Jornal domingo em casa 17 edio

Download Jornal domingo em casa 17 edio

Post on 29-Mar-2016

221 views

Category:

Documents

5 download

DESCRIPTION

Jornal domingo em casa 17 edio

TRANSCRIPT

  • ARTE NA CIDADE"Os patinhos feios", de trs artistas sete-lagoanos, j podem ser vistos nos pedalinhos da lagoa Paulino. Pg. 6

    DOMINGO EM CASA

    NA TRILHA DO PAIRmulo Arantes Neto est se destacando com as mudanas de seu personagem na Record. Pg. 15

    ANO 1 | EDIO 17 | 30 DE OUTUBRO A 5 DE NOVEMBRO DE 2011

    DISTRIBUIO GRATUITA NAS RESIDNCIAS. NAS BANCAS R$ 0,50

    DUKE

    Jovem empresrio de Sete Lagoas desenvolve programa inovador de entrevista de seleo profi ssional online Pg. 7

    DAQUI PARA O MUNDO

  • 2 oPinio Domingo em Casa 30 De De outubro a 5 De novembro De 2011

    Publicao do Consrcio Domingo em Casa CNPJ - 13.807.194/0001-83Rua Santa Catarina 1713-ABairro Boa Vista - Sete Lagoas-MG (31) 3026-1700CEP 35700-086Diretor executivo e comercial - Marclio MaranDiretor de redao/editor responsvel - Almerindo Camilo (2709/MG)Jornalista freelancer - Herivelton Moreira da CostaDiagramao - Antonio Dias e Wanderson fernando DiasTiragem - 10.000 exemplaresImpresso - O Tempo Servios grficos (Contagem-MG)Representante comercial BH - AC&S Mdia Ltda (31) 2551-7797Representante comercial Sete Lagoas - Agncia guia (31) 3775-1909Representante comercial SP, Rio e Braslia - Screanmedia (11) 3451-0012 e (11) 9141-2938

    OS ARTIGOS ASSINADOS NO EXPRESSAM NECESSARIAMENTEA OPINIO DESTE JORNAL.

    doMingo eM casa

    Ser que vamos engolir?Houve um momento em que

    o ex-presidente Lula, aps escn-dalos envolvendo sua equipe, afirmou que no sabia de nada. Ministros caram e outros se levan-taram. O povo brasileiro ouviu, e engoliu. Lula foi at o final do seu mandato, intocvel, exalando ino-cncia. Todavia, nossa presidente parece estar adotando uma medi-da diferente nesses casos. Demitiu Orlando Silva do PC do B e agora promete endurecer tambm com a fifa para a Copa do Mundo em 2014. Segundo ela, quer evitar que a fifa e a CBf transformem o mundial em palco particular. Ponto para nossa presidente.

    S para efeito de recordao, a fifa est envolvida em diversos escndalos que envolvem seus dirigente e ex-dirigentes, como desvio de verbas, subornos, apadrinhamentos entre outros absurdos que envolvem tambm o poder publico. uma ratoagem descoberta no muito recente, que envolve nomes ilustres e reconhecidos em todo planeta. Assim sendo, e vendo-se diante de um palco de abutres prepa-rados para dar o bote nossa au-toridade maior reage, e escolhe a espada ao invs da mordaa.

    Precisamos ficar atentos sobre as atitudes dos nossos dirigentes. fazer de conta que no sabia de nada sobre assessores, tentando

    enganar e manipular, a opinio pblica algo inaceitvel, no d para engolir. Dilma Russef, nossa presidente, est nos surpreenden-do. Ela mexe sem pudor em feridas profundas e vem dando a resposta que todos espervamos. No es-conde que est a par da situao. Enfrenta de frente os problemas e assume uma postura correta.

    O mesmo vale para Sete La-goas. Nosso prefeito deve estar atento ao primeiro sinal de incom-petncia, vaidade ou desvio de conduta dos servidores munici-pais. Apesar de estarmos atentos e prontos para denunciar, lembra-mos que o mau servidor sempre ir procurar contaminar os bons. Suas influncias so malvolas e quem paga a fatura pela sua estupidez, sempre o que comanda a adminis-trao. Nos bastidores de uma so-ciedade so comuns fofocas, falsos testemunhos, armaes provindas de contrrios e assim corre o barco. Se no ceifar a colheita no tempo hbil, o fruto apodrece e cai por si s, mas pode acertar sua cabea. Atitude certa no momento preciso a nica arma que o administra-dor tem para no se envolver nas trapaas e traies, to comuns na vida pblica. Quem pago para servir, com o dinheiro do povo, deve sempre se lembrar que so empregados do povo e ele deve satisfao permanentemente.

    Marclio Maranmaran@domingoemcasa.com.br

    duke

    Pleno emprego, qualificao insuficienteQuem, como eu, nasceu

    nos fim dos anos 50, incio dos 60 do sculo passado lembra-se, com tristeza, os tempos de profunda depres-so econmica como a que o Brasil enfrentou nos idos de 1982. A incerteza povoa-va coraes e mentes de jo-vens talentos que, esperan-osos, deixavam os bancos das escolas tcnicas e facul-dades de ento e se refletia nas interminveis filas por empregos que dobravam quarteires inteiros. Nessa poca de triste lembrana, era comum ver-se engenhei-ros, advogados e outros profissionais de nvel supe-rior engalfinhando-se por uma vaga de vendedor e at servente de pedreiro.

    Pais de famlia na casa dos 40 anos de idade sen-tiam-se permanentemente ameaados pela concorrn-cia da pujante juventude que disputavam uma colo-cao com um zagueiro vi-goroso costuma despachar a bola da rea passando por

    cima do adversrio.A despeito de respei-

    tvel e honrada, era dolo-roso ver pessoas com alta qualificao exercendo o trabalho de um vendedor de livros ou de um sorveteiro. Quantos no se viram obri-gados a vender livros ou empurrar carrinho de sor-vete ou pipoca para buscar a sobrevivncia da famlia, apesar do vistoso diploma de nvel superior dependu-rado na parede?

    por isto que no deixa de ser animador para quem vivenciou tais situaes ver o pas hoje na situao de quase pleno emprego. bvio que h problemas a resolver e eles no so poucos mas alvissareiro assistir a anncios no rdio e na TV, em horrio nobre, de empresas em busca de trabalhadores. E ver faixas e cartazes nas fachadas de empresas oferecendo tra-balho nos mais variados ramos da atividade econ-mica. Atualmente, os ve-

    lhos de 50, como eu, tm sua competncia disputada e colocao garantida no mercado de trabalho.

    Nosso desafio no mo-mento deixou de ser, por-tanto, emprego, mas qua-lificao. Que o digam os empresrios do comrcio e indstria. Muitos so os exemplos de empregadores contratando mo de obra sem experincia e pagan-do para que o profissional aprenda o ofcio. Essa tem sido a nica forma de no parar o trabalho.

    Aos poderes pblicos cabe, pois, dar ao setor pro-dutivo as condies de que necessita para intensificar a atividade e manter o n-vel de emprego e renda dos cidados. o que se espera de quem administra os re-cursos arrecadados com os inmeros tributos que to-dos recolhemos.

    S assim o Brasil conti-nuar crescendo e teremos um pas melhor para legar s geraes futuras.

    Almerindo Camiloalmerindo@domingoemcasa.com.br

  • 3cidade e regio Domingo em Casa 30 De De outubro a 5 De novembro De 2011

    sade ganha r$ 1 miA Prefeitura Municipal e o Gover-

    no do Estado vo destinar mais R$ 1 milho para reforar o caixa do Hos-pital Irmandade Nossa Senhora das Graas (HNSG). Os recursos sero utilizados na aquisio de equipa-mentos para atendimento do Siste-ma nico de Sade (SUS), conforme estabelece o convnio assinado na ltima segunda-feira (24 de outu-bro) pelo prefeito Mrio Mrcio Ma-roca (PSDB), o secretrio de Estado de Sade, Antnio Jorge Souza Mar-ques, e a diretora do HNSG, Patrcia Alves Costa.

    Na oportunidade, a diretora do estabelecimento de sade elogiou o trabalho da administrao munici-pal para o setor e comprometeu-se a trabalhar para ampliar e melhorar o pronto atendimento e o atendimen-to primrio oferecido pelo hospital aos usurios do SUS.

    H alguns anos, a Irmandade Nossa Senhora das Graas encon-

    Atendimento pelo SUS no Hospital N. Sra. Das Graas recebe mais verba pblica do Estado e Prefeitura

    trava-se numa situao precria, com baixas condies de atendi-mento para a populao de Sete Lagoas e regio. Atualmente, o hospital referncia no apenas em maternidade, mas tambm em Unidade de Tratamento Intensivo

    (UTI), disponibilizando 20 leitos para a comunidade. O atendimento de hemodilise foi ampliado e aten-de hoje 205 pessoas. Possui equi-pamentos de ltima gerao e sua maternidade a quinta maior de Minas Gerais. O HNSG atende ainda

    35 municpios da regio polarizada por Sete Lagoas.

    As demandas no setor de sade pblica, porm, tm um constante crescimento, o que exige investi-mento permanente e igualmente crescente para que possa manter a qualidade do atendimento. O prefei-to Maroca reiterou que a prioridade do seu governo sempre foi a sade, por se tratar de uma necessidade primria. Dentro de uma gesto, voc possui recursos limitados e, por causa disso, os gastos devem ser priorizados. Mesmo investindo sempre na sade, esta uma rea que requer sempre mais investimen-tos, da a importncia desse dinheiro que estamos arrecadando hoje para o Hospital Nossa Senhora das Gra-as, salientou o chefe do Executivo.

    Durante a solenidade de assina-tura do convnio dos recursos que beneficiaro o HNSG, o secretrio de Estado, Antnio Jorge Souza Mar-ques, disse que essencial adequar os hospitais ao Protocolo Manches-ter, que visa dinamizar e dar mais qualidade ao pronto-atendimento. No podemos deixar que aconteam imagens que tanto incomodam ao gestor pblico, que so os pacientes do SUS pelos corredores, salientou ele, ao destacar as aes destacadas pelo Governo do Estado para pr fim a este quadro. Segundo o secretrio, como contrapartida, o Governo de Minas vai disponibilizar uma diria de R$ 300 para cada leito dos 40 que o HNSG se comprometeu a operacio-nalizar em suas dependncias.

    A solenidade de assinatura do convnio reuniu autoridades po-lticas do municpio e lideranas comunitrias e do setor de sade da cidade.

    QUIN DRUMMOND/COMUNICAO/PREfEITURA DE SETE LAGOAS

    verba Maroca assina convnio observado pelo secretrio estadual da Sade

  • 4 PoLtica Domingo em Casa 30 De De outubro a 5 De novembro De 2011

    rPidas

    De batom vermelhoPr-candidata do PCdoB, Rosimar Gomes garante que vai disputar a cadeira de Maroca

    Rosimar Aparecida Go-mes, mais conhecida como Mazinha, a pr-

    -candidata do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) prefeitura de Sete Lagoas nas eleies de outubro do ano que vem . Professora da rede municipal de ensino e presidente do Sindicato dos Servidores Pblicos de Sete Lagoas (SINDSEL), Mazi-nha j foi candidata a vice-prefeita em 1992, pelo PT e tambm dispu-tou uma cadeira de vereadora em 2000, poca pelo PSB. Ela parti-cipa do grupo Mulheres na Poltica, fundado em abril deste ano, e que tem por objetivo resgatar os valores polticos das mulheres. A proposta do grupo reduzir a inrcia feminina neste cenrio poltico. O movimento garante que tem conquistado espa-o na sociedade e espera que, em 2012, a cidade conte com mais can-didatas Cmara Municipal.

    Como tem feito h algumas edi-es, o DOMINGO EM CASA abre

    espao para que a pr-candidata co-munista apresente suas propostas. Como aconteceu com os entrevista-dos anteriores, a candidata respon-de s mesmas perguntas feitas aos demais. O intuito do jornal com esta srie contribuir para a consolida-o da democracia e melhor infor-mar seus leitores.

    DOMINGO EM CASA Por que ser candidato a prefeito de Sete La-goas?

    Mazinha Vrios so os moti-vos, mas em suma, porque quero, de corao, que a minha cidade seja ainda mais prspera. Uma cidade desenvolvida, respeitada e valori-zada nos cenrios poltico e social. Quero ainda que Sete Lagoas seja melhor administrada, priorizando as polticas pblicas e sociais, o que, diga-se de passagem, no acontece h algum tempo.

    DC Em sua opinio, quais as

    principais necessidades hoje de nos-sa cidade?

    Mazinha Educao de quali-dade, moradia, saneamento bsico, sade, desenvolvimento social e sus-tentabilidade.

    DC Quais suas principais pro-postas e projetos para a cidade?

    Mazinha Investimento maci-o na sade, educao e principal-mente na Segurana Pblica, entre outras aes, como a melhoria do transporte coletivo, planejamento urbano e valorizao dos servidores pblicos.

    DC Que mudanas a senhora percebe no eleitorado?

    Mazinha O eleitorado tem per-cebido nos ltimos anos a necessi-dade de mudanas no quadro pol-tico de Sete Lagoas. Hoje a mulher conquistou um espao muito impor-tante que deve ser discutido e valo-rizado. A necessidade de mudana

    est estampada nos olhos de cada um, jovens, mulheres e idosos. E com este objetivo que me coloquei disposio dos eleitores para que tenham esta alternativa: a mudana da poltica de Sete Lagoas.

    DC Que estratgia pretende adotar com vistas eleio de 2012?

    Mazinha O debate. Somos a favor de discutir idias, propostas, dialogar com o eleitorado, sensibi-lizando sobre a necessidade de mu-danas, buscando apoio nos mais diversos segmentos da sociedade, (como) sindicatos, partidos polticos, associaes comunitrias e chegan-do mesmo bem perto do eleitor.

    ARQUIVO PESSOAL

    toQue feMinino A comunista Mazinha critica falta de polticas sociais na cidade

    doMingo eM casadoMingo eM casaeM casa

    GUA MAIS CARAO SAAE anunciou semana

    passada um reajuste de

    19,76% na conta de gua

    do morador sete-lagoano

    a partir do prximo ano. A

    autorizao para o aumen-

    to foi concedida pelo Con-

    selho Municipal de gua e

    Esgoto CMAE. O incidir

    nas contas que o consumi-

    dor receber com venci-

    mento para o ms de janei-

    ro de 2012. A tarifa mnima

    do SAAE passar a custar

    R$ 22,90.

