Jornal do Cariri - Novembro

Download Jornal do Cariri - Novembro

Post on 28-Mar-2016

289 views

Category:

Documents

67 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Edio 01 a 07 de Novembro - Jornal do Cariri

TRANSCRIPT

<ul><li><p>O peridico do Cariri independente REGIO DO CARIRI l DE 01 A 07 DE NOVEMBRO DE 2011 l ANO XIV l NMERO 2506 R$ 1,50</p><p>CULTURA</p><p>Banda Patativa preserva msica regional</p><p>10 7 5</p><p>GRANDES NOMES</p><p>ESTADUAL 2012</p><p>BARBALHA</p><p>COMBATE DENGUE</p><p>ProfessorJoo Gonalves Dias Sobreira</p><p>Acesse e veja a programao completa: www.bnb.gov.br/cultura</p><p>Dia 31, segunda-feira.Fechado.Dia 01, tera-feira.ENSAIO ABERTO19h00 - Leprosos - Do Universo deAugusto dos Anjos - Cia. Desabafode Teatro.</p><p>Dia 02, quarta-feira.Feriado. Dia 03, quinta-feira.LITERATURA Si Deus Quiz i Meu Padim Cio! -Assislan de Paiva - Juazeiro do Norte-CE.</p><p>Dia 04, sexta-feira.ARTE RETIRANTELocal: E.E.E.P. Raimundo SaraivaCoelho.15h30 - Si Deus Quiz i Meu PadimCio! - Assislan de Paiva - Juazeiro doNorte-CE.</p><p>Dia 05, sbado.ATIVIDADES INFANTIS17h00 - Teatro Infantil - Eu e Tu Contra o Bicho mais Feio do Mundo - Juazeiro do Norte-CE.CINEMA - 100 CANAL17h26 - Eu tambm Sou Patrimnio. </p><p>CINECAFMediador: Elvis Pinheiro.17h30 - Dirigindo no Escuro. Dia 06, domingo.Fechado.</p><p>Destaques da programao de 31 de outubro a 06 de novembro de 2011.</p><p>n SEGURANA ELETRNICA</p><p>n PORTARIA</p><p>n ZELADORIA</p><p>n TERCEIRIZAO DE SERVIOS</p><p>Travessa Slino Duda, 59 - Bairro Santa Teresa - Juazeiro do Norte - CE</p><p>Pea j seu oramento sem compromissoRUA DELMIRO GOLVEIA, 942 - SALESIANOSFONE/FAX: (88) 3512-1100</p><p>TUDO EM AT 10X NO CARTO VISA SEM JUROS </p><p>CHEQUE E CARN.</p><p>AUTOMTICOS, CERCA ELTRICA, PORTEIRO E VIDEO PORTEIRO, INTERFONE, PABX, CFTV.</p><p>Faltam bafmetros e condutores ficam impunes</p><p>LCOOL E DIREO</p><p>Em mais de trs anos de implantao da Lei Seca, nenhum condutor embriagado foi autuado pelos Departamentos Municipais de Trnsito no Crajubar, com provas jurdicas para punio, em casos de acidentes com vtimas. Mesmo estando visivelmente alcoolizado, a Lei exige uma prova que s pode ser produzida com o consentimento do condutor. Pela falta de preparo dos agentes e por no possurem o bafmetro, os Demutrans realizam os procedimentos administrativos e nos casos mais graves, como os criminais, os condutores so encaminhados Polcia Judiciria e os exames de alcoolemia so realizados no Instituto Mdico Legal (IML).</p><p>Barbalha de olho na2 diviso do Cearense </p><p>Ex-prefeitos surgemcomo alternativa em 2012</p><p>Sete municpios podem receber incentivo federal</p><p>A diretoria do Barbalha Futebol Clube aguarda a deciso do Tribunal de Justia Desportiva de Futebol do Cear (TJDF-CE) para comemorar, ou no, o retorno 2 diviso do Campeonato Cearense. Ao fim do Certame deste ano, a raposa do Cariri assume boa posio na tabela, mas depende da Justia para chegar na segundona no Estadual.</p><p>Os ex-prefeitos de Barbalha, Joo Hilrio (PMDB) e Rommel Feij (PSDB) defendem uma campanha alternativa s eleies de 2012, em virtude do descontentamento com a atual gesto do prefeito Jos Leite (PT). Rommel diz que a esquerda no realizou o que tinha se proposto a fazer, e por isso tem travado um acordo poltico com Joo, j que, ideologicamente, eles discordam de opinies. Ambos declaram que no tem interesse em lanar candidaturas prprias e cogitam os nomes de Heloisa Sampaio (PMDB) ou Betilde Sampaio (PMDB). </p><p>Sete municpios do Cariri, considerados prioritrios por apresentarem um nmero elevado de casos de dengue, esto aptos a receber um incentivo do Ministrio da Sade, que ajudar no controle e na preveno do Aedes aegypti, mosquito transmissor da doena. Para ter direito ao recurso, Juazeiro do Norte, Crato, Barbalha, Brejo Santo, Mauriti, Barro e Porteiras devero elaborar um projeto com detalhes das aes de combate ao mosquito e que se adque as recomendaes feitas pelo Ministrio. Sero liberados R$ 5,1milhes para 51 municpios cearenses.