jornal inconfidência - edição 235

Download Jornal Inconfidência - Edição 235

Post on 20-Feb-2017

126 views

Category:

News & Politics

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • BELO HORIZONTE, 03 DE FEVEREIRO DE 2017 - ANO XXII - N 235

    AS FORAS ARMADAS TM O DEVER SAGRADO DE IMPEDIR,A QUALQUER CUSTO, A IMPLANTAO DO COMUNISMO NO BRASIL.

    Site: www.jornalinconfidencia.com.brE-mail: jornal@jornalinconfidencia.com.br

    ALMOODECONFRATERNIZAODARESERVAEM BELO HORIZONTE

    O Grupo de So Joo del Rei: Coronis Bento, Castro, Marcelo, Orcine e Monsenhor Terra.Sentados Desembargador Rogrio Medeiros e Generais Bini e Dickens - PPPPPGINAGINAGINAGINAGINA 77777

    Conspira contra sua prpria grandeza,o povo que no cultiva seus feitos hericos

    FORA EXPEDICIONRIA BRASILEIRA

    PGINA19

    ANOSSA

    BANDEIRA

    ANOSSA

    BANDEIRA

    ASSEMBLEIA LEGISLATIVADE MINAS GERAIS

    VERGONHA NACIONAL

    Charge publicada em fevereiro de 2003, que continua vlida e atual. Pgina 27

    OLDACKESTEVES

    Figura 69 O interior da adega deLula no stio de Atibaia/So Paulo

    LAUDO DE PERCIALAUDO DE PERCIALAUDO DE PERCIALAUDO DE PERCIALAUDO DE PERCIACRIMINAL FEDERALCRIMINAL FEDERALCRIMINAL FEDERALCRIMINAL FEDERALCRIMINAL FEDERAL

    AO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL,PROCURADORIA GERAL DA

    REPBLICA E OPERAO LAVA JATO:EXIGIMOS O FIM DOS PRIVILGIOS DOS

    PARLAMENTARES, A CASSAO DERENAN CALHEIROS E A PRISO DE LULA

    SUBVERSOCOGNITIVA

    ATICADABANDIDAGEM

    TOLERNCIAZERO

    RETALIAO CONTRAPROMOTOR DE JUSTIA

    Pgina 26

    Pgina 4

    Pgina 5

    Pgina 11

  • 8N 235 - Fevereiro/2017 2

    * A. C. PortinariGreggio

    * Economista

    Para ns, do INCONFIDNCIA, a virada no novidade.Ns j a prevamos h anos. Afinal, o INCONFIDNCIA parte dela.Mas a elite globalista vive num outromundo, dis-tante, segura de si, dona da verdade, convencida de que capazde condicionar as mentes, controlar a opinio pblica e de-terminar os rumos da Histria. Por isso ficaram to chocadose surpresos com a vitria de Donald Trump. De repente o po-vo l em baixo, a maioria silenciosa, apesar dos muitos anosde lavagem cerebral, reagia e virava a mesa.

    Que fazer? Madame Lagarde, do FundoMonetrio Inter-nacional, props que os governos estabeleam programas parare-treinarosdesempregadoseaumentemasverbassociais,ouseja, bolsas-famlias e similares. Props tambm ajustes fiscais emaisredistribuioderenda.OprofessorRichardBaldwinsugeriua humanizao da economia, e mais impostos para garantir acoeso social necessria para que as sociedades continuem aavanar.LawrenceSummers,dauniversidadedeHarvard, reco-mendou investir em infraestrutura, tecnologia e educao, e in-tegrarglobalmenteohomemcomum,erealizarossonhosdecadajovem, inclusive educao, moradia e casa prpria.

    Algumanovidade?Nada.amesmaladainha.Quandocu-tucados, repetem automaticamente essas frmulas e sem quererrevelamseudesprezopelopovo.Achamqueodescontentamento questo fisiolgica de ressentidos, incapazes, frustrados, quequerem mais sem merecer. Mas no d para ignorar, porque osdescontentes so a imensamaioria. Por isso a oligarquia, commvontade, concorda em aumentar as doses de po e circo. No lhepassapela cabeaqueopovopossa estar insatisfeito, nocomsuafatia nas vantagens do sistema, mas com o prprio sistema.

