lei complementar nº 52, de 22 de dezembro de 2017. · pdf file lei complementar nº...

Click here to load reader

Post on 19-Jan-2019

215 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

PREFEITURA MUNICIPAL DE SALINAS ESTADO DE MINAS GERAIS

PRAA PROCPIO CARDOSO DE ARAJO, n 7 CENTRO TEL (38) 3841-1513 | SALINAS MG. www.salinas.mg.gov.br

LEI COMPLEMENTAR N 52, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2017.

Dispe sobre o Uso e Ocupao do Solo do Municpio de Salinas e d outras providncias.

A Cmara Municipal de Salinas aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono, promulgo e

mando publicar a seguinte lei: R

E D A O F I N A L

TTULO I DAS DISPOSIES PRELIMINARES

Art. 1o - Esta Lei Complementar tem por objetivo estabelecer normas relativas ao

parcelamento, uso e ocupao do solo do Municpio de Salinas-MG, em consonncia com a legislao federal, estadual e municipal, de modo especial com o Plano Diretor, o sistema e o processo de planejamento e gesto do desenvolvimento e ordenamento territorial do Municpio de Salinas-MG.

Art. 2o - Ficam sujeitas s disposies desta Lei de Uso e Ocupao do Solo do Municpio de Salinas - MG a execuo de quaisquer modalidades de parcelamento, de arruamentos, de edificaes pblicas ou particulares, a realizao de quaisquer planos, projetos, obras e servios pblicos ou particulares, bem como o exerccio de atividades que afetem, por qualquer meio, direta ou indiretamente, a organizao ambiental no mbito do seu territrio.

CAPTULO I DAS DEFINIES

Art. 3o - Para efeito de citao nesta Lei Complementar, as seguintes entidades ou

expresses sero identificadas por siglas ou abreviaturas:

I. ABNT: Associao Brasileira de Normas Tcnicas;

II. ART: Anotao de Responsabilidade Tcnica;

III. COES: Cdigo de Obras e Edificaes do Municpio de Salinas LC n.

014/2008;

IV. CMMA: Conselho Municipal de Meio Ambiente;

http://www.salinas.mg.gov.br/

PREFEITURA MUNICIPAL DE SALINAS ESTADO DE MINAS GERAIS

PRAA PROCPIO CARDOSO DE ARAJO, n 7 CENTRO TEL (38) 3841-1513 | SALINAS MG. www.salinas.mg.gov.br

V. CONAMA: Conselho Nacional de Meio Ambiente;

VI. CONTRAN: Conselho Nacional de Trnsito;

VII. CPS: Cdigo de Posturas LC n. 012/2008;

VIII. CREA: Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia;

IX. CAU: Conselho de Arquitetura e Urbanismo;

X. CTS - Cdigo Tributrio do Municpio de Salinas;

XI. LAS: Legislao Ambiental do Municpio de Salinas;

XII. NBR: Norma Brasileira Regulamentadora;

XIII. PMS - Prefeitura Municipal de Salinas;

XIV. PDOT: Plano Diretor de Desenvolvimento e Ordenamento Territorial de Salinas;

XV. RT: Responsvel Tcnico;

XVI. SOTT: Secretaria de Obras, Transporte e Trnsito;

XVII. SUMUTRAN: Superintendncia Municipal de Trnsito;

XVIII. UFEMG: Unidade Fiscal do Estado de Minas Gerais, a ser utilizada para efeito de clculo de atualizao monetria e de converso de valores pertencentes Fazenda Pblica Municipal.

Art. 4o - Para efeito de aplicao das normas de parcelamento, uso e ocupao do

solo, constantes desta Lei Complementar, as seguintes expresses ficam assim definidas:

I. ACESSO a interligao para veculos ou pedestres entre: a) Logradouro pblico e propriedade privada; b) Propriedade privada e reas de uso comum em condomnio; c) Logradouro pblico e espaos de uso comum em condomnio.

II. AEROPORTO a rea que possui infraestrutura para movimentao, pouso e

decolagem de aeronaves.

III. AFASTAMENTO a menor distncia (A) entre duas edificaes ou entre uma edificao e as linhas divisrias do lote onde ela se situa, conforme figura 1.

http://www.salinas.mg.gov.br/

PREFEITURA MUNICIPAL DE SALINAS ESTADO DE MINAS GERAIS

PRAA PROCPIO CARDOSO DE ARAJO, n 7 CENTRO TEL (38) 3841-1513 | SALINAS MG. www.salinas.mg.gov.br

Figura 1 Croqui ilustrativo de Afastamento

IV. ALINHAMENTO a linha divisria existente entre o terreno de propriedade particular ou pblica e o logradouro pblico;

V. ALTURA a distncia vertical entre o pavimento trreo e a parte superior da

edificao, incluindo-se casas de mquinas, torres de caixa dgua e platibandas; VI. ALVAR o documento expedido pela Prefeitura que licencia a execuo

de obras ou funcionamento de atividades sujeitas fiscalizao municipal, desde que possuidoras de certido emitida pelo Cartrio de Registro de Imveis;