</p><p>3</p><p>8</p><p>4</p><p>CULTURA</p><p>JC lana concurso para mostrafotogrfica e projeto ArtesaniaO Jornal do Cariri em parceria com o Instituto de Estudos Pesquisas e Projetos da Uece (Iepro), Banco do Nordeste e Prefeitura Municipal de Juazeiro do Norte, lanar no prximo dia 10 de novembro, os projetos Artesania Cariri- A Riqueza do Artesanato e a mostra fotogrfica Novos Olhares sobre Juazeiro do Norte. So iniciativas de carter editorial e de pesquisa, realizadas com incentivo do Escritrio Tcnico de Estudos Econmicos do Nordeste (Etene / BNB). 11</p><p>CRATO</p><p>Comerciantes reclamam da lentido das obras no centro De acordo com comerciantes cratenses, de julho a outubro deste ano, as vendas no comrcio local cairam significativamente, por causa das obras de requalificao de praas e das ruas Joo Pessoa e Miguel Limaverde. O trecho foi interditado, comprometendo o acesso de clientes s lojas. Com a aproximao do natal e ano novo, os lojistas esto temem que a queda nas vendas seja ainda maior. O Governo do Estado se comprometeu em concluir 50% dos servios at o incio de dezembro. 12</p><p>5</p><p>n Equipe do Barbalha Futebol Clube aguarda deciso do TJDF-CE</p></li><li><p>O trnsito nos municpios do interior sempre foi uma questo difcil. Aps a Constituio de 1988 e o C-digo de Trnsito Brasileiro, os municpios assumiram a funo fiscalizatria, que anteriormente era inteira dos Departamentos Estaduais de Trnsito. Depois, surgiu a polmica quanto natureza jurdica dos rgos munici-pais de trnsito, o que s foi resolvido quando o Supremo Tribunal Federal decidiu que tinham de ser autarquias e no empresas.</p><p>Agora, as novas regulamentaes apertaram o cerco contra os motoristas que bebem. Mas, como aplicar a lei, sem condies materiais, como o nmero de bafmetros?</p><p>O Cariri vive esse dilema: os encarregados da fis-calizao do trnsito municipal no possuem bafmetros. Ou, quando os possuem, no sabem oper-los adequa-damente. Faltam meios e preparo, com isso, a sociedade quem mais sofre e todos so submetidos aos requintes de crueldade de motoristas irresponsveis, que confiam na impunidade e na ausncia de fora coativa dos rgos pblicos.</p><p>O trnsito uma mquina de morte no Brasil. Nos-sas estatsticas revelam que nem uma guerra tira tantas vi-das quanto o trnsito em nosso pas. Os motoristas usam de seus automveis como instrumentos de realizao de seu ego, de demonstrao de poder, fora e de dinheiro. Nada mais sem sentido, porm, o que se d em uma sociedade que valoriza esses smbolos de status. Some--se a isso o fato de que h a imprudncia dos condutores de motocicletas e a falta de cuidado dos pedestres, pouco afeitos s faixas que lhes so destinadas.</p><p>O que efetivamente problemtico, porm, o uso do lcool. Dirigir depois de beber algo socialmente aceito e a mudana dessa realidade cultural no simples, nem fcil. A sociedade caririense precisa repensar esses valo-res e dar o exemplo. Adolescentes e jovens so apresenta-dos permanentemente a modelos culturais errados. No incomum at mesmo o elevado consumo de lcool por menores, sem fiscalizao alguma, e o posterior uso de au-tomveis. Em caso de acidentes, os adultos terminam as-sumindo a responsabilidade e isso mascara as estatsticas.</p><p>Uma vez mais, necessria a realizao de campa-nhas educativas para o trnsito. O uso de rdios, jornais e televiso ainda tmido e poderia ser bem mais explo-rado. Nas escolas e nas universidades, infelizmente, no se v com a necessria intensidade esse tipo de preocu-pao dos agentes responsveis pela educao ou pela fiscalizao.</p><p> Os nmeros no mentem. Os custos sociais decor-rentes das mortes, mutilaes e dos acidentes no trnsito superam e muito os baixos custos de campanhas de edu-cao e preveno de acidentes e de desestmulo ao uso de lcool pelos motoristas.