laudo daavaliaÇÃoambiental - de... · insalubridade e periculosidade com base neste laudo...

Download LAUDO DAAVALIAÇÃOAMBIENTAL - de... · Insalubridade e Periculosidade com base neste Laudo Técnico

Post on 10-Dec-2018

215 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

LAUDO DA AVALIAO AMBIENTAL- FACULDADE DE CINCIAS CONTBEIS-

Laudo 84-016/2012

2012

INSALUBRIDADE

PERICULOSIDADE

RADIAO IONIZANTE, GRATIFICAO DETRABALHOS COM RAIOS-X OU SUBSTNCIASRADIOATIVAS

~.

Tipo de Documento

Laudo de Avaliao Ambiental

rotulo do Documento

Laudo de Avaliao AmbientalFACULDADE DE CINCIAS CONTBEIS

P.ig.

ii/26

Reviso Data Descrio Sumria

00 09/07/2012 Emisso inicial para Aprovao

Area Emlss~o I,c

TIpo de DocumentoLaudo de Avaliao AmbientalTitulo do Documento I"""'O I'~Laudo de Avalijlo Ambient~1 00 iii/26

FACULDADE DE CIENCIAS CONTABEIS

EMPRESA REQUISITANTE:

SOLICITANTE' Superintendncia de Pessoal - SPE da UFBA.

EXECUTANTE: Servio de Engenharia de Segurana e Ambiente e SadeOcupacional.

ASSUNTO' Avaliao ambiental para a concesso de adicional de insalubridadee periculosidade.

DATA DA AVALIAO: 04 e 13 dejunho de2012

DADOS DA EMPRESA:

EMPRESA: Faculdade de Cincias Contbeis

CNPJ: 15.180.714/0001-04.

CNAE 82.11-5

ATIVIDADES: Educao Superior - Graduao e Ps-Graduao.

ENDEREO: Praa da Piedade, 06 - Centro -CEP: 40060-300 Salvador- BA.

Tipo de Oocumento

Laudo de Avaliao Ambiental

Pg.

ivj26Titulo do Documento

Laudo de Avaliao AmbientalFACULDADE DE CIENCIAS ECONOMICAS

Sumrio

I - OBJETIVO:.. . 511- FUNDAMENTAO LEGAL:. ..............................5111- DEFINiES: . 7

01. Atividades e Operaes Insalubres .. . 702. Riscos Ambientais.... . 703. Agentes Fisicos... . . 704. Agentes Qumicos... . 705. Agentes Biolgicos..... .. .. . 706. Tempo de Exposio . 807. Atividades e Operaes Perigosas 808. Equipamento de Proteo Individual- EPI.. .. .. .. . 909. Equipamento de Proteo Coletiva - EPC.. . . 909.1. Extintores de Incndio... . 9

IV - SUSPENSO DO PAGAMENTO DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE EPERICULOSIDADE:. . .V - METODOLOGIA USADA NA AVALIAO AMBIENTAL: ..VI - CONSIDERAES FINAIS:.LAUDOS PERICIAIS DE CONCESSO DE ADICIONAL..

. 9. 10

. 10........ 12

Diretoria ...13Sala de Diretor... . 13Secretaria.. . 14

Biblioteca 15Colegiado 16Ps-graduao . 17Departamento de Cincias Contbeis . 18Secretaria ..Sala de Professores ....

Laboratrio de Informtica .Apoio .Sala da Chefia..

. 18. 19

. 20. 21

. 21..22

........... 23....24.25

..... 26

Almoxarifado ..Depsito de bens mveis inserviveis ..

Sala de Pesquisa .Salas de Aulas .Salas de Professores

P,5/26

Tipo de DocumentoLaudo de Avaliao Ambiental

Titulo do Oocumento

Laudo de Avaliao AmbientalFACULDADE DE CINCIAS CONTBEIS

I - OBJETIVO:

Este Laudo de Avaliao Ambiental tem por objetivo caracterizar as condiesinsalubres e perigosas no mbito da Universidade Federal da Bahia, Faculdade deCincias Contbeis, para concesso dos adicionais de insalubridade epericulosidade e gratificao por trabalhos com Raios-X.

