língua portuguesa 1ª série em.doc

Download Língua Portuguesa 1ª Série EM.doc

Post on 16-Sep-2015

265 views

Category:

Documents

37 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Introduo

O objeto de estudo da Lngua Portuguesa o texto - o texto como processo e como produto de interlocuo. Dessa forma, todo texto ndice de uma atividade interativa, que acontece entre determinados usurios, numa dada situao comunicativa, num certo contexto histrico, para atender a necessidades e expectativas desses usurios.

Portanto, preciso saber quem, dentro dos textos, fala com quem (locutor e alocutrio), como fala, com que finalidade, como o locutor concebe o alocutrio, que conhecimentos compartilha com ele, qual ponto de vista de enunciao defende, como argumenta para convencer o alocutrio desse ponto de vista

Assim, o presente banco de questes foi formulado, oferecendo-lhe possibilidades de explicitar a teoria embasada nos estudos lingusticos mais atuais.

Espera-se que esses princpios norteiem a execuo do seu trabalho.

Boa sorte!

Patrcia Bueno

SUGESTES DE QUESTES

Texto 1

O Homo Semntico

05

10

15

20

25

30

35

40

45

50

Jarbinhas, poeta, passou a vida inteira escrevendo discursos. Redator aposentado, depois de vivo, conversava com os chinelos. Botava pijama e lia os livros que deixara para saborear na idade da sabedoria. Porm, vez ou outra, baixava nele aquela saudade do passado rebordado de metrificadas glrias.

(...)

Jarbinhas, poeta, era uma vaga e rara estrela na fractal Constelao da Redondilha Menor.

De modo que dessas requentadas recordaes Jarbinhas se socorria quando a solido apertava por demais o gog das noites mais velozes. At que um dia o telefone tocou. E o Lemos (ex-colega de repartio que nunca havia lido nada, a no ser o Livro de Ponto) convidou Jarbinhas para uma festa qualquer, em homenagem a um jovem deputado que iria tomar posse em Braslia. Detalhe: o discurso de saudao seria dele, Jarbas Augusto da Silva, o Tinhoso, o culto.

Glria das glrias! Nosso heri passou o resto da tarde lapidando as ideias, montando o esqueleto que sustentaria seus melhores verbetes. Palavras tm vida prpria, ele sabia. Por isso caprichou na oficina, empinando substantivos, lustrando adjetivos, engraxando verbos, lixando artigos e parafusando pronomes. De madrugada, j cansado, burilou pela ltima vez o texto, colocando algumas borboletas sirigaitas nos advrbios de tempo, para que a memria dos ouvintes registrasse, lato sensu, a eternidade daquele momento. E a solenidade buclica do discurso.

Mesmo no conhecendo o jovem destinatrio de sua pea oratria, no importava o lustro: ele, Jarbinhas, sabia como no ser mendace nessas horas. E foi dormir com uma frase: Os velhos tempos voltaram...

Dia seguinte, vestiu o terno azul-marinho, botou no pulso o Patek Philipe, beijou a medalhinha de So Judas protetor e se mandou pro aeroporto da Pampulha, com o PTA na mo. Ali, ofegante, pegou o primeiro avio de sua carreira e conseguiu chegar inclume, apesar dos vcuos na boca do estmago.

No hotel, com um banho frio, se recomps. E, na horinha marcada, nosso britnico heri j adentrava o Salo Nobre do prprio hotel, lugar escolhido para a festa.

Como detestava postergaes! Cheio de retricas na alma, j foi logo procurando pelo Lemos no abelhal zunzunzum de gente e outros bichos. (Aqui, diga-se de passagem: a maioria composta por jovens mensageiros ambulantes da lngua de Hamlet, o que j vinha estampado nas camisetas e no bon virado.) Mas havia tambm barbicarecas de brincos, cabeloiros pintados, hunos nasaltrespassados, visigodos tatuados e brbaras mooilas vestidas de nadaquase. Democraticamente, todos danavam o mesmo ba-be-bi-bo-bu, algo bem da moda. Bem off-road, all right?

Confuso, assustado, Jarbinhas foi salvo pelo Lemos, que apareceu com um cabelos amarrados na nuca a tiracolo. E apresentou:

-Esse o nosso novo e dignssimo deputado, Jarbas. Filho de Ronivon e Valdirene. Irmo de Onaireves Filho, Jerry Wanderley e Cheroques Jnior...Neto de Alceni com Cameli. Todos na poltica, mas cada um por seu partido. No uma beleza?

Ao que o guapo e amistoso mancebo deputado respondeu, perguntando (ou perguntou, respondendo, tanto faz) e estendendo a mo:

-E a, vov? o senhor ento que veio detonar o lero? Muito prazer. Eu sou o Xobas Farias Maltas. Qualquer azarao pro seu lado s me bater um grambel, fal? Transo tudo numa boa. E a galera massa! Pega leve... Comigo num tem bon! R!

Salvo novamente pelo Lemos, que era o mestre de cerimnias da tribo, Jarbinhas se dirigiu ao microfone para a saudao, mas j sem nenhum plural. Tirou do palet as oito laudas de seu impecvel arrazoado lingustico e teve um sbito. Iluminado pelos emissrios de Calope, na hora ag, analisou os cdigos, os chips e os transstores daquela execrvel prosdia qual tantas vezes condenara. Seu crebro varreu as pginas pregressas de A Uma Deusa, de um possvel Lus Lisboa, maranhense dantanho: algo que decorara apenas pela prodigalidade do extrato fnico. E lascou:

- Senhor deputado! Tu s o quelso do pental ganrio saltando as rimpas do fermim calrio, carpindo as taipas do furor salrio nos rbios calos do pijom sidrio! s obartlio do bocal emprio que ruge e passa no festim, em ticoteios de partano estrio, rompendo as gmbias de hortomo-genrio! R, eu t maluco! God save the King-Kong! Alea jacta est! E tenho dito! - E encerrou o papo por a.

