Jornal Visão 516

Download Jornal Visão 516

Post on 08-Nov-2015

47 views

Category:

Documents

3 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Leia online a edio 516 do Jornal Viso.

TRANSCRIPT

<ul><li><p>O JORNAL DA CIDADEDistribuio GratutaLitoral Norte, 30 de Maio de 2015 Ano XI Edio 516</p><p>ESCOLA ESPECIAL DA APAE DE PENHA SER ANFITRI DE 22 ENCONTRO NACIONAL</p><p>NATUBRS SORTEADANA RIFA DA FESTA DO </p><p>DIVINODE PENHA</p><p>Pag. 08</p><p>REALIZADO ENCONTRO COM PROFESSORES PAR </p><p>DISCUTIR A PROVA BRASIL EM NAVEGANTES</p><p>Pag. 06</p><p>REUNIO COMESCOLAS COMEA A </p><p>DEFINIR PREPARATIVOS PARA O PIARRAI</p><p>Pag. 07</p><p>Pag. 5</p></li><li><p> Expediente</p><p>e-mail: jvisao@gmail.com</p><p>As matrias, colunas, artigos e ou contedos publicitrios assinados, no expressam a opinio do Jornal, sendo de total responsabilidade de seus autores.</p><p>Publicao: Producenter Editora Ltda.RTD 004 Folha 003 Livro 01 - Sede: Rua Bento Gonalves, 651 Armao - CEP 88.385-000 Balnerio de Penha - SC</p><p>Direo Geral:............................Arno Brning J. Jr.</p><p>Editorao.................................J. Brning</p><p>Diretora Administrativa...............Marli de Oliveira</p><p>Jornalista Responsvel................Hlio Ribas Micheleto - DRT-PR 022.01.12/79</p><p>Atendimento..............................3398-0928/9107-0367</p><p>Depto. Jurdico...........................Dr. Ivan Naatz - OAB SC 9145</p><p>Diagramao..............................Natlia de Oliveira Bruning</p><p>Reportagens..............................Jota Jr. - Paulo A. Simeo - Marli de Oliveira</p><p>Colaboradores...........................Augusto Cesar Diegoli - Iria Schnaider - Dr. Jougla Lafitte </p><p> Job Carneiro - Elenita de Oliveira</p><p>Impresso:................................Press Alternativa</p><p>Circulao Semanal....................3.000 exemplares - Penha - Balnerio Piarras - Navegantes e B. Velha</p><p>PREVISO DO TEMPO</p><p>Circulao normal aos sbados</p><p>Onde encontrar o Jornal na CidadeBancas - Supermercados - Farmcias Panificadoras e Postos de Combustveis nos Municpios de Penha </p><p>Baln. Piarras - Navegantes - Barra Velha</p><p>Para Anunciar Ligue: 47 - 3398-0928E mail: jvisao@gmail.com</p><p>Nosso Site: www.jornalvisaopenha.com.br</p><p>COMENTANDOCOMENTANDO</p><p>Litoral Norte, 30 de Maio de 2015O p i n i o2</p><p>PoupanaO STJ (Superior Tribunal de Justia) decidiu que quem tinha dinheiro depositado na poupana em 1989 e foi prejudicado pelo Plano Vero tem direito de receber na Justia as cor-rees tambm dos Planos Collor 1 e 2 (de 1990 e 1991), respectivamente. Essa deciso pode dobrar o valor que os poupadores tm a receber e atinge diretamente 600 mil aes de pessoas que pedem na Justia a correo das per-das nos planos, incluindo o Plano Bresser (1987). Quem tinha 10 mil cruzados novos na conta em 1989 ver sua correo de R$ 30.914 para R$ 68.494 com a mudana determinada pelo tribunal. Empregos (1)O pas fechou quase 98 mil postos de trabalho em abril. o pior resultado em 23 anos. A indstria foi a responsvel com quase 54 mil vagas fechadas, seguido da construo civil com 23 mil empregos formais encerrados. No ano, o Brasil tem um saldo negativo de 137 mil empregos fechados. Santa Catari-na teve um saldo negativo no ms de 4,2 mil vagas fechadas, encerrando o ano com 27,4 mil empregos gerados. No ms, os destaques em SC ficaram com Cricima (+398), Palhoa (+155) e So Bento do Sul (+119). Os destaques negativos fi-caram com Jaragu do Sul (-639), Lages (-400) e Florianpolis (-385). De janeiro a abril, os destaques so para Blumenau (+4.024), Joinville (+2.197), So Jos (+1.630), Jaragu do Sul (+1.310) e Timb (+1.153). A seguir vem Brusque com (+988) empregos gerados com carteira assinada. Empregos (2)O emprego tradicional, com carteira assinada e patro, est perdendo terreno para formas mais precrias de ocupao. A