Jornal do Cariri - Edição - 2549

Download Jornal do Cariri - Edição - 2549

Post on 29-Mar-2016

256 views

Category:

Documents

34 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Jornal do Cariri - 28 de agosto a 03 de setembro de 2012.

TRANSCRIPT

<ul><li><p>O peridico do Cariri independente</p><p>ESPORTE</p><p>180 anos da morte de Brbara de Alencar</p><p>CULTURA</p><p>ESPERA PELO SAMU</p><p>7</p><p>Mulheres aderem ao Muay Thai</p><p>JUAZEIRO</p><p>ELEIES CRATO</p><p>ELEIES CRATO</p><p>SADE</p><p>Indstrias so as principais poluidoras de poos</p><p>Mutiro realiza diagnstico de catarata em Juazeiro do Norte</p><p>Demontieux defende transparncia na gesto </p><p>Candidatos querem debate de propostas</p><p>Irmo do deputado ArnonBezerra agredido com faco</p><p>O Jornal do Cariri traz, esta semana, o perfil do candidato a prefeito de Juazeiro do Norte, pelo Psol, Demontieux Fernandes.</p><p>Os candidatos a prefeito do Crato esperam com ansiedade os debates de campanha. Eles declaram estar preparados e garantem que se sairo bem diante da populao. Marcos Cunha (PT) e Ccero Frana (PV) cobram dos veculos de comunicao a promoo ao enfrentamento de propostas. </p><p>Jos Arnaldo Bezerra foi vtima de carroceiro que bateu em seuveculo na zona rural de Juazeiro do Norte. Transplantado renal, ele passou por cirurgia no HRC e seu estado de sade exiges cuidados especiais.</p><p>REGIO DO CARIRI l DE 28 DE AGOSTO A 03 DE SETEMBRO DE 2012 l ANO XIV l NMERO 2549 R$ 1,50</p><p>ENTREVISTA VozesdoCaririHumberto Macrio de Brito, entusiasmo pela vida pblica 6</p><p>3</p><p>n Tratamento inadequado para gua dos esgotos um dos prncipais causadores da poluio</p><p>n Mutiro da Catarata acontece entre os dias 28 e 31 de agosto</p><p>8</p><p>4</p><p>3</p><p>Coluna do Donizete</p><p>3 5</p><p>5</p><p>Sem ambulncia, populao pena pelo socorro de urgncia </p><p> cada vez mais necessria a implantao do Servio de Atendimento Mvel de Urgncia (Samu) no Cariri. A Regio tem uma das cidades que mais cresce no Pas e ainda deixa </p><p>a desejar quando o assunto socorro mdico, principalmente em casos de acidentes de trnsito. A espera pelo atendimento desgasta o setor de sade e coloca vidas </p><p>em risco. H dois anos ouve-se falar na instalao do Samu no Cariri, mas at agora, nada </p><p>foi resolvido. Enquanto isso, o secretrio de Sade do </p><p>Estado, Arruda Bastos, diz faltar, apenas, a liberao das ambulncias, por parte do Ministrio da </p><p>Sade</p><p>E L E I E S</p><p>&gt; &gt; &gt; &gt; &gt; &gt; &gt; &gt; &gt; &gt;</p><p>CONTAMINAO POR ALUMNIO</p><p>O JC trouxe, na ltima edio, dados de uma pesquisa realizada pela Companhia de Gerenciamento de Recursos Hdricos (Cogerh), sobre a contaminao, por alumnio, de poos da bacia sedimentar do Araripe. O estudo revelou as indstrias de galvanoplastia e o tratamento inadequado dos esgotos como principais poluidores. Segundo a Cagece, as empresas de folheados sem a cobertura da Companhia, no recebem as orientaes necessrias para o descarte dos resduos pesados. J a Semace assegura que s fiscaliza as indstrias que esto devidamente regularizadas.</p><p>Um mutiro que visa diminuir o ndice dos casos de catarata est sendo realizado em Juazeiro do Norte. Uma equipe de oftalmologistas est distribuda nos bairros do municpio para diagnosticar e tratar a doena. O mutiro j est acontecendo. As prximas consultas acontecem entre os dias 28 e 31 de agosto, mas a ao conjunta dos mdicos vai continuar, at suprir a demanda de pacientes. </p><p>Acesse e veja a programao completa: www.bnb.gov.br/cultura</p><p>Dia 28, tera-feira.ARTES VISUAIS VI Agosto da Arte 17h00 - Pare, Olhe e Escute - JosRomildo - Juazeiro do Norte-CE.Local: Juazeiro do Norte-CE.Dia 29, quarta-feira.MSICA VOCAL 19h30 - Je erson Portela - Fortaleza-CE.