lorine sanches vieira oab/sp n. 352 2018-11-30آ  lorine sanches vieira oab/sp n. 352.844 rua...

Download LORINE SANCHES VIEIRA OAB/SP n. 352 2018-11-30آ  LORINE SANCHES VIEIRA OAB/SP n. 352.844 Rua Araguari,

If you can't read please download the document

Post on 08-Jul-2020

0 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • LORINE SANCHES VIEIRA OAB/SP n. 352.844

    Rua Araguari, 358, sala 1403, Barro Preto, Belo Horizonte, CEP 30190-110, (31) 4042-2228 Rua Princesa Isabel, 2000, Campo Belo, São Paulo, CEP 04601-003, (11) 3042-0039

    Rua Juiz de Fora, 554, São Francisco, Canço Grande, CEP 79118-240

    Exmo. Senhor Presidente do Tribunal de Ética e Disciplinar da Ordem dos Advogados - Seccional do Tocantins

    LORINE SANCHES VIEIRA, advogada já qualificada no cabeçalho, vem, perante V. Exa., apresentar CONSULTA RELATIVA ÀS REGRAS DE IMPEDIMENTO E COMPATIBILIDADE DECORRENTE DA ATUAÇÃO DE ADVOGADOS COMO ÁRBITROS EM ARBITRAGENS, o que faz pelos fundamentos abaixo alinhados.

    1. A Consulente atua em conjunto, em vários processos, em vários Estados do Brasil, com juristas que são pareceristas e Árbitros; assim como está escrevendo um artigo juridico sobre os impedimentos decorrentes da atuação de advogados como árbitros, peritos em arbitragens e Expert Witnesses.

    2. Um recente julgado da 2a. Câmara Reservada de Direito Empresarial do TJESP (doc. 1) julgou ser absolutamente nulo todo um processo, pelo advogado que representou uma das partes (visando anular um contrato) ter participado como advogado da parte adversa, na formatação do mesmo contrato; e há precedentes culminando de nulidade processos onde o advogado tenha atuado em defesa de interesses antagônicos1.

    3. Logo, a violação ao atual artigo 212+3 do Código de Ética ganhou força, conforme esse recente precedente, para anular todos os atos praticados em infração a tal comando,

    1 "A atuação de advogado que patrocina sim ultânea ou sucessivam ente interesses antagônicos tom a nulo o fe ito não apenas sob o ãnguk) do direito do litigante ao devido processo legal, mas sobretudo do prism a do Estado, que estipula os requisitos necessários à cometa prestação ju ris d id o n a /' (TJMG - AC n. 21.627, rei Des. Maurício Delgado, j. em 07/02/84). 2 Art 21 do Novo Código de Ética-Ao advogado cumpre abster-se de patrocinar causa contrária à validade ou legitim idade de ato jurídico em cuia form ação haia colaborado ou intervindo de qualquer maneira; da mesma forma, deve decünar seu impedimento ético quando tenha sido convidado peta outra parte, se esta lhe houver revelado segredos ou obtido seu parecer. 3 Art, 33 da le i 8.906/94 Art. 33. 0 advogado obriga-se a cumprir rigorosamente os deveres consignados no Código de Ética e Disciplina. Parágrafo único. 0 Código de Ética e Disciplina regula os deveres do advogado para com a comunidade, o cliente, o outro profissional e, ainda, a publicidade, a recusa do patrocinio, o dever de assistência jurídica, o dever geral de urbanidade e os respectivos procedimentos disciplinares.

    LIORINE SANCHES VIEIRA; 89 0659051

    SANCHES VTÜRAJWO6590 512D DaA*:2017.10-02 i2-j«c46 orar

    I O lb, 10/20! i !•;, ,5.00 BH I

    2 / ÜuUO 2 0 1 7 0 0 4 9 7 7 -3

  • em especial por se tratar de um precedente da Câmara de Direito Empresarial, que julga demandas de valor expressivo e todos os litígios decorrentes de arbitragens societárias.

