jornal do cariri - edição 17 a 23 de julho

Download Jornal do Cariri - Edição 17 a 23 de julho

Post on 06-Mar-2016

220 views

Category:

Documents

4 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Jornal do Cariri

TRANSCRIPT

  • E L E I E S

    5

    O Cariri ganhou a terceira unidade da Vara do Trabalho. O rgo ser instalado provisoriamente no Crato ou em Juazeiro, at quando for construdo o prdio sede do Frum Trabalhista, que em um s local vai abrigar trs unidades. Tcnicos do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) j estiveram na Regio e conversaram com os prefeitos para analisar a localizao de terrenos.

    Acesse e veja a programao completa: www.bnb.gov.br/cultura

    Dia 17, tera-feira.ARTE RETIRANTEProgramao de Comemorao dos 60Anos do Banco do NordesteLocal: Largo da RFFSA - Crato-CE.18h00 - Sua Incelena Ricardo III - Grupode Teatro Clowns de Shakespeare -Natal-RN.Dia 18, quarta-feira.

    ARTES CNICAS 19h30 - DJ Vu - Grupo Graxa deTeatro - Joo Pessoa-PB.Dia 19, quinta-feira.ESPECIAL ROCK-CORDEL E ARMAZM DO SOM Local: Sesc Juazeiro.19h00 - Msica - Trotsk - Juazeiro doNorte-CE.

    20h30 - Msica - Banda Anonimato -Joo Pessoa-PB.Dia 20, sexta-feira.ARTES VISUAIS19h00 - Abertura da Exposio Bomde Bola.Artista: Felipe Barbosa-RJ.Curadoria: Luciano Vinhosa-RJ.Dia 21, sbado.

    ESPECIAL ROCK-CORDEL E ARMAZM DO SOM Local: Sesc Juazeiro. 19h00 - Msica - Los The Os - Juazeirodo Norte-CE.20h30 - Msica - Blues Cream -Crato-CE.Dia 22, domingo.ESPECIAL ROCK-CORDEL E

    ARMAZM DO SOM Local: Largo da RFFSA. 20h30 - Msica - Lanamento do CDda Banda Nightlife - Crato-CE.Dia 23, segunda-feira.Fechado.

    Destaques da programao de 17 a 23 de julho de 2012.

    REGIO DO CARIRI l DE 17 A 23 DE JULHO DE 2012 l ANO XIV l NMERO 2543 R$ 1,50

    SADE

    O peridico do Cariri independente

    BICHOS

    Icasa tem o seu zagueiro-artilheiro

    ESPORTE

    5

    58

    ENTREVISTA

    Voze

    sdo

    Carir

    i

    WiltonBezerra

    Um cronistade verdade

    MILIONRIAS

    JUAZEIRO

    Campanhas vo custar maisde R$ 12 milhes no Crajubar

    Ministrio Pblico de olho nos baixos custos declarados por candidaturas a prefeito em Juazeiro do Norte

    DIREITOS TRABALHISTAS

    CULTURA

    Foto: Organizao da exposio

    Arte

    : Eva

    ndo

    F. M

    atia

    s

    Crato e Juazeiro disputam pela sede da terceira unidade da Vara do Trabalho

    Xilogravura e Paleontologia no Museu de Santana conquistam o pblico

    A Regio do Cariri responsvel por boa parte dos transplantes de rgos no Estado, porm o nmero de voluntrios ainda muito reduzido. Neste primeiro semestre, em quase 30 transplantes de rins realizados em uma clnica do Crato, apenas dois doadores so do Cariri. Grande parte dos rgos vem da Capital. Por outro lado, a quantidade de sangue arrecadada na regio tem suprido a demanda regional, sendo responsvel por 24% da coleta em todo o Cear, assim como a doao de medula ssea, que j alcanou diversas pessoas identificadas como compatveis em todo o Brasil.

