juizados especiais estaduais - pgj.ce.gov.br de controvrsias a) fase pr-processual; b) audincia...

Download Juizados Especiais Estaduais - pgj.ce.gov.br de controvrsias a) Fase Pr-Processual; b) Audincia Preliminar; c) Representao; d) Transao Penal; Natureza Jurdica e consequncias do seu

Post on 10-Feb-2018

214 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Juizados Especiais Estaduais

    Aspectos controvertidos

    Iran Srio

  • Multiplicidade de controvrsias

    a) Fase Pr-Processual;b) Audincia Preliminar;c) Representao;d) Transao Penal; Natureza Jurdica e consequncias do seu

    descumprimento; Restituio das coisas apreendidas Especificao; Aplicao imediata da medida scio-educativa; Multa destinao Ao Privada e Transao Penal

  • Aspectos controvertidos

    Termo Circunstanciado de Ocorrncia:

    BO;

    Noticia Crime TCO e

    IPL

    Instaurao de IPL com base em TCO;

    Impossibilidade imediata da identificao da autoria da infrao penal;

    Lavratura TCO pela PM

  • BO- TCO - IPL

    Realidade Ftica em alguns Estados

    Fato Cidado PM(recusa)PC(recusa)

    MP(requisita a lavratura).Mau funcionamento do sistema

    Em muitos casos to difcil registrar um BO que a vtima prefere nem gastar tempo, o que contribui para aumentar a cifra negra (crimes no registrados). Muitos fatos so comunicados pelo 190 e nem sempre tambm so registrados como BO.

  • BO- TCO - IPL

    Sistema Congestionado:Fato PM(Delegacia)demora na lavraturaQuando lavrado ausncia de policiamento nas ruas.

    Boletim Ocorrncia Circunstanciado(ECA)

  • O que deve conter o TCO em que difere do BO e IPL

    BO comunicao da existncia de uma infrao penal. A partir dessa notitia criminis materializada, iniciam-se as investigao da autoridade encarregada do inqurito policial.

    TCO aqui o fato narrado resumidamente, identificando-o as pessoas envolvidas. Tem por objeto a apurao das infraes penais de menor potencial ofensivo.

    IPL destinado a apurar fatos complexos, de todas as suas circunstancias, oferecendo elementos suficientes ao execpicio da ao penal.

  • STJ RHC - Processual Penal - lei n. 9.099/95 - Termo

    Circunstanciado - Diligencia Policial - a lei n. 9.099/95 introduziu novo sistema processual-penal. no se restringe a mais um procedimento especial. o inquerito policial foi substitudo pelo termo circunstanciado. aqui, o fato narrado resumidamente, identificando-o e as pessoas envolvidas. o juiz pode solicitar a autoridade policial esclarecimentos quanto ao tc. inadmissvel, contudo, determinar elaborao de inqurito policial. a distino entre ambos e normativa, definida pela finalidade de cada um. tomadas de depoimentos e prprio do inqurito, que visa a caracterizar infrao penal. o tco, ao contrario, e bastante para ensejar tentativa de conciliao.(Proc. RHC 6249/SP Recurso Ordinrio em Hbeas Corpus 19997/0007939-2 Relator: Min. Luiz Vicente Cernicchiaro; rgo Julgador: 6. Turma; Data Julgamento: 24/11/1997.

  • Aspectos Constitucionais TCO ao MP

    CF/88

    Art. 5. Omissis. LXXVIII a todos, no mbito judicial e administrativo,

    so assegurados a razovel durao do processo e os meios que garantam a celeridade de sua

    tramitao.Art. 93. omissis.

    XIV os servidores recebero delegao para a prtica de atos de administrao e atos de mero expediente sem carter decisrio.

  • TCO DESTINAO

    Em decorrncia do princpio da celeridade, como titular da ao penal pblica o Ministrio Pblico, a regulamentao local deve determinar que os termos circunstanciados que se referirem a infraes penais de menor potencial ofensivo devem ser encaminhados diretamente a Secretaria do Juizado, aps o competente registro, ao Promotor de Justia, rescindindo de despacho judicial.(Mirabeti (2000:87)

  • A PM PODE LAVRAR TCO?

