log rev e sustentabilidade importanteeeee

Download Log Rev e Sustentabilidade Importanteeeee

Post on 30-Jul-2015

29 views

Category:

Documents

3 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Logstica Reversa e Sustentabilidade: Conceitos e CasesFernando Augusto Silva Marins DPD - Departamento de Produo FEG - Faculdade de Engenharia - Campus de Guaratinguet UNESP - Universidade Estadual Paulistawww.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br

SumrioConceitos Gerais: SCM, Logstica, Sustentabilidade Logstica Reversa Dificuldades de Implantao Modelos Quantitativos Cases Comentrios/Leituras recomendadas2

Linha do Tempo

Lealdade do Cliente

Agora :

CADEIA DE SUPRIMENTOS DA EMPRESA FOCAL

Cadeia de Suprimentos 1 versus Cadeia de Suprimentos 2 ...(Santos, 2008)

AFINAL...O QUE LOGSTICA?Processo de planejar, operar, controlar Fluxo e Armazenagem M-P, Produtos em Processo Produtos Acabados Informaes e Dinheiro

Do ponto de origem

Ao ponto de destino

de forma econmica eficiente e efetiva

satisfazendo as necessidades e preferncias dos clientes

Definio de SCM Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Abrange o planejamento e gerenciamento de todas as atividades envolvidas no sourcing & procurement, conversion e todas as atividades do Gerenciamento da Logstica. Inclui, tambm, coordenao e colaborao com os parceiros (fornecedores, intermedirios, 3PL, 4PL e clientes). SCM integra o gerenciamento da oferta e da demanda dentro e entre empresas. www.cscmp.org

Como ser o Supply Chain no Futuro? Um estudo para 2016 foi publicado pelo GCI Global Commerce Initiative & Consultoria Capgemini.http://www.futuresupplychain.com/downloads/

Apresenta um novo modelo integrado de SC, que leva em considerao novos parmetros*, aliados s atuais formas de gerenciamento e medio de desempenho (KPIs Disponibilidade de produto, Custos, Indicadores financeiros ROI). *Indicadores de Sustentabilidade: consumo de energia, emisses de gs carbnico, congestionamentos de trnsito, consumo de gua, comprometimento com a segurana, simplificao da infra-estrutura.Tecnologstica, 153 agosto/2008

Desenvolvimento sustentvel, segundo a Comisso Mundial de Ambiente e Desenvolvimento (WCED, 1987 Brundtland Report), o desenvolvimento que atende s necessidades do presente sem comprometer a habilidade de as geraes futuras atenderem suas prprias necessidades. Triple Bottom Line (3BL) representa algo como tripla linha de baixo dos demonstrativos financeiros: avaliaes de desempenho organizacional quanto aos trs Ps - Pessoas, Profit (Lucro) e Planeta, crescentemente adotado por empresas que lideram este movimento(Correa, 2010)

SUSTENTABILIDADE NA CADEIA DE SUPRIMENTOS3BL TRIPLE BOTTOM LINE Vivel Equitativa Tolervel

Santos (2010)

Sustentvel

Environmental Footprint Rastro ou Pegada Ambiental de uma cadeia de suprimentos a conseqncia causada ao meioambiente por fluxos materiais (slidos, lquidos e gasosos) e energticos que deixam o sistema definido por ela.

(Correa, 2010)

Fluxos diretos, reversos e pegada ambientalSistema definido pela cadeia de suprimentosEmisses e efluentesReparos

Meio- ambiente

Devolues Matrias primas

Devolues

Reuso Uso

Fabricao

Distribuio / VarejoReciclagem/ reutilizao Reciclagem/ reutilizao

Descarte

Processamento

Coleta & Triagem

Emisses e efluentes Meio- ambiente (Correa, 2010)

http://research.aberdeen.com/1/toolkit/csco-toolkit.html

The Sustainable Supply Chain Discover how Best-in-Class organizations:Had a 12% reduction in emissions versus 17% increase in emissions for Laggard companies; Had a 13% reduction in energy consumption versus 13% increase in energy consumption for Laggard companies; Overachieved their energy consumption goals by 17% versus missing the energy consumption goals by 15% for Laggard companies; Overachieved operating margin goals by12% versus missing the energy consumption goals by 2.5% for Laggard companies; Are two times more likely than Laggards to incorporate sustainability into all supply chain management (SCM) processes.http://research.aberdeen.com/1/toolkit/csco-toolkit.html

Closed-loop Supply Chains (Cadeias de Suprimentos de ciclo fechado) Cadeias compostas de fluxos diretos e reversos formando ciclos que fazem materiais usados retornarem a pontos anteriores da rede para re-utilizao ou reprocessamento para nova utilizao.

