jornal sincor maio

Download Jornal Sincor Maio

Post on 23-Mar-2016

215 views

Category:

Documents

3 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Jornal Sincor Maio

TRANSCRIPT

  • N 184 - MAIO DE 2012

    Novo Cear tambm no

    mercado de seguros

    Seguro de Vida e Previdncia

    8 Ciclo de PalestrasConsiderando essa nova

    realidade, ou seja, diversos

    projetos de energia renovvel

    (solar e elica), estradas,

    ampliao do Porto do Pecm,

    aeroportos regionais, reserva

    d e g u a s e m a u d e s

    (Catanho), os incentivos

    fiscais, e as corporaes

    ( e m p r e s a s ) n c o r a s ,

    es t ruturantes (Refinar ia

    Premium II, Siderrgica do

    Pecm, e a ZPE (Zona de

    P r o c e s s a m e n t o p a r a

    Exportao), dezenas de novas

    indstrias que esto e sero

    atradas para o Complexo

    Indstrial e Porturio do

    Pecm. (Pgina 3)

    Programa de capacitao do Seguro

    DPVAT em 1 atendimento

    realiza treinamento no Cear

    A capacitao dos pontos de atendimento DPVAT vem sendo vista

    como uma estratgia fundamental para que as vtimas de acidente e

    seus familiares tenham um atendimento de excelncia e consigam

    receber as suas indenizaes conforme o seu direito, de maneira

    integral, sem a interveno de intermedirios e atravs da via

    administrativa, sem a necessidade de entrar na justia. (Pgina 10)

    O SEGURO DPVAT

    FAZ BEM SADE

    triste a realidade de nossos

    hospitais na maioria esmagadora

    dos estados da Federao: salas de

    espera superlotadas, atendimento

    precrio, equipes despreparadas e

    falta de medicamentos. Apesar de

    tantas deficincias, a conta da sade

    cara para o contribuinte. E a falta

    de respeito dos brasileiros s leis de

    trnsito engrossa este dficit que

    apenas aumenta. (Pgina 6)

    Grupo CAPEMISA amplia sua atuao no mercado(Pgina 8)

    Sincor-Cear 23 anos no

    mercado de seguros

    (Pgina 5)

    Confirmada

    multa de R$ 11

    bilhes a Seguradora

    Americana que atuava

    irregularmente

    no Brasil

    (Pgina 5)

    Vera Cataldo e Nsio Sousa

    Silva Helena - Diretora Secretria do Sincor

    Carlos Eduardo Sarkovas, Superintendente da Bradesco Vida e Previdncia

    O Brasil no mais o pas do

    futuro, o pas do presente.

    Estamos vivenciando um momento

    positivo para a economia do pas e o

    nordeste pode ser considerado a

    China brasileira, pois h aqui um

    desenvolvimento importante e que

    faz a diferena no mercado. Vida e

    previdncia um seguro que est

    ligado, no se pode enxergar as duas

    coisas separadas, preciso perceber

    as oportunidades desse ciclo, dessa

    necessidade que um seguro gera e

    desperta sobre o outro, afirma o

    palestrante, Carlos Eduardo

    Sarkovas, Superintendente da

    Bradesco Vida e Previdncia.

    (Pgina 6)

  • Maio de 2012

    Nsio Sousa

    A p a l a v r a d e o r d e m a g o r a

    REPRESENTATIVIDADE. Um empresrio,

    operrio ou entidade sem representatividade

    no tem voz ativa para ajustar suas

    negociaes. Sindicalismo luta, cooperao

    e d i n a m i s m o , c o n s c i n c i a e

    empreendedorismo, cidadania, a fora do

    associativismo de uma comunidade.

    As primeiras formas de associao

    surgiram ainda na Idade Mdia, onde

    artesos se juntaram em organizaes de

    auxlio mtuo e assim descobriram

    paulatinamente a fora do coletivo para

    A FORA DO SINDICALISMO

    defender seus interesses. O associativismo evolveu-se ao longo

    dos tempos, transformou-se e criou formas diferentes de

    organizao e ao.

    Atualmente, so outros os desafios, provaes que se

    colocam diante daqueles que desejam a construo de um

    ambiente que promova a expanso dos negcios e fomente o

    crescimento econmico. Da a importncia do Sindicato para

    todas as classes profissionais, por ser ele a organizao que

    defende polticas coletivas e que luta pelo progresso da classe a

    qual representa.

    Como qualquer outro sindicato de empresrios, os sincors

    prestam inmeros servios aos corretores de seguros e

    sociedade em geral como o atendimento DPVAT contribuem

    com o crescimento da economia e, pelas razes apontadas,

    formam uma comunidade que tem voz e voto. Trabalhar

    sozinho no fcil, associar-se traz vantagens para todos. Os

    sincors renem empresrios de diversos segmentos da

    economia que querem defender os seus interesses e esse papel

    garantido pela Constituio Federal. Aos sincors, cabe a defesa

    dos direitos coletivos e individuais da categoria que

    representam, inclusive em questes judiciais e administrativas.