    CONSULTA FORMULADA PELO MINISTRIO PBLICO ACERCA DA LEGALIDADE DA LAVRATURA DE TERMOS CIRCUNSTANCIADOS PELA POLCIA RODOVIRIA FEDERAL PREVISTA NO TERMO DE COOPERAO TCNICA CELEBRADO ENTRE AQUELAS INSTITUIES, NO PROVIMENTO N. 04/1999 DA CORREGEDORIA-GERAL DA JUSTIA DESTE TRIBUNAL E NO DECRETO N. 660/2007 DO GOVERNO DO ESTADO. INTERPRETAO DA EXPRESSO "AUTORIDADE POLICIAL" INSCULPIDA NO ART. 69 DA LEI N. 9.099/95. AUSNCIA DE BICE LEGAL, LUZ DA CONSTITUIO FEDERAL (ART. 144, 2 E 4) E DOS PRINCPIOS DA CELERIDADE E INFORMALIDADE, NORTEADORES DA LEI N. 9.099/95 PARA A AUTORIZAO. NORMAS SIMILARES NOS ESTADOS DO PARAN, SO PAULO, RIO GRANDE DO SUL E RIO GRANDE DO NORTE. ORIENTAO DO MINISTRIO DA JUSTIA NESTE SENTIDO.

    Em ateno ao esprito da Lei n. 9.099/95, de celeridade na prestao jurisdicional e de informalidade, e para os fins especficos de realizao do termo circunstanciado em crimes de menor potencial ofensivo, no se vislumbra bice legal na lavratura de tais atos pela Polcia Rodoviria Federal.

  • STF(ADI 2862) PLENO AO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE. ATOS NORMATIVOS

    ESTADUAIS QUE ATRIBUEM POLCIA MILITAR A POSSIBILIDADE DE ELABORAR TERMOS CIRCUNSTANCIADOS. PROVIMENTO 758/2001, CONSOLIDADO PELO PROVIMENTO N. 806/2003, DO CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA DO TRIBUNAL DE JUSTIA DE SO PAULO, E RESOLUO SSP N. 403/2001, PRORROGADA PELAS RESOLUES SSP NS. 517/2002, 177/2003, 196/2003, 264/2003 E 292/2003, DA SECRETARIA DE SEGURANA PBLICA DO ESTADO DE SO PAULO. ATOS NORMATIVOS SECUNDRIOS. AO NO CONHECIDA.

    1. Os atos normativos impugnados so secundrios e prestam-se a interpretar a norma contida no art. 69 da Lei n. 9.099/1995: inconstitucionalidade indireta.

    2. Jurisprudncia do Supremo Tribunal Federal pacfica quanto impossibilidade de se conhecer de ao direta de inconstitucionalidade contra ato normativo secundrio. Precedentes.

    3. Ao Direta de Inconstitucionalidade no conhecida.

  • Voto do Min. Cezar Peluso [...] Ademais e a despeito de tudo, ainda que, para argumentar, se pudesse ultrapassar o plano de estrita legalidade, no veria inconstitucionalidade alguma, uma vez que, na verdade, no se trata de ato de polcia judiciria, mas de ato tpico da chamada polcia ostensiva e de preservao da ordem pblica de que trata o 5 do artigo 144 , atos tpicos do exerccio da competncia prpria da polcia militar, e que est em lavrar boletim de ocorrncia e, em caso de flagrante, encaminhar o autor e as vtimas autoridade, seja policial, quando seja o caso, seja judiciria, quando a lei o prev.

  • AUDINCIA PRELIMINAR

    INTIMAO DA VTIMA PARA AUDINCIA PRELIMINAR NOS CRIMES DE AO PENAL EXCLUSIVAMENTE PRIVADA e RT. 19 DO CPP.

    Art. 19. Nos crimes em que no couber ao pblica, os autos do inqurito sero remetidos ao juzo competente, onde aguardaro a iniciativa do ofendido ou de seu representante legal, ou sero entregues ao requerente, se o pedir, mediante traslado.

  • STJ O Superior Tribunal de Justia tambm j decidiu:

    PENAL. PROCESSUAL PENAL. LEI N 9099/95. JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL. TERMO CIRCUNSTANCIADO E NOTIFICAO PARA AUDINCIA. ATUAO DE POLICIAL MILITAR. CONSTRANGIMENTO ILEGAL. INEXISTNCIA.