    PLANTIO No prximo sbado acon-

    tece primeiro mutiro de

    plantio de mudas no Parque

    da Cascata, como forma de

    tentar recompor a vegeta-

    o local muito atingida

    pelos incndios do perodo

    de seca deste ano. O plantio

    uma ao da Adesa (Asso-

    ciao de Desenvolvimento

    Ambiental) e visa exata-

    mente minimizar os efeitos

    dos incndios florestais que

    devastaram o Parque. Os

    interessados devem entrar

    em contato atravs do e-

    -mail nossoparque@gmail.

    com ou pelo telefone (31)

    9862-8402. O mutiro est

    previsto para iniciar s 8h

    do dia 5 de novembro.

    QUINTAS DA VARGINHAAtendendo requerimento

    do vereador Marcelo Coo-

    perseltta (PMN), a Cmara

    Municipal realizou, no dia

    21 de outubro, audincia

    pblica para debater a in-

    fraestrutura do bairro Quin-

    tas da Varginha, buscando

    melhorias para as reas de

    sade, transporte coletivo,

    saneamento bsico, segu-

    rana pblica e educao,

    dentre outros. Alm do

    requerente, participaram

    do debate os vereadores

    Toninho Rogrio (PMDB)

    e Renato Gomes (PV) e re-

    presentantes do bairro.

    Tambm estavam presentes

    o tcnico da Secretaria de

    Planejamento, Oramen-

    to e Gesto, Elton Dutra, o

    funcionrio do Servio Au-

    tnomo de gua e Esgoto

    (SAAE), Maiston Antnio e

    o Tenente Nascimento, do

    25 Batalho da PM.

  • 5cidade e regio Domingo em Casa 30 De De outubro a 5 De novembro De 2011

    QUADRA ESPORTIVAOs mais de 1.400 alunos da Escola

    Estadual Edite furst, em Sete Lago-

    as, ganharam uma quadra coberta

    da escola, com um investimento de

    R$ 264 mil. A escola tem equipes

    de futsal, voleibol e handball, e a

    quadra utilizada para os treinos

    dessas equipes e para as aulas de

    educao fsica. Alm disso, o es-

    pao tambm utilizado pela co-

    munidade escolar. Outra escola que

    recebeu uma quadra foi a Escola

    Estadual Jos Evangelista frana.

    Alm da quadra coberta, o prdio

    escolar, que acaba de comemorar

    55 anos, passou por uma reforma

    geral. foram construdas rampas

    de acessibilidade, as paredes pin-

    tadas, os pisos e os banheiros refor-

    mados, entre outros. foram investi-

    dos R$ 538 mil na obra.

    CASA DO CONTRIBUINTEPara garantir ao contribuinte o pa-

    gamento dos seus impostos, sem

    cobrana de taxas adicionais e ain-

    da proporcionar maior comodida-

    de, a Secretaria da fazenda, Casa

    do Contribuinte, Tesouraria e Con-

    tabilidade funcionaro normalmen-

    te nesta segunda, dia 31 de outubro,

    das 8h s 17h. Os demais setores

    da Prefeitura Municipal, em razo

    do feriado do Dia do Servidor e

    finados, tero suas atividades nor-

    malizadas a partir de quinta, com

    exceo dos servios essenciais que

    atendero normalmente.

    JUVENTUDE 1Encerra-se hoje, no municpio

    de Arax, no Alto Paranaba, a

    2 Conferncia Estadual de Pol-

    ticas Pblicas de Juventude, que

    acontece desde a ltima sexta-

    -feira (28), no Grande Hotel. A

    conferncia rene aproximada-

    mente 550 delegados, vindos

    de todo o Estado, sendo 43 mu-

    nicpios da regio Central, 26 do

    Vale do Rio Doce; 27 do Norte de

    Minas, 24 do Sul, 18 da Zona da

    Mata, 14 do Jequitinhonha e Mu-

    curi, seis do Centro-oeste, trs

    do Alto Paranaba, dois do Noro-

    este e dois do Tringulo.

    JUVENTUDE 2Durante a conferncia foram tra-

    balhados dez eixos temticos:

    formao profissional; educa-

    o; sexualidade; poltica so-

    bre drogas; segurana pblica;

    habitao; cultura e conexo;

    conviver com o diferente; direi-

    to de se associar e mobilizao

    social; e dilogo com o governo.

    A partir do debatido, ser apro-

    vado documento contendo as 80

    propostas para aprimoramento

    do Plano Nacional da Juventude,

    que ser encaminhado confe-

    rncia nacional, a ser realizada

    entre 9 e 12 de dezembro, em

    Braslia, pelos 100 delegados

    eleitos. Tambm sero desta-

    cadas 20 proposies, que con-

    tribuiro com a agenda de pol-

    ticas pblicas de juventude de

    Minas Gerais.

    AFTOSAA segunda etapa da Campanha

    Nacional de Vacinao contra

    febre Aftosa em Minas Gerais

    comea na prxima tera-feira

    (1) e vai at o dia 30 de no-

    vembro. A meta igualar ou

    superar o ndice alcanado no

    mesmo perodo de 2010, que

    foi de 97,5%. A expectativa

    do Governo de Minas de que

    aproximadamente 10 milhes

    de bovinos e bubalinos (40%

    do rebanho do estado, que

    de 23,4 milhes cabeas), en-

    tre 0 e 24 meses, sejam imuni-

    zados contra a doena.

    CNCER DE MAMAO Centro Viva Vida, da Secreta-

    ria Municipal de Sade, promo-

    veu na ltima quinta-feira uma

    caminhada rosa para marcar

    a luta mundial contra o Cncer

    de Mama. A iniciativa objetivou

    chamar a ateno das mulheres

    sobre a importncia da realiza-

    o da mamografia peridica

    para a preveno da doena.

    rPidas

    Os 100 estudantes aprovados para os cursos de letras-ingls e letras-portugus, para a moda-lidade ensino distncia pela Universidade federal de Lavras (UfLA) foram recepcionados na semana passada em solenidade organizada pela Prefeitura de Sete Lagoas, na Casa da Cultura francisco Timteo Pereira. Na ocasio, foi ministrada a aula inaugural dos cursos ofertados UfLA. Os estudantes aprovados para esse segundo semestre de 2011 receberam orientaes ge-rais sobre a dinmica das ativida-

    des que sero desenvolvidas ao longo das graduaes.

    No turno da tarde, os cur-sistas dirigiram-se para o polo presencial, onde tiveram seu pri-meiro contato com o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA), plataforma que ser utilizada pe-los estudantes durante os quatro anos de curso.

    Todas as informaes sobre os cursos existentes no Polo Sete Lagoas da UfLA podem ser obti-das pelo telefone (31) 3772-6289 ou atravs do endereo eletrnico contatosuabslmg@yahoo.com.br.

    Polo da uFla recebe estudantes do ensino distncia

    orientao Estudantes ouviram explicaes sobre funcionamento do curso virtual de letras -ingls e letras-portugus

    BRENO DIAS/COMUNICAO PMSL

  • 6 entrevista Domingo em Casa 30 De De outubro a 5 De novembro De 2011

    Patinhos invadem a cidadePor Gerlice Rosa

    Os artistas visuais Adriana

    Drummond, Dmtrius Cotta e Lu-ciano Ribeiro decidiram unir seus talentos, a diversidade das produ-es e a beleza do encantamento artstico em prol da arte sete-lago-ana. Um dos frutos dessa unio o projeto Os patinhos feios, que j comea a deixar marcas visuais na cidade. Quem passa ao redor da lagoa Paulino j pode observar um qu de beleza e arte com os peda-linhos reestilizados. O projeto faz parte da Literata, festival Literrio promovido pela Iveco, cuja home-nagem deste ano para o escritor fernando Sabino. Confira detalhes desse projeto e da atuao dos artistas na entrevista concedia ao DOMINGO EM CASA.

    DOMINGO EM CASA. Como co-

    meou esse projeto?Luciano Ribeiro: Ns trs sem-

    pre fomos amigos e tivemos afini-dades. Ento, reunimos a necessi-dade de querer fazer um trabalho juntos. Diante disso, a gente teve esse insight: vamos tentar fazer isso? Procuramos por outros meios tentar viabilizar o projeto e no tive-mos sucesso e a achamos interes-sante agregar essa ideia Literata.

    DC: Qual foi a ideia inicial de vo-

    cs para o projeto?Dmtrius Cotta: A ideia era exa-

    tamente somar ao cenrio artstico - cultural da cidade um valor que estava h muito esquecido. Devido aos artistas, (ns) sermos muito individualistas, a arte sete-lagoana estava ficando pulverizada. E co-meamos a notar que a arte estava comeando a enfraquecer na cida-de. Essa formao inicial no to inicial, ns criamos um coletivo na cidade que envolveu o Afonso, a Adriana e eu. E com o tempo, as coi-sas foram amadurecendo. O Afonso saiu da cidade e o Luciano passou a fazer parte mais diretamente do grupo. Agora que o projeto est tomando uma envergadura maior em nvel de envolvimento extrapes-soal. A intrapessoalidade em Sete Lagoas era o que imperava.

    DC: Como funciona o projeto, o

    que vocs destacam em Os pati-nhos feios?

    Dmtrius: O que eu vejo de posi-tivo nessa formao a questo re-

    arte Pedalinhos da lagoa Paulino esto mais coloridos, uma das etapas do projeto Os patinhos feios

    QUIN DRUMMOND/DIVULGAO

    Grupo de artistas de Sete Lagoas cria projetos coletivos em busca da arte do encontrar-se

    lacionada ao processo distributivo, tanto que, para o projeto Os pa-tinhos feios, ns agregamos valo-res relacionados participao da comunidade. Ns convocamos as escolas foram mais de 15 para fazer parte desse processo distri-butivo, em que ns apresentamos para empresas locais o projeto com o envolvimento das escolas atravs de oficinas. Atravs dessas institui-es, extramos desenhos expressi-vos para figurarem sobre os pedali-nhos da lagoa Paulino. Eu acho que foi a primeira ao mais concreta da nossa formao. Isso j um passo imenso, uma vez que estamos sain-do da nossa individualidade para um trabalho coletivo e envolvendo a coletividade tambm. Eu acredito que vamos colher ainda muitos fru-tos, porque o grupo no fechado. Mais artistas podem se unir a ns.

    Luciano: Acho legal esse link com a histria infantil. A gente quis brincar com a questo dos patos, com esse grupo: da comunidade e nosso como artistas.

    DC: Por que Os patinhos

    feios?Luciano: Na verdade, a gente

    pensou: vamos provocar? O olhar tambm provocador, instigati-vo. claro, faz a releitura de uma

    histria. E a questo de que no final ele vira cisne.

    Dmetrius: Essa questo de incluso social muito grave, porque no pelo fato de a gente viver e respirar a arte e a cultura que isso faz parte do grande conglomerado poltico. necessria muita luta. Muitas pessoas de fora deste contex-to acham que os artistas so irreverentes, pessoas cujo ob-jetivo ser mais anarquistas. E a ideia dos patinhos feios se pauta muito nisso. Ns, artis-tas, ns, participantes da cul-tura, somos patinhos feios, ou, patinhos feios em busca de um ninho, de algo que nos acomo-de, que nos envolva em um ni-cho mais familiar. Assim como a histria do patinho feio foi assim, ele nasceu no ninho de uma pata, foi expurgado de to-sos os processos sociais e cul-turais, digamos assim, fazendo o trocadilho metafrico, ele foi expurgado de todos os meios. E isso muito contundente no nosso meio, especialmen-te aqui em Sete Lagoas, nessa questo de buscar patrocnio. Ns parecemos os patinhos feios em busca disso. Se formos olhar em outras questes mais

    filosficas, aqui em Sete Lago-as ns temos, na lagoa Paulino, uma transio dos pedalinhos. ficaram os pedalinhos feios e os pedalinhos bonitos. Ento, ns resolvemos realmente brin-car com isso. Ns sabamos que existia essa troca, aquisio de outros pedalinhos por parte de um empresrio local, ento, tambm motivou bastante essa questo. A arte em si foi aplica-da sobre os pedalinhos antigos, dando a ideia de bando, de gru-po que se encontrou. Os cisnes novos esto transitando com os cisnes artsticos.

    DC: E a questo de legado, por-

    que querendo ou no as pessoas vo identificar, at pelas cores, pela composio da obra ao passar pela lagoa?

    Luciano: Claro que, se nem Deus conseguiu agradar todo mun-do, no vai ser a gente que vai con-seguir. Porm, uns vo gostar mais de um, outros vo gostar mais de outro. Mas eu acho que essa diver-sidade faz parte de todo trabalho coletivo. Visual e esteticamente a coisa est sendo pensada com mui-to carinho. E agora a gente tem a se-gunda etapa do projeto que fazer os patinhos das oficinas.

    DC: Como vai funcionar a segun-da etapa do projeto?

    Dmetrius: As oficinas j aconteceram na semana passa-da com o Bernardo Sabino (filho do fernando Sabino). Ele fez explanaes a respeito da obra do pai dele. Em cima dos contos e das crnicas, Macacos me mordam, A morte da galinha e O pato sou eu, eles produzi-ram estampas. At novembro, os desenhos dos 21 alunos con-vidados sero plotados nos pe-dalinhos e inseridos na lagoa. Sero 11 patos.

    DC: O que vocs conseguem de-

    finir como a motivao maior para o projeto?

    Dmtrius: Est muito relaciona-do com essa ideia de busca e con-fronto. foi um projeto que a gente cresceu e aprendeu mais um do ou-tro. A gente viu que so bacanas as diferenas. E que importante saber que Dmtrius tem uma limitao, eu tenho uma limitao, Adriana tem uma limitao, e a gente tentar con-ciliar isso tudo para que o resultado final saia da melhor forma.

    Luciano: Eu acho que ns trs respeitamos muito a individualida-de, porque a gente muito diferen-te. Por isso, conseguimos, talvez, um ponto comum, porque a gente tem essa coisa do encontrar.

    DC: O grupo pretende fazer al-

    gum outro trabalho ainda este ano?Luciano: faremos uma expo-

    sio no dia 17 de novembro, na galeria Myralda. Ela ser de arte contempornea, que no tem aquele fator didtico. Algumas coisas esto em aberto, mas a gente j est com a ideia. O ttulo Aquoso, com um olhar provo-cador sim.

    Dmtrius: Ns devemos dialo-gar com mdias contemporneas, relacionadas com projees, televi-sores, alguma coisa nesse sentido. Trabalhar essa questo da imagem como um processo de integrao, levando em considerao a ideia do ttulo do prprio projeto, que se-ria Os patinhos feios, relacionado com a superfcie que ele plana, que seria a gua. Tudo que advm de gua ser evocado nessa exposi-o. Ela vai ter uma ideia monol-tica, a impresso que vai d para todo mundo que foi feita por um nico artista.

