Jornal domingo em casa 36 edio

Download Jornal domingo em casa 36 edio

Post on 22-Mar-2016

265 views

Category:

Documents

44 download

DESCRIPTION

Jornal domingo em casa 36 edio

TRANSCRIPT

  • diLMa reSPoNde SeTe-LagoaNa MociNHa BreJeiraPresidente d explicaes para leitora do Domingo em Casa. Pg.7

    Carol Castro fala sobre a nova personagem em "Amor, eterno Amor". Pg. 11

    DISTRIBUIO GRATUITA TIRAGEM AUDITADA: 8.000 EXEMPLARES

    MO

    RGU

    EFIL

    E

    doMiNgo eM caSa

    ANO 1 | EDIO 36 | SETE LAGOAS 25 A 31 DE MARO DE 2012

    aLerTa VerMeLHoSete Lagoas registra 15 acidentes envolvendo motos por dia. Pgs. 4 e 5

  • 2 oPiNio Domingo em Casa 25 a 31 De maro De 2012

    duke

    E a bola comea a rolar... O clarear das coisas, como

    disse semana passada o deputa-do federal Mrcio Reinaldo (PP), ou o desanuviar do quadro eleitoral sete-lagoano, como preferiu dizer o prefeito Mrio Mrcio Maroca (PSDB), come-ou a se processar to logo os dois resolveram se manifestar a respeito do assunto que domina as rodas polticas da cidade.

    O deputado pr-candidato ungido pelo Palcio da Liber-dade e seus arredores e o prefeito so dois dos principais personagens deste intricado enredo poltico-eleitoral munici-pal. H outros, claro, igualmente importantes, mas, sem dvida, a definio dos papis desses dois clareia as coisas e contribui para a desanuviar o quadro.

    Decerto, h uma srie de va-riveis, como tambm definiu Mrcio Reinaldo, que podero interferir no cenrio. Algumas, cer-tamente, de forma incisiva, qui definitiva. Entre essas variveis poderia-se enumerar nomes como o do deputado federal tucano Edu-ardo Azeredo que, pelo que se depreende das falas de Maroca e Reinaldo na semana que passou, anda ao largo das discusses, pos-tura que, de se esperar, no lhe nada confortvel.

    Ou estaria o ex-governador e ex-senador, majoritrio do PSDB na cidade, filho da terra, con-cordando que as discusses se dem sem que lhe consultem? claro que no. Muito menos A-

    cio Neves, mestre da negociao poltica no estilo tancredista, jamais cometeria tamanha gafe. Esta varivel, portanto, deve estar sendo contornada, se que j no o foi.

    Outro seno a ser contorna-do atende pelo nome de Leone Maciel. O ex-prefeito no escon-de sua insatisfao com o andar da carruagem, em razo de que poder tornar-se pea chave no xadrez que se desenha no cenrio sucessrio pelo lado da situao. Afinal, Leone tinha como lquida e certa sua indicao para a dispu-ta com o aval de Mrcio Reinaldo, que at j manifestara disposio em emprestar seu apoio, mas que viu-se compelido a mudar de opi-nio diante das argumentaes de nomes peso-pesados da poltica mineira, como o prprio Acio, o governador Antonio Anastasia e o vice Alberto Pinto Coelho, lder es-tadual do PP.

    Pelos lados da oposio, o quadro embora um pouco mais definido mostra-se um tanto confuso. H pelo menos trs nomes tidos como certos na dis-puta: Emlio Vasconcelos (PSB), Mcio Reis (PMDB) e Ronaldo Canabrava (DEM). Sem falar dos aparentemente sem chance Rosimar Aparecida Gomes, a Mazinha do PCdoB, e profes-sor Paulo Frana (PSOL).

    Seja como for, o quadro vai se definindo e, to logo acabe a Quaresma, os santos sero des-cobertos, como de costume.

    Almerindo Camiloalmerindo@domingoemcasa.com.br

    A defesa socialNum af de sair da tu-

    tela do Estado, nas ltimas dcadas, a sociedade civil passou a assumir maior protagonismo na resolu-o de seus prprios pro-blemas. Na viso moderna do Estado, a sociedade ci-vil deve ser capaz de auto solucionar os problemas sociais. No campo da se-gurana, pblica a Cons-tituio de 1988 nomeia a sociedade como co-res-ponsvel pela manuteno da ordem.

    Para fazer cumprir a sua cota de responsabili-dade, surge o conceito de defesa social, levando-se em conta que os crimes que impactam sobre a so-ciedade, originam-se de falhas nas prticas sociais produzidas no seio dela prpria. Resumindo, se a polcia obrigada a inter-vir porque a sociedade falhou.

    Segundo estudos eti-molgicos, a palavra po-lcia derivada do grego polis, que tambm origi-nou as cidades modernas. Representava o trabalho de agentes das cidades-es-tado gregas que obrigavam os cidados a manterem

    a cidade organizada. Para viver nas polis exigia-se urbanidade, convivncia pacfica, e, sobretudo, zelo do espao pblico. Aque-les que no comportavam civilizadamente eram re-preendidos pelos agentes da polis (polcia).

    Uma das caractersticas atuais das cidades a ban-didagem ampliando cada vez mais seu territrio. Mes-mo quando a polcia prende um bandido, outro assume o territrio. Cada bandido faz sucessores infanto-juvenis, atrados pela adrenalina do jogo bandido contra moci-nho. Ensinam que na con-tabilidade da bandidagem, o tempo de priso compen-sa o crime. Porm, a adre-nalina do crime provoca a mortandade juvenil. Nas estatsticas dos homicdios, os jovens so maioria.

    A defesa social no sociedade do bem se protegendo contra as as-sociaes para o crime. Numa viso holstica, a eliminao, pela raiz, das oportunidades de atos po-tencialmente criminosos, mesmo os inofensivos. A teoria da vidraa quebra-da, que deu origem ao pro-

    grama tolerncia zero de combate ao crime na cidade de Nova York, o melhor exemplo.

    Atravs da teoria, a ci-dade deve manter-se intei-ramente organizada e bem zelada para demonstrar que ali impera a ordem (e a lei). No sentido metafrico, uma nica vidraa quebrada in-centiva o vandalismo das demais. Se no for conserta-da, uma questo de tempo para a bandidagem assumir o territrio. No por acaso, a maioria dos crimes acon-tecem em ambientes ermos, mal conservados e abando-nados, uma espcie de ter-ritrio sem dono.

    Quebrar vidraas no um simples ato de deli-quncia, a marcao de territrios da bandida-gem. As cidades possuem legislaes que exigem a ordenao e a manuteno urbanstica atravs dos C-digos de Postura, da Lei de Uso e Ocupao do Solo, e do Plano Diretor. Cada vez que a fiscalizao pblica se omite no zelo da cidade, a polcia ter que entrar em cena. Mas, polcia no conserta vidraas, a socie-dade sim.

    Jos Luiz Almeida Costajoseluiz@domingoemcasa.com.br

    Publicao da AC&S Mdia Ltda CNPJ - 05.373.616/0001-21Rua Luiz do Carmo, 39Bairro Jardim Arizona - Sete Lagoas-MG - CEP 35700-374 - (31) 3775-0629Diretor geral - Almerindo Camilo (2709/MG)Coordenador comercial - Sidney Duarte (comercial@domingoemcasa.com.br)Coordenador de Marketing - Jos Luiz de Almeida CostaCoordenador de distribuio - Rafael MelgaoEditora - Sandra CarvalhoReportagem - Jos Vtor Camilo e Cris DuarteDiagramao - Antonio Dias e Wanderson Fernando DiasTIRAGEM AUDITADA - 8.000 EXEMPLARESImpresso - O tempo Servios Grficos (Contagem-MG)Representante comercial SP, Rio e Braslia - Screanmedia (11) 3451-0012 e (11) 9141-2938Fale conosco: redacao@domingoemcasa.com.br e comercial@domingoemcasa.com.br

    OS ARTIGOS ASSINADOS NO EXPRESSAM NECESSARIAMENTEA OPINIO DESTE JORNAL.

    doMiNgo eM caSa

  • 3cidade e regio Domingo em Casa 25 a 31 De maro De 2012

    olho Vivo ineficientePM denuncia que 40% das 27 cmeras do sistema esto sem funcionar por falta de manuteno

    Por Cris Duarte

    Implantado em 2010 atra-vs de parceria entre o Estado, o Municpio e a Polcia Militar, o sistema de vigilncia por cme-ras Olho Vivo est funcionando precariamente em Sete Lagoas. A suspeita de alguns moradores foi confirmada nesta semana pelo tenente-coronel Slvio Augusto de Carvalho, comandante do 25o Ba-talho da Polcia Militar. Segundo ele, cerca de 40% das 27 cmeras, ou seja, 10 cmeras, esto para-das por falta de manuteno.

    O comandante explica que a ma-nuteno do sistema ficou a cargo do municpio quando a parceria foi firmada e que a Prefeitura de Sete La-goas no tem cumprindo seu papel no acordo firmado com a PM e com o Estado pela segurana do municpio. H vrias cmaras desativadas, al-gumas por defeitos e outras por falta de limpeza, isso deveria ser uma pre-ocupao do poder pblico, afirma o comandante.

    Ainda de acordo com a Polcia

    Militar, a prefeitura tambm tem a funo de disponibilizar homens da guarda municipal para a operao dos equipamentos. Essa parte do acordo est sendo cumprida.

    Procurada pela reportagem, a Prefeitura de Sete Lagoas informou, por meio de sua assessoria de im-prensa, que a Guarda Municipal o rgo pblico que responde pelas cmeras e que apenas duas cmeras estariam sem funcionar.

    O sub-comandante da Guarda Mu-nicipal, Marlon Mariel, informou que o contrato com a empresa que fazia a manuteno das cmeras do Olho Vivo venceu, mas que j foi aberta uma licitao para contratar outra empresa para os trabalhos. Ainda de acordo com Mariel, o prego foi publicado no Dirio Oficial do Municpio na semana passada e os envelopes das empresas participantes da licitao sero abertos no prximo dia 4 de abril, s 9h.

    A vendedora Ana Pereira, que trabalha na regio central da ci-dade, diz ter medo da situao. A criminalidade no municpio vem aumentando e o poder pblico ain-

    da faz uma coisa dessas, protesta.

    Plano de SeguranaExatamente para diminuir a cres-

    cente criminalidade em Sete Lagoas, a prefeitura da cidade lanou na semana passada o Plano de Segurana Pblica. Um estudo sobre o caso particular de Sete Lagoas e proposio de solues para reduo de crimes foram apresen-tados pelo socilogo Luiz Flvio Sapori, ex-subsecretrio de Estado de Defesa Social. Representantes do Executivo, de rgos de segurana e da comunidade participaram das apresentaes, mas no havia nenhum representante da Polcia Militar.

    O comandante explicou que no compareceu audincia porque o trabalho da PM desenvolvido den-tro da Poltica Estadual de Seguran-a Pblica, e, por isso, possui uma agenda de servios que precisa ser cumprida. Ele teceu crticas apre-sentao, principalmente porque foi falado na ocasio pelo socilogo Sapori que h um distanciamento entre a PM e a sociedade.

    No h afastamento. A PM vem

    desenvolvendo projetos importantes junto sociedade como o Proerd, cinoterapia, Bom de Bola Bom de Escola, Jovens Construindo a Cidada-nia. Esses so exemplos de projetos desenvolvidos juntos comunida-de. Para mim, essa audincia foi um

    evento poltico e ns no participa-mos disso, finalizou.

    Evento poltico ou no, o fato que a audincia na semana passa-da apresentou um diagnstico que aponta para um aumento da crimina-lidade na cidade.

    Sistema Olho Vivo faz a vigilncia por meio de cmeras em vrios pontos da cidade

    CRIS DUARtE

  • Perigo em du as rodasEnquanto frota de motos e similares aumenta em 14,8% em Sete Lagoas, Hospital Municipal faz 15 atendimentos a vtimas de acidentes com motocicletas por dia

    Por Cris Duarte

    Que Sete Lagoas uma cidade onde o transporte sobre duas rodas impera nas vias pblicas todo mun-do sabe. Mas o que pouca gente tem cincia de que mais de 40% dos pacientes acidentados que do entrada no Hospital Municipal Mon-senhor Flvio DAmato so vtimas de acidentes envolvendo motocicle-tas. Vale lembrar que os desastres deixam nas vtimas sequelas muitas vezes irreversveis, como traumas na coluna, membros e crnio.

