linha azul 15/07/2016

Download Linha Azul 15/07/2016

Post on 05-Aug-2016

220 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Jornal O Estado (Ceará)

TRANSCRIPT

  • 4C M Y K

    Capa de O Estado de 15 de julho

    de 1944

    Meu

    filh

    o, n

    o se

    esqu

    ea d

    a min

    ha le

    i, m

    as g

    uard

    e no

    cora

    o

    os m

    eus m

    anda

    men

    tos,

    (Pro

    vrb

    io 3

    :1)

    PG. 4

    JORNALO ESTADO

    Fortaleza, Cear, sexta-feira, 15 de julho de 2016

  • C M Y K

    VariedadesIan Gomes

    ian.gomes2008@gmail.com

    cabeas de coluns no LINHA AZUL _ IAN GOMES.indd 1 11/2/2015 09:35:32

    Toque SocialMatusahila Santiago

    matushilasantiago@hotmail.com

    colunAs no LINHA AZUL _ MATU.indd 1 11/2/2015 09:37:36

    Toque SocialMatusahila Santiago

    matushilasantiago@hotmail.com

    colunAs no LINHA AZUL _ MATU.indd 1 11/2/2015 09:37:36

    Toque SocialMatusahila Santiago

    matushilasantiago@hotmail.com

    colunAs no LINHA AZUL _ MATU.indd 1 11/2/2015 09:37:36

    Toque SocialMatusahila Santiago

    matushilasantiago@hotmail.com

    colunAs no LINHA AZUL _ MATU.indd 1 11/2/2015 09:37:36

  • C M Y K

    3 Fortaleza, Cear, sexta-feira,

    15 de julho de 2016 3

    Que o amor e a fidelidade jamais o abandonem; prenda-os ao redor do seu pescoo, escreva-os na tbua do seu corao. (Provrbios 3:3)

    Solange PalhanoNOTAS solangepalhano@oestadoce.com.br

    Produto raro

    Hoje o Dia do Homem, iniciativa da Ordem Nacional dos Escritores. Desde de 1992, este dia comemo-rado no Brasil. Embora seja uma data pouco divulgada, no se compara com o Dia da Mulher. Parece at gozao o motivo da criao , lutar pelos direitos masculinos. Tento imaginar quais so os direitos que eles reinvidicam e s veio um na minha cabea, solicitao Da guarda de filhos, que so casos raros em uma separao. Mas, fazendo uma pesquisa com alguns pessoas do sexo masculi-no, deparei com pedidos que me surpreenderam.

    1) Ter o direito de no ser obrigado de ir fazer sexo com uma mulher se ela convidar e no ser chamado de gay.

    2) Ter o direito de ser fiel, a mulherada respei-tar quem tem compromisso.

    3) Queria ter direito ao carto bolsa sexo. Ao ser apresentado s parceiras, elas no poderiam usu-fruir de desculpas, como dor de cabea e cansao.

    4) Direito de ir e vir sem dar satisfao a nin-gum.

    5) Ser sustentando por uma mulher sem sofrer preconceitos.

    6) Licena paternidade com o mesmo pero-do para as mulheres.

    7) Um dos co-fundadores, Edson Marques, pretende que se altere o nome para Dia + Noite do Homem Livre.

    8) Ser liberado para sair com os amigos para o futebol sem escutar reclamaes.

    9) Inverter os papis: A mulher ir para rua, trabalhar e ele ficar em casa, cuidando dos filhos.

    Acho que o produto homem est em falta e se a mulherada no fizer o que eles querem, vo terminar sozinhas.

    Equipamento de baixo custo para tratamento de gua

    O professor Jos Capelo Neto, do Departamento de Engenharia Hidrulica e Ambiental da Univer-sidade Federal do Cear, criou um mtodo de tratamento de gua, de baixo custo, que ir favo-recer as comunidades rurais, de at 20 famlias. A iniciativa conta com o apoio da Fundao Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Cientfico e Tecnol-gico (Funcap). Para a execuo da pesquisa, filtros de presso de piscinas de baixo custo foram com-prados e conectados em srie visando promover o tratamento da gua de audes ou lagoas. Resultados preliminares indicam que o equipamento deve ser eficiente em referncia qualidade da gua tratada e ao baixo uso dela para lavagem e manuteno.

    Queda nas aes do condomnioCom a mudanas do novo Cdigo Civil, em relao

    a pagamento de condminios, as aes de cobrana de condomnios caram 89% em junho, comparadas ao mesmo perodo do ano anterior. A inadimplncia nos aluguis continua muito alta e nmeros de aes crescem. Por falar em inadimplncia, quem est em situao difcil so as OABs de vrios estados brasilei-ros, como Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Cear e Santa Catarina. Mais de 50% de anuidades no esto sendo pagas pelos advogados.

    O empresrio Joo Carlos Paes Mendona, pre-sidente do Grupo JCPM recebeu, ontem, o Trofu Clvis Rolim, maior homenagem da Federao das Cmaras de Dirigentes Lojistas do Cear (FCDL-CE)

    A Loja Goa, que tem belas peas de Cingapura, ndia e Tahiti, est em promoo por tempo limitado. No percam!

    Pedro Henrique Izidio e Ana Carolina.jpg

    Denise Pontes, Tahip Beca e Solange Palhano

    Rafael Vilela e Laura Bandeira Vilela

    Paulinho Carvalho e Ana Carolina Palhano

    Aline Bezerra e Lorena Fernandes

    Solange Palhano, Glucia Andrade e Daniele

    Edson Nbrega, Adriano Alencar, Renato Loureno e Alysson Freitas

    Animao

    Ana com Jssica Lima e Lorena Fernandes

    Aniversrio da Ana Carolina

    Ana Carolina Palhano, Dbora Alencar, Natlia Dantas, Ana Clemilda Marques, Ivo Brown e Allisson Filizola

    Solange Palhano, Ana Carolina Palhano, Yara Braune Palhano, Raquel Dreher Palhano, Ricardo Baime Aline Brigido

    Nova idadeAna Carolina Palhano comemorou sua nova idade durante happy hour que aconteceu na animada Vila do Samba.