  • 7cidade e regio Domingo em Casa 30 De De outubro a 5 De novembro De 2011

    novos ares profissionais

    Por Gerlice Rosa Sair de Sete Lagoas em

    busca de novas e melhores oportunidades de emprego e de realizao pessoal. O ro-teiro pode ser comum para aqueles que buscam oportu-nidades em outras cidades ou ainda em outros Estados. Porm, neste ano, um sete--lagoano ousou um pouco mais e se aventurou pelas terras vizinhas. O Chile ofere-ceu propostas cativantes para Ronaldo Bahia, um jovem em-presrio que h quase quatro meses est em Santiago.

    O pas vizinho proporciona incentivos para as empresas iniciantes, com o projeto star-tup Chile (www.startupchile.org). A partir dele, o sete--lagoano recebeu o convite e logo se mudou para Santiago. Assim que fui aprovado no pensei duas vezes em largar tudo (casa, emprego, salrio mensal garantido) para me dedicar ao que eu realmente acredito ser uma oportunida-de de mercado, revela Ronal-do Bahia.

    O projeto aprovado para o programa startup fruto da experincia de Ronaldo na contratao e seleo profis-sional. Durante o meu pero-do de recolocao no merca-do, eu levava at duas horas para chegar a uma entrevista de emprego presencial, mais outras duas horas para voltar para casa. Alm disso, o cus-to tambm era significativo. Normalmente, eu gastava R$ 50 a cada entrevista. Dinheiro que eu nem sempre tinha. A solu-o era pedir emprestado a amigos ou entrar no cheque especial. foi assim que sur-

    inovao A partir da prpria experincia, Ronaldo Bahia, que hoje reside no Chile, desenvolveu programa para facilitar a vida de candidato a vaga no mercado

    ARQUIVO PESSOAL

    Programa de entrevistas de emprego desenvolvido por um jovem sete-lagoano conquistou Santiago

    giu a ideia de realizar entre-vistas de emprego online. A proposta de facilitar a vida de empregadores e candidatos foi o que cativou os chilenos no programa startup.

    Com trs scios, a empre-sa tem representado inovao para o mercado, especialmen-te pelo uso da tecnologia e da experincia prtica. O recru-tador cria o roteiro da entre-vista com at dez perguntas, define o prazo que os poten-ciais candidatos tm para realiz-la, dispara os convites e, ao final do prazo, assiste s entrevistas, podendo compa-rar as respostas e qualificar os candidatos para uma con-versa presencial, explica o empreendedor da plataforma.

    O projeto foi idealizado em dezembro do ano passado e,

    em maro, foi aprovado pelo programa do Chile. Estar no pas vizinho tem representado grandes oportunidades para o sete-lagoano, que resolveu se dedicar em tempo integral ao projeto inovador. A ex-perincia tem sido incrvel. Estar com empreendedores de pases diferentes, com ba-ckgrounds diferentes, idades e experincias distintas, gera um ambiente muito propcio para testar ideias e novas for-mas de resolver problema, comemora. Apesar do futuro promissor em Santiago, Ro-naldo tem lembranas e sauda-des. Do Brasil o que mais sin-to falta do clima tropical e da culinria. Por isso, costumo ir a Sete Lagoas pelo menos duas vezes ao ano, pois onde vi-vem meus pais e minha irm.

    Projeto promissorEmpresas incipientes, embrio-

    nrias que investem no empreen-dedorismo por meio de projetos que pretendem ser promissores, ligados pesquisa, investigao e desenvolvimento de ideias ino-vadoras. O projeto da Jobconvo se encaixa neste perfil. O benefcio chave oferecido ao cliente a di-minuio do risco e do tempo do processo de recrutamento e se-leo, inserindo uma nova ferra-menta para a etapa de triagem: a JobConvo, entrevistas de emprego online, em vdeo, para que os can-didatos possam ser rapidamente avaliados pelo recrutador, sem depender de compatibilidade de agenda ou deslocamento, escla-rece Ronaldo Bahia.

    A plataforma on-line de entrevistas em vdeo forne-ceu o espao necessrio para o crescimento do jovem em-preendedor. Neste round tem co-founders do Plurk e da Penguin Computing, tem um empreendedor espanhol que o negcio dele anterior acabou de ser adquirido pelo Change.org. Gente do MIT, Harvard, Gorgia Tech, Caltech, UC San francisco. S de estar com es-sas pessoas do lado e poder pedir uma recomendao, pe-dir para revisar o seu deck ou dar uma opinio sobre o seu modelo de negcio ou tecno-logia, no tem preo, relata entusiasmado o sete-lagoano.

  • 8 cidade e regio Domingo em Casa 30 De De outubro a 5 De novembro De 2011

    negociando com o mundo todoEmpresas mineiras contam com novo portal para promoo comercial no exterior

    novo Portal Para a secretria Dorothea Werneck, novidade ser instrumento til para iniciar exportao

    ADRIANO MACHADO/IBRAM

    Portas abertas para MinasO senhor voltou recente-

    mente de uma viagem ndia, pas que, como o Brasil, est se desenvolvendo rapidamen-te. Que pontos em comum h entre Minas Gerais e a ndia, governador?

    Antonio Anastasia: Volta-mos nessa semana de uma via-gem institucional e empresarial ndia, pas com muitos pontos semelhantes com o Brasil, na medida em que ns temos um mercado interno, em ambos os casos, em ascenso, uma economia emergente e, por isso mesmo, oportunidades de negcios. Viajamos acompa-nhados de mais de 60 empre-

    srios mineiros que foram fazer negcios na ndia e l tivemos contato com grandes corpora-es econmicas indianas, que foram chamadas para atuar em Minas. Algumas delas j traba-lham em nosso Estado, como a ArcelorMittal e a Infosys, gigan-te da tecnologia da informao.

    Quais so as possibilidades de negcios entre Minas Gerais e a ndia e de que maneira essa relao pode contribuir para a economia mineira?

    Antonio Anastasia: A maior prioridade em nosso governo aumentar as oportunidades de emprego. Isso se faz aumentando

    as empresas que j esto em Mi-nas Gerais e trazendo outras que ainda no esto aqui. Por isso as nossas tratativas feitas com os empresrios (da ndia). Mas tambm, importante acrescer, que tivemos os contatos institu-cionais com o governo da ndia e tambm fizemos um acordo de cooperao com o Estado de Karnataka, que um dos Esta-dos indianos com pontos muito semelhantes com Minas Gerais na produo do ouro, do min-rio e da prpria siderurgia. E no governo federal indiano, com o Ministrio de Indstria e Comr-cio, para estabelecer pontos de maior contato entre comrcio

    bilateral da ndia com Minas Ge-rais, que ainda muito pequeno e temos muitas possibilidades de aument-lo, porque, bom lembrar, a ndia tem um mercado consumidor de mais de 1 bilho de pessoas.

    O senhor visitou tambm a Sua. Como foram as trativas l? Pode haver mais investimen-tos tambm dos suos tambm em Minas?

    Antonio Anastasia: Na Su-a, visitamos a Nestl, uma das maiores empresas do mundo na rea da alimentao, j presente em Minas; a Holcim que a maior empresa de cimentos e que j

    atua em Minas. Confirmamos a expanso de investimentos da Holcim e ficamos muito felizes de marcarmos para o ms de janeiro em Barroso a pedra fundamental da expanso da nova usina de cimento. A Nestl tambm tem planos importantes para o Brasil e Minas Gerais certamente ser considerado. Aproveitamos para visitar empresas que j esto no Brasil, mas ainda tm atuao t-mida em Minas, como a ABB, da rea de mquinas e equipamen-tos eltricos, e a Lindt, de cho-colates, que no est no Brasil ainda, convidando-a para visitar Minas Gerais e quem sabe insta-lar no futuro aqui uma unidade.

    Antonio AnastasiaGovernador de Minas Gerais

    Exportaminas.NET. Este o novo endereo de promoo comercial das empresas mineiras, lanado pela Central Exportaminas - uni-dade da Coordenadoria Especial de Comrcio Exterior da Secreta-ria de Desenvolvimento Econ-mico (Sede). O servio, que visa especialmente facilitar o acesso de empresas de pequeno e mdio porte ao mercado internacional, um portal indito no Brasil e possibilitar s empresas a busca pela diversificao da produo e tambm a prospeco de novos mercados no exterior.

    De acordo com a secretria de Desenvolvimento Econmico, Do-rothea Werneck, o novo portal ser um instrumento extremamente til para as empresas que pretendem iniciar a exportao de produtos. Para dar incio ao processo, as empresas exportadoras tambm podem optar pela participao em feiras, misses comerciais e roda-das de negcios.

    H sete anos atuando como agncia de inteligncia e promo-o comercial para o desenvolvi-mento das exportaes do Estado, a Central Exportaminas quer inter-nacionalizar as empresas mineiras tambm por meio do mundo vir-tual atravs do site www.exporta-

    minas.net, uma plataforma virtual que integra demandas de compra por parte de importadores inter-nacionais e de venda por parte de exportadores mineiros. Este por-tal surge como um mercado virtual business to business (B2B) e pos-sibilitar, de um lado, a criao de uma base de qualidade de empre-sas mineiras com potencial expor-tador e, de outro lado, o acesso de potenciais importadores, afirmou o diretor da Central Exportaminas, Jorge Duarte Oliveira.

    Segundo ele, atualmente Minas Gerais conta com 1,6 mil empresas exportadoras. As perspectivas so de que o novo portal possibilite

    um novo espao de intercmbio de informaes e gerao de neg-cios com o mercado internacional, principalmente para as pequenas e mdias empresas do interior de Minas, ressalta.

    O novo portal bilnge (portu-gus e ingls) e tem como principal objetivo dar visibilidade s empre-sas mineiras que queiram oferecer produtos e servios no mercado in-ternacional. De acordo com a co-ordenadora Especial de Comrcio Exterior do Governo de Minas, Elisa-bete Serodio, a nova ferramenta foi criada com a preocupao de garan-tir total confidencialidade aos dados e tambm dotar as empresas minei-

    ras de um importante aliado em seu processo de internacionalizao. Cada vez mais, compradores inter-nacionais se valem da internet para prospectar fornecedores. As empre-sas mineiras no podem continuar invisveis para esses compradores, avalia a coordenadora.

    De acordo com Serodio, o portal possibilitar s empresas mineiras a captao de ofertas de importao, com credibilidade, alm da criao e hospedagem de um site, no mo-delo de Exportasite, em portugus e ingls, e adequado s prticas do comrcio internacional.

    Os interessados podem hospe-dar um site prprio gratuitamente

    no portal Exportaminas.NET, mas tero que obedecer a alguns cri-trios: o cadastro inicial s per-mitido a empresas com domiclio fiscal em Minas Gerais e tero que possuir registro ativo no Sistema Integrado de Comrcio Exterior (Siscomex) da Receita federal. Aps o cadastro inicial, a equipe da Exportaminas confere os da-dos junto ao Siscomex/Radar. De-pois de aprovado, o ExportaSite liberado e o usurio poder de-talhar as informaes, inserindo novos dados, imagens, links de vdeos e arquivos. O novo portal permitir tambm a participao de empresas prestadoras de ser-vios e instituies de apoio ao comrcio exterior mineiro, assim como seus projetos.

    Minas Gerais , atualmente, o segundo maior Estado exportador do pas. No acumulado dos nove primeiros meses de 2011, as ex-portaes mineiras atingiram US$ 30,26 bilhes, aumento de 39,1% em relao a igual perodo de 2010 e superaram a variao das expor-taes nacionais (+31,1%). O saldo comercial de Minas Gerais foi de U$ 20,97 bilhes no acumulado de ja-neiro a setembro/2011, enquanto o saldo nacional foi de US$ 23,03 bi-lhes. Em relao a 2010, registrou--se crescimento de 45,9%.

  • 9sociedades secretas Domingo em Casa 30 De De outubro a 5 De novembro De 2011

    Punhos Harmoniosos

    Por Herivelton Moreira

    Desde os egpcios que a humanidade se vale de socie-dades secretas com diversos objetivos e finalidades. Ser secreto significou a diversos grupos a chance da prpria so-brevivncia ou de uma nao. o caso dos Punhos Harmoniosos e Justiceiros ou Os Boxers, tam-bm chamado de Movimento Yijetuan, como ficou conhecido na China.

    Eles eram extremamente habilidosos nas artes marciais chinesas como o kung-fu e o boxe chins (Suai Jiao). Acre-ditaram que podiam expulsar as potncias estrangeiras que dominavam o pas.

    Diviso internacionalAo final do sculo XIX e

    incio do Sculo XX, potncias imperialistas da poca, como Alemanha, Estados Unidos, Inglaterra, frana, Japo, It-lia e Rssia, uniram-se para dominar a China, governada pela dinastia Qing. Conforme o historiador Rainer Souza, Mestre em Histria pela USP, a casa de Manchu, como era conhecido o Palcio Imperial chins, viveu um dilema.

    Na impossibilidade de vencer as potncias estrangeiras, os go-vernantes chineses, desorganiza-dos e sem a unidade no prprio imprio, viam como suicdio coletivo partir para uma guer-ra aberta. Da o surgimento da

    sociedade secreta dos Boxers. Nos bastidores, a imperatriz Cixi (Tseu-Hi) apoiava os guerreiros.

    Tticas de guerrilhaAs tticas de guerrilhas fi-

    caram famosas quando foram utilizadas pelo exrcito viet-namita contra os Estados Uni-dos durante a Guerra do Viet-nam, na dcada de 1960. S que os Boxers j as utilizavam em sua poca, o que consistia em evitar os ataques frontais s foras superiores.

    Entre os anos 1899 e 1900, eles, de forma coorde-nada e espordica, atacaram depsitos de armas e unida-des de guarda de quaisquer das tropas estrangeiras no

    pas. Com incio na provncia de Shandong, os boxers ata-caram ainda misses evan-glicas, estabelecimentos es-trangeiros, cortaram as linhas telefnicas e as vias frreas.

    Em 17 de Junho de 1900, os guerreiros de punho cerca-ram toda a rea das delegaes estrangeiras em Pequim. At o ms de agosto daquele ano, foram mortos mais de 230 es-trangeiros e milhares de chine-ses cristos e um nmero des-conhecido de simpatizantes.

    Reao estrangeiraPara sufocar a rebelio, mais

    de 20 mil soldados russos, ameri-canos, britnicos, franceses, japo-neses e alemes foram enviados

    China. Derrotados, os boxers reali-zaram novo levante de 1901.

    A monarquia salvou-se acei-tando a liquidao das socieda-des secretas, o pagamento de indenizao de guerra e ficou proibida de importar armas de fogo. A situao da China s se reverte durante a Primeira Grande Guerra Mundial (1913 a 1917), quando as potncias lutaram entre si. Desestrutu-rados, os boxers contriburam para a reconstruo de um fr-gil poder central chins, que foi novamente abalado com a invaso japonesa durante a dcada de 1930, que durou at o fim da Segunda Guerra Mun-dial, em 1945, e restaurado no-vamente em 1948.