    Em Sete Lagoas, a quantidade de motos no trnsito dirio cres-cente. De acordo com o delegado Elton Aparecido Costa, houve um aumento de 14,8% no nmero de motocicletas, ciclomotores e moto-netas circulantes no municpio entre outubro de 2010 (quando eles eram 21.326 veculos) e outubro de 2011

    Mais de 24,4 mil motos e motornetas circulam em Sete Lagoas; estudo do Ipea aponta que cada motociclista acidentado custa R$ 150 mil ao SUS

    4 cidade e reigio Domingo em Casa 25 a 31 De maro De 2012

    (quando passaram a ser 24.498). O nmero de acidentes com motos

    tambm vem aumentando e preocupa a populao e as autoridades. Somen-te entre os meses de janeiro e outubro de 2011, o Hospital Municipal fez 2.283 atendimentos a vtimas de desastres envolvendo motocicletas, o que d uma mdia de oito atendimentos por dia.

    Porm, segundo o mdico plan-tonista da unidade de sade, Caio Dutra, atualmente, so feitos de 10 a 15 atendimentos dirios. Ele explica que os traumas mais comuns nes-se tipo de acidente so fraturas de membros inferiores e superiores que muitas vezes levam a sequelas como deformidades e perdas de funes motoras. Essas fraturas ainda po-dem causar manchas claudicantes, defeitos permanentes e at amputa-o de membros, acrescenta.

    Na opinio do mdico, o fator que mais contribui com o aumento do n-

    mero de acidentes com motocicletas a falta de educao no trnsito. Pases com ndices de uso de motocicletas muito maiores do que o Brasil no tm a mesma incidncia, o que nos faz pen-sar que a imprudncia e a falta de pu-nio contribui para o aumento desses ndices no nosso pas.

    As causas para o aumento do n-mero de motos circulantes em Sete Lagoas esto ligadas ao crescimento econmico da cidade, segundo o secre-trio de Sade e Gestor do SUS, Wan-derley Rodrigues Moreira. Ele conside-ra que o aumento de trabalhadores que usam motocicletas como ferramenta de trabalho, como os motoboys, fator preponderante. Muitas pessoas esto trabalhando como entregador, motot-xi. Com isso, o tempo vira sinnimo de dinheiro e a viso capitalista fala mais alto do que a prpria vida.

    Diante do cenrio de crescimento econmico acirrado quase que pro-

    porcional ao aumento de acidentes e vtimas de motos, a Secretaria Munici-pal de trnsito (Setrans) fez um levan-tamento que identificou 56 pontos da cidade onde h mais acidentes envol-vendo motos para a instalao de fisca-lizao eletrnica.

    Segundo o secretrio Caio Valace, o objetivo no multar e, sim, forar uma reduo da velocidade com o uso de lombadas eletrnicas. Vrios pontos foram levantados, porm, no necessariamente, iremos colocar lombada em todos eles, at porque um custo muito alto, mas podemos eleger as prioridades at chegar a um nmero que seja eficaz na reduo desses acidentes, afirma.

    Outro projeto da Setrans o Es-tacionamento Regulamentado para Motocicletas. Os espaos sero re-servados na rea central, prximo s esquinas das ruas que tenham essa demanda, evitando que uma moto-

    cicleta ocupe a vaga de um veculo maior. A finalidade a racionaliza-o do uso do espao pblico, viabi-lizando um trnsito mais organizado e com maior mobilidade, o que tam-bm ajuda a evitar acidentes, expli-ca Valace.

    Mas um estudo do Ipea sobre a frota e acidentes de motos no Brasil aponta que a soluo para o proble-ma passa necessariamente por me-lhorias no transporte pblico, mui-to mais do que por intervenes no trnsito. Em Sete Lagoas, h inicia-tivas nessa rea. Estamos criando um sistema de transporte pblico em Sete Lagoas. J fizemos audin-cia pblica para licitar o sistema e vamos criar polticas reguladoras que vo tornar o transporte pblico muito mais seguro, eficaz e atrativo, diminuindo, assim, a circulao de veculos individuais, garante o se-cretrio. (Com Sandra Carvalho)

  • 5cidade e regio Domingo em Casa 25 a 31 De maro De 2012

    Perigo em du as rodasEnquanto frota de motos e similares aumenta em 14,8% em Sete Lagoas, Hospital Municipal faz 15 atendimentos a vtimas de acidentes com motocicletas por dia

    Mais de 24,4 mil motos e motornetas circulam em Sete Lagoas; estudo do Ipea aponta que cada motociclista acidentado custa R$ 150 mil ao SUS

    O nico equipamento de proteo o capacete

    MORGUEFILE/DIVULGAO

    ROBERtA LANZA - 21.7.2011

    Negligncia e imprudncia

    A maior parte dos acidentes envolvendo motos em Sete La-goas causada por negligncia e imprudncia dos motoristas, de acordo com as autoridades policiais. Desconhecimento das regras de trnsito tanto por par-te dos motoristas de carro quan-to de motociclistas tambm con-tribui para a triste estatstica de 15 acidentes por dia.

    O assessor de Comunica-o do 25 Batalho da Polcia Militar da cidade, capito Lupi, informa que acidente de moto costuma ser mais grave do que o automobilstico. O risco de a pessoa se machucar muito maior, j que o capacete o nico aparato de proteo. todos os condutores devem observar as regras de circulao de trnsi-to, ressalta.

    tambm nessa tecla bate o auxiliar de relaes pbli-cas do Corpo de Bombeiros Militar, sargento Josemar. importante que o motoqueiro ande respeitando as normas de circulao. Ultrapassar pela esquerda, observar as placas, no exceder a veloci-dade, manter a distncia ideal do veiculo da frente e deixar o farol baixo aceso so algumas

    medidas importantes para se evitar acidentes, pondera.

    Ismael Soares, funcionrio pblico, de 46 anos, se envol-veu em um acidente com outro veculo em 2004. Segundo Ismael tudo aconteceu devido sua imprudncia. Ele conta que o que provocou o acidente foi o fato de estar trafegando em excesso de velocidade e que, por sorte, teve apenas fe-rimentos leves. Hoje, depois da experincia, procuro ser mais atento s leis de trnsito e no excedo a velocidade per-mitida, acrescenta.

    O jornalista Vamberto tei-xeira, de 36 anos, tambm acredita que a maioria dos aci-dentes causada pela falta de respeito no trnsito, tanto dos motoristas quanto dos motoci-clistas. Vamberto possui carro e motocicleta e d preferncia pela motocicleta pela agilidade no trnsito e facilidade de esta-cionamento.

    Nunca me envolvi em aci-dente graas ao cuidado que procuro ter, como andar sempre direita, nunca ultrapassar em locais proibidos e jamais costu-rar o trnsito, afirma o jornalis-ta. (Por Cris Duarte)

    categoria sabe do problema

    Evaldo da Silva Cruz, presiden-te do Sindicato dos trabalhadores, Empregados e Profissionais Aut-nomos nas atividades de Motota-xistas, Motoboys e Motofretes de Sete Lagoas (Sindimotos), diz que a categoria tem conscincia do crescente nmero de acidentes. Acho que a regulamentao da profisso, com as concesses, vai ajudar muito nesse sentido, pois aqueles motociclistas regulamen-tados passam por cursos e usam equipamentos como coletes e fai-xas reflexivas, diz.

    Ao todo, sero 535 concesses para trabalhadores em duas rodas em Sete Lagoas. Mas, num primeiro momento, a prefeitura da cidade vai regulamentar apenas 145. O processo, segundo Cruz, est estagnado. Ainda segundo informaes do sindicato, o curso obrigatrio determinado pelo Conselho Nacional de trnsito (Con-tran), que prepara motociclistas para atuarem profissionalmente nas ruas, j oferecido em Sete Lagoas. So 36 horas/aulas ao custo de cerca de R$ 350. (Por Sandra Carvalho)

    orientaes aos MoTocicLiSTaS:

    Pilote apenas se tiver habilitao;

    No ande nos pontos cegos

    entre os carros;

    Use sempre capacete e sapato

    fechado;

    No consuma bebida alcolica

    antes de pilotar;

    Respeite a velocidade permitida

    da via;

    No atenda o celular enquanto

    estiver pilotando;

    Use as setas;

    Ande sempre com o farol baixo

    aceso e respeite sempre a

    sinalizao de trnsito

    Fonte: Secretaria Municipal de Sade

    TriSTe eSTaTSTica Jan/11 Fev/11 Mar/11 Abr/11 Mai/11 Jun/11 Jul/11 Ago/11 Set/11 Out/11

    Atropelamento 34 25 36 41 47 29 43 38 27 26

    Carros 102 101 76 59 61 7 7 71 44 83 67

    Motocicleta 177 211 184 251 285 234 267 265 286 223

    Outros 13 4 3 6 4 8 13 1 2 8

    Bicicletas 100 103 95 112 127 69 99 74 95 86

    Fonte: Secretaria Municipal de Sade

  • 6 cidade e regio Domingo em Casa 25 a 31 De maro De 2012

    Investimento em infraestrutura viriaDesde 2003, por meio

    do Proacesso, o Governo de Minas j investiu cerca de R$ 3,3 bilhes na pavi-mentao de quase 5 mil quilmetros de estradas que do acesso, sobretudo, a pequenos municpios de todas as regies de Minas. Agora, j est em fase de implantao o Caminhos de Minas. Gostaria que o se-nhor explicasse sobre este programa e que avanos ele traz para Minas Gerais.

    Antonio Anastasia: Bem, verdade. Ns temos um grande esforo, desde o go-verno Acio Neves, a favor da infraestrutura rodovi-ria de Minas Gerais, que um Estado muito vasto. E essa infraestrutura rodovi-ria mereceu uma ateno especial do Governo de Mi-nas com alguns programas. Ns temos o Proacesso, te-

    mos o ProMG e temos o Ca-minhos de Minas, que um novo programa que eu es-tou lanando. O Caminhos de Minas, na verdade, tem por objetivo asfaltar rodo-vias que ligam regies e ci-dades do nosso Estado. So estradas estratgicas, co-locadas entre regies, que so chamados links faltan-tes, ou ligaes faltantes, e que so fundamentais para o desenvolvimento econmico de determina-das reas de nosso Estado. Para isso, ns estimamos um programa de cerca de 8 mil quilmetros de es-tradas, orado em cerca de R$ 12 bilhes, que claro, ser feito por etapas. Mas ele vai ser iniciado j neste ano de 2012. Ns j temos obras em andamento para, de tal modo, completarmos uma boa etapa neste man-

    dato e dar continuidade nos prximos anos. Sero recursos que viro do BN-DES, recursos do tesouro do Estado e recursos tam-bm de agncias interna-cionais, como o caso do JBIC (Banco Japons para Cooperao Internacional), que uma agncia finan-ciadora do governo japo-ns.

    Governador, falando so-bre o Proacesso, gostaria que o senhor falasse que outros benefcios esto chegando para os mais de 200 municpios mineiros atravs deste Programa.

    Antonio Anastasia: verdade! O Proacesso um programa revolucionrio, que leva ligao asfltica a municpios que no tinham asfalto, eram somente es-tradas de terra. O Programa

    est praticamente conclu-do. Ns j temos 97% em fase final, sendo que 82% j esto prontos e 15% es-to na fase final. Neste ano de 2012 ele ser encerra-do, com investimentos de cerca de R$ 350 milhes. E isso vai significar uma mudana ainda maior nas vidas dessas pessoas, no s em conforto, segurana e qualidade de vida, mas tambm na possibilidade de atrair empresas para estas cidades, que tinham muita dificuldade de gerar renda e emprego de qua-lidade na medida em que estavam afastadas da es-trutura viria principal do Estado. Ento, temos mui-tos exemplos de cidades que, depois do Proacesso, j receberam empresas e isso foi fundamental para o seu desenvolvimento.