    FOTOS LISSANDRO SARRAZIN

  • C M Y K

    Joo Soares Neto escreve www.joaosoaresneto.com.br

    colunAs no LINHA AZUL _ joao soares neto.indd 1 11/2/2015 10:14:21

    Fortaleza, Cear, sexta-feira, 15 de julho de 20164

    Sou Joo, igual a meu av paterno, Soares. Esse nome vem de longe. Desde o sculo 12. Comeou com outro Joo Soares, esse de Pvia, nome de rio e lugarejo ao norte de Portugal. Esse Joo Soares foi poeta/trovador, consi-derado, por muitos, como o precursor da literatura galego-portuguesa. Pode-ria, tal meus irmos, ter sido Caminha, ou, como meus avs maternos, Sa-raiva e Monteiro. Em ver-dade, digo, o que importa no o nome, nem a sua origem. O que d sentido aos nomes o alvitre das nossas vidas, hoje. No o dos ancestrais.

    Esse pargrafo acima para falar da descendncia portuguesa, to humilhada nos ltimos tempos, pela migrao como alvio para o pequeno pas ibrico que, no sculo 16, tornou-se o grande descobridor, dono de novas terras e de novos caminhos para o mundo que saa da Idade Mdia.

    No comeo do sculo 20, tais quais nordestinos, portugueses passaram a migrar em busca de novas oportunidades. A Frana

    foi um desses destinos. Depois, nos anos 1940 e 1960, novas correntes migratrias inundaram os pases tidos como ricos na Europa Central. Entre eles, a Frana.

    Hoje, moram em Frana 600 mil portugue-ses genunos, quase todos ocupando funes subal-ternas como porteiros, pedreiros e empregados de hotel. Esses velhos ou quase velhos, 600 mil tm famlias, e delas surgiram filhos de portugueses que, juntos com os ascendentes, devem somar mais de um milho de pessoas. Entre elas, h importantes figuras polticas, empresrios bem-sucedidos e cientistas renomados.

    Domingo passado, no Estdio da Frana, em Saint Denis, completa-mente lotado, entre os 75 mil espectadores havia um bom espao povoado por portugueses, vindos de todas as partes da Europa. Decidia-se a Eurocopa, um bilionrio campeonato de futebol com transmisso simultnea para dezenas de pases.

    Portugal vinha de cam-

    panha nutrida de empates, vitria apenas em prorro-gao, e era candidato a vice, pois a valorosa equipe gaulesa, com todo o apoio dos seus torcedores, inclu-sive a presena de Franois Hollande, Presidente da Repblica. A Frana cantava de galo, o smbolo aposto em suas camisas azuis. Entoavam alto a Marselhesa, o seu hino de louvor ptria.

    Era noite de domin-go, 10 de julho de 2016. Despontavam, nas duas selees, descendentes de emigrados de antigas colnias africanas. Pois foi um desses, Eder, o heri da partida, homnimo do nosso boxeador der Jofre, exato aos 11 minutos, na segunda etapa da prorro-gao, quem ps a Fran-a em Knockout. Ele entrou, sado do banco de reservas, para a glria, essa volvel palavra e sensao que atrai vaida-des. Poderiam ser outros, pois, repito, em ambas as selees pululavam filhos de africanos.

    O fato : Portugal venceu. O futebol prega peas, iguala os diferen-

    tes em timos de talento, lampejos de fora e de descortino. Assim, de fora da rea, saiu o golo, na verso lusa, que daria o primeiro grande ttulo internacional a Portugal. A Frana j fora bafejada, vezes sem conta, pela volvel glria.

    A Famlia Real portuguesa, em 1808, com medo da Frana e de Napoleo fugiu para o Brasil. Agora, neste 2016, de forma pacata, mas varonil, Portugal demonstra, em Paris, de forma esportiva, a vez dos pequenos.

    Para o Senhor dos destinos, Cristiano Ronaldo foi liberado do jogo, ao se contundir. Bastavam os demais, no to famosos, mas brio-sos. Como diz estrofe do Hino Portugus: Le-vantai hoje de novo/ o esplendor de Portugal.

    Nota: Este artigo foi publicado no dia de ontem, quinta, 14 de julho de 2016, edio em papel do Pblico, de Lisboa, um dos mais bem referidos e lidos jornais de Portugal.

    Portugueses silenciam a Marselhesa (grafia correta)

    Ento voc ter o favor de Deus e dos homens, e boa reputao. (Provrbios 3:4)

    Jornal O Estado 80 anos

    A capa de O Estado de 15 de julho de 1944, traz em sua manchete principal Ocupada Pinsk, que tratou da ocupao da poderosa fortaleza. Trata tambm da conquista da cidade italiana de Pogginoni, pelas foras aliadas. As noticias dos correspondente militar declaravam que os russos penetraram por duas vezes a cidade de Grodno mas foram repelidos. Grodno como informa a matria, seria o ltimo baluarte alemo na estrada da Prussia Oriental. A capa da edio tambm traz um grande foto de alguns soldados das foras aliadas, logo aps o desembarque, destruindo minas explosivas espalhadas pelos alemes.

    jsn.oestado@hotmail.com

    Lanamento

    1 ano

    A fotgrafa Patrcia Veloso lanou na Livraria Cultura a 4 edio do livro Cear