jornal dos bairros - 12 de setembro de 2014

Download Jornal dos bairros  - 12 de setembro de 2014

Post on 03-Apr-2016

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

TRANSCRIPT

  • ITAJA NAVEGANTES BALNERIO CAMBORI | DE 12 DE SETEMBRO DE 2014 | ANO XV | N 709

    17 Festival de Msica de Itaja encerra hoje com show de Leo Gandelman

    Projeto de Itaja indicado a prmio internacional

    de arquitetura

    Ginsio Ivo Silveira est pronto para os JASC

    Moradores do Espinheirinhos finalmente so atendidos pelos

    Correios e recebem cartas em casa

    Pequeno Anjo abre seleo para residncia mdica

    Organizao de Ambientes Domsticos ser tema de palestra

    PGINA 5

    PGINA 5

    PGINA 5

    PGINA 7

    PGINA 3

    PGINA 4

  • Jornal dos Bairros - ITAJA/SC - Edio N 709 - DE 12 SETEMBRO de 2014 | Ano XV | Pgina 2

  • O Jornal do Bairros uma publicao da empresa Letras Editora Ltda. (ME), com sede na Rua Jorge Mattos, 15 Centro Itaja SC.Telefone: (47) 3344.8600 Site: www.jornaldosbairros.tv | Twitter: @jornalbairros

    Diretor: Carlos Bittencourt | direcao@bteditora.com.brColaboradores: Marcelo Nunes, Neide Uriarte e Hlio RebelloJornalistas:Leonardo Thom - DRT SC 04607 JPRenara Almeida DRT SC04030 JPDiagramao: Solange Alves | solange@bteditora.com.brDepartamento Comercial: (47) 3344.8600Circulao: Itaja, Balnerio Cambori, Navegantes e regio.Fale conosco: Sugesto de temas, opinies ou dvidas:

    direcao@bteditora.com.br | jornalismo@jornaldosbairros.tvO Jornal dos Bairros no se responsabiliza pelos artigos assinados pelos seus colaboradores ou de matrias oriundas de assessorias de imprensa de rgos oficiais ou empresas particulares.

    Jornal filiado Associao dos Jornais do Interior de Santa CatarinaRua Adolfo Melo, 38, Sala 901, Centro, Florianpolis, CEP 88.015-090Fone (48) 3029.7001 - e-mail: adjorisc@adjorisc.com.br

    EXPEDIENTE

    WWW.JORNALDOSBAIRROS.TV

    Jornal dos Bairros - ITAJA/SC - Edio N 709 - DE 12 SETEMBRO de 2014 | Ano XV | Pgina 3

    EM BUSCA DA INDEPENDNCIA

    O que bom e importante deve ser comemora-do. Os avanos da democracia em nosso Pas, os avanos da cidadania. Quem faz parte des-sa luta, sabe muito bem do que estamos falando: de uma nova conscincia, que cresce a cada dia, de um grupo cada vez maior de pessoas, que buscam, com sinceridade, solues para os enormes desafios que nos cercam.

    A histria e o percurso de nossa democracia so, realmente, bastante curtos. H muito ainda que cami-nhar, porm, j estivemos mais longe. Somos um pas jovem. Os 192 anos de independncia pouco signi-ficam em termos de evoluo democrtica e cidad. O sete de setembro est a para no nos deixar esquecer tais limitaes.

    O grito do Ipiranga, na realidade, somente con-solidou a separao poltica do Brasil de Portugal, que j havia ocorrido catorze anos antes, quando D. Joo VI declarou a abertura dos portos brasileiros s naes amigas (entenda-se Inglaterra).

    O processo histrico da independncia brasileira se deu no contexto de independizao de outros pases latino-americanos. O que acontecia, porm, na Am-rica Latina, era que os pases, juntamente com a inde-pendncia, se tornavam repblicas. No Brasil no foi assim, e este j um trao profundo da nossa cultura elitista e patrimonialista. O Brasil independente con-tinuou sendo uma monarquia. E porque foi assim? A resposta no difcil de encontrar, e est nos livros de Histria.

    A independncia do Brasil no rompeu com os processos da nossa histria colonial, pelo contrrio, tudo foi muito bem arranjado pelas elites rurais da po-ca, para que as coisas continuassem como estavam, e que fossem garantidos os seus privilgios. A aristocra-cia rural tinha muito medo da recolonizao do Pas. Quando D. Joo VI foi obrigado a voltar para Portugal, as cortes portuguesas passaram a exigir que o Prncipe Regente D. Pedro tambm retornasse, e que o Brasil voltasse condio de simples colnia. Nossas elites tinham medo, tambm, de que essa ruptura com Portu-gal lanasse o Brasil num processo revolucionrio, que o transformasse numa repblica, como acontecia em outros pases ao nosso redor. Obviamente, se isto acon-tecesse, haveria uma quebra significativa nos lucros que obtinham com a escravido, com as monoculturas e os latifndios que mantinham.

    Os interesses egocntricos e capitalistas dessas eli-tes fizeram com que o processo de nossa independncia significasse apenas uma ruptura poltica com Portugal, nada mais.

    De qualquer forma, estamos aqui, construindo uma nao que ainda nem terminou de pagar Inglater-ra a dvida de dois milhes de libras esterlinas, obtidas por emprstimo, para pagamento a Portugal pelo re-conhecimento de nossa independncia. Caminhamos, contudo. Enfrentamos toda sorte de dificuldades, mas vamos adiante.

    Ningum nasce independente, nem consegue esse status com um simples grito. Independncia se alcana com esforo e muita garra. Sou dos otimistas, e acho que isto nunca faltou brava gente brasileira.

