linha esgoto - krona.com.br ?· a nbr 8160 orienta que o fecho hídrico deve ter, no mínimo 5cm...

Download LINHA ESGOTO - krona.com.br ?· A NBR 8160 orienta que o fecho hídrico deve ter, no mínimo 5cm de…

Post on 22-Dec-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

LINHA ESGOTOCATLOGO TCNICO

2 3

CONSUMO DE ADESIVO E SOLUO PREPARADORAOs tubos e conexes podem ser unidos por adesivo plstico ou por anis de borracha. A nica exceo o DN 40, que instalado apenas por mtodo de soldagem. Para o clculo de consumo dos materiais, considera-se que os produtos sero aplicados em todas as juntas, ou seja, em cada uma das extremidades dos tubos e conexes.

Medir a profundidade da bolsa da conexo ou da bolsa do tubo e marc-la na extremidade do tubo.

Alojar o anel de vedao na virola da bolsa da conexo ou na virola da bolsa de outro tubo.

Introduzir a ponta do tubo na bolsa da conexo ou na bolsa de outro tubo recuando-a 5mm para que no haja problema de dilatao.

PASSO 1

PASSO 2

PASSO 3

FUNOSistema composto por tubos e conexes para coletar e transportar o esgoto sanitrio a um destino apropriado.

NORMA TCNICAOs tubos e conexes para esgoto da linha srie normal da Krona so fabricados conforme norma ABNT NBR 5688 Sistemas prediais de gua pluvial, esgoto sanitrio eventilao Requisitos. Procedimentos de instalaesconforme norma ABNT NBR 8160 Sistemas prediais deesgoto sanitrio Projeto e Execuo.

CARACTERSTICAS TCNICASOs tubos e conexes de esgoto srie normal da Krona so fabricados em PVC (Cloreto de Polivinila), na cor branca, nas opes DN (dimetro nominal) DN 40, DN 50, DN 75, DN 100, DN 150 e DN 200 com opes em juntas soldveis e elsticas. Projetados para escoamento em regime no continuo temperatura mxima de trabalho de 45 C. Os tubos e conexes para esgoto sanitrio e ventilao dividem-se em dois tipos:A) Esgoto secundrio (DN 40), com bolsa soldvel. Neste caso a execuo idntica execuo de junta soldvel. B) Esgoto primrio (DN 50, DN 75, DN 100, DN 150 e DN 200), com bolsa contendo dupla atuao (junta mista). Na instalao envolvendo esgoto primrio recomendada a utilizao de junta elstica.Importante:

A) A temperatura mxima recomendada em regime de uso no contnuo nas instalaes prediais de esgoto de 45C.B) O fecho hdrico a altura de coluna lquida existente em dispositivos como caixa sifonada, sifo de copo e bacia sanitria que impedem a passagem de gases do esgoto primrio para o esgoto secundrio ou para o ambiente. C) A ventilao existente em uma instalao de esgoto obrigatria e fundamental, pois impede a quebra do fecho hdrico evitando a presena de mau cheiro.D) Deve-se utilizar pasta lubrificante para a execuo de junta elstica, sendo uma mistura de leos vegetais de Ph neutro.E) recomendada a utilizao de isolantes trmicos sempre que existir exposio da instalao aos raios solares.

EXECUO DA JUNTA ELSTICACortar o tubo no esquadro, realizar chanfro no mesmo e limpar as superfcies com estopa, ponta de tubo e bolsa daconexo ou bolsa de outro tubo, com cuidado especial na virola da bolsa onde ir se alojar o anel de borracha.

A Krona dispe de uma linha completa de tubose conexes para instalaes de esgoto, gua fria e gua quente, ampla linha de acessrios para a construo civil, assim como extenso portflio de linha eltrica.A cada ano, a Krona investe em novos produtose amplia sua linha, oferecendo sempre soluescompletas para projetos residenciais, industriaise comerciais.Hoje, somos uma das maiores do Brasil no segmento de tubos e conexes, e a qualidade dos nossos produtos est mais do que comprovada. Conhea os nossos produtos e veja que quando voc questiona, a resposta sempre Krona!

4 5

CATLOGO TCNICO LINHA ESGOTOSrie normal

Todos os aparelhos sanitrios devem ser protegidos pordesconectores que podem atender um aparelho ou a umconjunto de aparelhos.A caixa sifonada um dos mais importantes dispositivos dofecho hdrico. provida de desconector, destinada a receberefluentes da instalao secundria de esgoto. Pode aindarecolher guas da limpeza de pisos atravs de sua grelhasuperior.Porm, no basta apenas instalar dispositivos com desconectores na instalao. Alguns fenmenos comprometem o bom funcionamento dos mesmos, sendo assim, deve-se instalar um sistema de ventilao eficiente como um segundo dispositivo de segurana contra o retorno dos odores nos ambientes habitveis.

Gases do coletorpblico. Instalao

primria.

Corte Caixa Sinfonada

Corte do Sinfo

Sada

Sada

Ventilao

Gases

Gases

GasesFecho hdrico quebloqueia a passagem

dos gases.

Fecho Hdrico

Fecho Hdrico

Fecho HdricoPrimriaPrimria

Entrada

Entrada

Entrada

VENTILAOUm dos aspectos mais importantes na instalao predial de esgoto, e pouco praticada em pequenas instalaes, a ventilao. Ela fundamental para: Garantir a manuteno dos fechos hdricos dos desconectores; Permitir a sada dos gases para a atmosfera; Garantir que a presso interna dos tubos seja igual presso atmosfrica, mantendo o escoamento livre.

