jornal1final colorido

Click here to load reader

Post on 15-Apr-2017

201 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • JORNAL CARNIDE 30-11-2012 Pgina 1 NMERO 1

    P E R I O D I C I D A D E M E N S A L

    Contactos Facebook em: https://www.facebook.com/jornaldecarnide Ou atravs dos emails: [email protected] , [email protected]

    Novembro de 2012 Tiragem 100 exemplares Direo e Edio de Vitor Bom Norte e Mrio Alves pela AMQL

    Este o primeiro nmero de

    uma publicao que se espe-

    ra vir a ter uma regularidade

    mensal.

    Estamos recetivos a alterna-

    tivas e sugestes que consi-

    derarem teis manuteno

    e melhoria do padro deste

    jornal.

    Neste primeiro nmero vamos

    dar a conhecer a muitos leito-

    res um doutor filantrpico que

    viveu em Carnide, e tambm

    valorizar a obra de um grupo

    de cidados que no ano de

    1926 conseguiu transformar

    o imaginrio em real dando

    -Quem quem na toponmia da freguesia

    de Carnide.

    -As novas cores do Jardim

    Nmero

    1

    assim sustentabilidade ao nosso futu-

    ro atravs da construo de um belo

    jardim. Agradecemos tambm ao Gru-

    po Comunitrio de Carnide pelo seu

    dinamismo e empenho

    Mas sabemos tambm que em Carni-

    de a contra informao contorna todas

    as esquinas, tropeando at nos

    buracos dos sumidouros

    cujas tampas foram surripia-

    das pela noite espalhando-

    se ao comprido

    A palavra sussurrada ao

    nosso ouvido nunca igual

    em todas as ruas e como tal

    existem sempre palavras

    que se escrevem sem ser

    em jornais.

    Mas a verdade sempre

    mais fria que a mentira, e

    nem sempre a verdade fala-

    da significa verdadeiramen-

    te o mesmo que a verdade

    escrita.

    E D I T O R I A L

    G R A T U I T O

    N E S T A E D I O

  • JORNAL CARNIDE 30-11-2012 Pgina 2 NMERO 1

    MDICO

    1884 -- 1972

    Mdico de uma abnegao invulgar que

    abdicava dos valores materiais para prestar

    servio mdico aos mais desfavorecidos.

    Aqui viveu e exerceu a sua arte na nossa

    freguesia, mais precisamente na azinhaga

    das Carmelitas arrendando o rs do cho

    vivenda Palmira

    Foi um extraordinrio exemplo de altrusmo,

    um solidrio por excelncia que abriu mos

    a uma generosidade quase rara e inigual-

    vel servindo a populao mais desfavoreci-

    da de modo singular. Jos Joo Farinha

    Jnior nasceu em Elvas no dia 18 de filho

    .

    Jos Joo Farinha Jnior

    Quem quem na toponmia da freguesia de Carnide

    cultivo que eram as nossas vizinhas e o paga-

    mento ao av muitas das vezes era feito com

    frutos dessa mesma terra.

    O esprito rural deixava vaguear a minha ima-

    ginao pelas ruas de Carnide. Lancei cartas

    ao futuro e desejei seguir os seus passos,

    razo pela qual escolhi a enfermagem. Os

    modos raros do meu av e a fora e a confian-

    a com que a minha av o apoiava refora o

    ditado " de que por trs de um grande homem

    encontra-se uma grande mulher". Em Carnide

    a caridade era dada sem fronteiras e a desgra-

    a era remediada e de graa. A fuga aflio

    era a paga pelo seu trabalho e as escapadelas

    em famlia eram usuais muitas foram as via-

    gens feitas no carro conduzido pela minha

    av que guiava a preceito o nico carro que a

    famlia possua

    No sonhou ser santo nem fidalgo , mas com

    os seus olhos de baro foi uma estrela desta

    terra. O meu av nunca escondeu da famlia a

    realidade que se vivia na poca. E ficou para

    sempre retratado na minha memria as vitimas

    que padeceram fruto de uma forte enxurrada

    na dcada de 60 no local da Urmeira

    Texto oferecido neta do Doutor Farinha Ana Antunes , homenagem ao seu av pelo Jornal de Carnide.

    Na casa do senhor doutor, ainda se sacode panos janela, mas o olhar terno do senhor j no reina nesta terra.

    Bom dia senhor doutor,

    Boa tarde minha senhora. Hoje a sade oferta um-d-li-t, e da dor livre est!

    O obrigado aqui dado em sinal de gratido, palavra que pronunciada no verdadeiro sentido lacto da palavra.

    Do-me a alma, aperta-se-me o corao, astuto este doutor que consegue roubar o tempo ao tempo.

    Deixando aos nervosos segundos mseras dcimas do seu tempo,

    E eu!?

    Apesar do forro dos meus bolsos das calas se romperem devido ao peso exagerado que o vazio exerce sobre eles.

    Do-me tudo e no tenho nada.

    As ps de um moinho giram em torno de um eixo esmagando a semente, e a pobre Farinha abdica dos valores materiais

    para prestar servio mdico aos mais desfavorecidos.

