Jornal Paroquia Santa Bernadette - edição 36

Download Jornal Paroquia Santa Bernadette -  edição 36

Post on 24-May-2015

938 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<ul><li> 1. Parquia Santa BernadetteRegio Belm - julho / 2012 - n 36 Arquidiocese de So Paulo " E disseram um ao outro: No ardia o nosso corao quando ele nos falava pelo caminho, quando nos explicava as escrituras?" (Lc 24, 32)Igreja Unida em Defesa da VidaO Cardeal Arcebispo de So Paulo morte natural, tem o mesmo valor e dig- Dom Odilo Pedro Scherer dis-nidade. O papel nico e fundamental da cursou na rio +20 onde sobrefamlia - que a Declarao Universal dosas importantes questes do meio am-Direitos Humanos afirma ser o grupo e abiente e desenvolvimento sustentvel unidade fundamental da sociedade - me-realou como primordiais a defesa da rece aqui uma meno especial, porque,vida e da dignidade humana. enfati-de fato, educao e desenvolvimento hu-zando o radicalismo da igreja contra mano comeam na famlia, onde todosuma movimentao silenciosa de nos-esses princpios so transmitidos e assimi-sos parlamentares a favor da descrimi- lados pelas geraes futuras, de tal modonalizao do aborto em nosso pas. que os seus membros assumam as suas responsabilidades prprias na sociedade.Transcrevemos abaixo alguns trechosdo documento dessa interveno.Senhora Presidente, Esta anlise no deve incluir simplesmente o estado da sade SANTA Seconmica ou ecolgica do planeta, mas exige tambm enfrentar Interveno do Chefe da Delegao da Santa S a questo da crise moral e cultural, cujos sintomas so agora evi- Sua Eminncia O Cardeal Odilo Pedro Scherer dentes em todas as partes do mundo. Este , sem dvida, um de- Enviado Especial de Sua Santidade o Papa Bento XVI a Confe- safio complexo, que deve ser enfrentado, mas a Santa S salientarncia das Naes Unidas sobre Desenvolvimento Sustentvel a importncia de se passar de um modelo meramente tecnolgi- co de desenvolvimento para um modelo integralmente humano,Rio de Janeiro, 22 de junho de 2012que tenha como ponto de partida a dignidade e o valor de cada pessoa. Cada indivduo da sociedade chamado a adotar umaSenhora Presidente,atitude vocacional, assumindo livremente uma responsabilidade,Excelncias, genuinamente solidria, de um pelo outro e por toda a criao.Senhoras e Senhores,Minha Delegao agradece vivamente ao Governo brasileiro Senhora Presidente,por sediar esta importante Conferncia sobre desenvolvimento Em concluso, a administrao da natureza est confiada aossustentvel, expressando a gratido ao povo brasileiro pela suaseres humanos, mas como tudo o que humano, esta adminis-calorosa hospitalidade e tem o prazer de participar neste encontro trao possui necessariamente uma dimenso tica. No exerccioque, oportunamente, v reunidos representantes da comunidade deste direito e dever est sempre implcita uma justa solidarie-internacional, nesta significativa conjuntura da histria humana.dade entre os seres humanos, incluindo os que ainda esto porAgora o momento oportuno para tratar das diversas ameaas nascer. Isso supe uma dvida para com as geraes futuras, quefamlia humana e sua casa terrestre, devidas persistente injustia herdaro as consequncias das nossas decises. Mais uma vez,da fome, pobreza e subdesenvolvimento, que continuam atormen-Senhora Presidente, expressamos o nosso agradecimento pelatando as nossas sociedades. A Santa S tem a firme esperana deliderana do Brasil, ao sediar esta Conferncia, e sinceramente es-que esta oportunidade possa proporcionar a ocasio para abando-peramos que ela ajude a promover o futuro de que todos juntosnar a hermenutica da suspeita reforada pelo auto-interesse parti-temos necessidade.drio e o protecionismo, em favor de uma verdadeira solidariedade Deus ilumine a todos!entre ns, especialmente com os pobres. Este