    Pode-se dizer, ento, que o ProAcesso e o Cami-nhos de Minas esto pavi-mentando o avano do pro-gresso em nosso Estado, em relao ao desenvolvi-mento econmico e social no interior de Minas?

    Antonio Anastasia: No h dvida, porque ns es-tamos levando, atravs da melhor comunicao e do melhor transporte, vias de acesso para as pessoas trafegarem bem e tambm para gerao de riquezas. Eu me permito acrescer que, alm dos dois, vamos continuar com o ProMG, que exatamente o pro-grama da conservao das atuais estradas esta-duais, que tem represen-tado uma melhoria muito expressiva em relao qualidade das nossas es-tradas.

    Antonio AnastasiaGovernador de Minas Gerais

    Big Broter da vov ganha famaNa TriLHa da FaMa

    O Big Brother da V Maura, que foi tema de capa da ltima edi-o do DOMINGO EM CASA, reper-cute em toda a cidade, no s pela criatividade dos promotores, mas, tambm, pelo aspecto educativo na formao das adolescentes par-ticipantes. Segundo as organizado-ras, aps a reportagem publicada por este jornal, vrios comercian-tes as procuraram interessados em apoiar a iniciativa. As participantes tambm esto se sentindo orgulho-sas pelo reconhecimento manifes-tado pela comunidade sete-lagoa-na quanto ao trabalho filantrpico que elas tm que cumprir durante a competio.

    O BB da Vov uma idea-lizao da jornalista Maura Lcia Lopes Mascarenhas, com o apoio de Cerize Alves que d o toque de capricho na produo. Durante o confinamento das sisters parti-cipantes, a nica interao com outras pessoas se d atravs do professor tiago Queiroga. Nos bastidores, a presena discreta do V patrocinador, o engenheiro apo-sentado Hermelindo Mascarenhas, supervisiona se est tudo correndo bem. A soma do trabalho individu-al de cada membro da equipe a

    Depois de ser capa do Domingo em Casa, Big Brother da vov ganha fama e recebe apoio espontneo do comrcio.

    garantia do sucesso. S conhecendo de perto os bastidores da produo que se tem conhecimento da se-riedade da equipe com os mnimos detalhes da organizao.

    Diferentemente do BBB da Rede Globo, as participantes do BB da V Maura no ficam ociosas em nenhum momento. Assim, no h espao para as meninas se estra-nharem, o que comum quando pessoas ficam confinadas juntas durante muito tempo.

    Participar do BB da V Maura exige disciplina, capacidade de fa-zer pesquisas e saber escrever bem. Quando uma tarefa no entregue no prazo determinado, perde-se ponto. Porm, numa demonstrao de compromisso, as participantes fazem questo de entregar a tarefa mesmo com atraso.

    Muito mais do que uma sim-ples brincadeira, em determinados momentos, as meninas aprendem a difcil tarefa de saber fazer escolhas. Quando uma participante ganha uma prova, ela recebe trs prmios, sendo um para si, e os dois restan-tes ela ter que escolher duas outras meninas para dividir a premiao. Uma aprendizagem que ser til a elas durante a vida.

    Maroca no candidato Plano de SegUranaPrefeito deve apoiar Mrcio Reinaldo na corrida eleitoral. Pg.3

    Sete Lagoas defi ne estratgias de combate criminalidade. Pg. 7

    DISTRIBUIO GRATUITA TIRAGEM AUDITADA: 8.000 EXEMPLARES

    FOTO

    S AR

    Qu

    IVO

    PES

    SOAL

    doMingo eM caSa

    ANO 1 | EDIO 35 | SETE LAGOAS 18 A 24 DE MARO DE 2012

    Big Brother da vovComea a 4 edio da verso sete-lagoana do reality. Pg. 5

    Amanda Emily

    Isabela C.

    Maria Eduarda R.

    Ana Carolina

    Maria Eduarda P.

    Marina

    Leticia

    Mariana M.

    Giovanna

    Isabella M.

    Mariana F.

    Desemprego Pesquisa Mensal de Emprego (PME), divulgada semana passada aponta taxa de desocupados na Regio Metropolitana de BH de 4,7%, o que representa uma queda, comparado ao mesmo perodo do ano passado (6,3%). Em comparao ao ms de janeiro deste ano, a taxa apresentou relativa estabilidade, variando em 0,2% (4,5%). A taxa de desocupao apresentou aumento em relao ao mesmo perodo de 2011, passando de 56,1%, para 57,3% em fevereiro deste ano. Em relao ao rendimen-to mdio real habitual, a taxa apre-sentou melhoria aos trabalhadores, passando de R$ 1.487,95, em feve-reiro de 2011, para R$ 1.592,00.

    ConsocialEsto definidas as 20 propostas que sero apresentadas pelos delegados mineiros que representaro o Estado na etapa nacional da Conferncia so-bre transparncia e Controle Social (Consocial). todas as propostas fo-ram avaliadas pelos 484 delegados que participaram, entre 14 e 15 de maro, da etapa estadual da Conso-cial. Coube aos delegados, por meio de votao, apontar as melhores opes para compor o caderno que ser apresentado no encontro nacio-nal, que ser realizado em Braslia, nos dias 18 a 20 de maio. As propos-tas iro subsidiar a criao de um Plano Nacional sobre transparncia e Controle Social, com intuito de fo-mentar polticas pblicas, projetos de lei e, at mesmo, passar a compor as agendas das administraes p-blicas em mbitos municipal, esta-dual e nacional.

    rPidaS

  • Conversa com a PresidentaH licitao para a constru-

    o de rodovias, mas no existe a garantia da qualidade da obra, que mal concluda e j apre-senta defeitos graves. Muitas vezes so contratados por 15 cm de asfalto e eles colocam s 5 cm. Que Dnit esse que no fiscaliza nada? (Vanessa Fran-a Vilela, 58 anos, corretora de imveis em Sete Lagoas (MG)

    Presidenta Dilma As cons-trutoras so obrigadas por lei a entregar as obras com a quali-dade especificada no contrato. Quando o trabalho mal exe-cutado, Vanessa, as empresas so obrigadas a corrigir as fa-lhas, como ocorreu, por exem-plo, com a BR-174-RR, com a BR-101-Nordeste, e agora com a BR-364-AC, que est sendo refeita. Para evitar a ocorrncia desses problemas, o DNIt est intensificando a fiscalizao. O rgo est sendo mais rigoroso quanto notificao das empre-

    sas, que podem ser multadas e serem declaradas inidneas, o que impede que venham a firmar novos contratos com a administrao federal. Est em fase de concluso no Dnit uma reviso do modelo de contrata-o das empresas que fazem a superviso de obras, para que o rgo possa ser mais exigen-te em relao ao produto final. Quanto s camadas de asfalto, o pagamento do servio s fei-to aps a retirada de amostras para comprovar a real espessu-ra. Essas amostras ficam dis-posio dos rgos de controle e fiscalizao. O cidado que souber de alguma irregularida-de, pode acionar a Ouvidoria do Dnit o telefone, e-mail e ende-reo esto na pgina www.dnit.gov.br/paginafaleconosco.

    Qual a meta do governo para os trabalhadores de baixa renda? (Surian F. de Almeida,

    16 anos, estudante em Ponta Grossa (PR)

    Presidenta Dilma Surian, ns temos implementado vrias polticas para elevar a renda dos brasileiros que ganham menos, buscando transformar o Brasil num pas de classe mdia. Adota-mos uma poltica de valorizao do salrio mnimo, que, desde o incio do governo Lula, j au-mentou 66% acima da inflao. Criamos, em outubro, o Progra-ma Nacional de Acesso ao Ensino tcnico e ao Emprego (Pronatec) para oferecer 8 milhes de vagas no ensino profissionalizante aos nossos jovens e trabalhadores at 2014. tomamos tambm vrias medidas para estimular os micro-empreendedores, reduzindo tri-butos e diminuindo a burocracia. Com o Crescer Programa Nacio-nal de Microcrdito, reduzimos os juros do microcrdito para 8% ao ano, garantindo recursos em condies mais adequadas para

    que mais pessoas possam abrir seus prprios negcios. Criamos Brasil sem Misria, para retirar 16,2 milhes de brasileiros da pobreza extrema. Os resultados so animadores. Segundo a Fun-dao Getlio Vargas, h duas semanas 40 milhes de pessoas foram incorporadas classe m-dia entre 2003 e 2011, e somente em 2011 a pobreza caiu 7,9%.

    O que mais importante, investir em obras que sejam aproveitadas pelo povo brasi-leiro todos os dias e 24 horas por dia (hospitais e estradas) ou investir em obras que sejam utilizadas durante 6 horas s quartas e 6 horas aos domingos (estdios para a Copa)? (Carlos Aurlio Moro, 37 anos, empre-srio em Curitiba (PR)

    Presidenta Dilma Carlos, no existe contraposio entre a construo de hospitais e es-tradas e as obras nos estdios.

    Essa uma falsa questo. No h recursos do oramento federal investidos nos estdios. A par-ticipao federal na reforma e construo dos palcos dos jogos, que tambm so importantes para as cidades, ocorre apenas na forma de financiamento do BNDES. Ou seja, em dinheiro que retornar ao banco, com o acrs-cimo de taxas e juros, como qual-quer outro emprstimo. Realizar um evento como a Copa do Mun-do tornar o Brasil mais conheci-do em todo mundo, atraindo tu-ristas e gerando empregos. Hoje, milhares de homens e mulheres j se beneficiam, trabalhando nas obras de reforma e constru-o de estdios, de mobilidade urbana, nos aeroportos e nos portos. Entre 2011 e 2014, s nas 12 cidades-sede dos jogos, vo ser investidos R$ 23 bilhes em infraestrutura. O aumento do tu-rismo e do consumo resultar em outros R$ 14 bilhes.

    Dilma Rousse

    Essa uma falsa questo. No h

    Presidenta

    Mande sua pegunta para Dilma Rousseff pelo e-mail perguntapradilma@domingoemcasa.com.br

    7cidade e regio Domingo em Casa 25 a 31 De maro De 2012

    QUIN DRUMMOND/ASCOM

    Juventude participa de

    confernciaExpectativa que evento rena pelo menos 2 mil pessoas dias 29 e 30

    A Prefeitura de Sete Lagoas, por meio da Se-cretaria Municipal de Go-verno e Juventude, reali-zar nos dias 29 e 30 de maro, a 2 Conferncia da Juventude, no Centro Cultural Nh-Quim Drum-mond Casaro Praa tiradentes.

    A 2 Conferncia da Ju-ventude contar com cerca de 2 mil alunos do ensino mdio das diversas esco-las pblicas e particula-res do municpio e assim como a do ano passado, vai mobilizar a populao de jovens para a discus-so de temas que marcam o nosso cotidiano, como

    Nadab Abelin: evento oportunidade para ampliar participao dos jovens

    mercado de trabalho, edu-cao e bullyng, cultura, esporte e vida saudvel, dilogo com o governo, sexualidade e respeito s diferenas, polticas sobre drogas e redes so-ciais. Ao final da confe-rncia os jovens iro ele-ger uma proposta em cada rea discutida para ser implementada pela admi-nistrao municipal.

    O secretrio municipal de Governo e Juventude, Nadab Abelin, explica que essa uma tima oportu-nidade para a troca de ex-perincias entre os jovens sete-lagoanos e de funda-mental importncia para

    que possamos descobrir os anseios e opinies des-sa parcela significativa da sociedade e ento corres-ponder s suas expectati-vas com polticas pblicas mais eficientes.

    Alm de discutir e opi-nar sobre esses temas que permeiam o universo ju-venil, os jovens podero participar de diversas ofi-cinas, apresentaes cultu-rais e do sorteio de brindes e abad para o Ax Brasil 2012. Importante: as vagas so limitadas para os alu-nos das escolas participan-tes e as inscries devem feitas atravs site www.go-vernoitinerante.com.br.