11- FUNDAMENTAO LEGAL:

Lei nO 8.112 de 11 de dezembro de 1990 - Subseo IV - Dos Adicionais deInsalubridade. Periculosidade ou Atividades Penosas - Art. 68 a 72;

Lei n 8.270 de 19 de dezembro de 1991 - Art.12, Incisos I e 11e seusPargrafos:

Orientao Normativa nO 04 de 13 de julho de 2005, do Ministrio doPlanejamento, Oramento e Gesto, que estabelece a orientao a respeitoda concesso dos adicionais de insalubridade, periculosidade, radiaoionizante e, gratificao por trabalhos com Raios-X ou substnciasradioativas no mbito do Servio Pblico Federal;

Orientao Normativa nO 03 de 17 de junho de 2008, do Ministrio doPlanejamento, Oramento e Gesto, que altera o art. 3 da OrientaoNormativa nO 4, de 13 de julho de 2005, que trata da concesso dosadicionais de insalubridade, periculosidade, radiao ionizante e gratificaopor trabalhos com raio X ou substncias radioativas e revoga o artigo 6 quepermite o pagamento cumulativo de Adicional de Irradiao Ionizante eGratificao por trabalhos com raio X, alcanados pela Lei n 8112, de 11 dedezembro de 1990, regulamentados pela Lei nO8.270, de 19 de dezembro de1991;

Orientao Normativa nO02 de 19 de fevereiro de 2010, do Ministrio doPlanejamento, Oramento e Gesto, que estabelece orientao sobre aconcesso dos adicionais de insalubridade, periculosidade, irradiaoionizante e gratificao por trabalhos com Raios-X ou substncias radioativas,e d outras providncias:

Portaria Normativa n 03 de 07 de maio de 2010, do Ministrio doPlanejamento, Oramento e Gesto, que estabelece orientaes sobre aNorma Operacional de Sade do Servidor - NOSS aos rgos e entidades doSistema de Pessoal Civil da Administrao Pblica Federal - SIPEC, com oobjetivo de definir diretrizes gerais para implementao das aes e vigilnciaaos ambientes e processos de trabalho e promoo sade do servidor;

Tlllode Documento

Laudo de Avaliao Ambiental

pg.

6/26Titulo do Do,umento

Laudo de Avaliao AmbientalFACULDADE DE CINCIAS CONTBEIS

Lei nO 6.514/77 que introduz alteraes no Captulo V do Titulo 11 daConsolidao das Leis do Trabalho - CLT, relativo Segurana e Medicinado Trabalho;

Portaria Ministerial nO3.214/78, que regulamenta a Lei nO6.514/77, instituindoas Normas Regulamentadoras - NR's;

Norma Regulamenladora nO12 - Maquinas e Equipamentos;

Norma Regulamentadora nO15 - Atividades e Operaes Insalubres;

Norma Regulamentadora nO16 - Atividades e Operaes Perigosas;

Norma Regulamentadora nO17 - Ergonomia;

Norma Regulamentadora nO23 - Proteo contra incndios;

Norma Regulamentadora nO 24 - Condies sanita rias e de conforto noslocais de trabalho;

Lei nO7.369/85 que trata do adicional de periculosidade por eletricidade.

RDC Anvisa33/03, 306/04, Resoluo CONAMA 283/01, 358:05 e suasatualizaes, para manejo de resduos e orientaes ambientais;

E demais normas, leis, decretos ou similares, quando necessrio.

i Tipo de DocumentoLaudo de Avaliao AmbientalT1tulodoDocum~nto

I D'" I~/26Laudo de Avali!,o Ambient~1FACULDADE DE CIENCIAS CONTABEIS

111- DEFINiES:

01. Atividades e Operaes Insalubres

o Art. 189 da CLT define:

Sero consideradas atividades ou operaes insalubres aquelas que, por suanatureza e condies ou mtodos de trabalho, exponham os empregados a agentesnocivos sade, acima dos limites de tolerncia fixados, em razo da natureza e daintensidade do agente e do tempo de exposio aos seus efeitos.