    Jet Lee Ator interpretou lder Boxers nos cinemas gravura Exemplo de soldado Boxers em 1899

    BoXers Presos pelas tropas imperlistas em 1901

    WWW.fANPOP.COM/DIVULGAO WWW.WARANDGAME.COM/DIVULGAO

    WWW.CHINABLOG-RICARDO.BLOGSPOT.COM - DIVULGA

    Tambm conhecida como Os Boxers, sociedade era habilidosa nas artes marciais chinesas

  • 10 bem-estar Domingo em Casa 30 De De outubro a 5 De novembro De 2011

    suculento e energticoAtletas gregos e estivadores turcos comem go para terem fora para os trabalhos braais

    Por Herivelton Moreira

    Entre muitas teorias para a traduo da Bblia do hebraico para o latim e para as lnguas de nosso tempo, a ma e o figo podem ser classificados com as duas plantas mais antigas da Terra. De acordo com o livro de Gnesis, em algumas tradues, Ado se vestiu com as suas fo-lhas ao notar que estava nu.

    Alguns historiadores, po-rm, consideram a folha da figueira muito pequena para servir de tapa-sexos. O figo, fruto da figueira-comum (fi-cus carica), uma rvore da fa-mlia Moraceae, est presente em todos os continentes, com exceo da Antrctica.

    Os figos so caracterizados pela sua estrutura carnuda e suculenta. Variam drasticamen-te na cor, apresentando uma colorao branco-amarelada que pode ir at roxa, e variam igualmente na textura subtil, dependendo da variedade. Es-to disponveis de junho a se-tembro, embora alguns figos eu-ropeus estejam frequentemente disponveis durante o outono. Os figos secos so encontrados durante todo o ano.

    Os figos so o nico fruto que tm uma abertura, cha-mada de ostolo ou olho, que no ligada rvore, mas que ajuda o desenvolvimento da fruta, aumentando a sua comunicao com o meio am-

    biente. Em seu livro As fru-tas na Medicina Domstica, Alfons Balbach, o mdico des-cendente de ucranianos, des-creve o figo como oxidante, laxante, diurtico, peitoral, digestivo, bom para o fgado e depurativo do sangue.

    por essas propriedades, de acordo com Balbach, que ele utilizado no combate a clculos biliares, bronquite, abscessos das gengivas, clculos renais, ir-ritao da garganta e at vermes intestinais.

    SucosA melhor forma do uso do figo

    na expulso de vermes o uso do suco em jejum, descreve o mdi-co naturalista Dr. Luis Cabrera.

    Em aplicaes tpicas (sobre a pele) o uso do suco recomen-dado nas anginas, quando j se-crees purulentas, pois sua ao anticptica impede o desenvolvi-mento dos micrbios. Em feridas infectadas, tambm se consegue a mesma ao benfica, informa o mdico.

    Balbach relata ainda que, aps longas pesquisas his-tricas, constatou-se que os antigos atletas gregos con-sideravam o figo o alimento ideal para o desenvolvimento de suas foras fsicas. Graas ao seu elevado contedo de glicose, o mais assimilvel de todos os aucares, o figo nu-tre e engorda, explica.

    At hoje nos portos da Tur-

    quia os estivadores se utili-zam de figo. Eles consideram que o fruto o alimento que lhes do fora para trabalhos braais. O mesmo acontece entre trabalhadores rurais rabes, que tm o hbito de comerem a fruta durante dias seguidos.

    PreguiosoComo contm muita vita-

    mina B, essencial para o fun-cionamento do intestino, o figo desempenha papel seme-lhante ao dos cereais, contri-buindo para o melhor desem-penho dos que tm intestino preguioso. Recomenda-se com-lo maduro e em jejum pela manh.

    Em 100 gramas de figo temos:

    Calorias 68,20

    gua 81,70 g

    Hidratos de Carbono 15,55 g

    Protenas 1,35 g

    Gorduras 0,70 g

    Sais 0,60 g

    Vitamina A 215 U.I.

    Vitamina B1 50 mcg

    Vitamina B2 50 mcg

    Vitamina B5 0,44 mg

    Vitamina C 7,30 mg

    O figo rico ainda em ferro (0,70 mg), fsforo

    (35 mg), Potssio (384 mg), Clcio (50,00 mg)

    e Sdio (27,00 mg).

    a sade vem da natureza

    WWW.BLOGDASAUDE.COM.BR/DIVULGAO

    sauDvel Fruta indicada por especialistas para o combate a bronquite, a clculos biliares e renais, irritao da garganta e vermes intestinais

  • 11curiosidade Domingo em Casa 30 De De outubro a 5 De novembro De 2011

    miragens no desertofenmeno ptico real acontece na atmosfera e mais comum que voc pensa

    Por Maria RamosAgncia Invivo/fundao

    Osvaldo Cruz

    Um lago rodeado de palmei-ras no meio do deserto. Isso o que se chama de osis. Ou me-lhor, seria um osis, se no fosse apenas uma miragem. sempre assim que acontece nos desenhos animados: o viajante cansado e com sede corre em direo quele osis tropical e somente quando est prestes a mergulhar que o lago, junto com todas as palmei-ras, desaparece. verdade que esse tipo de miragem apenas fico, mas as miragens realmen-te existem e podem fazer parecer que h gua onde no tem. Ao contrrio do que acreditam mui-tas pessoas, as miragens no so uma alucinao provocada pelo forte calor. Elas so um fenmeno ptico real que ocorre na atmos-fera e que pode inclusive ser foto-grafado.

    Voc tambm no preci-sa estar num deserto para ver uma miragem. Elas acontecem com uma certa frequncia, por exemplo, em grandes rodovias em dias de calor intenso. De longe, voc v a imagem de um veculo que parece refletido no asfalto da estrada, dando a n-tida impresso de que o asfalto est molhado e que o veculo foi refletido por uma poa dgua. Mas, conforme voc se aproxi-ma, percebe que a rodovia est completamente seca.

    Desvio da luz

    O termo miragem tem ori-gem na expresso francesa se mirer que significa mirar-se, ver-se no espelho. As miragens se formam a partir de um fen-meno chamado pelos fsicos de refrao que nada mais do que o desvio dos raios de luz.

    Bom, mas para entender porque o desvio da luz forma as miragens, preciso que voc entenda, antes de tudo, como a nossa viso. Ns s podemos ver porque os objetos refletem ou emitem luz. justamente essa luz, que chega aos nossos olhos, que enviada por meio de sinais eltricos ao crebro. Interpretando os sinais, o cre-bro d forma aos objetos e as-

    sim ns enxergamos as coisas. O problema (se que po-

    demos considerar isso um pro-blema) que o nosso crebro entende que os raios de luz se propagam sempre em linha reta. Isso at seria verdade, se os raios nunca sofressem nenhum desvio pelo caminho. O desvio da luz pode ocorrer quando os raios atravessam meios com diferentes densida-des, como da gua para o ar, ou ainda de um ar mais frio para um ar mais quente, ou passam atravs de lentes.

    Voc pode observar facil-mente o fenmeno da refrao colocando um lpis dentro de um copo com gua. Deixando-o parcialmente mergulhado, voc vai notar que o lpis parece que est quebrado, o que obviamen-te no verdade. Um outro caso de refrao de um pescador que avista um peixe no mar e o v mais prximo da superf-cie do que ele est. Nesses dois exemplos, ns vemos os objetos em posio diferente da que eles realmente se encontram. Isso ocorre porque no vemos a luz dobrar-se; vemos apenas os efeitos dessa dobra.

    Mas agora voltemos s mi-ragens! Voc j reparou que na praia, em dias muito ensolara-dos, voc v as coisas que esto a uma certa distncia meio tr-mulas? O fenmeno fsico que leva essas imagens parecerem trmulas o mesmo que leva formao das miragens no de-serto ou nas estradas.

    Devido ao calor intenso, for-ma-se uma camada de ar quente junto ao solo. E esse ar menos denso do que o ar da camada situ-ada imediatamente acima, mais frio. Como os raios de luz se pro-pagam mais rpido no ar quente, eles encurvam-se para cima. Mas, como o nosso crebro interpreta que a luz percorreu um caminho retilneo, o que ns vemos a imagem do objeto, que pode ser uma palmeira, por exemplo, in-vertida, como se estivesse refle-tida em poas de gua sobre a estrada, ou um lago no deserto. A gua ilusria, mas a palmeira e sua imagem so reais. Esse tipo de miragem chamado de mira-gem inferior.

    MORGUE fILE/DIVULGAO

    faLsa sensao Miragens podem fazer parecer que h gua no meio do deserto

    lenda dos navios fantasmasExiste um outro tipo de mi-

    ragem, esse mais raro, e muito mais impressionante, que so as chamadas miragens superiores. Ao contrrio das miragens infe-riores, elas ocorrem por uma dis-tribuio de temperatura inversa, ou seja, uma camada de ar mais fria prxima superfcie e, acima dessa, uma camada de ar mais quente. Essas miragens tambm so difceis de serem vistas por a, porque so tpicas de regies polares ou de gua muito fria.

    As miragens superiores fa-zem o objeto visto parecer mui-to acima do que ele realmente est. Voc pode, por exemplo, ver um barco flutuando no ar, ou ele pode parecer muito mais alto do que na verdade. No caso das miragens martimas, possvel a formao de imagens invertidas de navios que, devido curvatura da Terra, ainda no

    esto visveis. Mas tambm ima-gens diretas e suspensas sobre o horizonte so possveis. Talvez seja da que venham as lendas de navios fantasmas.

    O Guiness Book of Records - Livro dos Recordes Mundiais registra o mais distante objeto j visto por meio de uma miragem. A escuna Effie M. Morrissey es-tava no meio do caminho entre a Groelndia e a Islndia em 17 de julho de 1939, quando o capito Robert Barlett avistou a geleira Snaefells Jkull, na Islndia, que deveria estar a uma distncia de 536 a 560 km. A distncia apa-rente, no entanto, era de apenas 40 a 50 km. Se no fosse pela mi-ragem, a geleira no poderia ser vista alm de 150 km. Atualmen-te, sabe-se que vrias geleiras que foram descobertas eram, na verdade, miragens. Incrvel, no?

    Voc pode ver um fenmeno

    ptico similar a miragens supe-riores em qualquer dia de cu claro. Como a atmosfera terres-tre no um meio homogneo - quanto maior a altitude, mais rarefeito o ar a densidade at-mosfrica diminui da superfcie para o espao. Esse fato faz com que a luz proveniente de um as-tro, ao atravessar a atmosfera, siga uma trajetria no retilnea.

    Em consequncia, quando olhamos para o sol, ns o vemos no em sua posio real, e, sim, mais alto do que realmente est. Por isso, o sol pode ser visto aps se pr e antes de nascer, mesmo es-tando abaixo da linha do horizonte. Alm disso, quando o sol ou a lua esto bem prximos linha do horizonte, os raios luminosos vin-dos da borda inferior encurvam-se mais acentuadamente do que os raios vindos da borda superior, fa-zendo com que paream elpticos.

  • 12 veCulos Domingo em Casa 30 De De outubro a 5 De novembro De 2011

    A Effa Motors, marca que atua desde 2008 no mercado brasileiro, apresentou novidades na fenatran 2011. A empresa lanou no pas um novo modelo de caminho leve produzido pela chinesa Jinbei (JBC), com capacidade para trans-portar at duas toneladas, e a nova linha de veculos comerciais da Ha-fei, que foi remodelada e ganhou novo visual.

    A marca Jinbei pertence ao grupo Brilliance Auto Group,

    criado em 2002, que rene mais de 35 mil funcionrios. Com quase 10 anos de atuao, o Brilliance Auto Group man-tm parcerias com a Porsche, a Toyota e a BMW. O novo cami-nho Effa JBC produzido na fbrica instalada na cidade de Shenyang, na provncia de Liao-ning. A unidade uma das maio-res fbricas de caminhes da China, com 2.200 funcionrios e 172 mil m de rea construda.

    No local so fabricados veculos comerciais com capacidade de carga entre 500 kg e 8 t, que so exportados para cerca de 30 pa-ses pelo mundo.

    O modelo lanado pela Effa conta com espao interno para dois ocupantes, 4.860 mm de comprimento e 1.780 mm de lar-gura. Essas dimenses compactas facilitam o uso em reas urbanas. Agora, esperar para ver a reao das concorrentes.

    effa lana novidades na FenatranWWW.EffAMOTORS.COM.BR/DIVULGAO

    cHinesa Jinbei tem parceria com Porsche, a Toyota e a BMW.

    Mercado Crescimento brasileiro atrai montadoras de caminhes

    investimentos de r$ 1 bilho O mercado nacional de ca-

    minhes est promissor. Com o crescimento econmico bra-sileiro, face crise internacio-nal, em especial na Europa, vrios fabricantes estrangei-ros resolveram investir aqui.

    A fenatran 2011 - Salo Internacional do Transpor-te, que aconteceu no Parque Anhembi, em So Paulo (SP), entre 24 e 28 de outubro, foi palco para confirmaes de novas plantas de produo no pas. A MAN confirmou o investimento de R$ 1 bilho na fbrica de caminhes e

    nibus da VWCO em Resen-de/RJ.

    A holandesa DAf s podia ser vista no pas com muita sorte, como no caso de uma unidade anos 70 ou 80 que ficou anos abandonada no porto de Santos. Agora a DAf chega sob o comando da ame-ricana Paccar e j ter fbrica de US$ 200 milhes.

    A joint-venture ameri-cana NC2 (Navistar e Cater-pillar) tem a sua proposta de fbrica pronta para o Brasil, onde vai investir inicialmen-te US$ 200 milhes. Ela vai

    rs de volta os caminhes da International.

    As chinesas Sinotruk, Shac-man, foton, por exemplo, anun-ciaram a inteno de construir fbricas no pas. A Hyundai tam-bm outra asitica que j tem uma linha de montagem para o caminho HD78 em Gois.

    Iveco, Volkswagen, Merce-des-Benz, Scania, ford, Agra-le e Volvo agora apostam em modelos ecolgicos, alguns apresentam at modelos h-bridos e flex. Enfim, o neg-cio renovar para no ficar para trs.

    WWW.HYUNDAI.COM/DIVULGAO

    alto nvel Rolls-Royce conta com modelos exclusivos

    um rolls-royce por r$ 2,2 milhesA Rolls-Royce anun-

    ciou o incio de suas operaes no Brasil e na Amrica Latina. A marca, fundada ma Inglaterra em 1904, faz parte do Grupo BMW desde 1998. As pri-meiras unidades chegaro em maro de 2012, junta-mente com a inaugurao da primeira concession-ria em So Paulo.

