brasil formaro um exrcito debaixo das imediatas ordens do seu General em Chefe, Brigadeiro Manoel Luiz Osrio. As foras terrestres da Repblica Oriental do Uruguai, uma diviso das foras brasileiras e outra das foras argentinas, que designarem seus respectivos chefes superiores, formaro um exrcito s ordens imediatas do Governador Provisrio da Repblica Oriental do Uruguai, Brigadeiro General D. Venancio Flores. Art. 4o - A ordem e economia militar dos exrcitos aliados dependero unicamente de seus prprios chefes. As despesas de soldo, subsistncia, munies de guerra, armamento, vesturio e meios de mobilizao das tropas aliadas sero feitas custa dos respectivos estados. Art. 5o - As altas partes contratantes prestar-se-o mutuamente, em caso de necessidade, todos os auxlios ou elementos de guerra de que disponham, na forma que ajustarem. Art. 6o - Os aliados se comprometem solenemente a: no deporem as armas seno de comum acordo, e somente depois de derribada a autoridade do atual governo do Paraguai; bem como a no negociarem separadamente com o inimigo comum, nem celebrarem tratados de paz, trgua ou armistcio, nem conveno alguma para suspender ou findar a guerra, seno de perfeito acordo entre todos. Art. 7o - No sendo a guerra contra o povo do Paraguai, e sim contra o seu governo, os aliados podero admitir em uma legio paraguaia os cidados dessa nacionalidade que queiram concorrer para derribar o dito governo, e lhes daro os elementos necessrios, na forma e com as condies que se ajustarem. Art. 8o - Os aliados se obrigam a respeitar a independncia, soberania e CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 2
  • 47. integridade territorial da Repblica do Paraguai. Em conseqncia, o povo paraguaio poder escolher o governo e instituies que lhe aprouverem, no podendo incorporar-se a nenhum dos aliados e nem pedir o seu protetorado como conseqncia desta guerra. Art. 9o - A independncia, soberania e integridade territorial da Repblica do Paraguai sero garantidas coletivamente de acordo com o artigo antecedente pelas altas partes contratantes durante o perodo de cinco anos. Art. 10 - Concordam entre si as altas partes contratantes que as franquezas, privilgios ou concesses que obtenham do Governo do Paraguai ho de ser comuns a todos eles, gratuitamente se forem gratuitas ou com a mesma compensao ou equivalncia se forem condicionais. Art. 11 - Derribado o atual governo da Repblica do Paraguai, os aliados faro os ajustes necessrios com a autoridade que ali se constituir para assegurar a livre navegao dos rios Paran e do Paraguai, de sorte que os regulamentos ou leis daquela Repblica no possam estorvar, entorpecer ou onerar o trnsito e a navegao direta dos navios mercantes e de guerra dos estados aliados, dirigindo-se para seus territrios respectivos ou para territrio que no pertena ao Paraguai, e tomaro as garantias convenientes para efetividade daqueles ajustes sob a base de que os regulamentos de policia fluvial, quer para aqueles dois rios, quer para o rio Uruguai, sero feitos de comum acordo entre os aliados, e os demais ribeirinhos, que dentro do prazo que ajustarem os ditos aliados aderirem ao convite que lhes ser dirigido. Art. 12 - Os aliados reservam-se combinar entre si os meios mais prprios para garantir a paz com a Repblica do Paraguai, depois de derribado o governo atual. Art. 13 - Os aliados nomearo oportunamente os plenipotencirios para a celebrao dos ajustes, convenes ou tratados que se tenham de fazer com o governo que se estabelecer no Paraguai. Art. 14 - Os aliados exigiro desse governo o pagamento das despesas da guerra que se viram obrigados a aceitar, bem como reparao e indenizao dos danos e prejuzos causados s suas propriedades pblicas e particulares e s pessoas de seus concidados, sem expressa declarao de guerra; e dos danos e prejuzos verificados posteriormente com violao dos princpios que regem o direito da guerra. A Repblica Oriental do Uruguai exigir tambm uma indenizao proporcional aos danos e prejuzos que lhe causa o governo do Paraguai pela guerra em que a obriga a entrar para defender sua segurana ameaada por aquele governo. Art. 15 - Em uma conveno especial se marcar o modo e forma de liquidar e pagar a dvida procedente das causas mencionadas. Art. 16 - Para evitar as dissenses e guerras que trazem consigo as questes de limites, fica estabelecido que os aliados exigiro do governo do Paraguai que celebre com os respectivos Governos tratados definitivos de limites, sob as seguintes bases: CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 3
  • 48. O Imprio do Brasil se dividir da Repblica do Paraguai: Do lado do Paran pelo primeiro rio abaixo do Salto das Sete Quedas, que segundo a recente carta de Mouchez o Iguau e da Foz do Iguau e por ele acima a procurar as suas nascentes; Do lado da margem esquerda do Paraguai pelo rio Apa desde a foz at as suas nascentes; No interior, pelos cumes da Serra do Maracaju, sendo as vertentes de leste do Brasil e as de oeste do Paraguai e tirando-se da mesma serra linhas as mais retas em direo s nascentes do Apa e do Igurci. A Repblica Argentina ser dividida da Repblica do Paraguai pelos rios Paran e Paraguai a encontrar os limites com o Imprio do Brasil, sendo estes do lado da margem direita do rio Paraguai a Baa Negra. Art. 17 - Os aliados se garantem reciprocamente o fiel cumprimento dos convnios, ajustes e tratados que se devem celebrar com o governo que se tem de estabelecer na Repblica do Paraguai, em virtude do que foi concordado no presente tratado de aliana, o qualificar sempre em toda a sua fora e vigor para o fim de que estas estipulaes sejam respeitadas e executadas pela Repblica do Paraguai. Para conseguir este resultado concordam que no caso em que uma das altas partes contratantes no possa obter do Governo do Paraguai o cumprimento do ajustado, ou no caso em que este Governo tente anular as estipulaes ajustadas com os aliados, os outros empregaro ativamente seus esforos para faz-las respeitar. Se estes esforos forem inteis, os aliados concorrero com todos os seus meios para fazer efetiva a execuo daquelas estipulaes. Art. 18 - Este tratado se conservar secreto at que se consiga o fim principal da aliana. Art.19- As estipulaes deste tratado, que no dependam do Poder Legislativo para serem ratificadas, comearo a vigorar desde que seja aprovado pelos governos respectivos, e as outras desde a troca das ratificaes que ter lugar dentro do prazo de quarenta dias, contados da data do mesmo tratado, ou antes se for possvel, que se far na Cidade de Buenos Aires. Em testemunho do que, ns abaixo assinados, plenipotencirios de Sua Majestade o Imperador do Brasil, de Sua Excelncia o Sr. Presidente da Repblica Argentina e de Sua Excelncia o Sr. Governador Provisrio da Repblica Oriental do Uruguai, em virtude de nossos plenos poderes, assinamos o presente tratado e lhe fizemos por os nossos selos. Cidade de Buenos Aires, 1o de maio, do ano do nascimento de Nosso Senhor, de mil oitocentos e sessenta e cinco. (L. S.) Francisco Otaviano de Almeida Rosa. (L. S.) Rufino de Eliralde. (L. S.) Carlos de Castro . CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 4
  • 49. A Guerra A Guerra do Paraguai foi um conflito armado, que envolveu o Paraguai, o Uruguai, o Brasil e a Argentina. Segundo as verses mais antigas, o presidente paraguaio, Francisco Solano Lopez teria precipitado as hostilidades, ao invadir o Brasil, em uma iniciativa expansionista, movida pela carncia de portos litorneos e pela interveno brasileira no Uruguai. As verses mais modernas e embasadas em pesquisas mais imparciais, todavia, mostram que o Brasil foi levado ao conflito, por influncia da Inglaterra, que no via com bons olhos a industrializao e a prosperidade que se instalavam no Paraguai e que constituiam ameaa aso seus interesses econmicos na regio. A Inglaterra, por interesses econmicos, j vinha interferindo, h muito tempo, na vida poltica do Brasil, comeando pela atuao perante o problema da escravido, em parte por causa da posio mundial em torno dele, mas em grande parte por interesse, j que escravos no tinham dinheiro para comprar produtos ingleses e os seus proprietrios gastavam muito dinheiro com eles, ao invs de gastar com os produtos ingleses. Fora disso, a interveno britnica era palpvel: em 1861, o embaixador britnico no Brasil, William Christie, criou um caso diplomtico, porque um navio ingls naufragara e fora saqueado por ladres e ele exigira uma pesada indenizao, que o imperador D. Pedro II recusou-se a pagar. O embaixador, ento, mandou apresar cinco navios brasileiros, o que fez com que o Brasil rompesse relaes com a Inglaterra, at 1865, quando elas foram reatadas. O Brasil, interessado em preservar suas fronteiras ao sul e garantir a navegao pelos rios da Prata, Paran e Uruguai, onde as rotas comercias eram dominadas pelos argentinos, j abrira duas frentes de batalha, contra o Uruguai e a Argentina, tendo, os conflitos, se iniciado entre 1851 e 1852, contra a Argentina e o Uruguai, e, novamente, em 1864/1865, s com o Uruguai. O Paraguai, por sua vez, desde a sua independncia, em 1811, fechara suas portas ao imperialismo britnico, concentrando- se em resolver os seus problemas internos. Com isso, foi criado um pas economicamente estvel, soberano e livre do capitalismo ingls, com a distribuio de terras, aumento da produo agrcola e industrial e construo de escolas (em 1840, j no havia analfabetos no pas). Essa diferena, em relao aos demais pases latino-americanos, no agradava aos ingleses, que estimularam a formao da Trplice Aliana, para declarar guerra ao nico pas realmente livre da Amrica do Sul. claro que as razes alegadas no tratado, como se pode ver, aludiam a razes outras, que no as de interesse econmico, principalmente dos ingleses. A guerra comeou em 1865 e, para mostrar a extrema crueldade que a caracterizou, basta dizer que, pelo lado brasileiro, morreram cerca de 100.000 combatentes, mas, pelo lado paraguaio, o estrago foi muito maior, um verdadeiro genocdio: a populao do pas, que, antes da guerra, era de 800.000 pessoas, ficou reduzida a cerca de 190.000, o que quer dizer que 75% da populao foram exterminados, restando, da populao adulta, apenas 0,5%. O Paraguai, que havia sido um prspero pas, era transformado num cemitrio, por um guerra srdida e trgica, movida por interesses econmicos. E o Brasil, que participara desse genocdio, sofria um violento abalo na sua economia, com um grande aumento de sua dvida externa com os ingleses. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 5
