jornal do cariri - 20 a 26 de janeiro de 2015

Download Jornal do Cariri - 20 a 26 de Janeiro de 2015

Post on 07-Apr-2016

221 views

Category:

Documents

6 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

TRANSCRIPT

  • FILHO ILUSTRE

    Barbalha d adeus ao mdico Antnio Correia Saraiva

    VOLTA DO IMPOSTO

    Taxa de IPI cheio retorna vigncia para automveis

    Saiba mais

    METROPOLITANA | Pg. 5

    Antnio Sampaio Correia Sa-raiva se tornou um exemplo de vida. De origem humilde, o alergologista no s ascen-deu profissionalmente, como levou para sua terra natal grandes empreendimentos nos setores de sade e lazer. Vtima de um cncer no fga-do, o tambm vereador bar-balhense morreu no ltimo dia 14 e deixou um legado indispensvel para o desen-volvimento de sua regio. POLTICA | Pg. 4

    Serena Morais

    Serena Morais

    MP investiga venda de vagas em vestibular da FMJ

    denncia de fraude

    As denncias sobre fraudes no decorrer dos certames realizados pela Faculdade de Medicina de Juazeiro so recorrentes. Neste ano, o incio das aulas, marcado para 11 de fevereiro, pode ser suspenso a pedido do Ministrio Pblico de Juazeiro. Conforme

    o promotor de Justia Lucas Azevedo, candidatos teriam apresentado fortes indcios de irregularidades no processo seletivo de 2015.1. Caso as informaes sejam confirmadas, o vestibular pode ser anulado. METROPOLITANA | Pg. 5

    JuAzeIro do norTe Prefeitura continua realizando preges presenciais em licitaesPOLTICA | Pg. 3

    www.jornaldocariri.com.brO peridico do Cariri independente

    SoBre duAS rodASPaixo pela aventura cria grupo de trilheiros

    APITO | Pg. 8

    HANSENASE PROduO RuRAL

    Pacientes exigem tratamento especfico nos postos de sade

    Agricultores iniciam plantio com chuvas abaixo da mdia

    Com a proximidade do dia internacional das pessoas atingidas pela hansenase (25), juazeirenses se organizam para reivindicar melhorias nos servios oferecidos na cidade. So quase 100 pacientes que no dispem do tratamento descentralizado nos postos da Ateno Bsica, o que tem comprometido a recuperao . METROPOLITANA | Pg. 6

    Apesar do prognstico da Funceme apontar para chuvas abaixo da mdia em 2015, muitos agricultores resolveram lanar as sementes ao solo, na expectativa de que as precipitaes sejam suficientes para garantir uma boa colheita. A Secretaria de Desenvolvimento Agrrio (SDA) pede cautela aos agricultores, para evitar perdas no plantio. METROPOLITANA | Pg. 5

    De 20 a 26 De Janeiro De 2015 ano 17 nmero 2675 Preo: r$1,50

    IrMoS AnICeTonovo membro da famlia integra sexteto

    EPA | Pg. 7

    fISCALIzAO

    TCM pede suspenso de gastos com carnavaisO presidente do Tribunal de Contas dos Municpios (TCM) do Cear, Francisco Aguiar, informou que o rgo ficar de olho nos municpios que receberam ofcio circular com a orientao de no realizar festas de carnaval. Ele lembra o cenrio de dificuldades

    econmicas que as Prefeituras esto passando e pede ponderao aos gestores, na hora de empregarem dinheiro pblico em festas carnavalescas. No Cariri, algumas cidades j divulgam a realizao das festas em fevereiro. POLTICA | Pg. 4

  • Regio do caRiRi, de 20 a 26 de JaNeiRo de 20152

    MeSTre AnTnIo Aniceto era muito forte. Hoje, ele nos deixa com um legado muito grande. A forma como nos ensinou, deixando o seu saber fincado no territrio do Cariri, um exemplo de vida. dANE dE jAdE - SECRETRIA dE CuLTuRA dO CRATO

    Opinio

    CArTAEnquanto h empresas que pintam e bordam com o direito do consumidor, o Decon de Juazeiro vira as costas para muita gente, que fica a merc das organizaes despreparadas. No Crato, o rgo no funciona h um ano. Aqui, apenas oito pessoas so atendidas por dia. Infelizmente, temos que recorrer s redes sociais para tentar fazer justia!

    LuCAS dANTAS, juAzEIRO dO NORTE.

    SeXTILHAQUER SE IMORTALIZAR?FAA O BEM AO SEU IRMO!A GENTE PASSA NA TERRANOSSAS OBRAS FICARO...ELAS FALARO POR NSE DE NS MUITO DIRO.

    WELINgTON COSTA

    Diretor-presidente: Donizete ArrudaDiretora de Redao: Jaqueline FreitasDiretoria Jurdica: Vicente AquinoDiagramao: Evando F. MatiasFotos: Serena Morais

    Fundada em 5 de setembro de 1997O Jornal do Cariri uma publicao da Editora e Grfica Cearacom LtdaCNPJ: 15.915.244/0001-71

    Conselho EditorialGeraldo Menezes Barbosa, Francisco Huberto Esmeraldo Cabral, Napoleo Tavares Neves e Monsenhor Gonalo Farias Filho.

    Administrao e RedaoRua Pio X, 448 - Bairro SalesianosCEP: 63050-020 - Juazeiro do Norte Cear - Fone 88 3511.2457

    Departamento Comercial | comercial@jornaldocariri.com.br Redao | jornaldocariri@jornaldocariri.com.br

    Sucursal Fortaleza: Rua Coronel Alves Teixeira, 1905 - sala 05 - Fone: 85 3462.2600Sucursal Braslia: Edifcio Empire CenterSetor Comercial Sul - sala 307 -Braslia - DF.