    Trs, trs... Quem ?

    Sou eu o Doutor!

    A porta abre-se, e os risos de satisfao so em alguns dos casos temperados pelas lgrimas de um agradecimento.

    A calada da rua novamente encaminha os seus passos.

    de Jos Joo Farinha - um modesto

    comerciante da localidade e de Maria

    Alexandrina da Conceio Flix Farinha,

    Uma entrevista concebida pela neta do

    Doutor Farinha, Ana Antunes ao nosso

    jornal, entrevista esta que marca o inicio

    de varias entrevistas que nos vo levar a

    conhecer melhor quem quem na topon-

    mia da freguesia de Carnide.

    Mas resumindo a conversa informal e

    agradvel que mantive com a neta do

    "senhor doutor" deu para notar que ela

    recorda com saudade os atos primordiais

    que ele cometeu e que esqueceu por com-

    pleto as palavras complicadas que enche-

    ram de barafunda o seu, crebro.

    O modo como o seu avo tratava todos por

    iguais naquela casa e o reflexo que o sol

    permitia, realava os contornos de uma

    caixa de madeira colocada propositada-

    mente em cima da secretria e cheia de

    moedas com que ele presenteava

    algum necessitado.

    O rs do cho desta casa de aluguer fazia

    fronteira nas suas traseiras com terras de

    MDICO

    1884 -- 1 972

    De uma abnegao invulgar que

    abdicava dos valores materiais

    para prestar servio mdico aos

    mais desfavorecidos. Extraordi-

    nrio exemplo de altrusmo, um

    solidrio por excelncia que

    abriu mos a uma generosidade

    quase rara e inigualvel servindo

    a populao mais desfavorecida

    de modo singular. Viveu em

    Carnide na Azinhaga das Carme-

    litas no rs do cho alugado da

    Vivenda Palmira.

  • JORNAL CARNIDE 30-11-2012 Pgina 3 NMERO 1

    Prestes a terminar a requalificao do Jar-

    dim e da envolvente do Parque Teixeira

    Rebelo, mais conhecido por jardim da Luz.

    A interveno camarria para a sua requali-

    ficao, A sua requalificao foi uma inter-

    veno camarria e foi apresentada em

    2008.Teve a particularidade de em Setem-

    bro de 2009 um cartaz camarrio a anun-

    ciar o inicio de obra em Outubro desse

    mesmo ano!

    O projeto dos servios do Vereador S

    Fernandes, coordenado pelo Arq. Joo

    Castro teve assinatura do Arq. Jos Eduar-

    do Luiz.

    Efetuados estudos fitossanitrios cuja inter-

    veno submetida aprovao da Autori-

    dade Florestal Nacional ( com parecer

    vinculativo na verso final do projeto ) e

    pelo Instituto de Gesto do Patrimnio

    Arquitetnico e Arqueolgico.

    A Junta de Freguesia, e os servios tcni-

    cos superiores da C.M.L reuniram vrias

    vezes no Grupo Comunitrio de Carnide-

    Centro onde analisaram com a populao o

    .

    As novas cores do jardim

    150 anos do Largo da Luz

    irmo, o Toninho e o Joo Gualdino, esco-

    lhiam o jardim como local de recreio ( apesar

    de no poderem pisar a relva ) e dele avista-

    vam a formao do Colgio Militar ao hastear

    da bandeira, ouviam a charanga do Inst. Adol-

    fo Coelho , ouviam alguma palavra amiga do

    Padre Francisco. J os casais recm-casados

    na Igreja da Luz escolhiam-no como cenrio

    para as fotografias de grupo e a confidencia-

    vam as primeiras promessas de voltar com os

    descendentes. Procedeu-se tambm elimi-

    nao dos sanitrios degradados e que foram

    alvo de um artigo de desagrado pblico por

    parte de Joo Ventura Torro e da Junta de

    freguesia conforme se pode consultar no

    b oletim de julho de 2007 publicao men-

    sal da Junta de freguesia de Carnide A rede

    de escoamento foi intervencionada e procedeu

    -se a uma substituio integral do piso virio ,

    e a uma introduo de alguns lugares de esta-

    cionamento de superfcie junto ao Seminrio e

    ao alargamento da zona de instalao dos

    pavilhes de feira .

    Faltou na nossa modesta opinio a instalao

    de um corredor pedonal, junto ao edificado do

    Teatro Real D. Luiz Filipe que permitiria a

    melhor mobilidade a todo o peo , melhoraria

    o efeito visual , e aqui poderia travar o esta-

    cionamento auto- abusivo, lamentvel ocupa-

    o do espao pblico que se impe em dias /

    noites de futebol ,alis um enorme problema

    tambm em todo o Centro Histrico ou eixo

    Carnide Centro-Luz, Quinta da Luz e Quinta

    do Bom Nome Recentemente, o Vereador S

    Fernandes concordou com a implantao de

    um parque Infantil no Jardim, obra essa que se

    aguarda e que aps estar concluda oferecer