Jornal Voz do Itapocu - 44ª Edição - 15/03/2014

Download Jornal Voz do Itapocu - 44ª Edição - 15/03/2014

Post on 23-Mar-2016

234 views

Category:

Documents

14 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

44 Edio do Jornal Voz do Itapocu, com circulao nas cidades de Barra Velha, Araquari, Balnerio Piarras, So Joo do Itaperi e Balnerio Barra do Sul, em Santa Catarina. Distribuio gratuita nos pontos parceiros de distribuio. Acompanhe pelo Facebook: www.facebook.com/vozdoitapocu

TRANSCRIPT

  • RECURSOSSO JOO DO ITAPERI ASSINA CONVNIO DE R$1,5 MILHO COM O GOVERNO DO ESTADO

    INDEPENDNCIAPARTIDO DOS TRABALHA-DORES ANUNCIA SADA DA BASE DE GOVERNO EM BALNERIO PIARRAS

    PRDIO NA ORLAEMPRESRIO APRESENTA EM REUNIO PR-PROJETO DE CONDOMNIO DE LUXO EM BARRA VELHA. ENGENHEIRO CONTA DETA-LHES AO VOZ DO ITAPOCU

    VIOLNCIAAPS DOIS ASSALTOS SEGUIDOS, EMPRES-RIA DE ITAJUBA PEDE MAIS SEGURANA

    JORNAL

    SBADO, 15 DE MARO DE 2014. ANO 1 - EDIO 044 - DISTRIBUIO GRATUITACirculao: Araquari, Balnerio Barra do Sul, Barra Velha, So Joo do Itaperi e Balnerio Piarras

    PG 9

    PG 4

    POLTICAOPOSIO NA CMARA APURA SITUAO DE ADVOGADO DA PREFEITURA DE BARRA VELHA

    PG 8

    ARTE SIMPSIO DA ARXO RENE ARTISTAS PLSTICOS DA AMRICA LATINA

    PG 11

    PG 10

    PG 6

    PG 12

    PROFESSORES UNIDOS!

    Foto: Em assembleia, professores definiram pauta de reivindicaes. Classe tambm quer melhor investimento com recursos do Fundeb

    Licitao para aquisio de veculos ser lanada nos prximos dias. Alm disso, prefeitura pretende fazer o calamento de ruas com outra parte da verba

    PROFISSIONAIS DA REDE MUNICIPAL DE BARRA VELHA QUEREM 19% DE REAJUSTE. CLASSE PLANEJA

    PARALISAO NA TERA-FEIRA

    Foto: Marcos Junghans

  • Menos de um ms aps a inva-so da escola Manuel Antnio de Freitas, no bairro Itajuba, em Barra Velha, a educao volta a ocupar as pginas do jornal e, infelizmente, as causas tambm no so positivas: devido ao arrocho salarial acumulado h anos, os professores do munic-pio organizam uma paralisao. A deciso, uma repetio de um movimento que j ocorreu em anos anteriores, reflexo da gra-vidade da situao e da insisten-te falta melhorias na rea. Quando este fato compreen-dido em escala local, j o su-ficiente para preocupar aqueles

    que entendem que, sem a edu-cao, estamos comprometendo o futuro de nossa cidade. Mas, como diz o ditado, o buraco mais embaixo: em So Paulo,

    professores da rede pblica mar-caram uma paralisao para o dia 28 de maro. A pauta: os sa-

    lrios ruins e as pssimas condi-es de trabalho. No Rio de Janeiro, no ano pas-sado, a classe parou durante 77 dias, professores foram agredi-dos pela polcia e ainda recebe-ram injrias por parte do gover-nador do Estado. Ainda assim, o reajuste conquistado foi de ape-nas 8%, muito abaixo dos 19%

    reivindicados.O descaso com a educao p-blica, prtica que vem se acumu-lando no Brasil desde a poca da Ditadura Militar, atingiu um pon-to crtico: cada vez menos pesso-as se interessam pelo magist-rio. Essa cultura de desestmulo ao professor j causa problemas srios na educao. A situao to grave que em algumas capitais do Brasil, como Natal, os alunos precisam se re-vezar para ter aulas. De acordo com o MEC, 38% das escolas pblicas do pas no conseguem

    professores para vrias discipli-nas. Se comparado com a de outros

    pases, nosso quadro ainda mais desolador: de acordo com uma pesquisa da UNESCO, a re-munerao aos professores bra-sileiros a 3 pior do mundo. Em contrapartida, segundo o mes-mo estudo, existe, em mdia, um

    professor para cada 29 alunos.

    Em pases mais desenvolvidos nesta rea, a proporo cai de um professor para 10 alunos.