    Os carros podem ser encomendados atravs

    da Via Italia Group, re-presentante da marca no pas, que j importado-ra de ferrari, de Lambor-ghini e de Maserati. Toda a linha ser comercializa-da no pas, mas os preos ainda esto em anlise. O modelo de entrada, o Ghost, j tem valor defi-nido em R$ 2,2 milhes. As outras verses, mais exclusivas, custaro cer-ca de 45% mais, disse

    francisco Longo, diretor da Via Italia.

    O Ghost o modelo mais barato da marca no pas e possui V12 6.6 de 570 cv que, segundo a fabricante, atinge velocidade mxima de 250 km/h (limitada eletro-nicamente) e faz de 0 a 100 km/h em 4,9 segundos. O automvel possui os tradicio-nais guarda-chuvas da marca inglesa, localizados nos inte-riores das portas dianteiras.

    WWW.ROLLSROYCEMOTORS.COM/DIVULGAO

    rPidasRitmo lento

    Mercado brasileiro de veculos

    (automveis e comerciais le-

    ves) continuar crescendo em

    2012, mas a um ritmo menor

    que em 2011. Essa a opinio

    de executivos durante o Con-

    gresso Autodata Perspectivas

    2012, realizado em So Pau-

    lo. Para eles ser mais difcil,

    de agora em diante, superar a

    taxa de crescimento do Produ-

    to Interno Bruto (PIB), como

    ocorria at este ano. Em 2011,

    as vendas devem chegar a

    3,7 milhes de unidades, 5%

    acima de 2010, enquanto o

    PIB dever subir em torno de

    3,5%. Para 2012, a maioria

    prev o mercado acelerando

    3% (pessimistas, 2%; otimis-

    tas, 4%), alinhado ao PIB.

    VendasOs modelos de carros mais vendi-

    dos no pas, em setembro, foram:

    Gol 24.591 unidades, sendo

    222.936 no ano. Em segundo est o

    Novo Uno Mille, com 22.169 unida-

    des vendidas no ms e 205.439 em

    2011. Em terceiro, est o Celta com

    13.665 vendas e 110.375 no ano; em

    quarto, o Calssic Corsa com 11.084

    para 95.058 de janeiro a setembro;

    e em quinto, o fox/Crossfox, com

    9.821 unidades vendidas em setem-

    bro e 89.832 at agora.

    Recall da Harley-DavidsonA Harley-Davidson anunciou dia

    24 de outubro, um recall envolven-

    do 309 mil motocicletas das fam-

    lias Trike e Touring. O recall abran-

    ge 250 mil unidades nos Estados

    Unidos e 59 mil em outros pases.

    Muito provavelmente entre as

    quase 60 mil unidades comercia-

    lizadas fora dos EUA ter motoci-

    cletas comercializadas no Brasil. A

    Harley-Davidson do Brasil est fa-

    zendo os levantamentos internos

    para averiguar se essa campanha

    aplicvel ao mercado brasileiro.

    Sabemos que as famlias envolvi-

    das no recall so a Touring e Trike

    (2009-2012).

  • 13sociaL Domingo em Casa 30 De De outubro a 5 De novembro De 2011

    faMiLia garcia caPaneMa - Famlia do empresrio e prefeito da cidad

    e de Maravilhas,

    Graciliano Garcia Capanema, o prefeito 100%. Na foto, Graciliano, a pr

    imeira dama Cludia

    e os lhos Maria Mariana e Graciliano Junior.

    faMLia Mendes - Famlia do empresrio Euller da empresa revendedor

    a de pneus e

    conserto de rodas AROS, de Sete Lagoas. Momento de lazer no restaur

    ante Mina Dgua.

    Na foto Euller, sua esposa Luana e seu lho Euller Filho.

    retratos de famlia

    Por Marclio Maranmaran@domingoemcasa.com.br

    Destaque Facebook da semana

    amigos do FaCebooK Domingo em Casa... participe voc tambm

    Kenia ChristinneEstudante

    Kenia ChristinneDavi Mello - Auxiliar Administrativo

    Davi Mello - Auxiliar Ana GabrieleEstudante

    Ana GabrieleWalnia da CostaAdministradora

    Walnia da Costa Patrcia Silva e os gmeos Pedro e Heitor

    Patrcia Silva e os gmeos

    Na hora de tomar atitude ela diz:"So Jorge me empresta o drago?"

    fOTOS ARQUIVO PESSOAL VILMARA ARAJO

    Secretria

    notasn/a COMUNICAO

    De propriedade da publicitria Nayane Azeredo, a n/a Comu-nicao atende s contas de diversas empresas de destaque em Sete lagoas, entre elas a MOTOBAN e a faculdade Santo Agostinho. Recentemente, deparei-me com out-door pela cida-de anunciando o vestibular da faculdade, o que me fez lembrar de um trabalho em So Paulo, tambm profissional. Parabns a toda equipe.

    FEMMVem se tornando uma das mais importantes faculdades de Mi-nas atraindo a ateno at mesmo dos belo-horizontinos. Dos diversos cursos oferecidos, o de Direito o seu destaque. Ao presidente Adlio e toda equipe nossos comprimentos pelo excelente trabalho que vem sendo realizado em prol de nossa educao, bem como pelo desenvolvimento de nossa cidade.

    PARA-CHOQUE BOA VISTADe propriedade dos gmeos Ailton e Admilson, a empresa do ramo de reforma de para-choque com sede em Sete Lago-as (Rua Santa Catarina, esquina que Tefilo Otoni). O trabalho artesanal que eles realizam j reconhecido. Os empresrios pensam em ousar mais, ampliando sempre seu negcio.

    JOOZITOO vice-prefeito de Santana de Pirapama, cacique do PMDB da-quela cidade, tambm conhecido como Bo de Direo. O apelido foi dado por um policial rodovirio que, ao assisti-lo dirigir, cumprimentou nosso amigo pela ateno, maestria e cuidado com o trnsito. Pacincia tambm uma virtude do Joozito. Um abrao amigo.

  • 14 entreteniMento Domingo em Casa 30 De De outubro a 5 De novembro De 2011

    Tera Quarta Quinta Sexta Sbado

    resumo de novelasaq

    uele

    bei

    jo

    (glo

    bo

    19h

    15) Amlia alerta a irm sobre o acordo

    de Sebastio com Rassa. Brigitte conhece Marisol. Rassa pensa em deixar o empre-go. Brigitte conta para Maruschka que des-cobriu quem a costureira da Shunel. Lu-cena liga para Vicente. Claudia vai igreja marcar a data do seu casamento e encontra Vicente. A histria de Deusa vira notcia no jornal e Ticiano comenta com Grace Kelly. Alberto convence Sarita a devolver o che-que para Otlia e a beija.

    Belezinha convida Agenor para ser seu par no concurso de beleza. Brites pega o bilhete de Violante, foge com Sebastio e felizardo os denuncia polcia. Claudia e Ru-binho visitam o apartamento que ganharam de Maruschka. Claudia convida a irm para ir ao desfile e Camila deixa flavinho no Lar. Maruschka pede a Ticiano para levantar a fi-cha de Sarita. Ricardo estranha que flavinho esteja no Lar. Vicente deixa Camila na festa e, quando v Claudia, decide ficar.

    Rubinho ameaa proibir a entrada de Vicente na festa e Claudia interfere. Marus-chka arma um plano para se aproximar de Vi-cente. Agenor avisa a Rassa que s ela pode tirar os pais da delegacia. Belezinha desfila com Orlandinho. Rassa chega delegacia e encontra Mirta presa. Ricardo discute com Camila. Belezinha fica entre as finalistas do concurso. Rubinho fica com cime de Vicente e Regina tenta acalm-lo. Sarita se encontra com Alberto e Rassa v os dois se beijando.

    Belezinha eleita princesa e obri-gada a beijar Orlandinho. Camila insinua que Claudia ficou nervosa com a presena de Vicente e Rubinho fica intrigado. Sarita conta a Eveva que beijou Alberto. Rassa leva Orlando e Mirtes delegacia, mas o delega-do no libera o bilhete premiado. Camila se reconcilia com Ricardo. ntima permite que Orlandinho saia com Belezinha, mas ela foge com Agenor. Lucena avisa a Amlia que volta-r para o Brasil.

    Rubinho passa a noite no apartamento de Claudia. Agenor e Belezinha so assalta-dos. Ele fala para o pai que roubaram a van de entrega da confeco. Locanda v a cami-sa rasgada de felizardo e questiona o marido. Amlia conta para o filho que Lucena pediu anulao do casamento e est voltando para o Brasil. Claudia fala para a me que ter de sair do seu apartamento e Regina sugere que ela fique na casa de Camila. Deusa desembar-ca no Rio de Janeiro.

    Claudia conta para a me que beijou Vicente. Camila e Ricardo concordam em abrigar Claudia. ntima descobre que Be-lezinha estava com Agenor quando foi as-saltada. Marisol recebida por Maruschka e diz que no quer ser costureira. Claudia chega ao Covil do Bagre com sua mudana e se depara com Vicente. Alberto lana um concurso para descobrir um novo estilista para a Comprare. Deusa avisa a Eveva que chegou ao Rio de Janeiro.

    Segunda Tera Quarta Quinta Sexta Sbado

    Fina

    est

    ampa

    (glo

    bo

    21 h

    ) Enzo faz uma ligao misteriosa e per-gunta pelo dono da casa onde Griselda mora. Zuleika fotografa Rafael dando dinheiro para seu funcionrio. Tereza Cristina ofende Griselda na reunio e Vilma ameaa mandar sua filmagem para a tev. Ren manda Cr e Patrcia levarem Tereza para casa, enquanto inicia outra votao com os condminos. Griselda consegue comprar sua casa no Marapendi Dreams e comea sua sociedade com Celeste no restaurante. Enzo faz mais um telefonema misterioso.

    Esther liga para Paulo. Marcela vai casa de Paulo e ele no consegue mand--la embora. Vanessa tenta se aproximar de Ren. Wallace esconde de Teodora que vol-tou a sentir a dor no peito. Enzo se instala na praia, prximo casa de Griselda. Carolina finge ser Letcia e conversa com Juan pelo computador. Celeste enfrenta Baltazar, que fica sem ao contra ela. Griselda procura Enzo na praia. Teodora aparece no colgio de Quinzinho e implora para Quinz deix--la segurar o filho.

    Quinz e Teodora discutem. Enzo foge de Griselda e simula uma convulso. Paulo se sente culpado ao ver Marcela ao seu lado na cama. Guaracy beija Griselda. Marcela entrevista Wallace. Crodoaldo descobre que Tereza Cristina matou o mafioso que esteve em sua casa e que ferdinand a ajudou. Esther pede para Danielle conversar com Paulo. Gri-selda avisa que far uma reunio de famlia e pede para Amlia falar com os irmos. Wallace fica incomodado com a dor do peito. Teodora procura Griselda.

    Teodora diz a Griselda que quer se aproximar de Quinzinho. Quinz afirma que no vai deixar sua ex-mulher chegar perto do filho. Letcia pensa em Juan Guilherme. Esther fica perplexa quando Paulo se recusa a falar com Danielle. Gri-selda flagra Enzo falando ao telefone. ris e Alice vo para a casa de Tereza Cristina e Cr fica apavorado quando elas decidem ficar em seu quarto. Antenor leva Patrcia at sua casa e Griselda se surpreende com o jeito da moa.

    Cr se recusa a acatar as ordens de ris e Alice. Quinz discute com Wallace para saber o paradeiro de Teodora e Quinzi-nho. Patrcia estranha o descaso de Antenor com o sumio do sobrinho. Baltazar fica furioso quando Celeste avisa que Solange est ensaiando com as amigas. Ren Junior manda uma mensagem para Letcia. Rafael fica inconformado com a falta de ateno de Amlia. Griselda procura Teodora no hotel para pagar a quantia que exigiu para ficar longe de Quinzinho.

    Teodora aceita a proposta de Griselda. Quinz fica indignado ao sa-ber que Teodora aceitou a proposta de Griselda. Antenor convence Griselda a fazer a reunio de famlia. Ren Junior e Carolina conversam pelo computador com Letcia e Juan, respectivamente. Griselda divide seu dinheiro entre os fi-lhos e Antenor fica inconformado. Ren sugere que Tereza Cristina visite Patr-cia na pousada. Quinz avisa a Guaracy que vai deixar o Tupinambar.

    Segunda

    rebe

    lde

    (r

    ecor

    d

    20h3

    0)

    Diego atrapalha Pilar e Pedro alegando que o rebelde bolsista e caso Jonas veja os dois se beijando ir suspend-lo. Os rebeldes se renem para falar sobre o plano. Maria, Beto, Juju e Guto decidem montar uma banda para competir com os rebeldes. Binho leva To para o bar onde os rebeldes tocam e incentiva o adolescente a tocar uma msica. Pedro e Alice se beijam. Pilar aparece e o ca-sal se esconde. Pedro sai do esconderijo e vai ao encontro da vil para beij-la.

    Pedro ia contar sobre o plano para Pilar, mas Roberta a interrompe dizendo que proibido namorar no poro. A vil fica desconfiada, mas acredita na mentira. Alice, que estava escondida, fica aliviada. Toms in-centiva Binho a chegar em Alice e diz que se ele investir em Roberta consegue conquist--la. Pilar diz a Binho que est comeando a desconfiar que os rebeldes estejam armando um plano. Binho tenta seduzir Roberta, que o corta dizendo que no confia nele.

    Diego briga com Binho, como parte do plano contra ele e Pilar. Marcelo diz a Artur que Vicente hipnotiza os alunos e o professor decide tirar satisfaes com o amigo. Diego e Roberta se declaram um para o outro e se beijam. Toms seduz Pilar, Binho v e os atrapalha. Os rebeldes decidem tocar no aniversrio de Beatriz. Roberta e Diego vem Binho e fingem bri-gar. Irritado o vilo diz para eles pararem de fingir e os dois entram em pnico.

    Binho diz a Roberta e Diego que a briga deles reflete na banda e o casal fica aliviado em ver que o vilo no percebeu o plano. Bi-nho tenta se reaproximar de Roberta, Toms interrompe dizendo que Carla est indo para o hospital e deixa o vilo irritado. Alice tenta convencer Mrcia e Vitria a impedir que Carla vomite. Os rebeldes, preocupados, pen-sam em uma maneira de ajudar Carla. Alice e Pedro discutem, Pilar e Binho observam e sabem que os dois esto armando.

    Os alunos conversam sobre seus su-pervisores e Pilar comenta com Binho que o beijo em Pedro no passar desta noite. Toms vai at Carla e pede para que os dois possam conversar. Diego e Roberta esto no quarto namorando, Jonas chega estranha a porta do quarto dos meninos fechado e o ca-sal fica assustado. Pedro vai beijar Pilar, mas espera que algum aparea para atrapalhar. Como no acontece o adolescente v que no tem jeito e beija a vil.

