Jornal Voz do Itapocu - 8ª Edição - 22/06/2013

Download Jornal Voz do Itapocu - 8ª Edição - 22/06/2013

Post on 08-Mar-2016

246 views

Category:

Documents

24 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

8 Edio do Jornal Voz do Itapocu, com circulao nas cidades de Barra Velha, Araquari, Balnerio Piarras, So Joo do Itaperi e Balnerio Barra do Sul, em Santa Catarina. Distribuio gratuita nos pontos parceiros de distribuio. Acompanhe pelo Facebook: http://www.facebook.com/vozdoitapocu

TRANSCRIPT

  • JORNAL

    SBADO, 22 DE JUNHO DE 2013. ANO 1 - EDIO 008 - DISTRIBUIO GRATUITA

    GOVERNADOR: RAIMUNDO COLOMBO VISITA SO JOO DO ITAPERI E BALNERIO BARRA DO SUL

    E MAIS: SAIBA COMO SERO INVESTIDOS OS RECURSOS RECEBIDOS PELAS PREFEITURAS DO GOVERNO DO ESTADO

    Governador do Estado divulgou investimentos de R$2,5 milhes nas cidades e recebeu demandas de prefeitos

    CAMPEO!MEDEIROS BATE SO CRISTVO NOS PNALTIS E LEVA O TTULO DO FUTEBOL DE CAMPO EM BARRA VELHA

    PG 13

    PG 16

    DIA DE PROTESTARGRUPO ACORDA BARRA

    VELHA PROMOVE MANIFESTAO HOJE

    PG 3

    PGs 8 e 9

    Circulao: Araquari, Balnerio Barra do Sul, Barra Velha, So Joo do Itaperi e Balnerio Piarras

    SAIBA COMO SERO INVESTIDOS OS RECURSOS RECEBIDOS PELAS PREFEITURAS DO GOVERNO DO ESTADO

    Prefeito Rovni Delmonego, de So Joo do Itaperi,

    pediu apoio do governador para liberao de terras

    da Com oresta e melhorias na SC-415

    Em Balnerio Barra do Sul, prefeito Ademar Borges solicitou pavimentao da Costa do Encanto e auxlio para molhes de pedra no canal do Linguado

    GERALCONHEA OS PROJE-TOS DA DEFESA CIVIL DE BARRA VELHA

    PG 6FESTAHOJE DIA DE QUEIMAR A FOGUEIRA EM SO JOO DO ITAPERI

    PG 12LIXOPOPULAO DENUNCIA MAIS DOIS PONTOS TO-MADOS PELA SU-JEIRA EM BARRA VELHA

  • 2 EDITORIAL Sbado, 22 de junho de 2013.

    A corrupoA corrupo consiste em um mal de natureza mpar, afe-tando, de modo substancial, as mais diversas expresses e condies da sociedade, do poder e da economia.Conforme estudo que citarei adiante, as subtraes decor-rentes de tais desvios seriam su cientes, para a resoluo de problemas crnicos do pas de modo, seno imediato, ex-tremamente rpido e tempes-tivo. A corrupo macula os valores sociais, morais, cvicos e civili-zacionais, divide a populao, desprestigia a tica, destitui o Estado de legitimidade, pro-lifera a valorizao do ilcito, subtrai a lgica de atuao da Administrao Pblica, sub-verte planos e projetos, pro-move a indiferena, acentua a ilegalidade. O discurso poltico passa a tender teatralizao, pois que, em simulacro, plane-jam-se aes, mas as mes-mas no so concretizadas por causa de desvios e outras deturpaes. Desliga-se a

    fraternidade, a solidariedade e a con ana necessria entre cidados comuns e agentes do Estado. Muitos passam a se desinteressar da poltica, inclusive pela ojeriza desper-tada. Cria-se espao para o desenvolvimento do crime or-ganizado, o qual tende a ser derivado para outros ramos, que por sua vez tambm afe-tam a sociedade de maneira menosprezante. Os montantes desviados tendem, inclusive, a ser aplicados fora da cidade, implicando no apenas o des-vio de propriedade e usufruto no mbito local, como tambm a subtrao de divisas do povo como um todo.Deve-se entender que de nada adianta a luta pela edu-cao, pela sade, por maior segurana pblica, pelo de-senvolvimento econmico, pela melhoria nas condies da populao, se o capital necessrio adequada perse-cuo de tais ns subtrado do errio. Como a rmado, tais lutas,

