jornal tribuna das cidades 10/05/2013

Download Jornal Tribuna das Cidades 10/05/2013

Post on 24-Mar-2016

232 views

Category:

Documents

8 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Jornal Tribuna das Cidades 10/05/2013

TRANSCRIPT

  • Regional, Sexta-feira, 10 de Maio de 2013 | n 687 | XIII | Exemplar avulso R$ 2,50

    www.tcidades.com.br

    Incndio atinge EASA eIncndio atinge EASA eIncndio atinge EASA eIncndio atinge EASA eIncndio atinge EASA e44 militares vo para o44 militares vo para o44 militares vo para o44 militares vo para o44 militares vo para ohospital por intoxicaohospital por intoxicaohospital por intoxicaohospital por intoxicaohospital por intoxicao

    Pginas 6 Pginas 3

    A representao do Ministrio da Agricultura,Pecuria e Abastecimento no Rio Grande do Sul(SFA-RS) e o Ministrio Pblico do Estado (MP-RS) desencadearam na quarta-feira (08/05) aOperao Leite Compen$ado.

    Promotor Ivory Coelho Neto com a rgua contendo a frmula da mistura

    Confira os lotes no recomendados paraconsumo pelo Ministrio Pblico

    Lotes comproblemaspodem sertrocados

    Oito pes-soas forampresas

    Pgina 7

    Fortaleza dos ValosFortaleza dos ValosFortaleza dos ValosFortaleza dos ValosFortaleza dos ValosPrefeito e viceso diplomados,tomam posse eapresentam se-cretariado

  • Sexta-feira, 10 de Maio de 2013 | TRIBUNA das CIDADES2 Cruz AltaAdelino Machado

    Advogado e EconomistaE-mail: profedir@comnet.com.br

    A ORGANIZAO E AA ORGANIZAO E AA ORGANIZAO E AA ORGANIZAO E AA ORGANIZAO E ADESORGANIZAO DA SOCIEDADE EDESORGANIZAO DA SOCIEDADE EDESORGANIZAO DA SOCIEDADE EDESORGANIZAO DA SOCIEDADE EDESORGANIZAO DA SOCIEDADE ESEUS MALESSEUS MALESSEUS MALESSEUS MALESSEUS MALES

    Vereador Vilson PimentelVereador Vilson PimentelVereador Vilson PimentelVereador Vilson PimentelVereador Vilson PimentelMatria InstitucionalMatria InstitucionalMatria InstitucionalMatria InstitucionalMatria Institucional

    Publicao Resumida deMatria Institucional, deautoria do Vereador VilsonPimentel, encaminhada eprotocolada na CmaraMunicipal de Vereadores,na qual prope:

    - PRTICO: A construo de um pr-

    tico na entrada de Cruz Altaem homenagem ao escritorrico Verssimo (entronca-mento da RS 342 com a Ave-nida Benjamin Constant).

    Publicao deresponsabilidade do Ga-

    binete do VereadorVilson Pimentel.

    Cruz Alta, 29 deAbril de 2013

    Adam Smith, escocs considerado o Pai da Economia, escrevera que o poderde um povo no est na quantidade, mas em sua organizao. Antes disso,Aristteles, filosofo, acreditava que no grupo social tinham poder de mandar,enquanto outros deveriam ser mandados. Ou ainda alguns eram inferiores eoutros superiores. O prprio Aristteles considerava a existncia da escravidoum processo natural. Da mesma forma, a mulher era inferior ao homem e porisso mesmo deveria obedecer a ordens do marido.

    Na verdade, ningum superior a ningum, o que faz com que algum mande a capacidade de se organizar. E isso vale para tudo. O sistema econmicocontinua forte, no por que algo que nasceu forte, mas uma ordem que seorganiza, mesmo quando chega a se desorganizar. Observem a economia euro-peia, depois de uma crise, comea a dar sinais de melhoria. Na prtica se reorga-niza, aps um processo de desorganizao.

    Na politica tambm se verifica a importncia da organizao. Observem o PT nogoverno federal com a pretenso de continuar no mnimo nos prximos oito anos.Por que o referido partido chegou a aonde chegou, devido a sua organizao e nessaorganizao vale tudo ou quase tudo, mesmo apropriao de dinheiro pblico, como o caso do mensalo, mesmo com mentiras, como o caso de Lula que continua aafirmar que nada sabia. Mesmo no caso de Dilma que nunca se preparou para sergoverno e hoje governa e deseja persistir no cargo pelo menos at 2018.

    Se o PT se mantm devido a uma certa organizao, tambm verdade que osdemais partidos se desorganizaram. O PMDB um partido desorganizado, ouento organizado para viver na sombra dos outros. Pela lgica, o referido partidodeveria ser governo, mas, no entanto esta no governo e parece se contentar com isso.J os demais partidos, tambm se desorganizam no apenas em relao a quemchegou no poder, mas se desorganizam em si mesmo. Essa desorganizao enfraque-ce o partido e pouco resolve criticar a oposio, at por que criticar a oposionecessita de apoio da sociedade e a sociedade igualmente se encontra desorganizada.

    Alguns alegam o velho chavo que o mundo dos espertos, no se trata de serespertos, o melhor seria dizer o mundo de quem consegue se organizar o resto consequncia.