    No h exibio

    Segunda Tera Quarta Quinta Sexta Sbado

    a vi

    da d

    a ge

    nte

    (glo

    bo

    18

    h)

    Jonas prope que Loureno seja o doador para a fertilizao de Cris. Lou-reno conta para Celina a proposta que seu irmo fez e ela fica indignada. Ro-drigo tem dificuldades de conseguir um emprego por ser filho de Jonas. Manuela comea a trabalhar na ONG de Lcio. Manuela convida Rodrigo para morar em Gramado com ela e In. Laudelino lamenta o fim de seu namoro. Manuela e In preparam uma recepo de boas vindas para Rodrigo em Gramado.

    Passa-se um ms e Manuela combi-na com Rodrigo de ir a uma consulta de Jlia no consultrio de Celina. Loureno esconde o desconforto com a notcia de uma possvel gravidez de Celina. Wilson comenta com Moema que Laudelino nun-ca mais falou em In. Dora e Marcos com-binam um encontro. Nanda critica Rodri-go por abandonar os amigos. Jonas diz a Clber que vai dobrar o valor da proposta que fez a Loureno. Alice avisa a Ccero e Suzana que vai procurar seu pai biolgico.

    Loureno no consegue esconder a sensao de alvio com o resultado nega-tivo do teste de gravidez de Celina. Suza-na sugere que Alice tenha uma conversa franca com Ccero. Lcio tenta convencer Eva a procurar um grupo de apoio. Marcos se declara para Dora e os dois se beijam. Manuela e Maria prometem abrir um ne-gcio juntas. Rodrigo vai para a festa com os amigos e deixa Jlia com Manuela. Jo-nas procura Loureno. Rodrigo e Nina se encontram na festa e trocam olhares.

    Loureno se surpreende com o valor do cheque que Jonas lhe d. Nina convida Rodrigo para dormir em sua casa. In se preocupa com o atraso de Rodrigo. Cris fica radiante quando Jonas afirma que vai re-solver seu problema para engravidar. Lcio leva Eva para a reunio no grupo de apoio. Rodrigo chega em casa e tenta se explicar para In. Loureno pensa em aceitar a pro-posta de Jonas e Celina fica furiosa. Rodrigo se desculpa com Manuela. Loureno aceita a proposta de Jonas.

    Loureno assina um contrato de acordo com Jonas e Celina vai embora de casa. Cris fica eufrica ao descobrir que Jonas conseguiu um doador. Rodrigo pede para Manuela ficar novamente com Jlia para que ele possa ir a um show. Eva elogia o trabalho de Lcio e os dois se emocionam ao falarem de Ana. Rodrigo beija Nina, pensando ser Ana. In repre-ende Manuela por causa de Rodrigo. Alice exige que Vitria lhe diga o nome de seu pai biolgico.

    Rodrigo tenta se desculpar com Ma-nuela. Celina prepara uma festa surpresa de aniversrio para Lcio. Loureno pede demisso da faculdade. Eva comenta que Lcio seria um bom partido para Ana. Ma-nuela visita Ana e destratada por Eva. Marcos reclama com Vitria por forar de-mais os treinos com Sofia. Rodrigo critica Nanda por continuar morando na casa de Jonas. Alice informa a Ccero e Suzana que encontrou trs pessoas com o nome de seu pai biolgico.

    Segunda Tera Quarta Quinta Sexta Sbado

    vida

    s em

    Jogo

    (r

    ecor

    d

    22h

    15 )

    Patrcia e Cleber so expulsos pela mulher que adotou os Edmundo e Marcolino. Depois de toda a confuso, ela sente uma dor no peito. fora da casa, Cleber ameaa a vida de Patrcia, que no se abala no mesmo ins-tante. ftima liga para francisco e faz chan-tagem. Ela afirma que ir at a casa dos meni-nos para contar que o milionrio um ladro, a no ser que receba o dinheiro de seu pai. Patrcia conta para francisco que encontrou Cleber na casa de Edmundo e Marcolino.

    Acreditando que foi trada por Patr-cia, Regina expulsa a filha de casa. francisco convence Patrcia a ficar morando em sua casa. Marizete se surpreende ao ver Patr-cia na casa de francisco. O milionrio tenta argumentar, mas Marizete vai embora. Gui-lherme conta a francisco que o celular en-contrado com Ernesto tinha uma confisso de Ivan incriminando Rita. Durante a festa, Margarida se delcia com o bolo, sem saber que est envenenado.

    Margarida corta oito pedaos de bolo, um para cada pessoa que considera especial. Augusta, francisco, Guilherme, Jorge, Ma-rialice e Valdisnei no tocam em suas fatias. Valdisnei vai at a cozinha procurar Margari-da e a encontra desacordada. Os integrantes do bolo acreditam que Ivan o responsvel pelo envenenamento. Na cadeia, Ivan, Maur-cio e Ernesto iniciam sua fuga. Eles se depa-ram com Cleber, que comea a atirar. Ernesto rendido por um policial.

    Ivan admite que responsvel pela exploso do restaurante, mas diz que no culpado pelo envenenamento do bolo. Mau-rcio rouba o uniforme de um guarda e parte em direo sada, mas surpreendido por Cleber. Maurcio consegue desarm-lo. A tro-pa de choque invade a penitenciria e todos so obrigados a fugir. Na correria, Ivan trope-a. Uma bomba de fumaa lanada. A turma do bolo observa Ivan morto no cho, vtima de um golpe na cabea.

    Adalberto afirma que Ivan s foi morto porque ele o responsvel pelo envenena-mento. Carlos e Margarida pedem que Divina v at a penitenciria para conversar com Er-nesto. O objetivo fazer com que o vendedor de cachorro quente inocente Rita. O homem que envenenou o bolo ameaa Adalberto. Para que no o entregue, o assassino pede R$ 300 mil. Adalberto liga para Regina e pede dinheiro. A empresria se nega a ajudar. francisco surpreendido por Maurcio.

    No h exibio

    Segunda Tera Quarta Quinta Sexta Sbado

    amor

    e r

    evol

    uo

    (s

    bt

    22h

    15)

    Sbado

    filinto vai ao hospital conversar com Dr. Ruy e pergunta ao mdico se ele tem certeza de que Olivia est morta. O mdico afirma que no existe a possibilidade de Olivia ter sobrevivido. Os guerrilheiros colo-cam o plano em ao e invadem o hospital. Dr. Ruy, refm, entrega a chave do depsito onde ficam as armas. Violeta e Telmo fazem filinto de refm. filinto se torna um escudo para a sada dos guerrilheiros do hospital. Ele levado para o aparelho em que os guerrilheiros se escondem.

    filinto est no aparelho. Diante dos guerrilheiros, Violeta acusa o militar de v-rios crimes e torturas. Violeta revela a todos que Olivia. Os guerrilheiros improvisam um tribunal para julgar os crimes de filinto. Marcela afirma a Marina que est disposta a contar toda a verdade sobre as duas aos pais. Marina fica aflita. Marcela est decidida. Oli-via tira a peruca na frente de filinto. Durante o julgamento de filinto, Olivia afirma aos companheiros que deseja a tortura seguida de pena de morte para ele.

    filinto tenta convencer os guerrilhei-ros de que tomou Lara e Alice dos pais para ajud-las. filinto diz a Maria que prendeu Jos para proteg-lo dela. Maria fica indig-nada. Batistelli abre votao entre o grupo para a execuo de filinto. Lobo Guerra con-ta a Ana que filinto foi sequestrado pelos guerrilheiros. O general diz para Jos avisar aos guerrilheiros que ele quer filinto vivo. Com sede de vingana, Olivia afirma que quer a morte de filinto. H um empate e o voto de deciso fica com Maria.

    Miriam diz a Ana que Jos quer aban-don-la para reatar com Maria Paixo. A deci-so de Maria que filinto seja usado para ser trocado por prisioneiros polticos. Olivia fica decepcionada. filinto toma a arma da cintura de Henrique e faz Maria de refm. Maria luta com filinto. Olivia atira na perna dele. Marina pede para Marcela no se precipitar e contar aos pais que as duas so namoradas. Olivia d outro tiro em filinto. Os guerrilheiros de-cidem deixar filinto na porta do Hospital das foras Armadas.

    Os enfermeiros chegam com filinto baleado no hospital. Ana diz a Lobo Guerra que est preocupada com filinto. Os dois tm uma discusso. O general culpa Jos pelo sequestro de filinto. Juliana telefona para Lobo Guerra e o avisa que filinto foi encon-trado baleado e est no Hospital das foras Armadas. Inconformada, Olivia fala a Telmo que no quer acreditar que filinto saiu vivo do aparelho. Jandira afirma a Batistelli que eles sero procurados por Lobo Guerra com toda a fria, pois filinto foi baleado.

    Segunda Tera Quarta Quinta Sexta Sbado

    mal

    ha

    o (g

    lobo

    1

    7h15

    ) Gabriel comenta com Cristal e Babi sua teoria de que Douglas pode estar en-terrado em um cemitrio de pescadores. Alexia manda um e-mail de despedida para Moiss. Laura confessa para Guido que desconfia que Juarez esteja ligado morte de Douglas. Igor fica envergonha-do ao descobrir que Dbora e Michele j sabem que ele criou um falso perfil na internet. Moiss embala os pertences de Alexia em um saco de lixo.

    Dbora diz para Igor que gosta dele apenas como amigo. Gabriel des-cobre que o Mestre de kung fu tambm v Douglas. Guido sugere para Laura que eles encontrem os arquivos que Douglas pegou das empresas de Juarez. Babi confidencia para Cristal que est feliz por ter sado com Beto. Ziggy pede ajuda a Gabriel, Cristal e Babi para lidar com o mal entendido que teve com a namorada.

    Gabriel se agita ao ver uma foto em que Beto est no cemitrio dos pescadores que ele sonhou. fjo sugere que Dieguinho e Jefferson gravem sua msica e vendam pela internet e Moiss oferece o escritrio da ONG para eles usarem como estdio. Aparecida interrompe a gravao e obriga os meninos a parar de tocar. Gabriel, Cristal, Babi e Ziggy encontram o cemitrio de pescadores. Gabriel pergunta para um funcionrio do cemitrio se ele sabe quem est enterrado sob a cruz 1046.

    Gabriel pede para o funcionrio do cemitrio avisar a Beto que encontrou e enterrou o corpo de Douglas debaixo da cruz 1046. Cristal convence Babi a no contar nada para Beto sobre o cemitrio dos pescadores. Gabriel tem uma viso do acidente de Douglas e v a logomarca da empresa de Juarez no car-ro que persegue a moto do rapaz. Beto conta para Babi como conheceu o lugar onde est o cemitrio. Dbora vai casa de Beto procurar por ele e Babi abre a porta.

    Dbora fica arrasada por achar que Beto est gostando de Babi. Michele diz a Dbora que precisa arrumar um emprego para continuar morando no Rio de Janeiro. Gabriel percebe o poder de seu olhar sobre as pessoas e fica intrigado. Dbora pede para conversar com Beto sobre o incidente com Babi. Gabriel usa seu poder de conven-cimento para fazer Babi se sentir melhor. O senhor que cuida do cemitrio liga para Be-to e fala sobre o corpo de Douglas.

    No h exibio

    Segunda Tera Quarta Quinta Sexta Sbado

    Os resumos dos captulos de todas as novelas so de responsabilidade de cada emissora Os captulos que vo ao ar esto sujeitos a eventuais reedies.

  • 15entreteniMento Domingo em Casa 7 a 13 De agosto De 2011 15televiso Domingo em Casa 30 De De outubro a 5 De novembro De 2011

    atLeta Rmulo Arantes Neto pratica diversos esportes, como kitesurfe, skate, luta jiu-jtsu e ainda vai academia duas vezes por semana

    Por Mariana TrigoTV Press

    Rmulo Arantes Neto

    mal consegue disfarar sua empolgao com as trans-formaes de Raimundo em Vidas em Jogo. Aos 24 anos de idade, o ator que j trabalhou como modelo internacional por quatro anos, mostra o porte elegan-te que exibia nas passarelas em seu primeiro papel que exigiu maior composio na tev. Seu personagem, que havia comeado a trama de Cristianne fridman meio vilozinho e aprontando to-das com a me Augusta, de Denise Del Vecchio, agora parece realmente ter se re-dimido. Afinal, recentemen-te teve o baque da notcia

    de que era filho adotivo e, em seguida, perdoou a me por ter escondido a verdade. Logo depois, sua namora-da Juliana, de Letcia Colin, saiu de casa quando soube que ele estava comeando a se envolver com Suzana, pa-pel de Silvia Bandeira, que vive uma jornalista quase 30 anos mais velha que ele. Raimundo amadureceu. Comeou a histria com um desvio de carter, usava o dinheiro do cursinho para jantares e roupas, mas era s imaturidade, defende Rmulo.

    Uma das principais refe-rncias deste ator carioca para compor o personagem foi o longa Vips, de Toniko Melo, onde Wagner Moura interpretou um megalma-

    no que finge ser herdeiro de uma grande companhia area. Alm do filme, Rmu-lo buscou inspirao em al-gumas pessoas conhecidas, que vivem de mentiras com o objetivo de se dar bem. Para o ator, que sempre in-terpretou meninos doces e bonzinhos na tev - desde sua estreia como protago-nista de Malhao, em 2007 -, a grande motivao desse quinto personagem na Record foi justamente ter um carter duvidoso no in-cio da trama. Todo bonzi-nho fica no b-a-b. No d para fazer cenas com fora, tramar algo mais denso. O vilo mais legal. Mas sei que tenho cara de mocinho mesmo, admite o ator, que cada vez se assemelha mais

    ao seu pai, o falecido ator Rmulo Arantes. As pesso-as que conheceram meu pai tm nervoso de trabalhar comigo porque dizem que estou ficando cada vez mais parecido com ele. porque estou ficando adulto, com cara de homem, observa, sorridente.

    Rmulo se diverte ao lem-brar que comeou a carreira meio por acaso. Depois de modelar por quatro anos pelas passarelas internacio-nais, decidiu fazer um teste para Malhao e nem ima-ginava que fosse conquistar o papel de protagonista em sua primeira trama. Aquilo mexeu muito comigo. No estava preparado. fiquei chocado porque no sabia se queria virar ator mesmo.

    Mas encarei porque vi que aquele papel era o sonho de milhes de pessoas e eu no podia dizer no, lembra.