    A soluo para esse problema , ao mesmo tempo, simples e complexa: envolve a valorizao

    dos professores. Simples, pois

    no segredo para ningum a degradao do ensino pblico. Complexa, porque propostas de

    melhorias na rea da educao figuram as promessas eleitorais

    de todos os candidatos, mas ra-ramente so colocadas em pr-tica.

    2 EDITORIAL Sbado, 15 de maro de 2014.

    A educao pede socorro

    PREVISO DO TEMPOSBADO (15/03)

    MX: 33 MN: 23

    DOMINGO (16/03)

    MX: 29 MN: 23

    SEGUNDA-FEIRA(17/03)

    MX: 29 MN: 23

    Informaes do Centro de Informaes de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia de Santa Catarina (Ciram) da Epagri

    Tiragem: 5 mil exemplares / distribuio gratuita / semanrio Circulao: Araquari, Balnerio Barra do Sul, Balnerio Piar-

    ras, Barra Velha e So Joo do Itaperi

    Reportagem Carolina Nunes

    Daniel Schiavoni

    DiagramaoGermana Souza

    Edio Anderson Davi

    ColaboradoresAngelita Borba de Souza

    Lgia Delazzeri R. BalbinottDaniela Censi

    Marcos Zaleski de MatosVolnei Antnio de Souza

    Jornalista Responsvel Flvio Roberto DRT: 02494 JP

    UMA PUBLICAO REDAOAv Santa Catarina, 1192 - SobrelojaCentro - Barra Velha - SCCEP: 88390-000

    Colunas, artigos, cartas, e-mails enviados e assinados so de inteira responsabilidade de seus autores. O contedo no

    expressa, necessariamente, a opinio do jornal.

    Sol e pancadas de chuva entre a tarde

    Pancada de chuva isolada

    Sol com chuva no incio e final do dia

    EXPEDIENTE

    CONTATOS

    (47) 3456 1194

    Reportagem - jornalismo@vozdoitapocu.com.brComercial - comercial@vozdoitapocu.com.brColunistas - colunas@vozdoitapocu.com.brColuna Social - social@vozdoitapocu.com.br

    VEJA ONDE ENCONTRAR O JORNAL DE FORMA GRATUITA TODOS OS SBADOS:www.vozdoitapocu.com.br

    FACEBOOK

    NOTCIAS DIRIAS DA NOSSA REGIO.

    No leu as edies anteriores do Voz do Itapocu?

    Acesse:www.issuu.com/vozdoitapocu e leia na ntegra a edio virtual do jornal, de forma interativa e prtica.

    COMUNICADOO VOZ DO ITAPOCU COMUNICA AOS LEITORES, ANUNCIANTES, COLABORADORES E PONTOS

    PARCEIROS DE DISTRIBUIO QUE NO PRXIMO SBADO, DIA 22, NO HAVER EDIO.

    RETORNAREMOS NO DIA 29, COM UM ESPECIAL SOBRE O ANIVERSRIO DE SO JOO DO ITAPERI E

    MUITO MAIS INFORMAES SOBRE A NOSSA REGIO.

  • O Sistema nico de Sade (SUS) oferece desde segunda--feira, dia 10, a vacina contra o Papiloma Vrus Humano (HPV) para meninas de 11 a 13 anos, em unidades de Sa-de e escolas pblicas e privadas de todo o pas. Nas cidades da regio de abrangncia do jor-nal, 2429 crianas tomaram a primeira dose da vacina nesta primeira semana de campa-nha.Para garantir proteo com-pleta, a imunizao ocorrer de forma estendida, em trs doses. A segunda aplicao deve ser feita seis meses depois da primeira e a terceira, cinco anos depois.Ao todo, h mais de 150 tipos de HPV, vrus transmitido principalmente por meio de relao sexual, pelo contato direto com a pele ou mucosas infectadas. A vacina que ser aplicada no Brasil protege con-tra os quatro tipos mais recor-rentes de HPV (6, 11, 16 e 18) os dois primeiros ligados a 90% das verrugas genitais. Os vrus HPV 16 e 18 so respon-sveis por cerca de 70% dos ca-sos de cncer do colo do tero. Preveno De acordo com o Ministrio da Sade, no Brasil, esse cncer o segundo tipo mais frequen-te entre mulheres, com 4,8 mil vtimas fatais por ano. Em 2012, foi a sexta causa de mor-te entre mulheres catarinenses. A previso de incidncia deste tipo de cncer para 2014 no Brasil de 15 mil novos casos, dos quais 480 sero em Santa Catarina. At 2016, o objetivo do Ministrio imunizar 80% do total de 5,2 milhes de me-ninas de 9 a 13 anos no pas.

