liderança o líder é aquele que oferece possibilidades, não aquele que impõe obstáculos

Download Liderança O Líder é aquele que oferece possibilidades, não aquele que impõe obstáculos

Post on 18-Apr-2015

109 views

Category:

Documents

5 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • Slide 2
  • Liderana O Lder aquele que oferece possibilidades, no aquele que impe obstculos.
  • Slide 3
  • by prof. Edson dAvila2 Em benefcio de uma causa comum A idia da liderana vinculada aos atributos pessoais do lder predominou at o incio do sculo XX. Modernamente, entende-se liderana como uma funo organizacional, subordinada dinmica de grupo. Liderana o processo de estmulo pelo qual, mediante aes recprocas bem-sucedidas, as diferenas individuais so controladas e a sinergia se encaminha em benefcio de uma causa comum.
  • Slide 4
  • by prof. Edson dAvila3 O Lder e os Objetivos Ante a complexidade dos grupos de interesses sociais, a autoridade subdividiu-se, de forma a suprir as necessidades situacionais e atingir os objetivos especficos de cada grupo. O lder moderno deve cumprir objetivos sociais e polticos, com base no merecimento e no conhecimento especializado. Essa conceituao moderna difere essencialmente da tradicional, em que poderosos e rgidos sistemas autocrticos e de classes fechadas atribuam aos lderes valores especiais de dominao.
  • Slide 5
  • by prof. Edson dAvila4 Kurt Lewin e Kurt Koffka A liderana como um processo de estmulo um conceito, decorrente das contribuies do movimento gestaltista, contraria idia de lder nato. lder nato Liderana se vincula estritamente aos atributos pessoais do lder.
  • Slide 6
  • by prof. Edson dAvila5 Gestalt Configurao, forma ou estrutura Escola psicolgica que defende o estudo de fatos e comportamentos como totalidades organizadas, e no como elementos isolados. Formulada na Alemanha na primeira metade do sculo XX. Encyclopaedia Britannica do Brasil Publicaes Ltda.
  • Slide 7
  • by prof. Edson dAvila6 Gestalt e a Atomstica-anlise O princpio mais importante da abordagem gestltica o de propor que uma anlise das partes nunca pode proporcionar um compreenso do todo, uma vez que o todo definido pela interaes e interdependncias das partes. As partes de uma gestalt no mantm sua identidade quando esto separadas de sua funo e lugar no todo.
  • Slide 8
  • by prof. Edson dAvila7 Teoria da Gestalt O organismo se adapta para alcanar sua organizao e equilbrio timos. Um aspecto dessa adaptao envolve a forma pela qual um organismo, num dado campo, torna suas percepes significativas, a maneira pela qual distingue a figura e fundo.
  • Slide 9
  • by prof. Edson dAvila8 Figura e Fundo A Imagem ao lado um exemplo da forma atravs da qual dado estmulo pode ser interpretado como representando coisas diferentes, dependendo do que percebido como figura e como fundo.
  • Slide 10
  • by prof. Edson dAvila9 Dificuldades ou Oportunidades?
  • Slide 11
  • by prof. Edson dAvila10 Selecionamos o que interessa A escola gestltica estendeu o fenmeno representado pela imagem - figura e fundo - para a maneira pela qual um organismo seleciona o que de seu interesse num dado momento. A percepo adapta-se, capacitando-o, assim a satisfazer suas necessidades.
  • Slide 12
  • by prof. Edson dAvila11 Liderana subordinada dinmica de grupo O estudo da liderana deve envolver: A pessoa do lder; Os integrantes do grupo; Relaes que se estabelecem entre elas; O meio; Fatores histricos e culturais que sobre o grupo atuam.
  • Slide 13
  • by prof. Edson dAvila12 A Liderana conduz o grupo ao objetivo A liderana se produz na interao dos membros do grupo como expresso de ativa participao e demonstrao de capacidade para conduzir cooperativamente realizao de metas.
  • Slide 14
  • by prof. Edson dAvila13 Atingindo os Objetivos Planejamento Direo Avaliao
  • Slide 15
  • by prof. Edson dAvila14 Planejamento Requer do Lder: Domnio seguro do contedo da rea de atuao. Capacidade de desmembrar o contedo em tpicos ou unidades didticas. Conhecimento das caractersticas sociais, culturais e individuais dos colaboradores, bem como o nvel de preparo escolar em que se encontram.
  • Slide 16
  • by prof. Edson dAvila15 Competncia Conceito Complexo Competente aquele que julga, avalia e pondera, acha a soluo e decide, depois de examinar e discutir determinada situao. a faculdade de mobilizar um conjunto de recursos cognitivos como saberes, habilidades e informaes para solucionar com pertinncia e eficcia uma srie de situaes. (Philippe Perrenoud)
  • Slide 17
  • by prof. Edson dAvila16 Direo Requer do Lder: Habilidade de expressar idias com clareza, falar de modo acessvel compreenso dos colaboradores partindo de sua linguagem corrente. Saber formular perguntas com o objetivo de desenvolver nos colaboradores pensamento e concluses prprias. Estimular o interesse pelo estudo e pela participao democrtica. Tornar os objetivos e as tarefas significativas.
