latim básico

Download latim básico

Post on 06-Jan-2016

229 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

bom

TRANSCRIPT

  • LATIM BSICO

    www.ordemdesiles.blogspot.com

  • Breves comentrios sobre o Latim

    O Latim, lngua indo-europia, pertence ao grupo itlico osco, umbro, latim. Falado primeiramente pela populao de Roma e do Lcio, prevaleceu sobre os outros idiomas da Itlia (osco, umbro, grego, etrusto), difundiu-se graas s conquistas e ao desenvolvimento do Imprio Romano, e tornou-se uma das duas principais lnguas do mundo antigo.

    Comeou a adquirir forma literria apenas pelo incio do sculo III a.c.

    Costuma-se dividir a histria do latim em perodos:

    1. Perodo arcaico (entre o sculo III e o incio do sculo I a.C.), com Cato e, sobretudo, com os dois grandes escritores cmicos, Plauto e Terncio.

    2. Perodo clssico (entre o incio do sculo I a.C. e o incio do Imprio), com Ccero, Csar, Salstio, Horcio, Verglio e outros.

    3. Perodo ps-clssico ( a partir de nossa era) com Tito Lvio, Sneca, Quinto Crcio, Plnio, o Velho, Quintiliano, Plnio, o Moo, Suetnio e outros.

    4. Perodo cristo (a partir do sculo III de nossa era, aproximadamente), com Tertuliano, Santo Agostinho, So Jernimo e outros.

    Cumpre ressalvar que ao lado da lngua escrita ou literria existia uma lngua falada, que nos conhecida sobretudo pelos textos no literrios e pelas inscries. Essa lngua se transformava mais rapidamente que a outra. Foi ela que deu origem s lnguas romnicas portugus, espanhol, catalo, provenal, francs, italiano, romeno.

    Alfabeto

    Na poca clssica, o alfabeto latino compreende 21 letras, das quais apenas uma no usual o K (k). So elas: A (a), B (b), C (c), D (d), E (e), F (f), G (g), H (h), I (I), L (l), M (m), N (n), O (o), P (p), Q (q) R (r), S (s), T (t), V (u), X (x). Ditongos Os ditongos so indicados pelas letras: Ae (ae), Oe (oe), Au (Au) Fonemas Fonemas voclicos Fonemas consonnticos p t k b d g f s h m n l r

  • 12

    O acento No h nenhum sinal para marcar o acento em latim. Regras: 1. Nas palavras de uma slaba ele recai sobre ela:[t] t; 2. Nas de duas slabas, ele recai sobre a primeira:[pter] pter; 3. Nas de trs ou mais slabas o acento recai sobre a penltima, se esta for longa; se for breve, o

    acento recua uma slaba: [inunit] inunit encontrou; [inunit] nuenit encontra.

  • 13

    Primeira Lio

    O nome e o verbo latinos; os casos; a primeira e segunda declinaes; primeira e segunda conjugaes no presente do indicativo; adjetivos de primeira classe. Presente do indicativo do verbo irregular esse e de seu composto posse.

    F1 Fm ulat. (Verglio) O boato voa. [fm, ae (f) boato; ul, s, re (1) voar]

    F2 Fortn est caec. (Ccero) O destino cego. [fortna, ae (f) destino; sm, s, sse (irr.) ser; caecus, a, um cego]

    F3 Immdc r creat insniam. (Sneca) A ira desmedida gera a loucura. [ra, ae (f) ira; immdcus, a, um desmedido; cre, s, re (1) gerar; insnia, ae (f) loucura]

    F4 Debmus ram uitre. (Sneca) Devemos evitar a ira. [debe, s, re dever (2); ra, ae (f) ira; uit, s, re (1) evitar] F5 Maecnas, amcus August, m in numr amicrum habet. (Horcio) Mecenas, amigo de Augusto, me tem no rol de seus amigos.

    [Maecnas, tis (m) Mecenas; amcus, i (m) amigo; Augustus, i (m) Augusto; m (pron. pess. ac.) me; in (prep. + abl. ) em; numrus, i (m) rol, nmero; habe, s, re (2) ter]

    F6 Mdum tenre debmus. (Sneca) Devemos guardar moderao. [mdus, i (m) moderao; tene, s, re (2) guardar; debe, s, re (2) dever]

    F7 Multam pecniam deportat. (Ccero) Ele leva muito dinheiro. [multus, a, um muito; pecnia, ae (f) dinheiro; deport, s, re (1) levar]

    F8 Errre est humnum. (Sneca) Errar humano. [err, s, re (1) errar; sm, s, sse (irr.) ser; humnus, a, um humano]

    F9 Puellam meam magis quam ocls mes am. (Terncio) Amo minha menina mais do que meus olhos.