falta de vagas no mercado de trabalho, que vem despon-tando com mais fora este ano, empurrou boa parcela dos brasileiros para os servios por conta prpria, normalmente mais volteis, imprevisveis e com menor remunerao. Da-dos do IBGE mostram que, entre maro do ano passado e maro deste ano, 868 mil pessoas passaram a trabalhar por conta prpria, ampliando para 21,7 milhes o contingente nessas condies. Na contrapartida, 740 mil pessoas perde-ram a condio de empregados, restando um saldo de 46,1 milhes de trabalhadores no setor privado, com ou sem car-teira assinada. MultinacionalA empresa norte-americana Sutherland Global Services, es-pecializada na prestao de servios financeiros administra-tivos, com foco em compras e recursos humanos avalia se instalar em Itaja. Com 47 escritrios em 33 pases, refern-cia em robtica. As contrataes j comearam e a primeira etapa de abertura deve ser concluda em julho, com 330 fun-cionrios. A previso chegar a mil empregos at o final de 2016, quando sero finalizadas as etapas de instalao. AproveitadoresA Fazenda estadual est de olho em possveis fraudes na compra de veculos novos para transporte de pessoas com deficincia fsica ou mental. A iseno de ICMS pode estar sendo concedida a quem no tem problemas ou no trans-porta pessoas com esse tipo de problema. Sero analisados 225 beneficirios de todo o Estado com indcios de irregulari-dade. No ano passado os pedidos de iseno cresceram 27%. Passaram de 3.758 em 2013 para 4.773 em 2014. </p><p>Sabdo 30/05 - Uma massa de ar seco ganha fora na Regio. Apenas no noroeste do PR algumas nuvens se formam e chove rpido a partir da tarde. Nas demais reas o sol brilha forte. H risco de nevoeiro no centro do PR. Nas cerras entre o RS e SC h risco de geada.</p><p>Domingo 31/05 - O ar seco continua atuando sobre a Regio. H previso de geada ao amanhecer entre as cerras catarinen-se e gacha. Pequenas reas de instabilidade ainda provocam chuva a qualquer hora no norte do PR, no centro-sul do estado chove ao amanhecer.</p><p>Segunda-feira 01/06 - Uma massa de ar seco avana pela Re-gio e mantm o tempo firme. Apenas no litoral do PR h pre-viso de chuva fraca ao amanhecer. Sol forte a partir da tarde em todas as reas. Entre as cerras de SC e do RS h previso de geada ao amanhecer.</p><p>(Outras notcias: www.acdiegoli.blogspot.com)Fonte: Climatempo</p><p>Por Job Carneiro</p><p>Editorial</p><p>IDOSO, MAS NO VELHO </p><p> Olho para o meu passado e conto oito dcadas j vividos, ento me pergunto: Sou velho? Sou idoso? Sei que muitos homens ou mulheres com a minha idade, assim se julgam. Isso verdadeiro ou sou eu que no estou admitindo envelhecer? Ou a manei-ra de como enfrentar a vida que seria o segredo de alcanar idades avanadas, ainda com disposio de agir, fazer, se informar, estudar novos caminhos, mudar o curso da vida, estreitar novas amizades, dis-posio pra enfrentar novas companhias, sem aban-donar as velhas. Um fator, que no depende de cada ser vivente, nossa herana gentica, trazida do ber-o. Acredito piamente, que o homem nasceu para viver cerca de cem anos, mas quantos abandonam a caminhada muito antes disso? A maioria, ou por desgastarem seus recursos pessoais com atividades altamente perigosas para a manuteno da sade. Outros por no se alimentarem convenientemente, ou por fazer uso de lcool em demasia, ou por fuma-rem. Ainda outros por uso indevido de medicamen-tos, ou comerem gulosamente, engordando. Ou ainda por manterem um ritmo de vida altamente desgastante, sem a devida recuperao em tempo hbil. Ou to somente se dedicarem a quase inrcia, no seu cotidiano. Exerccios so importantes, mas no devem ser exaustivos. Ficar no meio termo fundamental.