Jornal Voz do Itapocu - 35ª Edição - 11/01/2014

Download Jornal Voz do Itapocu - 35ª Edição - 11/01/2014

Post on 23-Feb-2016

220 views

Category:

Documents

4 download

DESCRIPTION

35 Edio do Jornal Voz do Itapocu, com circulao nas cidades de Barra Velha, Araquari, Balnerio Piarras, So Joo do Itaperi e Balnerio Barra do Sul, em Santa Catarina. Distribuio gratuita nos pontos parceiros de distribuio. Acompanhe pelo Facebook: www.facebook.com/vozdoitapocu

TRANSCRIPT

TEMPORADAFALTA DE GUA E ENERGIA MARCAM A TEMPORADA NA REGIO. ENTENDA O QUE ACONTECEU EM CADA CIDADEJORNALSBADO, 11 DE JANEIRO DE 2014. ANO 1 - EDIO 035 - DISTRIBUIO GRATUITACirculao: Araquari, Balnerio Barra do Sul, Barra Velha, So Joo do Itaperi e Balnerio PiarrasPG 11ESPORTEHANDEBOL E FUTEBOL DE AREIA ACONTECEM NA PRAIA EM BARRA VELHAPG 14PGs 3, 4 e 5PG 16Em alguns casos, o aumento ultrapassou 200% em comparao com 2013IPTU 2014: CARNS COMEAM A SER ENTREGUES EM BARRA VELHA E MORADORES RECLAMAM DE AUMENTO PG 6ENTREVISTA: PREFEITO ADEMAR BORGESARISTIDE DE SOUZA: CONE DA PESCA NO MUNICPIOMARCHA PARA JESUS ENCERRA PROGRAMAO DE ANIVERSRIO HOJESAMIR X MATIASEX-PREFEITO E ATUAL TROCAM ACUSAES SOBRE PARECER DO TRIBUNAL DE CONTASPG 11ESPORTEHANDEBOL E FUTEBOL DE EX-PREFEITO E ATUAL TROCAM PGs 7, 8 e 9ESPECIALO ano de 2014 comeou movi-mentado e repleto de informa-es para nossa equipe bus-car ainda na transio entre Natal, Ano Novo e o primeiro ms do ano. No estamos fa-lando apenas dos veranistas curtindo as praias e belas paisagens da nossa regio, prestigiando os eventos de re-vellion e aquecendo o comr-cio local. Antes fosse. A falta de gua e energia se tornou pauta principal em todo o lito-ral catarinense, e aqui no diferente. A estrutura falha de Santa Catarina,calcada principal-mente em duas estatais, Ce-lesc e Casan, voltou a dar sinais de sua fragilidade e despreparo. Alm de demons-trar uma imagem negativa para os milhes de turistas que frequentam o Estado nesta poca do ano, revoltou especialmente os moradores, que muitas vezes acabam por ver com maus olhos o prprio turismo em suas cidades. Espera-se que aps um pe-rodo de festas conturbado, as estatais revejam se o que esto oferecendo para as ci-dades litorneas so mesmo su cientes para atender a de-manda de pessoas. Ficou cla-ro que ainda falta uma melhor estrutura de abastecimento e fornecimento de servios b-sicos, que os consumidores pagam para ter acesso. No somos tcnicos na rea para apontar erros pontuais, mas a quantidade de leitores que procuraram o Voz do Ita-pocu reclamando da falta de gua ou luz, indicam que algo preciso ser feito visando o tu-rismo a longo prazo, at por-que a tendncia de que os nmeros de moradores e visi-tantes aumentem a cada ano. Apenas jogar a responsabili-dade para o grande nmero de pessoas na regio no papel para gestores pblicos. A funo principal dos car-gos pblicos solucionar os problemas da comunidade. O mesmo vale para os eleitos diretamente pela populao, como prefeitos e vereadores, que devem cobrar os investi-mentos necessrios das esta-tais na regio. 2 EDITORIAL Sbado, 11 de janeiro de 2014.Ano novo, velhos problemasPREVISO DO TEMPOSBADO (11/01)MX: 33 MN: 23DOMINGO (12/01)MX: 29 MN: 22SEGUNDA-FEIRAEncoberto com chuva(13/01)MX: 28 MN: 22Informaes do Centro de Informaes de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia de Santa Catarina (Ciram) da EpagriEXPEDIENTETiragem: 5 mil exemplares / distribuio gratuita / semanrio Circulao: Araquari, Balnerio Barra do Sul, Balnerio Piar-ras, Barra Velha e So Joo do ItaperiReportagem Carolina NunesAlan WillianDiagramaoGermana SouzaEdio Anderson DaviDepartamento Comercial Israel VoigtColaboradoresAngelita Borba de SouzaLgia Delazzeri R. BalbinottDaniela CensiMarcos Zaleski de MatosVolnei Antnio de SouzaPercival TeixeiraAndr IgncioJornalista Responsvel Flvio Roberto DRT: 02494 JP UMA PUBLICAO REDAOAv Santa Catarina, 1192 - SobrelojaCentro - Barra Velha - SCCEP: 88390-000Colunas, artigos, cartas, e-mails enviados e assinados so de inteira responsabilidade de seus autores. O contedo no expressa, necessariamente, a opinio do jornal.CONTATOS(47) 3456 1194Reportagem - jornalismo@vozdoitapocu.com.brComercial - comercial@vozdoitapocu.com.brColunistas - colunas@vozdoitapocu.com.brColuna Social - social@vozdoitapocu.com.brFACEBOOKEncoberto com chuvaSol e pancadas de chuva entre a tarde e noiteComunicadoPor um problema no setor de distribuio da gr ca do A Notcia, em Joinville, onde o Voz do Itapocu impresso, no houve distribuio da edio do Voz do Itapocu no ltimo sbado, dia 4. Pedimos desculpas aos nossos leitores, anunciantes e colaboradores, mas tratou-se de um proble-ma na prestao de um servio por ns contratado, fugindo do nosso alcance a soluo.O Caderno de Vero do Voz do Itapocu retorna na prxima semana com a matria especial: A estao dos esportes. Fique ligado!Segundo Luciano Boss, geren-te da Casan de Barra Velha, houve um aumento signi ca-tivo no consumo de gua em comparao com a temporada anterior, o que tem prejudica-do o abastecimento nas regies mais altas e afastadas da Esta-o de Tratamento de gua (ETA).No ano passado, os dias 30 e 31 de dezembro foram os que tiveram mais consumo, em torno de 12 milhes de litros por dia. Neste ano, desde o dia 26 estamos trabalhando com 15,5 milhes de litros por dia, compara. Boss destaca que o bombeamento de gua em Barra Velha est acontecendo 24 horas por dia, mas que no inicio da manh, por volta de 7h, o volume do reservatrio comea a diminuir.Luciano explica que a Casan aumentou em 20% sua capaci-dade de abastecimento em re-lao a ltima temporada, mas ainda assim a regio do Mor-ro do Colcho, no bairro So Cristvo, o bairro Medeiros e a divisa com Balnerio Pi-arras tiveram di culdade em receber gua da estatal, princi-palmente nos horrios de pico. O problema, como em todas as outras cidades, falta de pres-so na rede para enviar gua at os pontos mais distantes. A estimativa de que tenha passado na cidade 130 mil pessoas, o que d 120 litros de gua por pessoa por dia. O problema que muitas pesso-as das partes baixas da cidade esto usando a gua excessi-vamente, para lavar calada e carro, por exemplo, e acabam prejudicando o abastecimento para as partes mais altas e dis-tantes, comenta. Casas com dois pisos, onde a caixa dgua ca em um terceiro pavimen-to, tambm encontram di -culdades para abastecimento durante o dia. Temos registrado em gr cos os horrios de queda, porm em momento algum faltou gua em de nitivo. Cada vez que nosso reservatrio seca, ns ainda contamos com ou-tros dois reservatrios no Morro do Cristo. Alm disso, funciona o nosso abastecimen-to de 180 mil litros por segun-do, diz ele.Falta de gua nas cidades da regio marca temporada3GERALSbado, 11 de janeiro de 2014.Falta de presso na rede fez com que pontos mais distantes e mais altos tivessem di culdades de receber gua. Situao j foi normalizada, segundo representantes da CasanUm problema antigo voltou a afetar moradores e turistas das cidades do litoral Norte de Santa Catarina. O excesso de consumo na alta tempo-rada deixou alguns pontos da regio sem gua, principal-mente nos horrios de pico, pela manh e no nal da tar-de. O caso mais crtico foi em Balnerio Barra do Sul, onde um problema em uma das bombas de recalque de gua reduziu em 50% a capacidade de abastecimento da Casan na cidade na ltima semana. De acordo com os gerentes da estatal nas cidades de abran-gncia do Voz do Itapocu, na ltima semana o servio foi normalizado. Con ra um re-sumo do que o ocasionou a falta de gua nos municpios e como as situaes mais criti-cas podem ser resolvidas. Casan projeta novas obras em Barra VelhaBarra Velha registrou aumento no consumo de gua em comparao com temporada anterior No ponto de vista do geren-te, o fator que colaborou com o abastecimento de gua no municpio na temporada foi a existncia de uma lagoa re-serva no bairro Sertozinho. Para esse ano, os planos da es-tatal so limpar e aumentar a lagoa reserva e ainda projetar outra ao lado da estao prin-cipal. Mesmo com as novas modi caes, a empresa tem buscado solues a longo pra-zo. Luciano revela que h um projeto para mudar a captao de gua, levando para o rio Itapocu na regio do Salto. Se-gundo ele, a alterao deve ser feita em at trs anos.Alm dos quatro reservat-rios j existentes que totalizam uma capacidade de 2 milhes de litros, a previso construir um novo reservatrio no bair-ro So Cristvo com capaci-dade para um milho de litros. Alm do reservatrio e uma estao de recalque, est pre-visto tambm a execuo de 5 quilmetros de adutora de 300 mm. A obra que abastece-r toda a populao do bairro deve custar aproximadamente R$2,5 milhes.Para Boss, no s o abasteci-mento ser melhorado, como tambm a qualidade da gua oferecida. Segundo Luciano, nesse ano sero construdos outros quatro ltros que so-maro aos quatro j em fun-cionamento. A parte de ma-quinrios tambm deve ter modi caes, com a compra de novas motobombas e novos quadros de comandos que de-vem custar R$1 milho.Ano de questes burocrti-casO ano de 2014 deve ser de li-citaes e questes burocrti-cas, avalia o gerente. Segundo ele, ser aberto esse ano a lici-tao para escolher a empresa que executar a implantao das redes coletoras de esgoto. No mesmo projeto devem ser executados os ramais indivi-duais, elevatrias de esgoto e a estao de tratamento. Es-tamos tentando fazer com que as obras iniciem no nal desse ano, mas a previso que as obras comecem no incio de 2015, diz ele.Boss destaca que h muitas empresas interessadas em exe-cutar o servio e por isso o processo dever demorar de seis a sete meses. O valor to-tal da obra deve chegar a R$59 milhes, bene ciando 70% da populao barravelhense. Os outros 30% devem ser reali-zados em uma segunda etapa. Mas isso ca mais fcil depois de executar a primeira, que o servio mais pesado, destaca.Luciano diz que todos os mo-radores devero se adaptar ao sistema e sero obrigados a fazer a ligao nas redes cole-toras. O processo bene ciar inclusive mananciais de guas que hoje esto contaminados com o despejo de dejetos. Um dos principais exemplos o desgue do rio Cancela na praia central, bastante