  • 8 cidade e reigio Domingo em Casa 25 a 31 De maro De 2012

    ambulancinha quer um nomePatrulha da Alegria ganha um Fusca e quer batizar o possante com a ajuda da populao

    Por Sandra Carvalho

    Um fusquinha muito char-moso e alegremente decorado o novo veculo da Patrulha da Alegria, uma equipe que se dedica h seis anos a alegrar pacientes internados em hos-pitais de Sete Lagoas, princi-palmente no hospital Nossa Senhora das Graas. Os dou-tores palhaos, formados em besteirologia, disseram estar muito felizes com a ambulan-cinha, mas h um problema muito srio na equipe a ser re-solvido: escolher o nome para o possante.

    Fusclown, Fuscalhao, Pa-lhusca, Palhaamvel e Fuscu-lha. Eles no conseguem che-gar a um acordo. briga, ou melhor, palhaada, para todo lado. Diante de tal indeciso, a equipe quer o apoio da popu-lao de Sete Lagoas e regio

    para a escolha do nome. Para isso, lanou uma enquete no blog da patrulha.

    O endereo para votao apatrulhadaalegria.blogspot.com. O resultado com o nome da ambulancinha ser divulga-do no dia 31 de maro no blog e tambm na pgina do Facebook da Patrulha da Alegria.

    De acordo com informaes da assessoria de imprensa da equipe, o Fusca foi adquirido graas a uma parceria com as empresas Zemap e transmig. Nas mos da empresa Publimi-nas, o veculo ganhou roupa-gem e personalidade.

    Ainda de acordo com a Pa-trulha, a ambulancinha, que est em fase de teste, vai ajudar bastante a desenvolver o traba-lho que leva alegria a quem est passando por algum sofrimento. O Domingo em Casa apia esta causa. D seu voto! Fusquinha ainda no foi batizado; votao do nome pode ser feita no blog da Patrulha da Alegria

    LIPE BORGES/PAtRULHA DA ALEGRIA/DIVULGAO

    Nova carrocinha j est rodando na cidadeceS de rua

    Por Sandra Carvalho

    Um dado preocupante foi divulgado recentemen-te pela Prefeitura de Sete Lagoas: dos 921 animais de rua recolhidos durante o ano passado pelo Centro de Con-trole de Zoonoses (CCZ), 588 (ou seja, mais de 60%) eram ces portadores de leishma-niose, doena que pode at matar seres humanos. Dian-te do cenrio e da necessi-dade de manter o municpio em segurana em relao doena, o CCZ anunciou a aquisio de uma nova car-rocinha para a coleta dos animais que ficam vagando pelas ruas.

    O novo veculo tem ca-pacidade de transportar 20 ces por vez, separados por boxes, garantindo, dessa for-

    ma, o bem-estar dos cachorros. A carrocinha j est percor-rendo as ruas da cidade desde o dia 12/3, conta Vanessa Va-

    ladares Bahia, diretora do CCZ. De acordo com ela, aps serem recolhidos, os ces passam por exames. Aqueles diagnostica-

    dos com leishmaniose ou qual-quer outra enfermidade grave so sacrificados.

    J os animais sadios podem

    permanecer por at trs dias no local, at que seus donos apaream. Caso isso no acon-tea, eles so encaminhados para adoo. O CCZ de Sete Lagoas tem capacidade para abrigar at 40 ces.

    ConscientizaoVanessa Valadares pede

    o apoio da populao cau-sa. uma questo de cons-cincia. Quem tem animal de estimao deve mant-lo preso. Mais de 60% dos ces que esto nas ruas tm dono e moradia, mas ficam soltos. Se cada um manter o seu ani-mal preso, haver uma queda sensvel no nmero de ani-mais circulando pelas ruas, alerta. O CCZ est localizado no bairro Padre teodoro. In-formaes podem ser obtidas no 3773-3042.

    Nova carrocinha ter capacidade para at 20 ces; animais ficaram separados por boxes

    RAFAELA ARAJO/ASCOMSADE

  • Temperatura deve ser mais quente pelas manhs; frio comea no final das tardes

    outono chega frioOs dias nesta poca do ano se caracterizam por clima quente durante o dia e friozinho noite

    O outono chegou, e com ele, podem-se esperar os dias tpicos que se caracte-rizam por temperaturas mais quentes pela manh e mais frias no final do dia. A esta-o teve incio oficialmente s 2h14 dessa tera-feira (dia 20), e termina s 20h09 do dia 20 de junho.

    A passagem de frentes frias que no vero causavam pancadas fortes de chuva co-mea a provocar quedas de temperatura semelhantes s tpicas de inverno, principal-mente noite.

    Outra caracterstica im-portante que no decor-rer da estao a atmosfera torna-se gradativamente mais seca, podendo atingir valores abaixo de 30% em alguns dias. Ocorrem tam-bm mudanas relativamen-te rpidas nas condies de

    tempo com uma maior proba-bilidade de ocorrncia de ne-voeiros e geadas nas regies serranas do Estado.

    Segundo o meteorologista da Companhia Energtica de Minas Gerais (Cemig), Arthur Chaves, outro fenmeno pos-svel a formao de inverso trmica que ocorre quando a temperatura da atmosfera na superfcie menor do que nos nveis acima, fazendo com que os poluentes no se dissipem rapidamente e, consequente-mente, piorando a qualidade do ar nas cidades (ocorre com maior frequncia no final de maio e em junho).

    Neste ano, em Minas Ge-rais, o outono dever apre-sentar temperaturas mdias ligeiramente abaixo da mdia no Sul, principalmente na di-visa com o estado de So Pau-lo, com as primeiras friagens

    CRIS DUARtE

    ocorrendo j na ltima quin-zena de maio.

    J no Norte e Noroeste, as temperaturas mdias ficaro acima do esperado, enquanto que nas demais regies fica-ro dentro da mdia. Entre-tanto, isto no exclui a pos-sibilidade de que alguns dias apresentem valores acima ou abaixo dos esperados.

    Com relao chuva, so esperados valores abaixo e por vezes ligeiramente acima da mdia na regio Norte do Estado no ms de abril, per-manecendo abaixo em maio e dentro da mdia nas demais regies.

    Finalmente, em junho, a tendncia de que as chuvas fiquem dentro da mdia. Lem-brando que as chuvas nesta es-tao apresentam valores bem abaixo do vero. As informa-es so da Agncia Minas.

    15eNTreTeNiMeNTo Domingo em Casa 7 a 13 De agosto De 2011 9cLiMa Domingo em Casa 25 a 31 De maro De 2012

    oncocentro contratada

    QuiMioTeraPia PeLo SuS

    Vtimas cncer j esto contan-do com mais um servio do Sistema nico de Sade (SUS) para tratar a doena em Sete Lagoas. A prefeitu-ra da cidade divulgou nesta semana o contrato com a clnica Oncocentro para oferecer o procedimento de quimioterapia aos pacientes. O ob-jetivo na contratao da clnica que os pacientes fiquem perto de casa, no precisando de deslocar-se a outras cidades para o tratamento.

    Wanderley Rodrigues Moreira, Secretrio de Sade e Gestor do SUS, explica que quando o paciente realiza o tratamento perto de casa, o retorno pode ser maior. O estado emocional do paciente ajuda na hora do tratamento e evitar trans-

    tornos com deslocamentos uma forma do psicolgico no interferir de forma negativa no tratamento, ressalta.

    A diretora da Central de Marca-o de Exames e Consultas, Larissa Rocha, destaca que a empresa foi contratada, num primeiro momen-to, para tratamento de quimiotera-pia, podendo posteriormente pres-tar o servio de radioterapia.

    Segundo a diretora, o fluxo realizado via Central de Marcao de exames que agenda a primeira consulta. Dessa forma, o usurio atendido na clnica e tem o tra-tamento todo garantido de forma gratuita pelo municpio com equipe interdisciplinar, completa.

    Consultas so marcadas pela Central de Marcaes

    PReFeITURA de SeTe LAgOAS/dIVULgAO

  • 10 curioSidade Domingo em Casa 25 a 31 De maro De 2012

    esclarecer para erradicarA cada 15 minutos, um novo caso de hansenase detectado no Brasil, segundo a Fiocruz

    Por Irene CavaliereAgncia InVivo/Fundao

    Oswaldo Cruz

    Em muitos pases, a hanse-nase j foi erradicada. Porm, no Brasil, a cada 15 minutos, um novo caso de hansenase detectado, segundo dados de 2009 do Ministrio da Sade. Provavelmente, voc j ouviu cobras e lagartos sobre a han-senase - ou lepra -, imaginou pessoas deformadas, e achou que melhor mesmo seria ficar bem longe de algum doente, para no correr o risco de pegar tambm.

    Antigamente, no havia cura para hansenase, e quem adoe-cia ficava condenado excluso e aos estigmas fsicos e morais da doena. Mas desde seus pri-meiros registros, no sculo 6 a.C., at hoje, a cincia avan-ou, e a cura da hansenase foi uma das conquistas da medici-na. Apesar disso, muitos mitos e preconceitos ainda confundem o conhecimento dos cidados o que prejudica tanto a preven-o quanto o tratamento.

    Por desconhecerem os sin-tomas, por no saberem como feita a terapia, por vergonha ou medo de sofrerem preconceito, as pessoas deixam de procurar ajuda. Assim, alm de sofrerem complicaes mais srias, os doentes continuam transmitin-do a doena. O tratamento da hansenase demorado, mas gratuito e certeiro. Se a pessoa se cuidar, vai ficar curada e no precisa se isolar: pouco depois que comea a terapia, a trans-misso interrompida.

    Alm disso, mesmo no existindo uma vacina especfi-ca para a hansenase, a vacina BCG, contra tuberculose, ajuda na preveno, pois os agentes causadores dessas doenas so bem parecidos. Assim, os con-tatos prximos de algum que contraiu hansenase devem pro-curar o posto de atendimento, para serem examinados e, caso no apresentem nenhum sinto-ma, receberem a vacina como preveno.

    Quanto antes o tratamento for iniciado, melhor pra todo mundo!

    O que a hansenase?A hansenase realmente

    uma doena grave, que afeta a pele e os nervos, e, se no trata-da, pode provocar srias seque-las. Ela causada por um bacilo do gnero das micobactrias

    chamadoMycobacterium leprae, que vive e se reproduz no inte-rior das clulas cutneas e dos nervos perifricos (aqueles que no esto no crnio nem na co-luna vertebral).

    O comprometimento desses nervos a caracterstica princi-pal da doena, podendo provocar incapacidades fsicas que evo-luem para deformidades, caso a pessoa no seja tratada. As prin-cipais manifestaes de hansen-ase so: formigamento, fisgadas ou dormncia nas extremidades; manchas brancas, avermelhadas ou acobreadas, com perda de sensibilidade ao calor, frio, dor e tato; reas da pele aparentemen-te normais, mas que tm altera-es de sensibilidade e de suor; caroos e placas em qualquer lu-gar do corpo; diminuio da fora muscular.

    ContgioMas voc sabia que, apesar

    de ser uma doena contagiosa, apenas 10% das pessoas que entram em contato com o bacilo

    MINIStRIO DA SADE/DIVULGAO

    era estigmatizada, enfim, havia um preconceito muito grande em torno da doena.

    Os avanos das pesquisas mostraram que essas medidas eram ineficazes. Atualmen-te, o tratamento feito com a poliquimioterapia (PQt), uma associao de medicamentos padronizada pela Organizao Mundial da Sade (OMS) que mata o bacilo e leva cura. Esse tratamento oferecido gratuitamente em todas as uni-dades de sade.

    J a terapia provou ser efi-caz. De 1990, quando a PQt foi introduzida, at 2008, a taxa de prevalncia da hansenase (nmero de casos por 10 mil ha-bitantes) no Brasil caiu de 19,5 para 2,06. Est prxima da meta estabelecida pela OMS para a erradicao da doena, que de 1 caso para 10 mil habitantes.