(Correa, 2010)

Tipos de Ciclos FechadosCiclos fechados na fase de produo Materiais produtivos obsoletos e consumveis: leo lubrificante usado em processos, paletes e contineres de transporte interno em fim de vida til, entre outros; Refugo de produo; Produtos defeituosos - no atendem aos padres de qualidade. Ciclos fechados na fase de distribuio Devolues ou retornos comerciais - produtos vendidos com uma opo de devoluo ao cliente; Entregas erradas - clientes devolvendo produtos porque foram entregues muito cedo, muito tarde, com defeito ou fora das especificaes do pedido; Recalls - com produtos devolvidos quando defeitos reais ou potenciais so identificados pelo prprio fabricante e os clientes so solicitados a devolverem os produtos defeituosos para reposio ou reparo; Contineres de distribuio - como cartuchos de tinta para impressora, garrafas retornveis de bebidas, entre outros, que so itens usados para facilitar a distribuio adequada dos produtos; Produtos em final de leasing - devolvidos ao fabricante.(Correa, 2010)

Tipos de Ciclos Fechados (continuao)Ciclos fechados na fase de uso Itens que devero retornar aos seus prprios donos ao final do ciclo - itens que sofrem recall ou itens sob garantia, que so devolvidos, reparados e mandados de volta ao usurio.

Ciclos fechados na fase de final de vida econmica Produtos em final de vida til produtor ou distribuidor; enviados de volta ao

Embalagens em final de vida til - enviadas de volta para reutilizao ou reciclagem para uso como embalagem ou outros produtos.

(Correa, 2010)

Aspectos gerenciais das Closed-loop SC

Motivao empresarial (por que fechar o ciclo?)Lucro (custos) Pessoas (Procon) Ecologia (PNRS - Poltica Nacional de Resduos Slidos Lei 12.305/2010)

(Correa, 2010)

Aspectos tcnicos das Closed-loop SC - Critrios para aceitar devoluo - Definio: sem uso ou boas condies - O que fazer: limpar, reembalar, reparar, - Tipo de transporte (evitar contaminao do produto bom) - Armazenagem - Exigncias legais e tcnicas(Correa, 2010)

Aspectos operacionais das Closed-loops SC Perda e recuperao de valor em devolues comerciais Causas evitveis de devolues comerciaisDefeitos ou danos no produto (hardware ou software) Cliente com informaes insuficientes a respeito da especificao tcnica e desempenho do produto Cliente com informao insuficiente sobre como fazer a instalao do produto Cliente com informao insuficiente sobre o uso do produto

Perda de devolvidos.

valor

no

tempo

de

produtos

(Correa, 2010)

Perda de valor em cadeias reversas retornos comerciais(agregar os custos referentes aos fluxos reversos)20% intactos (re-estocagem) Valor recuperado $190 15% viram refugo Valor recuperado $0 Perda no valor do ativo> 45%

Fluxo de devolues Valor original $1.000

10% em boas condies (retoques) Valor recuperado $75

45% danificados (remanufatura) Valor recuperado $250 (Correa, 2010)

10% irrecuperveis (recuperao de componentes) Valor recuperado $20

Perda de valor no tempo produtos devolvidos

Produto novo

Devoluo Demora de reestocagem Custos devidos a remanufatura

Taxa mais baixa (curva menos inclinada) ou mais alta (mais inclinada) de perda de valor no tempo

$ Custo da demora Volta a prateleira

Valor do produto

Demora de remanufatura

$ Remanufatura Va lo Custo da man r depo i demora ufa tura s da re -

Lanamento

Descontinuao do produto

Tempo

(Correa, 2010)

Configurao Logstica de Cadeias Reversas

Centralizao e Descentralizao: Agilidade x EficinciaOpo Re-uso direto Retoque/ re-embalagem Reparo leve Reparo com troca de mdulos Re-manufatura Canibalizao Refugo Operao subseqente Re-estocagem direta Limpeza, re-fechamento Restaurao do produto para ficar funcional novamente, troca ou conserto de componentes Troca de mdulos inteiros, possivelmente por verses mais avanadas ou melhoradas Manufatura de produto novo a partir do produto devolvido Alguns componentes e mdulos re-utilizados em outros produtos, outros refugados Destruio, seleo, reciclagem, disposio(Correa, 2010)

Quando usar Cadeias Reversas Centralizadas ou Decentralizadas?Cadeia reversa eficienteProdutos com baixa taxa de perda de valor no tempo

Cadeia reversa de resposta rpida

Adequado Inadequado

Inadequado AdequadoProduto devolvido Re-uso Retoque

Rede de resposta rpidaRe-uso/ Retoque Reparo leve Unidade de Teste e triagem detalhada Reparo com troca

Produtos com alta taxa de perda de valor no tempo

Rede eficiente

Refugo

.

Produto devolvido

Unidade de teste e triagem centralizada

Canibalizao

.Refugo

Teste e triagem preliminar descentralizados

(Correa, 2010)

Modelo de SCM do GSCF Global Supply Chain Forum

Elementos e decises chave do SCM

http://fisher.osu.edu/centers/scm

Modelo de SCM do Global Supply Chain ForumIntegrando e Gerenciando Processos na Cadeia de SuprimentosFluxo de InformaoFornecedor Nvel 2 Fornecedor Nvel 1 Fabricante Consumidor/ Usurio

Processos de Negcio da Cadeia de Suprimentos

Compras Produo

Logstica

Marketing & Vendas Finanas

Cliente

FLUXO DO PRODUTOR&D

GERENCIAMENTO DO RELACIONAMENTO COM CLIENTES GERENCIAMENTO DO SERVIO A CLIENTES GERENCIAMENTO DA DEMANDA ATENDIMENTO DE PEDIDOS GERENCIAMENTO DO FLUXO DE PRODUO GERENCIA