  • Slide 18
  • by prof. Edson dAvila17 Direo Requer do Lder: Adoo de uma linha de conduta no relacionamento com os colaboradores que expresse confiabilidade, coerncia, segurana, traos que devem aliar-se firmeza de atitudes dentro dos limites da prudncia e respeito; manifestar interesse sincero pelos colaboradores no seus progressos e na superao de dificuldades.
  • Slide 19
  • by prof. Edson dAvila18 Avaliao Requer do Lder: Verificao contnua se os objetivos esto sendo atingidos, o rendimento das atividades. Domnio de meios e instrumentos de avaliao diagnstica, isto , colher dados relevantes. Verificar as dificuldades, para tomar decises sobre o andamento das tarefas, reformulando-o quando os resultados no so satisfatrios.
  • Slide 20
  • by prof. Edson dAvila19 Avaliao A avaliao uma tarefa necessria e permanente, que deve acompanhar passo a passo o processo. Processo Avaliao Planejamento Objetivos Resultados Imediatos
  • Slide 21
  • by prof. Edson dAvila20 Formas de liderana Distinguem-se vrias formas de liderana, combinando diferentes critrios de classificao, fundados na origem dessa capacidade, em sua extenso ou na tcnica de exercit-los.
  • Slide 22
  • by prof. Edson dAvila21 Liderana Carismtica Assim denominada por Max Weber, a liderana carismtica, supostamente de origem sobrenatural, aceita pelo grupo em perodos de pesadas frustraes e depresses coletivas. Carisma: do grego chrisma = 'dom', Fora divina conferida a uma pessoa, mas em vista da necessidade ou utilidade da comunidade religiosa
  • Slide 23
  • by prof. Edson dAvila22 Liderana Executiva e Democrtica Supostamente presente nas grandes organizaes, a liderana executiva se caracteriza principalmente pela habilidade organizadora e capacidade de orientao das foras coletivas. A liderana democrtica se caracteriza pela preocupao de, tanto quanto possvel, incorporar os liderados nas tarefas de direo.
  • Slide 24
  • by prof. Edson dAvila23 Liderana Coercitiva Tambm chamada autoritria, caracteriza-se pela total absoro do poder de deciso e peculiar distncia social que separa a personalidade que a exerce da coletividade sobre a qual atua. Define-se pela competncia exclusiva do lder na determinao dos objetivos do grupo, em cuja discusso e fixao os liderados so totalmente excludos.
  • Slide 25
  • by prof. Edson dAvila24 Liderana Estatutria e Espontnea O poder de influncia e as funes de direo do lder por delegao estatutria decorrem de imposies legais. A rigor, tais lderes no se revestem de autenticidade e em pouco tempo se deixam anular pela maior habilidade de organizao e iniciativa dos lderes espontneos, ou passam a exercer formas autoritrias de ao.
  • Slide 26
  • by prof. Edson dAvila25 Funes Primrias desempenhadas pelos lderes Quando se mostram essenciais ao desempenho da liderana: Diretor ou coordenador das atividades do grupo, que pode ser distribuda e delegada; Planejador dos meios capazes de possibilitar a total realizao dos objetivos visados pelo grupo; Especialista e centro de informaes; Representante externo do grupo; Arbitro e mediador, com a decorrncia natural de punir e distribuir recompensas.
  • Slide 27
  • by prof. Edson dAvila26 Funes Secundrias desempenhadas pelos lderes Decorrem da prpria posio assumida pelo lder: Apresentar-se como smbolo do grupo; Figura paternal; A de bode expiatrio ou vtima propiciatria, em condies de crise ou conseqente estado de depresso.
  • Slide 28
  • by prof. Edson dAvila27 Expectativas em torno da conduta dos lderes O lder deve agir de maneira a ser percebido pelos integrantes do grupo como um de seus membros; Os valores e as normas consagradas pela coletividade devem ter sido incorporados no lder; O grupo deve poder beneficiar-se da investidura do lder, destacado dos demais por suas qualificaes; Ao lder cabe a tarefa de corresponder s expectativas do grupo
  • Slide 29
  • by prof. Edson dAvila28 Aquele que faz parte de um grupo sem integrar-se a ele, no s um desintegrado, mas tambm desintegra o grupo. Todo assessor deve agir conforme deciso do Lder, se age conforme sua prpria deciso, j Lder. O problema se na poltrona cabem dois. Conhece-te a ti mesmo Scrates (470-399 a.C.)...e o teu prximo tambm
  • Slide 30
  • by prof. Edson dAvila29 Inteligncia Tradicionalmente, a inteligncia estava limitada aptido para matrias e competncias escolares. Aqueles de ns que desejam estabelecer uma concepo mais ampla de inteligncia - que falam de inteligncias pessoais, inteligncia emocional, inteligncia moral, sabedoria esto todos declarando que no basta s