    Porm, se considerarmos estatsticas regionais, ainda h locais onde os nmeros preocu-pam, como em Mato Grosso, que em 2008 registrou uma taxa de prevalncia de 8,76 (dados do DataSus). Em 2009, 37.610 no-vos casos foram registrados no Brasil, a maior taxa de toda a Amrica. Alguns do outros pa-ses que ainda sofrem com a han-senase so Angola, ndia, China, Congo, Madagascar, Moambi-que, Nepal, tanznia e Repblica da frica Central.

    a Doena em MiNaS geraiS

    Minas Gerais teve uma reduo de 7,32% do nmero de casos de hansenase de 2010 para 2011, segundo balano divulgado pelo Ministrio da Sade. De acordo com a Coordenadoria Estadual de Dermatologia Sani-tria da Secretaria de Estado de Sade, a queda se deve s melhorias na rea social, nesta ltima dcada, como o acesso s redes de gua e esgoto, e tambm do diagnstico precoce e tratamento. Em 2010, houve 1.572 casos notificados, dos quais51 foram em menores de 15 anos.

    adoecem? O M. leprae consi-derado um bacilo de alta infec-tividade e baixa patogenicidade isto , infecta muitas pessoas, mas poucas adoecem. A evolu-o depende do sistema imuno-lgico de cada um e, apesar de no ser uma doena hereditria, fatores genticos determinam se um indivduo resistente ou sus-cetvel doena.

    Alm das caractersticas indi-viduais, outros fatores relaciona-dos ao nvel de endemia e condi-es socioeconmicas, de vida, de sade e um nmero elevado de pessoas convivendo em um mes-mo ambiente influenciam no risco de contgio, porque transmisso se d atravs de secrees nasais, gotculas da fala, tosse, espirro, enfim, por meio do aparelho respi-ratrio superior.

    O tempo de incubao ou seja, o tempo que demora para a pessoa comear a apresentar os sintomas longo, variando de trs a sete anos, e o tratamento precoce a principal arma no combate doena, pois alm de

    Manchas na pele fazem parte dos sintomas da doena, dizem especilistas

    evitar complicaes mais srias, a pessoa em tratamento j no mais transmissora. A nica ma-neira de se transmitir a doena de pessoa para pessoa, embo-ra alguns animais tenham sido identificados como naturalmen-te infectados, como o tatu.

    Diagnstico e tratamentoS mesmo um mdico

    pode fazer o diagnstico de qualquer doena e indicar o tratamento, mas se a pessoa comea a apresentar qualquer alterao de sensibilidade na pele, deve-se desconfiar de hansenase. Para ter certeza, o mdico precisa conversar com o paciente sobre seu histrico de sade, fazer uma avaliao dermatolgica e neurolgica, excluir possibilidades de ou-tras doenas e fazer um exame laboratorial pra identificar a presena do bacilo.

    A hansenase tem cura. An-tigamente, os doentes eram iso-lados, tinham suas casas e seus pertences queimados, a famlia

  • PEDRO PAULO FIGUEIREDO/CARtA Z NOtCIAS

    Carol Castro, a Jacira de "Amor, eterno Amor", da globo

    Carol Castro vive personagem simples e brejeira em "Amor, Eterno Amor", na ilha de MarajPor Daphne Nery

    tV Press Algumas atrizes se des-

    tacam interpretando vils, outras colecionam papis de mocinhas ao longo da carrei-ra. o caso de Carol Castro, que desde Mulheres Apai-xonadas, de Manoel Carlos, raramente atuou como vil. Ao viver a sedutora Graci-nha, Carol era muito abor-dada pelo pblico feminino. Elas diziam 'tenho muita raiva de voc, briguei com meu namorado por sua cau-sa', diverte-se. A atriz agora vive a doce Jacira em Amor, Eterno Amor, de Elizabeth Jhin. Pesquisei o significado do nome dela e descobri que 'inseto que faz mel',ou seja,

    uma abelhinha, conta. a segunda vez que Ca-

    rol trabalha em uma trama da autora. Em 2010, ela partici-pou de Escrito nas Estrelas, como Mariana. Foi um marco na minha vida porque foi a mi-nha primeira boazinha, derre-te-se. No novo trabalho, a atriz interpreta uma artes marajo-ara, que faz bolsas de couro ecolgico. Jacira casada com tobias, personagem de Heron Cordeiro. Ela muito devota-da ao marido. Acho que algu-ma coisa vai mudar mais pra frente, porque eles so muito felizes, tm uma vida perfei-ta, adianta. Assim como sua personagem, Carol tem jeito com atividades manuais. Mi-nha me me ensinou o bsico. Sei pregar um boto, passar

    uma linha. Quando era peque-na, eu pintava conchinhas, fa-zia chaveirinhos, lembra.

    Para viver a artes de Ma-raj, a atriz tambm viajou com parte do elenco para o Par. Me chamou ateno poder mostrar um pouco des-se universo da ilha de Maraj. um lugar to rico, incrvel e forte. uma cultura distante, parece parada no tempo, de-clara Carol, que foi a primeira da equipe a querer montar nos bfalos da ilha. Dizem que eu sou a radical da galera, mas eu tinha muita curiosidade por-que nunca tinha visto aquele animal. Mas eles so to d-ceis, conta.

    no modo de vestir que Carol encontra suas diferen-as com a personagem. No fi-

    gurino de Jacira, predominam roupas simples, cores cruas, acessrios de sementes e san-dlias rasteiras. Ela meio brejeira, diferente das amigas Gracinha e Valria, mais espa-lhafatosas, revela, referindo--se s personagens de Danie-la Fontan e Andria Horta. A atriz teve sua fase mais sim-ples, mas comeou a prestar ateno em moda e a ser mais vaidosa. tenho que ser, n? Estou ficando mais mulher, analisa.

    Maturidade bem-vindaPrestes a completar dez

    anos na Globo, Carol tem certe-za de ter escolhido a profisso certa. Filha do ator e diretor Lucca de Castro, ela cresceu nas coxias e comeou a fazer

    teatro aos 9 anos. A atriz at tentou seguir um caminho di-ferente do pai. tentei uma fa-culdade de Jornalismo. Mas j no primeiro perodo eu pensei 'no nada disso', relembra.

    Alm de sua primeira d-cada na emissora, Carol co-memora a chegada da matu-ridade. Aos 28 anos, a atriz acredita que a idade a ajudou a tomar decises, principal-mente no trabalho. Acho que aquela ansiedade juvenil est diminuindo. E quanto mais calma voc estiver para fazer uma escolha, melhor, ana-lisa Carol, que garante que a proximidade dos 30 anos no a assusta. Dizem que a vida comea aos 30, n? Estou che-gando perto. Por enquanto, es-tou s ensaiando, brinca.

    - Carol estava afastada da televiso desde outubro de 2011. O ltimo trabalho da atriz foi na novela Morde & Assopra, de Walcyr Carrasco, como a cozinheira Natlia.

    - Para cuidar do corpo, elavevita a academia. A atriz, que j praticou bal e ginstica olmpica na adolescncia, pretende voltar a praticar um de seus esportes favoritos, o surfe. Quero voltar a pegar onda, tem feito dias lindos, planeja.

    - F de Charlie Chaplin, Carol est lendo uma das biografias do ator. Acho a histria dele interessante. Vale a pena conhecer, resume.

    - Durante as gravaes de Amor, Eterno Amor, no Par, Carol e a equipe presenciaram um evento raro, mesmo para os nativos, o nascimento de tartarugas marinhas. A atriz se encantou com o momento. Foi o contato mais forte que tive com a natureza de l. Esses dias foram muito importantes para compor a personagem.

    instantneas

    Bela, mas um tipo faceiro

    11eNTreTeNiMeNTo Domingo em Casa 7 a 13 De agosto De 2011NoVeLa daS 6 Domingo em Casa 25 a 31 De maro De 2012

  • 12 cuLiNria Domingo em Casa 25 a 31 De maro De 2012

    amigos do Facebook

    "Gosto do jornal Domingo em Casa porque atravs dele eu estou sempre por dentro das melhores baladas de Sete Lagoas"

    "Porque eu curto o Domingo em Casa? Isso bem simples, pois sem este jornal o meu domingo no domingo"

    Para participar da pgina amigos do Facebook, basta enviar sua foto com a resposta para a pergunta "Por que eu curto o Domingo em Casa?" para o email curteai@domingoemcasa.com.br. Esperamos voc!

    o prato mais badalado da TV brasileira

    Frango ao curry

    1 peito de frango cortado em cubos1 cebola picadinhaAzeite a gostoCurry a gosto2 colheres (sopa) de creme de leite Sal a gosto

    ingredientesModo de preparo

    Receita divulgada nesta semana pelo programa "Dia a Dia", da BandREPRODUO

    Em uma panela coloque um pouco de azeite e refogue a cebola. Em seguida acrescente o frango e deixe dourar mais um pouco. Coloque o Curry e cozinhe por mais 5 minutos. Em seguida adicione o creme de leite, corrija o sal e sirva com um delicioso arroz branco e batatas palhas.

    Toalha Felpuda

    Massa:4 ovos2 copos de acar (copo medida de requeijo),2 copos e meio de farinha de trigo,8 colheres de sopa de leite,1 colher de sopa de fermento em p,1 pitada de sal.

    Recheio:1 coco ralado,1 lata de leite condensado,1 colher de amido de milho,2 medidas (da lata de leite condensado) de leite,1 pitada de sal,1 ovo, o restante do leite para molhar o bolo

    ingredientes Modo de preparo

    Receita divulgada pelo programa "Mais Voc", da Rede GloboREPRODUO tV/DIVULGAO

    Massa: Bata as claras na batedeira com a pitada de sal, quando estiver no ponto de neve, acrescente as gemas uma a uma. Coloque o acar e bata. Depois a Farinha de trigo, as 8 colheres de leite e por ltimo, o fermento, sempre batendo.Coloque em uma forma untada e leve ao forno mdio.

    Recheio: Bata no liquidificador todos os ingredientes com um pouco de coco ralado, depois coloque na panela e leve ao fogo at formar um mingau.

    Montagem: Corte o bolo em pedaos , como biscoito champanhe. Coloque em um pote ou marinex, altere bolo, leite, creme e por ltimo, o restante do coco ralado.

    OBS.: A receita necessita de 1 caixa de leite integral que ser dividida entre a massa (8 colheres), o recheio (2 medidas da lata de leite condensado) e para molhar o bolo ( o que sobrou da caixa).

    aLiCe gonaLVesaLiCe gonaLVes deNio Moreira

    DIV

    ULG

    AO

    DIV

    ULG

    AO

  • 15eNTreTeNiMeNTo Domingo em Casa 7 a 13 De agosto De 2011 13eNTreTeNiMeNTo/HorScoPo Domingo em Casa 25 a 31 De maro De 2012

    A esposa chega em casa e encon-tra o marido com um mata moscas na mo. ela pergunta ento:

    - Querido, o que voc est fa-zendo ?

    ele responde:- Voc no est vendo, estou ma-

    tando moscas?- E quantas voc j matou?- Matei 3 machos e 2 fmeas!- e como voc sabe quais so os

    machos e as fmeas?- que 3 estavam na garrafa da

    cerveja e duas estavam no telefone.

    Horscopo

    Z ToNHo & ToNHo Z por dukeMoScaS

    cruzadas diretas

    Graas s suas experincias do passado, saber tra-zer sua vida afetiva a estabilidade que tanto procu-ra. ter toda a fora e energia para recomear uma nova etapa na sua vida. Os casais que se encontram em fase de desgaste podero super-las atravs do dilogo e bom entendimento.

    gmeos21/5 a 20/6

    Descobrir o amor um momento de felicidade, mas no descuide de todo o resto. Sentir um forte desejo de viver momentos intensos com o seu parceiro. Dedique toda a ateno e surpreenda-o com pequenas coisas no dia-a-dia. Se est s, tenha em ateno a forma libertina como age cotidianamente.

    cner21/6 a 217

    Para que possa colher os frutos no futuro, procure demonstrar uma maior serenidade e controle nos mo-mentos mais importantes da semana. Dever esperar melhores dias para tomar decises importantes no rela-cionamento. Se estiver no incio de uma relao e esta no decorre como deseja, melhor terminar.

    ries21/3 a 20/4

    No exalte a sua atividade profissional. Procure um maior convvio com as pessoas que ama. Encare a sua vida amorosa de uma forma mais otimista, j que existem boas perspectivas para o desenrolar dela nesta semana. No se condicione, disponha-se a amar, a abrir o corao.