critica-do por moradores e visitantes. Na viso do gerente, aps a nova rede instalada, essa con-taminao acabar.4 GERAL Sbado, 11 de janeiro de 2014.Vice-prefeito de Araquari e presidente da Cmara de Vereadores cobram melhorias da CasanRegio Norte foi a mais prejudicada em Balnerio PiarrasBomba dani cada diminuiu em 50% capacidade de abastecimento em Balnerio Barra do SulOs constantes problemas de falta de gua no municpio, no s durante a temporada, j esgotaram a pacincia dos moradores e administradores pblicos. Na ltima segunda--feira o vice prefeito, Clenilton Clenilton Carlos Pereira, e o presidente da Cmara de Ve-readores, Mrcio Correa, esti-veram em Florianpolis para uma reunio com o presidente da Casan, Dalrio Jos Beber, entre outros diretores.Eles foram at a capital cobrar medidas para solucionar a falta de gua no municpio. Nossa obrigao exigir melhorias imediatas e foi isso que fomos buscar, uma soluo para nos-sa cidade que em 2013 sofreu muito com a constante falta de gua, a rma Clenilton. A estatal apresentou um paco-te de estudos sobre a cidade, como a construo de uma Estao de Tratamento de gua (ETA) entre Araquari e Balnerio Barra do Sul, um reservatrio no bairro Itinga, que dever sanar tambm a falta de gua quando houver problemas de abastecimento por Joinville, e a construo de uma ETA no Pira, que dever abastecer todo o municpio.Alm dessas aes, tambm devem ser construdos poos no bairro Ponto Alto, que ser-viro como uma soluo mais rpida para o municpio. A empresa ir apresentar at o -nal de ms o cronograma com previso das obras relaciona-das. At l, eles se comprome-teram conosco em redobrar os esforos para que no aconte-am mais problemas com falta de gua e ns vamos cobrar, a rma Clenilton. Alm do Centro, abastecido por Balnerio Barra do Sul, a outra extremidade de Ara-quari, prximo da divisa com Joinville, tambm tem sofrido constantemente com o proble-ma na gua. Os moradores do bairro Itinga chegaram a fazer um protesto na BR-280 para reclamar da falta de gua na regio, no nal de 2013. Cer-ca de 50 moradores do lotea-mento Santa Mnica levaram cartazes, faixas e baldes vazios para a rodovia, paralisando o trnsito da rodovia por cerca de 20 minutos durante a tarde de uma segunda-feira.A reclamao dos moradores de que a gua no chega at o local nem durante a madruga-da, como ocorre ao longo do ano. A Casan utiliza a rede da Companhia guas de Joinville para o abastecimento e duran-te a semana a promessa era de que o abastecimento voltaria ao normal. Por car em uma regio entre morros, o bairro Itinga tem di culdade de receber gua. A soluo seria construir um reservatrio no alto do morro, mas ainda faltam detalhes tc-nicos, como a escolha da fonte de gua para abastecer o reser-vatrio. A madrugada do sbado, dia 28 de dezembro, para domin-go foi de tenso e muito traba-lho para a equipe da Casan de Balnerio Barra do Sul. Uma das bombas de recalque de gua estourou e os tcnicos da estatal tiveram substitu-la as pressas por outro equipamen-to. O problema prejudicou em 50% o abastecimento de gua no municpio, segundo o gerente da Casan na cidade, Gercino Baranas. O sistema foi normalizado alguns dias depois do problema.Ainda assim, a situao gerou um novo descontentamento da prefeitura e Cmara de Ve-readores com a estatal. Uma reunio na manh na ltima quarta-feira, dia 8, cou de- nido que Executivo e Legis-lativo iro procurar a Casan para cobrar melhorias no ser-vio oferecido (Leia mais na entrevista com o prefeito Ade-mar Borges, na pgina 7 desta edio).H trs temporadas que no tnhamos problema de falta de gua em Balnerio Bar-ra do Sul, mas infelizmente com este problema na bomba perdemos 50% da nossa ca-pacidade, comenta Baranas. Segundo ele, at a presso da rede se reestabelecer, muitos usurios registraram falta de gua, principalmente os que no tinham reservatrio.Alguns dias depois do repa-ro na rede, as regies mais distantes do Centro ainda sofreram com a falta de pres-so para o abastecimento de gua. Bairros como o Salinas, onde esto concentradas par-te das casas de veranistas na cidade, e o loteamento Maria Fernanda foram os mais pre-judicados. H casos isolados nos horrios de pico, mas es-tes bairros que esto nas pon-tas do municpio que tiveram maior di culdade, justi ca Baranas.Segundo Baranas, o abaste-cimento na semana de maior movimento cou na mdia de 100 litros por segundo, quan-do o normal seria o dobro, enquanto a presso caiu de 22 para 11 metros por coluna de gua. Casas com mais de um pavimento, tambm tiveram di culdade de abastecimento. Com o problema na rede de Balnerio Barra do Sul, o Cen-tro de Araquari, que abaste-cido pela Casan do municpio vizinho, tambm cou preju-dicado. Segundo Gercino Ba-ranas, cerca de 90% da gua que abastece a regio central de Araquari vem da Estao de Tratamento de gua que coordena. Com isso, a rea tambm teve o abastecimento prejudicado.Como o local mais distan-te que ns abastecemos, falta presso na rede para chegar at Araquari. Algumas pesso-as tm questionado que a falta de gua em funo de abas-tecermos tambm uma par-te de Araquari, mas isso no faz sentido. gua tem, o que faltou presso na rede para mandar para aos locais mais distantes, argumenta Bara-nas.Em Balnerio Piarras a re-gio Norte do municpio foi a mais prejudicada com a falta de gua. De acordo com Joo Bento, gestor da Casan na ci-dade, houve di culdades nos horrios de pico, como pela manh e no nal da tarde. No tem gua contnua, por isso h uma escassez no pon-to mais distante de abasteci-mento da cidade, onde sempre houve este problema, explica.Segundo Bento, a Casan de Balnerio Piarras est forne-cendo 200 litros por segundo e operando na sua capacida-de total, 24 horas por dia. J a presso da gua, que nor-malmente oscila entre 30 e 35 metros por coluna de gua (MCA), est em 8 MCA, devi-do ao alto consumo. Apesar da grande quantidade de pessoas consumindo gua no munic-pio na alta temporada, Bento diz que nas demais regies da cidade no houve problemas de abastecimento. 5GERALSbado, 11 de janeiro de 2014.Pronto Atendimento Central rea-berto em Balnerio PiarrasQuedas de energia tambm so alvo de reclamaes na regioNo foi s a falta de gua que deixou turistas e moradores insatisfeitos nas ltimas se-manas. Constantes quedas de energia nos ltimos dias de 2013 e no inicio de 2014 tambm foram registradas nas cidades do litoral. De acordo com a Celesc, foram vrias quedas rpidas de energia, mas que foram solucionadas pelo sistema automaticamen-te. A cidade mais prejudicada foi Balnerio Piarras.A justi cativa da Companhia a mesma utilizada pela Ca-san: excesso de consumo nos horrios de pico. Segundo Eduardo Andrigheto, chefe de operao da regional de Itaja da Celesc, que atende de So Joo do Itaperi a Bombinhas, o problema uma sobrecarga no sistema. Andrigheto explica que quan-do ocorre a sobrecarga, um sistema de proteo ativado automaticamente. Ele tem a funo de reiniciar o abaste-cimento de energia, por isso entre o ltimo sbado e a vi-rada de ano foram registrados vrias quedas. algo normal nesta poca do ano, principal-mente perto da virada de ano, mas que nesta semana no deve mais ocorrer, comenta.Alm de moradores e turistas, que tiveram di culdades para utilizar eletrnicos durante a noite em suas casas, o Voz do Itapocu tambm recebeu reclamaes de comerciantes de Barra Velha, que tiveram o atendimento ao cliente pre-judicado com as quedas de energia. No caso de farmcias e super-mercados, que dependem de um sistema de computadores realizarem suas vendas, os estabelecimentos tiveram por vrias vezes as mquinas ou o sistema reiniciados, o que ge-rou ainda mais las aguardan-do atendimento.O chefe de operao da regio alerta que caso a queda ultra-passe trs minutos, o usurio deve acionar a Celesc pelo te-lefone 0800 480196. Quando a queda ultrapassa esse tempo, pode ser algo pontual na rua ou na regio da pessoa. Por isso, quando acionados envia-mos uma viatura para veri car a situao, comenta. Os casos de problema na ilu-minao pblica, como uma lmpada em um poste que no acende, o morador deve pro-curar a prefeitura, responsvel pela manuteno. A funo da Celesc disponibilizar o ponto de luz apenas, explica Eduardo. As quedas rpidas de energia so causadoras, em algumas situaes, da queima de algum componente de equipamentos de eletrnicos que estavam li-gados rede, impossibilitando o seu uso. Segundo com o Coordenador do Procon de Barra Velha, Antonioni Lucas Costa Maga-lhes, o usurio tem o direi-to de receber da Companhia fornecedora da energia o res-sarcimento do valor do equi-pamento dani cado, desde que faa a reclamao em um prazo de 90 dias. Em caso de alimentos ou remdios estra-gados pela falta de energia, o usurio tambm deve acionar a Celesc, mas o prazo mais curto, um dia apenas. Ao constatar que um equi-pamento parou de funcionar aps uma queda de energia, o usurio tem trs formas de noti car a Celesc: pelo telefo-ne 0800 483232, pelo site www.celesc.com.br ou atravs de visita a uma unidade da Companhia. importante que a pessoa tenha todas as infor-maes sobre o que aconte-ceu, como o horrio e o dia da queda de energia, qual o mo-delo do equipamento, explica Magalhes.Para formalizar a reclamao, a Celesc solicita ao reclaman-te uma srie de documentos. Pode receber o ressarcimento o titular da unidade, parentes de grau prximo, ou o usurio que consiga comprovar atra-vs de documentos que estava utilizando a unidade consumi-dora quando ocorreu o proble-ma. Aps o pedido de ressarcimen-to e a entrega dos documentos necessrios, a Celesc tem 10 dias para realizar uma vistoria no local e no equipamento. Caso o pedido seja deferido, so mais 20 dias para efetuar o pagamento. Se a situao no se resolver entre o reclamante e a Celesc, o Procon pode ser acionado para intermediar a soluo do problema. Segundo Antonioni, desde que foi instalada em Barra Velha, a Coordenadoria de Proteo e Defesa do Con-sumidor j atendeu a duas ocorrncias envolvendo a queima de eletrnicos. Porm, nesta temporada, ainda no houve nenhum registro. A temporada est tranquila, tivemos apenas alguns aten-dimentos relacionados a troca de presentes do