  • 50. CopyMarket.com Ttulo: Do P dos Arquivos Todos os direitos reservados. Autor: Jos Castellani Nenhuma parte desta publicao poder ser Editora: CopyMarket.com, 2000 reproduzida sem a autorizao da Editora. Os Primrdios da Moderna Maonaria Jos Castellani Organizaes de ofcio, as precursoras Desde que o homem deixou as cavernas e as suas vivendas de nmade, sedentarizando-se e formando uma sociedade estratificada, surgiram os profissionais dedicados arte da construo, os quais foram se aperfeioando, no s na ereo de casas de residncia, mas, tambm, na de templos, de obras pblicas e obras de arte. Embora tivessem, esses profissionais, desde os seus primeiros tempos, mantido, entre si, certa camaradagem e um sentimento de agregao, no havia, na realidade, uma organizao que os reunisse, que regulasse a sua atividade e que lhes desse um maior sentido de responsabilidade profissional. Foi no Imprio Romano do Ocidente, da Roma conquistadora, que, em funo da prpria atividade blica, surgiu, no sculo VI a.C., a primeira associao organizada de construtores, os Collegia Fabrorum. Como a conquista das vastas regies da Europa, da sia e do norte da frica, levava destruio, os collegiati acompanhavam as legies romanas, para reconstruir o que fosse sendo destrudo pela guerra. Dotada de forte carter religioso, essa organizao dava, ao trabalho, o cunho sagrado de um culto s divindades. De incio politesta, tornou-se, com a expanso do cristianismo, monoteista, entrando, porm, em decadncia, aps a queda do Imprio Romano do Ocidente, ocorrida em 476 d.C., embora persistissem pequenos grupos da associao no Imprio Romano do Oriente, cujo centro era Constantinopla. Na Idade Mdia que iria florescer, atravs do grande poder da poca, a Igreja, a hoje chamada Maonaria Operativa, ou Maonaria de Ofcio, para a preservao da Arte Real entre os mestres construtores da Europa. Assim, a partir do sculo VI, as Associaes Monsticas, formadas, principalmente, por clrigos, dominavam o segredo da arte de construir, que ficou restrita aos conventos, j que, naquela poca de barbrie, quando a Europa estava em runas, graas s sucessivas invases dos brbaros, e quando as guerras, os roubos e os saques eram freqentes e at encarados como fatos normais, os artistas e arquitetos encontraram refgio seguro nos conventos. Posteriormente, pela necessidade de expanso, os frades construtores comearam a preparar e a adestrar leigos, proporcionando, a partir do sculo X, a organizao das Confrarias Leigas, que, embora formadas por leigos, recebiam forte influncia do clero, do qual haviam aprendido a arte de construir e o cunho religioso dado ao trabalho. dessa poca aquela que considerada a primeira reunio organizada de operrios construtores: a Conveno de York, ocorrida em 926 e convocada por Edwin, filho do rei Athelstan, para reparar os prejuizos que as associaes haviam tido com as sucessivas guerras e invases. Nessa reunio, foi apresentada, para apreciao e aprovao, um estatuto, que, dali em diante deveria servir como lei suprema da confraria e que , geralmente, chamado de Carta de York. Quase na mesma poca, surgiriam associaes simplesmente religiosas, que, a partir do sculo XII, formaram corpos profissionais: as Guildas. A elas se deve o primeiro documento em que mencionada a palavra Loja, para designar uma corporao e o seu local de trabalho. As Guildas e sua contempornea, a organizao dos Ofcios Francos, foram as principais precursoras da moderna Maonaria. O seu nome Gild, de origem teutnica, deriva do ttulo dado, na antiga regio da Escandinvia, a um gape religioso, durante o qual, numa cerimnia especial, eram despejados trs copos de chifre (chavelhos), conforme o uso da poca, cheios de cerveja, sendo um em homenagem aos deuses, outro, pelos antigos heris, e o ltimo em homenagem aos parentes e em memria dos amigos mortos; ao final da cerimnia, todos os participantes juravam defender uns aos outros, como irmos, socorrendo-se mutuamente nos momentos difceis. As Guildas caracterizavam-se por trs finalidades principais: auxlio mtuo, reunies em banquetes e atuao por reformas polticas e sociais. Introduzidas na Inglaterra, por reis saxes, elas foram modificadas por influncia do cristianismo, mas, mesmo CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 1
  • 51. assim, no eram bem aceitas pela Igreja, que no via com bons olhos a prtica do banquete, por suas origens pags, e a pretenso de reformas polticas e sociais, que pudessem, eventualmente, contribuir para diminuir os seus privilgios e os privilgios das corporaes sob a sua proteo. Assim, para evitar a hostilidade da Igreja, cada guilda era organizada sob a gide de um monarca, ou sob o nome de um santo protetor. No sculo XII, associada s guildas, surgia uma organizao de operrios alemes, os Steinmetzen, ou seja, canteiros 1, talhadores, ou esquadrejadores de pedra, os quais, sob a direo de Erwin de Steinbach, alcanariam notoriedade, quando Erwin conseguiu a aprovao de seus planos para a construo da catedral de Estrasburgo e deu um aperfeioado sentido de organizao aos seus obreiros. Surgem os ofcios francos, ou franco-maonaria No sculo XII, tambm, iria florescer a associao considerada a mais importante desse perodo operativo: os Ofcios Francos (ou Franco-Maonaria), formados por artesos privilegiados, com liberdade de locomoo e isentos das obrigaes e impostos reais, feudais e eclesisticos. Tratava-se, portanto, de uma organizao de construtores categorizados, diferentes dos operrios servos, que ficavam presos a uma mesma regio, a um mesmo feudo, disposio de seus amos. Na Idade Mdia, a palavra franco designava no s o que era livre, em oposio ao que era servil, mas, tambm, todos os indivduos e todos os bens que escapavam s servides e aos direitos senhoriais; esses artesos privilegiados eram, ento, os pedreiros-livres, franc-maons, para os franceses, ou free-masons, para os ingleses. Tais obreiros, evidentemente, tinham esses privilgios concedidos pela Igreja, que era o maior poder poltico da poca, com grande ascendncia sobre os governantes. A palavra francesa maon, correspondente a pedreiro, converteu-se em maison (casa) e, tambm, embora s relativamente, em masse (maa, clava). Essa maa, ou clava, habilitava o porteiro a afastar os indesejveis intrusos e curiosos. O pesquisador alemo Lessing, um dos clssicos da literatura alem, atribui a palavra inglesa masonry (maonaria) a uma transmisso incorreta. Originalmente, a idia teria sido dada pelo velho termo ingls mase (missa, reunio mesa). Uma tal sociedade de mesa, ou reunio de comensais, de acordo com a alegoria da Tvola Redonda, do rei Arthur, poderia, segundo Lessing, ainda ser encontrada em Londres, no sculo XVII. Ela se reunia nas proximidades da famosa catedral de So Paulo e, quando sir Christopher Wren, o construtor da catedral, tornou-se membro desse crculo, julgou-se que se tratava de uma cabana dos construtores, que estabelecia uma ligao de mestres construtores e obreiros; da, ento, ou seja, dessa suposio errada, que teria se originado o termo masonry, para designar a sociedade dos construtores. Uma explicao para o termo ingls freemason (pedreiro livre) est ligada ao termo freestone, que a pedra de cantaria, ou seja, a pedra prpria para ser esquadrejada, para que nela sejam feitos cantos, que a transformem numa pedra cbica, a ser usada nas construes. As expresses freestone mason e freestone masonry, da surgidas, acabaram sendo simplificadas para freemason (o obreiro) e freemasonry (a atividade). Esta uma hiptese mais plausvel do que a de Lessing, que s considerou o caso particular da Inglaterra, quando se sabe que no foi s a que existiu uma ntima ligao com o trabalho dos artfices da construo. Nessa fase primitiva, porm, antes de, propriamente, se ter iniciado a formao de Lojas, quase que no se pode falar em Maonaria no sentido que ela adquiriu na fase moderna, pois, sobretudo, naquele tempo no podia ser considerada como uma sociedade secreta. O segredo no era, a princpio, mais do que o processo pelo qual um dos membros da irmandade reconhecia o outro. Diga-se a bem da verdade, que, na poca atual, a Maonaria j no pode mais ser considerada secreta, mas apenas discreta. Os segredos mais guardados e que persistem so, obviamente, apenas os meios de reconhecimento, reservados s aos iniciados, j que, de posse deles, um no iniciado poderia ter acesso aos templos manicos e s sesses das Lojas. 1 Canteiro o operrio que trabalha em cantaria, que esquadreja e trabalha na escultura da pedra bruta; cantaria (palavra derivada de canto) designa a pedra lavrada para as construes. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 2
