jornal paroquial

Click here to load reader

Post on 13-Mar-2016

215 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Jornal paroquial Edição 50

TRANSCRIPT

  • So Lus Gonzaga Brusque / SC

    ASSEMBLIA PASTORAL DEFINE PRIORIDADES

    Artigo do ProcoOpinio

    Ano novo, tempo novoPg. 02

    Cursilho RenovadoMovimentos

    Cursilho comea 2009 com nova coordenao

    Pg. 04

    Grupo de IdososPastoral

    Vov Sofia completa 30 anos de atividades na Parquia

    Pg. 04

    Natal da Ao SocialGeral

    Evento reuniu cerca de 130 para a confraternizao do

    fim de ano

    Pg. 06

    A CHEGADA DOS REIS E SEUS PRESENTES A JESUS. O QUE VOC TROUXE PARA O SENHOR?

    Pg. 03

    APalavra

    Lideranas das comunidades se renem para avaliar e propor novas formas de ao pastoral

    Pg. 07

    Inicia o ano dedicado a catequese Pg. 05

    Jornal da Parquia So Lus Gonzaga - Brusque / SC Edio 50 - Janeiro de 2009 - Distribuio gratuita

    Logomarca da ParquiaGeral

    Uma identidade visualPg. 03

    Foto:

    Ketlin

    Rosa

  • A PalavraJa

    neiro

    de

    2009

    Opinio02

    Artigo do Padre Pe. Ari Joo Erthal, scj

    Ano novo, novo tempo! Bem-vindo ano novo tem-po de comear. Ano de 2009, tempo de planejar, definir prioridades e aes para fazer acontecer. Felizes os passos deste ano, tempo de cuidar. Mais importante do que cami-nhar, tempo de olhar quem anda ao nosso lado. Neste ano quero viver cada tempo. Novo ano sempre surpresa, tempo de renovar a esperana em Je-sus Cristo. Neste ano seremos sonhadores com um tempo de paz.

    Afinal o que Novo? O que o Tempo?

    O Dicionrio Aurlio diz que Novo : que tem pouco tempo de existnwcia; recente. Moo, jovem. Que visto pela primeira vez. Que acaba de ser feito ou adquirido. Que tem pouco uso. Original. Estranho, desconhecido. Sobre o Tempo diz: a sucesso dos anos, dias, horas etc., que envolve a noo de presente, passado e futuro. Momento ou ocasio apropri-ada para que uma coisa se reali-ze. poca, estao. As condies meteorolgicas.

    Novo, para a Sagrada Escri-tura? O adjetivo define em bloco toda nova aliana, o Novo Testa-mento. Embora seja continuao do anterior, algo novo se instau-ra, deixando antiquado o outro, completando. H uma criao nova (2Cor 5,17), um homem novo (Ef 4, 24). O homem deve abrir-se a novidade (Mt 9, 17) e viver uma vida nova (Rm 6, 4) pela novidade do Esprito (Rm 7,6). Sobre o Tempo, a Sagrada Escritura nos revela a experin-cia do povo de Israel, que seme-lhante a nossa. A mesma diviso de passado, presente e futuro: o passado volta na memria e age com fora modelando o povo; o presente muitas vezes ponto de referncia do relato (como acontece hoje) e pode ser o tem-

    po da deciso (se ouvires hoje a sua voz); o futuro o tempo da esperana, que induz ao. H um tempo inicial de cada coisa, que tem especial valor; tambm h um tempo final; e superando ambos est Deus (segundo Isa-as). H um tempo intermdio de adiamento (deserto) e um tem-po iminente de cumprimento. Assim poderamos falar dos rit-mos bsicos do dia e da noite, de estaes, de meses e anos. Tam-bm do ritmo histrico das ge-raes. Das sees misteriosas que ultrapassam esses ritmos e se mostram no-abrangentes e incompreensveis. Ainda do tempo circular que rege as cele-braes litrgicas (Is 29,1). Deus projeta e controla as pocas (Ef 3, 11; 1Tm 1, 17), ano da graa (jubilar) (Lc 4, 19). Dia do Se-nhor, de Cristo a parusia, o dia escatolgico, ltimo (Jo 6, 39); pode significar o tempo da vida de Jesus (Jo 8, 56), dia do julga-

    mento (1Jo 4, 17), da ira (Rm 2, 5), da salvao (2Cor 6,2), da li-bertao (Ef 4, 30). E assim por diante.

