jornal entreposto | junho de 2012

Click here to load reader

Post on 25-Mar-2016

293 views

Category:

Documents

57 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Um jornal a serviço do agronegócio

TRANSCRIPT

  • Diretora Geral: Selma Rodrigues Tucunduva | ANO 13 - No 145 | junho de 2012 | Circulao nacional | Distribuio autorizada no ETSP da Ceagesp | www.jornalentreposto.com.brAssociao Brasileira dasCentrais de Abastecimento

    Um jornal a servio do agronegcio

    FrutasGeral Legumes Verduras Diversos-1,69%4,17% 19,47% 33,65% -0,90% 2,72%BaixaAlta Alta Alta Baixa Alta

    ndice Ceagesp - maio 2012 Pescado

    Femetran impulsiona setorde transporte agrcola

    Pgs. 4 e 5

    Diretoria da TecBan visita a Feira da Madrugada

    Bio Brazil Fair 2012

    Agrofeira Atibaia-Jarinu

    | Caminhoneiros | pg.12

    | Qualidade | pg.24

    |Ceasas | pg.28

    Programa ensina a economizar dieselA construo do sabor do abacaxi hava

    Terceira etapa do evento acontece junto com a Festa do Morango, a partir de 23 de junho

    ndice Ceagesp aponta alta de 4,17% em maio

    Festivalde Sopas da Ceagespde Sopas da

    Quarta edio aquece inverno paulistano

    Pg. 19

    Feira promovida pelo Grupo de Mdia Entreposto movimenta a Ceagesp em maio

    Central Banking e Rede Banco24Horas disponibilizam caixas eletrnicos de autoatendimento e aumentam a segurana no maior circuito de compras da Amrica Latina

    Pg. 08

    Pg. 04

    Pg. 06

    Pgs. 13 18

    A partir da esquerda: Sabino da Cofemapp, Enrique Recasens da TecBan e Marcelo Gaspar da Central Banking

  • JORNAL ENTREPOSTOUm jornal a servio do agronegciojunho de 201202 Imigrao Japonesa

    Turismo no siteAcesse e leia as dicas para a regio do Circuito da Neve: www.jornalentreposto.com.br/turismo

    Carolina de Scicco

    No dia 18 de junho celebra-se 114 anos da vinda dos primeiros imigrantes japoneses ao Brasil. O mar-co foi a chegada do navio Kasatu Maru ao porto de Santos, depois de 52 dias de viagem a partir da ci-dade japonesa de Kobe. A embarcao trazia a bordo 781 imigrantes que sonhavam em fazer a vida traba-lhando em solo brasileiro. A ideia inicial era ganhar dinheiro e logo retornar terra natal, mas a Histria mostra que eles vieram para ficar e hoje a comunida-de nipnica no pas conta com 1,5 milho de pessoas, a maior colnia japonesa fora do Japo.Em seu livro Imigrao e Poltica em So Paulo, a historiadora Clia Sakurai relata que os japoneses buscavam oportunidades que pudessem garantir in-dependncia econmica e possibilidades de acumu-lao. O peclio acumulado nos anos de trabalho nos cafezais vai sendo canalizado para a ocupao aut-noma na agricultura, escreveu a historiadora. Dessa forma, os japoneses, que inicialmente foram contra-tados para trabalhar como empregados nas lavouras de caf, passaram a ser donos de suas prprias terras. A partir de ento, a agricultura brasileira no seria mais a mesma. O conhecimento e as tcnicas de cul-tivo trazidas pelos japoneses contriburam de forma

    definitiva para o crescimento do agronegcio nacio-nal.Foram os imigrantes nipnicos estabelecidos em So Paulo que formaram o que hoje chamado cin-turo verde, que agrega municpios da Regio Metro-politana e introduziram conceitos significativos de adubao e de combate de pragas e doenas das plan-tas. Outra contribuio fundamental dos japoneses para a economia brasileira foi o cooperativismo, j que eles foram os primeiros a criar cooperativas agr-colas para enfrentar os grandes produtores rurais. A habilidade com o cultivo da terra j estava provada e da a se envolverem com o comrcio foi um caminho natural. Em So Paulo, passaram a comercializar seus produtos agrcolas no Mercado Central da Cantarei-ra. Na dcada de 1960, com a enchente que atingiu a regio central da capital paulista, os comerciantes foram enviados para o recm criado Ceasa paulistano e ajudaram a moldar o que viria a se tornar o maior centro de abastecimento da Amrica Latina. Presentes desde a inaugurao do entreposto paulistano da Ceagesp, em 1966, hoje eles esto em grande nmero no mercado e dominam setores como flores e hortalias.

    Contribuio agricultura nacional

  • JORNAL ENTREPOSTOUm jornal a servio do agronegcio maro de 2011 03EditorialJORNAL ENTREPOSTOUm jornal a servio do agronegcio junho de 2012 03