  • 52. criado o importante estilo gtico Na metade do sculo XII, surgia o estilo arquitetnico gtico, ou germnico, primeiro no norte da Frana, espalhando-se, depois, pela Inglaterra, Alemanha e outras regies do norte da Europa e tendo o seu apogeu na Alemanha, durante 300 anos. To importante foi o estilo gtico para as confrarias de construtores, que as suas regras bsicas eram ensinadas nas oficinas dos canteiros, ou talhadores de pedra; to importante que a sua decadncia, no sculo XVI, decretou o declnio das corporaes. No sculo XIII, em 1220, era fundada, na Inglaterra, durante o reinado de Henrique III, uma corporao dos pedreiros de Londres, que tomou o ttulo de The Hole Craft and Fellowship of Masons (Santa Arte e Associao dos Pedreiros) e que, segundo alguns autores, seria o germe da moderna Maonaria. Pouco depois, em 1275, ocorria a Conveno de Estrasburgo, convocada pelo mestre dos canteiros e da catedral de Estrasburgo, Erwin de Steinbach, para terminar as obras do templo. A construo da catedral, iniciada em 1015, estava praticamente terminada, quando foi resolvido ampliar o projeto original e, para isso, foi chamado Erwin A essa conveno acorreram os mais famosos arquitetos da Inglaterra, da Alemanha e da Itlia, que criaram uma Loja, para as assemblias e discusso sobre o andamento dos trabalhos, elegendo Erwin como Mestre de Ctedra (Meister von sthul). Esclarea-se que, na poca, os obreiros criavam uma Loja, fundamentalmente, para tratar de determinada construo, como o caso dessa catedral. Tais Lojas serviam para tratar dos assuntos ligados apenas construo prevista, j que, para outras reunies, inclusive com obreiros de outras corporaes, eram utilizados os recintos de tabernas e hospedarias, principalmente em solo ingls. A palavra Loja, por sinal, foi mencionada pela primeira vez em 1292, em documento de uma guilda 2. Prximo desse tempo, ou seja, no sculo XIV, comeava, tambm, a atuao do Compagnonnage (Companheirismo), criado pelos cavaleiros templrios 3. Os membros dessa organizao construram, no Oriente Mdio, formidveis cidadelas, adquirindo certo nmero de mtodos de trabalho herdados da Antigidade e constituindo, durante as Cruzadas, verdadeiras oficinas itinerantes, para a construo de obras de defesa militar, pontes e santurios. Retornando Europa, eles tiveram a oportunidade de exercer o seu ofcio, construindo catedrais, igrejas,.obras pblicas e monumentos civis. No sculo XVI, a decadncia das corporaes de ofcio J na primeira metade do sculo XVI, as corporaes, diante das perseguies que sofriam --- principalmente por parte do clero --- e diante da evoluo social europia, comeavam a entrar em declnio. Em 1535, realizava-se, em Colnia, uma conveno, que fora convocada para refutar as calnias dirigidas pelo clero contra os franco-maons. Embora ela no tenha tido o brilho e a freqncia de outras convenes, consta, embora tal afirmativa seja contestada, por carecer de comprovao, que, na ocasio, teria sido redigido um manifesto, onde era estabelecido o princpio de altos graus, que seriam introduzidos por razes polticas. Em 1539, o rei da Frana, Francisco I, revogava os privilgios concedidos aos franco-maons, abolindo as guildas e demais fraternidades e regulamentando as corporaes de artesos. Em contrapartida, em 1548, era concedido, aos operrios construtores, de maneira geral, o livre exerccio de sua profisso, em toda a Inglaterra; um ano depois, todavia, por exigncia de Londres, era cassada a autorizao concedida, o que fazia com que os franco-maons ficassem na condio de operrios 2 Loja - do germnico: leubja (pronncia: libja) e do frncico: laubja, atravs do francs: loge - designava o lar, a casa, o abrigo, o ptio, o alpendre; e, tambm, a entrada de edifcio, ou galeria usada para exposies artsticas e venda de produtos artesanais. As guildas de mercadores assim designavam seus locais de depsito e venda de produtos manufaturados, enquanto as guildas artesanais adotaram o termo para designar o seu local de trabalho, ou seja, as oficinas dos artfices. 3 A Ordem da Milcia do Templo, ou Ordem dos Templrios, foi uma ordem religiosa e militar, criada em 1118, com estatutos feitos pelo abade de Clairvaux (So Bernardo). Adquirindo prestgio e riqueza, a ordem excitaria a cobia do rei francs Filipe IV, cognominado o Belo, que, com a conivncia do papa Clemente V, conseguiu a sua extino, em 1312, seguida da execuo, na fogueira, de seu Gro-Mestre, Jacques de Molay, em 1314. Antes da extino, necessitando, em suas distantes comendadorias do Oriente, de trabalhadores cristos, os templrios organizaram o Compagnonnage, dando-lhe um estatuto chamado Santo Dever, de acordo com sua prpria filosofia. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 3
  • 53. ordinrios, como tais sendo tratados legalmente. Em 1558, ao assumir o trono da Inglaterra, a rainha Isabel renovava uma ordenao de 1425, que proibia qualquer assemblia ilegal, sob pena dela ser considerada uma rebelio. Trs anos depois, em dezembro de 1561, tendo, os franco-maons ingleses, anunciado a realizao de uma conveno em York, durante a festividade de So Joo Evangelista, Isabel ordenou a dissoluo da assemblia, decretando a priso de todos os presentes a ela; a ordem s no foi confirmada, porque lord Thomas Sackville, adepto da arte da construo, estando presente, demoveu a rainha de seu intento, fazendo com que, em 1562, ela revogasse a ordenao de 1425. Em 1563, a Conveno de Basilia, feita por iniciativa da confraria de Estrasburgo, organizava um cdigo para os franco- maons alemes, o qual serviria de regra corporao dos canteiros, at que surgissem os primeiros sindicatos de operrios, no sculo XIX. Mas era patente o declnio das confrarias, no sculo XVI. A Renascena relegara o estilo gtico e a estrutura ogival das abbadas --- prprias da arte dos franco-maons medievais --- ao abandono, revivendo as caractersticas da arte greco-romana. Assim, embora ela tivesse atingido a todos os campos do conhecimento e a todas as corporaes profissionais, foi a dos franco-maons a mais afetada. No final do sculo, Inigo Jones introduzia, na Inglaterra, o estilo renascentista, sepultando o estilo gtico e apressando a decadncia das corporaes de franco-maons ingleses. Estas, perdendo o seu objetivo inicial e transformando-se em sociedade de auxlio mtuo, resolveram, ento, permitir a entrada de homens no ligados arte de construir, no profissionais, que eram, ento, chamados de maons aceitos. E se iniciava a transformao na Maonaria atual, a dos Aceitos As corporaes, evidentemente, comearam por admitir pessoas em pequeno nmero e selecionadas entre os homens conhecidos pelos seus dotes culturais, pelo seu talento e pela sua condio aristocrtica, que poderiam dar projeo a elas, submetendo-se, todavia, aos seus regulamentos. Era a tentativa de sustar o declnio. O primeiro caso conhecido de aceitao o de John Boswell, lord de Aushinleck --- ou, segundo J.G. Findel, sir Thomas Rosswell, esquire de Aushinleck --- que, a 8 de junho de 1600 foi recebido maom --- no profissional --- na Saint Marys Chapell Lodge (Loja da Capela de Santa Maria), em Edimburgo, na Esccia. Esta Loja fora criada em 1228, para a construo da Capela de Santa Maria, destinando-se, como j foi visto, s assemblias dos obreiros e discusses sobre o andamento das obras. Depois disso, o processo de aceitao, iniciado na Esccia, iria se espalhar e se acelerar, fazendo com que, ao final do sculo, o nmero de aceitos j ultrapassasse, largamente, o de franco-maons operativos. Os mais famosos nomes de aceitos, na primeira metade do sculo XVII, foram: William Wilson, aceito em 1622; Robert Murray, tenente-general do exrcito escocs, recebido, em 1641, na Loja da Capela de Santa Maria e tornando-se, posteriormente, Mestre Geral de todas as Lojas do Exrcito; o coronel Henry Mainwairing, recebido, em 1646, numa Loja de Warrington, no Lancashire; e o antiqurio e alquimista Elias Ashmole , recebido na mesma Loja e no mesmo dia (16 de outubro) que o coronel Henry. Em 1666, os franco-maons iriam recuperar parte do antigo prestgio, diante do grande incndio, que, a 2 de setembro daquele ano, aconteceu em Londres, destruindo cerca de quarenta mil casas e oitenta e seis igrejas. Nessa ocasio, os maons acorreram para participar do esforo de reconstruo, sob a direo do renomado mestre arquiteto Cristopher Wren, que, em 1688, viu aprovado o seu plano para reconstruo da cidade, sendo nomeado arquiteto do rei e da cidade de Londres. A obra principal de Wren foi a reconstruo da igreja de S. Paulo, em cujo adro se desenvolveria e se estabeleceria, em 1691, uma Loja de fundamental importncia para a Histria da Maonaria moderna: a Loja So Paulo (em aluso igreja), ou Loja da taberna O Ganso e a Grelha, em aluso ao local em que, como faziam outras Lojas, realizava suas reunies de carter informal e administrativo, como se ver adiante. A reconstruo de Londres s iria terminar em 1710. E nascia a primeira Grande Loja Como, na poca, no existiam templos manicos --- o primeiro s seria inaugurado em 1776 --- os maons reuniam-se em tabernas, ou nos adros das igrejas. As tabernas, cervejarias e hospedarias desse tempo, principalmente na Inglaterra, tinham CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 4
