Jornal Vitrine Edio 6

Download Jornal Vitrine Edio 6

Post on 26-Mar-2016

213 views

Category:

Documents

1 download

DESCRIPTION

Jornal Vitrine em Noticiais uma publicao do Grupo Vitrine News publicidade

TRANSCRIPT

  • A sua melhor opo

    A festa no Parque Vila Jacu, atraiu quase 10 mil pessoas neste feriado do dia 1 de maio em comemorao ao dia do trabalhador.

    Site: www.jornalvitrineemnoticias.com E-mail: vitrineemnoticias@gmail.com para anunciar: (11) 2037.1871 / 3534.4001 A sua melhor opo

    Em notcias

    ANO I

    06EDIO

    Veja tambm nessa Edio:

    Mundo Pet

    Poltica

    Seu bairro

    Foto: Divulgao

    Fotos: Divulgao

    Raquel Agricio e Manuel Marcos

    Leia mais na pgina 5

    Leia mais na pgina 5

    Festa do Trabalhador no Parque Ecolgico Vila Jacu recebeu artistas famosos

    Subprefeitura So Miguel realiza com sucesso o encerramento da

    Operao Chuvas de Vero 2011/2012

    Agentes das Defesas Civis da Zona Leste

    Com a participao de autori-dades, lderes comunitrios e representantes de diversos rgos do municpio, na ltima sexta-feira (04/05), durante a reunio mensal com os funcionrios da Subprefeitu-ra So Miguel, foi realizada a soleni-dade de encerramento da Operao Chuvas de Vero 2011/2012. Na ocasio, homenagens e agradeci-mentos marcaram o fechamento das aes promovidas no incio do ano nos bairros da Vila Itaim e Chcara Trs Meninas.

    Subprefeito Luiz Massao Kita, Empresrio Johnny Soares (Restaurante Tiquatiro), Mauro Subprefei-tura de Aricanduva/Vila Formosa

    Como se comunicar com o seu gato!Pg. 10

    Prefeitura inaugura Plo de Brincar em Ermelino MatarazzoPg. 3

    Campanha Crack - Independncia ou Morte lanada na Assembleia LegislativaPg. 11

  • A sua melhor opo 2 Em notcias

    ditorialE

    Expediente

    A sua melhor opo

    Em notcias

    Central de atendimento: (11) 2037.1871 (11) 3534.4001

    Rua Vilma, 600 - Vila Jacu - SP CEP 08060-090

    e-mail: vitrineemnoticias@gmail.com

    Diretora Executiva e Editora:Talma Cristina - MTB 43110Jornalista (FL):Renata Lancioni - Mtb: 56942Produtora Executiva:Claudia Cristina Macedo Drt: 29260Diretora Comercial:Dbora Margaret NonakaProjeto gr co, arte e diagramao:Ramiro Ferreira ramirodesigner.blogspot.comFinanceiro:Fernanda Souto Albarran

    Administrativo:Michele Silva e Thiago LucioColaboradores:Dra. Daniela Pereira GilDra. Graziela Chacon BorbaDr. Paulo CastanheiraDistribuio Gratuita Zona Leste:Controle de distribuio TLS e ciaRevisoras:Renata Lancioni e Claudia Cristina Tiragem:20.000 exemplaresMaio 2012 06 Edio

    Talma CristinaDiretora Executiva e

    Editora - MTB - 43110

    Site: www.jornalvitrineemnoticias.com E-mail: vitrineemnoticias@gmail.com para anunciar: (11) 2037.1871 / 3534.4001

    OFim das Sacolas Plsticas em supermercados ainda

    divide muitas opiniesPor Renata Lancioni

    Desde quarta-feira 04/04 os supermercados pararam de fornecer sacolas plsticas de niti-vamente. Agora, eles apenas dispo-nibilizam caixas de papelo. Com isso, o consumidor paulista vai ter que se adaptar a uma nova reali-dade: passar a levar suas prprias sacolas retornveis ou pagar R$ 0,19 pelas sacolas biodegradveis.Mas essa nova Lei est dan-do muito o que falar. H aque-les que no concordam com essa medida, outros aprovam a idia e fazem sua parte para aju-dar na preservao do planeta.Para ouvir as diferentes opini-es, samos s ruas e conver-samos com alguns consumido-res. Con ra o que eles disseram:Para a dona de casa Lourdes Sou-za da Silva, as sacolas retornveis deveriam ser distribudas gratui-tamente pelos supermercados. Acho um absurdo a gente ter que pagar por essas sacolas, e os supermercados esto ven-dendo em uma mdia de 2,90. Isso no responsabilidade nossa, tnhamos que ganh-las.A comerciante Ana Cludia no aprova esta medida. muito cha-to ter que carregar sacolas para o mercado, incmodo. Nunca sei exatamente o tamanho das compras, vai ser complicado.Ainda indecisa sobre a nova regra, a consumidora Sueli Oliveira pare-ce no se incomodar em comprar essas novas sacolas. Se a idia ajudar o planeta, estou dentro,