  • JORNAL ENTREPOSTOUm jornal a servio do agronegciojunho de 201204 Evento

    Realizada pelo Grupo de Mdia Entreposto, com o apoio da Coordenadoria de Assistn-cia Tcnica Integral (CATI) e da Agrotec, a Agrofeira Circuito das Frutas aconteceu durantes os dias 18, 19 e 20 de maio, durante a 3 Festa das Frutas e Hortalias de Indaiatuba e vai, ao longo do ano, atuar dentro das feiras e festas municipais, aproximando os agricultores das solues para o campo. Em-presas de diferentes segmentos apresentam iniciativas indis-pensveis ao agronegcio como equipamentos e insumos agr-colas, irrigao e tecnologia.No ltimo evento, os visitan-tes tambm puderam conferir os lanamentos das montado-ras Mercedes-Benz, que produz veculos comerciais, e John De-ere, que fabrica tratores e equi-pamentos agrcolas. A Mercedes, lder no seg-mento de veculos de carga, co-memorou a oportunidade. Por ms, vendemos de cinco a seis caminhes para os produtores de Indaiatuba e apresentamos na feira o novo Accelo 815, que j vem equipado com a tecno-logia Euro 5 e o preferido dos pequenos agricultores. A Agrofeira permite o conta-to com esses clientes menores que, juntos, representam uma grande fatia do mercado, avalia Ademir de Almeida, vendedor da Mercedes-Benz, h 32 anos.Para Srgio Luiz Guimares, consultor de negcios da John Deere, a cidade de Indaiatuba produz alimentos de maneira mais cuidadosa, esforo que exige instrumentos adequados. Indaiatuba uma excelente ci-dade produtora. So pequenas produes de frutas e verdu-ras premiadas e de qualidade muito superior. O cuidado nes-se trabalho pede bons equipa-mentos. O pequeno produtor j en-tende esse processo e se pre-ocupa em adquirir mquinas mais modernas. As festas regio-nais so os melhores meios de se alcanar esse pblico. Pre-cisamos dessa fora regional, afirma Srgio, que finalizou trs vendas. Resultado da feira, co-memora o consultor.

    Mercedes-Benz e John Deere impulsionam Agrofeira de IndaiatubaCom o objetivo de reunir setores do agronegcio e apresentar solues aos produtores rurais do interior do estado de So Paulo, a Agrofeira Circuito das Frutas conta com mais dois expositores de peso

    Tambm preocupado com o acesso dos agricultores a pro-dutos e servios de qualidade, o secretrio de desenvolvimento de Indaiatuba, Edmundo Duar-te, agradeceu a participao da Agrofeira Circuito das Frutas na 3 Feira das Frutas e Hortalias de Indaiatuba. Conseguimos atingir o objetivo de apresentar os produtos agrcolas locais aos comerciantes e populao. A

    Agrofeira veio para somar. Para o ano de 2012 esto previstos mais dois eventos: a Festa do Morango de Atibaia e Jarinu (junho e julho) e Festa do Morango de Jundia (agosto).

    Atingimos o objetivo. A Agrofeira veio para somar, Edmundo Duartes, secretrio de desenvolvimento.

    Apresentamos o novo Accelo 815, o preferido dos pequenos agricultores, Ademir de Almeida da Mercedes-Benz.

    As frutas e verduras premiadas que foram expostas na 3 Festa das Frutas e Hortalias de Indaiatuba exigem cuidados e equipamentos especiais

    Indaiatuba uma excelente cidade produtora . O cuidado nesse tipo de trabalho, Srgio Luiz Guimares da John Deere.

  • JORNAL ENTREPOSTOUm jornal a servio do agronegcio junho de 2012 05Agronegcio

    Impacto do Brasil Carinhoso

    Brasil Carinhoso:2,7 milhes de crianas e suas famlias resgatadas da extrema pobreza.

    A misria traz srias consequncias para as pessoas e

    para o pas. E na primeira infncia, fase mais importante

    do desenvolvimento fsico e intelectual do ser humano, que

    seus efeitos so mais graves. Mas para tirar uma criana

    dessa situao preciso tirar tambm a sua famlia.

    Por isso, o Governo Federal criou o Brasil Carinhoso, que faz parte

    do Plano Brasil Sem Misria. A partir deste ms, o Brasil Carinhoso

    assegura a todas as famlias do Bolsa Famlia, com pelo menos uma

    criana de 0 a 6 anos de idade, renda acima de 70 reais por pessoa.

    Na educao, a ateno primeira infncia ser reforada com

    a ampliao de vagas em creches pblicas e conveniadas e

    com o aumento dos recursos destinados merenda escolar.

    O Programa Sade na Escola ser ampliado para creches

    e pr-escolas. E ser assegurado s crianas medicamento gratuito

    para asma, alm de suplementao de vitamina A e sulfato ferroso,

    importantes nessa fase da vida.

    Garantir os direitos das crianas a certeza de construir um pas

    mais justo e mais cidado.

    00%

    5%

    10%

    15%

    6 anos 12 anos 18 anos 24 anos 30 anos 36 anos 42 anos 48 anos 54 anos 60 anos 66 anos+

    Extremamente pobres - Censo IBGE 2010 Extremamente pobres aps o Brasil Carinhoso

    Percentual da populao brasileira na extrema pobreza

    Reduo de 40% da extrema pobreza no Brasil

    O Valor Bruto da Produo (VBP), que a soma do valor das principais lavouras do pas, est estimado em R$ 212,7 bilhes em 2012, segundo clculo da Assessoria de Gesto Estratgica do Ministrio da Agricultura, Pe-curia e Abastecimento (Mapa) divulgado nesta segunda-feira, 11 de junho. Os dados foram ob-tidos com base nos resultados verificados no ms de maio.Chama ateno do governo que, apesar da reduo de 2,5 % em relao ao VBP obtido no ano passado, esse valor o segundo maior desde o incio do levan-tamento da srie de dados, em 1997. Os ajustes nas quantida-des e nos preos ms a ms vo definindo a estimativa de valor para o ano em curso, uma vez que o valor bruto da produo obtido por meio das informaes de safras e dos preos, explicou o coordenador de Planejamento Estratgico do Mapa, Jos Garcia Gasques.Como estamos ainda no pr