laudo tÉcnico ambiental - prefeitura municipal de valinhos | .laudo tÉcnico 1. consideraÇÕes

Download LAUDO TÉCNICO AMBIENTAL - Prefeitura Municipal de Valinhos | .LAUDO TÉCNICO 1. CONSIDERAÇÕES

Post on 12-Nov-2018

217 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 1

    LAUDO TCNICO AMBIENTAL

    SOCIEDADE RESIDENCIAL ATHENAS CNPJ: 10.638.645/0001-08

    Marcos Mori

    Engenheiro Agrnomo CREA/SP 5061317180

  • 2

    LAUDO TCNICO

    1. CONSIDERAES PRELIMINARES

    Em ateno Notificao n 017/2010, expedida pela Prefeitura do

    Municpio de Valinhos, por intermdio do Departamento de Meio

    Ambiente/SPMA, em 12 de abril de 2010 para o RESIDENCIAL ATHENAS,

    situado Rua Paiquer, n 465 Jardim Paiquer, elaborou-se o presente

    documento que visa atender as exigncias da Lei n 4.123, de 04 de maio de

    2007, que dispe sobre a necessidade de caracterizao e monitoramento

    ambiental dos recursos naturais incidentes em loteamentos fechados e

    condomnios horizontais residenciais do Municpio de Valinhos.

    Todas as informaes constantes desse relatrio foram obtidas em visita ao

    referido Condomnio e descrevem a atual situao do empreendimento.

    Laudo Tcnico referente ao ano 2009.

    2. DIAGNSTICO AMBIENTAL

    Em 29 de maio de 2010, foi realizada uma visita tcnica ao local, objeto

    do presente documento, para registro das informaes necessrias

    identificao, caracterizao e avaliao dos recursos naturais e da ocupao

    do solo, elementos essenciais para a elaborao do diagnstico ambiental.

    Identificao:

    O Residencial Athenas est situado Rua Paiquer, n 465 e foi instalado

    em um terreno de 53.307,94 m, geograficamente posicionado sob as

    coordenadas S 2258'58.45" e O 4700'50.10" tendo como marco a portaria

    principal e seguindo o disposto na legislao municipal vigente que

    regulamenta esse tipo de empreendimento.

  • 3

    Ocupao do solo:

    O referido Condomnio est dividido em rea Particular e rea Comum,

    distribudas da seguinte forma:

    rea Particular:

    i. Terrenos Residenciais: ................................26.947,70 m;

    rea Comum:

    i. Ruas e Passeios: .......................................... 7.686,08 m;

    ii. rea Verde: ................................................. 18.674,16 m.

    Caracterizao:

    rea Particular

    i. Terrenos Residenciais

    O Condomnio formado por 47 lotes, sendo que atualmente 11 se

    encontram habitados e com construes de alvenaria, 31 lotes vazios e 5 em

    fase de construo.

    Grande parte dos terrenos vazios est recoberta com vegetao rasteira,

    controlada periodicamente por

    meio de roadas e o material

    resultante espalhado na

    superfcie do terreno. Para evitar

    acidentes e prejuzos ao meio

    ambiente, expressamente

    proibido o uso do fogo para

    controle da vegetao dessas

    reas.

    Cada condmino responsvel pela manuteno e conservao da

    estrutura imobiliria existente ou em construo no lote de sua propriedade,

    assim como o controle peridico da vegetao dos terrenos sem edificaes.

    So de responsabilidade do Condomnio as estruturas da rea Comum.

  • 4

    rea Comum

    i. Ruas e Passeios

    A rede viria do Condomnio formada por quatro ruas pavimentadas com

    asfalto e delimitadas com guias de concreto. Os reparos, quando necessrios

    so realizados por empresas especializadas que se responsabilizam pelo

    descarte correto das sobras de asfalto e concreto.

    Nos lotes com construes e habitados, os passeios so recobertos

    geralmente por grama esmeralda (Zoysia japonica), que permitem a infiltrao

    da gua da chuva. Para facilitar o transito de pedestres, alguns passeios so

    cortados longitudinalmente em sua poro central por caminhos construdos de

    alvenaria ou pedra. Nas reas localizadas em frente s residncias permitida

    a impermeabilizao do acesso de veculos s garagens.

    Arborizao

    A arborizao viria composta por exemplares de ips variados

    (Tabebuia sp.), aroeira salsa (Schinus molle) e quaresmeira (Tibouchina

    granulosa), espcies arbreas de pequeno a mdio porte. So realizadas

    inspees para avaliar a necessidade de podas de manuteno e formao

    das copas. Todas as plantas apresentam bom estado fitossanitrio e grande

    parte ainda tutorada, com alturas variando entre 1,00 e 1,50 metros.

    Grande parte da arborizao viria est coroada, tutorada e com poda de formao

  • 5

    ii. reas Verdes

    No Condomnio existem duas reas verdes:

    rea Verde 1:

    rea verde de 17.768,88 m que contm rea de Preservao Permanente

    (APP), com faixa de proteo a recursos naturais respeitada e protegida. Em

    seu interior existe uma represa alimentada por crrego vindo de propriedade

    vizinha. A vegetao arbrea diversificada e a rea isolada do Loteamento

    atravs de muro de blocos de cimento.

    s margens da represa implantou-se uma rea de reflorestamento

    heterogneo com vrias espcies nativas e algumas exticas, destacando-se

    as rvores frutferas para

    alimentao da fauna

    existente. O manejo e os

    tratos culturais (conduo

    por meio de tutoramento,

    poda de formao das

    copas, controle de formigas

    cortadeiras, capinas das

    coroas e roada das plantas

    rasteiras) vm sendo feitos

    regularmente de modo a garantir o pleno desenvolvimento da vegetao.