    quero fazer a minha parte. De quarta-feira pra c fui apenas uma vez ao supermercado, comprei uma sacola e trouxe minhas coi-sas pra casa, vamos ver na hora de fazer a compra do ms, onde o volume ser muito maior. No sei se ser prtico, ou confort-vel, mas quero contribuir para a preservao do nosso planeta.O engenheiro civil Paulo Srgio Guimares, compara esta medi-da com a de Belo Horizonte. L em BH esta Lei j est valendo h nove meses, todos se adap-taram muito bem, acho que em So Paulo no ser diferente. Paulo lembra que antes do apare-cimento das sacolas plsticas, os supermercados forneciam apenas sacolas de papelo, e ainda res-salta que esta medida deveria ir alm. Se o intuito salvar o pla-neta, preciso mudar todos os tipos de embalagens plsticas, como as do arroz, feijo, etc. claro que eliminando as sacoli-nhas de supermercado j uma diferena signi cativa, mas es-sas embalagens que citei so as piores, porque so mais du-ras e de difcil decomposio. Nova leiO prefeito de So Paulo, Gilber-to Kassab, sancionou a Lei que probe a distribuio de sacolas plsticas em supermercados da cidade no incio de 2011. A medi-da deveria entrar em vigor a partir de 1 de janeiro de 2012, e seguiu uma batalha judicial entre o Esta-do e Associaes da Indstria de Plstico no Pas. Porm, a Lei foi suspensa por meio de liminar pe-dida pelo Sindicato da Industria de Material Plstico. A Prefeitura recorreu ao Tribunal de Justia de So Paulo, que manteve a li-minar. Houve novo recurso, desta vez ao Supremo Tribunal Federal.

    pinio e Poltica

    Coisas de me!

    Se os filhos esto bem alimentados, ela que se sente satisfeita.

    Se estiverem risonhos e felizes, ela que se pega sorrindo tambm.

    Se estiverem de roupinha nova, ela que se sente bonita.

    Se eles vo bem es-cola, Parece que o apro-veitamento escolar dela.

    Se arranjarem novos amigos, ela que se sente popular e querida. Se viajarem para novos lugares, ela que curte o pas-seio, mesmo ficando em casa.

    A cada meta que atingem ou trofu que ganham, ela que curte a sensao de vitria.

    Passa a gostar de rock, Mesmo que antes no pudesse nem ou-vir. Passa a olhar com simpatia, Os dolos e os amores de seus filhos. Passa a adorar cachor-ros, Mesmo que antes s gos-tasse de gatos. Desnecessrio dizer o que ela sente, Quando alguma coisa d errado, por-que, por tabela, Ela sentir em dose tripla, Cada tombo, Cada perda, Cada rejeio, Cada fra-casso, Cada desapontamento. Tudo isto so... coisas de me !

  • A sua melhor opo 3Em notcias

    eu bairro em notciasSPrefeitura inaugura Plo de Brincar

    em Ermelino MatarazzoFotos: Divulgao

    A Prefeitura de So Paulo, em parceria entre as Secreta-rias de Esportes, Lazer e Recre-ao e a de Coordenao das Subprefeituras, atravs da Sub Ermelino Matarazzo, inaugurou o Plo de Brincar na Praa Be-nedicto Ramos Rodrigues, lo-calizada na regio de Ermelino.

    O objetivo desse programa proporcionar e democratizar o acesso s atividades de lazer e recreao aos muncipes de Er-

    melino Matarazzo e Ponte Rasa no espao pblico do bairro, com atividades gratuitas para a co-munidade moradora da regio, principalmente crianas e jovens.

    No local foi montada toda infra-estrutura necessria para propor-cionar conforto e segurana para a populao, com banheiros qumi-cos, gua, ambulncia, segurana e monitores. Entre as opes de lazer que o Plo disponibiliza, des-tacam-se: brincadeiras de roda,

    vlei, skate, futebol, gincanas, pe-tecas, corda, amarelinha, corrida de saco, perna de pau, pio, brin-quedos in veis e jogos didticos.

    No dia da inaugurao, cerca de 400 pessoas, em sua maioria

    crianas e jovens, aproveitaram at o ltimo minuto de brinca-deira. Um domingo de muito sol permitiu que todos curtissem as atividades com muito entusiasmo.

    A pequena Ana Gabriela, de 10 anos, se divertiu pra valer. Foi um dia incrvel, com muitas brinca-deiras. Amei esse espao pra brincar pertinho da minha casa.

    O Subprefeito de Ermelino Mata-razzo a rmou que o Plo de Brin-car ir se transformar em uma nova opo de lazer gratuita para as crianas e jovens da regio.

    Dona Maria do Carmo, que acompanhava seu netinho Bruno, de 4 anos, aprovou essa iniciativa. muito bom ter um lugar como este para levar nossos netos. Eles podem brincar a vontade de graa e melhor ainda: com se-gurana. So de projetos como este que So Paulo precisa.