Sistema de ventilao o conjunto de tubulaes ou dispositivos destinados a encaminhar os gases para a atmosfera e evitar que os mesmos se encaminhem para os ambientes sanitrios, bem como proteger o fecho hdrico dos desconectores, no caso de eventual presso negativa na tubulao.Pode ser dividido em ventilao primria e secundria.A ventilao primria proporcionada pelo ar que escoa pelo ncleo do tubo de queda, o qual prolongado at a atmosfera.Poder haver apenas ventilao primria, se for suficiente para atender aos critrios da NBR 8160. Caso no seja suficiente, dever ser prevista tambm ventilao secundria.A ventilao secundria proporcionada pelo ar que escoa pelo interior de ramais, barriletes e colunas de ventilao, sendo estas tambm prolongadas at a atmosfera ou ligadas parte superior do tubo de queda, interligando-se ventilao primria. Tambm podem ser usados dispositivos de admisso de ar, devidamente posicionados no sistema.

SISTEMA PREDIAL DE ESGOTOO sistema composto por tubos, conexes e dispositivos para coletar e transportar o esgoto sanitrio, garantindo o encaminhamento dos gases para a atmosfera e a conduodos despejos provenientes do uso adequado dos aparelhossanitrios a um destino apropriado.O sistema divide-se em:

INSTALAO PRIMRIA OU ESGOTO PRIMRIO(DN 50; DN 75; DN 100; DN 150 E DN 200) a que tem acesso aos gases provenientes do coletor pblico ou particular, ou seja, ela est antes do fecho hdrico.

INSTALAO SECUNDRIA OU ESGOTOSECUNDRIO (DN 40) a que no tem acesso aos gases, pois est protegida pelo fecho hdrico.

CRITRIOS DE FABRICAODN Dimetro nominal, comercial, adimensional.No considerado uma unidade de medida.

A linha esgoto comercializada em DN:

INSTALAO DO RAMAL DE DESCARGA o sistema que coleta o esgoto diretamente dos aparelhossanitrios. Localizado na instalao secundria, pois est protegida pelo fecho hdrico.

INSTALAO DO RAMAL DE ESGOTOSistema que recebe os efluentes dos ramais de descarga ou de um desconector. Este est localizado na instalao primria.

FECHO HDRICOO fecho hdrico um sifo que veda a passagem dos gases.As peas que contm esta camada lquida so chamadas desconectores.O fecho hdrico impede que os gases do coletor pblico ou fossa sptica retornem para os ambientes provocando odores;A NBR 8160 orienta que o fecho hdrico deve ter, no mnimo 5cm de altura e a sada do desconector deve ter dimetro igual ou superior ao ramal de esgoto primrio a ele conectado. O fecho hdrico uma coluna de gua que veda a passagem dos gases.

Some a quantidade de juntas existentes no projeto, separando as peas por dimetros. Consulte a tabela de quantidade de material necessrio para realizar a soldagem.

Juntas soldveis: Adesivo Plstico + Soluo Preparadora;Juntas elsticas: Pasta Lubrificante.

DN

405075

100150

Adesivo Plstico (grama/junta)

4,26,214,220,826,0

Soluo Preparadora(cm/junta)

4,26,214,220,826,0

PastaLubrificante

-10152335

ramal de descarga

ramal de descarga ramal de esgoto

ramal de descarga

DN 40 = de 40,0mm - SEC

DN 50 = de 50,7mm - PR

DN 75 = de 75,5mm - PR

DN 100 = de 101,6mm - PR

DN 150 = de 150,0mm - PR

DN 200 = de 200,0mm - PR

6 7

CATLOGO TCNICO LINHA ESGOTOSrie normal

TUBULAES ENTERRADASProteger a instalao com laje para impedir a ao dosesforos sobre a tubulao sujeita carga de rodas.

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO COLETIVOSo as estaes de tratamento de esgoto. O esgoto passa por processos para remoo de resduos, remoo da matria orgnica e desinfeco com cloro e devolve os efluentes natureza sem prejuzos ao meio ambiente.

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO INDIVIDUALOcorre nos casos em que no existe uma rede pblica de coleta e tratamento de esgoto.

2% para dimetro nominal igual ou inferior a DN 75;1% para dimetro nominal igual ou superior a DN 100;A declividade mxima recomendada pela norma de 5%.

Passagemcom folga Tubo de

PVC

CUIDADOS ESPECIAIS E PRECAUES Recomenda-se observar no projeto a acessibilidade da instalao para reparos e manutenes.

TUBULAES EMBUTIDAS EM CONCRETO Recomenda-se permitir a movimentao da tubulao atravs de camisas, deixando uma folga entre a tubulao e a construo para a dilatao.

Para longos trechos de tubulao enterrada, recomenda-sea instalao no alinhada.

NIVELAMENTO DA TUBULAOO sistema de esgoto trabalha por gravidade. Portanto, devehaver declividade nas instalaes.

Regularize o fundo com areia;A base de assentamento deve ser uniforme e livre de materiais pontiagudos;Preencha a vala lateralmente com areia ou material granular, cobrindo o tubo e compactando manualmente o material de preenchimento em camadas de 10 a 15 cm;

Laje de concreto

Tubo de PVC

Areia

Tubo de PVC

DN + 30cm

Areia

Terra

COLETOR PREDIAL Trecho final da tubulao que conduz o esgoto at a rede pblica de

Recommended

View more >