    quando concomitantes a uma contextura de corrupo endmica, tendem inclusive a se tornar inermes, posto que seja amputada pelo desvio, pelo atraso, pela carncia de recursos, pela manipulao, entre outras consequncias da corrupo. Portanto, tais lutas sociais devem ser ao menos, conjugadas, sob a pena de, em caso contrrio, apresen-tarem-se inteis, quando no teatrais. Ademais, a corrupo um dos maiores - seno o maior - fatores de concentrao de renda e gerao de misria, de forma que um combate verda-deiro e sincero a diversas ma-zelas sociais deve passar, ne-cessariamente, pela correo de tais patologias no mbito do Estado e da sociedade: tanto para que haja e ccia e efetividade das aes estatais, quanto para que no se torne, o prprio Estado, um plo de subverso dos escopos sociais basilares.

    PREVISO DO TEMPOSBADO

    Sol com algumas nuvens

    (22/06)

    MX: 19 MN: 14

    DOMINGO (23/06)

    MX: 18 MN: 13

    SEGUNDA-FEIRA

    Chuva, melhorando no decorrer do dia

    (24/06)

    MX: 19 MN: 14

    Informaes do Centro de Informaes de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia de Santa Catarina (Ciram) da Epagri

    EXPEDIENTE

    Tiragem: 5 mil exemplares / distribuio gratuita / semanrio Circulao: Araquari, Balnerio Barra do Sul, Balnerio Piar-

    ras, Barra Velha e So Joo do Itaperi

    Reportagem Carolina Nunes

    Alan Willian

    DiagramaoGermana Souza

    Edio Anderson Davi

    Departamento Comercial Claudia S. Prevedello

    ColaboradoresAngelita Borba de Souza

    Lgia Delazzeri R. BalbinottDaniela Censi

    Lino Pedro de Arajo FilhoMarcos Zaleski de MatosPaulo Zaleski de MatosVolnei Antnio de Souza

    Jornalista Responsvel Flvio Roberto DRT: 02494 JP

    UMA PUBLICAO REDAOAv Santa Catarina, 1192 - SobrelojaCentro - Barra Velha - SCCEP: 88390-000

    Colunas, artigos, cartas, e-mails enviados e assinados so de inteira responsabilidade de seus autores. O contedo no

    expressa, necessariamente, a opinio do jornal.

    CONTATOS

    (47) 3456 1194(47) 9959 1143 (Comercial)

    Reportagem - jornalismo@vozdoitapocu.com.brComercial - comercial@vozdoitapocu.com.brColunistas - colunas@vozdoitapocu.com.brColuna Social - social@vozdoitapocu.com.br

    VEJA ONDE ENCONTRAR O JORNAL DE FORMA GRATUITA TODOS OS SBADOS:www.vozdoitapocu.com.br

    FACEBOOK

    No leu as edies anteriores do Voz do Itapocu?

    Acesse:www.issuu.com/vozdoitapocu e leia na ntegra a edio virtual do jornal, de forma interativa e prtica.

    No leu as edies anteriores do Voz do Itapocu?

    Acesse:www.issuu.com/vozdoitapocu e leia na ntegra a edio virtual do jornal, de forma interativa e prtica.

    Encoberto com chuva no decorrer do dia

  • No dia seis de junho era dada a largada a uma pequena ma-nifestao contra o aumento do preo das passagens de nibus na cidade de So Pau-lo. Aps duas semanas, os pro-testos viraram nacionais e o motivo j no s o aumento das passagens. Agora, chegou a vez da populao barrave-lhense apoiar os manifestos da populao e reivindicar tambm melhorias na poltica municipal.Hoje, o grupo Acorda Barra Velha realiza uma manifes-tao pac ca na Praa Lauro Carneiro de Loyola, no centro da cidade, a partir das 13h30. Ser proibida a utilizao de materiais que ci-tem partidos polticos, como: bandeiras, camisetas ou adesivos. Seg-undo Regina Maria Silva, uma das organizadoras, a polcia foi acionada para fa-zer a segurana durante a tar-de.

