jornal inconfidência - edição 198

Download Jornal Inconfidência - Edição 198

Post on 20-May-2015

690 views

Category:

News & Politics

8 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Acesse as nossas páginas: www.rsnoticias.net www.portal-cp.blogspot.com www.contextopolitico.blogspot.com

TRANSCRIPT

  • 1. jornal@jornalinconfidencia.com.brBELO HORIZONTE, 31 DE JANEIRO DE 2014 - ANO XIX - N 198llO CINQUENTENRIO DE 31 DE MARO DE 1964FEB 70 ANOS DE GLRIAPGINAS 14 E 15PREVIDNCIA MILITAR PGINAOS BALSEROSA LEI DA ANISTIA PGINA 1122PGINA 13POLCIA FEDERALPGINA 23So PauloLEIA NA PGINA 24Rio de JaneiroPRESIDENTA ZEROFEB - 70 ANOSConviteOs presidentes do Grupo Inconfidncia, AOR-EB - Associao dos Oficiais da Reserva/BH, ANVFEB/BH - Associao Nacional dos Veteranos da FEB, Clube de Subtenentes e Sargentos do Exrcito/BH, ABEMIFA - Associao Beneficente dos Militares das Foras Armadas, Associao dos Ex-Combatentes do Brasil/BH, AREB/BH - Associao dos Reservistas do Brasil, ABMIGAer - Associao Beneficente dos Militares Inativos e Graduados da Aeronutica e do Crculo Monrquico/MG convidam seus assinantes, associados e integrantes para a palestra em homenagem aos 70 anos do desambarque da FEB - Fora Expedicionria Brasileira na Itlia, a ser ministrada pelo presidente da Casa da FEB, General de Diviso MARCIO ROSENDO DE MELO. Data: 25 de Fevereiro - Tera-Feira - Hora: 19:30 Local: Crculo Militar/BH (com estacionamento)COMPAREA E CONVIDE SEUS PARENTES E AMIGOS. Este convite extensivo aos Comandos da 4 Regio Militar, do CIAAR - Centro de Instruo e Adaptao da Aeronutica, Polcia Militar/MG e aos alunos do Colgio Militar, do CPOR/BH e da Academia de Polcia Militar.Smbolo irnico da campanha que militares brasileiros, na Ativa e na Reserva, vo liderar, na internet, em favor do voto anti-PT em 2014, mostra o famoso Sargento Tanha dando um chuto no traseiro de uma recruta que faz jus ao nome Zero ( esquerda)... O movimento tem um nome: Campanha Nacional Pr-Brasil 2014. Sem o PT, o Brasil Ser Bem Melhor!AS FORAS ARMADAS TM O DEVER SAGRADO DE IMPEDIR, A QUALQUER CUSTO, A IMPLANTAO DO COMUNISMO NO BRASIL.