    Poderamos entrar no cam-po da filosofia, teologia e outras cincias e perceber o que dizem sobre o novo e o tempo. Mas no vem ao caso nessa breve refle-xo. Afinal, frias e tempo de descanso, relaxar e logo, logo recomear. Mas de uma coisa temos certeza, um novo ano e um novo tempo. Isto , depende de cada um de ns, das escolhas que faremos, das companhias, das circunstncias, e sobretudo da graa e da f que so dons de Deus. Resta cada um com os ps no cho, e com olhar da f vislum-brar um novo tempo.Feliz 2009!

    Deus abenoe este novo ano, tua famlia, amigos, patrimnio e trabalho. E te conceda sade, paz, alegria e f.

    EditorialEst a primeira edio de 2009, que ela possa ser um canal de informao de nossa Parquia, mas tambm uma poderosa arma de

    evangelizao. Neste ano o jornal A Palavra espera Ano novo, novo tempo!

    ExpedienteO Jornal A Palavra uma publicao da Parquia de So Lus Gonzaga.Direo: Pe. Ari Joo Erthal (Proco) Produo: Dominus Assessoria de Comunicao IntegradaJornalista Responsvel: Ketlin Rosa - SC 02821-JPTexto e Redao: Ketlin Rosa e Jean Ricardo SeverinoProjeto Grfico e Diagramao: Jarcio BentoImpresso: Grfica Riosul Tiragem: 3 milPeriodicidade: mensalContato: (47) 3351-1258E-mail Redao: jornal@paroquiasaoluisgonzaga.com www.paroquiasaoluisgonzaga.com

    que a graa do Senhor Jesus chegue aos meios de comuni-cao, que mais do que condu-tor de tristezas, sejam veculos da solidariedade e da f. Nesta edio voc pode conferir tudo que aconteceu na Assemblia Paroquial de Pastoral, afinal as deliberaes deste encontro sero vlidas para os prximos dois anos da ao evangelizadora de toda Parquia. Alm disso, voc pode entender um pouquinho mais sobre a presena dos Reis Magos, j que dia 06 de janei-ro comemoramos o dia destes personagens bblicos. Para quem deseja com-preender as razes que nos fizeram criar a novo logomar-ca da Igreja s dar uma espi-ada na pgina 03, e conferir os conceitos deste novo smbolo. E a pgina 04 de Pastoral e

    Movimentos est recheada de atividades. O cursilho de co-ordenao nova, o Grupo Vov Sofia que completa 30 anos, e as atividades da Pastoral da Criana so boas leituras para se manter informado so-bre o movimento pastoral da Parquia.

    E na pgina 05 uma ma-tria especial da catequese. Comeo de ano hora da ma-trcula, mas voc pai e me e at voc catequizando, parou para pensar no importante passo que vai dar em sua f? Ningum ama o que no con-hece, portanto, mais do que comparecer na catequese seja um ouvinte atento e descubra as maravilhas da f Catlica.

    Dia 31 de janeiro dia de So Joo Bosco, Pai e Mestre da Juventude. Na pgina 07 pos-svel conhecer um pouquinho mais deste santo.Neste ano novo a equipe do jornal A Palavra deseja que tudo se renove em sua vida, para que as mudanas do hoje, tornem voc, amigo leitor, ain-da mais fiel no seguimento a Jesus Cristo.