Natal, mas nada relacionado a equipa-mentos dani cados, naliza Magalhes. Eletrnicos queimados devem ser ressarcidosFoi reaberto na ltima se-mana o Pronto Atendimento Central de Balnerio Piarras. A obra havia sido embargada por meio judicial e estava pa-rada desde julho do ano pas-sado. Durante o perodo, as instalaes do posto central foram levadas para a unida-de de Santo Antnio, onde continuaram acontecendo os atendimentos. De acordo com a secretaria de Sade, com as novas instalaes fsicas e dois mdicos, o nmero de atendimentos dirios chega a 180 pessoas.A disputa na justia comeou na metade de 2013, quando o municpio recebeu uma noti -cao informando que a am-pliao do Pronto Atendimen-to estava acontecendo em cima de terrenos particulares. De acordo com a secretria de Sade, Lucimir Alcides Ul-ler de Bittencurt, a obra teve incio antes de ter assumido o cargo. Assim que passou a responder pela pasta, ela diz ter sido surpreendida com a noti cao e o embargo. Se-gundo o vice-prefeito, Flavio Tironi, declarou ao Voz do Itapocu na poca, a continui-dade da obra acarretaria em uma multa diria de R$3 mil, at que o proprietrio do terre-no fosse indenizado. Como soluo, segundo a se-cretria de Sade, a prefeitura fechou um acordo com o pro-prietrio do terreno e pagou R$90 mil pelo lote. Estamos contentes por ter conseguido resolver esse pro-blema. Agora a comunidade ganhou um espao fsico em boas condies para melhor atend-las. Logo chegaro os novos equipamentos que es-tamos negociando, disse a secretria. O Pronto Atendimento tambm esteve envolvido em polmica no ltimo ano quando a prefei-tura optou por repassar ao lo-cal R$547.814,14 que seriam destinados a construo de um ginsio, que seria utilizado pela escola Francisca Borba. A justi cativa do Executivo de que o recurso seria utilizado no pagamento da indenizao e na compra de novos equipa-mentos para a unidade. A mu-dana no recurso foi aprovada pela Cmara de Vereadores.Lucimir diz que a unidade no foi inaugurada o cialmente, pois est aguardando novos equipamentos que sero ad-quiridos atravs de licitao.Neste nal de semana a Fun-dao Municipal de Turismo, Esporte e Cultura (Fumtec) promove atividades culturais em Barra Velha. A partir desse sbado, apre-ciadores da leitura podero contar com o projeto Geladeira Cultural nas praias da cidade. O projeto Cultural consiste na disponibilizao de geladeiras personalizadas, nas praias de maior circulao, onde os interessados tero acesso a livros e revistas que sero em-prestados gratuitamente para usufrurem no perodo em que estiverem na praia. As geladei-ras foram apresentadas aos muncipes ontem no ptio da prefeitura e agora, esto ex-postas aos nais de semana nas praias. Logo mais a noite, como forma de valorizar a tradio do Ter-no de Reis, a Fumtec realiza o 4 Encontro de Terno de Reis. O evento acontece na Praa Lauro Carneiro de Loyola no Centro e ter a presena dos grupos Mensageiros da Paz e Amigos Mensageiros, de Barra Velha, alm de atraes de ou-tras quatro cidades catarinen-ses.Terno de Reis e Geladeira Cultural acontecem em Barra VelhaCarns de IPTU comeam a ser entregues em Barra Velha e moradores reclamam de aumento6 GERAL Sbado, 11 de janeiro de 2014.A entrega dos carns de IPTU deste ano j iniciou em Barra Velha e tem causado polmica e reclamaes entre os mo-radores. Desde o dia 2 de ja-neiro, mais de 3.300 carns j foram entregues na sede da prefeitura, num total de 35 mil. Aprovado em dezembro, a reviso na planta de valores, que aumenta o valor dos im-veis no municpio, j passa a pesar nos carns deste ano. Alguns moradores apontam aumentos de mais de 200%.O pagamento vista tem 10% de desconto, com o vencimen-to para dia 10 de fevereiro. Contribuintes que desejam parcelar o pagamento podem optar por dividir o valor em 10 parcelas iguais, que devem ser totalmente quitadas at o dia 31 de dezembro. Os pa-gamentos no efetuados at o ltimo dia do ano sero en-caminhados a Dvida Ativa e o protesto de acordo com a Lei 1290/2013. Na primeira semana de reti-radas do carn, foram regis-trados cerca de 30 pedidos de reviso de valor. A Admin-istrao tem disponibilizado um ncleo de atendimento no plenrio da Cmara de Vereadores, para resoluo de dvidas, encaminhamento de pedidos para a reviso e tambm para deixar o con-tribuinte ciente da frmula de clculo.Segundo a moradora Pricila Pires Ribeiro, que tem casa na Rua Joo Pedro de Oliveira, no Bairro So Cristvo, o valor passou de R$80,00 para R$300,00, ou seja, 275%. Tentei reclamar, mas a sala estava fechada. O que me deixa indignada no o meu aumento, mas ver que pro-priedades nas principais via asfaltadas pagam R$300,00. Enquanto eu moro em uma estrada de cho distante do Centro, critica ela, que no l-timo ano chegou a procurar o Voz do Itapocu para reclamar dos buracos na rua onde mora.Nas redes sociais diversos moradores tm publicado sua indignao ao retirar o carn com o novo valor. H outros casos que o aumento ultrapas-sa a margem de 200%. Como por exemplo no IPTU de Car-los Mendes Ribeiro, repre-sentante da Organizao Bar-ra Limpa (Obal). Segundo ele, seu imposto era de R$541,62 e passou para R$1.689, to-talizando um aumento de 211,92%. Em comunicado divulgado pela sua assessoria de im-prensa, a prefeitura pede a compreenso dos moradores, salientando que a ajuda do contribuinte muito impor-tante para o crescimento de ci-dade, destacando a realizao de obras importantes para o municpio. Toda a fora de uma cidade medida pela co-laborao de sua gente e pelo zelo do administrador pbli-co, diz na nota. No ano passado, quando foi votado o aumento da planta de valores, e consequentemente do IPTU, o prefeito de Barra Velha, Claudemir Matias, en-viou a Cmara uma lista de obras que pretende realizar com o aumento do imposto. Pelos clculos do Executivo, a arrecadao que era de R$6,3 milhes em 2013 passa para R$13,2 milhes neste ano.Em alguns casos, o aumento ultrapassou 200% em comparao com 2013Alm da polmica pelo aumen-to do IPTU, nos prximos meses um novo projeto poder impac-tar no bolso dos moradores. De acordo com a prefeitura, h um alto ndice de imveis que receberam edi caes, mas no foram atualizados na planta diante ao setor de Trib-utao da prefeitura. Para isso, h um projeto previsto no Plano Plurianual de 2014 e na Lei Or-amentria Anual para a reali-zao Geoprocessamento. O estudo um servio de ca-dastro tcnico, onde sero efetuados cadastramento e atualizao das unidades imo-bilirias do municpio, caso os proprietrios no tenham de-clarado ampliaes ou refor-mas estruturais na rea con-struda. Inicialmente o trabalho foi estimado em um valor de R$900 mil, mas aguarda ainda a abertura do processo lici-tatrio para o cializar uma em-presa responsvel, sendo que diversas companhias j demon-straram interesse em assumir o servio. Os resultados e mudanas de-vem ter impacto direto no IPTU de 2015, j que as avaliaes so feitas pessoalmente em cada imvel e tambm com a ajuda de imagens de satlite. Segundo a secretria de Admin-istrao e Finanas, Ana Caro-lina Lucena Gomes, os estu-dos sero divididos em etapas como: de nio de metodolo-gia, cadastramento de imveis, levantamento topogr co, in-sero de dados na plataforma, Elaborao da cartogra a digi-tal, mapeamento, clculos, ge-oprocessamento e geo web.Geoprocessamento deve ocorrer neste anoO deputado federal Joo Piz-zolatti esteve em Barra Velha na ltima quinta-feira, dia 9, para entregar pessoalmente ao pre-feito em exerccio, Fbio Brug-nago, uma cpia da publicao do Dirio O cial da Unio no qual con rma a pavimentao da Rua Ravache no centro do municpio. A pavimentao ser feita com lajotas sextavadas no valor total de R$251 mil, sendo R$245.850 por parte do Governo Federal, obtidos por intermdio do deputado Pizzolatti e R$5.150 como contrapartida da prefeitura. O prazo para execuo nal da obra, de acordo com a publicao, ser dezembro de 2015.Deputado federal Joo Pizzolatti con rma pavimentao da rua Ravache, em Barra VelhaEu no conto histria, apenas verda-des, brinca Seu Aristide de Souza, 81 anos, ao ser procurado pela reporta-gem do Voz do Itapocu em sua casa, no Centro de Balnerio Barra do Sul. Na-tural da terra, da poca em que Barra do Sul ainda era um bairro de Araqua-ri, Seu Aristede um dos pescadores vivos mais antigos no municpio. Mais que isso, se orgulha de ter passado a tradio da pesca para os lhos. Os trs lhos homens seguiram o cami-nho da pesca pro ssional.J aposentado, Seu Aristide volta e meia acompanha os lhos na poca da pesca da tainha. Porm, sua ltima proeza foi no m de ano. Para matar a saudade dos tempos antigos, ele partiu pela lagoa ruma a uma das ilhas que cerca a orla do municpio a bordo de uma canoa. Ao invs de motor, apro-veitou o vento na vela para ir, e remou por um trecho para voltar. A faanha s foi descoberta quando Seu Aristide j estava no caminho para a ilha. A si-tuao virou vdeo e foi parar na inter-net, aumentando ainda mais a fama do pescador.Quando eu comecei no tinha motor, era tudo na vela ou no remo. Depois de uns tempos que comearam a vir os motores, explica. Ele comeou na pes-ca aos 16 anos, quando a pescaria no era feita com rede, mas sim com cerca de 700 anzis, que eram colocados na gua com isca, dando um trabalho do-brado aos pescadores.Aos 16 anos Seu Aristide comeou a dar provas de sua coragem, marca re-gistrada ao longo da carreira de pes-cador. Junto com um grupo de pesca-dores, foi a p at Matinhos, praia do litoral paranaense, pescar e revender as mercadorias aos veranistas na beira da praia. Foi uma das primeiras praias de turismo, ns levamos dois dias de via-gem para chegar at l, relembra. Ao longo de 65 anos de pesca, Seu Aristide se destacou por inovar na pes-ca da regio, ser o primeiro e vender camaro em Barra do Sul, a caar ba-leias (no perodo em que era permi-tido), e desbravar o interior paulista para explorar a venda do pescado para o turismo, algo que at poucas dcadas atrs no ocorria em Balnerio Barra do Sul. 711 de jnaiero de 2014.ESPECIALBALNERIO BARRA DO SUL - 22 ANOSAristide de Souza: um cone da pesca em Balnerio Barra do SulDe caador de camaro e baleia a desbravador do litoral paulista. As