    O Plo de Brincar acontece todos os domingos das 10h s 17h, at o ms de dezembro, sempre no mes-mo local. Com a inaugurao do Polo de Brincar da Praa Cravei-ro do Campo, no Jardim Helena, com este, sero 28 em toda cidade.

  • A sua melhor opo 4 Em notcias

    adeSDESCASO COM A SADE: Falha, Falta de

    Pro ssionalismo e Morte!por Cludia Cristina

    O que est acontecendo? Por que tanto descaso com a sade?

    J presenciei em diversos hospi-tais e clnicas, atendentes mal hu-moradas que tratam as pessoas mal e fazem acepo de pessoas nitidamente.

    Imaginem s a cena!Voc j est sensibilizado pelo

    fato de estar doente e ao chegar ao hospital ou clnica depara-se com a atendente com cara feia, o mdico indiferente que nem olha para seu rosto e a enfermeira que vai aplicar a injeo e acredita estar aplicando a medicao em um objeto, algo que no tem vida, nem importan-do-se com a dor que o paciente ir sentir. Ah, por favor!

    comum escutarmos as pessoas dizerem: v bem arrumado em tal hospital para voc ser bem atendi-do.

    Todos ns somos seres humanos e precisamos de respeito e aten-o.

    Somos todos iguais: crianas, adolescentes, ricos, pobres, cele-bridades, annimos, terceira-idade, jovens, en m... o tratamento deve ser sempre igual, independente da cor, raa ou conta bancria.

    Conheo uma histria e sem-pre compartilho com as pessoas: Havia um mdico muito requisi-tado, porm totalmente desuma-no. Quando chegava ao trabalho j haviam muitos pacientes o es-perando, ele nem bom dia falava, entrava para sua sala e iniciava o atendimento da forma que queria, chamava quando queria. Em um

    determinado dia, ele estava em atendimento e chegou um senhor gritando: doutor, doutor, pelo amor de DEUS, tem uma criana ai fora passando muito mal, ela est mor-rendo, ajuda por favor. O doutor virou e falou para o senhor: Pea para aguardar, estou em atendi-mento e depois quando eu terminar eu irei chamar. O doutor terminou de atender, fechou a porta da sala e demorou uma hora mais ou menos para chamar o garoto que passara muito mal, at que resolveu ir at a criana. Eis o desespero do mdi-co, ao constatar que aquela criana a qual ele negou atendimento ime-diato, era SEU PRPRIO FILHO. A criana MORREU aguardando o mdico, seu prprio PAI! O dou-tor entregou o seu registro CRM ao Conselho Regional de Medicina e desistiu da pro sso, NUNCA mais exercendo-a.

    pessoal, cou chocado com a histria? Eu tambm quando escu-tei pela primeira vez.

    Re ita nestas palavras! Valorize sua pro sso! Dedique-se ao pr-ximo!

    Quando vamos ao mdico por-que necessitamos, porque quere-mos voltar a ter uma vida saudvel e feliz.

    A sade do ser humano depende de uma equipe, cada um exercen-do a sua funo da melhor forma possvel com competncia e pro s-sionalismo, fazendo bem feito!

    A nal estamos nos dando com vi-das e no com bonecos de pano.

    Pense nisso!

    guntando: Onde ela quer chegar com esta matria?

    Queridos leitores uma coisa certa. Todos ns precisamos de mdicos

    que cuidem da nossa sade e de hospitais que cumpram com suas responsabilidades. Mas o que en-xergamos hoje?

    Conheo e existem excelentes mdicos capacitados e quali ca-dos que fazem jus ao juramento. So pro ssionais humanos que tm a responsabilidade de cuidar de seus pacientes com zelo, amor e carinho. S que em contraparti-da, existem queles que preocu-pam-se apenas com o salrio que recebem no nal do ms, ou seja, no trabalham por amor.

    preocupante quando assisti-mos aos telejornais e observamos o descaso que alguns hospitais e mdicos fazem com os pacientes. Inmeras reportagens mostram pessoas internadas aguardando leitos na sala de espera, centenas de pessoas deitadas em macas esperando chegarem sua vez para fazerem determinada cirurgia.

    Gente um absurdo, uma pessoa precisar em carter emergencial passar com uma determinada es-pecialidade HOJE e s conseguir consulta para daqui dois, trs me-ses, dependendo do caso, s ve-zes levando o paciente a bito.

    Existem sim, mdicos timos, cl-nicas e hospitais com bom aten-dimento, pro ssionais excelentes, porm, tem muitos que deixam a desejar em todos os sentidos.

    Viver com sade o fator mais importante na vida de um ser humano. Se estamos bem com nosso corpo e com nossa mente vi-vemos felizes e mais dispostos para desempenharmos nossas ativida-des dirias. O problema que nem sempre nossa sade est 100% e precisamos recorrer aos especia-listas que dedicaram anos de suas vidas estudando at formarem-se e iniciarem uma linda pro sso que tem como principal objetivo cuidar e zelar da sade do prximo.