2. N 198 - Janeiro/20142 2ELEIES, URNAS ELETRNICAS e FRAUDEEA QUEM APELAR DIANTE DE TANTA CANALHICE?mbora a conduo da economia brasileira apresente aspectos altamente negativos - os juros em processo de subida, a inflao, tambm, em alta, poltica fiscal inadequada e crescimento pfio, tudo isso permeado por intensa corrupo, possibilitando a perda de bilhes de reais que escorrem pelos ralos, apenas para citar o BNDES e a Petrobras - o processo eleitoral em andamento parece se mostrar favorvel a continuidade do desgoverno atual, contando com a benevolncia de uma Imprensa venal e de partidos e polticos comprados. O baixo ndice de desemprego, o alto valor das reservas internacionais e o baixo crescimento, aliados s polticas assistencialistas, cujos resultados a propaganda governamental apresenta como grandes conquistas sociais, torna difcil mudar o voto petista de grande parcela do eleitorado e desmobilizar o curral eleitoral de cerca de 40 milhes de votantes (afirmao do mensaleiro Jos Dirceu), cuja percepo do governo a de que, este, lhes deu melhor qualidade de vida. Para agravar, a chamada oposio, tendo Acio Neves (telhado de vidro) como candidato e Fernando Henrique Cardoso como principal cabo eleitoral e Eduardo Campos, um quase desconhecido a nvel nacional, com sua parceira Marina (que mais atrapalha do que ajuda, embora a carga de votos que pretensamente tem, herana da eleio passada) no mostra, at agora, o perfil capaz de empolgar o eleitorado crescente e conscientemente descontente com a situao atual. Eles, os candidatos, significam, sem dvida, mais do mesmo que a est. H, pois, necessidade urgente de um candidato de real oposio, que assuma com convico os valores, ideias e ideais daqueles que so chamados, pejorativamente, por uma esquerda que rene a escria poltica brasileira, de direita. Por outro lado, qualquer eventualsusto no esperado, produzido pelo eleitorado, colocando a candidata, atual Presidente, em minoria de votos, ser corrigido pela fraude do sistema de computao dos votos, por hackers a servio do PT. Seno, vejamos, entre outras acusaes no levadas em conta pela Justia Eleitoral: Em 17 de abri de 2013, o Instituto de Cincias Matemticas e de Computao (ICMC) promoveu o 1. Frum Nacional de Segurana em Urnas Eletrnicas, no campus da USP de So Carlos e contou com especialistas em poltica e em segurana da informao, que discutiram as possibilidades tecnolgicas de ocorrncia de fraudes nas urnas eletrnicas utilizadas no Brasil. O professor Diego Aranha, da Universidade de Brasilia (UnB), apresentou os resultado de testes feitos em 2012, atendendo edital do prprio TSE. Sua equipe conseguiu acessar ilegalmente o sistema, recuperando a lista de votao completa durante o tempo de anlise da urna, alm de descobrir como decodificar todo o registro dos votos encontrados, possibilitando a modificao dos resultados. Os membros da banca do edital entenderam os testes como forma de fraude, demonstrando a fragilidade do sistema de segurana das urnas. Aranha informou que sua equipe apresentou um relatrio tcnico ao TSE para adequao de todas as irregularidades nas urnas. Segundo ele, o TSE respondeu dizendo que tais requisitos haviam sido atendidos,porm, no divulgou um boletim informando quais detalhes e procedimentos haviam sido tomados. Entretanto, em 10 de dezembro de 2013, acompanhado por um especialista em transmisso de dados, Reinaldo Mendona, e de um Delegado de Polcia, Alexandre Neto, um jovem hacker de 19 anos,identificado apenas como Rangel, mostrou como, atravs de acesso ilegal e privilegiado intranet da Justia Eleitoral, no Rio de Janeiro, interceptou os dados que alimentavam o sistema de totalizao e, aps o retardo do envio desses dados aos computadores da Justia Eleitoral, alterou resultados, beneficiando candidatos em detrimento de outros, sem nada ser oficialmente detectado. A gente entra na rede da Justia Eleitoral quando os resultados esto sendo transmitidos para a totalizao e depois que 50% dos dados j foram transmitidos, atu-Eles que venham! Por aqui, no passaro! O General Marco Felcio candidato presidncia do Clube Militar pela CHAPA TRADIO, COESO e AOMOTIM DOS MARINHEIROSEm 28 de maro de 1964, aps serem liberados do quartel do 1 Batalho de Guardas, na Avenida D. Pedro II, fuzileiros navais e marinheiros amotinados, portando faixas de solidariedade do Comando Geral dos Trabalhadores, da Liga Feminina, dos Trabalhadores intelectuais e outras entidades de esquerda, iniciaram caminhada pela Avenida Presidente Vargas, at a Igreja da Candelria. Na foto, o Almirante Pedro Paulo de Araujo Suzano carregado nos ombros de marinheiros.amos. Modificamos resultados mesmo quando a totalizao est *Marco Antonio prestes a ser fechada, Felcio da Silva explicou Rangel como fraudava resultados. Rangel, que est vivendo sob proteo policial e j prestou depoimento na Polcia Federal, declarou aos presentes que no atuava sozinho: fazia parte de pequeno grupo que, atravs de acessos privilegiados rede de dados da Oi, alterava votaes antes que elas fossem oficialmente computadas pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE). A fraude, acrescentou, era feita em benefcio de polticos com base eleitoral na Regio dos Lagos. Citou, inclusive, nomes. O relato de Rangel foi precedido por exposio do especialista Reinaldo Mendona, mostrando como ocorre a fraude dentro da intranet, rede que a Justia Eleitoral garante ser segura e inexpugnvel. O professor Pedro Rezende, especialista em Cincia da Computao, professor de criptografia da Universidade de Braslia (UnB), presente exposio, mostrou o trabalho permanente do TSE em propagar a total segurana das urnas, embora, elas sejam ultrapassadas e inseguras. Tambm, o professor Luiz Felipe, do Coppe da Universidade Federal do Rio de Janeiro, reforou a idia de que necessrio aperfeioar o sistema eleitoral brasileiro, hoje inseguro, na sua opinio de especialista no assunto. Tendo em vista o acima e a falta de providncias por quem de direito, pergunta-se: A quem apelar, diante de tanta canalhice?A HISTRIA NO PODE SER APAGADA NEM REESCRITA Reao popular dos paulistas aos descalabros do Governo foi demonstrada nas manifestaes contrrias poltica socializante e corrupo na Marcha da Famlia com Deus pela Liberdade, realizada na capital de So Paulo em 19 de maro de 1964.*General de Brigada - Cientista Poltico, exOficial de Ligao ao Comando e Armas Combinadas do Exrcito Norte Americano, exAssessor do Gabinete do Ministro do Exrcito, Analista de Inteligncia E-mail: marco.felicio@yahoo.com 3. N 198 - Janeiro/2014I Jornal A Manh da Aliana Nacional Libertadora, Rio, 27/11/1935magine um Brasil que elegesse adversrios polticos para presidente e vicepresidente da Repblica, para exercerem juntinhos os seus mandatos, como aconteceu com JK e Jnio Quadros com Joo Goulart. E no qual Carlos Prestes, o lder do ilegal Partido Comunista Brasileiro, com sua priso decretada, submisso a uma potncia estrangeira responsvel pela morte de brasileiros a hoje finadaUnio das Repblicas Socialistas Soviticas circulasse faceiro por a, reunindo-se escondidinho com autoridades e afirmando estar "no governo". Some-se a isso um presidente anterior, Getlio Vargas, que descobriu que o "mar de lama" que o cercava no palcio mandava matar opositores e, desesperado ante a perspectiva de ser alijado do poder, decidiu se matar. Subtraia ento um presidente em exerccio, Carlos Luz, decidindo dar um golpe para no deixar o sucessor eleito tomar posse, com o seu ministro da Guerra, o General Lott, dando um contragolpe com direito a correria de tropas pelo Rio de Janeiro e tiro de canho em navio de guerra da Marinha apinhado de polticos. Se ouviu falar, mas no entendeuESTELIONATO HISTRICO nada de uma estria de marinheiros rebelados no Sindicato dos Metalrgicos do Rio de Janeiro, extrapole para uma tragdia bem recente e visualize os controladores de voo da Aeronutica, arrolados na investigao do acidente da aeronave da Gol em 2006, depois de presos por indisciplina, sarem libertos pelo presidente da Repblica, em triunfo diante das cmeras, carregando nos ombros um "Brigadeiro do Povo", e que o ministro (ou comandante) da Aeronutica que os puniu se demitisse. Volte um