  • 54. uma funo social muito grande, como local de reunio e de troca de idias de intelectuais, artfices, obreiros do mesmo ofcio, etc. . A Loja da Cervejaria The Goose and Gridiron (O Ganso e a Grelha), ou Loja So Paulo, inicialmente formada s pelos maons de ofcio que participaram da reconstruo de Londres, resolvia, em 1703, diante do nmero cada vez maior de maons aceitos, em todas as Lojas, admitir, a partir dali, homens de todas as classes, sem qualquer restrio, promovendo, ento, uma reforma estrutural, que iria dar o arcabouo da moderna Maonaria. A admisso, em 1709, do reverendo Jean Thophile Dsaguliers 4, nessa Loja, em cerimnia realizada no adro da igreja de So Paulo, iria apressar o processo de transformao, j que Dsagulliers iria se tornar seu lider e paladino. A 7 de fevereiro de 1717, Dsagulliers conseguia reunir quatro Lojas metropolitanas, para traar planos referentes alterao da estrutura manica. Nessa ocasio, foi convocada uma reunio geral dessas quatro Lojas existentes em Londres, para o dia 24 de junho daquele ano. Essa reunio foi realizada na taberna The Apple Tree (A Macieira), e as Lojas presentes foram, alm da O Ganso e a Grelha: a da Cervejaria The Crown (A Coroa), a da Taberna Rummer and Grappes (O Copzio e as Uvas) e a da Taberna The Apple Tree (A Macieira). E, no dia 24 de junho de 1717, como fora marcado, as quatro Lojas reuniam-se e criavam The Premier Grand Lodge (a Primeira Grande Loja), em Londres, implantando o sistema obediencial, com Lojas subordinadas a um poder central, sob a direo de um Gro-Mestre, j que, antes disso, as Lojas eram livres de qualquer subordinao externa, concretizando a idia do maom livre na Loja livre. Isso era, portanto, um fato novo e uma grande alterao --- uma verdadeira revoluo --- na estrutura manica tradicional, o que faz com que esse acontecimento seja tomado como o divisor de guas, o marco histrico entre a antiga e a moderna Maonaria, ou seja, entre aoperativa e a dos aceitos, ou especulativa. A nica referncia a esse fato --- importantssimo para a Histria da moderna Maonaria --- est em um relatrio do pastor James Anderson, publicado na edio de 1738 da Constituio que ele elaborara: A 20 de setembro de 1714, o rei George I fez, em Londres, magnfica entrada. Aps o fim da rebelio, em 1716, as poucas Lojas de Londres, julgando-se negligenciadas por sir Cristopher Wren 5, julgaram oportuno fundirem-se sob a autoridade de um Gro-Mestre, como centro de unio e harmonia. E as Lojas que assim se encontraram eram: 1. A da Cervejaria The Goose and Gridiron (O Ganso e a Grelha), no ptio da igreja de So Paulo; 2. A da Cervejaria The Crown (A Coroa), em Parkers Lane, prximo de Drury Lane; 3. A da Taberna The Apple Tree (A Macieira), em Charles Street, no Covent Garden; 4. A da Taberna The Rummer and Grapes (O Copzio e as Uvas), em Chanell Row, no Westminster. Essas Lojas, assim como antigos irmos reuniram-se na A Macieira, tendo, em seguida, designado, como Venervel, o mais antigo mestre, constituram-se em uma Grande Loja pro tempore, na devida forma e, desde logo, a reunio trimestral das oficinas das Lojas estava reconstituda. Depois, decidiram realizar uma assemblia anual com festa e escolher, naquela ocasio, entre eles, um Gro-Mestre, at que conseguissem a honra de ser dirigidos por um irmo nobre. (...) No dia de So Joo Batista, durante o terceiro ano do reinado de George I (Ano Dei 1717), a Assemblia e a Festa dos Maons Livres e Aceitos realizaram-se na Cervejaria O Ganso e a Grelha. Antes do jantar, o mais antigo mestre, que presidia, props uma lista de candidatos convenientes. Os irmos presentes, levantando as mos, designaram Mr. Anthony Sayer 6, gentil-homem, Gro-Mestre dos Franco- Maons --- Jacob Lamball, carpinteiro, e Joseph Elliot, capito, Grandes Vigilantes --- o qual, imediatamente, foi investido, pelo citado mais antigo mestre, com as insgnias do ofcio e do poder, e instalado (...) . 4 Jean Thophile Dsaguliers (1683-1744) nasceu em La Rochelle, filho de um ministro huguenote, o qual emigrou para a Inglaterra depois da revogao do dito de Nantes. Em Londres, graduou-se em Teologia e tornou-se membro da Real Sociedade e correspondente da Academia de Cincias de Paris. Foi iniciado na Loja So Paulo, em 1709. 5 Cristopher Wren (1632-1723) nasceu em East Knoyle e faleceu em Londres. Foi matemtico e arquiteto de Westminster, reputado como chefe dos maons. Dirigiu, como foi visto, a reconstruo das igrejas londrinas. 6 Anthony Sayer (1672-1742) foi o primeiro Gro-Mestre da Premier Grand Lodge; morreu em extrema pobreza, sendo obrigado, no final de sua existncia, a recorrer caridade dos Irmos maons. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 5
  • 55. CopyMarket.com Ttulo: Do P dos Arquivos Todos os direitos reservados. Autor: Jos Castellani Nenhuma parte desta publicao poder ser Editora: CopyMarket.com, 2000 reproduzida sem a autorizao da Editora. Os Primrdios do Rito de York no Brasil Jos Castellani Embora se considere que as primeiras Lojas do Rito de York --- Emulation --- no Grande Oriente do Brasil, s tenham comeado a surgir a partir de 1874, bem antes disso, porm, foram fundadas Lojas do rito, diretamente subordinadas a Londres, sem que tivessem, contudo, um florescimento evidente, talvez por desinteresse da Grande Loja Unida da Inglaterra, que ainda no possua, no pas, uma Grande Loja Distrital. A primeira Loja brasileira a trabalhar no Rito ingls foi a ORPHAN LODGE, criada no Rio de Janeiro, a 17 de fevereiro de 1833, por sete maons ingleses, frente dos quais se encontrava Joseph Ewbank, iniciado em 1810, em Londres, o qual, por ocasio da fundao do Grande Oriente Braslico, a 17 de junho de 1822, constava do quadro da Loja Comrcio e Artes, cujo Venervel Mestre era Manoel dos Santos Portugal, ao lado de obreiros como o cnego Janurio da Cunha Barbosa, o frei Francisco de Santa Tereza de Jesus Sampaio, o capito Joo Mendes Viana, o coronel Lus Pereira da Nbrega, , Domingos Alves Branco, o cnego Belchior Pinheiro de Oliveira, todos prceres da independncia do Brasil. Jos (como consta nos registros) Ewbank, em ateno ao costume da poca, de adoo de nomes hericos, era Artaxerxes, em homenagem a Artaxerxes I, rei da Prsia, filho de Xerxes I, o qual reinou de 465 a 414 a.C. e entrou em combate com os gregos, sendo derrotado pelo general Cimon, de Atenas. O ttulo distintivo da Loja --- rf --- era alusivo ao fato dela ser a nica inglesa da Amrica do Sul, abaixo do Equador, j que acima, embora incipiente, j existia Maonaria em Georgetown, capital da Guiana Inglesa, que fora anexada Gr- Bretanha em 1812, pela Conveno de Londres, aps a conquista dos territrios holandeses pelos ingleses. Mas, talvez pelo fato do Brasil ainda ser visto, na Europa, como selvagem e instvel, apenas nos meados de 1837, quase quatro anos aps a criao, que a Loja conseguiu ser instalada, com o recebimento da patente da Grande Loja inglesa, sob o nmero 616. A segunda Loja, tambm do Rio de Janeiro, foi a ST. JOHNS LODGE, criada a 21 de setembro de 1839, mas que, como a primeira, s recebeu sua patente, com o nmero 703, em 1842. A terceira foi criada em Recife: a SOUTHERN CROSS LODGE, instalada a 15 de junho de 1856, sob o nmero 970, e criada sob a liderana de Henry Cowper, cnsul da Inglaterra em Recife, por maons de origem inglesa, que pertenciam Loja Seis de Maro de 1817, fundada, em homenagem Revoluo Pernambucana de 1817, a 6 de outubro de 1821. Nenhuma dessas trs Lojas, todavia, teve vida longa. A ORPHAN LODGE abateu colunas em 1844, tendo, o seu patrimnio mvel, sido anexado ST. JOHNS e, depois, vendido. A ST JOHNS LODGE abateu colunas a 5 de maro de 1862. A SOUTHERN CROS LODGE abateu colunas na poca da Questo Religiosa do 2 Imprio, ou seja, em 1872, ou 1873. Depois disso, as Lojas do rito comearam a aparecer nas Obedincias brasileiras, a partir de 1874, j que, at essa data, s existiam Lojas dos ritos Adonhiramita --- o primeiro a ser praticado --- o Moderno --- adotado pelo Grande Oriente Braslico e rito oficial do Grande Oriente do Brasil --- e o Escocs, cujo Supremo Conselho foi criado a 12 de novembro de 1832. A primeira Loja nessas condies, foi fundada na Provncia de So Paulo, em Santa Brbara DOeste, a 19 de novembro de 1874. Era a WASHINGTON LODGE, que no foi, todavia, fundada por ingleses, mas, sim, por norte-americanos, que haviam sido os fundadores de Santa Brbara, depois de terem emigrado para o Brasil, por ocasio da guerra civil nos Estados Unidos. Essa guerra, que passou Histria como Guerra de Secesso (ou de Separao), foi um conflito, iniciado CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 1