    O curso de Medicina se d por concludo atravs do juramento nal. De acordo com Hipcrates, considerado o pai da Medicina, al-gumas frases deste juramento diz: "Eu, solenemente, juro consagrar minha vida a servio da humanida-de... Praticarei a minha pro sso com conscincia e dignidade... A sade dos meus pacientes ser a minha primeira preocupao... Respeitarei os segredos a mim con ados... Manterei, a todo custo, no mximo possvel, a honra e a tradio da pro sso mdica.

    Vocs leitores devem estar se per-

    Historia de Vida ! Joo Santangelo (Joo Mineiro)por Marly / Roberto Figueiredo

    Antes de iniciar sua linda carrei-ra, era mascate, vendia roupas de cama, mesa e banho, trabalha-va para Samuel, dono das Casas Bahia e era considerado o melhor vendedor em todos os bairros de So Paulo.

    A empresa localizava-se em So Miguel Paulista, onde Joo Minei-ro trabalhou por muito tempo. Na

    poca, cantan-do sem ter gra-vado, Samuel dava-lhe total apoio e Mineiro mesmo na cor-reria do dia-a--dia ainda fazia apresentaes noite.

    Joo Mineiro morava na Vila Alpina e havia comprado um cavalo do Sa-

    muel, o qual ele ia montado fazer seus shows.

    Criou a sua primeira dupla que chamava-se Joo Mineiro e Mula-tinho. Eles gravaram o 1 CD, mas Mulatinho cou doente e no pde continuar a parceria.

    Joo Mineiro fez sua segunda du-pla, Joo Mineiro e Z Gois que zeram sucesso com as msicas:

    sem, O livro de So Cipriano, Segredo de Aliana, Onde Canta o Sabi e Cuidado com a Bastiana.

    Tambm por motivos de sade esta dupla foi desfeita, surgindo assim, aps algum tempo a dupla Joo Mineiro e Marciano que virou sucesso durante anos de carreira. Receberam muitos discos de ouro, platina, diamante e zeram apre-sentaes no Japo, Nova York cando conhecidos tambm inter-nacionalmente.

    Joo Mineiro sempre reunia mui-tos amigos para cantarem juntos, entre eles, cantores famosos e o pai do Chitozinho e Xoror, o Sr. Mrio.

    Depois de tantos anos cantando juntos, a dupla terminou.

    Mineiro em algumas de suas via-gens, conheceu o caminhoneiro, Mariano, onde recomeou uma nova dupla, Joo Mineiro e Maria-no, gravando CD e DVD em 2011

    pelos 20 anos de carreira.Em 24/03/2012, a dupla acabou.O dolo da msica sertaneja que

    uniu casais apaixonados e alegrou os nossos coraes, partiu para morar com DEUS!

  • A sua melhor opo 5Em notcias

    atria de CapaM

    Reportagem exclusiva

    A festa no Parque Vila Jacu, atraiu quase 10 mil pessoas neste feriado do dia 1 de maio em comemorao ao dia do trabalhador. Apesar de existir h 2 anos, quase ningum conhece ou sabe chegar no parque que realizou uma super-festa neste feriado gelado. Quem teve a curiosidade de conferir se deu bem, pois o show agradou todos os gostos musicais. A divulgao sim-

    ples feita basicamente pela internet e algumas faixas locais, atraiu um pblico el que desejava aproveitar o mximo esta comemorao. O evento foi uma parceria entre a ONG Parque Ecolgico do Tiet e o Par-que Ecolgico Vila Jacu. De acordo os organizadores, Paulo Triguinoso e o Jornalista Marcelo Bento, a fes-ta atingiu o objetivo que era realizar uma festa para agradar o pblico lo-cal carente de festividades e trazer convidados especiais como artistas

    da prpria regio que mereceram estar no palco. Alm de personalida-des locais, compareceram vrios ar-tistas do lme O Alcolatra recen-temente lanado na regio, como o advogado e ator Abdon(Tiljolinho), sua esposa Maria Diva, e tambm a apresentadora de TV, produtora e diretora de elenco do lme GiGi Maravilha juntamente com sua -lha, a apresentadora de TV, Perso-nal Trainer e Atriz protagonista Ra-quel Agricio. O apresentador cou por conta de Ricardo Sucesso que manteve o pblico animado durante todo o evento. Houve momentos de pico, principalmente na entrada do grupo de samba Sublime Encan-to que aproveitou para distribuir gratuitamente vrios CDs da ban-da. Outro momento emocionante foi a apresentao do cantor Manuel Marcos que emocionou a todos ao cantar as composies de seu pai, Como Vai Voc e O Homem de Na-zareth. Muitos fns j esperavam o gentil cantor que fez questo de posar para dezenas de fotos e dis-tribuiu autgrafos para todos que o aguardavam prximo ao superpalco da Truck Lounge que foi parceira no evento. O mau tempo provocou o cancelamento de diversos eventos principalmente na regio h sema-nas. Ns tnhamos a obrigao de realizar uma festa conforme o programado e contamos com mui-tos parceiros que tambm acredi-