02. Riscos Ambientais

Consideram-se riscos ambientais os agentes fsicos, qumicos e biolgicosexistentes nos ambientes de trabalho que, em funo da sua natureza. concentraoou intensidade e tempo de exposio, so capazes de causar danos sade dotrabalhador (item 9.1.5 da Norma Regulamentadora - NR-9).

03. Agentes Fsicos

Consideram-se agentes flsicos as diversas formas de energia a que possam estarexpostos os trabalhadores, tais como: ruido. vibraes, presses anormais,temperaturas extremas, radiaes ionizantes, radiaes no-ionizante, bem como oinfra-som e o ultra-som (item 9.1.5.1 da NR-9).

04. Agentes Qumicos

Consideram-se agentes qumicos as substncias, os compostos ou produtos quepossam penetrar no organismo pela via respiratria, nas formas de poeiras, fumos,nvoas, neblinas gases ou vapores, ou que, pela natureza da atividade de exposiopossam ter contato ou ser absorvido pelo organismo atravs da pele ou por ingesto(item 9.1.5.2 da NR-9).

05. Agentes Biolgicos

Consideram-se agentes biolgicos as bactrias, fungos, bacilos, parasitas,protozorios, vrus entre outros (item 9.1.5.3 da NR-9).

. TIpo de DocumentoLaudo de Avaliao AmbientalTitulO do Oocumento I~~"o I~;26Laudo de Avali~o Ambient~1

FACULDADE DE CIENCIAS CONTABEIS

06. Tempo de Exposio

A NR-15 no seu Anexo 14 define tempo de exposio como contato permanente.Assim considera-se como contato permanente a obrigatoriedade diria de realizarfunes de risco com exposio aos agentes insalubres, cuja execuo das tarefasnessas condies possa ser inquestionavelmente caracterizada nas atividadescotidianas e no conjunto de atividades do servidor.

Essa definio foi normatizada no Art. 65 do Decreto 3.048 de 6 de maio de 1999 -Regulamento da Previdncia Social com a seguinte redao:

Art. 65. Considera-se trabalho permanente. para efeito destaSubseo, aquele que exercido de forma no ocasional nemintermitente, no qual a exposio do empregado, do trabalhadoravulso ou do cooperado ao agente nocivo seja indissocivel daproduo do bem ou da prestao do servio (Redao dada peloDecreto nO 4.8B2,de 18.11.2003).

Pargrafo {mico. Aplica-se o disposto no caput aos periodos dedescanso determinados pela legislao trabalhista, inclusive frias,aos de afastamento decorrentes de gozo de benefcios de auxlio-doena ou aposentadoria por invalidez acidentrios, bem como aosde percepo de salrio-maternidade, desde que, data doafastamento, o segurado estivesse exercendo atividade consideradaespecial (Incluido pelo Decreto nO 4.882, de 18.11.2003).

07. Atividades e Operaes Perigosas

So consideradas atividades e operaes perigosas aquelas que por sua naturezaou mtodos de trabalho, impliquem o contato permanente com inflamveis,explosivos. radiaes ionizantes e eletricidade. A NR-16 estabelece os critrios paraa sua concesso de acordo com os seus Anexos;

Anexo 1: Atividades e Operaes Perigosas com Explosivos;

Anexo 2: Atividades e Operaes Perigosas com Inflamveis;

Anexo 3: Atividades e Operaes Perigosas com Radiaes Ionizantes ouSubstncias Radioativas;

Atividades e Operaes Perigosas com Eletricidade (Lei nO 7 369/85 normatizadapelo Decreto 93.412/86).

TipO de DocumentoLaudo de Avaliao AmbientalTtulo do Ooc

Recommended

View more >