  • 56. em 1861 e encerrado em 1865, entre os Estados e territrios do norte dos Estados Unidos e onze Estado do sul --- Arkansas, Gergia, Flrida, Carolina do Sul, Carolina do Norte, Luisinia, Texas, Mississipi, Virgnia, Tenessee e Alabama -- - que se uniram numa coligao independente, sob o ttulo de Estados Confederados da Amrica, durante o governo de Abraham Lincoln. Com a derrota dos confederados, em abril de 1865, ficava preservada a unidade nacional e era acelerado o processo de abolio da escravatura no pas, j que o sul era escravocrata. Os fundadores de Santa Brbara e da Loja eram, quase todos, originrios do Estado do Alabama. A WASHINGTON LODGE, na realidade, foi fundada no Grande Oriente Unido, que evolura a partir do Grande Oriente do Vale dos Beneditinos, Obedincia dissidente do Grande Oriente do Brasil, criada sob a liderana de Joaquim Saldanha Marinho, em 1863. Quando o Grande Oriente Unido desapareceu, por incorporao ao GOB, em janeiro de 1883, a Oficina passou a fazer parte deste, recebendo o nmero 309, no Registro Geral das Lojas. Apesar disso, foi considerada, posteriormente, pelo Grande Captulo do Rito de York, do Grande Oriente do Brasil, como a Loja n 1 do rito. E ela iria abater colunas em data incerta, mas antes do final do sculo. A Segunda Loja do rito foi fundada em Santa Cruz do Sul, no Rio Grande do Sul, a 22 de maro de 1880, tambm sob a jurisdio do Grande Oriente Unido. Era a LESSING LODGE, que, ao ser incorporada ao GOB, em 1883, recebeu o nmero 395. Abateu colunas nos primeiros anos do sculo XX. Nessa ocasio, em 1880, o maom brasileiro, contra-almirante Arthur Silveira da Motta, depois baro de Jaceguai, j desenvolvia, na Inglaterra, entendimentos para um tratado com a Grande Loja Unida da Inglaterra. Em 1881, com a morte do Gro-Mestre, visconde do Rio Branco, em 1880, foram realizadas novas eleies para a administrao do Grande Oriente do Brasil, de 27 de junho a 4 de julho, sendo eleitos o conselheiro Joo Alfredo Corra de Oliveira, como Gro- Mestre, e Silveira da Motta, como Adjunto. Como Joo Alfredo no assumiu o cargo, devido s suas viagens, Silveira da Motta, foi empossado, a 29 de setembro, permanecendo como Gro-Mestre interino at 5 de maio de 1882, cabendo-lhe, nessa posio, assinar o Tratado de dezembro de 1881, entre o Grande Oriente do Brasil e a Grande Loja Unida da Inglaterra. Depois disso, era fundada a primeira Loja do rito no Oriente do Poder Central, no Rio de Janeiro : a EUREKA LODGE n 440, a 22 de dezembro de 1891. Esta foi fundada, realmente, no Grande Oriente do Brasil e receberia o nmero 3 do Grande Captulo de York. A partir da, foram fundadas mais as seguintes: DUKE OF CLARENCE LODGE n 443, em Salvador (BA), a 10 de outubro de 1892. Ela foi transferida para o Rio de Janeiro, em 1963, aparentemente por falta de maons ingleses em Salvador, embora tenha, na poca de sua fundao, contado com um quadro de 23 fundadores, dos quais 22 eram ingleses e s um, brasileiro. MORRO VELHO LODGE n 648, fundada a 20 de maro de 1899, em Nova Lima (MG). LODGE OF UNITY n 792, fundada a 22 de setembro de 1902, em S. Paulo (SP). ST. GEORGES LODGE n 817, fundada a 30 de julho de 1904, em Recife (PE). LODGE OF WANDERERS n 856, fundada a 5 de setembro de 1907, em Santos (SP). EDWARD VII LODGE n 903, fundada a 10 de novembro de 1911, em Belm do Par. Esta Loja foi fundada para poder completar sete Lojas do rito, com que pudesse ser instalado o Grande Captulo, o que ocorreria em dezembro de 1913. Essa Loja, contudo, em 1922, solicitava licena para mudar para o Rito Escocs Antigo e Aceito, tendo sido atendida no ano seguinte, quando abateu colunas. A fundao desse Grande Captulo, atravs do Decreto n 478, de 1 de dezembro de 1913, do Gro-Mestre Lauro Sodr, cumprindo resoluo de 21 de novembro, da Assemblia Geral, era o corolrio do Tratado assinado entre o Grande Oriente do Brasil e a Grande Loja Unida da Inglaterra, a 21 de dezembro de 1912. J havia, nessa poca, certo descontentamento dos maons de origem inglesa, residentes no Brasil, os quais pretendiam ter Lojas do rito, que trabalhassem segundo a orientao litrgica da Grande Loja Unida da Inglaterra. Diante das splicas desses obreiros, o Gro Mestre da GLUI, o CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 2
  • 57. duque de Connaught, enviou uma misso ao Brasil, cujo objetivo era, se possvel, obter o consentimento do Grande Oriente, para o estabelecimento de uma Grande Loja Distrital, colocada sob a Constituio inglesa; e, caso isso no fosse possvel, que fosse, pelo menos, achada uma maneira de satisfazer aos anseios dos suplicantes. O Tratado, assinado, pelo lado do Grande Oriente do Brasil, por Sodr e pelo seu Grande Secretrio Geral, cap. Pedro Muniz, e, pelo lado da GLUI, por lord Athlumney, F.H. Chevallier Boutell, H. Passmore Edwards, P. Tindal Robertson e J.J. Keevil, previa que o Grande Captulo seria a autoridade suprema, em matria litrgica, para todas as Lojas de York, existentes no Brasil, e que, da em diante, todas as Lojas do rito, fundadas no Brasil, s poderiam funcionar com autorizao do Grande Captulo. Posteriormente, seriam criadas mais as seguintes Lojas: CAMPOS SALLES LODGE n 966, fundada a 12 de fevereiro de 1921, em So Paulo (SP). Essa Loja comeou a funcionar no Rito Moderno, passando, logo em seguida, para o ainda incipiente Rito Brasileiro --- que iria desaparecer em 1940, sendo reativado em 1968 --- e adotando o York, em 1923. LODGE OF FRIENDSHIP n 975, fundada a 20 de maio de 1922, em Niteri (RJ). CENTENARY LODGE n 986, fundada a 7 de setembro de 1922, em So Paulo (SP). ROYAL EDWARD LODGE n 1.096, fundada a 30 de maio de 1932, no Rio de Janeiro (RJ). Alm dessas Lojas do rito, existiram outras, mas com menor importncia, porque duraram pouco tempo, ou porque mudaram de rito. Esse o caso de: VESPER, a primeira do rito a ser fundada no Grande Oriente Unido de Saldanha Marinho, a 30 de novembro de 1872. Em 1879, ela fez fuso com a Loja MYSTERIO, mas j havia adotado o Rito Moderno, desde 1874, quando foi reerguida, depois de ter ficado adormecida, em 1873. EUREKA CENTRAL, , fundada no Rio de Janeiro, a 21 de junho de 1902. Teve, como um dos fundadores, Mrio Behring (que viria a provocar a ciso de 1927, criando as Grandes Lojas estaduais brasileiras), trabalhava em portugus e abateu colunas em 1904. BRANCA DIAS, fundada na Paraba, a 10 de janeiro de 1918. Quinze dias antes de receber sua Carta Constitutiva de 15 de abril de 1918, todavia, adotara o Rito Adonhiramita. Tendo o n 942, no Registro Geral das Lojas do Grande Oriente do Brasil, a Loja, em agosto de 1927, tornou-se dissidente do GOB, para fundar a Grande Loja da Paraba, na qual tomou o n 1, enquanto as outras duas fundadoras, REGENERAO CAMPINENSE e PADRE AZEVEDO, recebiam, respectivamente, os nmeros 2 e 3 ocasio em que passou para o Rito Escocs Antigo e Aceito. Nessa poca, a Loja passou para Rito Escocs Antigo e Aceito. BRASIL, fundada a 26 de setembro de 1918, no Rio de Janeiro , e regularizada a 4 de maro de 1920, sob o n 953. A 10 de junho de 1924, depois de ter ficado um ano paralisada, teve a sua Carta cassada pelo Grande Captulo. Quando da assinatura do Tratado de 6 de maio de 1935, de Aliana Fraternal entre o Grande Oriente do Brasil e a Grande Loja Unida da Inglaterra, as dez Lojas do Rito, ento existentes, foram abordadas, juntamente com o Grande Captulo, nos artigos 5 e 6, que previam a criao da Grande Loja Distrital, jurisdio Norte, no territrio brasileiro, nos seguintes termos: Artigo V Considerando-se o desejo expresso pelos maons britanicos de lhes ser permitido exercerem as suas actividades subordinadas UNITED GRAND LODGE OF ENGLAND, e considerando que o GRANDE ORIENTE DO BRASIL se encontra disposto a aceder ao seu desejo, este ultimo, pelo presente, declara que CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 3
  • 58. independentemente do disposto no artigo 64 da sua Constituio, em contrario, d a sua anuencia ao estabelecimento no Brasil de uma Grande Loja Districtal sob Carta Patente ou Autorisao da UNITED GRAND LODGE, qual ficaro directamente subordinadas as seguintes Lojas: EUREKA Rio de Janeiro DUKE OF CLARENCE Bahia MORROVELHO Minas Geraes UNITY S. Paulo ST GEORGE Pernambuco WANDERERS S. Paulo FRIENDSHIP Rio de Janeiro CENTENARY S. Paulo CAMPOS SALLES S. Paulo ROYAL EDWARD Rio de Janeiro e as disposies deste artigo aplicar-se-ho a todas as Lojas que futuramente forem autorizadas pela UNITED GRAND LODGE OF ENGLAND no territrio do Brasil, subordinadas referida Grande Loja Districtal. Fica pelo presente convencionado que a autorisao ora outorgada abranger os trs Gros da Antiga Maonaria, a saber, os de Aprendiz, Companheiro e Mestre, juntamente com a Ordem Suprema do Holy Royal Arch, tornando-se tambem extensiva autorisao de Capituloa do Royal Arch a serem anexados s Lojas, que presentemente ou futuramente exercerem as suas actividades sob a direco da Grande Loja Districtal, que ser administrada de conformidade com a pratica em vigor, de accordo com a Jurusdico Inglesa. Artigo VI Em consequencia do disposto no artigo precedente, fica convencionado entre as Altas Partes Contractantes, que em virtude de no ser mais necessaria a existencia do Grande Capitulo do Rito de York no Brasil, este uma vez formada e estabelecida a Grande Loja Districtal cessar as suas actividades e seus livros, documentos e bens sero entregues referida Grande Loja Districtal, executando-se o Livro de Actas em idioma portugues, que ser entregue ao GRANDE ORIENTE DO BRASIL. Simultaneamente, as Lojas mencionadas no artigo precedente passaro automaticamente para a jurisdico da UNITED GRAND LODGE OF ENGLAND, sob a direco da Grande Loja Districtal, retendo todos os seus livros, documentos e bens. Esse tratado era assinado, por parte do Grande Oriente do Brasil, pelo Gro-Mestre, general Jos Maria Moreira Guimares, e pelo Grande Secretrio Geral, major Ezequiel Medeiros, e, por parte da UGLE, por Peter Swanson e Reginald Arthur Brooking. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 4