</p><p> Muita gente tem gasto saliva, papel e tinta pro-pondo uma reforma poltica como frmula para o apri-moramento daquilo que chamam de democracia bra-sileira. O que mais aparece nesta hora so verdadeiros qumicos , cujo a finalidade pe transformar e deixar sociedade na M.... Na minha humilde opinio, deveriam reduzir os salrios e mordomias da classe senadores e deputados federais; instituio do sistema eleitoral mis-to; fidelidade partidria; proibio de coligaes; limita-o divulgao de pesquisas eleitorais; financiamento pblico das campanhas eleitorais; fim das medidas provi-srias; eliminar de vez o grande balco de negcios etc. Mesmo que tais medidas fossem adotadas, elas no mo-dificariam o carter de velha democracia ou democracia burguesa, a qual tem como eixo o dinheiro, ou seja, o capital. Apenas para se ter uma ideia de como o ca-pital que comanda uma eleio, os clculos, por baixo, do custo das campanhas eleitorais apontam para os se-guintes valores de uma campanha poltica em reais: De-putado federal, aproximadamente 400 mil; Senador, 1,5 milho; Governador, 15 milhes; Presidente, 35 milhes. Assim, uma sociedade profundamente injusta onde a concentrao da terra e da renda coloca a grande maioria na condio de escravos, assalariados ou no, e um magote de privilegiados que no conhecem limites para a prtica da explorao e da opresso, s pode gerar em seu ventre instituies que venham a ter como prec-pua finalidade a manuteno de tal ordem putrefata. A ordem derramar um pote de gua menos suja nele no o modificar. Sua limpeza exige a sua des-truio como se deu na mitologia na qual Hrcules des-viou o curso de um rio para limpar toda a sujeira dos Estbulos do Rei ugias. Em nosso caso, Hrcules seria o povo organizado numa frente nica nucleada pela aliana operrio-camponesa, coadjuvada pelos intelec-tuais honestos e pela pequena e mdia burguesia. O rio seria a Revoluo Democrtica de novo tipo, ininterrupta ao socialismo, tendo como primeira etapa a Revoluo Agrria. E, a sujeira a ser varrida seria todo o capitalismo burocrtico, expresso maior da condio semicolonial e semifeudal em que vivemos. Com certeza ainda temos sada, reformar de verdade ou acabar com ela pra valer.</p><p>Poltica Reformar ou acabar com ela</p></li><li><p>EconomiaLitoral Norte, 30 de Maio de 2015 3FGTS aporta mais</p><p>R$ 5 bi ao financiamento de imveis de at </p><p>R$ 400 mil Braslia/SC O Conselho Curador do FGTS aprovou na tera-feira (26) um aporte de R$ 5 bilhes linha Pr-Co-tista, que libera crditos para financiamento de casa prpria com valor at R$ 400 mil a famlias com renda mensal acima dos limites do Programa Minha Casa Minha Vida. A linha voltada somente para trabalhadores com contas vinculadas do FGTS. Com a deciso, o oramento para investimentos em habitao com recursos arrecadados pelo FGTS em 2015 pas-sa a ser de R$ 62,9 bilhes.</p><p> Segundo o ministro do Trabalho e Emprego, Mano-el Dias, que presidente do Conselho, a medida foi tomada tendo em vista o cenrio de escassez atual de recursos para financiamento imobilirio. Estamos beneficiando os cotistas do FGTS, que continuaro podendo adquirir suas casas pr-prias com taxas de juros bastante favorveis, afirmou o mi-nistro, que tambm destacou o fato de que o limite de R$ 400 mil cria condies para que mais famlias possam conseguir financiamentos. O oramento do FGTS prev investimentos da ordem de R$ 307 bilhes no quadrinio 2015-2018. A estimativa do alcance social destes recursos beneficiar mais de 540 mil fa-mlias por meio dos financiamentos em habitao, alm da gerao de 3,7 milhes de empregos. Neste ano, j foram in-vestidos R$ 17,3 bilhes (R$ 17,1 bilhes em habitao e R$ 200 milhes em saneamento).Construo de imveis Outra deciso do Conselho foi autorizar a contrata-o de financiamento a construtoras para a produo de im-veis com valor acima de R$ 190 mil, teto estabelecido pelo Programa Minha Casa, Minha Vida. A partir da autorizao do Conselho, o Ministrio das Cidades vai regulamentar o mon-tante a ser remanejado e o valor mximo dos imveis cuja construo poder ser financiada com recursos do