</p><p>Mas, algo muito simples como a aquisio de ba-fmetros e o treinamento de pessoal no pode mais es-perar. O que ocorre no Cariri faz parte de uma situao nacionalmente conhecida. O bafmetro e a Lei Seca vm perdendo terreno. A impunidade e a sensao de que tudo permitido esto comeando a vencer a Lei e seus propsitos.</p><p>O Cariri no pode entrar na contramo da histria.</p><p>EditorialLCOOL E TRNSITO: TRISTE HISTRIA DE IMPUNIDADE</p><p>2Opinio</p><p>REGIO DO CARIRI(CE), DE 01 A 07 DE NOVEMBRO DE 2011</p><p>Exped</p><p>iente</p><p>:</p><p>Fundado em 5 de setembro de 1997O Jornal do Cariri uma publicao</p><p>da Editora e Grfica Cearasat Comunicao Ltda</p><p>CNPJ: 34.957.332/0001-80</p><p>O peridico do Cariri independente</p><p>Diretor-presidente: Luzenor de Oliveira Diretor de Contedo: Donizete Arruda Diretoria Jurdica: Vicente Aquino Editora Responsvel: Jaqueline Freitas </p><p>Administrao e Redao: Rua Pio X, 448 - Bairro Salesianos - CEP: 63050-020 - Juazeiro do Norte Cear - Fone (88) 3511.2457Sucursal Fortaleza: Rua Coronel Alves Teixeira, 1905, sala 05, Telefone: 085.3462.2607 - Celular: 085.9161.7466Sucursal Braslia: Edifcio Empire Center, Setor Comercial Sul, Sala 307, Braslia-DF</p><p>Os artigos assinados so de responsabilidade dos seus autores</p><p>Conselho Editorial: Geraldo Menezes Barbosa | Francisco Huberto Esmeraldo Cabral | Napoleo Tavares Neves e Monsenhor Gonalo Farias Filho </p><p>Fale conosco Redao w cidades@jornaldocariri.com.br w policia@jornaldocariri.com.br w politica@jornaldocariri.com.br w redacao@jornaldocariri.com.br w sucursalfortaleza@jornaldocariri.com.br Departamento Comercial w comercial@jornaldocariri.com.br | Diretoria w diretoria@jornaldocariri.com.br | Geral w jornaldocariri@jornaldocariri.com.br </p><p>Envie sua carta para jornaldocariri@jornaldocariri.com.br e d sua opinio faa sua sugesto, uma crtica. Esse espao aberto para voc, caro leitor. </p><p>SEXTILHA CARTAO MAIOR REPRESENTANTEDE VOC SER VOC...COMO VOC SE ACEITAE COMO VOC SE CROS OUTROS TAMBM ACEITAMO MUNDO ASSIM O V!</p><p>Welington Costa</p><p>As lideranas polticas do Cariri insistem em dizer que ainda muito cedo para falar de eleies municipais, que acontecero no ano que vem. Mas, o que se percebe que as alianas j comearam a ser formadas. Nas ruas e praas no se falam em outra coisa, a no ser em quem vai disputar o pleito do ano que vem. Na verdade, a corrida eleitoral j comeou no Cariri e os candidatos j desfilam nos principais eventos das cidades.</p><p>Maria de Lurdes, Barbalhense</p><p>REVIVENDO A EXPOCRATONa edio deste noticioso em 27 de se-</p><p>tembro de 2011, transcrevia uma publicidade di-zendo assim: agradecemos aos nossos parceiros em 2011 e esperamos por vocs na Expocrato 2012. Esta mensagem indiretamente, agradece aos parceiros, visitantes e expositores da EXPO-CRATO (2011), ao passo que voc leitor, j se sinta convidado para EXPOCRATO 2012. A organizao deste evento inicia-se antes, durante e depois do trmino da EXPOCRATO. A cada ano, o trabalho incansvel da Associao dos Criadores do Crato, que em parceria com as instituies tm garantido o pleno sucesso. O grande volume de negcios pode ser justificado, tanto pela fora do Agrone-gcio como pelo esforo da Comisso Organiza-dora da EXPOCRATO. No Cenrio de crescimento, a EXPOCRATO tem surpreendido o pblico, alm de proporcionar, oportunidade de negcios. Para concretizao do(s) negcio(s), recebeu apoio das agncias bancrias que para l transferiu seus ser-vios, para atender clientes e expositores. </p><p>Torna-se evidente que a profissionalizao do evento, permitiu valorizar aquilo que patrim-nio cultural do nosso povo. No muito obstante, a construo do Museu na EXPOCRATO (2009), dentro do Parque Exposies, vem demonstrar na prtica, a preocupao com a preservao da me-mria deste grandioso evento. O museu rene um acervo de imagens bem expressivo. </p><p>Com 60 anos de existncia, a EXPOCRA-TO consagrou-se como evento importantssimo do </p><p>setor Agropecurio. Descrever a