  • 59. CopyMarket.com Ttulo: Do P dos Arquivos Todos os direitos reservados. Autor: Jos Castellani Nenhuma parte desta publicao poder ser Editora: CopyMarket.com, 2000 reproduzida sem a autorizao da Editora. Jornais Manicos da Independncia Jos Castellani O primeiro jornal a circular no Brasil, embora feito fora dele, foi o Correio Braziliense, ou Armazm Literrio, publicado, a partir de 1808, pelo maom Hiplito Jos da Costa Pereira Furtado de Mendona, cognominado "o Patriarca da Imprensa Brasileira". O Correio Braziliense no foi apenas o primeiro rgo da imprensa brasileira, mas, principalmente, o mais completo veculo de informao e anlise da situao poltica e social de Portugal e do Brasil, poca, com a defesa de uma verdadeira reforma de base para o nosso pas, batendo-se pela necessidade de construo de uma rede de estradas, pela utilizao de matrias-primas na fabricao de manufaturas, propiciando a formao e a expanso do mercado interno, pela abolio da escravatura, pela transferncia da capital para o interior e pela adoo de uma poltica imigratria que aproveitasse, de preferncia, artesos e tcnicos. A publicao do jornal s seria interrompida em 1823, com a morte de Hiplito. Todavia, a imprensa brasileira mesmo, feita no pas, s teve incio aps a vinda da famlia real portuguesa para o Brasil, com a criao da Imprensa Rgia, instalada no Palcio do Conde da Barca, em maio de 1808, de onde, poucos meses depois, sairia o primeiro nmero da Gazeta do Rio de Janeiro, dirigida pelo frei Tibrcio Jos da Rocha e cujos exemplares eram vendidos a oitenta ris. Ese jornal circularia at 31 de dezembro de 1822. Durante o perodo da campanha da independncia, iriam surgir muitos jornais, alguns dos quais teriam vida bastante efmera. Entre eles, podem ser citados: O Macaco Brasileiro, rgo do partido antibrasileiro e contrrio independncia, dirigido por Manoel Zuzarte e Pedro da Silva Porto. Partindo de um ttulo, que j era um insulto aos brasileiros, o virulento jornal no respeitava nem os familiares dos mais destacados brasileiros da poca. D. Periquito da Serra do rgos, jornal de cunho nacionalista, que lutava pela independncia e defendia os brasileiros dos ataques do O Macaco Brasileiro. Semanrio Mercantil, rgo das classes conservadoras, o qual se destacava pela sobriedade e seriedade, sendo, publicamente, bastante respeitado. A Malagueta, cujo ttulo j mostrava que o seu tom era de crtica violentssima e em linguagem desabrida. Reclamao do Brasil, dirigido por Jos da Silva Lisboa (visconde de Cayru) e que no se envolvia nas tricas polticas, preferindo tratar de assuntos sociais e dos negcios intrenacionais. Alm desse, todavia, existiam os jornais dirigidos por maons proeminentes e que, mesmo no sendo rgos oficiais de nenhum grupo manico, refletiam as idias de seus dirigentes e expunham rivalidades entre as faces manicas, interessadas na independncia. A maior parte deles acabou tendo vida efmera, no s por esgotamento de suas finalidades, mas, principalmente, em conseqncia de atos de fora, frutos da instabilidade poltica dos primeiros anos do Imprio. Podem ser destacados, porm, os seguintes: O Revrbero Constitucional Fluminense, dirigido e redigido por Joaquim Gonalves Ledo e pelo cnego Janurio da Cunha Barbosa, o qual duraria exatamente treze messe --- de 11 de setembro de 1821 a 8 de outubro de 1822 --- e que, em suas pginas (que no possuiam colunas, como os jornais posteriores), espelhava as contundentes idias da emancipao poltica, muitas vezes de maneira radical, contribuindo, assim, para a formao dos sentimento de independncia. Como no CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 1
  • 60. poderia deixar de ser, diante das rivalidades polticas, que j eram bem deterioradas, nos meses imediatamente anteriores independncia, entre os dois grupos do Grande Oriente, o Revrbero no perdia ocasio para atacar o ministro Jos Bonifcio, que detinha, em suas mos, praticamente, o verdadeiro poder. O jornal publicava extratos de jornais de Londres, Paris e Lisboa, alm de transcrever, frequentemente, tpicos do Correio Braziliense, de Hiplito; divulgava, tambm, resumos de trabalhos e despachos da Corte, mas o seu mote, na realidade, era representado pelos candentes artigos pela campanha da independncia. Impresso nas oficinas de Moreira & Garcez, iria acabar desaparecendo, quando os seus dois lderes deixaram o pas, um exilado e o outro fugido, durante os acontecimentos de outubro e novembro de 1822. O Regulador Braslico-Luso, depois O Regulador Brasileiro, surgido a 29 de julho de 1822, lutava, tambm, pela independncia, mas entrando em luta com o Revrbero, na defesa de Jos Bonifcio. Era impresso na Tipografia Nacional e redigido pelo frei Francisco de Santa Tereza de Jesus Sampaio, que, devido veiculao de suas idias, foi inquirido, no Grande Oriente, pelo grupo de Ledo, e sofreu ameaas de sanes, como se pode ver nas atas da 14a. e 15a. sesses do Grande Oriente, realizadas a 9 e a 12 de setembro, resepctivamente. O Regulador tambm teve participao fundamental na campanha emancipadora, lutando por uma monarquia constitucional, dentro de uma comunidade braslico-lusa --- o que acabou acontecendo --- em oposio s idias do Rvrbero, as quais eram de um rompimento total com Lisboa. O Tamoyo, dirigido por Jos Bonifcio e por Vasconcellos Drummond, deputado e maom --- emissrio da Maonaria nas provncias da Bahia e de Pernambuco --- era um jornal de feies mais modernas, com colunas e melhor paginao. Foi fechado, violentamente, em 1823, por ocasio do fechamento da Assemblia Constituinte, quando os seus redatores foram presos e exilados, porque o jornal mostrava idias prprias, que no agradavam ndole absolutista do imperador. O Constitucional, redigido pelos maons Jos Joaquim da Rocha --- um dos lderes do episdio do "Fico" --- e padre Belchior Pinheiro de Oliveira, era chamado, pelo povo, de "jornal dos mineiros". Tambm teve vida curta, pois, surgido em 1821 e desaparecido em 1822, teve apenas 35 nmeros, tendo se sobressado, todavia, como um campeo das liberdades ptrias, de acordo com as idias de seus dois redatores. *** CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 2
  • 61. CopyMarket.com Ttulo: Do P dos Arquivos Todos os direitos reservados. Autor: Jos Castellani Nenhuma parte desta publicao poder ser Editora: CopyMarket.com, 2000 reproduzida sem a autorizao da Editora. Conjurados Endividados Jos Castellani Seria extremamente gratificante, para o pesquisador, se sempre pudesse afirmar que uma determinada rebelio contra poderes discricionrios foi feita, exclusivamente, em nome de objetivos altrusticos e libertrios. A Histria, todavia, vive de fatos e no de arroubos de autores tendenciosos. E o historiador deve ser inflexivelmente imparcial e honesto. Em nome dessa imparcialidade e dessa honestidade, no se pode negar que o movimento conhecido como Inconfidncia Mineira, ou Conjurao Mineira foi movido, tambm, por interesses pessoais de seus principais prceres, afogados em dvidas, as quais, se vitoriosa fosse a rebelio, no precisariam ser pagas. Dessa relao exclui-se, evidentemente, o precursor Jos Joaquim da Maia ("Vendek"), que, alm de movido por interesses totalmente libertrios, morreu em Lisboa, em 1788, sem ter podido retornar ao Brasil. Todos os homens que se reuniram na casa do tenente-coronel Francisco de Paula Freire de Andrade, em dezembro de 1788, quando foi coordenada a estratgia ampla do movimento rebelde, ou seja: lvares Maciel, o padre Rolim, o Tiradentes, Alvarenga Peixoto, o padre Carlos Correia e o anfitrio, tinham algum tipo de interesse pessoal em jogo. O pai de Maciel, capito-mr de Vila Rica, tornara-se grande devedor da Fazenda Real, pois tinha sido o caixa de contratos de entradas, arrematados, entre 1751 e 1761, por Jos Ferreira da Veiga, respondendo, pelas grandes dvidas atrasadas, com os seus bens mveis e imveis. Com as ordens do ministro Martinho de Mello e Castro, referentes aos contratos arrematados e sua cobrana, Maciel, que era completamente dependente do pai, corria o risco de perder todo o seu patrimnio. Freire de Andrade, que era filho ilegtimo do segundo conde de Bobadela --- irmo deste, o primeiro conde (1685-1763) governou o pas cerca de trinta anos --- era casado com Isabel de Oliveira Maciel, irm de lvares Maciel, e tambm seria afetado bastante, se o sogro perdesse os seus bens. Alm disso, os Drages, que ele comandava, foram acusados, por Martinho de Mello e Castro, de serem parcialmente responsveis pelo estado calamitoso em que se encontrava