    taram nesta proposta de fazer um evento com pro ssionalismo e de-dicao principalmente porque ha-via um pblico local (Unio de Vila Nova e Jardim Nair) que sempre foi uma regio carente e merece-dor de festas pro ssionais como esta. Quando o Paulo me convidou eu aceitei o desa o na hora, pois em 2009 j havia feito outros even-tos no Parque Ecolgico do Tiet. Acreditei que apesar do mau tem-po, seria um desa o interessante organizar um evento como esse e alcanar esse nmero de pblico e terminar sem nenhum imprevis-to. O frio no atrapalhou e tudo ocorreu conforme programamos e agradamos o pblico presente. As fotos esto a para comprovar que a parceria deu certo. explicou o coordenador do evento Jornalista Marcelo Bento.Fonte: Assessoria imprensa ONG Arte PET

    Fotos: Divulgao

    Festa do Trabalhador no Parque Ecolgico Vila Jacu recebeu artistas famosos

    Manuel Marcos ( lho do Cantor Antnio Marcos) e a atriz Raquel Agri-cio, protagonista do lme O Alcolatra foram alguns dos destaques neste evento em So Miguel Paulista

    Truck Lounge - Paulo Triguinoso, jornalista Marcelo Bento e equipe truck

    Subprefeitura So Miguel realiza com sucesso o encerramento da

    Operao Chuvas de Vero 2011/2012

    Com a participao de autorida-des, lderes comunitrios e repre-sentantes de diversos rgos do mu-nicpio, na ltima sexta-feira (04/05), durante a reunio mensal com os funcionrios da Subprefeitura So Mi-guel, foi realizada a solenidade de en-cerramento da Operao Chuvas de Vero 2011/2012. Na ocasio,

    homenagens e agradecimentos mar-caram o fechamento das aes pro-movidas no incio do ano nos bairros da Vila Itaim e Chcara Trs Meninas.

    O Subprefeito Luiz Massao Kita relembrou as principais aes execu-tadas nos bairros localizados s mar-gens do Rio Tiet, que mesmo com as aes preventivas realizadas no

    decorrer do ano, em janeiro e feverei-ro algumas ruas foram afetadas com as enchentes. Kita agradeceu o apoio de todos os envolvidos, em especial a colaborao da Coordenadoria Mu-nicipal de Defesa Civil (COMDEC) que, com o apoio do Cel. Jair Paca de Lima, reuniu agentes das subpre-feituras Ermelino Matarazzo, Arican-duva/Vila Formosa, Cidade Tira-dentes, Guaianases, Itaim Paulista, Itaquera, Mooca, Penha e So Ma-teus, para uma ao conjunta com a Defesa Civil de So Miguel.

    Como forma de agradecimento o Subprefeito Kita tambm homena-geou os colaboradores com o di-ploma Amigos da Subprefeitura So Miguel, sendo eles: Centro de Controle Operacional Integra-do (CCOI), Polcia Militar do Esta-do de So Paulo, 3 Grupamento de Bombeiros Militar, Guarda Civil Metropolitana (GCM), Companhia de Saneamento Bsico do Estado de So Paulo (SABESP), Departa-mento de guas e Energia Eltri-ca (DAEE), Superviso Tcnica de Sade de So Miguel, Superviso

    de Assistncia Social (SAS), Supe-rintendncia das Usinas de Asfalto (SPUA) e So Paulo Turismo (SP-Turis).

    A Operao Chuvas de Vero um programa de carter preventivo, de socorro, assistencial e recuperativo da Defesa Civil, realizada nos pero-dos de chuvas mais intensos do ano, entre novembro e abril.

    Entre os convidados presentes, o empresrio Johnny Soares, do Restaurante Tiquatiro, aplaudiu este projeto. Parabns a todos que participaram dessa empreita-da, pois zeram um excelente tra-balho. Nossa regio merece essa ateno especial e essas pessoas so comprometidas de verdade, isso nos d motivo de muito orgu-lho.

    O jornal Vitrine em Notcias, que sempre acompanha os trabalhos dessa subprefeitura, tambm para-beniza por mais esta iniciativa. Nos-sa equipe tem presenciado projetos de qualidade que s engrandecem nosso bairro. Parabns a todos es-ses parceiros.

    Foto: Divulgao

    Lideranas comunitrias

    Apresentador Ricardo Sucesso na festa 1 de maio

  • A sua melhor opo 6 Em notcias

    iversoDPALAVRAS CRUZADAS

    Solu

    o

    eceitaRCarne assada especial para o dia das mes.