    Segundo Eduardo Macrio, diretor da Vigilncia Epide-miolgica (DIVE), vinculado Superintendncia de Vigi-lncia em Sade da Secretaria de Estado da Sade (SES), o Ministrio da Sade repassar a Santa Catarina 164 mil doses da vacina. Nossa meta imu-nizar 80% das cerca de 160 mil meninas que esto nesta faixa etria, desta Macrio.Apesar da alta incidncia, o cncer de colo do tero pode ser prevenido por meio da va-cinao, uso do preservativo e realizao do exame preventi-vo (Papanicolau). O Minist-rio da Sade recomenda que o exame Papanicolau seja reali-zado regularmente a partir dos 25 anos de idade.

    AraquariEm Araquari, a Vigilncia Epidemiolgica montou um cronograma de vacinao na rede estadual de Educao. De acordo com a enfermeira Ana Paula dos Reis, o objetivo imunizar 730 meninas entre 11 e 13 anos, A vacina tambm estar disponvel nas Unidades de Sade para imunizar as me-ninas que no foram vacinadas nas escolas, as 26 crianas que estudam na rede municipal de ensino e em outras escolas, fora do municpio, mas que re-sidem aqui, destacou.

    Barra VelhaEm Barra Velha a coordenado-ra da Vigilncia Epidemiolgi-ca e Imunizao, Eliane Rodri-gues de Goes, informou que o municpio, aps um levan-tamento nas escolas, possui 787 meninas na faixa etria da campanha. Nos trs primeiros

    dias da vacinao 148 meninas foram imunizadas.

    So Joo do ItaperiSegundo informaes da en-fermeira da Vigilncia Epi-demiolgica, Cintia Ramos Pfeil, o municpio alcanou na quarta-feira, dia 12, 95% da sua meta. Cerca de 60 meninas entre 11 e 13 anos receberam a primeira dose da vacina contra HPV nas escolas de So Joo do Itaperi. Antes das vacinas ns realizamos uma ao edu-cativa com as meninas, expli-cando sobre a doena e a vaci-na e enviamos um informativo aos pais, destacou Cintia.

    Balnerio Barra do SulNo municpio 147 meninas j receberam a vacina. De acordo com a Vigilncia Epidemio-lgica do municpio, a meta vacinas 250 meninas. At quinta-feira, dia 13, 43 meni-nas de 11 anos haviam sido va-cinas, 60 meninas de 12 anos e 44 vacinas foram aplicadas em meninas de 13 anos.

    Balnerio PiarrasA vacinao no municpio ini-ciou na quinta-feira, dia 13. De acordo com a enfermeira da Vigilncia Epidemiolgica, Alessandra Reckziegel, o n-mero de meninas na faixa et-ria da vacinam em Balnerio Piarrasm de 602. Alm da vacinao nas escolas da rede pblica, estadual e privada, as vacinas do HPV tambm esta-ro disponveis nas unidades de Sade. Os pais ou respons-veis pelas crianas devem levar a carteira de vacinao.

    Meninas entre 11 e 13 anos so vacina-das contra o HPV na regio

    No ms de dezembro a se-guinte notcia circulou jornais e noticirios do Brasil: Justia probe a venda de andadores em todo o Brasil. Essa notcia gerou polmica e discusses por parte de especialistas e leigos. Facilmente encontra-mos mes e pais que relatam as facilidades do andador e como esse aparelho auxiliou os seus filhos no processo de aprendizagem da marcha.Mas por que os profissionais da sade desaconselham o uso do andador? O primeiro motivo o risco de quedas aumentar consideravelmente, em razo da facilidade que o beb se locomove, podendo chegar escadas, piscina ou o prprio andar virar.A facilidade e rapidez na loco-moo tambm podem oca-sionar acidentes que envol-vem queimaduras ou outros

    traumas, como puxar objetos de superfcies altas.Fisioterapeutas se preocupam com o fato de que a muscula-tura das pernas do beb po-dem ficar prejudicadas. Para se manter na posio de p diversos msculos precisam estar fortes. Geralmente as crianas ficam penduradas no andador, sem encostar os ps no cho, ou o que pior, en-costando apenas a ponta do p. Esse posicionamento pode acarretar diversos problemas futuros, como por exemplo al-teraes na coluna vertebral.Dessa forma, pais e futuros pais, ponderem o uso do an-dador, analisem os prs e os contras e lembrem-se, cada criana tem o seu tempo e di-versas fases acontecem antes da marcha, o engatinhar um exemplo importante.

    SadeFisioterapeutaDaniela Censi e-mail: dani_censi@hotmail.com

    3GERALSbado, 15 de maro de 2014.