</p><p>Dia 30, quinta-feira.ARTE RETIRANTELocal: Sesc Juazeiro.19h30 - Je erson Portela - Fortaleza-CE. Dia 01, sbado. ATIVIDADES INFANTIS15h00 - Teatro - Os Trs Porquinhos -Cia. Anjos da Alegria - Crato-CE.16h00 - O cina de Arte - </p><p>Como Fazer um Avio Planador -Thales Rodrigues - Crato-CE.17h00 - Teatro - Os Trs Porquinhos -Cia. Anjos da Alegria - Crato-CE.PERCURSOS URBANOS15h00 - D Pra Chegar L?Mediador: Carlos Oliveira, Professorde Educao Especial - Juazeirodo Norte-CE.</p><p>Dia 02, domingo. Fechado.CURSO DE FORMAO ARTSTICALocal: Teatro Marquise Branca -Av. Pe. Ccero, s/n.14h00 - Dilogo das Artes - DireoMusical: Flauberto Gomes. DireoCoreogr ca: Jussyanne Emdio.Direo Geral: Mrcio Rodrigues.</p><p>Dia 03, segunda-feira.Fechado.HORA DO RECREIOLocal: Asilo Nossa Sra. das Dores - Juazeiro do Norte-CE.14h00 - Palhao-ocupao - Grupo Oito - Caririau-CE.</p><p>Destaques da programao de 28 de agosto a 03 de setembro de 2012.</p></li><li><p>Na abertura das Olimpadas de Londres 2012, um dos destaques do espetculo foi a homenagem prestada ao National Health Sistem, o sistema nacio-nal de sade britnico, considerado um orgulho para os habitantes do pas. Imaginar que o Brasil inaugure suas Olimpadas com um quadro sobre o Sistema ni-co de Sade SUS quase uma piada.</p><p>A despeito disso, o SAMU Servio de Atendi-mento Mvel de Urgncia um raro exemplo de efici-ncia no Brasil. Com todas as deficincias do mundo, o SAMU tem prestado grandes servios no Pas, espe-cialmente em municpios de mdio e grande porte.</p><p>No Cariri, o SAMU no est implantado ou quando h sua implantao, ela se mostra deficiente, com perda de vidas e demoras no atendimento. A situ-ao devastadora e impressiona pela insensibilidade de polticos e de administradores. A situao da sade no Cariri no pode ser vista sem esse elemento.</p><p>O custo desse servio relativamente baixo. Mas, seu impacto social incomparavelmente superior, pois o grande problema est na rapidez dos primeiros aten-dimentos, o que torna o SAMU uma marca diferencia-da na estrutura sanitria brasileira.</p><p>Recentes pesquisas sobre a satisfao dos usu-rios do SUS mostra que h um descompasso entre a qualidade efetiva do servio prestado e o que se pas-sa no imaginrio das pessoas. A melhoria do sistema, contudo, um imperativo para o Brasil. Menos por ser essa uma afirmao baseada em juzos de carter social, poltico ou pblico. O problema demogrfico. Os investimentos em educao, por exemplo, a cada ano sero menos relevantes em termos quantitativos. A diminuio do nmero de crianas no pas uma re-alidade. As taxas de natalidade reduziram-se e, com o mesmo dinheiro, a cada ano, as escolas sero ocupadas com um nmero menor de alunos.</p><p>Na sade, porm, a realidade outra. O brasileiro est envelhecendo. A cada ano, sero necessrios mais e mais recursos para assegurar os mesmos nveis de atendi-mento, os quais j no so os melhores. Nesse compasso, o SAMU tende a ser um dos pontos de maior estrangula-mento do sistema.</p><p>A Regio Sul do Cear ser uma das mais prejudi-cadas com sua chegada tardia ao SAMU. Se hoje, o servio no est implantado ou est indevidamente funcionando, imagine-se nos prximos anos. O Cariri tem de reescrever essa histria e ter de o fazer o mais rapidamente possvel.</p><p>A sade um valor universal. Hoje, ela distingue ricos e pobres. Mas, em algum tempo, seus custos sero to elevados, que essa diviso no poder ser mantida. Os governos dos municpios, dos Estados e da Unio, pelo modelo constitucional existente, so corresponsveis pela Sade. E no adianta esconder-se atrs de retrica vazia. A sade no espera.</p><p>ATENDIMENTO MDICO DE URGNCIA FALHA NO CARIRI</p><p>2 REGIO DO CARIRI(CE), DE 28 DE AGOSTO A 03 DE SETEMBRO DE 2012Opinio</p><p>Editorial</p><p>Envie sua carta para jornaldocariri@jornaldocariri.com.br e d sua opinio faa sua sugesto, uma crtica. Esse espao aberto para voc, caro leitor. </p><p>EXISTEM MUITAS MANEIRASDE AJUDAR UM IRMOUMA PALAVRA, UM ABRAO...AT UMA ORAOO DINHEIRO NO TUDOPARA QUEM TEM CORAO!