Expo-sio do Crato recordar a solenidade realizada pelo radialista e cerimonial Huberto Cabral, profissional detentor de um cabedal de conhecimentos da histria do Cariri que muito nos honra com seu saber. Ao ouvir o nobre ra-dialista pronunciar: Exposio Centro Nordestina de Animais e Produtos De-rivados do Crato, muito me emocio-nava. A economicidade deu-lhe, um charme na abreviao, sendo necess-rio pronunciar e escrever somente EXPOCRATO. </p><p>Das inmeras lembranas e personalida-des de que fazem parte dessa histria: o sanfo-neiro e compositor Luiz Gonzaga; Jonas Pereira de Andrade (bilinguim) autor da cano que pede: Doutor traga o trem de volta (...). Recordo ainda da poca em que a exposio tinha como atrao o trio-eltrico Asas da Amrica; das barracas de palha da dona Neuza com seu mungunz; dona Raimunda cabea de porco (in-memria) com sua tradicional buchada. O ento radialista e folclo-rista Mestre Eloi Teles de Morais e tantos outros baluartes, muito fizeram para o engrandecimento deste evento. No entanto, pedimos desculpas se esquecemos de citar outras autoridades de valor histrico para este evento. Ainda assim, o parque de Exposies recebe o nome do Professor, Agro-pecuarista e ex-Prefeito do Crato, Pedro Felcio Cavalcante, autoridade de valor extraordinrio, </p><p>homem com senso de justia e de vi-so, bastante afinado para os padres da sua poca. </p><p>A EXPOCRATO 2011, contou com: artesanato; leiles com transmis-so ao vivo; produtos da Agricultura Familiar; Casa de Farinha; Fazendinha demonstrativa; Exposio de animais (bovinos, caprinos, ovinos, eqinos...). A autntica culinria regional presente nas barracas, com cardpios variados, </p><p>despertou a ateno do publico, com pratos ao gosto do cliente. Com um elenco bem diversificado, outro atrativo foram s atraes, nos seus mais de trs (3) palcos, com programa-o todas as noites. No palco Mestre Eloi Teles, as apresentaes folclricas complementam a EXPO-CRATO, onde a tradio popular teve continuida-de pela Fundao do Folclore. Em um s tempo, famlias residentes em outras cidades, e com pa-rentes na regio, aproveitam estao de frias (julho), para vir ao Crato, para visitar parentes, re-ver amigos e participar tambm da EXPOCRATO. A vitrine do Agronegcio Kaririense, mostrou todo seu potencial. Quem no foi EXPOCRATO, deixou de conferir, as diversas atraes regional e nacional. </p><p>Andson Andrade da SilvaGraduando Letras </p><p>Urca - Misso Velha</p><p>TRNSITO MATA MAIS DO QUE GUERRASAs estatsticas brasileiras sobre acidentes </p><p>de trnsito so estarrecedoras. Em 2010 foram 38.912 mortes (segundo o DATASUS) derivadas de acidentes de trnsito. Do total das vtimas te-mos 81,4% de homens, 18,4% de mulheres e 45,5% de jovens entre 20 e 39 anos. A grande maioria dos acidentes chegando a 90% - so causados por falha humana.</p><p>A guerra do Iraque, durante 7 anos, ma-tou aproximadamente 120 mil pessoas, nosso trnsito matou mais de 220 mil no mesmo per-odo. um absurdo. O Brasil o terceiro pas no mundo em violncia no trnsito, ficando atrs so-mente da ndia e China, passou a Europa inteira e os EUA em mortes na rea. Estimativas indicam que gastamos cerca de 1% a 2% do PIB no trata-mento dos acidentes de trnsito (mortes, afasta-mentos devidos a ferimentos graves, gastos com tratamento de sade, etc).</p><p>Estes ndices nos levam a reflexo que preciso mudar. As mudanas devem passar por profundas alteraes na legislao e na cultura de nosso povo. Os fatores que diretamente influen-ciam so Educao, Preveno, Engenharia, Fisca-lizao e Punio Exemplar.</p><p>As causas gerais dos aciden-tes so conhecidas: consumo de l-cool e drogas, aumento da frota de veculos em detrimento da qualidade do transporte pblico, impunidade dos infratores que irresponsavelmen-te utilizam veculos como armas (e aqui a culpa pode ser atribuda tanto a legislao quanto ao Judicirio) e velocidade excessiva.</p><p>Especificamente, o Departamento Muni-cipal d...</p></li></ul>