jornal edição 17

Download Jornal edição 17

Post on 10-Jul-2015

397 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Rua Vitalina Rossi de Figueiredo, 78 - Centro - Telefone: (35) 3855-1747 ou 3855-1205 - email: jornalvn@gmail.com - www.jornalvn.blogspot.com

    COQUEIRAL, MARO DE 2011 - Distribuio Gratuita Edio 017 ANO II

    Coqueiral em rtimo de Carnaval

    Ser mulher viver intensamente. Sorrir, amar e brilhar

    sem nunca perder a alegria que torna o dia de quem est ao seu lado bonito e especial!

    Uma homenagem do jornal virou notcia

    8 de Maro

    O Carnaval se aproxima e os preparativos para a maior festa popular brasileira esto a todo vapor. Em Coqueiral isso no diferente, as escolas de Samba Unidos do Trevo, Lajinha e Vila Snia j ensaiam a mais de um ms para a Festa de Momo. Os ensaios so acompanhados por muita gente e o desfile em Coqueiral em 2011 promete.

    O percurso do desfile o tradicional desce a Av. Tiradentes, passa pela Praa Dom Pedro II e f inal izado na Praa Sete de Setembro.

    Em 2011, foram confeccionados trofus em acrlico simulando um coqueiro, que sero entregues s escolas campes. PGINA 03

    Sindicato Rural de Coqueiralde j est em novo endereo

    O Sindicato Rural de Coqueiral est de cara nova. O rgo, que defende o produtor rural, j atende em novo endereo Rua Assis Brasil, n 20, no Centro. Para celebrar a reinaugurao, foi feito um coquetel para os membros da diretoria e para a nova gerente do Banco do Brasil, Sirlei Aparecida Souza. PGINA 04

    dia internacional da mulher

    Deputado Duarte apresenta requerimento contra retorno da CPMF

    PGINA 04

    ASILO DIVINO ESPRITO SANTO promove Bingo e presta contas

    PGINA 04

    PM apreende veculosem Coqueiral

    PGINA 05

    A festa do Rei Momo comeou mais tarde em 2011, mas a folia j est garantida. Em Coqueiral, os dias da festa sero embalados pela Banda Asa Delta, de Belo Horizonte. O esprito do carnaval alegria, descontrao e liberar tenses. Todo folio deve ter isso em mente para curtir de verdade u m c a r n a v a l s e g u r o . lamentvel a veiculao de c a m p a n h a s e m m e i o s d e c o m u n i c a o d e m a s s a incentivando a banalizao do sexo. certo de que a inteno dos reclames do Ministrio da Sade alertar populao quanto s d o e n a s s e x u a l m e n t e transmissveis, mas no se sabe se por falta de idias criativas usam palavras com duplo sentido maculando o sexo feminino.

    Por outro lado, Regina Cas e s t a m p a u m a c a m p a n h a chamando a ateno: Xixi no cho de jeito nenhum! A gente pode se acabar, sem acabar com a cidade. No filme a marchinha de Joo Kelly canta: Ta com vontade de fazer xixi? No faz aqui/ No faz aqui./ Nosso bloco a gente v/ cheiroso, maneiro/ T falando pra voc/ Lugar de mijo no banheiro".

    Portanto vale a pena curtir essa grande festa com animao, folia e a c i m a d e t u d o c o m responsabilidade!

    J carnaval!!!

  • COQUEIRAL, MARO DE 2011

    Registro 19444 - Proc. 2 - Reg. sob o nmero 002 do Livro B-1 - Rua Vitalina Rossi de Figueiredo, 78 - Centro Telefone: (35) 3855-1747 ou 3855-1205

    email: jornalvn@gmail.com -site: www.jornalvn.blogspot.comJornalista Responsvel: Llian Rodrigues - MTBE/ 07671/JP -

    Proprietria: Clria Piva Vilas-BoasReviso e Redao: Maria Aparecida Piva -

    Tiragem: 2 mil exemplares -Distribuio: Silsomar Vilas-Boas Impresso: Grfica Santo Antnio - Rua Jos L. Mesquita, 125 -

    Centro - Trs Pontas - (35) 3265-1717 CNPJ: 252.66453/0001-95 - Ins. Estadual: 694.078.482.0087

    Os conceitos emitidos em colunas e artigos assinados so de responsabilidade de seus autores e nem sempre refletem a opinio do Jornal.

    Juarez AlvarengaTENHO SAUDADE

    So cinco horas da manh e minha me acorda vai fazer o caf. Mim leva at a rodoviria local. Meu pai deitado ouve o noticirio matutino da radio Itatiaia.

    Chego a Oliveira agora enfrento todos os desafios ou meus sonhos de adolescentes derrete como sorvete no sol ardente.

    Aproximo de Belo Horizonte o motorista do nibus liga o radio e o cantor Belchior explode nas rdios brasileiras.

    Vou at a republica e a vida vai se ajustando aos poucos. Minha republica era como arca de No tinha todo o tipo de bicho. Meu melhor amigo estava enrolado na faculdade e era assduo telespectador da sesso da tarde da rede Globo. Se voc universitrio hoje seria telespectador compulsivo da TV Justia.

    Nas baladas de sextas feiras a noite saia para os barzinhos. Deixava de beber umas cervejas a menos para comprar dos pivetes os jornais do dia seguinte. E j de fogo pela madrugada passava com os jornais debaixo dos braos a p em frente ao Palcio da Liberdade, pois morava na Rua Gro Mogol.