    Ingredientes: 1kg de contra l em um pedao Sal e pimenta-do-reino a gosto 2 dentes de alho amassados xcara (ch) de azeite 1 xcara (ch) de farinha de trigo

    Molho: 1 xcara (ch) de caldo de galinha 1/2 xcara (ch) de suco de laranja 2 colheres (sopa) de mostarda 2 colheres (ch) de maisena 2 colheres (sopa) de gua fria

    Modo de preparo:Tempere a carne com sal, pimenta, o alho e o azeite. Deixe descansar por 1 hora. Passe na farinha e embrulhe em papel-alumnio. Coloque em uma assadeira e leve ao forno, preaquecido, por 1 hora. Retire o papel e deixe por mais 10 minutos ou at que dourar. Para o molho misture o caldo de galinha, o suco de laranja e a mostarda e leve ao fogo mdio at levantar fervura. Junte a maisena dissolvida na gua e mexa at engrossar. Regue a carne e sirva.

    Tempo: 2h (+1h de descanso)Rendimento: 4 PoresDi culdade: Fcil

  • A sua melhor opo 7Em notcias

    Mercado Imobilirio

    Dr. Paulo Castanheira, Diretor Executivo na MEGACORP Corporao Imobiliria.

    (www.megacorpimoveis.com)

    O Tribunal de Justia de So Paulo, em julgamento, negou pedido de iseno de dvida de IPTU a ex-proprietrio de imvel. Motivo: ele no registrou a trans-ferncia do imvel para o com-prador; logo, permaneceu com a responsabilidade de honrar o imposto junto prefeitura de So Paulo.

    Conforme informaes dos au-tos, o autor vendeu o imvel em 1988, mas no registrou a trans-ferncia em cartrio. Com uma dvida em seu nome de quase R$ 16 mil em IPTU, ele recorreu Justia. Isso porque, no contra-to firmado entre as partes, ficou definido que os impostos decor-rentes do imvel ficariam a cargo do comprador e atual morador do imvel.

    A venda, porm, no foi regis-trada no cartrio imobilirio, e a prefeitura de So Paulo cobra do autor da ao a dvida gravada na matrcula do imvel.

    Na Vara da Fazenda Pblica de So Paulo, o juiz de Direito consi-derou o pedido improcedente. Ele afirmou que o fato de o imvel no ter sido transferido para o promi-tente comprador independe para a apurao da obrigao tribut-ria, pois o artigo 34 do Cdigo Tri-butrio Nacional (CTN) claro ao estabelecer que o sujeito passivo do IPTU o proprietrio do im-vel, o titular de seu domnio til ou o possuidor, devendo responder pelas obrigaes da decorrentes perante a municipalidade.

    Conforme Lei Complementar Mu-nicipal, tanto o comprador como o alienante devem comunicar Secretaria Municipal da Fazenda a transferncia da propriedade.

    No caso dos autos, a propriedade por parte dos autores inquestio-nvel, conforme se vislumbra da certido do Registro de Imveis, afirmou o juiz.

    O autor recorreu ao Tribunal de Justia. A relatora do recurso na Cmara Cvel confirmou os termos da sentena. No entendimento da relatora, os autores permanece-ram figurando como proprietrios do imvel junto ao Registro Imobi-lirio, sem promover o registro do ato de transferncia.

    A relatora tambm informou que o Superior Tribunal de Justia j uniformizou interpretao sobre o tema. Segundo o STJ, tanto o promitente comprador do im-vel, possuidor a qualquer ttulo, quanto o seu promitente vende-dor, que detm a propriedade pe-rante o Registro de Imveis, so contribuintes responsveis pelo pagamento do IPTU, cabendo ao legislador municipal eleger o su-jeito passivo do tributo.

    Assim, por unanimidade, os desembargadores negaram o recurso de apelao e o ex-pro-prietrio, teve que arcar com os prejuzos gerados por sua falta de ateno e conhecimento.

    Quem vende imvel e no registra a transferncia

    responsvel por IPTU

  • A sua melhor opo 8 Em notcias

    S eus direitosForma de pagamento

    no pode alterar preo do produto, exija seus

    direitos!

    Hoje em dia, ns consumido-res, precisamos estar aten-tos a tudo e sempre estar infor-mados sobre nossos direitos. Do contrrio, podemos ser le-sados e enganados. Na hora da compra, temos que nos atentar desde o produto at a forma de pagamento. Temos que fazer nossos direitos como consumi-dores valerem na prtica.Um deles, bastante divulgado

    e alvo de campanhas de cons-cientizao, refere-se ao valor pago com carto de crdito. Muitas lojas diferenciam o va-lor do produto na hora do pa-gamento, se voc pagar com dinheiro ou cheque um valor, com carto de crdito, o valor j outro. Mas importante sa-ber que essa prtica ilegal e voc no pode aceitar.Muitas pessoas j vivenciaram

    esta situao. A dentista Adria-na de Lins conta que recente-mente passou por isso. Fui comprar uma cala jeans que custava R$ 100, na hora de entregar meu carto de cr-dito operadora de caixa, fui avisada que para pagamento com carto, a cala saia R$ 110. Eu no conheo muito de Leis, mas sei que esta prti-ca abusiva e que no devia aceitar. Questionei meus di-reitos e paguei o valor real de R$ 100 com o carto de cr-dito.Assim como Adriana, deve-