    Kalo Marenda, 18 anos de idade, um dos moradores que apoiam a realizao do ato. Uma manifestao desse porte importante para mos-trar que o problema no somente em cidades grandes, mas sim em todo o Brasil. De acordo com a organizao, a expectativa que aproximada-mente 700 pessoas participem desse ato. O pblico presente ir cantar msicas e exibir car-tazes com frases de protesto. Entre os principais temas considerados nacionais, es-to o pedido de reprovao da PEC37, a criao de uma Lei que torne a corrupo um crime hediondo e a con-testao dos gastos excessivos nas construes de estdios para a Copa do Mundo de 2014. Alm disso, temas mu-nicipais como, saneamento bsico, scalizao falha por parte da Fundema, e a construo de um hospital

    tambm faro parte. ina-dmissvel que seja gasto tanto dinheiro para construir uma nova Cmara de Vereadores, enquanto a populao tem que sofrer com o atendimento precrio do PA municipal de-clara a organizadora Regina.Aps a concentrao na praa, a manifestao sair em caminhada pela cidade. O trajeto ser decidido na hora, assim como a data do prximo protesto que deve acontecer na prxima semana.

    Mais manifestaesEm Balnerio Piarras, a ma-nifestao estava programada para acontecer na noite de on-tem, aps o fechamento desta edio. Vrias cidades do Es-tado realizaram mobilizaes semelhantes e a polcia mili-tar estima que cerca de 100 mil pessoas foram s ruas em Santa Catarina nessa semana.

    hoje: grupo Acorda Barra Velha mobiliza a populao para manifes-tao na cidade

    O Pilates um mtodo de exerccio que trabalha a musculatura de forma global, ou seja, os mscu-los de todos os segmentos do corpo so trabalhados: braos, pernas, abdmen e coluna. indicado tanto para pes-soas saudveis como para pessoas doentes, pois o praticante acompanhado o tempo todo pelo pro ssional responsvel ( sioterapeuta ou educador fsico). um tipo de exerccio vol-tado para melhorar a exibi-lidade, alinhar a postura cor-poral, fortalecer e alongar os msculos. Voc que sente aquela dorzinha no nal da coluna (regio lombar) ou se cansa facilmente ao realizar atividades simples do dia a dia, esse tipo de exerccio fsico pode ser o ideal.As aulas so ministradas em Studio ou no Solo. As aulas em Studio so feitas em equipamentos espec cos para a pratica desse tipo de exerccio, so equipamentos com base de madeira e com resistncia por molas. As au-las em Solo so realizadas com auxlio da bola sua e diversos acessrios (elsti-

    cos, halteres, entre outros). O ideal uma integrao do Pilates em Studio e no Solo, pois cada tipo proporciona uma experincia diferente ao corpo.A respirao um dos tens mais trabalhados durante as aulas. Geralmente no dia a dia possumos a respirao muito curta, o que no saudvel para o nosso organismo, sendo assim, ensinado ao cliente a respirao lenta e pro-funda, que alm de facilitar a realizao dos exerccios tambm relaxa.Quem inicia a prtica do Pilates no se arrepende e geralmente o incorpora no seu cotidiano. Os benef-cios so numerosos, sendo alvio de dores nas costas, aumento da disposio e melhora na postura, alguns deles.Se permita tentar algo novo e diferente! Tente mesclar a realizao do Pilates e de um exerccio aerbio, como caminhada, pedalada e na-tao. Cada tipo de exerccio tem um benefcio, basta voc descobrir qual mais lhe agrada e entrar de cabea.

    SadeFisioterapeutaDaniela Censi e-mail: dani_censi@hotmail.com

    3GERALSbado, 22 de junho de 2013.Foto: internet

    Aprendendo mais sobre Pilates

    Desde o ano passado, um grupo chamado Acorda Barra Ve-lha tenta mobilizar os moradores da cidade para promover eventos que manifestassem a indignao com a atual reali-dade da poltica no municpio, utilizando principalmente a internet. Sua primeira tentativa foi organizar uma passeata marcada para o dia sete de setembro. Apesar do apoio pelas redes sociais, apenas 10 pessoas se zeram presente no dia com-binado. Dessa vez a expectativa maior e o grupo pretende continuar realizando outros protestos ao longo do ano.

    Acorda Barra Velha

  • Campanha termina com 1233 mu-das entregues em Barra Velha

    A campanha desenvolvida pela Secretaria de Agrilcutura e Pesca da Prefeitura Mu-nicipal de Barra Velha com-ercializou um total de 1.233 mudas de rvores frutferas e ornamentais at a ltima quarta-feira, dia 19, quando foram entregues as ltimas encomendas. Segundo a responsvel pela campanha Teresita Nichetti, o nmero de vendas foi con-siderado positivo. Foram ven-didas 908 mudas de rvores frutferas, e 325 ornamentais. As mais procuradas foram as de laranjeiras e suas diver-sas variaes. Os valores de venda eram repassados aos compradores diretamente da distribuidora e sem inter-

    medirios, o que deixavam os custos mais acessveis populao, declara Hilrio dos Santos, coordenador de Agricultura e Pesca. Na edio deste ano, o inter-essado escolhia atravs dos catlogos, e efetuava o pa-gamento antecipadamente. As mudas compradas eram distribudas no espao des-tinado a Feira da Integrao Rural, na Av. Paran, ao lado do Ginsio de Esportes. Em anos anteriores, muitas pes-soas solicitaram as mudas e no vieram busc-las, causando prejuzo para os distribuidores. Com o paga-mento antecipado, foi pedido somente o que estava pago, naliza Teresita.