    O Estado fruto da sociedade organizada, razo por que se define o Estadocomo sendo a sociedade juridicamente e politicamente organizada. Mas a quem oEstado serve? Claro que o Estado no serve a todos, embora todos paguem aoEstado. O Estado serve um segmento da sociedade, exatamente segmento melhororganizado. Serve os polticos, que usam o povo e se apropriam do Estado, servegrandes empresrios que financiam o Estado e que igualmente se apropriam dedinheiro que o Estado repassa. E os demais segmentos realmente beneficiadospelo Estado, so segmentos que detm certa organizao. E quem no benefici-ado pelo Estado por que de forma desorganizada no consegue influir no Estado.

    J no chega ser novidade a ocorrncia de fatos que revelam a esperteza desteou daquele grupo. Apropriao de dinheiro para licena ambiental, leite inaltera-do capaz de afetar a sade. Isso tudo parte de algo que dever prosseguir. Asinstituies at podem denunciar tantos atos ilcitos que ocorrem, mas dificil-mente iro por fim, pois o fim depende da sociedade. Na verdade a sociedadeerra e se corrige ao mesmo tempo. como o remdio, pode at ajudar contra adoena, mas a cura ir mesmo depender de reao do corpo humano.

    A sociedade hoje uma sociedade consumista, cujo o juzo de valor com asdevidas excees no se encontra na moral, mas em algo material. O individuocompara no o certo ou errado, mas o vantajoso. Se praticar este ato ainda queseja contra lei mais vantajoso, a lei que se dane.

    preciso entender que antes do certo ou errado, existe a natureza humana eseus desejos. E mediante essa realidade, as aes humanas nem sempre obede-cem a ordem jurdica, mas a ordem econmica e social.

    Um dos erros do Direito e do prprio ordenamento jurdico tentar andarsem a economia, sociologia e filosofia. desejar impor, sem conhecer perfeita-mente quem obedece e quem deixa de obedecer. Da o Direito enquanto ordemperde poder e o problema no esta na sua aplicao e na estrutura necessria,mas de ter deixado h muito tempo de considerar na sua composio e mesmo noseu estudo, as realidades que determinam os fatos, sejam eles econmicos,sociais e politico.

    Em suma, a sociedade no melhora apenas por esta ou aquela ordem, mas apartir de si e por si e isso somente ocorrer quando cada um se encontrar ouquando essa sociedade se organizar. Enquanto isso a desorganizao de uns e aorganizao de outros ir continuar possibilitando as mazelas verificadas a cadadia e manchetes de jornais e igualmente trabalho para as instituies, cuja a funo de manter a ordem, s que a ordem depende tambm da vontade da sociedade.

    Assinado na segunda-feira (06) ocontrato com a empresa vencedora dalicitao para o incio das obras do en-torno da rodoviria de Cruz Alta. Ocontrato assinado pelo Prefeito Muni-cipal Juliano da Silva determina o in-cio da empreitada global (fornecimentode material e mo de obra), para a exe-cuo da obra de modernizao e revi-talizao de rea de lazer e esporte naAvenida Plcido de Castro - entorno daRodoviria.

    As obras devem iniciar nos prxi-mos quinze dias e a empresa se com-prometeu a cumprir todos os prazoscontratuais para a entrega da obra. Ocumprimento do prazo fica asseguradopela experincia da empresa em reali-zar uma obra semelhante na cidade deIbirub, inclusive a empresa possui emestoque o material necessrio para area de lazer e de ginstica, o que vaiacelerar a entrega da empreitada.

    Segundo o Prefeito Juliano da Silvaesta ser mais uma obra integrada nonovo modelo de gesto do municpio.

    Assinado contrato da revitalizaoAssinado contrato da revitalizaoAssinado contrato da revitalizaoAssinado contrato da revitalizaoAssinado contrato da revitalizaodo entorno da Rodoviriado entorno da Rodoviriado entorno da Rodoviriado entorno da Rodoviriado entorno da Rodoviria

    Esta rea vai disponibilizar para a co-munidade um espao de caminhada, deacademia, de prtica de esporte e dediverso para as crianas. O Munic-pio de Cruz Alta est reestruturandoas praas da cidade, realizando limpe-za e melhorias nos espaos pblicos delazer. "A rodoviria um carto postalda cidade e esta revitalizao demons-tra o respeito da administrao com ocidado cruzaltense, esta rea vem agre-gar sade, educao e lazer num mes-mo espao" destaca Juliano.

    O prdio da rodoviria tambm vai

    passar por melhorias e outra questoque j est sendo analisada o contratode locao com as empresas que pres-tam servios dentro da rodoviria. Omunicpio vai investir em melhorias noespao, mas espera uma contrapartidadas empresas que l estiverem instala-das para oferecem um servio de quali-dade para a comunidade. "As pessoasque chegam e saem da cidade devemlevar um retrato positivo de Cruz Altae esta obra vai beneficiar toda comuni-dade cruzaltense" relata o Prefeito Ju-liano da Silva.

    Uma das obras mais aguardadas pelacomunidade regional comeou a tomarforma na manha desta segunda-feira (06).Reunidos no Salo Nobre da PrefeituraMunicipal de Cruz Alta autoridades lo-cais ouviram do Presidente Estadual doPartido da Repblica Cajar Nardes queno dia 15 deste ms tcnicos do DNITestaro em Cruz Alta para realizar o es-tudo de viabilidade das obras da BR 377.

    A convite do Presidente Municipaldo PR Jlio Ferrera, esteve em CruzAlta o Presidente Estadual do Partidoda Repblica que em visita ao Minist-rio dos Transportes trouxe novidadespara a regio. O Ministro dos Trans-portes Csar Borges do PR, que assu-miu recentemente a pasta, garantiu apresena dos tcnicos do Departamen-to Nacional de Infraestrutura de Trans-porte para que seja realizado o estudode viabilidade tcnica econmica e am-biental da rod