    De l para c, seu cur-rculo s cresceu na atua-o. Depois de Malhao, foi para a Record ainda em 2007, onde emplacou o mesmo personagem Tel em trs tramas consecutivas de Thiago Santiago: a trilogia Caminhos do Corao, Os Mutantes e Promessas de Amor. Na sequncia, viveu o gente boa Matheus em Bela, A feia. Passei de protagonista da Globo para um personagem pequeno na Record, mas foi bom porque cresci aos poucos depois da loucura da estreia. Estou ganhando meu espao deva-gar, avalia.

    Em Vidas Opostas, Rmulo Arantes Neto avalia mudanas de seu papel de maior destaque na Record

    a passos largos

    Passarela do passado

    Rmulo Arantes Neto che-gou a ter uma carreira bem--sucedida como modelo inter-nacional. Dos 16 aos 20 anos de idade o ator desfilou para os principais estilistas do circuito fashion Paris-Nova Iorque-Milo. Nesse perodo, chegou a fazer campanhas mundiais para as mais reno-madas marcas, como Louis Vuitton, em Capri, na Itlia, e Adidas, em Nova Iorque. Alm disso, Rmulo estam-pou a capa das principais revistas de moda, como Vo-gue. Durante esse perodo no exterior, morou em Paris, Nova Iorque e Milo at de-cidir abrir mo do glamour do mundo fashion para se dedicar atuao. Cansei de pegar fila de casting de manh cedo. Vida de mode-lo muita ralao. Hoje em dia at fao alguma foto de moda, mas s quando recebo convites irrecusveis, como do (fotgrafo) Mario Testino, exemplifica o ator, do alto de seus 83 kg distribudos em irretocveis 1,81 m de altura.

    PEDRO PAULO fIGUEIREDO/ CARTA Z NOTCIAS

    Na poca em que atuou em Malhao, Rmulo tinha dificuldade para decorar textos. Tinha muitas cenas para gravar e no conseguia ter disciplina. Decorava o texto em cima da hora, chegava atrasado. Adquiri experincia ao longo do tempo, admite.

    Rmulo Arantes Neto quase atuou em Cordel Encantado, na Globo, trama dirigida por sua ex-namorada, Amora Mautner.

    O ator j ganhou diversos campeonatos de surfe.

    instantneas

  • 16 cuLinria Domingo em Casa 30 De De outubro a 5 De novembro De 2011

    os pratos mais badalados da tv brasileira

    Capeletti (massa fresca)

    Massa500 g de farinha de trigo 5 ovos ligeiramente batidos1 colher (sopa) de azeite Recheio 500 g de carne cozida de panela (coxo mole ou patinho)80 g de salame italiano cortado em cubos1 dente de alho picado2 colheres (sopa) de salsinha verde picada xcara (ch) de parmeso ralado grosso 1 ovo mdio ligeiramente batidoTemperos gosto

    ingredientes

    bananas recheadas

    6 bananas pratas maduras e firmes xcara (ch) de geleia de framboesa (70 g) (ou goiabada, ou chocolate, ou creme de avel, ou doce de leite)Gotinhas de suco de limo1 clara2 colheres (sopa) de acar xcara (ch) de castanha de caju picadinha

    ingredientes modo de preparoReceita retirada do programa Mais Voc, da Rede Globo

    TV GLOBO/DIVULGAO

    BAND/DIVULGAO

    ateno, leitor! Envie suas sugestes de receitas para o e-mail producao@domingoemcasa.com.br

    talharim com almndegas de calabresa

    600g de talharim verdegua suficiente para cozinhar a massaSal Almndegas1 kg de carne moda2 xcaras de linguia calabresa defumada moda1 xcara de azeitona preta picada1 pacote de sopa de cebolaSal e pimenta a gosto

    Molho1 xcara de bacon picado1 xcara de cebola picada1 xcara de cenoura ralada2 xcaras de molho de tomate2 xcaras de tomate sem semente picado xcara de folhas de manjericoAcar para tirar a acidezSal a gosto

    ingredientesReceita divulgada no programa Hoje em dia, da Rede Record

    TV RECORD/DIVULGAO

    Receita retirada do programa Dia a Dia, da Band

    modo de preparoMassaColoque a farinha de trigo sobre a bancada, abra uma cavidade e acrescente os demais ingredientes e v amassando com as mos at obter uma massa homognea, porm bem firme. Pegue pequenas pores da massa e passe pelo cilindro manual ou eltrico ou rolo de macarro, vrias vezes, at ficar na espessura desejada. Corte com o cortador, recheie e feche.

    RecheioPasse todos os ingredientes juntos no processador e recheie a massa.

    modo de preparoCozinhar a massa em gua e sal e reservar. Molhofritar o bacon at ficar dourado. Acrescentar a cebola e a cenoura e deixar refogar. Adicionar o molho de tomate, os tomates. Acertar o sal e acar para tirar a acidez. Colocar as almndegas e deixar cozinhar por alguns minutos. finalizar com o manjerico . Almndegas Num bowl, misturar a carne moda, a calabresa, a sopa de cebola, a azeitona, sal e pimenta at ficar homognea. fazer bolinhas pequenas e reservar. Numa frigideira dourar as bolinha e colocar dentro do molho.

    Coloque a banana prata numa superfcie lisa at que ela fique parada. Com as mos, retire 2 dedos da casca de cada banana na parte de cima e no sentido do comprimento (mantenha a banana com o restante da casca). Com uma colher de caf, cave a banana prata na parte de cima (a parte que est sem a casca), retire mais da metade da polpa formando uma canoa. Repita o mesmo procedimento com as demais bananas. Reserve a polpa e a banana.Numa tigela coloque a polpa da banana (reservada), a geleia de framboesa e gotinhas de suco de limo e misture bem. Reserve. Com um batedor de arame, bata a clara at ficar em ponto de neve (+/- 10 minutos). Adicione o acar e bata bem. Pegue cada canoa de banana, coloque uma poro da mistura geleia de framboesa, polvilhe castanha de caju, cubra com a clara batida e polvilhe mais castanha de caju. Arrume as bananas lado a lado num refratrio e leve ao forno mdio pr-aquecido a 180C por +/- 15 minutos ou at dourar o suspiro. Retire do forno e sirva em seguida.

  • 17entreteniMento/HorscoPo Domingo em Casa 30 De De outubro a 5 De novembro De 2011

    No meio do almoo de domingo, com a famlia toda reunida, a patroa grita para a empregada: Maria, essa comida est horrvel!O marido fica constrangido, tenta acalm-la, mas ela insiste: Acho que at eu sou melhor do que voc na cozinha! Pode ser - concorda a empregada - Mas a senhora fique sabendo que eu sou bem melhor do que a senhora na cama! O qu? - assusta-se a mulher - Roberto, seu cachorro! No acredito que voc... Calma, madame - interrompe a empregada. - Quem me disse isso foi o motorista!

    Horscopo

    Bris POR DUKE

    Cruzadas diretas

    Voc uma pessoa verstil e com muitas habilidades. Para os geminianos, esta ser uma semana excelente para lapidar e aprimorar seus talentos, fazendo ainda melhor o que j sabe fazer.

    gmeos21/5 a 20/6

    fase divertida e criativa. Boas opor-tunidades podem surgir e voc saber usufruir delas. Apaixonar-se por al-gum neste momento bem possvel. O clima estar propcio.

    Cner21/6 a 217

    Observar, manter-se atento, mas a dis-tncia pode ser uma grande estratgia sua no momento. conveniente manter--se mais recolhido e guardar suas opini-es para momentos mais oportunos.

    ries21/3 a 20/4

    fase intelectualmente estimulante, mas a palavra chave dialogar e no debater com teimosia. Troque ideias e aceite humilde-mente que impossvel saber tudo, pois s no dilogo se aprende alguma coisa.

    touro21/4 a 20/5

    Deixe as decises mais importantes para o final da semana, uma vez que isso lhe ser mais favorvel. Aproveite o tempo para ler um bom livro e orga-nizar melhor a sua vida dentro de casa.

    leo22/7 a 22/8

    Auge para todo tipo de comunicao. Ter interesse e curiosidade por tudo e todos a sua volta. Os relacionamen-tos com parentes prximos e vizinhos esto favorecidos neste perodo.

    virgem23/8 a 23/9

    Benefcios em assuntos comerciais devi-do a sua viso de oportunidades e sua ca-pacidade gerencial. Concentrao e dis-cernimento so dois fatores que ajudam em vrias coisas, entre elas os estudos.

    libra23/9 a 23/10

    fase de maior autoconscincia. A inteli-gncia e a razo sero seus grandes alia-dos. Porm, cuidado com os excessos ali-mentares. Evite os doces e faa exerccios para no passar do limite do seu peso.

    escorpio23/10 a 21/11

    Est fechando um ciclo at seu prxi-mo aniversrio. uma fase de reava-liao, de repensar de forma crtica sobre sua vida. O momento pede reco-lhimento e introspeco.

    sagitrio22/11 a 21/12

    Convide as pessoas para estarem com voc. Os amigos e as pessoas de confian-a sero muito importantes na concepo de seus projetos. Poder ganhar uma di-reo aps pedir a ajuda deles.

    Capricrnio22/12 a 20/1

    Estar em evidncia social e profis-sionalmente, mas isso lhe exigir que enfrente as responsabilidades e obri-gaes. No deixe que o medo de errar mngue sua capacidade.

    aqurio21/1 a 19/2

    O artstico o estar atraindo prepon-derantemente e pode comear alguma atividade desse tipo. H uma boa dis-posio para os assuntos sentimentais ou pequenas aventuras.

    Peixes20/2 a 20/3

    Abandone o passado, deixe ir o que no serve mais. Compreenda e elimine as coisas superadas e velhas. Viver perder cascas. Regenere-se, transforme-se. Passe a viver intensamente, com paixo, com persistncia e fora de vontade. Agora tudo ou nada. tempo de renascer, estamos no signo de Escorpio.

    Por Marilda Ferraresi

    a eMPregada

  • 18 agito cuLturaL Domingo em Casa 30 De De outubro a 5 De novembro De 2011

    Cinema

    encontro do "Clube do Fusca" em sete lagoas

    Clube do FuscaUm carro que tem uma das histrias mais ricas e longas da histria automobilstica, o mais vendido em todo o planeta e, acima de tudo, tem fs em todos os lugares do mundo. Sim, dele mesmo que estamos falando, o famoso fusca. Sete Lagoas no podia ficar de fora, e desde abril deste ano fundou o seu Clube do fusca da cidade. E acontece hoje o primeiro encontro dos apaixonados pelo Volkswagen. O evento est marcado para s 10h, quando todos os fusquinhas faro um abrao simblico em torno da lagoa Catarina, que fica no bairro Caratina.

    lanamento do CD sempre importante valorizar as manifestaes culturais de nossa cidade. E por isso, vale a pena prestigiar o lanamento do mais novo CD do cantor sete-lagoano Elson da Terra. O trabalho, nomeado 777, o Cristo Csmico ser lanado oficialmente no dia 11 de novembro (11/11/11), e ser vendido na foto Arte Video, na Locadora Popular, no Opinio Pub e, tambm, no ferro Velho Pub. Os shows de lanamento acontecero nos domingos de dezembro no Opinio Pub, que fica na avenida Antnio Olinto, 1144, no centro de Sete Lagoas. Mas no necessrio esperar at l, j que hoje tambm haver apresentao do Elson da Terra, apresentando o repertrio antigo, s 21h, no mesmo local. Mais informaes pelo telefone (31) 9725-0502.

    O Palhao 2DClassificao 10 anos - Benjamim (Selton Mello) um palhao de circo, mas que, de uma hora para outra, se v em uma crise existencial e comea a questionar seu trabalho ensinado pelo pai, que tambm era palhao Puro Sangue. Cansado da vida na estrada junto com a trupe do Circo Esperana, ele comea a achar que a rotina perdeu a graa e sonha em endereo fixo e, porque no, um CPf, simbolizando sua prpria identidade.Cineplex 3D - 15:00 - 17:00 - 19:00 - 21:00

    O Retorno de Johnny EnglishClassificao 10 anosCineplex 2 - 14:10 - 16:20 - 18:30 - 20:50 (DUB)

    Gigantes de AoClassificao 10 anosCineplex 4 - 15:10 - 18:00 - 20:40 (LEG)

    Os Trs MosqueteirosClassificao 12 anosCineplex 1 18:40 - 21:00 (LEG)

    Filme dos EspritosClassificao 10 anosCineplex 1 14:20 - 16:30

    Sem SadaClassificao 14 anosCine fox 16:15 18:00 - 20:30 (LEG)

    Os smurfsClassificao livreCine fox 16:30 (DUB)

    Amizade ColoridaClassificao 12 anosCine fox 18:30 20:30

    inscries para as bandas de minas so prorrogadas As bandas que quiserem se inscrever para o Edital 2011 Bandas de Minas Programa de Apoio s Bandas Civis de Msica do Estado de Minas Gerais tero um prazo a mais. As inscries poderiam ser feitas at o dia 26 de outubro, porm, em decorrncia da greve dos Correios, foram prorrogadas at o dia 4 de novembro. O programa apia as corporaes musicais mineiras com doao de instrumentos de sopro, meta, percusso e kits de partituras e tambm realiza cursos e oficinas de capacitao artstica e promove lanamento de CDs. Para se inscrever, as bandas (que podem ser pblicas ou privadas sem fins lucrativos, devem ser registradas em cartrio e que possuam diretoria, estatuto e/ou regimento interno) devem acessar o site www.cultura.mg.gov.br e clicar no link Edital Bandas de Minas. Em seguida,

    necessrio apresentar ficha de Protocolo, formulrio Padro e Relatrio de Atividades (se houver) Secretaria de Estado de Cultura (SEC), na Superintendncia de Ao Cultural, direcionado Diretoria de programas e Articulao Institucional. A inscrio poder ser feita pelos Correios, via Sedex ou carta registrada, ou pessoalmente, de segunda a sexta-feira, das 10 s 16h. A SEC no funcionar no dia 2 de novembro (Dia de finados). O endereo para enviar as inscries Cidade Administrativa de Minas Gerais - Prdio Gerais 5 andar / Rodovia Prefeito Amrico Gianetti, s/n Bairro Serra Verde. CEP 31630901 Belo Horizonte MG. Mais informaes pelos telefones (31) 3915-2671 e (31) 3915-2670 ou por e-mail: bandasdeminas@cultura.mg.gov.br.

    Concurso minas ao luarComea hoje, na casa de shows Montana, o Concurso Mineiro de

    Pagode. At o prximo dia 18 de dezembro, todo domingo vai ser dia de muito pagode no local, que fica na rua Policenas Mascare-nhas, 158, no bairro So Geraldo. O evento comea s 17h, e aps o concurso haver apresentaes dos grupos classificados. Logo em seguida, a partir das 19h, tem mais pagode. O evento Clube do Pagode contar com shows das bandas Os Bombokados e Sam-boleiros, sendo que at as 20h as mulheres no pagam. Quem estiver interessado pode procurar mais informaes pelos telefones (31) 3773-7400 ou 9618-4536.