o momento de noscomprometermos com uma distribuio mais justa dos abundantes Ns da Pastoral da Comunicao no cumprimento fiel de nossabens deste mundo e com a busca de um desenvolvimento mais in-misso enquanto discpulos missionrios e comunicadores da igrejategral, que corresponda dignidade de todo ser humano.de Nosso Senhor Jesus Cristo queremos ressaltar que no tomamosPara a Santa S, isto requer, acima de tudo, manter a relao ade- partido e nem queremos levantar aqui nenhum tipo de bandeiraquada dos meios com o seu fim. No centro do mundo criado encontra- poltica, nosso objetivo a fidelidade aos mandamentos de Deus,se a pessoa humana - e, portanto, esta tambm se encontra no centroem especial aqui, ao SEXTO MANDAMENTO NO MATARS.do desenvolvimento sustentvel, como afirma o First Rio Principle(Primeiro Princpio do Rio). Toda vida humana, desde a concepo atPor Eliane Pimentajulho 2012 | Jornal Bernadette de Loudes 1 Parquia Santa Bernadette www.santabernadette.com.br Av. do Oratrio, 4246 Vila IVG So Paulo (11) 2702 1194</li></ul><p> 2. Eventos ParoquiaisRetiro Catequistas "Como acontece todos os anos dos dias 20 a 22 de julho tivemos o RetiroAnual dos Catequistas de nossa parquia. Um momento especial de reflexo epartilha. E neste ano contamos com a generosa participao do Pe Wiliam daParquia Santo Antonio do Limo."Confira algumas imagensPe Jos e Catequistas da Parquia SantoAntonio do Limo. Crdito fotos: Retiro dos Catequistas - Lurdes ValeFesta JuninaCrdito fotos: Festa Junina2 Jornal Bernadette de Loudes | julho 2012 Natalia Oliveira e Maria Cristina Duarte 3. Palavra do ProcoCar ta aos pais palavras do Papa e dos santos nos do-cumentos da Igreja ou ao vivo, me vemum desejo muito grande de fazer comque isto chegue ao conhecimento dedos catequizandos todos os batizados da Parquia. Por sa-ber que posso encontrar a VIDA somen-te nesta comunho com a Igreja e quee paroquianossou chamado a ser um cristo autentico,desejo que esta corrente de graas che-gue tambm a vocs queridos pais doscatequizandos. Sei que alguns de vocsno tem o habito de participar firme-Q ueridos pais, nossa misso maravilhosa, pois so- mente das atividades que a Igreja con- mos convidados a participar, com toda a Igreja, do vida, como: missa todos os Domingos, mistrio de Cristo. Diante da pergunta que um jo-catequeses para os adultos e assim porvem fez ao Papa Bento XVI, se ficou tudo revelado com a diante. Minha insistncia nos convitesvinda de Jesus, ele responde: em Jesus Cristo foi o prprio tem uma finalidade e somente por estaDeus que veio ao mundo, Ele a ultima palavra de Deus. finalidade, que apresentar O Cristo, queOuvindo-O, toda pessoa humana, em todos os tempos,venho convid-los para os encontros depode saber quem Deus e o que necessrio para a suaevangelizao que a Parquia propor-salvao. (CIC 66-67) ciona. Devo lembra-los da carta que vosDisse ainda o Papa: no Evangelho de Jesus Cristoenviei no inicio do ano convocando aest perfeita e completamente disponvel a REVELA-todos para a Adorao ao Santssimo umO de Deus. Para que ela nos seja clara, o EspiritoDomingo por ms, ou seja, no primeiroSanto nos introduz na Verdade cada vez mais profun- Domingo para os pais dos catequizan-damente. A luz de Deus penetra na vida de algumas pessoas de um modo todos da Parquia e no segundo para osforte, que elas veem o cu aberto (At 7,56). Foi assim que surgiram os grandes lu-pais da comunidade Nossa Senhora dogares de peregrinao, como Guadalupe, no Mxico, Lourdes, em Frana, ou Fti-Carmo. Para cumprir minha misso dema, em Portugal. As revelaes privadas no podem aperfeioar o Evangelho detransmitir a f devo orient-los em rela-Jesus Cristo; embora no sejam universalmente vinculativas, podem ajudar-nos ao aos sacramentos (Eucaristia, Crisma,entend-lo melhor, desde que a sua