Sem entender por qu, foi aplaudido, apupado, ovacionado e urrado. Minutos depois, convidado oficialmente, Jarbinhas assumiu o posto de Redator dos Improvisos do nobre deputado.

Os novos tempos voltaram. E, naquela noite, Jarbinhas semancol.

BARRETO, Antnio. Transversais do Mundo. Belo Horizonte: Ed. L,1998 , pp 17 a 19

QUESTO 01 / 1S/2005

(Descritor: perceber informaes implcitas no texto)

Assunto: Interpretao de textosNvel de dificuldade: Mdio.Na ltima hora Jarbinhas substituiu o discurso que havia preparado porque

(A) julgou que o seu discurso estava pouco glamouroso em relao sofisticao da plateia;

(B) observou que o ambiente onde faria o discurso estava imerso num zunzunzum abelhal;

(C) constatou que os interlocutores no se apresentavam tradicionalmente vestidos;

(D) percebeu a inadequao da linguagem utilizada ao perfil dos interlocutores.

RESPOSTA: letra DQUESTO 02 / 1S/2005(Descritor: fazer inferncias a partir da anlise do texto )Assunto: Interpretao de textosNvel de dificuldade: DifcilA partir da leitura do texto, constata-se que todas as alternativas a seguir esto corretas, exceto:(A) O domnio da linguagem de prestgio confere poder e status.

(B) O discurso de Jarbinhas chama a ateno pelo ritmo melodioso.

(C) A explorao das variaes lingusticas chama a ateno do leitor.(D) O texto representa uma situao fictcia, sem correspondncia com a realidade. RESPOSTA: letra D

QUESTO 03 / 1S/2005(Descritor: reconhecer o sentido conotativo das palavras)Assunto: Interpretao de textosNvel de dificuldade: MdioConotao - a ampliao e modificao do sentido da palavra, a fim de obter um efeito particular em um contexto especfico de interlocuo.

Todas as alternativas seguintes exemplificam o conceito anterior, exceto:(A) Redator aposentado, depois de vivo, conversava com os chinelos.

(B) E na horinha marcada, nosso britnico heri adentrava o Salo Nobre.

(C) ...empinando substantivos, lustrando adjetivos, engraxando verbos...

(D) ...a solido apertava por demais o gog das noites mais velozes.

RESPOSTA: letra BQUESTO 04 / 1S/2005

(Descritor: diferenciar linguagem coloquial da culta)

Assunto: Variedade lingusticaNvel de dificuldade: FcilE a, vov? o senhor ento que veio detonar o lero? Muito prazer. Eu sou o Xobas Farias Maltas. Qualquer azarao pro seu lado s me bater um grambel, fal? Transo tudo numa boa. E a galera massa! Pega leve!...Comigo no tem bon! R!

Em todas as alternativas esse trecho foi reescrito. Assinale aquela em que se usou apenas a norma culta da linguagem:

(A) E a, amigo? o senhor ento que veio fazer o discurso? Muito prazer. Eu sou o Xobas Farias Maltas. Qualquer problema, s me telefonar. Resolvo fcil. A turma boa. Fique tranquilo! Comigo no tem complicao!

(B) Como vai, doutor? o senhor ento que veio fazer o discurso? Muito prazer. Eu sou o Xobas Farias Maltas. Qualquer problema, s me telefonar. Resolvo fcil. A turma boa. Fique tranquilo! Comigo no tem complicao!

(C) E a, vov? o senhor ento que veio discursar? Muito prazer. Eu sou o Xobas Farias Maltas. Qualquer complicao s me telefonar, falou? Ajeito tudo numa boa. E as pessoas so timas! Fique tranquilo!...Comigo tudo fcil!

(D) Como vai, amigo? o senhor ento que vai falar para a galera? Muito prazer. Eu sou o Xobas Farias Maltas. Qualquer problema, s me telefonar, falou? Resolvo fcil. A turma boa. Pega leve!...Comigo no tem confuso!

RESPOSTA: letra B

QUESTO 05 / 1S/2005(Descritor: reconhecer informaes implcitas no texto)

Assunto: Interpretao de textosNvel de dificuldade: FcilAo descrever a plateia e o local do evento, o locutor faz vrias crticas. Marque a alternativa que NO constitui exemplo disso:

(A) O Salo Nobre do hotel estava repleto de convidados.

(B) Pessoas que no assumem a prpria idade, insistindo num visual descolado.

(C) Moas com roupas chamativas por seu reduzido tamanho.

(D) O ba-be-bi-bo-bu musical que, democraticamente, envolvia a todos.

RESPOSTA: letra AQUESTO 06 / 1S/2005(Descritor: inferir o significado de uma expresso considerando o contexto)

Assunto: Interpretao de textosNvel de dificuldade: Mdio Off-road uma expresso em ingls que significa fora da estrada. No contexto, podem-se inferir todos os significados seguintes, exceto:(A) Alude ao traje e comportamento formal dos participantes.

(B) Refere-se ao modo nada tra