jornal do cariri - 25 de fevereiro de 2014

Download Jornal do Cariri - 25 de Fevereiro de 2014

Post on 23-Mar-2016

214 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Jornal do Cariri.

TRANSCRIPT

  • ASSEMBLEIA LEGISLATIVAEncontro discute CampanhaCear sem drogas no Cariripoltica| pg. 4

    DEScaSo Em barbalha

    www.jornaldocariri.com.bro peridico do cariri independente

    Falta de verba paralisa obras do Aeroporto

    mobilizao poltica

    A notcia de que o Aeroporto Orlando Bezerra de Menezes, em Juazeiro do Norte, teve suas verbas realocadas, motivou uma srie de crticas, protestos e mobilizaes das lideranas polticas do Cariri e do Cear. Vereadores, deputados e o senador Euncio Oliveira j esto engajados na busca de uma soluo para o problema. Os

    deputados federais Jos Guimares e Arnon Bezerra e o prefeito Raimundo Macedo se organizam para reunio, em breve, com a ministra do Planejamento, Mrian Belchior. O senador Euncio Oliveira j se reuniu com o ministro da Aviao Civil, Moreira Franco, e garantiu que o problema ser resolvido. poltica | pg. 3

    ESPORTE

    Desportistas incentivam jovens no vlei de areia

    apito | pg. 12

    OBRAS no entorno obrigam motoristas a seguir o desvio at o terminal de embarque no Aeroporto Orlando Bezerra de Menezes

    ESTACIONAMENTO

    Zona Azul ser terceirizada em CratomEtropolitaNa | pg. 9

    De 25 De Fevereiro a 03 De Maro De 2014 ano 15 nMero 2628 Preo: r$1,50

    poltica | pg. 4 Z Leite acusado de guardar dinheiro e o povo sofre

    mEtropolitaNa | pg. 5

    maiS VErba E iptU

    Zoneamento mudae distrito vai virarbairro em Santana

    Saiba mais

    Os vereadores de Santana do Cariri aprovaram Projeto de Lei que modifica o zonea-mento municipal. A proposi-o do Executivo transforma o distrito Inhumas, na rea rural, em bairro da cidade. Segundo parlamentares, a in-corporao da comunidade zona urbana municipal visa, principalmente, melhorias nos recolhimentos do IPTU e a aplicao de recursos fede-rais na localidade.

    mEtropolitaNa | pg. 5

    EStragoS

    Chuvas abrem buracos e transtornos

    RuAS E AVENIDAS esto com a malha viria danificada por causa das precipitaes dos ltimos dias

    A proximidade dos festejos carnavalescos cria expectativa nos folies de toda regio. Alguns municpios j definiram e liberaram sua programao. Outros ainda contratam as atraes para shows. As administraes municipais de Vrzea Alegre, Crato, Barbalha e Acopiara buscaro atrair turistas e movimentar a economia local.

    Epa | pg. 11

    cUltUra

    Folies e prefeituras se preparam para carnaval

  • Regio do caRiRi, de 25 de FeVeReiRo a 03 de MaRo de 20142

    PREfEITuRA no um banco para ter dinheiro guardado. O dinheiro para ser aplicado no benefcio populao que, vale salientar, est sofrendo com a falta desses recursos. rilDo tElES, VErEaDor DE barbalha.

    Opinio

    CARTAPelo visto, nada acontece no prazo aqui, em Juazeiro. Virou praxe atrasar as obras e dar explicaes depois. Tava demorando essa histria de falta de dinheiro para o Aeroporto. O jeito se conformar com as reformas da Prefeitura nas ruas que do acesso ao local, sem esperar, nem to cedo, por mudanas no equipamento aeroporturio.

    rika lEitE, JUazEiro Do NortE

    SEXTILHAA NOSSA VIDA UM BARCOO LEME O PENSAMENTOQUEM NUTRE A IDIA RUIMS VAI COLHER SOFRIMENTOQUEM ORA E PRATICA O BEMNO ENTRA NESSE TORMENTO!

    WEliNgtoN coSta

    Diretor-presidente: Donizete ArrudaDiretora de Redao: Jaqueline FreitasDiretoria Jurdica: Vicente AquinoDiagramao: Evando F. MatiasFotos: Serena Morais

    Fundada em 5 de setembro de 1997O Jornal do Cariri uma publicao da Editora e Grfica Cearacom LtdaCNPJ: 15.915.244/0001-71

    Conselho EditorialGeraldo Menezes Barbosa, Francisco Huberto Esmeraldo Cabral, Napoleo Tavares Neves e Monsenhor Gonalo Farias Filho.

    Administrao e RedaoRua Pio X, 448 - Bairro SalesianosCEP: 63050-020 - Juazeiro do Norte Cear - Fone 88 3511.2457

    Departamento Comercial | comercial@jornaldocariri.com.br Redao | jornaldocariri@jornaldocariri.com.br

    Sucursal Fortaleza: Rua Coronel Alves Teixeira, 1905 - sala 05 - Fone: 85 3462.2600Sucursal Braslia: Edifcio Empire CenterSetor Comercial Sul - sala 307 -Braslia - DF.

    Os artigos assinados so de responsabilidade dos seus autores.