    Touro21/4 a 20/5

    A sua situao financeira permitir compartilhar alguns bons momentos com os amigos mais prximos. O entu-siasmo reina no seu cotidiano. A sua mente est voltada para o futuro de forma muito aberta e positiva. Os novos encontros podem trazer algum que revolucionar o seu dia-a-dia, dando uma nova cor e alegria.

    Leo22/7 a 22/8

    A boa reputao profissional poder lev-lo a obter ex-celentes propostas que devem ser analisadas. Os casais em fase de desgaste podem viver reconciliaes arden-tes e fogosas e, de alguma forma, conseguir tambm dilogos positivos para a construo de uma vida a dois. Quem sabe no surge um projeto de maternidade?

    Virgem23/8 a 23/9

    Ser necessrio criar novas amizades para conse-guir encontrar algum equilbrio. Pare de ser pes-simista e encare a sua relao um pouco tambm pelo lado aventureiro. traga entusiasmo e anima-o aos momentos que passa a ss com o seu par-ceiro. As pequenas atenes e surpresas podem fazer a diferena. Surpreenda-o.

    Libra23/9 a 23/10

    A vida afetiva ser marcada por momentos calmos, serenos e harmoniosos. No crie falsas esperanas com algum novo conhecido, nem estrague a opor-tunidade de ter uma boa amizade. No confunda os sentimentos. Vai sentir necessidade de ter atividades culturais, sem isso, no se sentir feliz. Partilhe esses momentos com o seu parceiro.

    escorpio23/10 a 21/11

    Os sagitarianos esto com tendncia ao refgio em sua concha, porm, isso no to negativo quanto parece. As expectativas podero sair frustradas em relao alguma pessoa que conheceu recentemente. Dedique seu tempo e carinho aos seus amigos, saia e divirta-se ao mximo na companhia deles.

    Sagitrio22/11 a 21/12

    Algumas propostas familiares podero interferir com os seus projetos profissionais. Projetos familiares podem se concretizar de forma inesperada. Os solteiros devem ficar atentos, uma vez que esta uma boa semana para novos encontros, que podem lev-lo a tomar um rumo diferente em sua vida sentimental.

    capricrnio22/12 a 20/1

    Lucidez e diplomacia podero ajud-lo a realizar novos projetos profissionais. tima semana para delinear novos projetos que lhe permitam renovar a sua vida amorosa. Evite magoar o seu cnjuge com discusses sem fundamento e procure ser mais re-ceptivo aos comentrios que lhe faam.

    aqurio21/1 a 19/2

    fundamental manter a serenidade e ser mais reflexivo antes de tomar decises. Alguns conflitos podem surgir no seio familiar, mas no ser nada que no possa se resolver com o dilogo e alguma compreenso. Se pre-tende iniciar um novo relacionamento, observe se tudo est claro da parte do seu novo parceiro.

    Peixes20/2 a 20/3

    Fonte: www.portalangels.com

    PALAVRAS CRUZADAS DIRETAS

    Soluo

    www.coquetel.com.br Revistas COQUETEL 2012

    BANCO 63

    SI

    M

    I

    VACINASABIN

    BOCADESIRI

    ACELERADAS

    M

    E

    DOAREUT

    OCRINADE

    DDIDILUIR

    EDIODOOI

    CAIRSAUNO

    LEADDRAP

    EIDEAAU

    J

    A

    LECOLAMB

    U

    I

    ANDREUL

    ALMITOCOI

    IESLUAC

    PAULOCOELHO

    P

    Prevenocontra apolio-mielite

    Pedido desigilo so-bre algo(interj.)

    Condiodas part-culas nocclotron

    Fruto ci-do usadoem com-

    potas

    "A (?) doGelo",

    filme de animao

    (?)Peixoto,reprterda Globo

    Pelousado noarco deviolinos

    Misturarcom gua

    (?) emis-sor de

    luz: o LED

    Que nopode serdividido

    Deusgrego do

    vinho(Mit.)

    Pargrafoinicial denotciasde jornal

    Doutora(abrev.)

    Gesto de mauhumor

    Vesteusada

    em labo-ratrios

    O maisnobre dos

    metais(smbolo)

    Hiato de"cuca"(Gram.)

    Substnciaque corri-ge soloscidos

    Organizaas Olim-padas(sigla)

    Significa"certo" nacorreoda prova

    A ele pertence opromotor de justiaCo cinquento deMaurcio de Sousa

    Busca dequem faz

    ioga

    Parte do frango a-preciadaem chur-rascos

    (?) fuma-a, ato dofumanteColados

    Gelo, emingls

    Frutotropical

    Dia em que se acen-de o crio pascal

    Combus-tvel daindstriada segu-

    rana

    (?) fora: ir embora

    Serviode opera-doras te-lefnicas

    (sigla)

    SaudaojuvenilPlebe;

    populacho

    (?) Gide,escritorLucy (?),

    atriz

    Celine (?),cantora

    Nome daletra D

    Ideia, emingls

    Camelo,em ingls

    A menorflexoverbal

    Cordeiro, em inglsUtenslio para

    esticar a massade pastel

    O satliteda Terra

    Estouciente

    Gomo comestveldo caule de certas

    palmeirasAutor de"O Aleph" (Lit.)

    L U A

    3/ice liu. 4/idea lamb lead. 5/camel cidra diodo. 7/palmito.

  • 14 NoVeLaS Domingo em Casa 25 a 31 De maro De 2012

    resumo de novelasco

    ra

    es F

    erid

    os

    (sBt

    2

    0h3

    0) Heloisa diz a Vera que quer reconquistar o amor de Amanda. Roni diz a Aline que Olavo vai contratar um detetive para investigar a morte de Dr. Nicholas. Mila conta a Olavo e Amanda que Eduardo abriu uma conta no nome dela. Edu-ardo conta a Glauco que abriu uma conta em nome de Amanda. Amanda entra no quarto de Glauco e d de cara com Eduardo. Amanda diz que no pode voltar a viver com Eduardo.

    Eduardo afirma a Amanda que ela nunca mais vai v-lo. No bar do hotel, Heloisa e Eduar-do conversam sobre Amanda, que senta numa mesa ao lado de Glauco. Amanda v Eduardo e Heloisa sentados na mesma mesa. Amanda per-gunta o nome da mulher que est com Eduardo. Glauco diz que Heloisa. Amanda diz que sente mal-estar s de ouvir esse nome. Amanda revela a Bianca que est grvida.

    Amanda pede segredo a Bianca. Aline vai ao banco Varela e descobre que esto fazen-do auditoria. Ela pergunta secretria quem o auditor responsvel. Aline, Flvio e Nabal conversam sobre fraude na auditoria do banco. Eduardo reconhece que ultrapassou os limites com Amanda, mas mesmo assim a quer ao seu lado. Em conversa com Olavo, Vera diz que duvi-da que Aline aceite se divorciar de Vitor.

    Maria fala a Janaina que vai a So Paulo trabalhar com Amanda. No dia seguinte, Maria recebe ligao de Amanda convidando-a para trabalhar em So Paulo. Eduardo pega o tele-fone da mo de Maria e fala que ama Amanda. Amanda confessa a Bianca que ainda ama Edu-ardo. Camila conta a Flvio que Dinho disse que ele sequestrou Aline. Regina aconselha Eduardo a no desistir de reconquistar Amanda.

    Vitor pede uma chance a Amanda. Flvio convence Camila de que Dinho inventou uma mentira. Olavo afirma a Aline que vai coloc-la na cadeia. Vitor revela a Amanda que vai esperar por ela o tempo que for preciso. Aline conta a Olavo que Vera lhe ofereceu dinheiro para sair de casa. Ao chegar empresa, Amanda v Eduardo. Ele diz a Amanda que precisa transportar uma carga de caf.

    Segunda tera Quarta Quinta Sexta Sbado

    aque

    le B

    eijo

    (g

    lobo

    1

    9h15

    )

    Damiana conta a verdade para Locan-da e descobre, pelo DNA, que Agenor no filho de Felizardo. Locanda diz que o exame comprovou que a cunhada irm de Felizar-do. Graciosa conta que Belezinha voltou a na-morar Agenor e sugere que ntima denuncie a filha organizao do concurso. Iara invade o corpo de Otlia e a ajuda a sair do coma. Vicen-te mexe as pernas.

    Vicente conta para Claudia que Rubinho mentiu. Sarita se queixa da pro-ximidade de Alberto e Maruschka. Claudia confronta Rubinho. A pedido de Locanda, Raimundinha volta a trabalhar na casa de Felizardo e Rassa no se conforma. Otlia volta ao Lar. Lena se despede de Mirta, Ru-binho e Maruschka. Joselito e Amlia esto juntos quando Iara surge.

    Maruschka, Mirta e Rubinho se mudam para o apartamento de Ipanema. Raimundi-nha tenta descobrir quem o verdadeiro pai de Agenor. Grace Kelly faz uma proposta para Rubinho voltar a trabalhar na Comprare. Age-nor pede ao pai para ocupar a Shunel. Iara d fora para Joselito reabrir a tenda. Camila diz para Regina que pode conseguir uma bolsa para estudar confeitaria em Paris.

    At o fechamento desta edio, a emis-sora no havia divulgado o resumo deste captulo.

    At o fechamento desta edio, a emis-sora no havia divulgado o resumo deste captulo.

    At o fechamento desta edio, a emis-sora no havia divulgado o resumo deste captulo.

    Segunda tera Quarta Quinta Sexta Sbado

    rebe

    lde

    (rec

    ord

    20

    h30)

    Segunda - Miguel ampara Alice. Pedro explica a Leila que precisa sair do colgio porque sua me foi presa. Jorge diz a Pedro que h muita coisa que ele precisa saber. Ali-ce pede que Miguel guarde segredo sobre o poro. toms e Carla fazem as pazes. Vitria fica irritada ao ver toms e Carla juntos. Alice fala para Roberta que Franco tem informaes sobre a priso de Beth. Pedro pede para con-versar com Alice.

    Pedro pede desculpas a Alice por t-la tratado mal. Alice fica irritada por Pedro insi-nuar que Franco culpado. Raul afirma que precisa saber se Beth culpada pela fraude. Raul se mostra ressentido por Beth no ter lhe contado a verdade. Pedro fica incomodado ao ver Miguel e Alice conversando. Pedro pede a Jonas para ser liberado do colgio porque Beth ser solta da priso. Alice e Miguel se esbarram.

    Miguel interrompe o clima e entrega um livro a Alice. Alice surpreendida, mas gosta da indiferena de Miguel. Jorge vai at a casa de Eva atrs de Franco. Jorge conta para Eva que Beth foi presa e que teme que ela e Franco tenham se envolvido com pessoas perigosas. Carla comenta com os rebeldes que Pedro saiu de txi sozinho do colgio. Pe-dro vai ao encontro de Beth em casa e eles se abraam. Pedro avana em Franco.

    Pedro acusa Franco de ter fugido e deixado Beth ser presa. Jorge conta para Pedro que Franco est pagando as despesas da defesa de Beth. Alice diz a Roberta que ela e Pedro so muito diferentes. Beth fica preo-cupada ao saber que a audincia de Franco foi marcada. Beth diz a Jorge que ele precisa convencer Franco a confirmar a histria de Beth. Leila surpreende Binho no quarto de Pilar. Pedro beija Lucy.

    Pedro diz a Lucy que no deveria t-la beijado. Leila diz a Pilar que Jonas se preocupa com o namoro dela com Binho. Pedro fica sem reao ao ver Lucy e Alice juntas. Diego, Roberta, toms e Carla con-cordam em no falar para Alice sobre o bei-jo de Pedro e Lucy. Eva diz a Franco que ele precisa contar para Alice sobre a situao de Beth. Miguel e Lucy aparecem vestidos de vampiros.