  • A Palavra

    Jane

    iro d

    e 20

    09

    Geral03

    A chegada dos Reis Magos e seus presentes a JesusNo dia 06 de janeiro se comemora o tradicional Dia de Reis. E voc o que trouxe para o Senhor?

    Todo ano a humanidade ganha um presente, a oportunidade de adorar ao Salvador. Assim, como fizeram os Reis Magos, cada cris-to chamado a se entregar aos ps do Menino e caminhar em di-reo a Salvao.

    Segundo conta a tradio reli-giosa, dias depois do nascimento de Jesus, aps um longo e cansati-vo caminho chegou os Magos, para ador-lo. Na poca a palavra mago era utilizada para designar os s-bios e eruditos, ou ainda os astr-logos, que confiaram no sinal da estrela no Oriente. A histria dos Reis Magos uma tradio, pois dentro das Sagradas Escrituras, em especial no Novo Testamento, apenas o evangelista Mateus fez meno aos Magos do Oriente.

    Em 06 de janeiro se comemora o Dia de Reis, o dia em que Jesus se manifesta para outros povos,

    explica o professor de Teologia da PUC-Rio (Pontifcia Universidade Catlica do Rio de Janeiro) Jos Roberto Develar. Os presentes que os Reis Magos oferecem ao Me-nino-Deus (Mateus 2:1-12), so o ouro por que Ele Rei; Incenso por que Sacerdote; e Mirra por que Profeta. Assim, todos os anos cada ser humano tem a graa de receber este grandioso presente. Todos so chamados a presentear o Me-nino. Mas se diferente dos Reis Magos no tiver nem ouro, nem incenso nem mirra para oferecer-lhe, reflita o que em sua vida deve ser entregue ao Senhor.

    E na falta de ouro oferea a vir-tude da obedincia, pois pela obe-dincia Deus suprimimos toda auto-suficincia e toda dominao vinda do mundo. Em troca Deus lhe confere a dignidade da reale-

    Imagem

    divulg

    ao

    za, que o domnio de si prprio e est liberto de toda dominao imposta pelo mundo. Esta a Re-aleza do Reino. (Meu Reino no deste mundo...)Se no tem incenso, oferea Deus a virtude da castidade, que consiste na desapropriao e con-sagrao total. O cristo oferece-se a si prprio, pela castidade o ho-mem no est mais dividido, o ho-mem se oferece inteiro a Deus.Se no tem mirra, oferea a vir-tude da pobreza. Esta abertura e receptividade aos desgnios de Deus.No Natal, portanto, Cristo nos confere verdadeiros presentes, que so as trs dignidades dos fi-lhos de Deus: Em Cristo nos torna-mos um povo de Reis, Sacerdotes e Profetas, para isto necessrio uma verdadeira troca de presen-tes entre ns e Cristo. Rede SESC Solidrio de Arte e Cultura em Brusque

    O Servio Social do Comrcio(SESC), atravs da unidade de Brusque promo-veu dia 17 de dezembro, o evento Rede Solidria de Arte e Cultura em Santa Catarina. A iniciativa tem por objetivo levar apresentaes de tea-tro, msica, dana, sesses de cinema, contao de histrias e exposies, dentre outras manifestaes da arte e da cultura, a abrigos e espaos provisrios de moradia nas regies de Blumenau, Itaja e Brusque.

    O evento contou com a pre-sena de vrios artistas brus-quenses, que voluntariamente participaram deste projeto.As crianas curtiram mui-to, todas as atividades, em es-pecial a contao de histria, oficinas de boneca de pano

    O evento aconteceu na cidade de Ilhota, no abrigo localizado no Colgio Marcos Konder

    Foto: D

    ivulga

    o

    Abayomi e as sesses de cine-ma. No final das apresenta-es, aconteceu um momen-to de descontrao com uma pea de teatro de um grupo de professores do Colgio.

    O Sesc de Brusque agrade-

    ce a todos os artistas, parcei-ros, colaboradores do Sesc e voluntrios que