    Nmero de transplantes cresce e doaestm dficit

    7

    Coluna do Donizete

    4 4

    5

    6

    Adoo deanimais embaixa no Cariri

    R$ 6 MILHES

    Crato tem as candidaturasmais caras da regio

    Sam

    uel M

    aced

    o

  • Um marco na histria da doao de rgos no Brasil foi a Lei Lcio Alcntara (Lei no 9.434, de 4 de fevereiro de 1997), aprovada pelo Congresso Nacional, a partir de um projeto de lei de autoria do grande sena-dor cearense. Essa lei dispunha, em sua verso original, at ser modificada em 2001, criava uma presuno de doao, que s seria desconsiderada se a pessoa se de-clarasse expressamente no doador de rgos. Desde a mudana, apesar das campanhas educativas, os indi-cadores de doao jamais atingiram os patamares espe-rados pelo legislador. Aquilo que seria a redeno de todos os pacientes necessitados de ajuda para sobrevi-ver, se tornou um ato de vontade e de desprendimento individual.

    Campanhas educativas, mensagens subliminares em novelas e filmes, documentrios, programas jorna-lsticos e tantos outros meios de sensibilizao do povo para que sejam doados rgos compem o conjunto de tentativas de minorar os problemas e o sofrimento de todos quantos dependem de rgos humanos para con-

    tinuar a viver ou melhorar suas condies de existncia.Esse drama particularmente sensvel no Cari-

    ri, que uma referncia nacional em transplantes, mas no consegue doadores. Os nmeros atuais so desani-madores. A falta de conscientizao e a baixa qualidade de informao dos potenciais doadores e seus familiares so gritantes. Os hospitais tm de esperar a boa vontade das famlias, enquanto isso h uma verdadeira romaria de pessoas que esperam quotidianamente pelo rgo que lhes restituir a dignidade ou lhes prolongar a vida.

    O ponto central est na deficincia de captao. A procura de doadores deve-se tornar um elemento pre-ponderante nas polticas pblicas relacionadas. Nesse aspecto, no apenas os rgos estaduais ou federais de-vem agir. A iniciativa de congregar todos os municpios da Regio Sul importantssima e ela passa necessaria-mente pelas Secretarias de Educao, pois os jovens tm condies de agir como propagadores e difusores de uma cultura de doao.

    A prpria Lei de Doao de rgos, em vigor

    desde 1997, no suficientemente conhecida. Medidas prticas e simples como colocar a lei nas pginas na in-ternet dos municpios, seja em sua verso completa, seja de uma forma resumida, seriam muito eficazes para dar cincia dessa norma para todos. A elaborao de uma campanha publicitria, usando jornais, rdio e televi-so, por certo, contaria com a boa vontade dos rgos de comunicao social.

    Os nmeros atuais de doao de rgos devem ser comparados com os bitos, especialmente aqueles causados por acidentes. Essa comparao revelar o verdadeiro abismo entre a potencialidade do aprovei-tamento de rgos e tecidos humanos e seu desperdcio por no terem as famlias a oportunidade de refletir pre-viamente e de autorizar as doaes.

    O momento da morte de um parente doloroso. Ningum pode tomar decises com a necessria rapidez ou com o desprendimento imaginvel, sem ter antes re-fletido e avaliado a importncia de se doar rgos. E, com isso, doar vida!

    DOAO DE RGOS NO CARIRI E VIDAS QUE SE PERDEM

    2 REGIO DO CARIRI(CE), DE 17 A 23 DE JULHO DE 2012Opinio

    Editorial

    Envie sua carta para jornaldocariri@jornaldocariri.com.br e d sua opinio faa sua sugesto, uma crtica. Esse espao aberto para voc, caro leitor.

    QUEM EDUCA A INTELIGNCIAOBTM SABEDORIAQUEM EDUCA OS PENSAMENTOSCONQUISTA SUA ALFORRIAMODELO DE EDUCAO JESUS NO DIA-A-DIA!