    Fale conosco

    Palavra de fPr. Jecer goes

    A etimologia da palavra cobia, vem do latim, e significa; CUPIDITAS - desejo intenso, CUPIDUS, desejo - CUPERE, querer, desejar ardentemente. A cobia pode ser definida como o desejo desordenado de adquirir coisas, posio social, fama, proeminncia secular ou religiosa. Inclui tambm, a tentativa de apossar-se do que pertence ao prximo. Interessante que, a cobia, aumenta com a idade, ao invs de diminuir, dando assim, origem a muitos males. A cobia promove a alienao de Deus, a opresso e a cruelda-de contra o prximo, a traio e as manipulaes e desonestidades de todas as espcies. tambm, um dos fatores por trs de toda guerra. A cobia nasce do egosmo, gerando uma ideia fixa de satisfao prpria em todas as coisas. Este mal passou para todos ns. Hoje, o maior problema dos conflitos de pes-soas, governos, famlias e outros, so originados na cobia. Os hebreus con-denavam esse pecado, que aparece como um dos dez mandamentos. xodo 20:17 - No cobiars a casa do teu prximo; no cobiars a mulher do teu prximo, ne o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem alguma coisa do teu prximo. Precisamos entender a partir da que, no errado desejar ou querer algo. O errado querer isso custas dos outros ou por causa de cimes ou inveja. O apstolo Paulo cita a cobia como uma ilustrao chave da pecaminosidade, dizendo: O pecado, tomando ocasio pelo mandamento, despertou em mim toda a concupiscncia - (Romanos 7:8). J no livro de 1 Timteo 6:10, lemos: O amor do dinheiro a raiz de toda espcie de males. essencialmente a cobia que faz com que uma pessoa queira se igualar a outra de nvel financeiro muito superior, quando se sabe que isto s faz com que ela seja levada a uma condio irreal, fazendo com que compre aquilo que no precisa. Uma pessoa cobiosa, tambm avaren-ta. Algum j afirmou que a avareza perde tudo ao pretender ganhar tudo. A avareza e a ambio mostram-se mais descontentes do que no tem, do que satisfeitas com o que possuem. A cobia uma forma de auto adorao que expulsa Deus de nossas vidas. Aparece na lista dos vcios pagos. in-crvel como o desejo desordenado da cobia provoca alguma ao para que o cobioso adquira o que quer, ou para que persiga o possuidor do objeto ou da pessoa cobiada. A cobia um mal que se desenvolve gradualmente at que se torne um hbito e prende-se com cadeias quase impossvel de ser tira-da. Tiago, escreve em sua epstola que, cada um tentado pela sua prpria cobia, quando esta atrai e seduz. Ento, a cobia, depois de haver concebido, d luz o pecado; e o pecado, uma vez consumado, gera a morte (captulo 1:14-15). Quando observamos atentamente a histria, quer bblica ou secular, vemos que a queda de muitos homens importantes, deu-se devido a cobia. A bblia nos relata que a cobia atua em trs reas da nossa vida: Primeira, a concupiscncia da carne (desejos da natureza humana). Segunda, a con-cupiscncia dos olhos (Vontade de ter o que agrada aos olhos), e por lti-mo, a soberba da vida (orgulho pelas coisas da vida, como, fama, riquezas, poderio e honrarias). Como filhos de Deus, precisamos inclinar-nos um pou-co para Ele, acatando seus ensinamentos, como nos orienta o apstolo So Joo que diz: No ameis o mundo, nem o que no mundo h. Se algum ama o mundo, o amor do Pai no est nele. Porque tudo o que h no mundo, a concupiscncia da carne, a concupiscncia dos olhos e a soberba da vida, no do Pai, mas do mundo, (leia-se, sistema pecaminoso). Somente uma vida devotada ao Criador, poder nos tirar do caos espiritual que este mundo nos impe. Busque em Deus uma vida de paz, de alegria e de sade, isto, atravs de uma busca incessante. Que Deus vos abenoe!

    CHARGE

    Em um mercado com ampla con-corrncia, a busca por inovao em produtos e servios o meio usado por muitos empreendedores para se destacar e conseguir o seu espao no ambiente laboral. Nunca se falou tan-to em tal temtica e ela passou a ser uma caracterstica almejada por mui-tos, porm desenvolvida por poucos.

    Aquela sensao que temos ao ver algo novo e que logo em seguida vem agregado aquele velho questionamen-to Como no pensei nisso antes? Com certeza j foi algo que ocorreu com qualquer um de ns simples mor-tais que temos o esprito empreende-dor e que procura conjugar esse verbo como algo corriqueiro na nossa vida pessoal e profissional.

    Inovar no apenas fazer como Thomas Edson ao inventar a lmpa-

    da, Steve Jobs ao criar os to deseja-dos Iphone e Ipad, porm, tambm fazer como Art Frey, que ao pensar em um simples bloco de papel com cola em um dos seus lados mudaria substancialmente o dia-a-dia de mui-tos profissionais com o uso do post it. Buscar por prticas e/ou solues que tragam melhorias e desenvolvimento para a comunidade onde estamos in-seridos um dos pilares impulsiona-dores da inovao.

    Como diz um grande amigo e companheiro na luta pela implan-tao da cultura empreendedora no Cariri: se no meio do banho ou antes de dormir surgir algo na sua mente em ebulio de pensamentos e que voc acredita que revolucionar o mundo,( assim deixando o Google Glass comendo poeira), v dormir e relaxar, e se no dia seguinte aps uma tima noite sono e de desprendimen-to emocional e racional o pensamen-to for to genial, ento estar na hora de garimpar subsdios e ferramentas para por a o plano em prtica, pois ideias na mente, so apenas ideias e o que diferenciar voc dos demais

    a procura pela transformao da rea-lidade vivenciada.

    Aprimorar projetos j existentes tambm lhe colocar no hall dos des-bravadores da inovao. Em meio a um mercado o qual inmeras empre-sas desenvolvem e vendem produtos e servios com uma tamanha similari-dade, sairo na frente da batalha com-petitiva aqueles que agregarem aspec-tos intangveis ao