    A polmica do andador

    A vacinao ser realizada nas escolas da rede pblica, estadual e privada, e tambm ficaro disponveis nas Unidades de Sade dos municpios

    Balnerio Piarras receber ambulncia da Autopista LitoralO prefeito de Balne-rio Piarras, Leonel Jos Martins, assinou na ltima tera-feira, dia 11, o termo de recebimento de uma ambulncia Citron Jumper 0 km, prove-niente da Autopista Litoral Sul. O veculo foi modificado direta-mente na concessio-nria para que se adequasse as normas exigidas por Lei, como o revestimento interno, assoalho, divisrias, janelas, climatiza-o, poltronas, armrios, sistema eltrico, sinalizao, maca re-trtil, sistema de oxignio, suportes e adesivao externa.A Lei que autoriza para que o municpio possa receber a ambu-lncia, junto de sua documentao legal foi aprovada na sesso da Cmara de Vereadores da ltima semana. A ambulncia atender uma grande demanda j existente em todas as unida-des de sade do municpio, compondo a frota municipal, aten-dendo chamadas e plantes, explica o prefeito.

    Foto: Prefeitura de Balnerio Piarras

  • 4 GERAL Sbado, 15 de maro de 2014.

    Professores da rede municipal de Barra Velha querem reajuste de 19% e prometem paralisao na prxima tera-feira

    Os professores da rede muni-cipal de Barra Velha devem realizar uma paralisao na prxima semana. O objetivo chamar a ateno do governo para uma lista de reivindica-es, aprovadas por unanimi-dade em assembleia da catego-ria. Entre elas, est o reajuste de 19% para toda a categoria, alm da atualizao salarial dos nveis 2, 3 e 4 de profis-sionais e aumento dos salrios dos especialistas que atuam nas escolas, como psiclogos e psicopedagogos.A pauta de reivindicaes e aes foi decidida na ltima quarta-feira, 12, em assem-bleia com o Sindicato dos Tra-balhadores do Servio Pblico de Barra Velha (a SINTRAM-BAV). De acordo com o con-selho municipal do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educao Bsica (Fundeb) e de Valorizao dos Profis-sionais da Educao, houve um achatamento salarial nos nveis profissionais existentes, alm de uma clara defasagem acumulada nos ltimos anos. De acordo com o presidente da SINTRAMBAV, Jossias da Rocha Coutinho, os profes-sores j definiram como ser a manifestao. Vamos fazer um dia de paralisao: entre-garemos nossa pauta prefei-tura. Prximo dia 18, o magis-

    trio de Barra Velha vai estar paralisado. Vamos sair em car-reata, de Itajuba, passando por todas as escolas municipais da cidade. Depois, vamos protes-tar em frente prefeitura, afir-mou Jossias. O presidente ainda afirmou que a prefeitura tem se nega-do em conversar com a cate-goria. O prefeito quer que as manifestaes sejam tratadas diretamente com a secretaria de Administrao. Ns quere-mos conversar com ele: ns o elegemos, no a secretria. Ele est se eximindo, protestou Jossias.A professora e presidente do conselho municipal do FUN-DEB, ngela Andr, falou sobre a situao da educao em Barra Velha. catica. A educao pede socorro. Temos dinheiro e ele no est sendo investido completamente na educao. Nosso salrio est achatando, desabafou ngela. De acordo com a professora, a paralisao uma continua-o do movimento que ocor-reu em 2012. No estamos pedindo esmolas, um reajus-te justo, no um aumento. Em 2012, houve uma paralisao geral, no conseguimos. Mas agora estamos na luta, unidos, afirmou. ngela tambm destacou a importncia do apoio do se-

    cretrio da educao, Valdir Nogueira, e dos vereadores Adilson Madruga e Claudenir Arbigaus, o Pulga. Isso mui-to importante para a gente. O dinheiro do FUNDEB deveria ser controlado pelo secretrio, e hoje isso no acontece. A educao est doente por essa desvalorizao do professor: profissionais que entraram em fevereiro j desistiram do trabalho por conta das condi-es, declarou.Outra ilegalidade denuncia-da na reunio foi a condio salarial dos profissionais da limpeza e apoio das escolas. O piso salarial vigente para a classe de R$865. Em Bar-ra Velha, esses profissionais

    recebem apenas R$742, diz o presidente da SINTRAMBAV. A professora ngela comen-tou sobre a participao des-ses profissionais nessa mobili-zao. Todos os funcionrios esto juntos. Alguns tm re-ceio, por terem sofrido ame-aas da ltima vez, pela outra secretaria. Esto inseguros, por no serem efetivos. No pedimos esmolas, e sim o que de direito. Estamos todos juntos, agora.ngela acredita no suces-so dessa mobilizao e disse contar com o apoio da co-munidade e dos alunos. A comunidade tem apo...