VII. REA CONSOLIDADA: parcela da rea urbana com densidade

demogrfica superior a 50 (cinquenta) habitantes por hectare e malha viria implantada e que tenha, no mnimo, 2 (dois) dos seguintes equipamentos de infraestrutura urbana implantados:

a) drenagem de guas pluviais urbanas; b) esgotamento sanitrio; c) abastecimento de gua potvel; d) distribuio de energia eltrica; ou e) limpeza urbana, coleta e manejo de resduos slidos; conforme lei 11.977/09; VIII. REA ANTRPICA CONSOLIDADA (AAC) aquela em que o prazo de

ocupao da rea, a natureza das edificaes existentes, a localizao das vias de circulao ou comunicao, os equipamentos pblicos disponveis, urbanos ou comunitrios, dentre outras situaes peculiares, indique a parcial irreversibilidade da morfologia geral de sua ocupao. Eventuais alteraes de morfologia sero inviveis sem prvia apreciao do CMMA e posterior aprovao de projeto arquitetnico referente a interveno pela SOTT. No ser permitida a criao, ou determinao de novas reas antrpicas consolidadas aps a publicao desta lei complementar. reas e edificaes assim estabelecidas so definidas por meio do anexo IV, constante nesta lei.

http://www.salinas.mg.gov.br/

PREFEITURA MUNICIPAL DE SALINAS ESTADO DE MINAS GERAIS

PRAA PROCPIO CARDOSO DE ARAJO, n 7 CENTRO TEL (38) 3841-1513 | SALINAS MG. www.salinas.mg.gov.br

IX. REA VERDE configurada pelas reas do loteamento destinadas a praas,

jardins, faixas de preservao e outros fins da mesma natureza, visando assegurar condies ambientais, paisagsticas e sustentao urbanstica;

X. REA MXIMA DE PROJEO AP a rea mxima de projeo da

edificao no lote, resultante da porcentagem da taxa de ocupao (TO) multiplicada pela rea do lote (AL), representada pela frmula: AP = (TO/100) x AL;

X. REA MNIMA PERMEVEL AMP a rea mnima do lote que deve ser

mantida livre de pavimentao com a finalidade de garantir a infiltrao natural da gua pluvial, resultante da porcentagem da taxa de permeabilidade (TP) multiplicada pela rea do lote (AL) representada pela frmula: AMP = (TP/100) x AL;

XI. REA TOTAL MXIMA PERMITIDA DE CONSTRUO AC a rea

mxima de construo permitida por lote, resultante da multiplicao do coeficiente de aproveitamento (CA) pela rea do lote (AL), representada pela frmula: AC = CA x AL;

XII. CANTEIRO CENTRAL o obstculo fsico construdo como separador de

duas pistas de rolamento, eventualmente substitudo por marcas virias (canteiro fictcio); XIII. COEFICIENTE DE APROVEITAMENTO CA o fator numrico pelo qual

se multiplica a rea do lote para obter-se a rea total mxima permitida de construo, de acordo com a zona e/ou uso, conforme anexo I desta Lei Complementar;

XIV. CONSTRUO a obra de edificao nova, autnoma, sem vnculo

funcional com outras edificaes existentes no lote; XV. DEMOLIO a execuo de obra que resulta em destruio, total ou

parcial de uma edificao; XVI. DESMEMBRAMENTO a subdiviso de gleba em lotes destinados a

edificao, com aproveitamento do sistema virio existente, desde que no implique na abertura de novas vias e logradouros pblicos, nem no prolongamento, modificao ou ampliao dos j existentes;

XVII. EDIFICAO a unidade construda capaz de abrigar atividades

humanas nos seus diversos usos; XVIII. EDIFICAES ESPECIAIS so aquelas de uso coletivo que

desenvolvem atividades comerciais ou de prestao de servios pblicos ou privados com fluxo de usurios acima de duzentas (200) pessoas por dia;

XIX. EIXO DE VIA a linha que passa pelo centro da via eqidistante dos

alinhamentos;

http://www.salinas.mg.gov.br/

PREFEITURA MUNICIPAL DE SALINAS ESTADO DE MINAS GERAIS

PRAA PROCPIO CARDOSO DE ARAJO, n 7 CENTRO TEL (38) 3841-1513 | SALINAS MG. www.salinas.mg.gov.br

XX. EQUIPAMENTOS COMUNITRIOS so espaos pblicos, destinados educao, cultura, sade, esporte, lazer, servios pblicos, assistncia social e similares;

XXI. EQUIPAMENTOS URBANOS consistem na infra-estrutura bsica, tais

como: escoamento das guas pluviais, redes de esgoto sanitrio e abastecimento de gua potvel e de energia eltrica pblica e domiciliar e as vias de circulao ou logradouros pblicos;

XXII. ESTACIONAMENTO o local para a imobilizao de veculos por tempo

superior ao necessrio para embarque ou desembarque de passageiros, em rea coberta ou descoberta, destinada guarda de veculos, de uso privado ou pblico e constitudo por reas de vagas e circulao;

XXIII. ESPECULAO IMOBILIRIA uma operao com intuito comercial em

que uma das partes obtm lucros acima do razovel, por abusar da boa-f da outra, ou por tirar proveito das benfeitorias executadas no entorno de seu lote ou gleba considerado como vazio urbano, ou ainda por usufruir de um contexto favorvel valorizao exacerbada dos terrenos;

XXIV. FAIXA DE DOMNIO a superfcie lindeira s vias, compreendendo-a

alm da calada, o acostamento, ilha e canteiro central, de acordo com a norma de trnsito em vigor;

XXV. FAIXA DE PRESERVAO a faixa no edificvel e de preservao

permanente ao longo das guas correntes e dormentes, sazonais ou no; XXVI. FAIXA SEM EDIFICAO a limitao que no retira a propriedade nem

impede que o dono da terra a utilize em qualquer outro fim que no