verdade seja examinada pela Igreja. Algum Matrimnio e confisso...), tanto o dosfaz outra pergunta ao Papa Bento XVI: Porque Transmitimos a f? Ele disse: Trans- vossos filhos como os de vocs.mitimos a f porque Jesus ordenou-nos: &gt; (Mt 28,19 e CIC 91). E mais: nenhum cristo autentico deixa a trans-para os encontros de espiritualidademisso da f aos especialistas (catequistas, padres, missionrios ou freiras). Somoscom os casais ou o pai e a me que es-cristos para os outros. Isto significa que cada cristo autentico deseja que Deusto separados, solteiro (a) vivo (a), quechegue tambm aos outros. O cristo diz para si mesmo: O Senhor precisa de acontece todos os quartos Domingos demim! Sou batizado, confirmado e responsvel para que as pessoas minha volta cada ms s 10h00. Podero esclarecerfaam a experincia de Deus e suas duvidas e se deixar iluminar pelacheguem ao conhecimento daPalavra de Deus. Meu desejo que Medi-Verdade (1Tm 2,4). Madre Tere- teis a Palavra de Deus com frequncia eza utilizou uma boa metfora: ireis saborear plenamente a alegria quefrequente observares fios el-transborda da Verdade, pois Deus nostricos ao longo da estrada. Secriou a partir do excesso do seu amor.a corrente no passa por eles,Ele queria partilhar a Sua infinita alegriano h luz. O fio o que somos conosco, criaturas do Seu amor.voc e eu. A corrente eltrica Vos aguardo nos prximos encontrosDeus. Temos o poder de a deixar do dia 05 s 17h00 para a Adorao aopassar atravs de ns, permitin-Santssimo na Igreja e no dia 26 de agos-do, com isso, que a escurido to de 2012 s 10h00 para o encontro dese alastre ou acolher e permitir espiritualidade, no centro comunitrio.que a luz de Cristo resplandea.Deus abenoe a voc e sua famlia(YOUCAT, N. 10 e 11).com abundantes graas,Sempre que leio ou escuto asPor Pe Jos Antonio Tejada e catequistas julho 2012 | Jornal Bernadette de Loudes 3 4. DestaqueA vocao ReligiosaA vocao religiosa nasce da escuta da palavra e aceitao da vontade de Deus: muitos so os chamados, mas poucos os escolhidos (Mt 22,114). Deus co- nhece o corao dos seus servos e sabe o que cada um de ns precisamos, seele nos chama, no significa que seremos irms de caridade ou padres e sim queo Senhor tem uma obra gigantesca em nossas vidas.Para isso precisamos aceitar sua vontade dizendo: Senhor eis aqui seu servo, faa-se em mim segundo a sua vontade. Aceitar essa vontade no simplesmente dizer Santa Teresa dos Andesque queremos seguir a Deus e sim amar a Deus, de todo corao, de toda a sua alma ecom todas as suas foras, colocando Ele sempre em primeiro lugar em sua vida. de muitos ideais como: fortuna, famlia,Se um homem capaz de se apaixonar por uma mulher at o ponto de deixar faculdades, entre tantas outras coisas,tudo por ela, no crs, acaso, que Deus capaz de tornar irresistvel o seu chama- que muitas vezes s alcanamos depoisdo? (Santa Teresa dos Andes). O Senhor to irresistvel como qualquer outrode muito sofrimento e no reclamamos,homem e quando nos deixamos cair em seus braos, nada e nem ningum po- porque no somos capazes de entregarder ser capaz de destruir esse amor, viver de uma vida consagrada se entregarnossas vidas nas mos de Deus que snos braos de Deus e se deixar apaixonar por Cristo.nos enche de graa e amor? O SenhorA Vida Consagrada significa ir raiz do amor de Jesus Cristo com um coraonos ama muito mais do que qualquerindiviso, preferindo nada a que o amor (cf. So Bento, Regra IV, 21), se Deus per-um pode nos amar e a nica coisa quemanece fiel, por que ns tambm no somos fiis, entregando a vida nas mos doele pede em troca que o amemos an-Senhor, retribuindo tudo o que fez por ns? Se Cristo foi capaz de morrer em umates de qualquer bem material ou imate-cruz por amor aos nossos pecados, porque ns tambm no podemos entregarrial e que entreguemos