    No h Exibio

    Segunda tera Quarta Quinta Sexta Sbado

    amor

    ete

    rno

    amor

    (glo

    bo

    18

    h15)

    Fernando fica irritado ao ver Carlos e Miriam juntos. Verbena analisa com Klber as alteraes para o novo testamento. Zilda suge-re que Gabriel converse com Gabi se quiser se relacionar com outra pessoa. Miriam apresen-ta Priscila a Carlos, e ela se interessa por ele. Verbena assiste com Carlos, Miriam, Priscila, Fernando, Uilha, Deolinda, Las e Marlene a um vdeo caseiro sobre o filho.

    Verbena leva Carlos ao antigo quarto. Ele se encanta ao ver um farol como o dos seus sonhos. Gabriel entrega o resultado do DNA a Verbena. Melissa se descontrola ao saber que Carlos mesmo Rodrigo. Verbe-na se inconforma quando Carlos diz que vai deixar a herana para Melissa. Mauro pega um documento sobre a ONG sem o consen-timento de Dimas.

    Carlos acalma o gato, deixando Melis-sa tranquila. Antnio se diverte com Carlos. Verbena se sente mal depois de discutir com Melissa. Pedro pega com tobias e Jacira al-gumas coisas para levar para Carlos.. Melissa tem uma crise de raiva ao pensar em sua irm. Verbena pede que o filho fale sobre Elisa. Mi-riam e Carlos fazem uma busca na internet e no reparam quando Verbena se sente mal.

    Verbena pede para tereza no chamar ningum para ficar com ela. Fernando diz noiva que quer apressar o casamento por cau-sa de Verbena. Gabriel tenta convencer sua paciente a se internar. Clara leva Rodrigo para ver a me. Verbena assina o novo testamento e implora que Rodrigo no deixe sua herana para Melissa. Clara avisa a Verbena que che-gou a sua hora e todos se emocionam.

    A vida de Verbena chega ao fim. Me-lissa comemora a notcia da morte de sua irm. Fernando critica Rodrigo e Miriam se chateia. Rodrigo afirma que vai descobrir quem o separou de seus pais. Laura comenta com Gil que no acredita que Dimas seja cruel como Melissa. Melissa, Dimas e Fernando se surpreendem quando Rodrigo diz que vai construtora.

    Fernando irnico ao falar com Miriam sobre a ida do primo empresa. tobias se desespera por no encontrar Gracinha no apartamento de Pedro. Miriam confidencia a Priscila que beijou Rodrigo.. Valria manda Josu embora. Gabriel repreende Clara por falar mal de Melissa. Rodrigo destratado por uma funcionria ao chegar construtora.

    Segunda tera Quarta Quinta Sexta Sbado

    Vida

    s em

    Jogo

    (r

    ecor

    d

    22h1

    5)

    Sbado

    O palhao aciona uma bomba de fumaa, que toma o labirinto. As pessoas fogem assustadas. Seguranas bloqueiam a entrada. Patrcia toma o celular de Lcia e tenta falar com Regina. Patrcia e Regina se encontram. A empresria afirma que continuar empenhada no plano para eli-minar os integrantes do bolo. A me de Miguel se irrita

    Regina se sente trada por Patrcia. A empresria tenta justificar os atos, mas a me de Miguel no se convence. Regina confessa que teve participao no assas-sinato de Andrea. Patrcia chora quando entra o promotor de Justia. Quando fica sozinha, Patrcia chora muito. Ele se nega a encontr-la e afirma que seu choro no passa de uma chantagem emocional.

    Wellington encontra Stella em um estado deplorvel. Ela assume que est se prostituindo para conseguir drogas e pede que ele troque por mais pedras de crack. Cle-ber tenta utilizar Marizete como escudo para se defender de Fabinho e preseguido. Carlos chega a uma barreira policial. Ele para o vecu-lo e Lucas obrigado a frear. O ex-motorista levado pelos policiais.

    Cleber parte para cima do personal stylist, que fecha os olhos e atira. Cleber cai morto, enquanto Fabinho e Marizete espal-mam as mos. Marizete liga para Francisco e conta que Cleber foi morto por Fabinho. A empresria vibra. Lucas continua afirman-do que Carlos vai matar todos. Por telefone, o presidirio Zeca diz a Rita que se ela for presa, ir mat-la.

    Rita tenta convencer Firmina de que ela no estava no cativeiro. Zeca diz a um colega de cela que Rita vai tir-lo da ca-deia. A danarina oferece dinheiro para a catadora de lixo, que no aceita nada. Rita percebe e pergunta se ela est gravando a conversa. O promotor pede que todos os seus homens fiquem atentos porque Rita descobriu tudo.

    No h exibio

    Segunda tera Quarta Quinta Sexta Sbado

    rei d

    avi

    (rec

    ord

    23

    h)

    Sbado

    No h exibio

    Mical pressiona Josias para saber que mulher entrou no quarto do rei. O servo diz que uma concubina. Bate-Seba tenta resis-tir, mas se rende ao beijo de Davi. Mical v que nenhuma das esposas e concubinas est com o rei. Allat se arruma, se alimenta e ganha rou-pas de Mical. Ela pede que a feiticeira a ajude a engravidar. O tempo passa. Bate-Seba diz me que est arrependida.

    No h exibio

    Davi acalma Bate-Seba e diz que vai proteger seu filho. Bate-Seba encontra Urias dormindo ao relento. Ela diz que se deitou com outro homem enquanto ele estava fora. Bate-Seba oferece uma pedra para que a mate. Ele a deixa no cho e diz para ela voltar para casa. Urias lembra que Mical tentou lhe dizer algo relacionado a Davi. Ele constata que foi ele quem se deitou com sua mulher.

    No h exibio No h exibio

    Segunda tera Quarta Quinta Sexta Sbado

    Mal

    ha

    o (g

    lobo

    1

    7h50

    )

    Fabiano repreende Maria e Kiko pela discusso. Nelson convence Beto a seguir as regras de Carmem. Gabriel sugere que Kiko e Maria sejam fotografados para a capa de uma revista para divulgar o seriado. Nelson ques-tiona Guido sobre Natlia. Fjo se preocupa ao saber que Moiss marcou muitos shows para os Pagodeiros dos Anjos. Gabriel se pre-ocupa com o estado de Cristal.

    Dbora diz a Laura que quer mos-trar a Fabiano sua habilidade como atriz. Gabriel tenta confortar Cristal. Natlia conta para Alexia que o estado de Cris-tal srio. Alexia sugere que as artess montem uma cooperativa. Beatriz fala para Gabriel que ele precisa contar namorada que tem cuidado de Cristal. Cristal chora ao pensar no beb.

    Cristal evita ser atendida pela mdica. Nelson se decepciona quando Natlia pede que ele leve seus filhos para sair com eles. Alexia reclama por Gabriel no falado sobre Cristal. Beto e Filipe no querem sair com Nelson e Natlia. Moiss manda Carcar vigiar jornalistas na coletiva. As mulheres da comunidade dos Anjos tumultuam a coletiva por causa da Kiko.

    Babi percebe o interesse de Maria em Beto e fica enciumada. Filipe avisa a Nelson que ele e o irmo no podero sair com ele e Natlia. Laura conta para Alexia sobre o contrato que fez para Fa-biano assinar. Maria e Kiko simulam um bom relacionamento diante dos jornalis-tas. Kiko comete gafes ao falar sobre seu personagem.

    Fabiano surpreendido pela publica-o de uma foto sua beijando Suzana. Babi discute com Beto depois de ver sua foto com Maria. Natlia recusa carona de Nelson. Fabiano tenta se explicar com Laura. Natlia fica atnita ao saber que os Pagodeiros dos Anjos faro a trilha sonora de kung fu. Laura e Fabiano so fotografados. Laura se enfurece ao ver sua foto no jornal com Fabiano.

    No h exibio

    Segunda tera Quarta Quinta Sexta Sbado

    Uma festa na sede do Divino celebra a final do campeonato. tufo pede Monalisa em casamento. Carminha entrega uma mo-chila para Gensio pegar dinheiro no banco. Rita ouve a madrasta instruir um cmplice sobre seu pai. Max reclama com Carminha de ter sido enganado. Gensio discute com a esposa e sai pela Avenida Brasil quando tufo o atropela.

    tufo tenta socorrer Gensio. Rita foge de casa com o dinheiro de seu pai. tufo vai embora antes que a ambulncia chegue para resgatar Gensio. Um policial chega casa de Gensio e Carminha e Max fogem. Max leva Rita para um depsito de lixo e a deixa com Nilo. tufo conhece Carminha e se penaliza com o seu falso estado de comoo pela mor-te de Gensio.

    Carminha tenta convencer Max a aceitar o seu golpe de casar com tufo. Monalisa e Muricy discutem na festa de co-memorao. tufo conta para a namorada sobre o encontro com Carminha. Ele deixa Monalisa sozinha para levar Carminha a uma churrascaria. Rita protege uma das crianas que moram com ela. Carminha finge estar fragilizada e beija tufo.

    Batata leva Rita para casa. tufo passa a noite com Carminha. tufo conta a Monalisa sobre Carminha e os dois brigam. Carminha fala para Max que est grvida e que vai dizer a tufo que o filho de Gensio. Carminha diz a tufo que vai cometer uma loucura e ele sai correndo de sua festa de noivado, no mo-mento em que Monalisa iria contar sobre sua gravidez. tufo acredita que salvou Carminha.

    Monalisa a Carminha que tufo atro-pelou Gensio. Rita cuida de Lucinda e depois sai para brincar com Batata. Monalisa passa mal na estrada e Iran a ajuda. Muricy d a chave de sua casa em Cabo Frio para Carmi-nha e avisa que o jogador ir ao seu encontro. Monalisa decide voltar para o Rio. Lucinda organiza uma festa para Rita e Batata. tufo chega a Cabo Frio e encontra Carminha.

    Monalisa consegue sobreviver ao acidente e salva Iran. Monalisa decide cui-dar de Iran durante a noite. Nilo fala mal de rita e expulso por Lucinda. Monalisa decide adotar Iran e voltar para a Paraba. Alexia e Cadinho se beijam. Monalisa se entristece ao ver a foto do ex-noivo. tufo leva Carminha para a festa de Rveillon na sede do Divino.

    aven

    ida

    Bras

    il(g

    lobo

    21

    h )

    Segunda tera Quarta Quinta Sexta Sbado

    Os resumos dos captulos de todas as novelas so de responsabilidade de cada emissora Os captulos que vo ao ar esto sujeitos a eventuais reedies.

  • 15eNTreTeNiMeNTo Domingo em Casa 7 a 13 De agosto De 2011agiTo cuLTuraL Domingo em Casa 25 a 31 De maro De 2012

    Jogos vorazesClassificao 12 anos O filme conta a histria de um futuro no muito distante, em que a Capital, anteriormente conhecida como a Amrica do Norte, dividida em 12 distritos que precisam pagar tributos de um forma brutal. Um casal de adolescentes forado a participar dos Jogos Vorazes, e precisar lutar at a morte, em transmisso ao vivo pela televiso. A trama centrada em Katniss, adolescente de 16 anos que vai para o reality show no lugar de sua irm Primrose, sorteada pelo distrito 12 para a 74 edio.Cineplex 3D 14h45 17h45 - 20h45 (LEG)Cineplex 1 14h30 17h30 20h30 (DUB)

    Pequenos EspiesClassificao Livre - Marisa Cortez casada com Wilbur, um reprter conhecido por desmascarar espies, e com ele tem um beb e duas crianas, Rebecca e Cecil. O que o marido no sabe que a esposa uma ex-espi, que decidiu largar a carreira para se dedicar famlia. Precisando lidar com os dois filhos maiores, que no querem a me por perto, Marisa forada a retornar antiga profisso quando surge timekeeper, um vilo com o poder de manipular o tempo.Cineplex 2 14h20 16h30 (DUB)

    Guerra GuerraClassificao 14 anos - Nesta comdia romntica de ao, dois amigos inseparveis (Pine e Hardy) se apaixonam pela mesma garota (Witherspoon) e acabam entrando em uma guerra cheia de ao para conquist-la. Como ambos so veteranos espies, a batalha pelo corao da garota toma grandes propores.Cineplex 4 14h 16h20 18h40 21h (LEG)

    Protegendo o InimigoClassificao Livre Cineplex 2 18h40 20h50 (LEG)

    cinema

    PreosCineplex Shopping Sete LagoasRua Otvio Campelo Ribeiro, 2801,EldoradoPreos: Segunda a quinta R$ 8(inteira) R$ 4 (meia)Tera maluca - R$ 5 (inteira) R$ 2,50 (meia)Sexta a Domingo/Feriado R$12 (inteira)R$ 6 (meia)Ingresso 3D Segunda a Quinta R$ 10 (inteira) R$ 5 (meia)Sexta a Doming/Feriado R$16 (inteira)R$ 8 (meia)

    domingo de rock'n roll

    Fora de eixo Este domingo dia de muito Rockn Roll no Opinio Pub com o evento Fora do Eixo. A casa contar com apresentao da banda sete-lagoana Charge Rock e, vindos de Gois, o grupo Black Drawing Chalks. A banda goiana participou em 2010 no festival SWU e ser uma das atraes do festival Lollapalooza. O evento est marcado para comear a partir das 21h. Os ingressos tem o preo de R$10. Quem estiver interessado em mais informaes deve entrar em contato com o Opinio Pub pelo telefone (31) 9725-0502.