    Aconteceria ontem em Sete Lago-as um dos eventos mais famosos por resgatar a tradio seresteira do nosso Estado, o Minas ao Luar. Com apoio da Prefeitura de Sete Lagoas, a iniciativa do SESC/MG, que visa levar a prtica da seresta por diversas cidades de Minas, ocorreria na praa Dom Carlos Carmelo Mota, a praa da feirinha. O evento foi uma homenagem ao ex-prefeito da cidade, Dr. Afrnio Avellar, falecido no ltimo dia 19 e que era um grande amante da seresta. O grupo Rodrigo Miranda e Banda se apresentaria ontem.

    fOTOS DIVULGAO

    PreosCineplex Shopping Sete LagoasRua Otvio Campelo Ribeiro, 2801, EldoradoPreos: Segunda a quinta R$ 8 (inteira) R$ 4 (meia)Tera maluca - R$ 5 (inteira) R$ 2,50 (meia)Sexta a Domingo/feriado R$12 (inteira) R$ 6 (meia)Ingresso 3D Segunda a Quinta R$ 10 (inteira) R$ 5 (meia)Sexta a Doming/feriado R$16 (inteira) R$ 8 (meia)

    Fox Cine ClubeRua Nicola Lanza, 140, CentroSegunda a quinta Preo nico R$ 6Quarta casal R$ 8 (exceto feriados)Sexta a domingo R$12 (inteira) R$ 6 (meia)

  • 19resenHa esPortiva Domingo em Casa 30 De De outubro a 5 De novembro De 2011

    Hora de reconhecer os erros e fazer promessas para 2012Todo grande jogador interes-

    sa ao Atltico. Essa era a resposta evasiva que o reprter recebia de um astuto ex-presidente do Galo quando perguntava ou tentava especular sobre a possvel contra-tao de determinado jogador ba-dalado pela mdia. Boa poca em que as grandes contrataes eram respeitadas como tal, pelo tcnico e pela diretoria, e tambm faziam valer o investimento. Atualmente, o chamado reforo de peso, aque-le que leva a torcida ao aeroporto para acompanhar a sua chegada, parece no mais interessar ao time de Lourdes. Ou seria o contrrio, o craque no tem interesse em de-fender a camisa alvinegra?

    Para entender porque um joga-dor reconhecidamente valorizado como o meia Diego Souza no deu certo no Atltico, s mesmo inver-

    tendo a lgica e o certo passa a ser errado e o errado que o corre-to, como diria outro personagem recente do futebol brasileiro. Na verdade, a explicao para libe-rar os produtivos Diego Tardelli e Obina e contratar outros jogadores que, teoricamente, teriam peso equivalente no conjunto da equipe, seria convincente se os resultados tivessem aparecido. Esses temas j foram amplamente discutidos por muitos, mas seria muito fcil apon-tar que os erros comeam por a.

    Por que tantas promessas da base acabam no vingando no time profissional? Seriam esses os motivos que levaram o Atltico a continuar em 2011, a exemplo do ano passado, na luta para apenas ter o direito de disputar a primeira diviso no ano seguinte? A direto-ria atual tem sua autocrtica, reco-

    nhece onde teria errado, mas certa-mente ainda no possui a frmula para acabar com a sina do Galo de terminar as temporadas sem con-quistas. Talvez tenha escolhido um bom caminho, o de sanear as dvidas, profissionalizar e garantir estrutura de trabalho condizente com a grandeza do clube. S que o futebol exige resultados rpidos em campo, no basta o clube ser respeitado fora das quatro linhas.

    Resgate do Coelho

    A diretoria do Amrica cami-nha no mesmo sentido do Atlti-co. Melhora a estrutura do clube, apesar de reclamar, com justia, da desigualdade na distribuio das cotas de transmisso de TV. Tenta de todas as formas resgatar o Coelho no cenrio nacional. Na semana que passou, os dirigentes

    garantiram que, mesmo sendo con-firmado o rebaixamento neste ano, o trabalho no teria sido perdido. E reconheceram, sem ironia, que h vida, sim, na segunda diviso e que o projeto no pode parar.

    E o que dizer do Cruzeiro? Ao contrrio dos ltimos anos, o clu-be deixa a impresso de uma ad-ministrao fracassada ou, seno, comprovadamente, equivocada ao acreditar na frmula de liberar jo-gadores importantes e recompor altura sem alterar o rendimento do time. Dessa vez, o certo deu erra-do e o resultado a luta incomum da Raposa para permanecer entre os grandes, sendo que a histria do clube de brigar pelo ttulo ou, no mnimo, pela vaga na Libertadores.

    A rodada dos mineiros

    O Cruzeiro jogaria no sbado

    contra o Botafogo, mas a vitria contra o Atltico-GO, na rodada an-terior, havia garantido certo alvio ao time. Mas a luta ainda para no terminar entre os quatro piores do Brasileiro.

    Hoje dia de Atltico e Am-rica entrarem em campo. No h mais remdios para o Coelho. Cla-ro, os jogadores no podem jogar a toalha, mas a queda inevit-vel. A tarefa vencer o Coritiba fora de casa. J o Atltico precisa derrotar o Palmeiras s 18h, na Arena do Jacar, para confirmar a reao com a segunda vitria consecutiva. Se o Galo bateu o fluminense, no domingo passa-do, e conquistou sua primeira vitria na histria do Engenho, hoje, o desafio voltar a vencer o Palmeiras em Minas, pelo Brasi-leiro, depois de dez anos.

    Geremias SenaJornalista - geremias.sena@bol.com.br

    Reconheceram (diretoria do Amrica), sem ironia,

    que h vida na segunda diviso e que o projeto no pode parar.

    Cursos de ingls e espanhol sero oferecidos a alunos de escola pblica visando a Copa de 2014

    Capacitao de jovensPor Jos Vitor Camilo

    J pensou em aprender in-

    gls e espanhol gratuitamente? Jovens de 14 a 24 anos de esco-las pblicas de Belo Horizonte e regio metropolitana tero esta oportunidade em um projeto do Governo de Minas em parceria com o Sebrae-MG. Eles apren-dero o idioma e um pouco so-bre a cultura de alguns pases, tudo visando suprir a demanda por mo de obra qualificada para atender o mercado atual e, tambm, as demandas que surgiro com a Copa das Confe-deraes, em 2013, e a Copa do Mundo, em 2014.

    O Laboratrio de Culturas do Mundo, como foi chamado o projeto, que foi lanado na l-tima segunda-feira, dia 24, fun-cionar dentro do Plug Minas Centro de formao e Experi-mentao Digital, da Secretaria de Estado de Cultura. O secret-rio de Estado Extraordinrio da Copa do Mundo, Sergio Barroso, afirmou que a fIfA nos pre-miou com nove jogos nas duas Copas, porque felizmente temos

    um estdio com obras em dia e que ser um dos mais modernos do pas. Agora, nosso desafio capacitar pessoas para receber bem os milhares de turistas que viro a Minas. Os jovens so fundamentais nesse processo.

    O Instituto Cultural Brasil Estados Unidos (Icbeu) ser res-ponsvel pelos cursos de ingls, enquanto os de espanhol so resultado de uma parceria com o Instituto Cervantes. Sero 240 vagas (60 para ingls e 180 para o espanhol) para jovens que faro os cursos com durao de cinco semestres, sendo que a previso de concluso da primeira turma de junho de 2014.

    Uai-TechUma outra parceria firma-

    da tornou possvel a criao do Uai-Tech, que um ncleo de tecnologia aplicada nas reas da cincia e inovao. A previ-so de que essa unidade po-der atender todos os anos at 250 jovens, com idades entre 14 a 24 anos, que tenham interesse por fsica, qumica, matemtica, eletrnica e programao.secretrio Srgio Barroso ressalta a importncia da capacitao das pessoas para a Copa de 2014

    OMAR fREIRE/IMPRENSA MG

  • 20 esPortes Domingo em Casa 30 De De outubro a 5 De novembro De 2011

    Ciclo vicioso no futebolImpressionante como

    os clubes mudam o dis-curso durante a disputa do Campeonato Brasi-leiro. No incio, a briga pelo ttulo, depois, a vaga na Copa Libertado-res, porm, na reta final, a luta contra o rebai-xamento e, no final, se escapar, o consolo a Copa Sul-Americana. Mas no ano seguinte, a maio-ria dos clubes usa times mistos na Copa Sul-Ame-ricana, mesmo valendo vaga para a Libertadores. A desculpa que a prio-ridade o Campeonato Brasileiro, como aconte-ceu com So Paulo, fla-mengo e Botafogo.

    Um bom exemploO Vasco o nico bra-

    sileiro nas quartas de final da Copa Sul-Americana. E a classificao veio em grande estilo: 8 a 3 sobre o Aurora, da Bolvia. Agora, o prximo adversrio ser o Universitrio, do Peru. Qual ser o segredo do time do So Janurio que neste ano conquistou a Copa do Brasil e mesmo assim briga pelo ttulo do Campeonato Brasileiro? Ser incompe-tncia dos concorrentes, a sorte ou um bom planeja-mento? O curioso que, em 2009, o Vasco disputava a srie B. O time modesto, no tem craques e, sim, jo-gadores de um bom nvel tcnico. Alis, a equipe comandada por Cristvo Borges, auxiliar do Ricardo Gomes, que segue em recu-perao de um derrame. E quando todos imaginavam que o Vasco sentiria a falta do seu comandante, o gru-po se uniu e vem surpreen-dendo a cada jogo. Coisas do futebol!

    O imprio TeixeiraNa ltima quarta-feira,

    o jornalista ingls Andrew Jennings, da BBC, deps no Senado brasileiro e voltou

    a acusar o presidente da CBf, Ricardo Teixeira, e o ex-presidente da fIfA, Joo Havelange. Segundo ele, os dois receberam propina de U$ 9,5 milhes da ISL, em-presa de marketing esporti-vo. Jennings revelou ainda que a Justia sua possui confisses de Teixeira e Ha-velange de que receberam a propina e um documento assinado pelo presidente da fIfA, Joseph Blatter, no qual ele admite ter conheci-mento do episdio. Todavia, tudo mantido sob sigilo pela Justia sua. S nos resta aguardar as investiga-es e torcer para que tudo no acabe em pizza, como foram todas as denncias contra Ricardo Teixeira.

    Mais um acesso para MinasAps o Ipatinga retornar

    a Srie B, hoje, o Tupi po-der comemorar o acesso Srie C. Como venceu o jogo de ida, em Juiz de fora, por 4 a 1, o Tupi pode at perder por dois gols de diferena, em Anpolis. Boa sorte ao Galo da Zona da Mata.

    Tnel do tempoQuem acompanhou a

    Copa do Mundo de 1970, jamais vai se esquecer do fantstico time do Brasil. Alis, no foi toa que ele conquistou o tricampeona-to no Mxico. No s pelo ttulo, mas, principalmente, pela qualidade do seu fute-bol, a seleo Canarinho de 70 at hoje lembrada por todos. Durante os jogos da Copa, mais de 11 jogadores atuaram em campo e parti-ciparam da conquista, mas a equipe lembrada por to-dos era formada por flix, Carlos Alberto, Brito, Clo-doaldo, Piazza, Everaldo, Jairzinho, Gerson, Rivelino, Pel e Tosto. E uma curio-sidade deste grupo, os cin-co nomes da chamada linha de frente eram todos donos da camisa dez em seus clu-bes no Brasil.

    Enio LimaNarrador esportivo

    Jogo decisivo na arena

    Parada dura O Democrata Jacarr enfrenta o time do Alta Paranba e precisxa vencer para manter viva a chance de classificao

    COMUNICAO DEMOCRATA fC

    Democrata enfrenta o Arax hoje s 11h e convoca a torcida para incentivar o time

    Hoje dia de um jogo muito difcil para o De-mocrata, que joga pela 2 fase da Segunda Diviso do Campeonato Mineiro. O time, que est na terceira posio da competio, en-frenta o Arax e precisa da vitria para se manter vivo na batalha rumo ao Mdulo II do Campeonato Minei-ro. O jogo, que o mais decisivo para o clube at o momento, ser na Arena do Jacar, s 11h, e o time espera poder contar com o apoio da torcida para con-seguir passar para a prxi-ma fase.

    No ltimo fim de sema-na, o Democrata jogou con-

    tra o Contagem, em Santa Luzia, e contou com boa participao da torcida. O apoio dos torcedores alvir-rubros acabou levando o time a uma vitria por 1 a 0, o que manteve o sete-la-goano vivo na competio. O jogo comeou com atraso de 40 minutos devido fal-ta de ambulncia e policia-mento no Estdio do frimi-sa, e foi bastante truncado, devido s chuvas e a ps-sima condio do gramado. O nico gol da partida foi marcado por Marcos Arthur, aos 21 minutos do primeiro tempo, aps uma grande jo-gada do meia Diney.

    O Jacar s no assumiu

    a segunda posio da cha-ve por conta da vitria do Arax sobre o Social por 3 a 2. O time do Tringulo Mineiro assumiu a segun-da posio com a mesma pontuao do Democrata, porm tem um gol marcado a mais, ficando frente pe-los critrios de desempate. Vale lembrar que o Social o lder da competio com nove pontos, e ser o adversrio do Jacar na prxima semana no ltimo jogo da segunda-fase da competio. Para a partida de hoje foram distribudos 1.000 ingressos no Recan-to do Jacar e no Bazar es-porte.

    O presidente da diretoria executiva do Democrata fute-bol Clube, flvio Reis, est na China, desde o ltimo dia 24, visando buscar novos parceiros para o Jacar. Reis levou vasto material do clube para ser apresentado aos chineses na maior feita multi-setorial do mundo, a fei-ra de Canto (Cantonfair). Como o futebol chins vem crescendo vertiginosamente nos ltimos anos, Reis

    acredita que seria interessante buscar parcerias para oferecer intercmbio de jovens que queiram aprender o futebol no Brasil. Assim, seria possvel receber inves-timentos chineses na melhoria da estrutura fsica e de pessoal das categorias de base do Democrata. O retorno do presidente est previsto para a prxima quarta-feira, dia 2 de novembro.

    Ajuda da China

    rPidas

    Prximos jogos do Democrata

    30/100h Democrata SL x Arax Arena do Jacar

    02/1110h Social x Democrata SL - Estdio Louis Ensch

    Classificao (Chave D)Posio Equipe P SG V D E GP GC1 Social 9 4 3 1 0 9 52 Arax EC 6 1 2 2 0 8 7 3 Democrata/SL 6 1 2 2 0 7 6 4 Contagem 3 -6 1 3 0 2 8