histrias e a tradio da pesca preservada em famlia Enquanto trabalhava na rotina puxada de pescador saa de casa por volta de 4h e retornava ao meio-dia - Seu Aris-tide descobriu ao acaso a venda de ca-maro. O camaro no tinha nenhum valor, servia apenas de isca para a pesca. At que faltou camaro em uma empresa de So Francisco do Sul e um padeiro de l que vinha para Barra do Sul per-guntou se eu no conseguia 30 quilos de camaro branco. Sa eu e outro pes-cador e voltamos com os 30 quilos. No dia seguinte ele pediu 40, depois 100 quilos. Fui o primeiro a caar camaro para vender aqui, relembra. A caa a baleia tambm entrou por acaso na vida de Seu Aristide. Ele lem-bra que entre a dcada de 50 e 60 um grupo de matadores de baleia especia-lizados de Imbituba veio para o litoral Norte atrs do animal, que tinha como objetivo principal a extrao de um leo para a produo de azeite. Seu Aristide lembra que os caadores do Sul do Estado foram contratados pelo ex-prefeito de Barra Velha, Higi-no Aguiar, para matar uma baleia na cidade. Na viagem, descobriram Barra do Sul e comearam a atividade no lo-cal com uma lancha baleeira. Eles no contavam pra ningum o segredo. At que um dia dois tripulantes brigaram e o chefe do grupo perguntou se algum se interessava em ir junto. Eu e um co-lega fomos e aprendemos como fazia, conta o pescador.Segundo Seu Aristide, o segredo eram trs bananas de dinamite que cam na ponta de ferro de um arpo, que era cravado no animal. Com um fsfo-ro eles acionavam o o de plvora da dinamite, que impulsionava o arpo contra a baleia. O animal era revendi-do para empresas de Joinville.No primeiro ano eles vieram e eu aprendi. Depois eles no precisavam vir mais, eu peguei um molde do arpo e caava junto com os outros pescado-res, ns mesmos fazamos a venda. No m, o pessoal de Imbituba me contra-tava para fazer o servio, relembra. Como no tinham a lancha, os pesca-dores reuniam de cinco a oito canoas a motor para tirar o animal da gua. Hoje eu no caaria mais baleias. Na poca a gente era inocente, no sabia o que estava fazendo. A baleia foi o primeiro veculo martimo, levou Jo-nas. No deveria ser caada, conta Seu Aristide, com uma ponta de arrepen-dimento. Em 1973 a caa foi proibida, e apesar de ter diminudo considera-velmente o nmero de baleias que vm a regio, Seu Aristide conta que de vez em quando o mamfero volta a apare-cer na costa.Certa vez na dcada de 1950 Seu Aris-tide foi at Penha e se escalou para tra-balhar em uma empresa pesqueira de Santos. At a, normal para o pescador que estava sempre atrs de experin-cias novas. Porm, ele no sabia que a viagem ao litoral paulista iria mudar a sua histria e de sua famlia. Foi de passagem por l que o pescador catari-nense descobriu a praia de Perube.Eu conheci aquele lugar e queria vol-tar pra l, para explorar melhor o que tinha por l. Em 1959 Seu Aristide re-alizou o sonho. Com um amigo, a es-posa e trs lhos pequenos embarcou em uma canoa a motor de sete metros em Barra do Sul e seguiu viagem mar acima. Foram trs dias de viagem, en-frentando uma tempestade em Parana-gu, no Paran, e uma febre forte em um dos lhos em Canania, perto do destino nal.Minha mulher e os lhos iam deita-dos na canoa. A noite eu parava no lu-gar que estvamos e pedia para alguma famlia para passarmos a noite. No dia seguinte ns continuvamos. At que em Canania deu uma febre forte no meu lho, e ele a me e os irmos fo-ram de nibus at outra cidade. L eles foram atendidos por um farmacutico muito bom e foram para Perube. Eu fui de barco sozinho at l depois, re-lembra.A aventura deu certo. Em Perube, e depois em Canania, Seu Aristide e a famlia descobriram um meio de ga-nhar mais com a pesca. Eles vendiam para os turistas e o valor do pescado era superior ao pago em Santa Cata-rina. Depois da primeira viagem, a fa-mlia de Seu Aristide se acostumou a passar a temporada em So Paulo por cerca de 20 anos. Ns amos por terra, l ramos con-tratados para pescar, por algum que j tinha a canoa. Ou quando ia de canoa, vendia l e voltava por terra. Canania foi o melhor lugar que trabalhamos l em So Paulo, relembra Seu Aristide. Segundo a esposa do pescador, Dona Geni de Souza, casada h 58 anos com ele, alguns irmos seus moram at hoje no litoral paulista. No existia turismo em Barra do Sul at uns 30 anos atrs. Depois que co-mearam a vir alguns veranistas de Joinville. Por isso o preo do pescado era baixo aqui, explica Josu de Souza, 52 anos, lho de Seu Aristide. Depois de aposentado, Seu Aristide, que sempre colaborou com a previdn-cia para garantir seu futuro, sossegou em Balnerio Barra do Sul. A esposa, sempre companheira na atividade pes-queira do marido, tambm se aposen-tou pela pesca. Eles construram na ci-dade e atualmente vivem do aluguel de salas comerciais. De vendedor de camaro a caador de baleiaDesbravando o litoral paulista8 ESPECIALBALNERIO BARRA DO SUL - 22 ANOS Dizem que a pesca uma pro sso de feiticeiro. A pessoa vai pescar no mar, passa mal, mas no outro dia quer voltar, comenta Seu Aristide. Para ele, apesar de ser uma pro sso sofrida, um trabalho saudvel. O ar l fora mais saudvel, o exerccio fsico tam-bm saudvel, comenta. Sobre a fama de corajoso, o pescador diz que nunca pensou que poderia no voltar de uma pescaria, mesmo em situaes de tempestade. Eu sempre me baseio na frase: porque temeis, ho-mem de f?, citando uma passagem bblica. Para ele, o mar mais seguro que o transporte areo ou terrestre. Quan-do vemos que vem uma tempestade, d tempo de colocar um colete salva--vidas, de armar um bote. Na estrada ou no avio no tem isso. Em questes de segundo voc pode morrer em um acidente, compara. Sobre a atual situao da pesca, o -lho Josu, comenta que a quantidade do pescado tem cada vez diminudo. Seugndo ele, embarcaes de pesca industrial que vm at o limite per-mitido, muitas vezes ultrapassando o mesmo, acabam por levar a maioria dos peixes que tem na regio. Alm de Josu, que chegou a ser ban-crio em Joinville, mas desistiu da atividade para ser pescador, tambm fazem parte da famlia os pescadores Davi de Souza e Josias de Souza, que atualmente vereador no municpio. Pro sso de feiticeiroFamlia: Josu, Aristide e GeniVoz do Itapocu: Com o prefeito est avaliando a primeira temporada de vero nessa gesto?Muito positiva. No nosso entendimen-to foi uma invaso de turistas na cidade. A gente viu que foi muito positivo pro comrcio. A preocupao se faz neces-sria, claro, como a questo da gua. Graas a Deus aqui foi um dos nicos balnerios que faltou (gua) apenas um dia, porque quebrou uma mquina segundo a Casan. Mas no restante foi muito bom. Ns conseguimos manter as praias sempre limpas. O Alessandro (Reme-niuki), que o nosso secretrio de tu-rismo fez um planejamento de eventos bacana para o vero inteiro. Quanto a coleta de lixo, mesmo com essa deman-da intensa, ns conseguimos atender. A sade tambm foi bem atendida. Ento ns estamos felizes. Nossa economia aqui a pesca e o turismo, ento ns dependemos muito dessa alta tempo-rada para o nosso comerciante ter uma safra boa. Ainda estamos no comeo da temporada, porque o carnaval vai ser s em maro. Fizemos um Revellion que nunca aconteceu em Barra do Sul. O prefeito tocou no assunto da falta de gua. Como est a relao da pre-feitura com a Casan?Sinceramente: est um pouco estreme-cida, porque eu sempre quero mais. Eu me elegi com o compromisso de lutar e trabalhar pelo municpio. Eu acho que mesmo com essa quebra de motor, eles j deveriam estar prevenidos e ter um reserva. J me reuni com os vereadores e algumas lideranas pra ver o que va-mos fazer. Pra ser sincero, eu gostaria de municipalizar o abastecimento de gua. A menos que a Casan venha com uma proposta muito boa. Saneamento, segundo a Casan, existe a possibilidade de sair j esse ano. Isso a nica coisa que me deixa com es-perana. Desses 99% de vontade que tenho de municipalizar esse servio, esse 1% a parte do saneamento que eles esto prometendo. Que eu ainda duvido. No chegou a faltar gua, mas no estou contente com a qualidade de gua oferecida. E o contrato que a prefeitura tem com a Casan, como ca? Eles ainda tm, se eu no me engano, seis anos de contrato, mas com esse descumprimento de contrato s en-trar na justia e ganhar, como aconte-ceu com os municpios vizinhos. No adianta vir aqui pegar o nosso dinheiro e deixar a cidade abandonada. Quero que eles trabalhem mais.Como o municpio est se prepara parando o futuro?Eu estou batalhando muito na busca de recursos. Como a verba pra Costa do Encanto, que aquele acesso pelo Itapocu. No comeo eu imaginava isso para o ltimo ano de mandato ou no prximo mandato, caso tenha uma possvel reeleio. Hoje posso dizer que a verba j est empenhada, uma verba do Ministrio do Turismo atravs do deputado Mauro Mariani. Inclusive no s Barra do Sul, mas tambm Araquari foi contemplada. Era uma luta minha e isso j preparar para o futuro, fazer a ligao de Barra do Sul com o crescimento, e assim ligar com a BR 101. Por mais que dupliquem a BR-280, no meu entendimento ela j est comprometida, devido ao liga-mento com o porto (de So Francisco do Sul) e praia da Eenseada. Ento esse acesso que vamos ligar Bar-ra do Sul a BR-101 vai ser preparando para o futuro. Claro que ns temos que mexer no plano diretor da cidade, fa-zer um contorno porque essa rodovia vai cortar por fora da cidade, temos que criar tambm um distrito industrial pra crescer junto com Araquari. Temos um problema srio no caso do embargo, que ainda est em fase de dis-cusso com o Ministrio Pblico, por-que a prefeitura no tem recursos pra cumprir esse TAC (Termo de Ajuste de Conduta, no qual a prefeitura tem que comprar mais de um milho de m em reas de preservao com compensao ambiental para a liberao de 41 lote-amentos construdos irregulares). Tem que comprar uma rea, fazer a com-Entrevista: Prefeito Ademar BorgesENQUETE O Voz do Itapocu foi s ruas da cidade para saber dos moradores:Qual presente voc daria para Balnerio Barra do Sul?Eliane CunhaVeranista 45 anos: Infraestrutura. Nisso precisa ser mais investido porque ao lado da minha casa tem valas abertas e isso prejudicial sade. Fica o esgoto cu