</p><p>Welington Costa</p><p>A edio do Jornal do Cariri da semana passada levantou uma discusso ambiental importante, e que h muito preocupa os ambientalistas. O destino final dos esgotos e da gua utilizada pelas indstrias que contaminam o lenol fretico. Os empresrios, assim como o poder pblico, precisam trabalhar em cima do desenvolvimento sustentvel. No d para pensar o meio ambiente se-parado do desenvolvimento.</p><p>Lurdes Siebra, Crato </p><p>QUANTO VALE O VOTO?CHARGE</p><p>APARTAMENTOS COMPACTOSMuitos clientes perguntam por que </p><p>os apartamentos de hoje so to pequenos. E essa resposta tem vrios vertentes possveis como base de um questionamento sustent-vel e aceitvel. Primeiro: vivemos em evoluo constante e por isso buscamos conforto, pra-ticidade e agilidade na forma de viver e convi-ver. Nos centros urbanos modernos, passamos mais tempo fora de casa do que dentro dela, sendo assim, especialistas resolveram mexer no tamanho dos apartamentos. Tambm o nmero na famlia diminuiu, hoje temos fa-mlia com 3 ou 4 pessoas no mximo, exem-plifica Fbio Abreu, pesquisador do Nomads( Ncleo de Estudos de Habitares Interativos da Universidade de So Paulo). A reduo acon-teceu dentro de uma estrutura engessada em relao aos novos modos de vida. Sinto que as pessoas querem rever o desenho da casa, buscando funcionalidade e integrao. </p><p>A segunda explicao vem do alto va-lor dos terrenos, ocasionando um aumento no valor final da unidade. Assim, diminuem o metro quadrado nos apartamentos para au-mentar o nmero de unidades. Hoje muito comum voc encontrar no mercado imobili-rio imveis com 38 m, 45 m, 50m e 72m e essa realidade chegou Juazeiro do Norte, que atualmente possu quatro empreendi-mentos que trabalham com apartamentos compacto. Nos anos de 2007 e 2008, a pro-</p><p>cura maior foi por apartamentos de quatro dormitrios. Agora, os imveis da vez so os compactos de alto padro localizados em bairros nobres, com destaque es-pecial para os empreendimentos mixed-use, uma espcie de flat rejuvenescido. O ano passado foi o perodo com o maior nmero de lanamentos destes segmentos na histria do mercado de So Paulo, Rio de Janeiro e Curi-tiba. Neste ano foi a vez de Juazeiro do Norte com dois grandes empreendimentos: Studio One e Unique.</p><p>O segmento de apartamentos de 1 e 2 dormitrios, studios e lofts cresce e o pblico que busca imveis nesse perfil tambm mu-dou. Antes os apartamentos compactos eram destinados a estudantes, jovens profissionais e pessoas solteiras. Hoje, se inserem tambm jovens casais, casais com um filho, pessoas mais velhas, que gostam de morar sozinhas e com mais independncia ( proporcionada pe-los servios desses residenciais), entre outros perfis dos mais diversos.</p><p>S lembrando que, se em Juazeiro do Norte a tendncia de apartamentos com-pactos chegou, isso significa duas coisas: 1. Juazeiro do Norte possui incorporadores atu-alizados com a modernizao global e 2. esse tipo de empreendimentos so teis e real-</p><p>mente eficazes, trazendo a Juazei-ro do Norte, estilo novo de mora-dia, que so marcos nas grandes capitais ou cidades metro plis.</p><p>Antes de uma incorpora-dora ou construtora se arriscar com esse tipo de moradia so realizados pesquisas ou estudo na regio, buscando suprir as ne-</p><p>cessidades da populao. Nada feito sem estudo prvio, detalhado e minucioso sobre a regio e suas necessidades. Por isso, preci-samos ter um olhar mais ameno para as no-vidades e buscar sempre ver se esse modelo adotado em outras cidades ou at mesmo em outro pas.</p><p>O que eu sei, vejo e tambm estudo, que a minimizao dos espaos dar mais li-berdade para o convvio com as pessoas da famlia, que as reunies familiares so mais agradveis em ambientes abertos, que a fa-mlia pode ter uma privacidade segura, pois no necessitar de uma empregada que dur-ma em casa ou que na falta de uma faxinei-ra, o aspirador de p poder revolver muitos problemas. Ainda bem que existem as portas de correr.