    [puella, ae (f) menina; meus, a, um meu; magis quam mais (do) que; oclus, i (m) olho; am, s, re (1) amar]

    F10 Infintus est numrus stultrum. (Eclesiastes) O nmero dos insensatos infinito. [infintus, a, um infinito; sm, s, sse ser; numrus, i (m) nmero; stultus, a, um insensato]

    Verglio (P. Vergilius Maro: 7019 a.C.) Ccero (M. Tullius Cicero: 10643 a.C.) Sneca (L. Annaeus Seneca: 4 a.C.65 d.C.) Horcio (Q. Horatius Flaccus: 658 a.C.) Terncio (P. Terentius Afer: 185?159 a.C.)

  • 14

    Informaes gramaticais

    A. As formas verbais ulat (F1), creat (F3), habet (F5), deportat (F7), est (F2, F8, F10) esto na terceira pessoa do singular do presente do indicativo da voz ativa, cuja marca o t.

    J a desinncia mus de debmus (F4, F6) e de am (F9), indicam que os verbos esto na primeira pessoa, plural e singular, respectivamente.

    As outras desinncias so: s, para a segunda pessoa do singular; tis, para a segunda do plural; nt, para a terceira do plural.

    Essas terminaes aparecem nas quatro conjugaes dos verbos regulares e irregulares.

    O verbo sse e seus compostos, no entanto, tm como marca da primeira pessoa do singular a desinncia m: sum [eu sou]

    Nesta lio estuda-se o presente do indicativo da primeira e da segunda conjugaes, e o do verbo sse [ser] e seu composto psse [poder].

    Para se reconhecer a conjugao de um verbo, examinase a vogal que precede o sufixo do infinitivo presente, re.

    A vogal que indica ser o verbo de primeira conjugao [amre amar]; de segunda, [monre aconselhar]; de terceira, [legre ler], [capre pegar]; de quarta, [audre ouvir].

    Amre e monre foram escolhidos como paradigmas dos verbos regulares da primeira e segunda conjugaes.

    Presente do Indicativo:

    eg am mon t (ille) ns us (illi)

    ams amt ammus amtis amnt

    mons mont monmus montis monnt

    Conjugao do verbo irregular esse e seu composto psse no presente do indicativo:

    sum pssum es ptes est ptest sumus pssmus estis ptestis sunt pssunt

    B. Assim como o verbo latino tem vrias terminaes com que desempenha seu papel particular numa dada frase, tambm o nome latino tem vrias terminaes, de acordo com a funo sinttica que desempenha na frase: sujeito, predicativo do sujeito, objeto direto, objeto indireto, adjunto adverbial, e assim por diante.

    As vrias formas de um nome so chamadas de casos. Em latim, seis so os casos:

    Nominativo: caso do sujeito e do predicativo do sujeito;

    Genitivo: caso do adjunto adnominal e do complemento nominal;

    Dativo: caso do objeto indireto;

    Acusativo: caso do objeto direto e do predicativo do objeto direto;

    Ablativo: caso dos adjuntos adverbiais;

    Vocativo: caso da interpelao.

    Os termos fma (F1), fortna (F2), immdca ra (F3), Maecnas (F5), numrus (F10), esto no nominativo: desempenham a funo sinttica de sujeito.

  • nom ae us um gen ae rum rum rum dat ae s s s ac am s um s um abl s s s voc ae um

    15

    Caec (F2), humnum (F8) e infintus (F10) tambm esto no nominativo: desempenham a funo sinttica de predicativo do sujeito.

    O gnero do adjetivo est estreitamente relacionado com o do sujeito da frase:

    caec est no feminino porque o sujeito fortna feminino;

    infintus est no masculino em concordncia com numrus, tambm masculino;

    humnum est no neutro, j que o sujeito um verbo no infinitivo, o que faz que o predicativo do sujeito fique no neutro.

    Os termos insaniam (F3), ram (F4), mdum (F6), multam pecniam (F7), puellam meam (F9), ocls mes (F9) esto no acusativo: sua funo sinttica a de objeto direto.

    In numr (F5) est no ablativo e o termo que o completa, amicrum, no genitivo, bem como August, que complementa amcus; stultrum (F10) tambm est no genitivo, em estreita relao com numrus.

    O adjetivo acompanha o substantivo em gnero, nmero e caso, como em (F3) immdca ira, (F7) multam pecniam, (F9) puellam meam, oculs mes.

    Feitas essas observaes, apresentar-se-o paradigmas da primeira e segunda declinaes:

    terr terra : paradigma da primeira declinao; domnus senhor : paradigma da segunda declinao dos nomes no-neutros;

    donum p