aberto.Jeidiely Rebelatto Estudante - 17 anos: Daria cidados menos porcos, que no jogas-sem lixo na rua e na praia. Algo que conscienti-zasse as pessoas.Jaime Novara Pedreiro - 56 anos: Arrumar essas ruas da cidade, que esto muito feias. Daria ruas melhores.Jos GoesEsmirilhador - 36 anos: Mais estrutura para a cidade.Carla de OliveiraProfessora - 40 anos: Mais iluminao na Boca da Barra, porque se a gente for l a noite at perigoso.Gisele CristinaProfessora - 36 anos: Mais agilidade na sade. Aqui se voc quer fa-zer exame, tem que agendar, enviar pra Joinville e car na la da espera.Ivone SchoeningerAposentada - 65 anos: Em dez anos a cidade evoluiu bastante. No sei responder o que seria mais importante. Mas eu achei legal nas dunas, onde meu lho tem casa, que eles limparam, tiraram os espinhos, a prefeitura est de parabns.Alfredo FergerAposentado - 63 anos: Daria o molhe de pedra e melhoraria a Boca da Barra.911 de jnaiero de 2014.Itapocu. No comeo eu imaginava isso para o ltimo ano de mandato ou no prximo mandato, caso tenha uma possvel reeleio. Hoje posso dizer que a verba j est empenhada, uma verba do Ministrio do Turismo atravs do deputado Mauro Mariani. Inclusive no s Barra do Sul, mas tambm Araquari foi contemplada. Era uma luta minha e isso j preparar para o futuro, fazer a ligao de Barra do Sul com o crescimento, e assim ligar com a BR 101. Por mais que dupliquem a BR-280, no meu entendimento ela j est comprometida, devido ao liga-mento com o porto (de So Francisco do Sul) e praia da Eenseada. Ento esse acesso que vamos ligar Bar-ra do Sul a BR-101 vai ser preparando para o futuro. Claro que ns temos que mexer no plano diretor da cidade, fa-zer um contorno porque essa rodovia vai cortar por fora da cidade, temos que criar tambm um distrito industrial pra crescer junto com Araquari. Temos um problema srio no caso do embargo, que ainda est em fase de dis-cusso com o Ministrio Pblico, por-que a prefeitura no tem recursos pra cumprir esse TAC (Termo de Ajuste de Conduta, no qual a prefeitura tem que comprar mais de um milho de m em reas de preservao com compensao ambiental para a liberao de 41 lote-amentos construdos irregulares). Tem que comprar uma rea, fazer a com-pensao e isso custaria em torno de R$50 milhes. Mas eu acredito que ha-ver um bom entendimento entre mu-nicpio e Ministrio Pblico.Qual a atual situao do TAC?O governo anterior assinou um TAC rmando alguns compromissos. E eu no consigo entender como aquele go-verno assinou esse TAC sem saber o or-amento do municpio, como ia com-prar a rea. Acho que ele assinou em um momento sem convico do que estava assinando, e agora sobrou pra mim. Claro que desde o primeiro dia que assumi o municpio eu estou cor-rendo atrs de verba pra comprar essa rea pra fazer a compensao. Quais devem ser as prioridades de Balnerio Barra do Sul?Saneamento uma prioridade pra mim, porque ns temos essa lagoa e ns no podemos perder ela jamais. a nossa vida. A sade tambm muito importante. Na educao estamos me-lhorando a valorizao dos professores, vamos construir escolas, ginsio, va-mos fazer um trabalho muito forte nis-so. Tem uma empresa estudando para fazer uma parceria na educao. Turis-mo tambm, que a nossa indstria. Relacionado pesca, tambm temos esse molhe de pedras. So muitas prio-ridades, mas no meu entendimento eu coloco o saneamento na frente.Outro desejo que o prefeito j mani-festou anteriormente trocar a pre-feitura de lugar. Como esto os tr-mites pra isso?Ns estamos vendo a legalidade disso. Voc est vendo que no tem condi-es desse gabinete permanecer aqui. Uma prefeitura alugada, uma estrutu-ra velha, sendo que temos um prdio do municpio que foi inaugurado h 2 anos e est l se acabando (Mercado Pblico). Ento ns estamos procuran-do as formas legais de ir pra esse local urgentemente. Se no for pra l, ns temos que ir pra qualquer outro lugar. No d pra receber aqui um investidor, um deputado. Cai at gua aqui dentro. At o escritrio na minha empresa melhor que isso aqui (apontando para uma goteira no seu gabinete).E sobre a programao de aniversrio do municpio, fazer aniversrio junto com a temporada ajuda ou atrapalha?No meu entendimento atrapalha. Nes-sa data j estamos no sufoco pra aten-der o turista e se fosse em outra data seria mais um atrativo pra chamar esses visitantes. Se o prefeito pudesse dar um presente pra cidade, qual seria?Essa uma pergunta difcil, porque so tantos. Mas o presente que eu dou o meu comprometimento de ajudar a ci-dade a crescer com muita transparn-cia. Sou um lho da cidade e isso me orgulha muito. Espero que Deus me d sabedoria pra eu poder realizar os so-nhos da cidade. Entrevista: Prefeito Ademar BorgesO Voz do Itapocu foi s ruas da cidade para saber dos moradores:Qual presente voc daria para Balnerio Barra do Sul?Programao de aniversrio encerra neste sbado, com Marcha para JesusJos GoesEsmirilhador - 36 anos: Mais estrutura para a cidade.Alfredo FergerAposentado - 63 anos: Daria o molhe de pedra e melhoraria a Boca da Barra.Na ltima quinta-feira, dia 9, Balne-rio Barra do Sul comemorou 22 anos de emancipao poltica da cidade de Ara-quari. A programao, que comeou na quinta e sexta-feira com shows e queima de fogos, encerra neste sbado com a Mar-cha para Jesus, evento que j se tornou tra-dio no calendrio do municpio.A Marcha ir iniciar s 19h, com concen-trao prxima a loja Hibisco. Para fechar o evento, que rene is de diferentes re-ligies, haver um show nacional com o cantor gospel David Quinlan. A marcha movimenta cerca de sete mil pessoas e nossa meta nesse ano chegar a 10 mil pessoas. Para um municpio de 10 mil ha-bitantes, ter isso na marcha esse nmero de pessoas fantstico, esto vindo pesso-as de So Paulo para ver como funciona nossa dinmica aqui, comenta o prefeito Ademar Borges. Alm de Quinlan, a comemorao de ani-versrio da cidade teve outras apresenta-es. No dia 9 ocorreu na praa central da cidade o show com a banda Tipo Ex-portao e em seguida a dupla Nicolas e Mateus. Uma queima de fogos tambm marcou a data da emancipao. J no dia 10, o ensaio de uma escola de samba abriu a programao, que teve ainda shows com Junio e Julio e a dupla Dany e Rafa. Segundo o secretrio de Esporte e Turis-mo, Alessandro Remeniuki, o objetivo foi montar uma programao para todas as idades. Na quinta-feira tivemos apre-sentaes mais voltadas ao pblico jovem, j na quinta-feira, o Junio e Julio tem um pblico mais velho, mais ligado aos pes-cadores. Hoje temos um evento ligado as religies, que tambm tem um pblico grande na nossa regio, comenta.Alessandro RemeniukiDavid QuinlanBem-vinda Andorinha Baby. Uma loja pensada para acompanhar gestantes e seus pequenos do nascimento at os primeiros passos, com todo amor do mundo.Localizada em Barra Velha, a Andorinha Baby conta com uma grande variedade de produtos relacionados moda infantil, beb e gestante, alm de mveis, enxovais, brinquedos, artigos de dec-orao e carrinhos para bebs.Dispondo das melhores marcas a loja prioriza a qualidade e segu-rana dos seus produtos, oferecendo sempre o melhor para a sua famlia. Bem-vinda Andorinha Baby. Uma loja pensada para acompanhar gestantes e seus pequenos do nascimento at os primeiros passos, com todo amor do mundo.Localizada em Barra Velha, a Andorinha Baby conta com uma grande variedade de produtos relacionados moda infantil, beb e gestante, alm de mveis, enxovais, brinquedos, artigos de decorao e carri-nhos para bebs.Dispondo das melhores marcas a loja prio-riza a qualidade e segurana dos seus pro-dutos, oferecendo sempre o melhor para a sua famlia. RUA BERNARDO AGUIAR, 415, CENTRO - BARRA VELHA - TELEFONE: 3456-0427 ANDORINHA BABY10 INFORME COMERCIAL Sbado, 11 de janeiro de 2014.11GERALSbado, 11 de janeiro de 2014.CLASSIFICADOSIMVEIS VECULOS EMPREGOSENVIE SUAS OFERTAS PARA CLASSIFICADOS@VOZDOITAPOCU.COM.BROU LIGUE 3456 1194IMVEIS VECULOSPREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA VELHA SCFUNDAO MUNICIPAL DE TURISMO, ESPORTE E CULTURA - FUMTEC.CONSELHO MUNICIPAL DO PATRIMNIO CULTURAL DE BARRA VELHA - COMPACEdital de Convocao/Noti cao n 001/2013 do COMPAC, criado pela Lei N 930/2010 que dispe sobre a Preservao do Patrimnio Natural do Municpio de Barra Velha, cria o Conselho Municipal do Patri-mnio Cultural e Regulamenta o Processo de Tombamento de Imveis Municipais.Noti cando: eventuais terceiros, proprietrios, posseiros e eventuais interessados, bem como seus herdeiros e cnjuges do imvel situado a Avenida Santa Catarina, n 985, Centro, Barra Velha SC, com a inscrio imobiliria n 01.01.041.0278.001, situado em rea de marinha RIP n 8041.00000456-76 com as caracte-rsticas e confrontaes abaixo.O Conselho Municipal do Patrimnio Cultura do Municpio de Barra Velha - COMPAC, Estado de Santa Catarina, faz saber a todos os interessados, que foi protocolado na data de 01/11/2013, Ofcio n 316/2013 do Municpio de Barra Velha - SC, com destino ao Conselho Municipal do Patrimnio Cultural de Barra Velha COMPAC, solicitando a instalao de procedimento administrativo para tombamento da Casa de Palmitos, situada na Avenida Santa Catarina, n 985, Centro, Barra Velha SC, com base no artigo 6, alnea a, da Lei Municipal n 930, de 01 de maro de 2010, que dispe sobre a Preservao do Patrimnio Natural e Cultural do Municpio de Barra Velha, cria o Conselho Municipal do Patrimnio Cultural, Regulamenta o Processo de Tombamento de Imveis Municipais de acordo com o artigo 3, inciso III, alnea b, da Lei Complementar n 69/2008 que introduziu o Plano Diretor Municipal e d outras providncias, a referida solicitao foi pautada na segunda reunio extraordinria do COMPAC, realizada na data de 04 de novembro de 2.013, conforme consta em ATA lavrada naquela oportunidade, tendo sido aprovado a instaurao do processo ad-ministrativo n 001/2013, de tombamento do imvel conhecido como CASA DE PALMITOS, situado na Avenida Santa Catarina, n 985, Centro, Barra Velha SC, com as seguintes medidas e confrontaes: imvel sito no lugar denominado Costo, Comarca de Barra Velha, Estado de Santa Catarina, contendo uma casa de construo de Palmito e Madeira e demais benfeitorias, medindo o terreno 20,00 de