jornal do quintal 8° edição

Download Jornal do quintal   8° edição

Post on 10-Jul-2015

233 views

Category:

Documents

5 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Do QuintalUm jornal a servio dos moradores da regio do Pilarzinho, Mercs, Vista Alegre, Abranches, So Loureno e Bom Retiro.

    R$ 1,50 Curitiba, setembro/outubro de 2012 - Ano II - Nmero 8

    Brincando como antigamente

    Dica de presente para usar toda a vida

    Antes dos computadores pessoais, iPods, iPads,

    videogames, para brincar no se precisava muito,

    bastava ser criana. Pg. 16

    Qual o presente que se pode dar para uma criana que seja relativamente barato e do qual

    ela nunca se esquecer? Pg. 7

    18 meses para a Pedreira voltar a receber shows

    Aps quatro anos e meio fechada, a Pedreira Paulo Leminski tem prazo para reabrir. A empresa DC Set Eventos, que venceu a licitao

    para administr-la, tem agora que realizar as obras que garantam a segurana para o pblico e tranqilidade para a vizinhana. Pg. 2

    Pilarzinho pode ganhar sua RegionalPg. 3

    Conhea as histrias do AbranchesPgs. 8 e 9

    Fredolin deve ser entregue ainda este ano Pg. 11

    Amiges, os animais exigem cuidados Pg. 5

    Hemoflicos tm casade apoio no Pilarzinho Pg. 6

    Rua dos Caladosquer virar shoppingA Rua Teff, tradicional ponto do comrcio caladista, j tem projeto para ser o primeiro shopping a cu aberto da cidade. Pg. 10Jo

    o d

    e N

    oro

    nh

    a

    DSF-Dq

    DS

    F-D

    q

  • 2 Do QuintalCuritiba, setembro/outubro de 2012

    Propriedade da Editora - Douglas de Souza Fernandes CNPJ: 12.339.920/0001-18 Diretor de Redao: Douglas de Souza Fernandes Projeto grfico e diagramao: Eduardo Picano Aguida Endereo: Rua Professor Igncio Alves e Souza Filho, 343, Pilarzinho, CEP 82110-450. Telefones: 3527-0501 e 9892-4606. E-mails: doquintal@yahoo.com.br. Impresso: Editora O Estado do Paran - Tiragem: 10.000 exemplares

    Novela da Pedreira acaba, falta reabri-laAps 4 anos e meio fechada e uma polmica concesso, pblico aguarda reabertura

    Quatro anos e meio fechada para sho-ws, a Pedreira Paulo Leminski finalmen-te tem prazo para ser reaberta. A empresa que assumiu a concesso do local pelos prximos 25 anos, a gaucha DCSet Eventos, tem 18 meses para realizar as obras e melhorias na segurana, acesso e acomodao do pblico. S ento poder reabrir o espao para shows.

    A Pedreira foi fechada em maro de 2008 por determinao do juiz Douglas Marcel Perez, da 4. Vara de Fazenda Pblica de Curitiba, que acatou o pedido feito em Ao Civil Pblica do Ministrio Pblico do Meio Ambiente. A ao foi base-ada num pedido de 134 moradores do Abranches e encaminhada pela associao de moradores do bairro, a Amada. Eles reclamavam do baru-lho nas noites de shows e das desor-dens e depredaes que ocorriam prximo pedreira aps os eventos, alm da falta de fiscalizao das pro-dues.

    4 anosSeguiu-se ento uma intermi-

    nvel srie de reunies entre repre-sentantes do Ministrio Pblico, da Amada, da Prefeitura e dos que pediam a volta dos shows pedrei-ra, representados pelo movimento A Pedreira Nossa, coordenado pelo vereador Jonny Stica (PT). S em fevereiro deste ano, quase qua-tro anos depois, aps percias pelo Corpo de Bombeiros e a apresen-tao de um estudo da Prefeitura sobre o que deve ser feito no local para garantir a segurana do pbli-co e a tranquilidade na vizinhana, que chegou-se a um acordo.

    As obras ficariam a cargo do Mu-nicpio, mas em abril a Prefeitura lanou edital para terceirizar no s a administrao da Pedreira, como a da pera de Arame e do Parque Nutico. O Edital foi contestado na Justia em ao movida por Jonny Stica, que pedia suspenso do pro-cesso por falta de divulgao ade-quada. O pedido, porm, foi inde-ferido, duas empresas se candida-taram, a curitibana Parnaxx ltda. (antiga Calvin Eventos) e a gaucha DCSet Eventos, esta anunciada como vencedora.

    O anncio da concesso ini-ciativa privada causou grande po-

    lmica. De um lado, os que vem nisso uma privatizao de bens pblicos, do outro, quem defen-de que ao desonera a Prefeitura, que poderia aplicar em outros se-tores os recursos que deixaria de aplicar ali. E, no meio, quem apro-va a concesso, mas discorda dos valores e das condies em que ela foi firmada.

    ObrasPelo contrato de concesso, a

    vencedora ter que investir R$ 18

    milhes para realizar em no mxi-mo 18 meses todas as obras exigi-das pelo Ministrio Pblico, para s ento poder explorar comer-cialmente os espaos. Resta ao MP, Corpo de Bombeiros, aos morado-res da regio e quem pretende fre-quentar esses espaos fiscalizarem se as obras que garantem segurana ao pblico e paz vizinhana sero realmente feitas dentro do que foi exigido. O Do Quintal estar aten-to. Confira nas prximas edies do jornal.