    Os artigos assinados so de responsabilidade dos seus autores.

    Fale conosco

    A FACILIdAde do enGAno

    Palavra de FPR. JEcER gOES

    Engano ou enganar. No grego e no hebraico, alfabetos, em que a bblia sagrada foi escrita, trazem em seu bojo escriturrio a palavra, cerca de 104 vezes, referindo-se sempre a comportamentos ilcitos de sujeitos que visam burlar o direito do seu prximo. Enganar dizer ou realizar atos cujo propsito iludir outras pessoas, em face de algum motivo ou intuito oculto. dar uma falsa impresso.

    As escrituras sempre condenam o referido ato. No sculo cinco, antes de cristo, o profeta Jeremias escrevendo nao de Israel, exortando-a, disse: At quando suceder isso no corao dos que profetizam mentiras e que apenas so profetas do engano do seu corao?. (Jer. 23:26). O profeta estava afirmando que o engano tinha se tornado uma prtica daquela sociedade, a ponto de at mesmo os sacerdotes terem sido contaminados.

    Enganar uma pessoa persuadi-la a acreditar em algo que no corresponde realidade dos fatos ou faz-la pensar que o ilgico lgico. Atualmente, esse esprito est atuando de maneira muito forte, j que nossa sociedade sedenta por posio, status, visibilidade e conceito, tornando-se presa fcil para espertalhes e mercenrios.

    Por que facilmente somos enganados? - Ora, primeiro, por no conhecermos o objeto em questo, ignorncia. Por isso nos tornamos despreparados e passveis de sermos lesados, comprando gato por lebre. Segundo, por sermos relapsos com aquilo com que escutamos, no guardando em nossa memria as advertncias sobre tal fato, que corriqueiramente ocorre no meio social. No conheo. Escuto exemplos, comentrios e conselhos relacionados com o objeto, mas no dou ouvidos. No ligo.

    Terceiro: a ausncia de maturidade e ponderao decorrente do crescimento mental de no saber pesar, medir e termos sempre o p atrs diante daquilo que posto diante de ns. A expresso fala de deslocar o ponto de apoio dos ps permitindo guardar-se de uma possvel queda, ou seja, aqui a maturidade me levaria a avaliar as condies e superar os riscos citados.

    Quarto, somos naturalmente tendenciosos a gostar das coisas mais fceis e de sermos atrados por tudo aquilo que, momentaneamente, nos fascina. Em um espectro mais espiritual: o Novo Testamento adverte-nos contra os falsos mestres que so especialistas em engodos, conforme nos diz o apstolo So Paulo. Porque os tais no servem a nosso Senhor Jesus cristo, mas ao seu ventre. E com suaves palavras e lisonjas enganam o corao dos simples. (Romanos 16:18).

    Toda e qualquer atitude, antes de serem tomadas, devem ser submetidas aos departamentos superiores do nosso ser, que nos liga a Deus. A paz espiritual nos dar o tempo para avaliarmos as circunstncias da vida, sob a lente da razo e superar os impulsos provocados pelas armadilhas emocionais que nos levam ao engano.

    Deus os abenoe!

    CHARGE

    O Campeonato Cearense de fu-tebol de 2015 comeou. At aqui, de novidade em relao aos anos ante-riores, apenas a antecipao do paga-mento das taxas de arbitragem, que dever ser feito pelo time mandante, antes do incio de cada partida. Quer dizer, o time aquinhoado com o man-do de campo ter que desembolsar, antecipadamente, o pagamento do trabalho do rbitro, ou no tem jogo. Ser mau pressgio da turma da ar-bitragem, temendo calote em casos de jogos com estdio vazio? No que pertence a parte organizacional da competio, repetem-se na atual tem-porada alguns erros recorrentes dos anos anteriores. Partidas j foram jogadas fora da casa do mandante porque o estdio respectivo no re-ne condies de abrigar jogos. Alguns jogadores recm-contratados no es-trearam ainda, em face da ausncia de seus nomes no Boletim Informativo Dirio-BID, que significa o atestado

    liberatrio do atleta para jogar pelo novo clube que o contratou. Alvitre-se, por oportuno, que a falha atribuda Federao Cearense de Futebol, que deveria remanejar as frias de seus funcionrios, de modo a propiciar a operacionalizao do BID, em tempo satisfatrio. Com relao aos cidados que integram o quadro de rbitros da mentora cearense, espera-se que a re-centemente anunciada reciclagem dos homens do apito tenha contribudo, de forma efetiva, para melhorar o nvel das arbitragens durante a competio, evitando erros crassos acontecidos em passado recente e que tanto contribu-ram para denegrir a imagem de alguns rbitros locais. Sabe-se e compreende--se, por bvio, quo difcil conduzir uma partida de futebol sem erros. Mas alguns erros de arbitragem ocorrem com aparncia de propositais.

    Por sua vez, os clubes que dispu-taro o campeonato do ano iniciante apresentam muitas novidades em ter-mos de contrataes. Embora com o p no freio, j que a porfia est apenas comeando, arriscamos afirmar que o Cear Sporting Club tem o melhor plantel. Manteve no elenco jogadores como Magno Alves, o meia Ricardi-nho e o bom zagueiro Sandro, todos destaques na srie B, recm-finda. O alvinegro tenta manter a hegemonia

    do futebol cearense. O Fortaleza, atin-gido por prolongada estiagem de t-tulos, fez vrias contrataes, mas ne-nhuma de grande impacto. Estreou na competio empatando com o Quixa-d, sem demonstrar grandes virtudes, principalmente para quem, como ele, fe