    Jonas Tadeu NunesObservatrio Social de Itaja

    Na manh de tera-feira (09), fiscais da Fundao do Meio Ambiente de Itaja atenderam uma denncia no bairro Cabeudas. Segundo o denunciante, um morador local estava utilizando uma britadeira para quebrar o costo em frente sua residncia. A mesma denncia j havia sido constatada h 45 dias e na oportunidade, os fiscais orientaram o morador a interromper a atividade. A fundao autuou o denunciado, em-bargando a obra e realizando a apreenso da ferramenta. O local exato da ocorrncia e o nome do denunciado sero preservados.

    Entenda melhor a importncia da proteo dos costesO costo rochoso um ecossistema de transio/interface entre o ambiente marinho e o ambiente terrestre.

    So ambientes heterogneos, constantemente sujeitos ao das ondas, correntes e ventos, formados por aflo-ramentos de rochas cristalinas na linha do mar que acompanham a sinuosidade do relevo paralelo ao oceano e representam um importante substrato de fixao e locomoo para diversos organismos.

    Possuem caractersticas prprias de acordo com a complexidade do ambiente, apresentando uma diversidade de espcies que se estabelecem em faixas diferentes, transformando o local em micro-habitats.

    O Hospital Infantil Pequeno Anjo est com inscri-es abertas para seletivo de residncia mdica. Gradu-ados em medicina podem inscrever-se at o dia 15 de outubro. Duas vagas, na rea de pediatria, esto sendo ofertadas. O edital completo est disponvel pelo www.univali.br/editais - link: Seleo de Mdico Residente - Hospital Pequeno Anjo.

    A residncia mdica constitui modalidade de en-sino de ps-graduao, sob a forma de cursos de espe-

    FAMAI autua morador de Cabeudas por britar Costo

    Pequeno Anjo abre seleo para residncia mdica

    cializao, caracterizada por treinamento em servio, em regime de tempo integral, regulamentada por lei e por resolues da Comisso Nacional de Residncia Mdica (CNRM) da Secretaria de Educao Superior do Ministrio da Educao.

    REBELO & ZENDRONADVOGADOS

    Rua Dr. Pedro Ferreira, 155, sala 1502 15 andar - Centro - Itaja

    Fone: (47) 3398.1165 | (47) 9923.7503

    DIVULGAO

  • WWW.JORNALDOSBAIRROS.TV

    Jornal dos Bairros - ITAJA/SC - Edio N 709 - DE 12 SETEMBRO de 2014 | Ano XV | Pgina 4

    Pablo Trindade um dos profissionais mais conhecidos na histria do Festival de Msica de Itaja. Ele co-meou a ministrar ofici-nas na terceira edio do evento, no ano 2000 e desde ento, esteve pre-sente em praticamente todos os anos. Suas ofi-cinas so sempre muito procuradas e um detalhe que chama a ateno o fato de que a maioria dos alunos j so msicos profissionais.

    Com esta fidelida-de, ano aps ano, novos temas so tratados e apro-fundados. Pablo v uma melhoria enorme no con-ceito do som e no concei-to da msica popular. O festival oferece esse en-contro que alm de ser in-telectual quanto a msica, tambm um encontro de amizade, de fraternidade e de compreenso sobre o que a msica para cada

    pessoa, destaca.Paulo Roberto Do-

    mingues participa das ofi-cinas oferecidas desde o primeiro festival de msi-ca, em 1997 e j esteve em vrias capacitaes com o professor Pablo. Ele con-ta que atravs do evento, muitas amizades se for-maram e que carrega con-sigo boas recordaes. O aluno diz que ficou muito feliz com a volta do fes-tival a uma data especial pra si prprio, no mais uma juno com outros eventos que ocorrem na cidade. E ressalta tambm a importncia do festival para a cultura musical da regio.

    OficinasPablo Trindade mi-

    nistra neste ano de 2014, duas oficinas no Festival de Msica de Itaja. Em ambas, o cantor traba-lha com os conceitos da msica. Ele tem como

    prioridade a valorizao da criatividade dentro da msica popular.

    A primeira oficina comandada por ele a de arranjos para coros, onde age de uma forma mais densa, pois dirigi-da a pessoas que j tm uma formao musical que possam entender um trabalho de harmonia e de composio. O curso voltado as possibilida-des criativas na produo de um arranjo.

    E na oficina de coro de msica popular, que acontece no perodo na tarde, tambm frequen-tada por cantores profis-sionais, as pessoas vm para se aprofundar. Aqui trabalhamos a msica popular em uma esttica diferenciada, no so-mente um coro de musica popular, um coro que faz msica popular, o que uma grande diferena, afirma Pablo.

    A Karma Cia. de Teatro, de Itaja, vai oferecer, at o dia 1 de novembro, o Curso de Iniciao Teatral, destinado a todos que buscam uma formao inicial na arte. Ensinamentos bsicos do teatro com foco no de-senvolvimento de habili-dades para os primeiros passos na interpretao, exerccios e jogos dra-mticos, conscincia corporal e vocal, ritmos, concentrao, memo-rizao e improvisao sero alguns dos conte-dos abordados pelos ministrantes.

    O curso abrir duas turmas, no perodo no-turno, as quintas-feiras, das 19h s 21h30 e no perodo vespertino, aos sbados, das 14h s 16h30. Qualquer pessoa

    com idade a partir de 13 anos pode participar, e o custo de R$ 70,00 mensais. As atividades acontecero na Acade-mia do SESC-Itaja, l