    Parceira da GloboA DC Set eventos, criada em

    1979 em Porto Alegre por Dody Se-rena e Cico Chies, uma das mais conhecidas produtoras de shows no Pas. Em 1996, lanou o Festi-val Planeta Atlntida, que acontece anualmente no Rio Grande do Sul e Santa Catarina, em parceria com a RBS, a representante da Globo nos dois estados. O modelo foi expor-tado para o Paran em 2008, pas-sando a se chamar Lupaluna, numa parceria com a Globo daqui, a RPC.

    eXPe

    die

    NTe

    Do Quintal

    A pera de Arame, que com a Pedreira Paulo Leminski compe

    o Parque das Pedreiras, tambm entrou na concesso.

    SMCS

    Pilarzinho oficializa o seu ConsegFinalmente, aps vrios meses

    no trabalho de organizao por parte de moradores-voluntrios, o Pilarzinho tem o seu Conselho de Segurana (Conseg) oficializado. A vitria foi anunciada na reunio mensal de julho do grupo de mora-dores e de representantes das pol-cias Civil e Militar.

    A oficializao do organismo deu-se com a aprovao da Car-ta Constitutiva pelo secretrio de Segurana Pblica do Estado, Rei-naldo de Almeida Csar, e da co-ordenadora estadual dos Consegs, Michelle Loureno Cabral.

    Ou seja, a partir de agora, a po-pulao local tem um canal direto e oficial com as autoridades policiais, no sentido de denunciar situaes, sugerir aes e cobrar medidas que possam melhorar a segurana no bairro. As reunies acontecem

    mensalmente, sempre na segunda tera-feira do ms, nas dependn-cias da Associao Parananaense dos Hemoflicos, Rua Augusto Basso, 28, em frente RIC-TV.

    CriminalidadeO ndice de criminalidade, j

    bastante alto nos ltimos anos, tem se agravado nos ltimos meses na regio do Pilarzinho. Quase dia-riamente h notcias de assaltos ao comrcio e a residncias no bairro. Muitos deles acabam no virando

    estatscas, pois ainda grande o nmero de vtimas que no fazem o Boletim de Ocorrncias. E esse um dos pontos em que o Conseg j vem trabalhando, ou seja, alertan-do para a importncia do registro para que se possa cobrar aes das autoridades para enfrentar essa si-tuao.

    Ento, voc que se preocupa com o bairro e quer participar des-se movimento para deixar o local onde moramos mais tranquilo e mais seguro, no deixe de compare-cer s reunies do Conseg. Quan-to mais pessoas participarem, mais teremos fora. As reunies mensais so abertas comunidade justa-mente para que todos possam con-tribuir, levando suas sugestes, cr-ticas e opinies, para que tornemos nosso bairro, nosso quintal, um lo-cal cada vez melhor de se viver.

    Creche com inscries abertas

    O novo CMEI, no Pilarzinho.

    Recm concludo, o Centro Municipal de Edu-cao Infantil (CMEI), na esquina das ruas So Salvador e Odilon Santana, no Pilarzinho, j est realizando o cadastro para preenchimento das 150 vagas disponveis. Segundo a Prefeitura, a unidade dever iniciar o atendimento ainda neste ano, mas ainda no h data definida. Pais de crianas com 3 meses a cinco anos de idade devem se dirigir Rua da Cidadania do Boa Vista (Avenida Paran, 3600, Sala 47). Informaes pelo fone 3313-5714

  • 3Curitiba, setembro/outubro de 2012

    Do Quintal

    A beleza das embalagens dos alimentos e os resultados estticos que elas sugerem no devem ser os nicos critrios levados em conta na hora de escolher o que comprar. O bom estado dessas embalagens, o prazo de validade e as informa-es nutricionais que elas trazem no podem ser ignorados por quem compra. Isto porque, expli-ca a nutricionista da Vigilncia de Alimentos da Secretaria Municipal da Sade Sabrina Mendes, comida e bebida precisam ser consumidas de forma equilibrada para o bem da sade.

    Checar se pacotes, garrafas, po-tes, caixas ou latas expostos na rea de venda de supermercados e lojas esto intactos sem trincas, amas-sados, furos ou rasgaduras e con-servados na temperatura correta

    faz parte dos cuidados iniciais a se-rem tomados. Nessas embalagens devem constar o prazo de validade legvel e em dia e, alm disso, o r-tulo discriminando os nutrientes de que cada alimento composto e suas propores. As equipes de fiscalizao da Vigilncia Sanitria esto atentas a esses detalhes, pro-tegendo a sade do consumidor, mas somente a ele que cabe a es-colha dos produtos mais de acordo com as suas necessidades dietticas e de suas famlias, observa Sabrina.

    Dieta planejada

    Para uma boa aquisio, suge-re a nutricionista, importante planejar o que levar para casa com antecedncia e nunca ir s compras com pressa e sem culos. Tambm importante no se deixar impres-

    sionar pelos preos promocionais. O que vale adquirir produtos com baixos teores de sal (sdio), car-boidratos (nutrientes energticos entre os quais esto os acares) e gorduras saturadas (de origem ani-mal) e trans (de alimentos indus-trializados).

    As propores de cada nutrien-te usando como referncia por-es caseiras e valores percentuais dirios esto registradas nos r-tulos. Ao ler essas informaes importante situ-las no contexto do quanto daquele alimento se vai ingerir e o que essa quantidade re-presenta sobre tudo o que ser con-sumido no dia da sua ingesto, ob-serva Sabrina Mendes. No come-o pode dar um pouquinho de tra-balho, exigir mais tempo durante as compras, mas