    4. 0 risco de ver processos inteiros extintos por violação ao art. 21 do CEDOAB, fez surgir imensa preocupação em se saber o espectro das incompatibilidades e dos impedimentos; em especial porque, em uma arbitragem, é muito comum que um Árbitro (membro de um escritório de advocacia com possiveis centenas de outros advogados) aceite a função (e pela lei, ao aceitar o encargo4, já se tornou Juiz de fato e de Direito, com sua equiparação a funcionário público para fins penais5) e depois renuncie, bem como que Árbitros 2 participem somente no julgamento de incidentes, como os Comitês Especiais de Remoção (que julgam as suspeições).

    5. Em pesquisas em pareceres, se encontrou precedentes de que (i) um ex-Delegado não pode patrocinar vitimas ou acusados em inquéritos policiais direta ou indiretamente por ele instaurados ou presididos6; ( i i ) é vedado praticar qualquer ato contra a validade de ato jurídico que tenha c o la b o r a d o, orientado ou c o n h ecid o i n c l u s i v e em c o n s u lt a 7, mesmo após o tr a n s c u r s o de d o is a n o s8; e ( i i i ) oa Membros das Comissões Disciplinares não podem dar sequer parecer

    4 Art. 19. Considera-se instituída a arbitragem quando aceita a nomeação peto árbitro, se for único, ou por todos, se forem vários. 5 Art. 17. Os árbitros, quando no exercício de suas funções ou em razão delas, ficam equiparados aos funcionários públicos, para os efeitos da legislação penal. Art. 1 8 .0 árbitro é juiz de fato e de direito, e a sentença que proferir não fica sujeita a recurso ou a homologação peto Poder Judiciário. 6 ADVOGADO EX-DELEGADO DE POLÍCIA Dever de abster-se de patrocínio a vítimas ou acusados em causas oriundas direta ou indiretamente de inquéritos polidais por ele instaurados ou presididos. Inteligência do art. 31 da Lei no 8 906/94 e incisos I e II da seção T e T da seção II, todas do Código de Ética Profissional. Proc. E-1.136 - V.U. Relator Dr. Pauto Afonso Lucas - Revisor Dr José Urbano Prates - Presidente Dr. Modesto Carvalhosa. 7 PATROCÍNIO - EX-ADVOGADO DE FAZENDA PÚBLICA MUNICIPAL - IMPEDIMENTO ÉTICO PARA INTERPOR EMBARGOS EM EXECUTIVO FISCAL QUE PATROCINOU. Advogado que prestou serviços à Fazenda Pública Municipal está eticamente impedido de interpor embargos em executivo fiscal que patrocinou. A infração ética se funda no fato de que 0 advogado deve abster-se de patrocinar causa contra à ética, à moral ou à validade de ato jurídico que tenha colaborado, orientado ou conhecido em consulta (art. 20 do CED), bem como 0 respeito ao sigilo profissional (art. 25 do CED). O impedimento deve perdurar etemamente, não sendo aplicado à espécie 0 lapso temporal de dois anos. Precedente E-263Q/2002. Proc. E-2.981/2004 - v.u., em 17/06/2004, do parecer e ementa do Rei. Dr. GUILHERME FLORINDO FIGUEIREDO - Rev. Dr. FÁBIO KALIL VILELA LEITE - Presidente Dr. JQÂO TEIXEIRA GRANDE. « EXERCÍCIO DA ADVOCACIA - PATROCÍNIO CONTRA EX-CUENTE OU EX-EMPREGADOR - IMPEDIMENTO ÉTICO POR DOIS ANOS. Obrigatoriedade de, mesmo após 0 biênio, serem resguardados 0 segredo profissional e as informações reservadas a que tenha tido acesso, bem como abster-se de postular contra a validade de ato juririco em que tenha colaborado (arts. 19, 20, 25, 26 e 27 do CED). Precedentes deste Tribunal - E.3.032/04, 2903/04, 2702/03, 2403/01 etc. Proc. E-3.534/2007 - v.u., em 18/10/2007, do parecer e ementa da Rei*. Dr*. MARY GRÜN - Rev. Dr. ZANON DE PAULA SARROS - Presidente Dr. CARLOS ROBERTO F. MATEUCCI.