    mos questionar sempre. De acordo com o advogado Alex Ribeiro, a medida, infelizmen-te utilizada por muitos estabe-lecimentos, fere os direitos do consumidor. Segundo a PRO TESTE Associao de Con-sumidores, o carto de crdito uma forma de pagamento vista, assim como o dinheiro ou cheque e, por isso, no deve

    haver diferenciao nos pre-os.rgos de defesa do consumi-

    dor alegam que no so raros os casos de lojas que oferecem desconto para quem pague em dinheiro ou cobrem um taxa para aqueles que optam pelo carto. Isso no pode aconte-cer. E por que acontece? Alex explica que para aceitar o car-to como forma de pagamento, o lojista paga uma taxa s ad-ministradoras e bancos sobre o valor do produto. Justamen-te por isso, quer repassar esse custo ao consumidor. J os r-gos de defesa do consumidor so unnimes em considerar a diferenciao de preos segun-do o meio de pagamento como uma prtica abusiva. Efetiva-mente, quem compra no pode arcar com esse custo.Informe-se sempre!Esse cenrio pode mudar e

    voc, como consumidor cons-ciente, deve estar bem informa-do sobre o assunto. Isso por-que existe um Projeto de Lei do Senado (PLS) 492/2009, ainda em tramitao, que quer permitir a fixao de preo dife-renciado na venda de bens ou na prestao de servios pagos com carto de crdito em rela-o ao preo vista. Ou seja, os custos seriam formalmente passados ao consumidor na hora da compra.A proposta quer alterar o C-

    digo de Defesa do Consumidor, que tem 20 anos. Por isso, o assunto vem sendo bastante discutido e tem gerado grande movimentao por parte dos rgos de Defesa do Consumi-dor, como a PRO TESTE, que tem mobilizado autoridades e sociedade como um todo, no sentido de impedir que isso ocorra.

    Terminal Tiet comemora 25 anos

    O Terminal Tiet, na Zona Norte de So Paulo, a maior rodoviria da Amrica Latina, completou 25 anos nes-ta tera-feira (8), e funcionrios e passageiros comemoraram cantando parabns e comendo o bolo oferecido pela adminis-tradora Socicam. O Terminal do Tiet se tornou o smbolo de uma So Paulo que cresceu recebendo os so-nhos de gente do Brasil inteiro. L, desembarcam mais de 70% dos passageiros que chegam de nibus capital. O Tiet o segundo maior ter-minal rodovirio do mundo e perde apenas para o de Nova York. Quando foi inaugurado,

    Pois quem no visto, no lembrado!

    Jornal mensal tima aceitao

    Valorize seu negcio e aumente o seu lucro

    Anuncie conosco

    Tels.: (11) 2037.1871 / 9525-3527

    A sua melhor opo

    Em notcias

    em maio de 1982, prometia vantagens por estar a apenas 200 metros da Marginal Tiet e evitar que os nibus passas-sem pelas ruas de So Paulo, tornando as viagens mais rpi-das. Hoje, com os cerca de 750 mil carros na Marginal, o acesso ao terminal no mais to fcil. Na poca da inaugurao, eram esperados 5.200 nibus e 160 mil pessoas por dia. Atu-almente, os terminais do Jaba-quara (na Zona Sul) e da Barra Funda (na Zona Oeste) descen-tralizam o movimento de pas-sageiros, e circulam diariamen-te no Tiet 3 mil nibus e 90 mil pessoas.

  • A sua melhor opo 9Em notcias

  • A sua melhor opo 10 Em notcias

    undo PetMComo se comunicar

    com o seu gato!

    Quem tem esse bichano como animal de estimao muitas vezes adoraria entender o motivo de tantos miados, cada hora pa-recendo soar de maneira diferen-te. E realmente, cada som tem um motivo diferente e, para que voc entenda melhor o que seu gato est querendo te dizer, a equipe de reportagem do Jornal Vitri-ne em Notcias conversou com o veterinrio Matheus Oliveira, que d dicas sobre a linguagem que esses bichanos usam e como conseguir com que seu gato faa o que voc quer. Quer saber como? Acompanhe na ntegra:

    Entenda como seu gato se co-munica

    Segundo o especialista Ma-theus, seu gato se comunica usando cheiros, expresso facial, linguagem corporal complexa e toque. Quando eles percebem que no entendemos isso, eles vo miar como tentativa de se co-municar a nvel humano.

    Seu gato logo vai perceber que o miado gera certa reao sua, e usa isso para se comunicar. Os gatos esto sempre tentando se comunicar conosco, mas cabe ao dono descobrir o que esses bichanos querem dizer. Todos os gatos desenvolvem seus prprios mtodos para se comunicar usan-do linguagem corporal e miados, diz Matheus.