    Ao fazer certas concesses, a oligarquia no pretende re-solveroproblema,masapenasganhar tempo.Assimcomoopovoest insatisfeito com a oligarquia, ela est, h muito mais tempo,insatisfeita com a existncia desse povo. Acreditem ou no, oobjetivodela substituir o povo.Comoexplicouoprof.Baldwin, preciso manter a paz enquanto a sociedade avana. Queavano esse? A oligarquia pretende construir um mundomelhor, sem fronteiras, sem naes, sem conflitos. Um mundoperfeito, maravilhoso, um anti-mundo completamente dife-rente do nosso. claro que, nesse anti-mundo os habitantestero de ser o oposto dos eleitores de Donald Trump.

    Segundo amdia, os eleitores de Trump so caipiras fa-lidos e operrios desempregados, empobrecidos, sem futurona nova economia global do sculo 21. Ignorantes, provinci-anos, despreparados, culpam a China, o livre comrcio e osimigrantes pela decadncia da indstria americana. So xe-nfobos, preconceituosos, machistas, ressentidos.

    Vejam como aNational Review os descreve:Ningum tem culpa dos seus problemas. No houve

    desastre, nem guerra, nem fome, epidemia ou invaso. Nemmesmo a economia mudou to radicalmente. Nada disso justifi-ca a degradao da Amrica pobre e branca. (...) A verdadesobre essas comunidades inviveis que merecem morrer.Economicamente, so peso morto. Moralmente, so indefe-nsveis. Esqueam as canes patriticas. Esqueam essahistria de cidades industriais decadentes, e as paranoicasteorias sobre chineses que roubaram seus empregos. O rebo-talho branco dos Estados Unidos vive enrascado numa cultu-ra viciosa, egocntrica, cujos nicos resultados so misriae agulhas usadas de injees de herona. Por isso gostam tan-to dos discursos de Donald Trump. [Kevin Williams, Chaosin the family, chaos in the state, National Review, 28/3/2016]

    A linguagem clara: para construir o mundo melhor, preciso exterminar essas populaes brancas. Sem rodeios nemmetforas, umapropostadegenocdio. Seria piada sepublicadanum site qualquer da Internet, ou no WhatsApp. Mas no. ANational Review importante e acatado rgo da mdia chapa-branca,cemporcentoaserviodaoligarquia.Aideiadogenocdio

    O ESPECTRO QUE ASSUSTA A OLIGARQUIA GLOBALISTAO Foro Econmico Mundial de Davos, todos sabem, uma espcie de Conclio Ecumnico da oligarquiaglobalista internacional. Na sua reunio anual, neste janeiro, a pauta foi dedicada questo que mais

    apavora a oligarquia: como enfrentar o populismo. Populismo o nome que ela usa para referir-se virada geral para a Direita na Europa e nas Amricas, inclusive no Brasil.

    no , portanto, opinio pessoal do autor, vazamento dum pro-jeto que deve circular, discretamente, nas altas rodas da eliteglobalista. Evidentemente ela no poderia exterminar os brancosamericanos emcampos de concentrao ou cmaras de gs.Nemprecisa disso.H outromtodo,mais sutil e eficaz, que j est emexecuo: a substituio e a expulso das populaes brancas porinvases de milhes de imigrantes do Terceiro Mundo.

    Ora,pergunta-se: seodefeitodapopulaobrancaser toatrasadacomodizoartigodaNationalReview,qual seria a lgicade substitui-la por outras talvez piores?De fato, parece incoeren-te.Mas no .O real objetivo daoligarquia no melhorar o nvelda populao, mas marginalizar a populao branca, reduzindo-a a minoria acuada entre outras minorias. Por que? A queminteressaessaenormemudanademogrfica,queenvolveriacen-tenas de milhes de pessoas? Fica a pergunta.