a Fazenda, em Minas, graas s suas extorses e assaltos armados. Alvarenga Peixoto estava profundamente endividado e era bastante crtica a sua situao, em 1788, com o fracasso das onerosas instalaes hidrulicas de suas lavras aurferas. Tomara emprstimos, que no poderia pagar nunca e acabara chegando a uma situao de desespero, quando se uniu aos conjurados. O padre Jos da Silva de Oliveira Rolim, filho do principal tesoureiro de diamantes, era conhecido fraudador, envolvido no escndalo do contrabando de diamantes, que era feito com a conivncia dos Drages (comandados por Freire de Andrade) e, provavelmente, tambm com a da magistratura. Apesar de traficante de escravos e de diamantes, tinha grande prestgio no Distrito Diamantino, onde praticava a agiotagem. Tendo sido banido da Capitania, por suas atividades ilcitas, solicitou a revogao de sua expulso e no foi atendido, o que o levou a se unir aos conspiradores, ainda mais porque se sentia lesado em suas "rendas". O padre Carlos Correia de Toledo e Mello era um grande latifundirio, com muitos escravos trabalhando na lavoura e na minerao. Constava no relatrio de Martinho de Mello e Castro como um dos tpicos vigrios de parquia, os quais, sob o pretexto de direitos paroquiais, oprimiam e extorquiam o povo, com excessivas contribuies; e Correia sempre estava procura de novas rendas. No estava endividado, mas as providncias da Coroa eram lesivas aos seus no muito legtimos interesses financeiros. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 1
  • 62. Joaquim Jos da Silva Xavier, o Tiradentes, representava um caso diferente do de seus companheiros, que eram todos abonados, embora, em sua maioria, ilegalmente. No tinha posses e, embora possusse uma cultura acima da mdia, tinha uma atividade profissional considerada secundria. Tendo perdido suas propriedades por dvidas e depois de tentar, sem sucesso, o comrcio varejista, ingressou nos Drages, como alferes, o posto mais baixo, em 1755, no tendo progredido em posto e nem em remunerao, at poca em que se uniu aos revoltosos. O fato de ter sido vrias vezes preterido, nas promoes da carreira, fizeram com que ele se tornasse um revoltado, queixando-se sempre de que s eram promovidos os que tinham parentes influentes no meio poltico-financeiro. Na Sesso de Manuscritos da Biblioteca Nacional, constam vrios recibos de pagamentos de soldo, firmados pelo Tiradentes, mostrando que ele ganhava 24$000 (vinte e quatro mil ris) mensais --- os recibos trimestrais eram de 72$000 --- enquanto um coronel, que era a mais alta graduao da tropa, recebia 80$000 mensais. No se conhece o motivo pelo qual ele jamais passou do posto de alferes. Talvez tenha tido influncia o fato dele ser mazombo, ou seja, filho de portugus, nascido no Brasil, com idias de liberdade (o termo foi usado por autores tendenciosos, como Tenrio dAlbuquerque, como se fosse sinnimo de maom), quando o Conselho Ultramarino comeava a recear a ascenso de mazombos ao comando da tropa regular. E Silva Xavier, que desejava conseguir o prestgio e a riqueza de que desfrutavam seus companheiros, j tentara se associar aos ricos contratantes- mercadores imigrantes, tendo relacionamento com muitos deles, como o notrio Domingos de Abreu Vieira, e recebendo pagamentos de Rodrigues de Macedo e de Silvrio dos Reis, a quem tinha como um amigo pessoal. Esses eram os principais, os ativistas, por trs dos quais existiam homens respeitveis, como o ex-ouvidor Toms Antnio Gonzaga --- o verdadeiro chefe intelectual do movimento --- o poeta hipocondraco Cludio Manoel da Costa e o humanista e historiador, cnego Lus Vieira da Silva. A misso desses homens era a de elaborar as leis e organizar a constituio do Estado independente, tentando armar uma justificativa ideolgica para a ruptura dos vnculos com a metrpole portuguesa. No possuam os mesmos interesses que animavam muitos dos ativistas; eles eram os idelogos. J no terceiro escalo surgiam, novamente, os grandes interesses financeiros, da parte de homens que ficavam na sombra, pouco arriscando, no caso de um fracasso do movimento. Nesse grupo estavam os contratantes portugueses Domingos de Abreu Vieira, Joo Rodrigues de Macedo e Joaquim Silvrio dos Reis, entre outros. Abreu Vieira era intimamente ligado a muitos conjurados, como o padre Rolim, o Tiradentes --- a quem protegia --- e Cludio Manoel da Costa, que era seu advogado nas questes legais referentes aos contratos de dzimos. Macedo e Silvrio eram grandes devedores da Fazenda Real: a dvida do primeiro era oito vezes superior ao seu ativo financeiro. Esse era o grupo que maior influncia exercia no levante, apesar de atuar, geralmente, apenas na retaguarda. Eram os magnatas aproveitando-se de uma situao, para alcanar os seus objetivos pessoais, sob a capa de um levante popular. Pouco, portanto, havia de desprendimento e de objetivos altrusticos e libertrios. Esta uma verdade histrica. Fontes de pesquisa: Documentais: Autos da Devassa da inconfidncia Mineira -- volumes I, II e IV -- Edio do Ministrio da Educao -- 1936-1938 Seo de Manuscritos da Biblioteca Nacional Bibliogrficas: GRIECO, Donatello - Histria Sincera da Inconfidncia Mineira - Rio de Janeiro - 1990 MAXWELL, Kenneth - A Devassa da Devassa (do original ingls: Conflicts and Conspiracies: Brazil & Portugal 1750-1808) - Rio de Janeiro - 3a.edio - 1985 TORRES, Lus Wanderley - Tiradentes, a spera estrada para a Liberdade - So Paulo - 2a. edio - 1977. *** CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 2
  • 63. CopyMarket.com Ttulo: Do P dos Arquivos Todos os direitos reservados. Autor: Jos Castellani Nenhuma parte desta publicao poder ser Editora: CopyMarket.com, 2000 reproduzida sem a autorizao da Editora. O Dnamo da Independncia Jos Castellani Compiladores tendenciosos costumam dizer que Joaquim Gonalves Ledo, a 15 de setembro de 1822, na Loja "Comrcio e Artes", props, a D. Pedro, a ida de emissrios a todas as Provncias do pas, para dispor os nimos aclamao do imperador, enquanto Jos Bonifcio nada fazia. Isso , realmente, uma calnia inominvel, s desculpvel em quem desconhece a Histria, pois Jos Bonifcio j havia feito isso, muito tempo antes, quando o grupo de Ledo limitava-se a deitar bravatas. Empossado nos cargos de ministro do Reino e de Estrangeiros, em janeiro de 1822, Bonifcio logo conquistou, para a causa emancipadora, os representantes da ustria e da Inglaterra. Fez mais: ordenou, ao Chanceler-Mor --- cargo que corresponde, hoje, ao de ministro da Justia --- que no publicasse lei alguma, vinda de Portugal, sem primeiro submet-la a apreciao do prncipe; nomeou um cnsul brasileiro para Londres, declarando, ao Gabinete ingls, que s tal funcionrio poderia, ento, liberar navios que se destinassem ao Brasil; enviou emissrios s Provncias do norte, a fim de congreg-los para a causa da independncia, avisando que teriam que se sujeitar regncia de D. Pedro e no s ordens que recebessem de Lisboa. E, isso, muito antes de 15 de setembro. As Provncias do norte estavam ao lado das Cortes portuguesas e executando o decreto 124, de 29 de setembro de 1821; e isso ocorria, principalmente, no Maranh, o que fez com que Jos Bonifcio, em ofcio Junta de Governo daquela Provncia, dissesse, ironicamente, que no era de se esperar que o Maranho tivesse "a aparente e fastigiosa idia de ser considerada provncia daquele reino (Portugal)". O Brasil, quela altura dos acontecimentos, no podia continuar fragmentado e Jos Bonifcio estava enfrentando a tarefa herclea de reunir as Provncias, unindo o pas em torno de uma idia poltica, que era a monarquia constitucional parlamentar. No dizer de Tito Lvio Ferreira e Manoel Rodrigues Ferreira, "sob esse ponto de vista, ele , legitimamente, o campeo da unidade do Brasil"1. Esse o conceito emitido por dois verdadeiros pesquisadores, que foram os que mais levantaram documentos sobre a independncia do Brasil, e no de compiladores afoitos, sem base histrica. Jos Bonifcio tambm aliciou conspiradores em Pernambuco, no Maranho, no Rio Grande do Norte, na Bahia e no Par, para que se rebelassem, na hora exata, contra a metrpole que o ludibriara, traindo o acordo do Reino Unido de Portugal e do Brasil; em junho de 1822, reorganizou o errio, por intermdio de seu irmo, Martim Francisco, e, em julho, formou um novo Exrcito, contratando, para a obra de construo da Marinha de Guerra, o marujo e aventureiro lord Cochrane. Autores tendenciosos, todavia, pretendendo minimizar essa obra, dizem que, a 24 de setembro, quando ningum se preocupava com a defesa do Brasil, Ledo angariava fundos, para fortalecer a Armada. Ora, Bonifcio, constriu a Armada, em julho. Alm disso, como verdadeiro dnamo, ele induziu o prncipe a conquistar a simpatia das populaes de Minas e de So Paulo, forando-o a viajar, pois, dizia ele, "o Brasil no o Rio de Janeiro". Quando os decretos vindos de Portugal anulavam, sumariamente, todos os atos da regncia, ele, habilmente aliado a D. Leopoldina, escreve a D. Pedro, jurando que, de Portugal, o humilham: "De Portugal no temos a esperar seno escravido e horrores. Venha V.A. Real o quanto antes e decida-se; porque irresolues e medidas de gua morna, vista desse inimigo que no nos poupa, para nada servem --- e um momento perdido uma desgraa". Com isso, instigava o prncipe a se rebelar, combatendo as suas hesitaes e desnimos. 1 In "A Maonaria na Independncia Brasileira", Jos Castellani - Biblos - S. Paulo - 1972 CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 1