    INELORINE SANCHES VlElpA:89 0659051 2 0

    I 1 Asunidodr forma por IORNE SANCHES V*IRA*0O659OS 120 D adas: 2017.10.02 122632-OCOO

  • para quem esteja respondendo processo a a Comissões Disciplinaras ou Tri-bunai

    •ADVOCACIA NOS TRIBUNAIS E COMISSÕES DE ÉTICA E DISCIPUNA POR DIRETORES DA SUBSEÇÃO - MEMBROS DAS PRÓPRIAS COMISSÕES DISCIPLINARES - MEMBROS DE COMISSÃO DE ÉTICA E DISCIPLINA DAS SUBSEÇÕES - IMPOSSIBILIDADE.

    Constitui infração ótica e por essa razão devem abster-se de advogar e dar pareceres para quem esteia respondendo processo disciplinar perante essas Comissões Disciplinares ou Tribunais de Etica. uma vez que essa prática induz conclusão de influência indevida, vedação prevista no artigo 2o, inciso VIII le tra (a) do CED e, consoante determ inação contida no Provim ento N° 138/2009 - Conselho Federal da Ordem Dos Advogados do Brasil e Recomendação da Corregedoria Geral do TribunaI de Ética e D isciplina da Seccional de São Paulo ' (E-4.682/2016 - v.u, em 22/09/2016, do parecer e ementa do Rei. Dr. JOÃO LUIZ LOPES - Rev. Dr. FÁBIO GUIMARÃES CORRÊA MEYER - Presidente Dr. PEDRO PAULO WENDEL GASPARINI.)

    5. Ocorre que não há, em todos os pareceres encontrados, uma orientação dos critérios de impedimento relacionados à atuação de advogados (e seus escritórios) em Arbitragens.

    6. Encontrou-se consultas esclarecendo os limites dos impedimentos dos advogados que atuaram como conciliador ou mediador, onde se entende que estão impedidos de atuar ou envolver-se com as partes e causas em que tenham exercido aquela função, bem como perante o Juizado no qual atue9 ou mesmo na vara10 onde atuem como conciliadores ou mediadores.

    9 INCOMPATIBILIDADE E IMPEDIMENTO - CONSULTA EM TESE E NÃO PEDIDO DE INSCRIÇÃO - COMPETÊNCIA DA TURMA DEONTOLÓGICA - CONHECIMENTO - CONCILIADOR/MEDIADOR PERANTE OS JUIZADOS ESPECIAIS - MERO IMPEDIMENTO E NÃO INCOMPATIBILIDADE - TÉCNICO DO INSS - AUSÊNCIA DE ELEMENTOS SOBRE A FUNÇÃO - NÃO CONHECIMENTO. Em se tratando de consulta em tese, que pode ter consequências no campo ético, e não de pedido de inscrição propriamente dito, tem o TED I competência para analisar questões de incompatibilidade e impedimento, até mesmo nos termos da Deliberação 001/2016 da própria Comissão de Seleção e Inscrição e de Uniformização de Jurisprudência recente. O condiiador/mediador. que é advogado, está impedimento de atuar ou envolver-se com as partes e causas em que tenha exercido aguda função, bem como perante o Juizado Especial no qual atue. Quanto aos eventuais impedimentos ou incompatibilidades relativos ao cargo de técnico do INSS, não se conhece da consulta, à míngua de elementos para verificação da efetiva função. Precedentes da Primeira Turma: E-4-625/2016, E -3.153/2005 e E-4.536/2015. Proc. E-4.598/2016 - v.u., em 19/05/2016, do parecer e ementa elaborados em conjunto pelos Julgadores Dr. FÁBIO DE SOUZA RAMACCIOTTI e Dr. FABK) KAUL