    QUIM DRUMOND/ASCOM

    Os passos de Jesus Cristo sero relembrados em Sete Lagoas no prximo dia 3 de abril atravs da pea A Paixo de Cristo, encenada pela Companhia Cnica Providncia (grupo do bairro Montreal) e pela Oficina de teatro do Caic. A pea dirigida e coordenada por Alex Fabiano, sendo que os atores so talentos locais que, a cada ano, representam os personagens bblicos. Em 2011, mais de mil pessoas prestigiaram o espetculo. A apresentao acontecer a partir das 20h no anfiteatro do Centro Cultural Nh Quim Drummond o Casaro. A entrada para o evento gratuita.

    Paixo de cristo

    route 66

    Sbado Show

    arte Brasil O projeto Arte Brasil tem como objetivo a integrao da classe artstica, abrindo possibilidades para artistas amadores e profissionais de Sete Lagoas. Uma vez por ms o espao para apresentao destes artistas aberto, porm, na edio deste ms, que acontece na prxima segunda, dia 26, estar sendo comemorado o aniversrio de 10 anos do projeto. Para isso, foi montada uma grade com diversas intervenes teatrais e atraes musicais, como Eustquio Augusto e Luciana, Sulamita e Igor, Geraldo Oliveira, Rodrigo Ribeiro, Flavinho Soares, entre outros. As apresentaes ocorrem sempre na ltima segunda-feira do ms s 20h30, sendo que o palco a Casa da Cultura Francisco timteo Pereira que est na avenida Getlio Vargas, 91, na orla da Lagoa Paulino. A entrada custa R$3. Mais informaes pelo telefone (31) 9913-1786.

    J foi em algum dia do Route 66 Rock Festival? Se no, nem se preocupe, ainda viro muitos shows pela frente. Neste domingo, dia 25, as bandas que participaro sero Danger ina, Coronel 201 e trs Pessoas e um Monstro. Ainda sero mais seis edies do festival at a deciso, que dar um prmio de R$5.500. O festival est marcado para comear a partir das 19h e ser no prprio pub Route 66, que est localizado na rua Paulo Frontin, 581, no Centro. Interessados em mais informaes sobre o show devem entrar em contato pelo telefone (31) 8880-1869.

    Devido s fortes chuvas do ltimo dia 17 de maro, a mais nova atrao para as tardes de sbado, o Sbado Show, do shopping Sete Lagoas, foi cancelado. O evento acontecer no Ptio das guas, a partir das 17h, e ter entrada gratuita. Sero shows de samba, sertanejo, MPB, sendo que neste sbado, dia 24, os responsveis pela animao do evento foi o grupo de samba 1 dos 3, formado por Leo tafuri (vocal e percusso), Denlson Santos (voz e violo) e Diogo Nunes (vocal e percusso). No prximo sbado, dia 31 de maro, acontecer show do cantor Chico da Viola (sertanejo). O shopping est na rua Otvio Campelo Ribeiro, 2801, no Bairro Eldorado. Informaes: (31) 2106 3800

    BRENO DIAS - COMUNICACAO

    BLACK DRAWING DIVULGAO

    QUIN DRUMMOND/ASCOM

  • 16 eSPorTeS Domingo em Casa 25 a 31 De maro De 2012

    Um dia especial. O Atl-tico que completa neste do-mingo, 104 anos. tudo co-meou em 25 de maro de 1908, quando um grupo de estudantes se reuniu no co-reto do Parque Municipal, em Belo Horizonte e fun-daram o Athltico Mineiro Football Club. Somente em 25 de maro de 1913, passou a se chamar Clube Atltico Mineiro. O mascote Galo foi criado pelo cartu-nista Mangabeira, do Jornal Folha de Minas, em 1945. Na definio do prprio criador, o Galo Carij repre-senta raa e luta. Parabns a toda massa atleticana.

    MINEIROS NA COPA DO BRASILNesta semana, foram

    definidos os adversrios dos mineiros na segunda fase da Copa do Brasil. Amrica e Ipatinga jogam em casa no dia 4 de abril; o Coelho recebe o Gois, aqui em Sete Lagoas, enquanto o tigre joga contra o Gr-mio, no Vale do Ao. No dia 11 de abril, o Atltico en-cara o desconhecido Pena-rol, em Manaus. No mesmo dia, o Cruzeiro enfrenta a Chapecoense, em Chape-c, Santa Catarina. Assim como na fase anterior, quem vencer fora de casa por diferena de dois gols, garante a classificao an-tecipada e ainda elimina o jogo da volta. Em caso de classificao dos mineiros, teremos o clssico Amrica e Atltico. Cruzeiro pegar Cricima ou Atltico-PR e o Ipatinga jogar contra Nu-tico ou Fortaleza.

    CRUZEIRO E AMRICAParece que o tcnico

    Wagner Mancini gostou mesmo do esquema 4-3-3. Embora ainda no tenha confirmado a escalao do Cruzeiro, o treinador deve manter a mesma formao da vitria sobre a Calden-se, ou seja, trs atacantes para o clssico com o Am-rica, hoje, s 16h, na Arena

    do Jacar, pelo Campeona-to Mineiro. Wellington Pau-lista, Anselmo Ramon e Wa-lisson comandam o ataque. A Raposa s no poder ir com muita sede ao pote, pois o Coelho tem jogado-res rpidos e habilidosos como Kaio e Luciano que podem surpreender nos contra-ataques. Alis, esta uma das armas do tcnico Givanildo de Oliveira.

    A NOVA CBFtodos esto se pergun-

    tando: como ser a CBF, nessa sua nova fase ps--Ricardo teixeira? Quais as mudanas que implicar ao nosso futebolW Bem, pelo visto, a ditadura vai con-tinuar, pois o Jos Maria Marin parece ser da mesma laia do teixeira. J est pas-sando da hora de termos no comando da CBF, pessoas competentes, com um pas-sado digno para o cargo e que realmente conheam de futebol.

    VOC SABIA? Em tempos de campe-

    onatos estaduais rolando pelo Brasil, vale lembrar o grande feito do Cruzeiro nos final dos anos 60. Du-rante os Mineiros de 1967, 68, 69 e 70, o time coman-dado por tosto, Dirceu Lopes e companhia com-pletou 70 partidas invictas em Campeonatos Mineiros. Foram os 14 ltimos jogos do Campeonato de 67, mais as 22 partidas do Campeo-nato de 68, 30 do Campe-onato de 69 e as primeiras quatro partidas do Mineiro de 70. O fim da srie acon-teceu em julho de 1970, com a derrota para o Am-rica por 2 a 1, no Mineiro. tosto ficou fora desta par-tida porque estava servin-do Seleo Brasileira. Em 1971, o Amrica de Jair Bala e Pedro Omar foi campeo invicto do Campeonato Mi-neiro aps empatar com o Cruzeiro de Piazza e Pali-nha, por 1 a 1, no Mineiro.

    Dia do Galo

    Enio LimaNarrador esportivo

    governo de Minas lana o Portal da copatodas as informaes

    sobre os preparativos de Minas Gerais para a Copa das Confederaes de 2013 e a Copa do Mundo de 2014, podem ser encontradas agora no novo portal da Se-cretaria de Estado Extraor-dinria da Copa (Secopa). Segundo informaes do Governo do Estado, o site se destaca pela interativi-dade e transparncia ofere-cidas ao usurio.

    No endereo www.copa.mg.gov.br, j na pgina ini-cial pode-se encontrar um cronmetro em contagem regressiva para as duas copas. H tambm a possi-

    inscries para Jogos de MinasVai at o prximo dia 30

    de maro o prazo para os municpios do interior se inscreverem para o progra-ma Minas Olmpica Jogos de Minas, que substitui os Jogos do Interior de Minas (Jimi), que foi realizado at o ano passado pelo Governo do Estado. As cidades devem fazer o procedimento pelo Sistema Integrado de Gesto Esportiva (Sige), entrando no site www.jogosdeminas.esportes.mg.gov.br. J se ins-

    creveram para os jogos, at o momento, 100 municpios.

    As modalidades coleti-vas tambm j esto com as inscries abertas. A regu-larizao perante as federa-es esportivas do Estado indispensvel para a inscri-o, tanto de equipes quan-to de atletas.

    A Secretaria de Estado de Esportes e da Juventude (Seej) realizar no dia 27 de maro, nos Centros Voca-cionais tecnolgicos (CVts)

    de todo Estado, a primeira videoconferncia dos Jogos de Minas. O objetivo ofe-recer aos representantes de municpios e entidades, atletas, tcnicos e pblico, informaes sobre o formato dos jogos, j que este o pri-meiro ano em substituio aos Jogos do Interior de Mi-nas (Jimi). Para participar da conferncia, basta acessar o site www.inclusaodigital.mg.gov.br e localizar o CVt mais prximo.

    apoio aos patrocinadoresVisando dar uma maior vi-

    sibilidade s empresas que apoiam e patrocinam o Demo-crata Futebol Clube, os torce-dores, por meio da Associao Amigos do Democrata, lanaram uma campanha. Intitulada Eu apoio quem apoia o Democrata, a campanha foi criada, segundo o site da associao, a partir da ideia de que os democratenses valorizam e fixam a marca e os

    produtos das empresas que pa-trocinam o Jacar.

    Sero distribudos aos tor-cedores adesivos para veculos com a logo da campanha, alm da divulgao de textos sobre os parceiros do Democrata no site www.amigosdodemocrata.com.br. O lanamento oficial da campanha acontecer no prxi-mo dia 31 de maro, durante a Assemblia Geral da Associao

    Amigos do Democrata, que acon-tecer no Recanto do Jacar.

    Baile Vermelho e BrancoBuscando resgatar parte

    da histria do Democrata, a direo do clube anun-ciou que o Baile Vermelho e Branco de 2012 j est com data marcada. O evento, que

    voltou ao calendrio da ci-dade no ano passado, aps dcadas de esquecimento, acontecer no dia 16 de ju-nho, um sbado. A festa, que foi um verdadeiro sucesso

    em 2011, promete repetir a dose. O evento ser, tam-bm, uma comemorao pe-los 98 anos de fundao do Jacar, que sero completa-dos no dia 14 de junho.

    bilidade de criar um avatar prprio. O mineiro tambm teve o seu stio reformula-do, sendo que agora o por-tal est incorporado ao da Copa. Para acessar a pgina do estdio, onde voc en-contra informaes sobre o andamento e custo da refor-ma, histrico, fotos e vdeos, entre outras ferramentas, s entrar no endereo www.

    novomineirao.mg.gov.br.talvez um dos novos

    itens mais importantes seja o link transparncia, que aparece tanto no site do Mi-neiro como no das Copas, e que d aos internautas aces-so a todos os sites para fis-calizao dos gastos realiza-dos pelos governos federal, estadual e municipal. Outra novidade que vale ser lem-brada a Sala do turista, que ser til para os viajan-tes de primeira viagem ao estado e capital. L eles podem encontrar telefones teis, informaes tursti-cas, meios de transporte e contato de consulado.