    4 GERAL Sbado, 22 de junho de 2013.

    H pouco mais de um ms no cargo de veterinria na Pre-feitura de Barra Velha, Let-cia Schmidt Siloto, 32 anos, vem encontrando diversos empecilhos para realizar o seu trabalho. De Ivaipor, no Paran, onde era responsvel tcnica por laticnios, a vet-erinria passou em terceiro lugar no concurso pblico do municpio e aps a desistncia dos primeiros colocados foi chamada para ocupar o cargo.De acordo com Letcia a prefeitura no disponibi-liza equipamentos, estrutura e ferramentas, tornando os atendimentos a animais de pequeno porte ainda mais difceis, Tive uma chamada de um cachorro com a pata quebrada e no pude fazer absolutamente nada, pois a prefeitura no dispe de um consultrio, muito menos de equipamentos mdicos, como um aparelho de Raio-X, que era o que precisava no mo-mento.Os problemas enfrentados pela veterinria no so ap-enas de maquinrio, mas

    tambm de matrias de uso dirio, como o caso de um termmetro que teve que ser jogado fora aps o atendi-mento de um cachorro com cinomose. O equipamento teve que ser descartado, pois no tinha materiais espec -cos para desinfetar o aparelho, e se reutilizado em outro ani-mal sem a devida higienizao passaria a doena. Uma sada, de acordo com a veterinria, seria no futuro, realizar um convnio com as clnicas veterinrias locais para dar suporte a esse tipo de atendimento.

    Trabalhos desenvolvidos H pedido do prefeito Clau-demir Matias e da Secretaria Municipal de Agricultura, Letcia est dando foco s inspees de servio e as produes de animais. Dentre essas funes, se enquadra a assistncia tcnica a extenso rural, visando uma produo mais e ciente do produtor e agregando valor ao seu produ-to.

    Veterinria est contratadaMesmo tendo passado no concurso pblico a veterinria Letcia Schmidt Siloto, Mestre em Cincia Animal, est como contratada do municpio. Ten-tamos contato com o Secre-trio de Administrao, Jair Irineu Bernardo, para saber o motivo pelo qual Letcia no est como concursada, mas em todos os momentos em que a reportagem foi a pre-feitura ele estava ocupado. Segundo o edital do concurso da prefeitura, as funes do veterinrio concursado se-riam as seguintes: planejar e executar programas de defesa sanitria, proteo, aprimo-ramento e desenvolvimento de atividades de criao de animais, realizando estudos, pesquisas, dando consultas, exercendo scalizao e em-pregando outros mtodos, para assegurar a sanidade dos animais, a produo racional e econmica de alimentos e a sade da comunidade.

    Veterinria da prefeitura encontra di cul-dades para atendimento em Barra Velha

    Prefeitura municipal de Araquari cria Lei que incentiva a reutilizao da gua da chuvaPrevendo a captao e reu-tilizao da gua das chu-vas, um novo projeto de lei foi aprovado pela Cmara de Vereadores de Araquari e assi-nado pelo prefeito Joo Pedro Woitexem. O projeto visa in-centivar a sustentabilidade no municpio, fazendo com que os habitantes, comerciantes e empresrios que tenham con-strues maiores que 250 met-ros quadrados, tenham que

    captar as guas provenientes dos telhados, sacadas, ter-raos e outros espaos aber-tos. O armazenamento dever ocorrer em reservatrios de no mnimo 10 litros para cada metro quadrado existente em sua construo. Com isso, o que queremos incentivar a populao para que pensem no conceito sustentabilidade. Essa gua poder ser usada

    por eles para diversos ns, explica o prefeito. A adaptao ao novo sistema tem prazo de cinco anos e deve atender as normas da As-sociao Brasileira de Normas Tcnicas. Alm disso, a Vig-ilncia Sanitria do municpio e a Secretaria de Planejamen-to, Oramento e Gesto tam-bm estaro fazendo a scali-zao das novas instalaes.

    Falta de equipamentos, maquinrio e falt...