    Vejamos agora se a imagem da populao branca queelegeu Trump corresponde propalada pela mdia. Para abre-viar, em lugar de milhes escreveremos M.

    Apopulaoamericanapredominantementebranca.Os Estados Unidos tm 325M habi-tantes, dos quais 224M (72,4%) bran-cos, 39M (12,6%) negros, 15M (5%)asiticos. Nesse total, 50M (16%)so de origem latino-americana, dosquais 26M so contados como bran-cos. Amaioria dosmuulmanos estincluda entre os asiticos.

    Etnicamente,osEstadosUni-dos no so pas anglo-saxo. Aetnia mais numerosa na populaoamericana so os 43M descenden-tes de alemes, que correspondem a15% do total. Em seguida, 30 mi-lhes de irlandeses (11% do total).Os descendentes de ingleses e esco-ceses somam 29M (10,4% do total).

    Trump foi eleito pelos bran-cos. Eleitorado branco (70% doeleitorado):58%Trump,37%Hillary.Negros (12% do eleitorado): 8%Trump, 88% Hillary. Latino-ameri-canos(11%doeleitorado):20%Trump,65%Hillary.Asiticos (4%do eleito-rado): 29% Trump, 65% Hillary.

    Trump foi eleito pelos mais velhos. Dos eleitores commaisde45anos,quecompreendem55%dototaldeeleitores,53%votaram emTrump.Na faixa dos 18 aos 29 anos (19%do total deeleitores), 37%votaram emTrump.Na dos 30 a 44 anos (25%dototal de eleitores), 42% votaram em Trump.

    Trump foi eleito pelos homens. Homens: 53% Trump.Mulheres: 42% Trump.

    Trump foi eleitopelosdemenor escolaridade.Eleitorescom curso mdio ou menos: 51% Trump, 45% Hillary. Comsuperior incompleto:52%Trump,43%Hillary.Superiorcomple-to: 45%Trump, 49%Hillary. Com ps-graduao oumais: 37%Trump, 58%Hillary. Isso, porm, no significa que o eleitoradoda Hillary seja mais inteligente. Os estudos sobre formao daopiniopblica indicamqueosadultoscomformaosuperiorsomais vulnerveis influncia da mdia, portanto mais fceis demanipular. paradoxal, mas fato.

    Trump foi rejeitado pelos homossexuais. Os homosse-xuais declarados correspondem a 5% do eleitorado. Deles, 78%votaram em Hillary, 14% em Trump.

    verdade que os eleitores de Trump so pequenosagricultores empobrecidos? fato que nas reas rurais Trumpobteve 62%dos votos, contra 34%paraHillary.Mas a populaorural dos Estados Unidos pequena: 46 milhes, 15% do total.

    verdade que os eleitores brancos de Trump so ope-rrios desempregados? No. Os brancos constituem 79% daforade trabalhodosEstadosUnidos.Ondicededesempregodosbrancos 5,3%.O ndice geral de desemprego 6,2%.Dos 149Mbrancos empregados, apenas 15,3M (10,3%) so operrios. Osdemais trabalham em servios tais como transporte e logstica(5,2%),distribuio (13,7%),educaoesade (22,6%), finanas(6,8%).A participao relativamente pequena da indstria nototal no se deve decadncia do setor, mas automatizaoe terceirizao, ou seja, ao avano tecnolgico. Muitas dasatividades que antigamente eram computadas como industri-ais, hoje so classificadas como servios. Portanto, se o setorindustrial americano crescer na administrao Trump, a pro-poro entre indstria e servios continuar a mesma.

    Os trabalhadores americanos perderam empregos outiveram salrios reduzidos por causa dos imigrantes?Segun-do o Bureau of Labor Statistics, em maio de 2016 havia 124Mtrabalhadores americanos e 25M estrangeiros nos Estados Uni-dos. No h grandes diferenas ocupacionais entre os dois

    grupos, de modo que a ideia de queos imigrantes fazem os serviosque os americanos recusam falsa.Asmesmas estatsticas indicamqueos estrangeiros ganham em mdia20% menos