  • 64. Tambm, comporvadamente, os acontecimentos de 7 de setembro foram premeditados e consuzidos por Jos Bonifcio. Em suas "Memrias", Antnio de Menezes Vasconcellos Drummond, emissrio da Maonaria nas Provncias de Pernambuco e da Bahia, de onde regressara no final de agosto de 1822, diz o seguinte: "Jos Bonifcio havia tambem, naquele dia, ou na vspera, recebido novas de Lisboa; e juntas, estas com aquelas que eu trazia, julgava conveniente acabar com os paliativos e proclamar a independncia Fosse essa a causa isolada ou cumulativa com os seus desejos de ser a independencia proclamada na sua provncia, o caso que ele desde logo entendeu que se no devia adiar para mais tarde esse ato. O prncipe j estava em So Paulo e se a ocasio no fosse aproveitada, quem sabe se outra se poderia proporcionar to cedo. Despediu-me e ordenou que eu me achasse s 11 horas da manh no pao de So Cristvo, mas que lhe entregasse, antes, todos os papis que eu trazia e para o que me esperava at s 9 horas. s 8 horas eu j estava com ele, entreguei os papis... s 11 horas me achei no pao de So Cristvo. Jos Bonifcio j l estava. Havia Conselho. Beijei a mo princesa. No Conselho decidiu-se de se proclamar a independncia. Enquanto o Conselho trabalhava, j Paulo Bregaro estava na varanda, pronto a partir em toda diligncia, para levar os despachos ao prncipe regente. Jos Bonifcio, ao sair, lhe disse: --- Se no arrebentar uma dzia de cavalos no caminho, nunca mais ser correio; veja o que faz. No sei se Bregaro arrebentou muitos cavalos; o que sei que ele deu boa conta de sua comisso e que fez a viagem em menos tempo do que at ento se fazia muito pressa". (na ortigrafia atual; os grifos so meus) Os documentos levados pelo correio Paulo Bregaro e que proporcionaram os acontecimentos da colina do Ipiranga, eram: carta de D. Joo ao seu filho, carta da princesa, crata de Chamberlain (agente secreto do prncipe), instrues das Cortes, exigindo o regresso imediato do prncipe e a priso e processo de Jos Bonifcio, e uma carta do prprio Bonifcio, cujo teor era o seguinte: "Senhor, as Cortes ordenaram minha priso, por minha obedincia a Vossa Alteza. E, no seu dio imenso de perseguio, atingiram tambm aquele que se preza em o servir com a lealdade a dedicao do mais fiel amigo e sdito. O momento no comporta mais delongas ou condescendncias. A revoluo j est preparada para o dia de sua partida. Se parte, temos a revoluo do Brasil contra Portugal, e Portugal, atualmente, no tem recursos para subjugar um levante, que preparado ocultamente, para no dizer quase visivelmente. Se fica, tem, Vossa Alteza, contra si, o povo de Portugal, a vingana das Cortes, que direi?! at a deserdao, que dizem j estar combinada. Ministro fiel que arrisquei tudo por minha Ptria e pelo meu Prncipe, servo obedientssimo do Senhor D. Joo VI, que as Cortes tm na mais detestvel coao, eu, como Ministro, aconselho a Vossa Alteza que fique e faa do Brasil um reino feliz, separado de Portugal, que hoje escravo das Cortes despticas. Senhor, ningum mais do que sua esposa deseja sua felicidade e ela lhe diz em carta, que com esta ser entregue, que Vossa Alteza deve ficar e fazer a felicidade do povo brasileiro, que o deseja como seu soberano, sem ligaes e obedincias s despticas Cortes portuguesas, que querem a escravido do Brasil e a humilhao do seu adorado Prncipe Regente. Fique, o que todos pedem ao Magnnimo Prncipe, que Vossa Alteza, para orgulho e felicidade do Brasil. E, se no ficar, correro rios de sangue, nesta grande e nobre terra, to querida do seu Real Pai, que j no governa em Portugal, pela opresso das Cortes ; nesta terra que tanto estima Vossa Alteza e a quem tanto Vossa Alteza estima ---- Jos Bonifcio de Andrada e Silva".(na ortografia atual; os grifos so meus). O mandado de priso, expedido pelas Cortes de Lisboa, contra Jos Bonifcio, mostra bem, na realidade, quem era o verdadeiro artfice da independncia, o inimigo das Cortes, o crebro do movimento emancipador. Por que as iras das Cortes s se voltaram contra ele? Simplesmente porque outros eram peas menores, no grande xadrez poltico da independncia. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 2
  • 65. CopyMarket.com Ttulo: Do P dos Arquivos Todos os direitos reservados. Autor: Jos Castellani Nenhuma parte desta publicao poder ser Editora: CopyMarket.com, 2000 reproduzida sem a autorizao da Editora. A Doutrina do Rito Moderno Jos Castellani A doutrina do Rito Moderno, evidentemente, , em sua maior parte, idntica doutrina manica comum a todos os ritos. Os princpios fundamentais dessa doutrina, so: 1. Respeito aos direitos individuais dos maons: 2. Respeito autonomia das Lojas; 3. Efetiva contribuio, atravs da doutrinao, ao aperfeioamento das instituies sociais e polticas; 4. Contribuio, atravs de influncia moral, tendente a eliminar as lutas de classes e as discriminaes raciais; 5. Colaborao no estudo e soluo dos problemas nacionais; 6. Contribuio no campo da assistncia social, atravs do amparo infncia e velhice, alm da luta pela erradicao do analfabetismo; 7. Luta constante pela integridade da Ptria; 8. Defesa intransigente das democracias liberais; 9. Defesa da liberdade de conscincia; 10. Eqidistncia de todos os extremismos; 11. Condenao dos mtodos de opresso e de escravido, alm da pregao da fraternidade entre todos os homens livres; 12. Condenao do arbtrio pessoal e total respeito Justia, dentro da magna trilogia, Liberdade, Igualdade e Fraternidade. Esses princpios so comuns a todos os ritos. O Rito Moderno, todavia, inscreve mais uma importante idia doutrinria, que a seguinte: A Maonaria reconhece a total liberdade de investigao da verdade, dentro do esprito crtico e do raciocnio cientfico; representa, tambm, a garantia das franquias religiosas, de acordo com o princpio de que as concepes de ordem metafsica so de foro ntimo, pertencendo, portanto, ao domnio da conscincia individual. de acordo com esse princpio que o Rito Moderno, respeitando a liberdade de crena de cada maom, no preconiza invocaes, preces e a imposio de um definido padro religioso. Assim, j na iniciao, o candidato luz manica no presta juramento, mas, sim, um compromisso de honra, como homem livre, respondendo "Eu prometo", s seguintes perguntas do Venervel Mestre: "Sobre esse esquadro, emblema da retido e do Direito, prometeis trabalhar com zelo e constncia na obra da Maonaria"? "Prometeis procurar espalhar a verdade"? "Prometeis auxiliar os fracos, fazer justia a todos e ser dedicado famlia e Ptria, alm de digno para convosco"? "Prometeis amar aos vossos Irmos, observar, fielmente, a lei manica e nada revelar do que, em segredo, vos for revelado"? CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 1
  • 66. Ao responder, efetivando seu compromisso, o candidato, de p, coloca a mo direita sobre o esquadro, que se acha sobre o Tringulo da Sabedoria. Ainda sobre a doutrina do Rito Moderno, pode-se citar a preleo que o Venervel Mestre faz ao nefito, aps a iniciao, a qual encerra a maneira como a Maonaria Modernista encara o ritual inicitico: "Meu Irmo, as provas de vossa iniciao so muito diferentes das que, outrora, eram usadas e que ainda o so, em outros ritos. A iniciao manica, que, nos primrdios da Maonaria Especulativa, era uma cerimnia muito simples, tornou-se bastante complexa, a partir dos fins do sculo XVIII, atravs da adoo de certas prticas de fundo mstico, que muitos achavam que eram originrias das sociedades iniciticas do Egito Antigo. Nessas provas, procurava-se demonstrar a coragem do candidato e elas eram realmente terrveis. O candidato apresentava-se seminu e passava pela purificao, atravs dos quatro elementos da Antigidade: ar, gua, fogo e terra. Muitas vezes ele era introduzido no templo deitado num esquife, para simbolizar a morte fsica, outras vezes, ele devia passar atravs de um diafragma de papel, simbolizando a passagem a uma nova existncia. No templo, o candidato ouvia rudos de tempestade, gritos, gemidos, tinir de espadas e choques de objetos, era precipitado de um lugar elevado, sendo amparado na queda. Era, ainda, obrigado a beber um clice de uma bebida amarga, tinha suas mos mergulhadas na gua e passava pelo meio das chamas. Solicitavam-lhe que se submetesse aplicao de um ferro em brasa, sendo-lhe exigida, tambm, uma obrigao escrita e assinada com o seu prprio sangue. Muitas vezes, outras provas, bem mais aterrorizantes, eram exigidas do candidato. No ser, pois, motivo de admirao, se encontrardes prticas semelhantes a essas. No devereis, portanto, vos perturbardes, sabendo que o progresso lento e que a evoluo humana muito complexa". Esta alocuo mostra, simplesmente, que a Maonaria Modernista, dentro de um esprito evolutivo, adaptvel a todas as pocas, no v razo para admitir o candidato em seminudez e nem submet-lo a provas que podem deix-lo sob grande tenso emocional, pois, nessas condies, ele no ter a suficiente tranqilidade para demonstrar, atravs de suas respostas, se tem o discernimento e o preparo mental necessrios para ser um bom maom. CopyMarket.com Do P dos Arquivos Jos Castellani 2