</p><p>Karla Sheyla Corretora de Imveis </p><p>Nas eleies de outrora, os coro-nis e senhores de engenho determi-navam em quem os seus subordinados deveriam votar, era o chamado voto de cabresto. A rea de domnio do chefe abastado era intitulada de curral eleitoral, expresso ain-da hoje utilizada. A democracia (poder do povo), obviamente no coaduna com tal prtica.</p><p>No obstante o amadu-recimento do regime democr-tico tenha exigido uma liberali-dade para escolha do candidato, o poder econmico ainda vem direcionando o voto da maioria dos brasileiros, visto que grande parte dos eleitores, em atitude medocre, troca seu voto por dinheiro ou outra mercadoria/servio que diz necessitar, sem atentar, contudo, para o verda-deiro valor do voto.</p><p>As maiorias dos eleitores no procuram aferir as qualida-des da pessoa em quem vai votar (compromissos de campanha, reputao no meio profissional onde est inserido, reputao perante a sociedade, antece-dentes criminais, etc.), se preo-cupando, to-somente, com a quantia que receber para nela votar. Muitos chegam a afirmar que detestam poltica e que no horrio da propaganda eleitoral desligam a TV ou o rdio. Jornais e revistas que abordem temas polticos, nem pensar em l-los. Tais pessoas se enquadram per-feitamente no que o terico ale-mo Bertold Brecht definiu como o analfabeto poltico, afir-mando este que o pior analfa-beto o analfabeto poltico. Ele no ouve, no fala, nem partici-pa dos acontecimentos polticos. Ele no sabe que o custo de vida, o preo do feijo, da farinha, do aluguel, do sapato e do remdio, depende de decises polticas. O </p><p>analfabeto poltico to burro que se orgu-lha de estufar o peito dizendo que odeia poltica. No sabe o imbecil que da sua ig-norncia poltica nasce prostituta, o menor </p><p>abandonado e, o pior de todos os bandidos, que o poltico vi-garista, pilantra, o corrupto e la-caio, os exploradores do povo.</p><p>Na verdade, preciso de alguma forma ter dinheiro para se enveredar na seara poltica. J ouvi dizer que para ser verea-dor em Juazeiro do Norte pre-ciso dispor de aproximadamen-te R$ 200.000,00 se o pretenso candidato for popularmente conhecido e, R$ 300.000,00, caso seja pouco conhecido. um verdadeiro leilo para ver quem d mais.</p><p>No podemos esquecer outras situaes que ridiculari-zam o que deveria ser levado extremamente a srio. Falo de polticos no estilo do comediante Tiririca (hoje Deputado Federal), que participava da propaganda eleitoral brincando com o elei-tor, como se aquilo fosse um show de humor (foi o segundo deputado mais votado em toda a histria do Brasil). E as jovens eleitoras que exclamam: Eu vou votar em fulano porque ele bonito e tem os olhos azuis!.</p><p> preciso que o eleitor brasileiro se conscientize do verdadeiro valor do voto, caso contrrio no adianta depois fi-car reclamando que o candidato A no cumpriu o que prome-teu em campanha, que o candi-dato B um corrupto, que o prefeito um Ali-bab com 40 ladres. Afinal, no devemos es-quecer a clebre frase o povo tem o governante que merece.</p><p>Jailson Matos Nobre Tcnico Judicirio - TJ/CE</p><p> Bacharel em Economia e Direito</p><p>Exped</p><p>iente</p><p>:</p><p>Fundado em 5 de setembro de 1997O Jornal do Cariri uma publicao</p><p>da Editora e Grfica Cearasat Comunicao Ltda</p><p>CNPJ: 34.957.332/0001-80</p><p>O peridico do Cariri independente</p><p>Diretor-presidente: Donizete Arruda Diretora de Redao: Jaqueline Freitas Diretoria Jurdica: Vicente Aquino </p><p>Administrao e Redao: Rua Pio X, 448 - Bairro Salesianos - CEP: 63050-020 - Juazeiro do Norte Cear - Fone (88) 3511.2457Sucursal Fortaleza: Rua Coronel Alves Teixeira, 1905, sala 05, Telefone: 085.3462.2607 - Celular: 085.9161.7466Sucursal Braslia: Edifcio Empire Center, Setor Comercial Sul, Sala 307, Braslia-DF</p><p>Os artigos assinados so de responsabilidade dos seus autores</p><p>Conselho Editorial: Geraldo Menezes Barbosa | Francisco Huberto Esmeraldo Cabral | Napoleo Tavares Neves e Monsenhor Gonalo Farias Filho </p><p>Fale conosco Redao w cidades@jornaldocariri.com.br w policia@jornaldocariri.com.br w politica@jornaldocariri.com.br w red...</p></li></ul>