  • 6

    rea Verde 2:

    rea de 905,28 m, composta por um talude recoberto por grama

    esmeralda (Zoysia japonica), grama batatais (Paspalum notatum) e capim-

    braquiria (Brachiaria decumbens).

    Fauna

    No permetro do Condomnio existe fauna permanente. Observa-se com

    freqncia a presena de bem-te-vis, sanhaos, beija-flores, maritacas,

    corruras, gavies e pardais. Entre os mamferos encontram-se pequenos

    roedores e gambs. Os rpteis, raramente observados, esto representados

    calangos e outras espcies de lagartos de menor porte. No h registro da

    ocorrncia de cobras. Nenhuma das espcies citadas consta no Decreto

    Estadual 42.838 de 04 de fevereiro de 1998 que declara as espcies da fauna

    silvestre ameaadas de extino e as provavelmente ameaadas de extino

    no Estado de So Paulo e d providncias correlatas e na Instruo Normativa

    n 3, de 27 de maio de 2.003, do Ministrio do Meio Ambiente, que em seu

    anexo fornece as listas das espcies da fauna brasileira ameaadas de

    extino.

    Abastecimento de gua

    As necessidades hdricas do Condomnio so supridas por ligao direta

    das residncias rede municipal de abastecimento.

    Rede de Captao de guas Pluviais

    A captao de guas pluviais feita atravs de bueiros localizados ao

    longo das vias de circulao do condomnio e que se interligam a galerias

    subterrneas construdas com tubos de concreto, exclusivas para este fim. A

    estrutura foi devidamente calculada em funo da rea de drenagem e da

    declividade do terreno. Toda a gua captada direcionada para a rede

    municipal de guas pluviais.

    Rede de Esgoto

    Todo o esgoto gerado pelas residncias do Condomnio coletado atravs

    de sistema canalizado exclusivo para este fim e direcionado para a rede

    publica de coleta de esgotos.

  • 7

    Flora

    A flora existente no Loteamento Residencial Athenas est distribuda nos

    terrenos residenciais, nos passeios e reas verdes e encontra-se descrita no

    item Caracterizao.

    So encontradas diversas espcies arbreas na rea verde 1, identificadas

    nos Quadros A e B. No se trata de um inventrio florestal com quantificao

    de indivduos, mas sim um estudo qualitativo das espcies que compem a

    mata existente no permetro do empreendimento.

    Quadro A: Espcies arbreas presentes na rea Verde 1

    Nome popular / comum Nome cientifico Aoita-cavalo Luehea grandiflora

    Amora-de-rvore Morus nigra

    Angico Anadenanthera spp

    Aroeira-branca Lithraea molleoides

    Aroeira-mansa Schinus terebinthifolius

    Aroeira-salsa Schinus molle

    Bambu comum Bambusa vulgaris

    Bananeira Musa paradisiaca

    Bico-de-papagaio Euphorbia pulcherrima

    Cambar Gochnatia polymorpha

    Camboat Cupania vernalis

    Canela-fedorenta Nectandra rigida

    Canelinha Nectandra megapotamica

    Canjarana Cabralea canjerana

    Capixingui Croton floribundus

    Cedro Cedrela fissilis

    Cipreste Cupressus sp

    Embaba Cecropia glaziovi

    Eucalipto Eucalyptus sp

    Goiabeira Psidium guajava

    Jacarand-de-espinho Machaerium nyctitans

    Jacarand-mimoso Jacaranda mimosifolia

    Jacarand-paulista Machaerium villosum

    Leucena Leucaena leucocephala

  • 8

    Paineira Chorisia speciosa

    Palmeira jeriv Syagrus romanzoffiana

    Pata-de-vaca Bauhinia forticata

    Pau-d'leo Copaifera langsdorffii

    Pau-jacar Piptadenia gonoacantha

    Pau-plvora Trema micrantha

    Pinheiro Pinus sp

    Pinheiro-do-Paran Araucria angustifolia

    Pitangueira Eugenia uniflora

    Quaresmeira Tibouchina granulosa

    Nas dependncias do Condomnio existem rvores que necessitam de

    autorizao do Departamento de Meio Ambiente para a realizao de podas

    rasas ou supresso.

    A rea verde 1 apresenta vegetao secundria em estgios inicial e mdio

    de regenerao (RESOLUO CONAMA n 001, de 31 de janeiro de 1994),

    com fisionomia florestal, apresentando rvores de variados tamanhos.

  • 9

    Quadro B: Espcies arbreas presentes no reflorestamento

    Nome popular / comum Nome cientifico Amora-de-rvore Morus nigra

    Aroeira-mansa Schinus terebinthifolius

    Cabreva Myroxylon peruiferum

    Canela-fedorenta Nectandra rigida

    Castanha-do-maranho Pachira aquatica

    Cinamomo Melia a

Recommended

View more >