frente, por 33,00 de fundos, ou seja 660,00m, retirada da Escritura Pblica registrada no Livro 25, folhas 13 a 15, inscrio imo-biliria n 01.01.041.0278.001, em rea de marinha cadastrado no RIP n 8041.00000456-76, na Secretaria de Patrimnio da Unio em nome de Ronald Walter Becker, Para tanto, cam cientes eventuais terceiros, proprietrios, posseiros e eventuais interessados, bem como seus herdeiros e cnjuges, do bem supra citado, para que no prazo de 15 (quinze) dias manifestem sua anuncia ao tombamento ou para, querendo, apresente impugnao fundamentada, no mesmo prazo, conforme a regulamentao contida na Lei Municipal n 930, de 01 de maro de 2010. E, para que chegue ao conhecimento de todos, partes e terceiros, foi expedido o presente edital, o qual ser a xado no local de costume e publicado 3 vezes na forma da lei.EDITAL PRAZO DE 15 DIAS.Barra Velha (SC), 06 de novembro de 2013.JULIANO BERNARDESPRESIDENTE COMPACBarra VelhaVendo Fusca 1300LAno 1975, bege. 60 mil Km, ori-ginal.Segundo dono.Telefone para contato: 3456 1194FK Auto Center- Revises peridicas- Balanceamento e geometria- Baterias - Suspenso-Troca de leo - Correia dentada - Freios - Insul lm e acessriosRua: Deogrcio de Oliveira, n123 bairro So Joo - Itaja -Telefone: 3083-4818Sistema Nacional de Empregos (SINE) Cidade: Barra VelhaTelefone: (47) 3456-3884E-mail: sine@barravelha.sc.gov.brVagas disponveis Chapeiro c/ experincia- aux. de cozinha- servios gerais- garom- motorista p/ supermercado- padeiro (a) confeiteiro (a)- op. Caixa- pizzaolo c/ experincia- atendente- recepcionista- camareiraOs interessados devero compa-recer no SINE com os documen-tos (CPF e RG) e a carteira de tra-balho. Para a vaga de operador de caixa necessrio ter o en-sino mdio completo, as demais vagas o ensino fundamental completo. Frigor co So JooCidade: So Joo do ItaperiTelefone: (47) 3458 3000E-mail: frigori cosaojoao@frigori- cosaojoao.com.brContrata-se Produo - MotoristaAjudante de motorista Expedio Benefcios: Registro integral, Unimed, seguro de vida, almoo e caf e uniforme gratuito incluindo a lavao. Os interes-sados devero comparecer com os documentos na rece-po do frigor co. Digitaldoor TechnologiesCidade: JoinvilleTelefone: 47 30271500Email: contato@digitaldoor.com.brCargo: Tcnico EletricistaNumero de vagas: 02Experincia: 02 anosPreferncia quanto localizao: Residente em Piarras, Penha,Itajuba ou Barra VelhaResumo das tarefas do cargo:- Montagem de painel eltrico- Instalao de Iluminao, toma-das, retorno, eletrocalha, corru-gado- Contratao para traba-lhar em instalao eltrica de prdio resi-dencial na cidade de PiarrasSeguridade Gesto Pro ssional de ServiosMais informaes: 3425 3400 com Simone- Vaga de Zelador para a regio de Araquari- Salrio 1.155+ VA+ VT Seguro de vida e Benefcios- Vagas de Recepcionista para es-cala 12x 36Salrio: 974,00 + VA+ VT Seguro de vida e Benefcios- Vagas para Servios ge-raisSalrio: 819,00 + VA+ VT Seguro de vida e Bene cios - Vagas para VigilanteSalrio: horista + VA+ VT Seguro de vida e BenefciosBarra VelhaPrecisa-se de chacareiro (pessoa que cuida de chcara) para tra-balhar em Barra Velha. Telefone para contato (47) 3455 2902 Grupo Labor HumanoTelefone: 3433 3362ASSISTENTE CONTBIL Experincia com conciliaes bancaria preparao de arquivos digitais (Dime, DCTF Dacon, EFD contribuies, EFD scal, EFD contbil, Dirf e outros)ASSISTENTE FINANCEIROExperincia com contas a pagar e receber, conciliao bancaria, negociao com fornecedores e clientes.ESTGIO EM ADMINISTRAOCursando superior em adminis-trao.ESTGIO EM ADMINISTRAOCursando superior em adminis-trao ou contabilidade.ESTGIO EM PEDAGOGIACursando o superior em pedago-gia ou magistrio. Para trabalhar em C.E. I.TCNICASCOMPRAS TCNICASConhecimento em auto CAD.TCNICO EM ELETRNICACurso tcnico em eletrnica ou eltrica.TCNICO EM PLSTICOS Tcnico completo, Experincia com extrusora.TCNICO EM RECURSOS HUMA-NOS Com experincia em ponto ele-trnica. Conhecimento sistema Protheus.COMERCIALBALCONISTANo requer experincia. Ensino mdio completo.Desde quarta-feira, dia 8, motoristas que trafegam pelo Centro de Barra Velha j pu-deram notar algumas modi- caes no entorno da praa Lauro Loyola. A coordenado-ria de trnsito do municpio est realizando a inverso no sentido de algumas ruas, com a justi cativa de melhorar o uxo de veculos, principal-mente em horrio de pico em vias como avenida Santa Catarina com as ruas Ernesto Krause, Paran e Plcido Go-mes. De acordo o coordenador de trnsito, Cesrio Luz, o prin-cipal objetivo desafogar o trnsito no Centro e organiz--lo. Quem descia da Hum-berto Pimentel se atravessava na avenida Santa Catarina que o nosso maior movimento, isso no dava certo, diz ele, citando uma das mudanas. Alm disso, Cesrio menciona que as alteraes vo estimu-lar o uso de vias locais e late-rais rua Paran, que possui somente uxo de veculos dos moradores. As melhorias es-to sendo monitoradas pela coordenadoria e caso haja ne-cessidade, outras adequaes devem ser feitas. Muitos moradores no apro-varam a deciso e mencio-nam a colocao de sem-foros como resoluo dos problemas. O coordenador de trnsito diz que essa uma possibilidade que est sendo estudada juntamente com a secretaria de Planejamento.Atravs de sua pgina na in-ternet, o vereador Claudio-nir Arbigaus, o Pulga, postou uma nota criticando as altera-es. Segundo ele, esto cada vez mais proibindo quem chega cidade de ter acesso a praia. Pulga encerra com a seguinte frase: esto achando confusa a minha explicao? Espera pra ver como vai car o trnsito de Barra Velha.Prefeitura de Barra Velha promove mudanas no trnsito do Centro- O sentido da Rua Humberto Pimentel, entre a Igreja e Ave-nida Santa Catarina est in-vertido, evitando a entrada de mais veculos na avenida.- A rua Rio de Janeiro passa a ser de mo nica na primeira quadra, no sentido Sul/Norte, evitando o cruzamento de ve-culos na rua Paran.- A rua Francisco Gomes tam-bm ser de mo nica na primeira quadra sentido Sul/Norte, devido ao estreitamen-to da via, cando proibido es-tacionar do lado esquerdo. Os veculos devero desviar pela rua Esprito Santo, atrs do Supermercado Friomar.- Todos os veculos que entra-rem na rua Bernardo Aguiar para acessar a avenida San-ta Catarina e Beira-Mar tero que entrar pela rua Ari M. dos Santos (Rua da Celesc), rua Conselheiro Onofre Fernandes e rotatria central (Imobiliria Espndola).Entenda o que muda:12 MEIO AMBIENTE Sbado, 11 de janeiro de 2014.Prefeitura de Barra Velha vai intensi car scalizao de animais nas praiasA prefeitura de Barra Velha, em parceria com o setor de Fiscalizao e Posturas, Vi-gilncia Sanitria e Corpo de Bombeiros, anunciou nesta semana que scalizar a pre-sena de animais em toda orla martima do municpio. Em comunicado divulgado pela assessoria de imprensa, a pre-feitura informa que ir realizar tambm uma campanha de conscientizao sobre o tema. O documento menciona que gatos e cachorros, mesmo que vacinados, tm a possibilidade de transmitir doenas. Uma das situaes citadas a trans-misso atravs de urina e fe-zes, muitas vezes encontradas em locais inadequados e de contato direto com a pele das pessoas. De acordo com a Lei Munici-pal n 383, de 2001, proibi-da a circulao de animais em toda a orla martima de Barra Velha, seja na regio de areia ou mar. O texto no inclui as caladas no entorno. Segundo com a norma, caso seja notada a presena de animais na praia, cujo dono esteja junto, ele vai receber inicialmente um alerta sobre a infrao cometida. Se a orien-tao no for acatada, caber a Vigilncia Sanitria fazer a noti cao e, se houver per-sistncia, ser aplicada multa no valor de 2 UFM (Unidade Financeira Municipal). Cada unidade nanceira municipal vale R$ 57,03 atualmente.As alteraes no plano diretor de Balnerio Piarras, aprova-das em sesso extraordinria da Cmara de Vereadores em 2013, foram sancionadas na ltima semana pelo prefeito Leonel Martins. O projeto foi proposto pelo Executivo, atra-vs da secretaria de Planeja-mento, que realizou reunies junto do Conselho Municipal da Cidade e Audincia Pbli-ca na Cmara de Vereadores, onde foram discutidas e apro-vadas as mudanas.O secretrio de Planejamento, Francisco Carlos Teles cita as mudanas como necessrias para adequao do plano di-retor realidade atual do mu-nicpio. Observamos no de-correr do ano algumas falhas no plano diretor e procura-mos corrigi-las pontualmente, tendo em vista que prevemos para este ano uma reviso ge-ral do plano, ressalta.O plano foi criado em 2009 e desde ento no houve ne-nhuma reviso geral, apenas alteraes pontuais como es-tas. Composto por trs docu-mentos, as mudanas do pla-no diretor tiveram como foco principal, o zoneamento, uso e ocupao do solo e o cdigo de obras. Nosso maior objeti-vo foi incentivar, ordenar e re-quali car o desenvolvimento urbano e econmico do muni-cpio, explica Teles.A principal alterao do plano em termos de zoneamento a mudana da ZDI (Zona de Desenvolvimento Industrial) para ZDM (Zona de Desen-volvimento Mista), da rea localizada na divisa com Bar-ra Velha. Com os ndices e caractersticas de uma ZDM, esta rea poder atrair mais investidores para o municpio, gerando entre outros, mais empregos e renda para a po-pulao. Para o secretrio, a adequao no zoneamento vem estimular o desenvolvimento econmi-co da cidade. A mudana vai possibilitar o melhor aprovei-tamento dos lotes e incentiva-r a entrada de empresas no municpio, naliza Francisco. Outra mudana no zonea-mento ocorreu na Avenida Emanuel Pinto. A partir da alterao, a Zona Comercial passa a contemplar ambos os lados da avenida. No mapa anterior, apenas o lado leste da avenida pertencente a este Zoneamento.Na rea de cons-truo, a alterao tambm passa a exi-gir projeto de pre-veno de incndio em edi caes j construdas, exce-to em residncias unifamiliares com menos de 800m construdos. J no-vas construes de-vero respeitar em todos os seus com-partimentos as normas tcni-cas da ABNT. Outra mudana impede a utilizao do recuo frontal mnimo obrigatrio com vagas de estacionamento tambm nas edi caes uni-familiares, de acordo com o texto.Segundo a diretora de Plane-jamento, Carolina Ferreira, na rea de esgoto sanitrio