nossa vida emnossas vidas em suas mos por amor a Deus?suas mos, s ele pode nos dar a pazNo teme nem desanima quem se convence que mantido pelo poder divino espiritual que tanto procuramos.podendo ter a certeza que Deus o auxiliar em todas as suas necessidades. Quem Raquel de Mello Entreportes umaama Deus nada lhe faltar. (Santa Tereza do Menino Jesus). Se olharmos o profundojovem de dezessete anos de nossa pa-da cruz de Cristo veremos quo grande o amor presente na mesma e esse amorrquia que atualmente encontra-se emque se manifesta hoje em todas as vocaes tanto nas matrimoniais quanto nasprocesso de dicernimento da vocaoreligiosas. O Senhor no quer o sofrimento de seus servos e sim a felicidade eterna.para a Vida Consagrada.Por isso se somos capazes de amar ao mundo e entregar nossas vidas em vistaPor Raquel MelloVocao ao MatrimnioOtermo vocao vem da lnguaescolha recproca, se no se tem pre-palmente, atravs de nossas aes comolatina, e se traduz por chama-sente a verdade plena da pessoa, oumarido, esposa e pais cristos.do. As vocaes para o matri- seja, do ser racional e livre? Temos diversas experincias for-mnio, para a paternidade ou paraAssim como a famlia a base para tssimas em nossa Parquia de casaisa maternidade so implcitas na pr- a sociedade, o matrimnio a base daunidos em matrimnio a quinze, vintepria natureza humana.famlia, iluminados e sustentados pore cinco, cinquenta, sessenta anos, quePelo fato de algum ser criado ho-Jesus Cristo.so exemplos para todos ns.mem, em sua natureza est embutidoInfelizmente, a sociedade modernaVivamos a vocao do matrimnio,o chamado ao matrimnio e paterni- prega o bem individual, onde a felici-deixando que o Senhor nos guie e ilu-dade. Da mesma forma, aquela que dade pessoal est acima de tudo e demine, pois se Ele por ns, quem sergerada mulher traz em si mesma a vo- todos. As pessoas se casam e se jun-contra ns?cao ao matrimnio e maternidade. tam sem o verdadeiro compromissoPor Marcio Lrio da SilvaAqueles que so chamados ao sacerd- de se unirem em uma s carne at quecio e vida consagrada, quer masculinaa morte os separe. Bibliografia: Carta do Papa Joo Pauloquer feminina, trazem sim, em sua na-Dou graas a Deus por ter vivido emII s Famlias 1994tureza, essa vocao ao matrimnio, uma famlia cristo, onde posso ter comoArtigo Pe. Alir Sanagiottopaternidade e maternidade. Se estesexemplo o matrimnio de meus pais,de 30/08/2002 Cano Novaassumem o celibato, no por falta da que apesar de tantas dificuldades, sovocao ao matrimnio, mas sim por capazes de experimentar o perdo e con-uma opo positiva diante do chama-sequentemente, o amor incondicional, odo de Cristo para uma vida celibatria.que me faz ter uma ideia da milionsi-A famlia, constituda por um ma-ma parte do amor que Cristo tem paratrimnio a base de nossa sociedade.comigo. Com isto, fui chamado a fazer oO livro do Genesis, ao falar do homemmesmo para com minha esposa e graasque deixa o pai e a me para se unir a a Ele, j pudemos experimentar diversassua mulher (cf. Gn 2, 24), pe em evi- vezes durante os nove anos de casados odncia a opo consciente e livre queperdo mtuo. Nossos trs filhos so tes-d origem ao matrimnio, tornandotemunhas disto e esta a maior heranamarido um filho, e esposa uma filha. que deixaremos a eles: a F, atravs doComo entender adequadamente esta anncio dentro de nossa casa e princi-4 Jornal Bernadette de Loudes | julho 2012 5. Especial Santo do MsAssuno de Santa Clara de AssisNossa Senhora C lara de Assis, humilde,branda, dcil, amorosa,amiga, irm, carinho- sa, valente, perseverante, e tantos outros adjetivos poderamos atribuir a esta mulher, no entanto, quere- mos destacar o adjetivo que mais a caracterizou, o de ser fraterna. Santa Clara foi alta- mente fraterna, no por ter vivido em fraternidade, que o modo f...</p>