    Escute seu gatoSe voc prestar ateno no que

    faz seu gato miar ou se compor-tar de determinadas maneiras, voc poder aprender a distinguir quais miados so associados as quais necessidades. Por exem-plo, um miado de quando ele deixado para fora pode ser dife-

    rente de um miado quando ele est com fome.

    Matheus ainda aconselha tentar procurar padres de comporta-mento do gato. Tambm absor-va a linguagem corporal do bicho para saber como ele atua em di-ferentes situaes. Isto seme-lhante ao mtodo que voc usa para interpretar as necessidades de um beb.

    Ensine ao seu gato o que voc quer

    Os gatos podem aprender a compreender o que voc quer atravs de repetio de pala-vras ou aes. Seja consistente quando disser ao seu gato o que fazer ou no fazer. Vai levar tem-po para ensin-lo, mas poss-vel. Por exemplo, voc pode dizer no em uma voz alta e firme, e seu gato vai aprender o que no se deve fazer. Se voc disser dor-me ou cama noite, seu gato pode aprender a te seguir. Seja sempre consistente, do contrrio seu bichano pode ficar confuso com o que voc deseja.

    Seja pacienteNo espere que seu gato saiba

    o que voc quer o tempo todo. Voc pode comand-lo com uma voz firme, mas trate-o com amor e respeito. Nunca grite ou bata nele, mesmo quando voc esti-ver nervoso com algo que ele fez, isso vai assust-lo. Aprender a se comunicar com seu gato pode le-var tempo, mas vale a pena. Cui-dado com a forma com que voc faz isso, e tente ensinar coman-dos. Se voc prestar ateno s aes dele, voc ver que ele tem muitas maneiras de se comunicar com voc, finaliza Matheus Oli-veira.

  • A sua melhor opo 11Em notcias

    olticaPCampanha Crack - Independncia ou Morte

    lanada na Assembleia Legislativa

    Aconteceu no auditrio da As-sembleia Legislativa em So Paulo o lanamento da Campa-nha: Crack - Independncia ou Morte, que tem como principal objetivo chamar a ateno da so-ciedade para o problema srio que a dependncia da droga. A iniciativa foi do Sindicato das Em-presas de Publicidade Exterior do Estado de So Paulo Sepex- SP, com apoio do deputado Cam-pos Machado, lder da bancada do PTB.

    A solenidade foi aberta pelo pre-sidente da Casa, deputado Bar-

    ros Munhoz, e contou com a presena de empresrios de So Paulo, l-deres polticos, entre outros c o n v i d a d o s . Estava presen-te tambm o empresrio Jo-hnny Soares ( R e s t a u r a n t e Tiquatiro), que apoia totalmen-te esta iniciativa.

    De acordo com o publicitrio e criador das peas, Agnelo Pache-co, esta a maior campanha so-cial com mdia externa j realizada no pas.

    Um levantamento realizado pelo Governo em 559 municpios para detectar a presena do crack, mostrou que em 518 deles a dro-ga tem presena bastante consi-dervel. Elosa de Sousa Arruda, Secretria de Justia e Defesa da Cidadania do Estado de So Paulo, disse: Precisamos estar unidos para enfrentar este pro-blema, que dramtico.

    Luiz Fernando Rodovalho, pre-sidente do Sepex e um dos ide-alizadores da campanha, acredita que a sociedade deve travar uma luta "sem trguas" contra a dro-ga. "No Brasil, so 600 mil de-pendentes", armou.

    O evento contou ainda com Mar-celo Marcondes de Moura, da Central de Outdoor, o deputa-do Donizete Braga, presidente da frente parlamentar contra o crack e Jos Maria Marin, pre-sidente da CBF (Confederao Brasileira de Futebol) que ao dis-cursar, classicou a dependncia da droga como uma desgraa e se comprometeu a apresentar em Braslia - na Comisso de Esporte de Turismo da Cmara Federal, as bases da campanha.

    Apoiam esta iniciativa tambm o presidente da OAB-SP, Luiz Fl-vio Borges D'Urso e o deputado Campos Machado que fechou a solenidade com chave de ouro ao ressaltar que as estrelas principais da campanha so o Rodovalho (Sepex) e o Marcelo (Central de Outdoor), que ime-diatamente se mobilizaram para abrir o espao necessrio para

    campanha. Sem eles no estar-amos aqui. Todos somos coad-juvantes. Os dois j me falaram que vo levar a campanha para todo o pas. O crack um tsu-nami social, que desestabiliza a famlia, alm de destruir a vida do dependente.

    Deputado Campos Machado lder da bancada do PTB

    Fotos: Divulgao

    Empresrio Johnny Soares coordenador da ATN- leste e o Presidente da CBF Jose Maria Marim

  • A sua melhor opo 12 Em notcias

    Teus braos sempre se abrem quando preciso de um abrao. Teu corao sabe compreender quando preciso de uma amiga.

    Teus olhos sensveis endurecem-se quando preciso de uma lio. Tua fora e teu amor dirigiram-me pela vida e deram-me as asas

    que precisava para voar.

    Feliz Dia das Mes!

    Johnny Soares