    Robustecer o sindicato inspirar nimo voz do setor. E,

    para isso, as empresas corretoras e os corretores de seguros

    precisam participar, para que assim as reivindicaes cheguem

    aos ouvidos de quem pode ajudar a mudar a realidade. A

    indstria do seguro hoje um setor econmico de significativa

    produtividade. Nos dias atuais, os consumidores no podem

    mais correr o desnecessrio risco de possuir bens que no sejam

    segurados e, por isto mesmo, o corretor precisa ser visto como

    um agente social, um formador de opinio, um consultor que

    cuida do indivduo, sua famlia, bens e aplicaes. Associar-se

    fortalece a viso positiva que as pessoas precisam ter do

    corretor, o qual insistem em no enxergar como o profissional

    que , e por isto muitas vezes procuram os bancos para contratar

    seus seguros.

    Ns, corretores de seguros, somos agentes do

    desenvolvimento e da mudana dentro e fora de nossas

    corretoras e o associativismo o primeiro passo para levar o

    Brasil a crescer cada vez mais. Vivemos em uma economia em

    constante transformao onde novas tecnologias,

    consumidores exigentes e o surgimento de concorrentes

    internacionais cada vez mais competitivos trazem novas e

    maiores exigncias a quem quer se manter no mercado.

    Senhor Corretor de Seguros, os sincors podem ajudar suas

    empresas a se adaptarem a este novo panorama mundial, cobrar

    solues dos governos e propor alternativas a toda a sociedade.

    Todavia, estas flmulas apenas tremulam com vigor quando

    sustentadas por uma base slida e numerosa. Apenas com

    estruturas sindicais fortes e atuantes vamos poder criar um

    ambiente favorvel aos negcios e ao crescimento de nosso

    pas.

    Os sindicatos de corretores de seguros j esto conscientes

    de que este o momento da mudana. Precisamos estar juntos

    para superarmos os desafios e a participao das empresas

    corretoras de seguros e seus corretores neste processo de vital

    importncia. Por isso, se associe, participe, ajude a construir um

    Sincor forte para assim trazermos grandes benefcios para o

    setor. O resultado, sem sombra de dvida, ser bom para todos:

    Para o Mercado de Seguros, para os corretores de seguros e para

    a sociedade brasileira.

    O segurado transfere o risco para a seguradora.

    O seguro pode ser pago vista ou em parcelas pr-fixidas.

    O valor calculado antecipadamente de acordo com o perfil

    do veculo e do proprietrio.

    Regulamentado por leis, incluindo o Cdigo de Defesa do

    Consumidor e normas do CNSP e da SUSEP.

    H um contrato de Responsabilidade Mtua pelo qual

    o risco dividido entre os associados.

    A mensalidade no fixa. Varia dependendo do rateio das despesas e

    das indenizaes. O associado ainda paga uma taxa de administrao.

    No h qualquer tipo de proteo. No regulamentado por leis

    e nem existe um rgo do governo para fiscalizar suas atividades.

    Intermediao feita por vendedores autnomos, sem qualquer

    habilitao tcnica.

    No h qualquer garantia de que a indenizao ser paga. Tudo

    depende de rateio entre os associados.

    So constitudas sob a forma de associao ou cooperativas.

    No possui qualquer tipo de garantia atuarial, mnima que seja.

    PROTEO AUTOMOTIVASEGURO

    SEGURO X PROTEO VEICULAR

    QUEM, DE FATO, PROTEGE O CONSUMIDOR?

    Seguradoras so constituidas sob a forma de sociedades

    annimas ou cooperativas agricolas, de sade e de

    acidentes de trabalho.

    Possui constituio de reservas e provises, capitais mnimos,

    margem de solvncia, cosseguro, resseguro, retrocesso.

    Intermediao atravs do Corretor de Seguros, profissional

    habilitado para a defesa dos interesses do consumidor.

    Seguradoras constituem provises tcnicas para garantir o

    pagamento da indenizao. O prazo para pagamento

    do sinistro de 30 dias.

    TABELA DE PRMIOS E GARANTIAS VIGENTE NO MS DE MAIO DE 2012, NOS TERMOS

    DA RESOLUO N 192 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 DO CNSP DO MINISTRIO DA FAZENDA

  • Maio de 2012

    Durante dezenas de anos, o Cear

    no passava de um 1% do PIB

    Produto Interno Bruto do Brasil.

    Perdia para Bahia, Pernambuco,

    Esprito Santo, Santa Catarina,

    somente para exemplificar a posio

    do Estado do cenrio nacional. E esse

    quadro tambm se refletia no mercado

    de seguros. No entanto, hoje, isto , em

    20 anos, com a ampliao da sua

    indstria no setor alimentcio,

    calados, txteis, metal mecnico,

    construo civil, alm dos servios

    pblicos, rea de sade, ensino

    superior, hospedagem, etc e ,

    principalmente do turismo, e alguns

    setores do agronegcio, como a

    fruticultura, o Estado tem atualmente

    2% do PIB do Pas. Repetimos: Esse

    quadro tambm registrado nos

    nmeros do mercado de seguros.

    Mas, conforme estudos j amplamente

    mostrados em dados inclusive