e guas pluviais, tambm pro-movidas alteraes. Visando futura rede de coleta de es-goto, a garantia da qualidade da gua e a preservao dos lenis freticos do munic-pio, foram includas algumas exigncias nos projetos refe-rentes instalao de esgoto sanitrio e guas pluviais.A moradora Claudia Prevedello no concorda com a ao de scalizao da prefeitura. Ela diz que gosta de levar seus ces na praia, mas evita praias movimentadas. Segundo ela, seus ani-mais tomam todas as vacinas necessrias e no apresentam perigo algum a sade pblica. Est na hora de criarem um espao delimitado para os animais, quem no gosta, no vai, comenta. Fui sur sta, sou casada com um sur sta e levo essa vida de beira de praia pelo menos h 30 anos, nunca peguei nenhuma doena desse tipo. Como que querem proibir algo agora se no pas-sado a Fundema permitiu montar um rodeio na areia da praia mais movimentada da cidade, diz ela. Claudia aproveita para questionar o destino dos animais caso sejam recolhidos, j que a pre-feitura no tem abrigo para eles.Ela cita tambm outros problemas ambientais encontrados no municpio, como invaso em re-as de preservao permanente, no qual no h scalizao adequada por parte dos rgos da prefeitura. Claudia cita ainda o esgoto jogado no mar tambm como uma forma de poluio ainda mais nociva aos banhistas e frequentadores das praias. Cad nossos esgotos tratados?, ques-tiona. Moradora discorda de ao da prefeituraPrefeito de Balnerio Piarras sanciona alteraes no plano diretorPlaca de sinali-zao na praia do Tabuleiro13GERALSbado, 11 de janeiro de 2014.Prefeitura de Barra Velha divulga pesquisa de opinio sobre a temporadaA Fundao Municipal de Turismo, Esporte e Cultura (Fumtec) realizou nas lti-mas semanas uma pesquisa de opinio sobre a programa-o de vero da temporada 2013/2014. O objetivo da Fun-dao foi saber o que turistas e moradores tem a dizer sobre o cronograma de atividades realizado no perodo de alta temporada, incluindo o proje-to Praia Livre. A pesquisa foi realizada de forma presencial e tambm pela internet, con-tando com aproximadamente 200 entrevistados.A faixa etria do pblico par-ticipante cou, em sua maio-ria, entre 18 e 40 anos, com escolaridade de ensino mdio completo a superior incom-pleto, divididos entre turistas e moradores locais. Os turistas entrevistados foram de ori-gens variadas, como interior de So Paulo, Curitiba e regio metropolitana do Paran, Bra-slia, Argentina, alm de mu-nicpios catarinenses, como Jaragu do Sul, Joinville Brus-que, Ituporanga e Agrolndia.Segundo a pesquisa, 13% dos entrevistados vieram pela pri-meira vez ao municpio. Os outros 87% a rmaram que j frequentam a regio h mais de 10 anos. Destes, 37% infor-maram que Barra Velha me-lhorou com relao ltima vez que estiveram na cidade. Outro tpico levantado pela pesquisa diz respeito ao pro-jeto Praia Livre, na avenida Beira Mar. De acordo com a pesquisa, 94% dos entrevista-dos aprovaram o fato da aveni-da ser fechada para atividades de lazer durante a noite entre o nal de dezembro e inicio de janeiro. Por outro lado, 6% so a favor do trfego de veculos em tempo integral. No questionrio tambm foi destinado um espao para que o entrevistado deixasse sua opinio sobre melhorias. Foram registradas diversas sugestes, como postergar o horrio dos shows at a meia noite, instalao de chuveiros na praia e a volta da queima de fogos para a orla da praia. A mais citada foi a recolocao dos quiosques na Beira-Mar. De modo geral a Programao de Vero 2013/2014 foi consi-derada boa para 53%, j 46% consideraram a mesma exce-lente.Segundo o presidente da Fu-mtec, iago Pinheiro, ex-tremamente importante ava-liar as aes realizadas. Eles destaca tambm a parceria com a Federao do Comrcio de Bens, Servios e Turismo, a Fecomrcio, que estar reali-zando pesquisas sobre o turis-mo em Barra Velha.Entre os questionamentos esto quantos dias o visitan-te est na cidade, se preten-de voltar, se fez compras no comrcio local, como foi o atendimento recebido, se co-nheceu a gastronomia local e como avaliou a infraestrutura das praias. Os resultados devem ser di-vulgados em um seminrio para a populao. Filho de Jos Antnio Lopes de Moura e Antonia Higina da Graa Moura, nos-so homenageado da semana participou ativamente da formao poltica barra--velhense. Nascido no dia 3 de janeiro de 1912 portanto, completaria se vivo 102 anos de vida nesta semana Sin-val Moura era natural de Barra Velha e passou os primeiros anos de vida no Municpio, saindo apenas quando j era adulto para trabalhar primeiramente em Araquari e posteriormente em Joinville, j iniciando sua carreira no Exrcito Brasi-leiro.Maria de Lourdes Moura foi a escolhida para companheira e durante toda a vida de Sinval; ela realmente foi uma parceira, amiga, anjo, esposa, pois nas situaes mais adversas esteve sempre ao lado do esposo. Uma passagem complicada da vida de Lourdes e Sinval foi a descoberta de uma doena sria que o impediu de juntar-se s tropas e lutar na 2 Guerra Mundial a tuberculose. Hoje tratada com certa facilidade, a tuberculose ma-tou muitas pessoas no sculo passado, e apavorou a famlia Sinval quando do diagnstico. J casado com Lourdes e com lhos ain-da pequenos, Sinval estava preparado para lutar por seu Pas. Este fato j deve ter soado como um pesadelo para a jo-vem esposa, que provavelmente passaria meses e at mesmo anos sem a presen-a de seu companheiro. Entretanto, o pesadelo maior ainda estava porvir. Du-rante exames mdicos que precediam o embarque para a guerra, Sinval apresen-tou complicaes e logo o mdico o ad-vertiu de que tinha pouco tempo de vida. Foi aconselhado a abandonar o exrcito voltar para casa e car junto dos seus familiares, aguardando a hora da des-pedida. Sinval iniciou um tratamento que inclua uma alimentao equilibra-da, injees dirias e muitos cuidados. Neste momento, a gura acolhedora de Lourdes aparece como um blsamo, pois mesmo sem ter conhecimentos de enfer-magem, tratou de se informar e se des-dobrar entre os cuidados dos lhos e do marido enfermo. Voltaram a Barra Velha para seguir o tra-tamento e diante de tantos cuidados e carinhos, a tuberculose foi vencida. Sin-val viveu ainda muitos anos e teve mais lhos com Lourdes. Foram ao todo seis crianas: Geysa, Ubiratan, Mario, Suely, Graa e Silvia. J curado e morando em Barra Velha, Sinval se envolve nos problemas da pe-quena localidade lembramos que ele voltou a sua terra natal em meados da dcada de 40 e rapidamente se desta-ca pela inteligncia e educao que tra-tava todos ao seu redor. Leitor de jornais estaduais e nacionais, alm da j extinta Revista O Cruzeiro e da Revista Selees, Sinval sempre tinha o que dizer, sempre tinha uma opinio diferenciada. Como acompanhava a vida poltica do pas e havia servido ao Exrcito Brasileiro, ti-nha muito conhecimento de mundo e por isso, despertava admirao dos barra--velhenses. Sinval auxiliou j na dcada de 60 na ar-ticulao para a emancipao poltica de Barra Velha, inclusive sendo candidato e se elegendo vereador. Procurava unir to-das as foras partidrias de seu tempo para o bem comum, sempre, priorizando sua terra e seus conterrneos. Entretanto, nunca teve pretenses po-lticas ambiciosas; sabia que poderia ajudar o Municpio de outras formas que no a poltica. Muitas foram as vezes que transportou jovens estudantes de Barra Velha at o Colgio Agrcola, em Araquari. Tanto Sinval quanto Lourdes auxiliavam silenciosamente as pessoas que precisa-vam. Lembram os lhos que em funo da do-ena de Sinval, Lourdes se tornou refe-rncia quanto a tratamentos mdicos e que tinha um livro em casa Conselheiro Mdico que trazia tratamentos para os mais diferentes tipos de doenas. Muitas pessoas corriam at Lourdes para pedir conselhos para doenas existentes na fa-mlia, e ela prontamente auxiliava dando dicas e recomendando receitas.Devotos do Divino Esprito Santo, a fam-lia Moura teve especial participao na Festa Catlica mais tradicional do Muni-cpio. A festa foi preservada durante mui-tos anos se mantendo sob a guarda da famlia. Muitas foram as noites que Lour-des passou em claro, fazendo ores de papel colorido para enfeitar a igreja na semana da festa. O mdico errou e Sinval viveu at 1 de maio de 1978, deixando uma saudade que no acaba e um orgulho sem tama-nho. Recebeu homenagem do Municpio ao nomear uma rua no centro da cida-de e com vista para o mar. Trata-se da rua sem sada que tem como ponto nal uma escadaria ligando-a rua Bernardo Aguiar. Ali moram alguns dos lhos, que se orgulham do homem que foi Sinval Moura. Esquinas da HistriaProfessora e historiadora Angelita Borba de Souza e-mail: angelitaborba@hotmail.comSinval Moura a cura atravs do carinho e da reaproximao com Barra VelhaCULTURADesde o ltimo dia 3 a prefeitu-ra de Barra Velha est sob novo comando. O prefeito Claude-mir Matias passou a responsa-bilidade da administrao p-blica para o vice-prefeito, Fabio Brugnago. Matias estar de f-rias at 23 de janeiro. Segundo ele, no histrico da prefeitura de Barra Velha, poucas vezes um vice-prefeito teve a oportu-nidade de assumir a liderana do municpio, por este motivo pediu licena do cargo.De acordo com Matias, o mu-nicpio tem um histrico ruim de relacionamento entre prefei-to e vice, e a troca de cargo visa provar que na sua administra-o h um bom relacionamen-to. Ele ter esse perodo para trabalhar e colocar em prtica seus projetos. Dei a ele total liberdade pra fazer o que for melhor pra cidade. Ele j co-nhece minha linha de trabalho ento as coi-sas tendem a dar cer-to, disse Matias.Fabio Brugnago diz que j tem projetos para serem executa-dos. Eu co muito feliz com essa oportunidade tendo em vista que isso no tem acon-tecido. Vou manter a mesma estrutura administrativa, dar sequncia nos trabalhos do Matias e dar incio aos meus projetos. Tenho algumas ideias boas para a comunidade que logo surtiro efeito, adiantou Fabio. Ele no quis entrar em detalhes sobre seus planos, mas adianta que seu foco principal ser em obras. Durante o perodo que esti-ver frente da administrao da cidade, Fabio vai dedicar a parte da manh questes ad-ministrativas e visitas a rgos pblicos municipais e a parte da tarde ser