    Hoje meu esporte predileto fazer hipismo com a vida. Perdi a ousadia e o esprito de aventura da juventude, mas ganhei segurana e cautela da maturidade. Tanto no passado como no presente continuei derrubando barreiras. Sei que 100% de aproveitamento so um ideal. Uma utopia no mundo factual.

    Hoje com aumento assustador da platia para me ver praticar hipismo lamento que meus dois maiores incentivadores, que so meus pais no esto mais presentes. Mas tenho certeza que nas barreiras no ultrapassadas estar do cu jogando corda para aumenta minha fora in ter ior, impulsionando para cima ultrapassando com folga o que falta para ter xito na vida. JUAREZ ALVARENGAADVOGADO E ESCRITORR: ANTONIO B. FIGUEIRDO, 29 - COQUEIRAL/ MGCEP: 37235 000TELEFAX: 35 38551175NOVO E MAIL: juarezlalvarenga@ig.com.br

    Hoje com aumento assustador da platia para me ver praticar hipismo

    lamento que meus dois maiores incentivadores, que so meus pais no

    esto mais presentes.

    CRNICA DA CIDADE AMADA

    Carnaval e cinzasQuanto riso, quanta alegria, mais de mil palhaos no salo...

    Arlequim est chorando por amor da Colombina... no meio da multido...

    Quem no se lembra da velha marchinha de Z Kti, Mscara Negra, composta em1.967, to cantada nos antigos bailes de carnaval.

    O que restou de todo aquele riso, de toda aquela alegria nos carnavais de hoje, o que me pergunto. Existia uma magia quase palpvel, quando a cadncia do ritmo diminua e desacelerava os folies , fazendo com que, com os olhos, procurssemos, no salo, aquele Arlequim abandonado. As fantasias que vestiam os folies e os transformavam em personagens maravilhosas e cheias de significados, se foram; hoje, ao contrrio de alguns anos atrs, as fantasias so despidas, como se, em um corpo praticamente nu, houvesse alguma magia, nada mais se esconde sob os vus transparentes das odaliscas. Os mil palhaos se tornaram em umas poucas dezenas de folies, e os sales ficaram vazios, neles apenas se ouve o pranto do velho arlequim em busca de sua colombina, qu de algum bloco carnavalesco e brinca espremida em meio a milhares de folies, nas ruas da cidade.

    meus amigos, as coisas mudaram, nada da velha magia, nada das belas fantasias; apenas muita disposio e energia para gastar nos quatro dias do reinado de Momo, atrs de trios eltricos ou em longos desfiles pelas ruas. Hoje tem-se o grande espetculo das escolas de samba, que atualmente, mais do que samba no p. Disputam um ttulo, aonde o que manda a tecnologia e os grandes efeitos visuais. Aquele pierr apaixonado que vivia s cantando, provavelmente ao ver o quanto se gasta com a indstria do carnaval, acabou chorando... acabou chorando... Nada mais da pura e simples alegria que tantos poetas escreveram e decantaram em suas poesias, compondo, logo depois, um belo samba enredo cheio de lirismo... O a serpentina, o cheiro de lana perfume no ar, tudo isso ficouesquecido naqueles grandes e

    velhos sales dos clubes de nossas cidades interioranas. O ritmo outro, as fantasias so outras, as pessoas tambm so outras, esto mais preocupadas em extravasar suas angstias e tenses nestes poucos dias, do que entrar no personagem daquele velho espetculo e sentir a magia do tempo.A mesma mscara negra que esconde seu rosto, eu quero matar as saudades. Vou beijar-te agora, no me leve a mal, hoje carnaval!... A inocncia do beijo roubado era o mximo que se podia esperar naquelas noites de folia, hoje, nossos filhos chegam em casa com dezenas de preservativos que so entregues aos montes em campanhas pr carnavalescas, como se fazer sexo nas noites de carnaval fosse uma obrigatoriedade. Loucura, meu Deus!!! No h fnix que consiga renascer das cinzas destes carnavais da atualidade, que, com certeza, quase se misturam s cinzas dos fornos de Auschewitz. Mas, no me levem a mal... hoje carnaval!...

    MARO... MulheresAs mulheres podem dar

    tudo com um sorriso, e com uma lgrima tomar tudo de

    volta. (do livro :Coco antes de Chanel)

    Mais um ms de maro se inicia! Dia 08 comemora-se o DIA INTERNACIONAL DA MULHER...

    Ser mulher significa a dimenso do verdadeiro amor que se encerra na maternidade e nela se completam e se enlaam aos moldes da beleza do feminino.

    Para este Jornal, no s nesta data, as mulheres so enaltecidas. Atravs de NOSSAS MULHERES MARAVILHOSAS E SUAS IDEIAS VOADORAS a mulher coqueirense valorizada. Todas as entrevistadas foram at a presente edio, exemplares de nossa sociedade, representantes de vr ios segmentos , testemunhos do que ser mulher com ideias

    modernas. A todas elas a nossa admirao!Este veculo de comunicao, por exemplo,

    um Jornal produzido graas a garra de outras mulheres dinmicas, inteligentes, altrustas e grandes vencedoras de duras batalhas A elas nossos cumprimentos!

    Mulheres guerreiras, bravas mulheres, verdadeiras mulheres de Atenas. So mulheres coqueirenses.

    Somos uma pequena cidade de grandes mulheres.

    Haja visto a presena feminina em nossa Cmara Municipal: dando continuidade a outras tantas seis vereadoras que a antecederam, a atual representante do nosso sexo no Legislativo Cleusa Maria prevalecendo seu perfil de me, cuidadosa em sua atuao profissional e eficiente por si s. A nossa cal