    Welington Costa

    Achei que a homenagem a Luiz Gonzaga fosse mais expressiva dentro do parque de exposies do Crato. Ao que se falou, cem sanfoneiros fariam homenagem ao nosso nordestino mais ilustre, mas no foi bem isso que pudemos acompanhar. Achei que deixou a desejar.

    Luciana Alves, Cratense

    CULTURA DE MASSACHARGE

    E AT OS ERROS DO MEU PORTUGUS RUIM

    Imaginariamente pelo ttulo, o leitor tem a sugestiva ideia que tratarmos dos erros de Lngua Portuguesa. Na verdade, e at os erros / do meu portugus ruim um trecho da cano Detalhes do Rei Roberto Car-los. Em loco, abordaremos como temtica de nossa descrio, a msica, como arte e cincia de combinar os sons, de modo agra-dvel ao ouvido humano.

    Quando se produz uma msica de qualidade, ela tem o poder de: falar direto ao corao do ouvinte, despertar o sentimento, d sentida a vida das pessoas, eterniza na memria dos apaixonados, um pedao da estrada de cada um de ns. Algumas letras das msicas descrevem cenas e histrias do nosso quotidiano. Muitas geraes ouviro boas e pssimas msicas. Para o radialista o senhor Mazim, apresentador do programa, (da rdio Araripe do Crato) em cada can-o uma recordao. Ouvi muitas vezes o locutor falar que: atravs da msica que ouvinte, vive seus melhores momentos.

    Cabe afirmar, que a trilha sonora de um filme, novela, permite ao ouvinte reviver algo inesquecvel. Alm do valor sonoro que expressa e de se comunicar com as pessoas. Existem pessoas que at, danam conforme a msica, ou melhor, agem segundo a con-venincia do momento. A revoluo musical substituda por uma nova ordem musical, atravs da qual se organiza novos gneros musicais em torno da internet.

    A qualidade da msica atual permite que o vocalista no cante ruim, tudo se vende para todos os gostos. Uma vez ouvida pblico deveria buscar Para entender o verdadeiro signi-ficado, merece uma reflexo. As Letras das msicas, tem o poder de fazer as pessoas refletirem. Ve-jamos as Letras. (...) o mundo um livro aberto / Ensina a quem no sabe ler Genival Santos. s vezes tudo lindo / s vezes tudo engana Ivan Lins. No adianta ir igreja rezar e / (depois) fazer tudo errado (Sorte tem acredita nela) Fernando Mendes. No Cear no tem disso no Luiz Gonzaga (o Rei do Baio). (...) Secretaria, que trabalha o dia inteiro comigo / Estou correndo um grande perigo, de ir para no tribunal (...) Amado Batis-ta. Laranja madura na beira da estrada / T azeda ou tem maribondo no p Ataulfo Alves. Minha fraqueza voc / Meu cora-ao quem diz (...) Nando Cordel. Se agente falasse menos / Talvez compreen-desse mais Luiz Melodia (1975).

    A Msica de vanguarda oriunda da MPB, composta pelos os artistas: Caetano Veloso, Chico Buarque, Gilberto Gil, Geral-do Vandr... No perdia a chance de criticar o regime da poca, expressando no seu repertrio, o protesto. Coletneas de suces-so consagrado foram censuradas, conforme

    atesta a histria a Msica. A ex-presso cale-se (do verbo calar), fora substitudo por Clice (obje-to/vaso).

    O ms de fevereiro po-ca do carnaval onde entra em cena o samba (RJ) e frevo(PE). No ms de junho os festejos juninos evidenciam como tema principal o Forr, que no aspecto tradicio-

    nal, a maior expresso musical o forr autntico idealizado por Luiz Gonzaga e cantado por seus seguidores. afirma que o forr de Gonzaga - a alta rvore que ningum sabe o tamanho. O forr tem suas particularidades, nas noites dos festejos Juni-nos So Joo e So Pedro tomam co