para atendimento aos muncipes. Vice-prefeito Fbio Brugnago assume aprefeitura de Barra Velha por 20 dias14POLTICASbado, 11 de janeiro de 2014.O dia 6 de janeiro marcou a vol-ta ao expediente normal de to-das as prefeituras na regio. Em Araquari, antes mesmo da data marcada, o prefeito Joo Pedro Woitexem j havia retornado ao trabalho. Afastado do cargo no dia 19 de dezembro, o prefeito de retomou suas atividades no Executivo da cidade aps a jus-tia aceitar o seu recurso. A liminar que pedia o seu afas-tamento foi derrubada pelo de-sembargador Francisco Oliveira Neto no dia 28 de dezembro. Aps car nove dias no cargo de prefeito, o vice Clenilton Car-los Pereira (PSDB), repassou novamente o comando para o prefeito. O afastamento de Woitexem era temporrio sob justi cativa de que o prefeito poderia coagir funcionrios e atrapalhar as in-vestigaes. A deciso de afas-tar Woitexem do cargo foi toma-da pela juza Nayana Scherer. O Ministrio Pblico de Santa Catarina acusa Woitexem pela dispensa de processo licitat-rio para aquisio de saibro utilizado na obra da Estrada de Guamiranga. Nos documentos analisados, o valor foi de pago R$242 mil pelo saibro, enquan-to o valor praticado no mercado seria de R$ 120 mil.Joo Pedro se defendeu em en-trevista coletiva alegando que o preo pago pelo saibro bruto pareceu mais caro por incluir o valor do transporte, detalhe que, segundo ele, a promotora no considerou na ao. Para o prefeito, a ao resultado de uma perseguio que ele vem sofrendo da juza Nayana Sche-rer.Joo Pedro Woitexem volta a prefeitura de AraquariTribunal de Contas recomendou reprovao das contas da prefeitura de Barra Velha de 2012, ano em que Samir e Matias se revezaram no comandoO ex-prefeito Samir Mattar, atravs de sua assessoria de imprensa, se manifestou nes-ta semana sobre o parecer do Tribunal de Contas do Estado (TCE), que aconselhou a Cmara de Vereadores de Barra Velha a re-jeitar as contas da prefeitura do municpio do ano de 2012, quando Mattar e Claude-mir Matias se revezaram no comando do Executivo. O TCE apontou d cit nas nanas do muni-cpio, citando infraes previstas na Lei de Responsabilidade Fiscal, como gastos com folha de pagamento alm do limite permi-tido e uma dvida de R$2,5 milhes ao m de 2012. Para Samir, os erros apontados pelo Tribunal foram cometidos no perodo em que Matias esteve no comando, de 1 de janeiro a 22 de junho. A pgina inicial de consulta de processos do site do Tribunal aponta Matias como o responsvel, dando seu come completo e tambm seu CPF, e simblica, diz. Sa-mir defende que nos trs anos anteriores a 2012, quando esteve frente da prefeitura quase que integralmente, as contas do mu-nicpio foram aprovadas.No acham estranho que s no ano que foi comeado pela gesto do Matias que essas contas tm parecer pela rejeio? Quando ns reassumimos a prefeitura, em junho de 2012, encaminhamos todo o le-vantamento da maneira que o governo in-terino deixou as contas pblicas de Barra Velha, refora Samir.Sobre a denuncia de que a gesto de 2012 ultrapassou em 10% o limite de 54% dos gastos com folha de pagamentos, Samir acusa novamente a administrao de Ma-tias. O que pudemos constatar foi um desca-labro: mais de 200 contrataes que in-charam a folha de pagamento. Ns com-prometamos, na poca, 46% com a folha; quando voltamos, esse ndice estava em quase 57%. Tenho todas as documentaes da poca que mostram que mantive o limite prudencial com a folha. Matias que a in-chou, j de olho na candidatura a prefeito, a rma Mattar.Para o ex-prefeito, Matias deixou outras marcas negativas no ano de 2012. Sem falar nas prestaes altssimas de vecu-los e caminhes, nos gastos exagerados e no fato de que ele abriu mo de receita oriunda da Enops, por exemplo. Segundo sua assessoria de imprensa, Samir deixou R$6,7 milhes em caixa para investimentos quando foi afastado em 2011. Ao reassumir o Executivo, a dvida era de R$ 2 milhes.Ele deixou o barco afundar. as-sim que Claudemir Matias se posi-ciona em relao a administrao de Samir Mattar no segundo semes-tre de 2012. Segundo ele, ao entrar em junho de 2011, todas as metas de Samir ainda estavam para serem cumpridas e assim foram feitas at o nal daquele ano. Quando entrei coloquei tudo em ordem e normalizei os erros dele tendo a responsabilidade de cum-prir as metas. Eu nalizei a admi-nistrao de 2011 com a aprovao das contas. J ele no teve a mes-ma responsabilidade quando voltou pra prefeitura em 2012. Eu tinha deixado tudo bem encaminhado e ele conseguiu afundar. As contas foram rejeitadas com mais de 64% de comprometimento da folha, diz Matias.Segundo o atual prefeito licencia-do, ao entrar em 2011 foram gas-tos R$300 mil apenas com exone-raes dos contratados de Samir. De acordo com Matias, o que vem acontecendo que o ex-prefeito constantemente tenta buscar pro-vas para enganar a populao. Ele sempre mentiu e isso que quer fazer agora tambm. Na administra-o dele tinha gente trabalhando no RH, mas estava registrado e re-cebendo salrio de Presidente da Fundao de Cultura. Isso ele no fala n. Se ele me acusa de incha-o na folha, porque que quando ele voltou no exonerou as pessoas que eu chamei?Devido a diviso de administraes durante o ano de 2012, h um im-passe quanto a votao das contas por parte da Cmara de Vereadores, que hoje em sua maioria situao, favorecendo o atual prefeito. Matias diz que no quer in uenciar na deci-so dos parlamentares. Vou deixar nas mos deles. Se acharem que isso uma injustia comigo, podem aprovar, mas vo inocentar o Samir, que o culpado. Porm, se quise-rem rejeitar as contas j que ele fez errado, vou acabar pagando por algo que no z, desabafa Claude-mir Matias.Ex-prefeito Samir Mattar e Claudemir Matias trocam acusaes sobre parecer do Tribunal de ContasO que diz Samir Mattar O que diz Claudemir Matias15#SOCIALSbado, 11 de janeiro de 2014.ANIVERSRIOSDA SEMANA #Parabns9 de janeiroO Jornal Voz do Itapocu parabeniza o Secretrio de Educao de Barra Velha, Valdir Nogueira, pelo seu aniversrio. Felicidades!3 de janeiroO Jornal Voz do Itapocu felicita Daiana Censi Leripio, irm da colunista Daniela Censi, pelo seu aniversrio. Muita sade e sucesso. Parabns. 10 de janeiroErique Wellington Almeida Frana, parabns pelo seu aniversrio. Sua me, pai e toda sua parentada do Norte do Paran, Lon-drina, te mando um grande beijo. Felicidades! 29 de dezembroParabns Monike pelo seu 1 aniversrio!!Papai Roger e Mame Simone te desejam muita Sade efelicidades!! Te Amamos Muito!!! 04 de janeiroEverton Alves 16 ESPORTE Sbado, 11 de janeiro de 2014.A estrutura da praia central de Barra Velha recebe a partir de hoje, s 9h, uma competio diferente para o esporte na ci-dade. Ao contrrio dos tradi-cionais vlei e beach soccer, ser a vez da 1 Copa Barra Velha de Handebol de Areia. O evento estava marcado para ocorrer no ltimo sbado, dia 4, mas em virtude da chuva foi adiado.Organizada pela Fundao Municipal de Turismo, Es-porte e Cultura (Fumtec), o campeonato ser disputa-do por oito equipes no naipe masculino e seis equipes no feminino. J est con rmada a participao de vrias cidades catarinenses e inclusive times do Rio Grande do Sul.Com um bom retrospecto na modalidade durante o ano de 2013, a equipe barravelhense disputar as duas modalida-des, sendo que no feminino ser representada por dois ti-mes. O esporte se desenvolveu ao longo dos anos em Barra Velha e teve seu pice no ano passado com a bela campanha feita pelo time infantil. Mostramos que com pouco se faz muito. Hoje Barra Velha reconhecida como a melhor equipe de handebol estudan-til do estado e a quarta a nvel nacional, diz o tcnico Jairo Hermgenes Gabriel.Handebol invade praia de Barra Velha hojeEm Barra Velha a abertura da Taa Jos Ernesto Provesi con-tar com uma atrao a mais. A equipe do programa Pretinho Bsico, da rdio Atlntida, far a partida de abertura contra um combinado de amigos de Barra Velha. Alm do naipe masculi-no, neste ano haver tambm a disputa na categoria feminina, ainda com inscries abertas. No masculino, sero 1o equi-pes divididas em dois grupos e e as partidas ocorrem na arena montada na praia Central j a partir de domingo, s 17h. Com a parceria estabelecida entre a Fundao Municipal de Turismo, Esporte e Cultura (Fumtec) e a Federao Catari-nense de Beach Soccer, os dois primeiros colocados do torneio tero vagas asseguradas para disputar o campeonato estadu-al.Balnerio PiarrasJ em Balnerio Piarras a competio organizada pela secretaria de Esportes da ci-dade e ter abertura na pr-xima quarta-feira, dia 15. At o fechamento desta edio o campeonato j contava com mais de 15 equipes inscritas e a previso de trmino para o dia 2 de maro. Os jogos ocor-rero na Arena Norte, s quar-tas e quintas-feiras a partir das 19h45.Nesta edio foi aceita a inscri-o de apenas dois atletas no residentes no municpio por equipe, no sendo permitida a participao de times de outras cidades. A idade mnima para participao de 16 anos, com autorizao dos pais ou respon-sveis.A competio conta com R$2,4mil em premiao, alm de trofus e medalhas para os trs primeiros colocados. Tam-bm sero premiados o goleiro menos vazado e o artilheiro da competio.Futebol de praia neste domingo em Barra Velha e quarta-feira em Balnerio PiarrasTravessia de Balnerio Piarras est com inscries abertasOs interessados em participar da Travessia a Nado em Bal-nerio Piarras j podem se inscrever via internet at o dia 23 de janeiro. O evento aconte-cer na praia Central, prximo descida da Avenida Getlio Vargas, no dia 26 deste ms, a partir das 8h30. Sero trs per-cursos: 1500 metros triangular, 750 metros e 200 metros. As inscries devem ser feitas no site da Copa Vero de Traves-sias: www.travessias.com.Na prova de 1500 metros esto abertas 19 categorias, entre elas a mster, para idade aci-ma de 80 anos e a PPNE, para paraatletas. A prova de 750 metros categoria nica e vol-tada para iniciantes, no sen-do permitida a participao de atletas federados ou dos trs primeiros colocados da etapa de 1500 metros. Sero premia-dos os trs primeiros no mas-culino e no feminino. J a prova de 200m destinada a todas as crianas participantes, com premiaes por faixa etria.