l­ngua portuguesa 2 trimestre 3 ano e. m. prof. eduardo ...ngua portuguesa –...

Download L­ngua Portuguesa 2 trimestre 3 ano E. M. Prof. Eduardo ...ngua Portuguesa – 2 trimestre

Post on 27-Nov-2018

219 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Lngua Portuguesa 2 trimestre

    3 ano E. M. Prof. Eduardo Belmonte

  • A significao das palavras no fixa nem esttica. Por meio da imaginao do homem, os vocbulos podem ter seu significado ampliado, sabia?

  • Acompanhe atentamente a leitura da cano Entre a Serpente e a Estrela e observe a construo semntica do texto:

    https://www.youtube.com/watch?v=NaqDKEAAFtY

  • E ningum tem o mapa da alma da mulher

    Um grande amor do passado Se transforma em averso E os dois lado a lado Corroem o corao...

    No existe saudade mais cortante Que a de um grande amor ausente Dura feito diamante Corta a iluso da gente

    Mas o peito dormente Espera um bem querer

    Ningum sai com o corao sem sangrar Ao tentar revelar Um ser maravilhoso Entre a serpente e a estrela

  • SENTIDO FIGURADO: CONOTATIVO

    SENTIDO LITERAL: DENOTATIVO

  • Estuda a manipulao da linguagem como meio de exteriorizao de dados emotivos e estticos.

    Muito mais que significar, a estilstica explora as mltiplas possibilidades de sentido, principalmente implcitas, de um enunciado.

  • Quando os sons da fala se organizam no texto para transmitir sensaes e sugerir significados.

  • Vozes veladas, veludosas vozes Volpias dos violes, vozes veladas, Vagam nos velhos vrtices velozes

    Dos ventos, vivas, vs, vulcanizadas. CRUZ E SOUZA

  • E bamboleando em ronda danam bandos tortos e bambos

    de pirilampos GUILHERME DE ALMEIDA

  • O meu ganz faz "Chica Chica Boom Chic"

    Pra eu cantar "Chica Chica Boom Chic"

    Uma cano o "Chica Chica Boom Chic"

    meu corao faz "Chica Chica Boom Chic

    CARMEM MIRANDA

  • Tentativa de reproduzir linguisticamente um som ou rudo do mundo natural.

  • Se a gente, em um texto, repetir em sequncia o mesmo prefixo ou sufixo, por exemplo, saca?

  • A fim de obter efeitos sutis de significao, a sintaxe uma fonte inesgotvel de explorao de recursos expressivos.

  • A SNDETO

    sem conjuno

    COORDENAO DE TERMOS SEM UTILIZAO DE CONETIVO: Era o fim de maio de 1939, a noite tinha sido como quase todas as

    outras: mame sacudira seu punho de ferro; papai havia sado; Liesel limpara a porta da frente, observara o cu da Rua Himmel.

  • POLI SNDETO

    muitas conjunes

    REPETIO DO CONETIVO NA COORDENAO ENTRE AS ORAES: O amor que a exala E a pede E a chama E a implora.

  • Quando ocorre inverso dos termos da orao em um enunciado.

    Das minhas coisas cuido eu.

    Professor j no sou.

  • Repetio de uma ou mais palavras de ligao para enfatizar uma ideia, no incio de um perodo.

    A Estrela Vi uma estrela to alta, Vi uma estrela to fria! Vi uma estrela luzindo Na minha vida vazia. Era uma estrela to alta! Era uma estrela to fria! Era uma estrela sozinha Luzindo no fim do dia. [...]

    MANUEL BANDEIRA

  • Ao redor, bons pastos, boa gente, terra boa para se plantar.

    (OMISSO DE HAVIA)

    A corrupo um problema que assola o pas. Portanto, deve ser combatida.

    (OMISSO DE ELA)

    Omisso de um termo no expresso na orao, mas facilmente identificvel pelo contexto.

  • Maria gosta de mim; eu, dela! (OMISSO DE gostar) Voc prefere uma vida desregrada; eu, uma

    vida saudvel. (OMISSO DE PREFERIR)

    Ao contrrio da ELIPSE, na ZEUGMA ocorre a OMISSO de um termo J expresso.

  • Quando a CONCORDNCIA no se d pela forma,

    mas SIM pela SIGNIFICAO do sujeito.

  • 1) Silepse de nmero (o sujeito um coletivo)

    2) Silepse de gnero (troca do feminino pelo masculino e vice-versa)

    O pblico chegou muito cedo. Como o sol estava alto, comearam a pedir que os bombeiros jogassem gua.

    Vossa Excelncia est frustrado?

    So Paulo continua catica, brbara e violenta.

    Sua Santidade ficou impressionado com a acolhida.

  • 3) Silepse de pessoa (quando quem fala ou escreve se inclui num sujeito de terceira pessoa)

    Todos sabemos quais as solues de que o Brasil precisa.

    A gente queremos paz. (construo da lngua falada)

  • A explorao do significado, principalmente implcito, gera 2 figuras principais: a METFORA e a METONMIA.

  • Quando uma palavra passa a designar alguma coisa com a qual no mantm

    relao objetiva.

    SENTI A SEDA DO TEU ROSTO EM MEUS DEDOS.

    MEL, TUA BOCA TEM O MEL... E MELHOR SABOR NO H, QUE LOUCURA TE BEIJAR...

  • Quando uma palavra passa a designar alguma coisa com a qual mantm, MESMO QUE MNIMA, uma relao

    objetiva.

    MEUS OLHOS ESTO TRISTES PORQUE VOC PARTIU.

    GOSTO DE LER MACHADO DE ASSIS.

  • - ANTTESE

    - EUFEMISMO

    - HIPRBOLE

    - IRONIA

    - GRADAO

    - PROSOPOPEIA ou PERSONIFICAO

  • Texto construdo por meio de antteses em:

    https://www.youtube.com/watch?v=KIERLrZc5OY

  • Falta-lhe inteligncia para compreender isso!

    Mas ele to esforado...

    Foi ao encontro de Deus!

  • Faria isso mil vezes se fosse preciso.

    Isso me custou dois estdios de futebol.

    mais magro que um palito.

  • Muito competente aquele candidato. Construiu viadutos que levam a lugar nenhum,

  • Os grandes projetos de colonizao resultaram em pilhas de papis velhos, restos de obras inacabadas, hectares de floresta devastada, milhares de famlias abandonadas prpria sorte.

  • A floresta gesticulava nervosamente diante do trono que a devorava.

    O ip, brandamente, chamando-o para casa.

  • FIM

View more >