FGTS. Para Dias, a medida visa aquecer o mercado da cons-truo civil. Nosso propsito contribuir para gerao de postos de trabalho no setor, pois os financiamentos sero di-recionados construo de imveis novos, explicou. Tambm como forma de incentivar a construo de residncias, o Conselho autorizou oramento de R$ 1,5 bilho em instrumentos de capital (Fundos de Investimento Imobili-rio, Fundos de Investimento em Direitos Creditrios, debn-tures e Certificados de Recebveis Imobilirios) que possuam lastro em operaes na rea de habitao.Infraestrutura Com o objetivo de estimular outros setores da cons-truo civil, o Conselho permitiu que o Comit de Investimen-to do Fundo de Investimento do FGTS (FI-FGTS) analise um aporte de at R$ 10 bilhes em projetos de infraestrutura financiados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econ-mico e Social (BNDES). O Banco apresentar uma carteira de projetos que ser avaliada pelo Comit, o qual indicar a des-tinao dos recursos, desde que seja em empreendimentos novos e no territrio nacional, incluindo os setores de portos, aeroportos, rodovias, ferrovias, hidrovias, energia e sanea-mento. O Conselho aprovou ainda aporte R$ 700 milhes para continuidade das obras previstas no mbito da Operao Urbana Consorciada do Rio de Janeiro (Porto Maravilha).As resolues da Reunio do Conselho Curador do FGTS sero publicadas na quinta feira (28) no Dirio Oficial da Unio.</p><p>Com promessa doMinistrio da Pesca de </p><p>emitir ainda hoje aslicenas para a safra da tainha, pescadores desistem de ocupar a Superintendncia em </p><p>Florianpolis A demora na emisso das licenas para a safra in-dustrial da tainha, que comea no dia 01 de junho, deixou pescadores de Itaja e regio impacientes. Trabalhadores e armadores de pesca estavam aguardando para esta segunda--feira (25), a divulgao dos nomes das embarcaes que vo poder atuar na safra deste ano. Mas at a manh desta tera--feira (26), nenhum dado havia sido divulgado pelo Governo Federal. Por causa da demora, os pescadores estavam amea-ando ocupar a Superintendncia Regional do Ministrio da Pesca, em Florianpolis. Devido a esta ameaa, foi realizada nesta tarde uma reunio com os pescadores e armadores que atuam na moda-lidade de cerco. O encontro foi realizado na sede do Sindicato dos Armadores e das Indstrias de Pesca de Itaja e Regio Sindipi, e o Ministrio da Pesca comunicado sobre a possibi-lidade de uma ocupao da Superintendncia. De acordo com o Presidente do Sindipi, Giovani Monteiro, este ano 50 embarcaes tero permisso para capturar tainha. Essas licenas sero divididas com empresas do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, So Paulo e Rio de Janei-ro. A informao que o presidente recebeu de representantes do Sindipi que esto em Braslia para tentar agilizar o proces-so de liberao, que 31 embarcaes j teriam passado pelo processo de avaliao e estariam aptas para trabalhar na sa-fra. importante que o Governo entenda que demora muito para preparar um barco para sair para o mar. Hoje, quem est na disputa pelas 50 licenas, tambm trabalha na pesca da sardinha. Voc tem que armar, preparar a rede, trocar a rede, ento o Ministrio tem que ser gil para que a safra no seja ainda pior. A modalidade de cerco j perdeu 10 embarcaes, j que houve uma reduo de 60 para 50 licenas e o perodo tambm foi reduzido em 15 dias, esse era o pleito. Consegui-mos junto ao ministrio que pelo menos as licenas desses 31 barcos analisados sejam emitidam ainda hoje e ficamos aguardando para esta quarta-feira (27), a liberao das outras 19, explica Giovani. A demora no anncio dos contemplados com as li-cenas cria ainda uma insegurana para dez empresas, que no ano passado participaram da safra e este ano por causa de uma interveno da justia esto fora. Com a informao de que at amanh a situao esteja completamente resolvida os pescadores desistiram de viaja...</p></li></ul>