    - Nos casos de prtica de infrao penal de menor potencial ofensivo, a providncia prevista no art. 69, da Lei n 9099/95, da competncia da autoridade policial, no consubstanciando, todavia, ilegalidade a circunstncia de utilizar o Estado o contingente da Polcia Militar, em face da deficincia dos quadros da Polcia Civil (HC 7199/PR, rel. Ministro Vicente Leal, DJU 28.09.1998).

  • TJ/RS AO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE. PORTARIA DA SECRETARIA DE

    ESTADO DA JUSTIA E DA SEGURANA. ART. 69 DA LEI N 9.099-95. ATRIBUIO DE COMPETNCIA POLCIA MILITAR COM ALEGADA OFENSA AOS ARTS. 129 E 133 DA CONSTITUIO ESTADUAL. ATO REGULAMENTAR. HIPTESE SUJEITA JURISDIO CONSTITUCIONAL. LAVRATURA DE TERMO CIRCUNSTANCIADO POR QUALQUER AUTORIDADE INVESTIDA EM FUNO POLICIAL. COMPETNCIA DO SECRETRIO DE ESTADO PARA O ATO. IMPROCEDNCIA DO PEDIDO.

    [...] MRITO. No verifica afronta repartio constitucional das competncias entre as polcias civil e militar. Expresso autoridade policial referida no art. 69 da Lei n 9.099-95 compreende quem se encontra investido em funo policial, ou seja, a qualquer autoridade. Ato que insere nas atribuies especficas do titular da Secretaria da Justia e da Segurana, a quem assegurada a competncia sobre servio policial militar e servio policial civil (art. 8, I, da Lei Estadual n 10.356-95). Prvio acordo entre o Ministrio Pblico e a Polcia Estadual decorrncia do limitado alcance regulamentar do ato, de modo a programar paulatinamente sua observncia nas comarcas que estiverem preparadas para o cumprimento das aes concretas do rgo da Administrao responsvel pelos servios policiais. Hiptese de improcedncia do pedido (Ao Civil Pblica n. 70014426563, Tribunal Pleno, rela. Desa. Maria Berenice Dias, j. 12/03/2007).

  • TJ/SC [...] HABEAS CORPUS - LEI N. 9.099/95 - AUTORIDADE POLICIAL -

    POLICIAL MILITAR - LAVRATURA DE TERMO CIRCUNSTANCIADO -POSSIBILIDADE - INDICIAMENTO EM INQURITO POLICIAL POR PRETENSA USURPAO DE FUNO - INADMISSIBILIDADE DIANTE DOS PRINCPIOS REGEDORES DA LEI N. 9.099/95 - FALTA DE JUSTA CAUSA -TRANCAMENTO DO INQURITO POLICIAL - ORDEM CONCEDIDA.

    A Constituio Federal, ao prever uma fase de consenso entre o Estado e o agente, nas infraes penais de menor potencial ofensivo, criou um novo sistema penal e processual penal, com filosofia e princpios prprios.

    Para a persecuo penal dos crimes de menor potencial ofensivo, em face do sistema previsto na Lei dos Juizados Especiais Criminais, e dando-se adequada interpretao sistemtica expresso "autoridade policial" contida no art. 69 da Lei n. 9.099/95, admite-se lavratura de termo circunstanciado por policial militar, sem excluso de idntica atividade do Delegado de Polcia.

    O termo circunstanciado, que nada mais do que "um registro oficial da ocorrncia, sem qualquer necessidade de tipificao legal do fato", prescinde de qualquer tipo de formao tcnico-jurdica para esse relato (Damsio E. de Jesus) (HC n. 00.002909-2, rel. Des. Nilton Macedo Machado, j. 18.4.2000).

  • FONAJE ENUNCIADOS ATUALIZADOS AT O XXVI

    FORM NACIONAL DE JUIZADOS ESPECIAIS

    25, 26 e 27 de novembro de 2009 Fortaleza/CE

    Enunciado 34 - Atendidas as peculiaridades

Recommended

View more >